Alzheimer
INTRODUÇÃO• Descrita pelo neurologista alemão Alois Alzheimer, em 1906, adoença de Alzheimer é caracterizada pela degenera...
CAUSAS• Apesar de as causas ainda serem desconhecidas, especialistasacreditam que a doença está relacionada com determinad...
CAUSASOutros fatores também podem contribuir para o surgimento dadoença de Alzheimer, como: Aspectos neuroquímicos (dimin...
SINTOMAS• As manifestações dependem da região cerebral envolvida.• Normalmente, o primeiro sintoma é a perda da memória re...
De acordo com o estágio da doença, pode haver ocomprometimento do comportamento com:SINTOMASFrustraçãoIrritabilidadeAlucin...
SINTOMAS• Embora o IAM possa ocorrer sem sintomas (infarto domiocárdio silencioso), fato mais comum em idosos, na maioriad...
SINTOMAS• Durante o IAM, o paciente pode apresentar:Sudorese excessivaPalidezTonturaDesmaioAgitação
DIAGNÓSTICO• O diagnóstico do IAM é feito por história clínica, exame físico eexames complementares.• O eletrocardiograma ...
DIAGNÓSTICO• O ECG registra a atividade elétrica do coração a fim dediagnosticar tanto o IAM quanto outras alterações card...
TRATAMENTO• Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é fundamental paraa indicação do melhor tratamento para cada...
TRATAMENTOO tratamento envolve:RepousoMonitorização intensiva da evolução da doençaUso de medicamentos para interromper o ...
TRATAMENTO• De acordo com o grau do infarto, são necessáriosprocedimentos mais invasivos, como angioplastia e/ou cirurgiac...
PREVENÇÃOBaseia-se em maior controle e tratamento dos fatores de risco: Tabagismo: o cigarro é o maior fator de risco par...
• Os fatores que não podem ser mudados estão relacionados com aidade e o histórico familiar.• Os riscos aumentam em:PREVEN...
Adotar hábitos de vida saudáveis contribui para a prevenção dadoença. Algumas dicas são: Preferir uma dieta balanceada, r...
Consulte sempre o seu médico.Fontes:Sociedade Brasileira de Cardiologia. sociedades.cardiol.br/socerj.portaldocoracao.uol....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação Alzheimer

275 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
275
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Alzheimer

  1. 1. Alzheimer
  2. 2. INTRODUÇÃO• Descrita pelo neurologista alemão Alois Alzheimer, em 1906, adoença de Alzheimer é caracterizada pela degeneração dosneurônios (células do cérebro), sobretudo nos idosos após 65anos de idade.• A doença ocorre de forma lenta e progressiva, normalmente emum grupo de células responsáveis pela memória. Com cerca de10 a 12 anos de evolução, a doença de Alzheimer comprometetodo o cérebro.
  3. 3. CAUSAS• Apesar de as causas ainda serem desconhecidas, especialistasacreditam que a doença está relacionada com determinadasmudanças nas terminações nervosas e nas células cerebrais queinterferem nas funções cognitivas (percepção, atenção, memória elinguagem).
  4. 4. CAUSASOutros fatores também podem contribuir para o surgimento dadoença de Alzheimer, como: Aspectos neuroquímicos (diminuição das substâncias quetransmitem o impulso nervoso entre os neurônios, como acetilcolina enoradrenalina) Aspectos ambientais (exposição ou intoxicação por alumínio emanganês) Aspectos infecciosos (no cérebro e/ou na medula espinhal) Predisposição genética.
  5. 5. SINTOMAS• As manifestações dependem da região cerebral envolvida.• Normalmente, o primeiro sintoma é a perda da memória recente.Contudo, o paciente demonstra certa preservação de fatos maisantigos. O estágio mais evoluído da doença acomete ainda alinguagem, com dificuldade de encontrar palavras, nomes depessoas (inclusive de parentes) e de objetos.• É comum que os familiares percebam que o indivíduo repetesempre as mesmas perguntas e histórias e apresenta diminuiçãoda percepção temporal dos eventos e da capacidade de localizaçãogeográfica.
  6. 6. De acordo com o estágio da doença, pode haver ocomprometimento do comportamento com:SINTOMASFrustraçãoIrritabilidadeAlucinações visuaise auditivasDepressãoAnsiedadeApatiaAgressividade
  7. 7. SINTOMAS• Embora o IAM possa ocorrer sem sintomas (infarto domiocárdio silencioso), fato mais comum em idosos, na maioriadas vezes cursa com dor no peito, a qual pode se irradiar paracostas, mandíbula, pescoço, dorso e/ou braço esquerdo.• A sensação é caracterizada por aperto e queimação na regiãotorácica, de grau moderado a intenso. Em alguns casos, a dorpode ser semelhante a uma indigestão, úlcera, gastrite ou azia.
  8. 8. SINTOMAS• Durante o IAM, o paciente pode apresentar:Sudorese excessivaPalidezTonturaDesmaioAgitação
  9. 9. DIAGNÓSTICO• O diagnóstico do IAM é feito por história clínica, exame físico eexames complementares.• O eletrocardiograma (ECG) é o melhor teste diagnóstico inicialpor ser fácil, barato e sempre disponível.• A realização do exame de sangue é útil para medir o nível deenzimas cardíacas que são liberadas em grande quantidadedurante a isquemia do músculo cardíaco.
  10. 10. DIAGNÓSTICO• O ECG registra a atividade elétrica do coração a fim dediagnosticar tanto o IAM quanto outras alterações cardíacas. Já oexame de sangue para monitorar as enzimas cardíacas costumaser solicitado a pacientes cujos sintomas o ECG e/ou outroelemento clínico levantem a suspeita de um IAM. Estas dosagenssão sempre solicitadas com o paciente internado.
  11. 11. TRATAMENTO• Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é fundamental paraa indicação do melhor tratamento para cada caso.• Somente o especialista poderá orientar o paciente em relação aosprocedimentos adequados e ao uso de remédios.• O tratamento tem como objetivo principal reduzir o tamanho doinfarto, além de diminuir também as complicações do IAM.
  12. 12. TRATAMENTOO tratamento envolve:RepousoMonitorização intensiva da evolução da doençaUso de medicamentos para interromper o processo de infarto.
  13. 13. TRATAMENTO• De acordo com o grau do infarto, são necessáriosprocedimentos mais invasivos, como angioplastia e/ou cirurgiacardíaca, na qual a safena, uma veia da perna, é transplantadapara o coração, no lugar da artéria coronária obstruída. Esteprocedimento também pode ser realizado com as artériasmamárias (do tórax).• Procurar um médico com regularidade e, principalmente, aosprimeiros sinais da doença é fundamental para que ele possaindicar o melhor tratamento para cada caso. Somente oespecialista deverá orientar o paciente em relação aosprocedimentos adequados e ao uso de remédios.
  14. 14. PREVENÇÃOBaseia-se em maior controle e tratamento dos fatores de risco: Tabagismo: o cigarro é o maior fator de risco para morte cardíacasúbita; Colesterol: o colesterol ruim (LDL), quando em excesso, deposita-se no interior das artérias, levando à aterosclerose; Diabetes mellitus: a chance de ocorrência de infarto em diabéticosé duas a quatro vezes maior; Hipertensão arterial: metade das pessoas que infartam éhipertensa; Obesidade: especialmente a obesidade abdominal (acúmulo degordura na região da cintura) aumenta a chance de um IAM; Estresse e depressão: além de fatores de risco, quando nãotratados, pioram a evolução dos pacientes após o infarto.
  15. 15. • Os fatores que não podem ser mudados estão relacionados com aidade e o histórico familiar.• Os riscos aumentam em:PREVENÇÃOHomensApós 45 anos de idadeMulheresApós 55 anos ou depois da menopausa.
  16. 16. Adotar hábitos de vida saudáveis contribui para a prevenção dadoença. Algumas dicas são: Preferir uma dieta balanceada, rica em frutas, legumes e verduras,composta de carnes magras, preferencialmente, peixes e aves, combaixa quantidade de gorduras e sal; Manter o peso ideal para o seu corpo; Praticar atividades físicas regularmente; Controlar o colesterol alto, a hipertensão arteriale o diabetes; Parar de fumar.PREVENÇÃO
  17. 17. Consulte sempre o seu médico.Fontes:Sociedade Brasileira de Cardiologia. sociedades.cardiol.br/socerj.portaldocoracao.uol.com.br.www.drauziovarella.com.br/Sintomas/270/infarto.Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039-RJ)Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)

×