23. Os poéticos: Jó

5.897 visualizações

Publicada em

Curso Visão Panorâmica da Bíblia, lecionado na Igreja Presbiteriana de Dourados, toda quarta-feira, às 19h30' pelo Rev. Ildemar de Oliveira Berbert.

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.897
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
314
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
822
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

23. Os poéticos: Jó

  1. 1. Os Livros Poéticos
  2. 2. DIVISÃO HISTÓRICA DA BÍBLIA OS 05 LIVROS POÉTICOS JÓSALMOS PROVÉRBIOS ECLESIASTES CANTARES
  3. 3. Autor e Data Jó viveu no tempo dos Patriarcas Por volta dos anos 1700 a.C. O Autor do Livro de Jó é desconhecido. Acredita-se que Eliú pode tê-lo escrito (32:6)
  4. 4. CRIAÇÃO CONSUMAÇÃO PERÍODO INTERBÍBLICO Gênesis Dt Nm Lv Ex Js Jz Rt 1/2Sm 1 Crônicas – 2 Crônicas – Ester – Esdras – Neemias Jó Salmos Provérbios Eclesiastes Cantares Evg Atos Cartas Apocalipse
  5. 5. Porque Poético? Porque tratam profundamente de assuntos universais da humanidade, elaborados em estilo poético. É também chamado “SAPIENCIAL” isto é “SABEDORIA” porque contém sentenças morais. A forma mais antiga e mais simples desta literatura é o “MASHAL”... Que chamamos de provérbios. Poético porque é elaborado em estilo poético. Os Salmos são um bom exemplo. OS POÉTICOS
  6. 6. os livros poéticos tratam das cinco grandes questões enfrentadas pela humanidade em todos os tempos: - a questão do sofrimento; - a questão do nosso relacionamento com Deus; - a questão do nosso comportamento geral; - a questão do verdadeiro objetivo da vida; - a questão do amor conjugal. Temática dos Poéticos
  7. 7. Sabedoria Jó Apresenta sabedoria para aqueles que sofrem, ou seja, sabedoria nas provações. O livro descreve o sofrimento do justo. Deus é sábio e supremo
  8. 8. O Livro de Jó Palavra-Chave Versículo-Chave "SOBERANIA" "Então respondeu Jó ao SENHOR: Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado" (42.1,2).
  9. 9. PROPÓSITO DO LIVRO • Jó é o primeiro dos chamados livros poéticos ou de sabedoria (os demais são: Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares). • Trata-se de um poema histórico, que narra fatos (Ez 14.14,20; Tg 5.11) ocorridos na vida de um dos homens mais conhecidos de seu tempo.
  10. 10. PROPÓSITO DO LIVRO • Utilizando-se desses fatos o Espírito Santo usa este livro para responder uma pergunta-chave que todos nós fazemos: • Por que sofrem os justos, se Deus é amor e tem todo o poder? • Através do sofrimento e exaltação de Jó aprendemos que Deus é soberano - faz o que quer, como quer, quando quer, e em tudo manifesta a Sua santíssima glória! • Ele é merecedor de ser honrado e adorado em tudo e por tudo o que faz!
  11. 11. A Terra de UZ onde ficava a terra de Uz, onde Jó vivia? Na fronteira entre a Palestina e a Arábia. De acordo com Lm 4.21, essa terra ficava próxima a Edom, a sudeste do Mar Morto, ao norte da Arábia, perto, também, de Midiã, onde Moisés viveu durante quarenta anos. Jó é um personagem real, uma história real...
  12. 12. Nas terras de UZ
  13. 13. Jó e seu tempo - terminado o seu período de sofrimento, Jó viveu 140 anos (42.16). É provável que, ao todo, tenha vivido cerca de 200 anos, o que era comum no período patriarcal - Abraão viveu 175 anos - Gn 25.7. - a riqueza de Jó era avaliada em função do gado que possuía (1.3; 42.12) e não em função de ouro ou prata. Essa também é uma característica do período dos Patriarcas. - Jó, à semelhança dos Patriarcas, era o sacerdote de sua família, oferecendo sacrifícios em favor dos seus. (1:5) - não há, em todo o livro, qualquer referência a Israel, ao Êxodo, à Lei ou ao Tabernáculo. - o nome Shaddai (o Todo-Poderoso), característico deste período, é usado 31 vezes neste livro, ao passo que só aparece 17 vezes nos outros livros do Velho Testamento.
  14. 14. O Drama do Livro - o drama do livro se desenvolve da seguinte maneira: - há um debate nas regiões celestes entre Deus e Satanás - três ciclos de debates entre Jó e seus amigos - a palavra final, da parte de Deus - Jó reconhece a soberania de Deus em sua vida, e recebe sua recompensa. O Drama do sofrimento é central no livro
  15. 15. Discursos - As diversas defesas proferidas por Jó são bem mais longas que as acusações proferidas por seus amigos. - Seu último discurso vai dos capítulos 27 ao 31. - Só então é que fala Eliú (32-37), o amigo mais jovem, que, aliás, tinha a perspectiva mais clara da verdade do que estava ocorrendo. - Eliú diz a Jó que se humilhe, pois Deus está trabalhando em sua vida. - Só Eliú não é confrontado por Jó!
  16. 16. Esboço do Livro 1 O Ataque de Satanás contra Jó 1:1 a 2:10 2 Jó e seus amigos 2:11 a 31:40 3 A resposta de Eliú 32 a 37 4 A resposta de Jeová 38 a 42:6 5 Conclusão 42:7-17
  17. 17. Lições do Livro de Jó 1 - precisamos ter um conceito mais amplo e claro do Ser de Deus. Dessa forma, aprendemos a confiar em Sua bondade, poder e amor, também enquanto atravessamos o vale da sombra da morte. Disse Jó: Nu saí do ventre de minha mãe...O Senhor deu e o Senhor tomou, bendito seja o nome do Senhor (1:20) 2 - (42.5,6) - mesmo o homem mais reto e inimputável, ao conhecer, de fato, a santidade e grandiosidade de Deus, é obrigado a arrepender-se e abominar-se. “Jó... Homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal” (1:1,8)
  18. 18. Lições do Livro de Jó 3. apesar de os amigos de Jó terem chegado a conclusões errôneas em seu raciocínio e discursos, eles possuíam algumas qualidades muito preciosas: - de todos os conhecidos de Jó, foram os únicos a ir ficar com ele, em seu terrível sofrimento - demonstraram empatia para com ele, permanecendo em silêncio durante sete dias, contemplando o seu sofrimento. (Muitas vezes, a melhor coisa é ficar calado, em silêncio. Nossas palavras só pioram a situação). - eram amigos de verdade: confrontaram Jó face a face no que achavam que ele estava errado, sem ficar falando por trás!
  19. 19. Lições do Livro de Jó 4 - sempre que passamos por um processo de sofrimento muito grande, corremos o risco de ter a mesma atitude de Jó: - achar que Deus não está nos ouvindo (13.24; 19.7) “Porque me escondes o rosto e me tens por inimigo?” - achar que Deus está nos castigando demais (9.17) “Porque me esmaga com uma tempestade e multiplica as minhas chagas sem causa?” - achar que Deus é injusto, pois dá prosperidade ao perverso (21.7) “Como é, pois, que vivem os perversos, envelhecem e ainda se tornam mais poderosos?” - será muito saudável relermos, de quando em quando, o capítulo 14, para meditarmos na brevidade da nossa vida aqui neste mundo!
  20. 20. Cristologia de Jó - o livro levanta questões que só encontram resposta completa e satisfatória na pessoa do Senhor Jesus. - Jó demonstra sua necessidade de um Mediador (9.33) ”Não há entre nós árbitro que ponha a mão sobre nós ambos” - Também coloca a questão de que Deus não podia sentir a vida do ponto-de-vista de um ser humano (10.4-6) “Tens tú olhos de carne? Acaso, vês tu como vê o homem? Isso tudo realiza-se em Jesus, o Mediador (1 Tm 2.5)
  21. 21. - grande Servo Sofredor (Jo 1.14; Is 53.4,5; Hb 4.15) Os sofrimentos de jó só não superam os sofrimentos de Cristo. Ele conhece o sofrimento – “varão de dores” - Por outro lado, em Jó temos uma das mais lindas declarações de fé no Redentor que viria: 19.25-27 “Porque eu sei que o meu redentor vive e por fim levantará sobre a terra. Depois, revestido o meu corpo e a minha pele, em minha carne verei a Deus...” – a ressurreição contemplada. Cristologia de Jó Rev. Ildemar Berbert IPB Dourados, 20.03.2013

×