16. O Livro de II Reis

5.506 visualizações

Publicada em

Curso Visão Panorâmica da Bíblia, lecionado na Igreja Presbiteriana de Dourados, toda quarta-feira, às 19h30' pelo Rev. Ildemar de Oliveira Berbert.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.506
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
262
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
463
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

16. O Livro de II Reis

  1. 1. II REIS Palavra-chave: “DECLÍNIO E QUEDA” Período 853 a 560 a.C
  2. 2. DIVISÃO HISTÓRICA DA BÍBLIA OS 12 LIVROS HISTÓRICOS Josué Juízes Rute I e II Samuel I e II Reis I e II Crônicas Esdras Neemias Ester
  3. 3. Autor do livro • O Profeta Jeremias Supõe-se que Jeremias escreveu este livro, conforme a tradição dos rabinos.
  4. 4. Esfera de Ação 286 anos vai do reinado de Josafá (em Judá) e Acazias (em Israel) até ao cativeiro de ambos os reinos. Sai de cena o profeta Elias e entra o Profeta Eliseu.
  5. 5. PROPÓSITO DO LIVRO Apresentar a continuação da história de Judá e de Israel, através de narrativas paralelas do que ocorria nos dois reinos, culminando com o fato de que ambos foram levados ao cativeiro. Na verdade, o livro traz a história da miséria gerada pela apostasia e idolatria.
  6. 6. Versículo-chave do Livro "Disse o SENHOR: Também a Judá removerei de diante de mim, como removi Israel, e rejeitarei esta cidade de Jerusalém, que escolhi, e a casa da qual eu dissera: Estará ali o meu nome" ( 23.27).
  7. 7. CONTEÚDO DO LIVRO • (1-2.13) - o final do ministério de Elias; • (2.14-13.21) - Eliseu • (13.22-17.41) - declínio e queda do reino do Norte (Israel) • (18-25) - declínio e queda do reino do Sul (Judá).
  8. 8. CONTEXTO HISTÓRICO Cativeiro Babilônico: já o reino do Sul (Judá) foi destruído 136 anos depois, pelos babilônios, cuja cidade principal era Babilônia. A conquista de Judá ocorreu em quatro estágios: 606 a.C. Nabucodonozor aprisionou Jeoaquim, levou alguns dos tesouros do Templo, e também levou cativos alguns judeus, dentre os quais Daniel - 2 Cr 36.5-8; Dn 1.1-3; 596 a.C. ele voltou, levando o restante dos tesouros do Templo, o rei Joaquim, e cerca de 10.000 pessoas (a "nata" da sociedade) - 24.14-16;
  9. 9. CONTEXTO HISTÓRICO Em 586 a.C., depois de 18 meses de cerco, Jerusalém foi totalmente destruída, os olhos do rei Zedequias foram vazados, e ele foi levado cativo juntamente com 832 pessoas, ficando na terra somente os pobres. 25.8-12; Jr 52.28-30; Em 581 a.C., depois de terem queimado Jerusalém, os babilônios voltaram e levaram mais 745 cativos (Jr 52.30). Um grupo considerável havia fugido para o Egito (inclusive o profeta Jeremias, conforme Jr 43).
  10. 10. CONTEXTO HISTÓRICO Cativeiro Assírio : É muito importante observarmos que o reino do Norte (Israel) foi destruído pelos assírios, cuja cidade principal era Nínive. Por volta de 885 a.C. tornou-se um império fortíssimo, com domínio mundial. Eram grandes guerreiros. Saqueavam tudo. Terrivelmente cruéis. E sua estratégia consistia em deportar os povos das nações conquistadas, com o fim de destruir o seu senso de nacionalismo, o que os tornava mais vulneráveis).
  11. 11. Os remanescentes - O ministério de Eliseu aos necessitados(cap 4 e 5): a viúva, a sunamita, os cem homens, Naamã. Os reformadores: - Ezequias- “Se apegou ao Senhor...”(18:1-6) - Josias- A renovação da aliança: - 1. Achou o livro da lei (22:8-10) - 2. Restaurou o culto a Deus (23:1-27)
  12. 12. Cristo no livro de II Reis Talvez o profeta Eliseu seja o maior tipo de Cristo, neste livro. Aliás, é interessante traçarmos um paralelo entre Elias e Eliseu, e João Batista e o Senhor Jesus. Elias e Eliseu eram muito diferentes um do outro, tal como o Senhor Jesus e João Batista. Elias era tempestuoso, e gostava mais de viver isolado. Eliseu era gentil, e vivia mais em contato com as multidões. João Batista, tendo vivido isolado no deserto boa parte de sua vida, era tempestuoso em sua pregação. O Senhor Jesus, tendo vivido entre as multidões, era manso e humilde de coração.

×