Manual cremalheira2

492 visualizações

Publicada em

manual elevador cremalheira

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
492
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual cremalheira2

  1. 1. 1 MANUAL DE INSTRUÇÃO ELEVADOR CREMALHEIRA LM 2.5
  2. 2. 2 Índice 1. Apresentação............................................................................03 2. Dados Técnicos..........................................................................04 3. Fundação...................................................................................06 4. Fixadores para Apoio da Torre...................................................07 5. Instrução de Operação para Elevação de Cargas.......................08 6. Teste de Queda..........................................................................10 7. Dispositivo de Segurança...........................................................11 8. Inspeção.....................................................................................13 9. Lubrificação................................................................................17 10. Instalação...................................................................................17 11. Ajuste do Equipamento.............................................................27 12. Detecção de Problemas.............................................................29 13. Substituição de Peças Danificadas.............................................30
  3. 3. 3
  4. 4. 4 1. Apresentação A Limac Bauru parabeniza a aquisição do Elevador Cremalheira LM 2.0. O Elevador é equipado com o mais avançado inversor de frequência modelo LM e movido por pinhão e cremalheira utilizados em construções para transporte vertical de pessoas e materiais. Ele pode ser instalado e desmontado de forma conveniente e ter a sua altura à medida que a construção cresce. Tem sua partida e frenagem suave, preservando assim o desgaste, prolongando sua manutenção e proporcionando um melhor conforto aos seus passageiros. Possui dispositivos de segurança eletromecânicos de alta confiabilidade. É o mais eficiente e seguro meio de transporte vertical.
  5. 5. 5 MODELO: Elevador Cremalheira LM 2.5
  6. 6. 6 Dados Técnicos Descrição Técnica Base com proteção: Consiste de uma base que serve de apoio para a torre e para as vigas da cerca de proteção. A porta é travada por um sistema eletromecânico. Ela não pode ser aberta se a cabine não estiver no nível do piso. E a cabine não poderá iniciar a subida se a porta não estiver fechada e travada. Se a porta não abrir ou a cabine não partir, verifique o posicionamento da cabine no solo ou o correto fechamento da porta. Modulo da torre: Cada seção possui 1.508 mm de comprimento e contém uma haste dentada (cremalheira) quando a cabine é simples ou duas hastes dentadas (cremalheira) para elevador com cabine dupla. As seções são fixadas através de parafusos e porcas para formar a torre. A torre é fixada à construção através de tirantes e é a guia para a montagem da haste dentada (cremalheira). Cabine: Consiste de uma estrutura de aço com paredes de grade de arame, com portas de entrada e saída. Roletes-guias guiam a cabine no percurso ao longo da torre. Ganchos de segurança fixados na estrutura da cabine evitam que ela incline ou tombe a sua parte superior. O teto da cabine possui estrutura com vigas que serve como plataforma de trabalho durante a montagem do equipamento. Pode-se facilmente acessar o local para montagens com uma escada. Fixação de apoio da torre: existem vários tipos de fixação. Selecione um deles de acordo com a necessidade. As fixações de apoio são também disponíveis em vários tamanhos. A distância entre os apoios deve variar de 06 a 09 metros com ao longo da torre. Acionamento do Elevador: Consiste de um motor elétrico, um sistema de frenagem eletromagnético, um sistema redutor, pinhões, etc. A cabine sobe por meio de pinhões engrenados com a cremalheira. Dispositivo de segurança: Consiste de um conjunto de cone circular, cone de frenagem, mola e um sistema de centrifugação com pesos. Quando a velocidade da cabine ultrapassa determinado valor, a força do sistema centrífugo ultrapassa a pressão da mola e gera um movimento que faz o eixo avançar e acionar o cone de freio. A força de fricção entre o cone de freio e o cone circular envoltório aumenta e isto assegura que a cabine seja freada gradualmente. O dispositivo de segurança está acoplado à cabine. Conjunto de elevação e montagem: Este conjunto é montado sobre o teto da cabine e é utilizado para erguer os módulos da torre, os apoios e demais componentes. O sistema de guincho do conjunto de elevação possui um freio. Ao soltar o manipulador o guincho é freado.
  7. 7. 7 Erga qualquer componente girando o manipulador na direção do ponteiro do relógio ou o abaixe girando na direção contraria. Ajuste o posicionamento do conjunto de elevação de acordo com a necessidade. Dispositivo de guiagem do cabo: Utilizado para manter o cabo em posição quando a cabine é elevada. Selecionar a cesta do cabo, a estrutura móvel ou a polia do cabo de acordo com a necessidade. Porta da base de proteção: A porta da base deve ser selecionada de acordo com a necessidade. Ela somente pode ser aberta para utilização se a cabine estiver no nível do piso. A cabine não poderá iniciar a partida se a porta estiver aberta ou não travada. Sistema de controle de segurança: Consiste de alguns relês de segurança e outros dispositivos de controle. Se a movimentação da cabine apresentar alguma anormalidade o sistema irá cortar a energia automaticamente e a cabine irá parar. Relês de segurança estão instalados nas portas e na porta-alçapão da cabine. A cabine não irá iniciar sua ascensão se todas as portas não estiverem fechadas e travadas. Um relê para corda solta está instalado na parte superior da cabine. Há também relês limitadores de curso nas partes superior e inferior, relê com retardamento e relês trifásicos na cabine. Quando a cabine atinge o limite superior da torre ou inferior do piso, ela é parada automaticamente. Se a cabine não parar dentro da faixa de operação dos relês fim-de-curso, o relê trifásico irá cortar a energia e a cabine será freada. Existe micro relês para: 1) Porta-alçapão 2) Porta de entrada 3)Limite superior 4)Limite inferior 5)Relê trifásico 6) Porta externa (ou de saída). 2. Fundação 1- Cálculo do peso total G (Kg) = Cabine + Base de proteção + torre + contrapeso + carga.
  8. 8. 8 2- Cálculos da carga estática P sobre a fundação P= G x 2 1Kg = 9,8 N = 0,0098 KN P = G x 2 x 0,0098 KN = G x 0,0196 KN P = G x 0,02 KN Exemplo: Elevador LM 2.0 Altura da torre: 100 m. Fixação de apoio: tipo II Peso da cabine (cabine dupla): 2x 2.000 Kg. Peso da cabine de proteção: 1.225 Kg. Peso da torre: (66 x 156) + (15 x 110) Kg. Capacidade de carga da cabine (cabine dupla): 2 x 2.000 Kg. Peso Total: G = 18.531 Kg. A carga sobre a fundação é igual a: P = 370,62 KN. Pmáx para a base de concreto é 3.702,62 KN, o que significa que a resistência da fundação é adequada na situação acima. A pressão sobre o solo é maior que 0,15 Mpa. Preparação da fundação: Placa de concreto nivelada com o solo. Requisitos técnicos: 1. A carga sobre a fundação deverá ser maior que P: P = (Cabine + cerca de proteção + torre + carga) x 0,02 (KN) 2. A resistência do solo sob a fundação deverá ser maior que 0,15 MPa. 3. Armação de reforço duplo: barras de 12 mm de diâmetro. 4. A distância L é determinada pelo tipo de fixação de apoio utilizado. 5. A estrutura da fundação deve ser cravada na placa de concreto. 6. Construir um sistema de drenagem para a base. 3. Fixação dos Apoios Força de reação F na parede: L = 3.200 mm B = 1.430 mm Classe de resistência: 4.8 - 8.8 Parafuso e porca: Rosca M24
  9. 9. 9 F = (L x 60) ÷ (B x 2,05) KN F= (3.200 x 60) ÷ (1.430 x 2,05)KN F = 65,49 KN Observação: De acordo com a necessidade, selecione o método mais conveniente para posicionamento dos fixadores na construção e prepare parafusos, porcas e demais componentes com resistência adequada às forças F da fórmula acima. O parafuso pode ser o M24 com classe de resistência 4.8 – 8.8. 4. Instrução sobre o Equipamento Requisitos de segurança: 1. O treinamento do operador é essencial para que ele se familiarize com a operação do equipamento e com o funcionamento de cada um dos seus componentes. 2. Nunca operar o equipamento quando a velocidade do vento exceder a 20 m/s (no anemômetro) ou se faltar condições para a operação por problemas climáticos (chuvas, descargas elétricas, etc.). 3. Não permitir a presença de obstáculos na via de percurso da cabine ou do contrapeso. 4. Não permitir o acúmulo de água na região da fundação. Deve existir drenagem. 5. Manter a cabine limpa. 6. Assegurar-se que a carga a ser transportada seja menor que a capacidade do equipamento. 7. Não abrir a porta e não permitir que partes do corpo ou objetos fiquem de fora da cabine ou salientes enquanto ela se desloca. 8. Manter as pessoas afastadas quando a cabine iniciar sua movimentação. 9. Posicionar a cabine no nível do solo, travar o relê trifásico e desligar a alimentação de energia do equipamento quando o trabalho se encerrar ao final do dia. 10. Designar um inspetor fixo para fazer todas as inspeções do equipamento. 11. Não permitir que pessoas alcoolizadas operem o equipamento. 12. As instalações e ajustes do equipamento devem ser realizados sobre o teto da cabine.
  10. 10. 10 13. Assegurar-se de que a inspeção, manutenção e teste de queda sejam executados periodicamente. 14. Se houver interrupção momentânea da energia, esperar 03 segundos para operar o equipamento quando os relês forem ligados. 15. Inspecionar o equipamento após 10 minutos do desligamento da alimentação de energia. OPERAÇÃO: 1. Um responsável designado deverá ligar a chave-geral e travá-la. Ninguém poderá desligá-la sem autorização. Pode-se desligar a chave-geral em caso de emergência, mas ela deverá ser substituída depois deste evento. Quando se desligar a chave-geral e travá-la, ninguém deverá ligá-la sem autorização do responsável. 2. Fechar as portas (as portas da cabine, as portas da base de proteção e a porta-alçapão). Assegurar-se de que todas elas estão travadas adequadamente. 3. Ligar o relê trifásico. Assegurar-se que os fusíveis estejam íntegros e que os botões de parada de emergência e travas elétricas estejam ligados. 4. Assegurar-se que os relês de fim-de-curso superior, inferior e o relê trifásico estejam operando adequadamente. 5. Empurrar o botão de partida durante 2 segundos. Depois de 3 segundos colocar a alavanca na posição de baixa velocidade. 6. Não iniciar a partida com a cabine se ela não estiver parando firmemente. 7. Se a energia for cortada repentinamente, a cabine deverá ser acionada somente 2 segundos após o retorno da energia. 8. Se ocorrer algum evento anormal na operação, pressionar o botão de parada de emergência do equipamento e desacioná-lo somente após a resolução do problema. 9. Utilizar o teto da cabine para executar as operações de instalação do equipamento. 10. Se o equipamento parar de forma anormal, o operador deverá leva-lo até o solo por meio manual. Levantar o freio do motor para permitir que a cabine escorregue para baixo suavemente. Observação: A velocidade de escorregamento deve ser menor que a velocidade de operação normal, senão o dispositivo anti queda será acionado. Aguardar 1 minuto para cada 20m de
  11. 11. 11 descida para o freio esfriar. Esta operação manual deve ser executada por pessoal treinado na manutenção do equipamento. RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: 1. Verificar se a chave-geral esta ligada e se há energia alimentando o sistema. 2. Verificar se o botão de parada de emergência está acionado. 3. Verificar se o relê trifásico está ligado. 4. Verificar se as portas da cabine e a porta-alçapão estão fechadas. 5. Verificar se a porta da base esta fechada e travada. 6. Verificar se o relê do cabo sobre a cabine não foi acionado. 7. Verificar se o disjuntor desarmou. Levantar o freio do elevador sobre o motor parar permitir que a cabine deslize vagarosamente para baixo. 5. TESTE DE QUEDA: Um teste de queda deverá ser executado a cada nova instalação, e a cada reinstalação, depois que o equipamento for reparado. Este teste deverá ser executado pelo menos a cada seis meses, durante o período do uso do equipamento, ou de acordo com as normas locais. Os dispositivos de segurança devem ser entregues à fábrica e inspecionada a cada dois anos. Se estiverem de acordo com os padrões, eles podem ser utilizados continuamente. A vida útil dos dispositivos de segurança é de 05 anos. MÉTODO: 1. O equipamento deve ser testado com carga próxima de plena capacidade da cabine.
  12. 12. 12 2. Cortar a alimentação de energia. Conecte a caixa de botoeiras para o teste de queda na Caixa de Controle (Ver figura abaixo). 3. Puxar a caixa de botoeiras e o cabo para fora da porta da cerca de proteção, e colocar a caixa sobre o piso. Assegurar-se de que o cabo não está comprimido ou preso indevidamente. Fechar todas as portas. 4. Ligar a chave geral de alimentação. 5. Acionar, pressionando o botão “UP” (subir), e elevá-la até a altura de 10 metros. 6. Acionar o botão “DROP” (cair) e mantê-lo acionado. A cabine irá cair até atingir a velocidade de atuação do dispositivo anti queda e a alimentação de energia será cortada. Observação: Solte rapidamente o botão “DROP” (cair) e observe se a cabine para, no mínimo, a 3,0 metros do solo. Caso contrário, trazer a cabine cuidadosamente para o solo, com pequenos deslocamentos com o botão “DROP”. Investigar a causa da falha. 7. Acionar a cabine e erguê-la 0,20 metros do solo pressionando o botão “UP” (subir). 8. Mover a cabine para baixo, promovendo pequenos deslocamentos com o botão “DROP” (cair). Observação: A distância de queda de cada pequeno deslocamento deve ser menor que 0,20 metros, caso contrário o sistema de segurança será acionado novamente. VELOCIDADE DE SUBIDA VELOCIDADE DE FRENAGEM (m/min) (m) V ≤ 39 0,15 – 1,40 6. DISPOSITIVO DE SEGURANÇA Requisitos de uso do dispositivo de segurança: 1. Os dispositivos de segurança são ajustados e selados. Não desmontá-los. 2. Se o dispositivo disparar de forma anormal durante o teste de queda, investigue a causa e rearme o dispositivo. 3. Interrompa o uso imediatamente e troque por um novo se ocorrer algum fenômeno estranho.
  13. 13. 13 4. O elevador não poderá operar se o dispositivo de segurança não for desarmado após ter sido acionado. Rearmar o dispositivo de segurança: Rearme o dispositivo de segurança depois de ele ter atuado. Antes de liberar o trabalho de um dispositivo de segurança, a causa da sua atuação deve ser investigada. Além do teste de queda, verificar: 1. Se o freio está em ordem. 2. Se o moto redutor e acoplamento estão em ordem. 3. Se os rolos-guias e os rolos do contrapeso estão em ordem. 4. Se pinhões e cremalheiras estão em ordem. 5. Se os relês do sistema de segurança estão em ordem. Observação: Desconectar a caixa de botoeiras do teste de queda depois de executá-lo. AJUSTE DO SISTEMA DE SEGURANÇA: Desligue a alimentação de energia e rearme o sistema de segurança conforme a descrição abaixo (ver a figura abaixo): 1. Remova o parafuso 1 e levante a tampa 2. 2. Remova o parafuso 3. 3. Utilize a ferramenta 5 e a barra de torção para desparafusar a porca 7 até que a sua face fique nivelada com a face do eixo do dispositivo de segurança. 4. Instale os parafusos 3 e a tampa 2. 5. Remova a tampa 9. 6. Instale e aperte manualmente, tão forte quanto possível, os parafusos 8, e daí utilize a ferramenta para apertar o parafuso 8 em mais 30ᵒ. 7. Coloque a tampa 9. 8. Acione a chave geral e coloque o elevador cerca de 20 cm para cima para rearmar o sistema centrífugo do dispositivo de segurança. Observação: O sistema de segurança deve ser substituído se “L” for maior que 8,0 mm depois de executado o teste de queda.
  14. 14. 14 7. INSPEÇÃO: Observação: Desligar a chave geral 10 minutos ante de iniciar a inspeção. Inspeção diária: 1. Verificar o relê de segurança da porta da cerca de proteção: o elevador não poderá partir se a porta estiver aberta. 2. Inspecionar e assegurar-se de que o relê trifásico atua e que os relês de fim-de-curso estão em ordem. 3. Inspecionar os relês de segurança da seguinte forma: a. Abrir a porta de entrada da cabine. b. Abrir a porta-alçapão. c. Pressionar o botão de parada de emergência. d. Não permitir a presença de obstáculos no caminho de percurso da cabine e do contrapeso. 4. Inspecionar a folga da engrenagem entre pinhão e cremalheira. Assegurar-se de que a folga esteja entre 0,2 – 0,5 mm. Inspeção semanal: 1. Assegurar-se de que todos os parafusos se junção da base do equipamento estão apertados. 2. Assegurar-se de que todas as partes que exigem lubrificação estejam lubrificadas. 3. Assegurar-se de que todos os parafusos da cremalheira, dos rolos-guias, do conjunto de roletes, dos módulos da torre e dos apoios de fixação estão devidamente apertados. 4. Assegurar-se de que todas as juntas do apoio do cabo e das seções das guias do cabo estão devidamente apertadas. 5. Assegurar-se de que o motor elétrico não apresenta ruído e não gera aquecimento anormal. Observação: Desligar a chave geral 10 minutos antes de iniciar a inspeção. Inspeção trimestral: 1. Inspecionar os roletes, todas as polias, e os rolamentos de todos os roletes. Ajustar ou trocar, se necessários. 2. Inspecionar o desgaste dos roletes, ajustar a folga entre os roletes e os tubos verticais. A folga deve ser de 0,5 mm. Soltar a porca, girar o contra eixo, calibrar e o apertar em seguida. 3. Inspecionar a isolação do motor e do circuito elétrico, e o aterramento do motor. 4. Executar um teste de queda para inspecionar o dispositivo de segurança. 5. Inspecionar as sapatas de freio com um calibrador de espessura. 6. Inspecionar o ventilador do motor.
  15. 15. 15 Inspeção anual: 1. Inspecionar danos nos cabos. Reparar ou substituir, se necessário. 2. Inspecionar o desgaste da borracha no acoplador. 3. Inspecionar e fazer manutenção em cada um dos componentes, ou substitui-los, se necessário.
  16. 16. 16 Inspecionar o desgaste do dente do sem-fim: Retirar o “plug” de inspeção da caixa de engrenagens e avaliar o desgaste do sem-fim. Colocar o calibrador com a ponta de medição na posição vertical e no centro de um dos dentes. Se a ranhura entrar no dente o sem-fim estará gasto. Se não entrar, refazer a medição para avaliar se esta aceitável (até 50% de desgaste). Inspecionar a cremalheira: Inspecionar o desgaste da cremalheira. A espessura do dente de uma cremalheira nova é 12,56 mm. O máximo desgaste tolerável para o dente é de 10,60 mm. Medir o desgaste com o calibrador para o dente da cremalheira. Se a ponta do calibrador atinge o fundo entre os dentes, a cremalheira deve ser substituída.
  17. 17. 17 Inspecionar o pinhão: Inspecionar o desgaste do pinhão, pinhão novo: 37,1 mm. Máximo desgaste permissível: 35,8 mm. Inspecionar o torque do motor: Inspecionar o torque do motor através de uma barra e um dinamômetro. O torque do motor de 11KW deve ser de 120 N.m.
  18. 18. 18 8. LUBRIFICAÇÃO: Lubrificar todos os locais abaixo descritos após finalizar a instalação e antes de operar com o equipamento. A frequência de lubrificação esta descrita na tabela, ou uma vez por semana, quando o equipamento estiver operando normalmente. FREQUÊNCIA ITEM LOCAL DE LUBRIFICAÇÃO INSTRUÇÕES SEMANAL 1 caixa de engrenagens verificar o nível de óleo. Recompletar se necessário. MENSAL 2 pinhão e cremalheira engraxar as superfícies 3 dispositivo de segurança com pistola de graxa 4 rolos guias com pistola de graxa 5 trilho-guia para porta contra peso engraxar a cabine e a cerca de proteção 6 tubos da torre engraxar as superfícies BIANUAL 7 polias com pistola de graxa 8 caixa de engrenagens trocar o óleo Observação: Troque o óleo da caixa de engrenagem após a primeira semana de uso de um equipamento novo. 9. INSTALAÇÃO Preparação antes da instalação: 1. Assegurar-se de haver alimentação de energia no local de instalação do equipamento. Instalar uma caixa de entrada de energia exclusiva para o equipamento e um relê para cada cabine. Para dimensionar os fusíveis, ver dados técnicos. 2. A distância entre a subestação e a caixa de entrada não deve ser maior que 20 metros. A seção do cabo de cobre deve ser maior que 25 mm², e deve ser aumentada quanto maior a distância entre a subestação e a caixa de entrada. 3. Assegurar-se de que haja equipamentos de elevação e ferramentas adequadas no local de montagem do equipamento. 4. Assegurar-se de que o acesso e a área de montagem estão preparados para receber e transportar o equipamento e seus componentes. 5. Execute a fundação de acordo com as instruções deste manual. 6. Selecione o método de fixação dos apoios. Preparar as estruturas e fixar as partes quando necessárias. 7. Preparar os acessórios da base tais como pontes e trilhos, de acordo com os requisitos do usuário. A porta de cerca de proteção deve ser solicitada de fábrica.
  19. 19. 19 8. De acordo com as normas e requisitos locais instalar os dispositivos e conexões de aterramento do equipamento: R ≤ 4 Ω. Excetuando-se os componentes fornecidos pelo usuário, todos os componentes do equipamento devem ser supridos pelo fabricante LIMAC. Não utilizar componentes que não sejam originais de fábrica. Preparação da base e de componentes: 1. Preparar a fundação conforme os requisitos já descritos. Preparar alguns calços com placas de aço de 2-12 mm de espessura para colocar sob a base para ajustar a perpendicularidade da torre. 2. Preparar a caixa de entrada de energia e conectar o cabo de alimentação de acordo com as normas aplicáveis. 3. Preparar os cabos de 25 mm² para conexão da caixa de entrada com a caixa de entrada do equipamento. A extensão dos cabos deve ser a menor possível. O cabo mais longo não deve ter mais do que 20 metros. 4. Preparar os parafusos e as peças que são fixas à base de concreto. 5. Preparar o conjunto de ferramentas a ser utilizado para a montagem além das ferramentas especificas fornecidas com o equipamento. 6. Observação: As ferramentas abaixo deverão ser preparadas ou adquiridas pelo usuário. Requisitos de segurança para a instalação 1. Limpar o local da instalação do e cercar para isolamento. Não permitir a entrada de pessoas estranhas à montagem. 2. Providenciar rede de proteção para evitar que pessoas caiam no local onde está sendo erguido o equipamento.
  20. 20. 20 3. As pessoas que trabalharem na tarefa de montagem devem ter atribuições especificas. As demais devem se manter fora da área de montagem. 4. Todos os componentes sobre a cabine devem ser colocados firmemente, para evitar quedas, e mantidos dentro da cerca de segurança. 5. O guincho deve ser utilizado somente para instalação e desmontagem dos componentes, e não pode ter a sua capacidade excedida. 6. Não mover a cabine quando o guincho estiver sendo utilizado. 7. O pessoal da instalação deve utilizar capacete, cinto e sapatos de segurança. 8. Antes da operação, fazer o aterramento da estrutura do equipamento com R ≤ 4Ω. 9. Não fazer instalações à noite, ou sob má iluminação, e não permitir que pessoas trabalhem alcoolizadas. 10. Não permitir que pessoas coloquem as mãos ou a cabeça para fora do perímetro do parapeito sobre a cabine quando ela estiver em movimento (figura 1.1). 11. Não movimentar o elevador quando houver pessoas trabalhando na torre ou fixação dos apoios. Ninguém poderá se manter dentro da cerca de proteção quando o equipamento estiver em ascensão. 12. A caixa do controle do equipamento devera ser mantida no teto da cabine com o montador, durante o processo de instalação. Ninguém deve operar o equipamento neste momento. 13. Inspecionar cada componente montado antes de dar a partida inicial no equipamento. 14. Durante a operação, a carga não deve exceder a capacidade do equipamento. 15. A instalação não deverá ser executada sob neve, chuvas intensas ou quando a velocidade do vento exceder a 13 m/s. 16. Apertar os parafusos das juntas da torre e da fixação dos apoios, e refazer a verificação (figura 1.2). 17. Refazer a inspeção da perpendicularidade da torre após a instalação dos apoios. 18. Após finalizar a instalação, lubrificar conforme as recomendações do Manual.
  21. 21. 21 Instalação do equipamento: O elevador de uma ou duas cabines, com sua cerca de proteção, deve ser montado e ajustado por pessoal especializado para uma instalação adequada. Se o equipamento tiver sido utilizado antes, ele deverá ser inspecionado da mesma forma que um equipamento novo. Se algum componente como o dispositivo de segurança, o pinhão ou a cremalheira tiver sido avariado, ou sofrido um desgaste além do máximo permitido, ele deverá ser substituído. 1. Limpar a superfície da fundação. 2. Instalar a base do equipamento e fixar seus parafusos. 3. Instalar a base da torre, fixar com parafusos. 4. Instalar a mola sob a cabine. 5. Levantar a cabine e colocá-la em posição. 6. Soltar o freio do motor elétrico. Método de liberação do freio: fazer o desmonte dos dois pinos. Desapertar as duas porcas paralelamente até que o freio fique solto, e o disco de freio possa girar. 7. Levantar o conjunto de acionamento da cabine até o topo da seção da torre. 8. Ajustar o conjunto de acionamento e a cabine, alinhando os seus pontos de fixação (orelhas). Inserir o pino de transmissão e fixá-los com o pino de travamento. 9. Recolar o freio. 10. Medir a perpendicularidade da torre com um nível de bolha ou uma linha de prumo. Garantir que o desvio da perpendicularidade de cada módulo pós-montagem seja menor que 1/1.500 nas duas direções.
  22. 22. 22 11. Ajustar a torre do elevador verticalmente colocando calços de aço para nivelamento entre a estrutura da base e a fundação. 12. Quando a torre estiver nivelada verticalmente apertar os parafusos de base com um momento de 350 N.m. 13. Ajustar a perpendicularidade da parte frontal da cerca de proteção com um nível de bolha ou uma linha de prumo. Garantir que o desvio da vertical da parte frontal da cerca de proteção seja menor que 1/1.000 nas duas direções. 14. Instalar as vigas de segurança sobre o teto da cabine. 15. Ajustar a trava da porta. Observação: As porcas do freio devem ser apertadas até a posição indicada; daí os pinos devem ser colocados. Ajuste após a instalação: 1. Remover as barras ou vigas de madeira usadas para o transporte. 2. Assegurar-se de que a folga da engrenagem do pinhão com a cremalheira seja de 0,2-0,5 mm. 3. Assegurar-se de que a folga entre a cremalheira e os roletes-guias seja de 0,5 mm. 4. Assegurar-se de que a folga entre cada rolete e os tubos da torre seja de 0,5 mm. 5. Todas as portas devem abrir e fechar com facilidade. 6. Instalar a mola amortecedora. Instalação do guincho: Coloque o guincho em posição sobre o teto da cabine (Conectar a energia para o guincho).
  23. 23. 23 Montagem da torre: 1. Limpar as duas extremidades de cada módulo da torre e os pinos da cremalheira. Lubrificar cada um deles. 2. Abrir uma seção da cerca de segurança. Afrouxe o gancho para prender no cabide do mastro. 3. Pegar uma seção da torre com o gancho de elevação. 4. Levantar a seção da torre com o guincho até o teto da cabine. 5. Fechar a cerca de segurança. Elevar a cabine até um ponto próximo do alto da torre. A distância ideal até o topo deve ser de 300 mm. 6. Erguer a seção da torre com o guincho. Baixar sobre a seção já montada, alinhando a estrutura e os pinos da cremalheira. Introduzir os parafusos. 7. Soltar o gancho e girar o guincho para apertar todos os parafusos. Apertar com momento de 300 N.m. 8. Repita os movimentos com cada seção da torre até atingir a altura desejada. Montar as fixações do apoio obedecendo as distâncias prescritas. Medir a perpendicularidade dos trechos já montados da torre. 9. Se um guindaste estiver disponível no local da montagem, seções de 4 a 6 módulos poderão ser montadas no solo e erguidas até o topo da torre. DESVIO PERMISSÍVEL DE PERPENDICULARIDADE ALTURA(H)(M) ≤ 70 > 70 – 100 > 100 – 150 > 150 – 200 > 200 DESVIO H x (0.5/1.000) 35 40 45 50 Instalação da fixação dos apoios: 1. Instalar os dois suportes na torre. Apertá-los com parafusos. 2. Fixar os dois tubos sobre os suportes da parede. 3. Juntar as outras partes, fixando-as com parafusos e pinos. Ajustar a distância em ambas direções. Verificar a perpendicularidade da torre após a fixação de cada apoio. 4. Apertar todos os parafusos. Fazer um pequeno deslocamento da cabine e assegurar-se de que a cabine e o contrapeso não toquem na fixação dos apoios. Observação: O ângulo da inclinação horizontal da fixação dos apoios não é maior que ±8º, ou seja, 144/1.000.
  24. 24. 24 Partes e Montagens da ancoragem da torre: Detalhe da Ancoragem fixada na estrutura: Instalação do dispositivo de guiamento do cabo: 1. Suspender o carretel acima da cesta do cabo, por meio de um guincho (figura 1.1). 2. Desenrolar o cabo cerca de 2.5m para conectá-lo com a entrada de energia. 3. Puxar o cabo através do fundo da cesta e o aproximar da caixa de entrada de energia, sem conectá-lo ainda. 4. Introduzir o cabo na cesta, camada por camada, na direção do ponteiro do relógio, conforme indicado no desenho abaixo (figura 1.2). 5. Montar um soquete na extremidade do cabo e plugar na saída do braço de apoio do cabo. 6. Conectar o cabo na caixa de entrada e acionar o elevador, e verificar se o cabo enrola e desenrola corretamente (figura 1.3).
  25. 25. 25 7. Instalar as guias do cabo à medida que a montagem da torre avança. 8. Ajustar as posições das guias do cabo e dos seus suportes para assegurar o posicionamento do cabo no centro do “U” da guia.
  26. 26. 26 Instalação do dispositivo de guiamento do cabo com o carrinho do cabo. 1. Ligar o cabo de alimentação na saída e fixa-la no braço do suporte do cabo. Observação: O cabo deve ser desenrolado de forma que não sofra torções. 2. Conectar a outra extremidade do cabo aos três terminais. 3. Montar a torre até a metade de sua altura final e adicionar 3 metros com o cabo livre de fixação. O cabo deve ser esticado por um auxiliar na base do piso. Observação: Não apoiar-se sobre o parapeito no teto da cabine quando o elevador estiver se deslocando para cima durante a instalação. Isto pode ser perigoso. 4. Erguer o carretel do cabo sobre o teto da cabine através do guincho. Montar o carretel do cabo sobre um eixo ou tubo, que deve estar apoiando sobre um suporte no teto da cabine, de forma que possa ser facilmente desenrolado. 5. Dirigir a cabine para o topo do mastro e manter o cabo esticado por um auxiliar na base do piso. 6. Instalar o apoio do cabo no topo da torre. 7. Conectar o cabo à caixa de junção no apoio do cabo. 8. Prender o cabo à torre. 9. Mover a cabine para baixo e prender o cabo à torre com gravatas de pressão a cada 6 metros em todo o trecho até a base do piso. 10. Mover a cabine para cima até o suporte do cabo no topo da torre. 11. Cortar a alimentação de energia e desconectar o cabo do painel da base e, depois disto, conectar o cabo já fixado aos terminais. 12. Enrolar o cabo de alimentação de saída e conectar a sua extremidade à caixa de junção no suporte do cabo. 13. Instalar o cabo em seu suporte. 14. Ligar a alimentação de energia e assegurar-se de que os cabos tenham sido conectados com a sequência de fases correta.
  27. 27. 27 15. Dirigir a cabine para baixo até a base do piso. Parar a cada 6 metros e instalar os guias de cabo na torre. 16. Colocar um escoramento na cabine, por medida de segurança, quando for instalar o carrinho do cabo sob a cabine. 17. Remover os dois roletes-guia em um dos lados do carrinho do cabo e coloca-lo sobre a torre abaixo da cabine. 18. Reinstalar os roletes-guias, apertando os seus parafusos apenas com a mão. 19. Ajustar o carinho do cabo de forma a obter uma folga de 0,5 mm entre todos os roletes e os tubos da torre. Empurrar o carrinho e verificar se desliza facilmente. 20. Remover a tampa lateral do carrinho do cabo e inserir o cabo conforme a ilustração. Reinstalar a tampa. Assegurar-se de que o cabo não está solto ou mal fixado. 21. Remover o escoramento. 22. Esticar o cabo de saída de energia com o carrinho na posição original. Esticar o cabo adicionalmente com o carrinho debaixo da cabine. Montar o cabo ao suporte sobre a cabine.
  28. 28. 28 Instalação do relê da porta da cerca de proteção: 1. Instalar a mola sob a cabine antes de instalar a cabine. 2. Ajustar o apoio da porta para a dimensão 129 antes de instalar o relê da porta da cerca de proteção. 3. Instalar o relê da porta da cerca de proteção sobre o perfilado de aço e ajustar o local do relê. 4. Verificar se o relê da porta da cerca de proteção funciona normalmente. 10. AJUSTE Quando a cabine e a unidade de acionamento já estiverem instaladas, a torre deve estar com 6 metros de altura. Verificar se a potência é suficiente. Deve ser feita a adequação do relê a situação. O motor deve partir e parar de forma correta. Verificar a adequação de todos os relês. A verificação da perpendicularidade da torre deve ser refeita após a instalação dos apoios de fixação. Avaliando a perpendicularidade por meio do teodolito ou outro instrumento. Quando a torre estiver instalada na altura especificada, deve-se verificar e ajustar todo o equipamento. 1. Ajustar as folgas dos roletes: Assegurar-se de que a folga entre os roletes e os tubos verticais da torre seja de 0,5 mm. Soltar a porca, girar o contra eixo, calibrar e apertar novamente.
  29. 29. 29 2. Ajustar a folga entre pinhão e cremalheira: Assegurar-se de que a folga esteja entre 0,2 – 0,5 mm. Caso contrário, soltar os parafusos da placa do maquinário e mover a placa, e apertar em seguida. 3. Ajustar a folga entre rolete-guia e cremalheira: Assegurar-se de que a folga seja de 0,5 mm. Caso contrário, solte a porca, utilizando um calibrador, gire a unidade excêntrica, ajuste-o e aperte-a novamente, garantindo um deslocamento correto. Observação: Quando alguém trabalhar debaixo da cabine, cortar a sua alimentação de energia, e fazer o escoramento de segurança.
  30. 30. 30 4. Teste de queda: Consultar o item “teste de queda” e ajustar o dispositivo de segurança, de acordo com o item “dispositivo de segurança” deste manual. 5. Came indicador de fim-de-curso superior, inferior e de retardamento: Came de fim-de-curso superior: Instalar o came de fim-de-curso superior para operar no alto da cabine. A distância da cabine até o ponto mais alto da torre deve ser de 500 mm com contrapeso. O ângulo entre o relê superior e a horizontal deve ser de 89ᵒ. A distância do came limitador de curso inferior até o relê deve ser de 400 mm. Assegurar-se de que o came esteja paralelo em relação aos tubos verticais para que os limitadores de curso funcionem normalmente. Came de fim-de-curso inferior: Instalar o came de fim-de-curso inferior na cabine. O piso da cabine é adequado para englobar a soleira da porta quando o equipamento está carregado. Empurrar o botão de emergência. Ao instalar o came de fim-de-curso inferior, o ângulo entre o relê de fundo e a horizontal deve ser de 89ᵒ. A distância da parte superior do came de fim-de-curso inferior até o relê deve ser de 400 mm. Assegurar- se que o came fique paralelo com o tubo vertical. Ligar o relê de emergência. Assegurar-se de que os relês de fim-de-curso inferior e de retardo funcionem normalmente. 6. Lubrificação do equipamento: Para lubrificação do equipamento consultar o item “lubrificação” deste manual. 7. Verificação completa: Consultar o “certificado de teste de conexão da Limac Bauru” 8. Inspecionar as engrenagens: Para inspecionar as engrenagens, consultar o item “inspeção” deste manual. 12. INVESTIGAÇÃO DE DEFEITOS Problemas mecânicos e causas prováveis 1 A cabine apresenta curso irregular e choques quando o elevador se movimenta. 1- Parafusos dos roletes estão soltos. 2- A folga da engrenagem entre pinhão e cremalheira é excessiva. 3- A folga entre rolete e cremalheira é excessiva. 4- A engrenagem entre pinhão e cremalheira apresenta má ou pouca lubrificação. 2 A cabine parte ou freia repentinamente. 1- O torque do freio está muito elevado. 2- A borracha entre o acoplamento do motor e o dispositivo de redução está avariada. 3 O motor apresenta choque quando o elevador se movimenta. 1- A fixação do motor está solta. 2- A camada de borracha se desprendeu. 3- A conexão entre o dispositivo de redução e a placa do maquinário está solta. 4 A cabine apresenta choque quando o elevador se movimenta. 1- A interface na montagem dos módulos da torre apresenta desalinhamento importante. 2- O aparafusamento dos módulos da torre apresenta desvios importantes de torque. 5 A cabine apresenta oscilação quando 1- O aparafusamento dos roletes está solto.
  31. 31. 31 o elevador se movimenta. 2- O aparafusamento da placa de suporte está solto. 6 O equipamento apresenta grande choque quando para ou é acionado na partida. 1- Soltar 06 na parte traseira do motor. 2- A folga entre pinhão e cremalheira, ou entre os roletes e os tubos verticais, ou ambas, não está correta. 7 O ruído do freio é muito grande. 1- Lock bear do freio está quebrado. 2- O disco de rotação está oscilando. 8 Desgaste da sapata do freio é rápida. 1- O disco de freio está gasto. 2- Os freios não estão em sincronismo por causa da sujeira. 3- Freios não funcionam porque a sua potência não é suficiente. 9 Motor apresenta a temperatura muito elevada. 1- O freio não está em sincronismo. 2- O equipamento funcionou com sobrecarga durante muito tempo. 3- Partidas de frenagens muito frequentes. 4- A tensão local de alimentação está muito baixa. 10A distância de frenagem é muito longa ao parar. Substituir as sapatas do freio e apertar 6 na parte traseira do motor. 11Dispositivo de redução vaza óleo. 1- Estrutura do dispositivo de redução está quebrada. 2- O parafuso de fixação da janela de observação das engrenagens não foi devidamente apertado. 3- O anel da caixa do sem-fim está quebrado. 12O desgaste do sem-fim é muito rápido. 1- O nível de óleo não é o correto. 2- O óleo da caixa de redução não foi trocado no tempo correto. 3- O centro da distância entre o pinhão e a coroa está incorreto. 13Suspiro vaza óleo. 1- Excesso de óleo na caixa. 2- Suspiro instalado incorretamente. 14Ruído intermitente durante a movimentação do equipamento. 1- O óleo está sujo. 2- O nível do óleo está baixo. 15Ruído permanente durante a movimentação do equipamento. 1- O rolamento está quebrado. 2- Algum componente do dispositivo de acionamento está quebrado. 16O eixo de saída não gira apesar de o motor girar normalmente. A chaveta do eixo está quebrada ou fora de posição. 13. SUBSTITUIÇÃO DE COMPONENTES AVARIADOS. Pinhões: Trocar os pinhões antes de o equipamento ser instalado. Será mais fácil. Verificar o desgaste dos pinhões antes de cada instalação, e trocá-los quando o desgaste exceder a dimensão da figura abaixo. Recomenda-se que os pinhões sejam substituídos antes do desgaste atingir o máximo valor permitido. Devem-se trocar todos os pinhões tanto nos conjuntos de acionamento com dois motores como no de três motores.
  32. 32. 32 Método de substituição dos pinhões: 1. Posicionar a cabine sobre a estrutura do solo (sem a mola amortecedora). 2. Desmontar as várias seções da torre com o guincho (manter somente uma seção). Observação: Remover os parafusos da torre e soltar o freio primeiro. Daí, desmontar as seções. Ao acionar o acoplamento para baixo, os pinhões irão mover a seção da torre para cima. Levantar as seções ao mesmo tempo. 3. Desparafusar a porca. 4. Desmontar o pinhão com uma ferramenta adequada. 5. Limpar o eixo com querosene e lubrifica-lo com óleo. 6. Instalar o novo pinhão. Protege-lo contra choques. 7. Fixar novamente a porca. 8. Instalar as seções da torre com o guincho e apertar as seções da torre com um torque de 350 N.m. 9. Refazer a verificação da folga entre pinhão e cremalheira. Observação: Durante o período normal de operação, o dispositivo de redução e o motor devem ser desmontados antes da substituição dos pinhões (ver: troca do dispositivo de redução).
  33. 33. 33 Cremalheira: Trocar a cremalheira quando o desgaste atingir o valor máximo permitido (ver figura). 1. Remover os parafusos. 2. Retirar a cremalheira gasta ou avariada. 3. Limpar os furos do suporte. 4. Instalar a nova cremalheira com as dimensões e tolerâncias conforme a figura abaixo. 5. Apertar os parafusos com torque de 195 N.m. Roletes guias: Substituir os roletes-guias quando estiverem gastos ou com seus rolamentos avariados. 1. Desparafusar porca dos roletes-guias. 2. Retirar o desgastado ou substituir por um novo. 3. Ajustar a folga entre a cremalheira e o rolete com 0,5 mm. 4. Apertar o parafuso com um torque de 300 N.m. Roletes: Substituir os roletes quando o seu desgaste exceder a dimensão abaixo ou quando os seus rolamentos estiverem avariados. 1. Desparafusar a porca e retirar o rolete. 2. Colocar o rolete novo. 3. Ajustar a folga entre o rolete e os tubos da torre girando o eixo excêntrico do rolete. 4. Apertar o parafuso com um torque de 200 N.m.
  34. 34. 34 Montagem do rolete superior: 1. Retirar a mola amortecedora e colocar a cabine sobre a base do piso. Bloquear o acionamento da cabine. 2. Remover as porcas e desmontar o conjunto do rolete superior. 3. Instalar um novo rolete. Apertar com momento de 300 N.m. Montagem do rolete inferior: 1. Retirar a mola amortecedora e colocar a cabine sobre a base do piso. Bloquear o acionamento da cabine. 2. Desmontar o prato sob o conjunto de acionamento. 3. Desparafusar a porca e desmontar o rolete inferior. 4. Instalar um novo rolete. Os parafusos de fixação ainda não devem ser apertados. 5. Apertar a porca com torque de 300 N.m. 6. Ajustar o prato sobre a cabine. Dispositivo de segurança: 1. Remover a cobertura sob o dispositivo de segurança. 2. Desconectar o cabo elétrico do relê. 3. Soltar os parafusos de fixação e remover o dispositivo de segurança. 4. Instalar um novo dispositivo de segurança. Assegurar-se de que o dispositivo de segurança e o prato da extremidade fiquem próximos. 5. Conectar o cabo elétrico. 6. Fazer um teste de queda. 7. Rearmar o dispositivo de segurança e lubrificar. Observação: Não martelo na instalação ou desmontagem do dispositivo de segurança. Após a sua substituição, é mandatória a execução de um teste de queda.
  35. 35. 35 Conjunto moto redutor: 1. Desconectar o cabo elétrico do motor e identifica-lo para facilitar a remontagem. 2. Desmontar o motor ou o redutor. Atender aos requisitos abaixo descritos após a troca por elementos novos: Assegurar-se que a folga entre o eixo do motor e o acoplamento seja de 2,0-2,5 mm, o paralelismo da superfície deve ser menor que 0,05 mm, e a coaxialidade deve ser menor que 0,05 mm. Assegurar-se que a folga da engrenagem entre pinhão e cremalheira esteja entre 0,2-0,5 mm. Assegurar-se que a folga entre os roletes guias e a cremalheira seja de 0,5 mm. 3. Ligar a alimentação de energia e acione o equipamento. Assegurar-se de que o freio funciona normalmente. Caso contrário, ajustá-lo com a junta ou luva. 4. Evitar que os dois motores girem ao contrário após substituí-los. Assegurar-se que ambos freiem de forma sincronizada. Observação: Pelo fato de o contrapeso ter o peso igual ao da cabine mais o sistema de acionamento, deve ser evitado que a cabine deslize para cima sob a ação do contrapeso. Sapatas de freio: A folga entre a caixa do elemento eletromagnético e a armadura do freio é controlada automaticamente por um dispositivo de ajuste, que pode não ser eficiente em determinada faixa de folga. As sapatas devem ser substituídas quando o desgaste for próximo da espessura do disco do freio. Observação: Substituir as 10 sapatas com peças da mesma espessura e isentas de sujeiras oleosas. 1. Remover a tampa envoltória 1. 2. Medir e observar a posição da luva de ajuste 6 de forma que possa ser recolocada na mesma posição após as sapatas terem sido substituídas. Medir o momento de frenagem após a substituição das sapatas. 3. Desparafusar e remover a luva de ajuste 6 e retirar a mola do freio 7.
  36. 36. 36 4. Afrouxar o cabo 15, e desconectar os 2 plugues, se necessário. 5. Retirar as 4 porcas 12. 6. Remover o suporte interno 2. 7. Puxar, mas não retirar, o alojamento eletromagnético 4. 8. Remover as 10 sapatas desgastadas e substituí-las por novas. 9. Empurrar o alojamento eletromagnético 4 de volta, longitudinalmente com os parafusos, para que a armadura 5 encoste nas novas sapatas. 10. Empurrar de volta o suporte interno 2 e apertar as porcas. 11. Recolocar a mola do freio 7 e parafusa-la, ajustando a luva de ajuste 6 para a posição anteriormente observada. 12. Conectar o cabo. 13. Ligar a energia elétrica e acionar o freio, certo número de vezes, para verificar se ele atua normalmente. 14. Reinstalar a tampa envoltória 1. Se o freio não for liberado, verificar: 1. Se o retificador está em ordem. 2. Se o contator do freio está em ordem. 3. Medir a voltagem da bobina (valor nominal deve ser 195V DC). Medir o momento de frenagem antes de utilizar o equipamento. Valor: 120 N.m ±25% Disco de freio: O disco do freio 8 possui boa resistência ao desgaste e a alta temperatura. Quando o disco do freio 8 se desgastar próximo de 0,5 mm, ele deve ser substituído. Quando o disco 17 e a armadura 5 se desgastarem claramente, substitua-os também. Consultar o item de substituição das sapatas de freio.
  37. 37. 37 Checklists
  38. 38. 38
  39. 39. 39
  40. 40. 40

×