01 sociologia urbanaangelosilva

511 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
511
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

01 sociologia urbanaangelosilva

  1. 1. SOCIOLOGIAURBANA Angelo Silva 2009
  2. 2. © 2009 – IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais. Capa: IESDE Brasil S.A. Crédito da imagem: Digital Juice. IESDE Brasil S.A. Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200 Batel – Curitiba – PR 0800 708 88 88 – www.iesde.com.br Todos os direitos reservados. S586 Silva, Angelo. / Sociologia Urbana. / Angelo Silva. — Curitiba : IESDE Brasil S.A. , 2009. 188 p. ISBN: 978-85-387-0151-4 1.Sociologia urbana. 2.Sociologia – Origem. 3.Urbanização. I.Título. CDD 307.76
  3. 3. Doutor em História pela Universidade Federal do Paraná(UFPR).MestreemCiênciaPolíticapelaUniversidade Estadual de Campinas (Unicamp). Bacharel em Ciências Sociais pela Unicamp. Angelo Silva
  4. 4. SUMÁRIO As origens da Sociologia: os pais fundadores.............................................11 Os antecedentes do surgimento da Sociologia...............................................................................11 A sociedade transforma-se em objeto de estudo...........................................................................12 Os precursores.............................................................................................................................................13 Karl Marx e a revolução ...........................................................................................................................13 Émile Durkheim e a institucionalização da Sociologia.................................................................15 Max Weber e a Sociologia compreensiva..........................................................................................17 As grandes cidades industriais inglesas do século XIX e a crítica de Friedrich Engels..................................................................................................31 O contexto da época.................................................................................................................................32 Um pouco da biografia do autor...........................................................................................................33 Sobre o texto de Engels ..........................................................................................................................34 “As grandes cidades”.................................................................................................................................35 Comentários sobre o texto......................................................................................................................37 Reforçando algumas ideias.....................................................................................................................38 Sobre a metrópole capitalista e seus efeitos no indivíduo.....................45 Georg Simmel e a Sociologia.................................................................................................................45 O que é que a grande cidade tem de especial?...............................................................................46 Conclusão......................................................................................................................................................52 Max Weber e a cidade..........................................................................................57 Sobre o autor................................................................................................................................................57 Max Weber e a cidade...............................................................................................................................58 Alguns elementos para a definição de cidade.................................................................................59 A cidade e o campo...................................................................................................................................60 A cidade como local de defesa..............................................................................................................61 Observando mais de perto.....................................................................................................................62 Reunindo os fios..........................................................................................................................................63
  5. 5. A Sociologia Urbana e a Escola de Chicago: Robert Ezra Park.......67 Sobre o autor em foco................................................................................................................67 Uma pequena síntese da obra de Robert Park..................................................................68 Conclusão........................................................................................................................................73 Louis Wirth e o urbanismo como modo de vida............................. 79 Uma pequena apresentação....................................................................................................79 Sobre seu texto mais conhecido no Brasil...........................................................................79 Buscando uma conclusão..........................................................................................................86 Paul Singer e a Sociologia Urbana no Brasil...................................... 91 Uma base marxista para pensarmos o Brasil......................................................................92 Alguns aspectos teóricos sobre o processo de migração.95 O perfil das cidades recortado pelo tipo de desenvolvimento capitalista..............97 Uma conclusão que se impõe aos olhos..............................................................................98 Henri Léfèbvre e a Sociologia Urbana pela ótica marxista........105 Sobre o autor............................................................................................................................... 105 A revolução urbana................................................................................................................... 106 Discussão metodológica......................................................................................................... 107 Análise histórica ........................................................................................................................ 108 Algumas suposições teóricas sobre a fase crítica.......................................................... 110 Manuel Castells e a Sociologia Urbana.............................................117 Sobre o autor............................................................................................................................... 117 Sua produção na temática urbana...................................................................................... 117 Contribuição para os estudos urbanos.............................................................................. 118 O debate sobre a teoria do espaço..................................................................................... 119 Delimitação teórica do urbano............................................................................................. 122 Consumo como processo de reprodução da força de trabalho............................... 123 Instrumentos teóricos para o estudo da política urbana............................................ 125
  6. 6. Ilhas de felicidade no meio do caos urbano............................................. 135 Um pouco mais sobre a autora e o tema........................................................................................135 Construindo muralhas para esconder a diferença......................................................................136 A transformação do espaço público em espaço privado..........................................................139 Uma comparação esclarecedora: São Paulo e Los Angeles.....................................................141 A modernidade invade as cidades: os shopping centers e as mudanças do urbano.......................................................................................................... 149 O começo da história.............................................................................................................................150 Recriando identidades...........................................................................................................................153 O mundo cabe dentro de um SC.......................................................................................................155 Redesenhando a fisiognomia da metrópole moderna......................... 161 O livro das passagens ............................................................................................................................161 Uma primeira volta pela quadra para reconhecimento ...........................................................163 Um olhar mais próximo.........................................................................................................................165 A cidade que sobrepõe texto e imagens........................................................................................167 No Brasil, São Paulo e Minas Gerais...................................................................................................168 GABARITO.............................................................................................................. 175 REFERÊNCIAS........................................................................................................ 185
  7. 7. APRESENTAÇÃO O objetivo principal deste trabalho é situar o leitor na discussão acadêmica sobre a Sociologia Urbana. Temos aqui dois caminhos que seguirão em paralelo, pelo menos inicialmente, até que venham a convergir no sentido de termos uma ideia clara do surgimento da Sociologia como ciência e da Sociologia Urbana como um ramo no tronco da ciência maior. Com este objetivo, organizei o trabalho de uma maneira cronológica, por um lado, e monográfica, por outro. Isto quer dizer que organizei os capítulos do livro a partir do surgimento da Sociologia como ciência, passando pelos precursores da Sociologia Urbana, depois pelos seus fun- dadores propriamente ditos. Isto posto, chegamos aos autores contemporâneos e ao Brasil. Mantivemos aqui uma cronologia não muito rigorosa. Outro aspecto relativo à forma de organização do traba- lho é que procurei trabalhar com os principais autores dos respectivos temas. Tanto no caso da cronologia quanto da autoria, não segui com rigidez essas deter- minações. Elas funcionaram mais como um parâmetro geral do que como uma lei imutável, algo próximo das características relacionadas às ciências sociais em geral e à Sociologia em particular. Não estamos tratando das Ciências Exatas aqui, da Matemática, Física etc. Podemos, portanto, trabalhar com uma flexibilidade maior. Foi o que procurei aplicar na própria construção do texto, em suas partes e no conjunto que estas partes formam. Temos, então, ao longo dos capítulos, um arranjo próxi- mo do seguinte: uma parte introdutória sobre as origens da Sociologia, seguida dos precursores da Sociologia Urbana, para depois chegarmos aos principais autores contemporâneos. Dedico uma parte do trabalho para refletirmos sobre os problemas urbanos mais atuais, articulados com a realidade brasileira. Boa leitura!
  8. 8. 11 As origens da Sociologia: os pais fundadores Para compreendermos a Sociologia Urbana é imprescindível que façamos um movimento de olhar para trás. Este é o sentido deste capítulo, a saber: tomarmos con- tato com as origens da Sociologia. Vou lançar mão desse recuo histórico para iniciar meu trabalho. Veremos, a seguir, uma contextualização do período em que surgiu a Sociologia para depois tomarmos um primeiro contato com os assim chamados pre- cursores dessa ciência. Os antecedentes do surgimento da Sociologia Da mesma maneira que as outras ciências, exatas, naturais ou sociais, a Sociologia passou por um processo de construção. É desse período da história dessa ciência que trataremos aqui. Estamos no final do século XVIII, no centro da Europa, e podemos cons- tatar que a assim chamada Revolução Industrial já havia lançado suas raízes na Inglaterra e esparramava-se pelo continente. Essa revolução tinha alterado de forma significativa a maneira como os indivíduos e a sociedade produziam os seus bens. Queremos dizer com isso que o artesanato tinha sido deixado de lado e que a manufatura predominava. Aquele espaço de produção de mercadorias, que hoje chamamos de fábrica, começava a ganhar uma feição mais definida. Conforme as coisas foram se alterando no sistema produtivo, as cidades também foram se modificando. O mundo daquela época era pre- dominantemente rural, mas em alguns lugares a concentração de pessoas nas cidades começa a crescer: podemos mencionar Londres e Paris, entre outros. Nesse mundo para o qual nos conduzimos, uma nova revolução veio se somar à anterior. Refiro-me à Revolução Francesa, que, assim como a Industrial, também pro- vocou muitas transformações, por isso mesmo uma revolução. Enquanto a primeira se caracterizou por alterar as bases materiais da sociedade europeia, a segunda deixou suas principais marcas no campo das ideias. Parte significativa das ideias dos filósofos iluministas que antecederam essa revolução ganharam um corpo e uma vida com ela. As ideias de liberdade, igualdade e fraternidade não foram as únicas a se destacarem SociologiaUrbana
  9. 9. 12 em 14 de julho de 17891 . Uma das mais importantes concepções nascentes pode ser percebida no primeiro verso da Marselhesa, que se tornou o hino nacional francês, em que vemos surgir a ideia de Nação. O verso“Avante filhos da Pátria”inaugura a materia- lização dessa ideia que se esparramou pelo mundo todo, do ponto de vista histórico, em pouco tempo. Estamos diante de uma dupla revolução que promove uma reviravolta na forma como as pessoas estavam acostumadas a viver (a trabalhar, por exemplo) e na forma como as pessoas estavam acostumadas a pensar, a ver o mundo. Os resultados dessas duas mudanças importantes não se fizeram esperar para produzirem seus efeitos. A sociedade transforma-se em objeto de estudo Do ponto de vista material, as cidades começaram a crescer desenfreadamente em função da Revolução Industrial. Não só as cidades cresceram, mas a quantidade e o tipo de problemas que esse crescimento produziu foram notáveis. Nesse momento, al- gumas mudanças também ocorreram no campo das ideias, cujo exemplo que merece maior destaque é a Revolução Francesa. Antes desse período, predominava a visão do catolicismo, que era a religião dominante. Isso significava que tudo o que acontecia na vida das pessoas e da sociedade tinha uma explicação divina. Em outras palavras, era assim porque Deus queria. A partir dessa revolução, a maneira de se pensar foi altera- da. Não era mais Deus que estava no centro das explicações e sim o homem, ou seja, era possível e necessário compreender os fenômenos sociais porque estes eram resul- tado da ação dos homens e não da vontade divina. Portanto, as duas grandes revolu- ções, a Industrial e a Francesa, abalaram e, por fim, derrubaram a maioria dos alicerces sobre os quais a sociedade europeia se apoiava.Tanto no plano material quanto no das ideias, as alterações foram largas e profundas. Do ponto de vista do qual estamos observando essa história, o conjunto de mo- dificações ocorridas levou a uma série de conflitos que colocaram a sociedade como um problema a ser estudado e resolvido. O crescimento desordenado das cidades e os problemas relativos a ele e o clima de instabilidade gerado pelas revoluções e pela in- certeza diante das mudanças foram mais do que suficientes para fazer com que vários pensadores e homens de ação começassem a se preocupar em resolver esses proble- mas. Com o isolamento da religião católica e o deslocamento do teocentrismo, abriu- se a possibilidade de pensar o mundo sem os limites impostos pela Igreja. De outro ponto de vista, observamos que, com as mudanças na produção, o mundo se alterou com o crescimento das cidades. O capitalismo, que começava a se 1 Apesar de a Revolução Francesa ser um processo com raízes nos fatos do passado, diversos acontecimentos ocorreram no ano de 1789, sendo o principal deles a tomada da Bastilha em 14 de julho, símbolo máximo da resistência popular frente aos privilégios da nobreza. SociologiaUrbana
  10. 10. 13 desenvolver, fez surgir a classe operária, que, com suas reivindicações, produzia uma série de conflitos sociais. Nesse clima de conflitos, aqueles que se preocupavam em refletir sobre a sociedade começaram a ocupar-se com ideias sobre a sua reforma. Vimos surgir então um grupo de pensadores que viam na derrubada do antigo regime a origem de todas as mazelas que a sociedade enfrentava. A solução para os proble- mas estava dada, ou seja, bastava voltar para o sistema feudal que tudo se resolveria. Essa proposta foi atropelada pela História e não vingou. O feudalismo e seus principais sustentáculos tinham perdido o seu lugar e era o capitalismo que imperava. Os precursores Estamos na primeira metade do século XIX e um dos pioneiros da Sociologia como a conhecemos hoje produzia suas ideias a respeito da sociedade. Estou falando de Augusto Comte. Esse autor lançaria as bases para a consolidação da Sociologia no final desse mesmo século. Comte tomou de outras ciências já consolidadas, a Física, a Matemática, a Fisiologia/Biologia, elementos metodológicos que procurou aplicar à análise da sociedade. Comte acabou por ver a necessidade de se criar o que ele chamou de física social, ou seja, uma nova ciência que deveria estudar os fenômenos sociais a partir das ci- ências ditas naturais, aquelas que têm como objeto de estudo a natureza. Seus esfor- ços não o levaram à fundação dessa nova ciência, mas seus seguidores, como Émile Durkheim dariam seguimento às suas ideias. Contudo, antes de continuarmos com Durkheim, vamos tratar de apresentar as ideias de Karl Marx, que se constituíram num marco, não só para a Sociologia, mas para as Ciências Sociais como um todo. Karl Marx e a revolução O autor do qual vamos tratar nas próximas linhas produz opiniões muito contro- versas, desde a sua época até os dias atuais. Por conta disso, vou fazer um breve relato sobre a construção das linhas que nortearam o pensamento de Marx. Nascido em 5 de maio de 1818, na antiga Prússia, hoje Alemanha, no interior de uma família de judeus convertidos ao protestantismo, ele seguiria o caminho tradicional para um filho de classe média da época, desenvolvendo estudos no campo do Direito e da Filosofia. Com 25 anos de idade, esse autor encontrava-se na direção do jornal Gazeta Renana, assumindo a profissão de jornalista. No final de 1843, ao escrever Crítica da Filosofia do Direito de Hegel, Marx declarou publicamente que havia abandonado o campo político do liberalismo e da burguesia para se colocar no campo da classe operária e do co- munismo. Esse movimento político pode ser entendido como resultado de uma série AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores
  11. 11. 14 de fatores. Destaco o fato de que o autor em foco entrou em contato com a militância comunista da época e, além disso, pôde verificar com seus próprios olhos a situação de miséria na qual se encontrava a classe trabalhadora. Karl Marx tornou-se, portanto, um militante da causa revolucionária e seus es- tudos têm uma marca muito clara, a saber, o fato de realizar suas análises a partir da experiência vivida e não dos estudos desenvolvidos no interior dos gabinetes. Além disso, encontra-se em sua obra uma clara intenção prática de transformação. Para ele, o conhecimento servia para mudar o mundo, para fazer a revolução socialista e não para fundar uma ciência. Foi dentro dessa perspectiva que Marx produziu sua obra. O primeiro trabalho de Marx que ganhou o mundo foi escrito entre dezembro de 1847 e janeiro de 1848, sendo publicado em fevereiro daquele ano. O Manifesto do Par- tido Comunista, escrito em parceria com Friedrich Engels, tornou-se rapidamente um dos livros mais traduzidos e vendidos da história da imprensa. Por que tanto sucesso? Nessa obra, por meio de uma linguagem clara e direta, os autores apresentaram as principais teorias que desvendariam o funcionamento do capitalismo e propuseram medidas para a sua superação. A luta de classes, uma ideia fundamental no pensamento de Marx, abre o Mani- festo. Além disso, outros conceitos, como a dialética, a ditadura do proletariado e as formas de exploração da classe trabalhadora pelos capitalistas, aparecem no interior do texto. Posteriormente a esse trabalho, Marx escreveu O 18 Brumário de Luís Bona- parte, no qual é analisado o golpe de estado que colocou esse Bonaparte no comando do Estado francês ao longo de 20 anos, de 1851 a 1871. Nessa obra, temos uma ra- diografia da sociedade francesa, fundamentalmente no campo da política, com uma crítica ácida aos vários agrupamentos políticos que se batiam naquele momento. Marx denuncia que todos os partidos ligados à burguesia optaram, em função das pressões exercidas pela classe operária, que havia feito revoluções por toda a Europa em 1848, por entregar o poder a um ditador para garantir a sua dominação. É a clássica ideia de entregar os anéis para não perder os dedos. No ano de 1867, Marx publicou o primeiro volume de O Capital, sua obra mais importante. Esse trabalho resultou da experiência do autor como militante do comu- nismo, como fundador de partidos e organizações políticas com abrangência nacional e internacional e, também, como intelectual que inaugura uma maneira de produzir conhecimento, ou seja, associando às ideias uma ação concreta. Alguns dos principais temas que Marx trabalhou em O Capital constituíram-se em pilares do conhecimento no campo da Política, da Economia, da Sociologia, entre outros. A título de exemplo, podemos tomar, inicialmente, a descoberta do meio pelo qual os capitalistas exploram a classe operária, a saber, a mais-valia. Esse conceito revela como, ao final do expediente, o operário recebe um valor ­predeterminado, SociologiaUrbana
  12. 12. 15 entregando ao capitalista o produto do seu trabalho. A exploração se dá na medida em que o valor obtido com a venda dos produtos que o trabalhador produziu e que foi apropriado pelo empregador é muito maior do que aquilo que foi pago como salário. Assim, a exploração não é ilegal, porque o contrato de trabalho acorda justamente esse procedimento, mas não deixa de ser exploração do trabalho. A partir disso, Marx desvenda também como as leis estão a serviço daqueles que dominam a sociedade e que o Estado não existe para representar todos os indivíduos, mas que, em nome de todos, ele, o Estado, garante que alguns mantenham a sua dominação sobre o conjun- to da sociedade. Em função do exposto, fica mais fácil imaginar por que esse autor foi tão perse- guido em seu tempo e por que seus seguidores continuam sendo. Contudo, o obje- tivo é mostrar que as intenções de Marx, nesse caso, não têm importância para nós. O que importa é a contribuição que esse autor deu para compreendermos o mundo que nos cerca. Émile Durkheim e a institucionalização da Sociologia Todos aqueles que estiveram ligados às origens da Sociologia possuíam intenções práticas. Isto quer dizer que, de uma maneira ou de outra, havia uma preocupação em transformar a sociedade da época, no caso, o século XIX. Existem, contudo, diferentes maneiras de se intervir na realidade social. De forma muito distinta daquela pretendida por Karl Marx, o autor que passaremos a tratar também deixou marcada a sua contri- buição para o desenvolvimento dessa ciência. David Émile Durkheim nasceu em 15 de abril de 1858, na região da Alsácia, na França, no interior de uma família de rabinos. Assim como Karl Marx, Durkheim rea- lizou seus estudos até o nível universitário. Em 1887, tornou-se professor na Univer- sidade de Bordeaux, criando a primeira cátedra exclusivamente destinada ao ensino da Sociologia. Esse autor vinha se dedicando, mesmo antes de criar essa disciplina na academia, a construir a Sociologia como uma ciência autônoma. Seu pensamento foi influenciado por vários autores, atuantes na época e menos conhecidos hoje em dia, como Spencer, Espinas, Wundt e Comte. Deles, retirou algumas características que marcaram a ciência produzida por Durkheim. Como exemplo, podemos utilizar a pre- ferência durkheimiana por modelos biológicos, ou seja, pensar a sociedade como um organismo vivo. Além dessa influência, esse autor articulou conhecimentos de outras áreas, mais ou menos estabelecidas, como da Antropologia e da Psicologia, em seu trabalho de criação da nova ciência, a Sociologia. AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores
  13. 13. 16 É possível ver, pelos títulos dos trabalhos publicados por Émile Durkheim, o seu empenho no sentido de construir a Sociologia, senão vejamos: em 1889, temos os Ele- mentos de Sociologia; quatro anos depois, apareceu A Divisão do Trabalho Social; em 1895, foram publicadas As Regras do Método Sociológico; em 1897 e 1912, foram pu- blicados, respectivamente, O Suicídio e As Formas Elementares da Vida Religiosa. Entre essas duas últimas publicações, Durkheim fundou, em 1898, uma revista que se cons- tituiu em local privilegiado de divulgação da recém-criada sociologia francesa. Essa revista chamou-se L’Année Sociologique (O Ano Sociológico). Após sua morte, ocorrida em 1917, ainda foram publicados Educação e Sociologia, em 1922; Sociologia e Filosofia, em 1924; A Educação Moral, em 1925; e, por fim, O Socialismo, que é de 1928. A Sociologia da ordem Além de buscar os parâmetros para a construção da Sociologia, Durkheim voltou suas expectativas para a produção de um conjunto de novas ideias que poderiam me- lhorar as condições de existência no interior da sociedade de sua época. A Europa em geral, e a França em particular, experimentavam no final do século XIX um período muito conturbado. Por um lado, uma série de abalos na economia, de conflitos sociais resultantes das crises do sistema capitalista, tornava difícil a vida naqueles dias. Por outro, os progressos técnicos e a expansão econômica também eram muito marcados. Diante dessa sociedade marcada pela contradição, Durkheim acabou trilhando um ca- minho oposto àquele escolhido por Karl Marx, por exemplo. Para ele, reformas econômicas não resolveriam os problemas colocados. Antes disso, Durkheim acreditava ser necessário descobrir por meio da pesquisa sociológica quais eram as leis que regiam o funcionamento da sociedade. Com isto em mãos, a Sociologia ganhava um caráter “positivo”, ou seja, ao invés de negar a sociedade exis- tente, tratava-se de orientá-la positivamente no sentido de corrigir aquelas anormali- dades provocadas pelas tensões sociais e mantidas pela ignorância em relação à sua existência. Quero dizer com isto que a Sociologia durkheimiana pretendia encontrar por meio da pesquisa científica os padrões considerados normais para uma determi- nada sociedade. Assim, era possível corrigir os “desvios” e “anormalidades” que eram responsáveis pelos conflitos existentes. A sociologia positiva criada por Durkheim constituiu-se em uma das principais correntes da Sociologia como ciência autônoma. Definindo o fato social como objeto de estudo dessa ciência e estabelecendo um conjunto de métodos e técnicas para o estudo desse objeto, o trabalho desse autor ganhou rapidamente influência na França e, posteriormente, no restante da Europa e nos Estados Unidos. SociologiaUrbana
  14. 14. 17 MaxWeber e a Sociologia compreensiva Seguindo a ordem cronológica, temos o trabalho de outro pensador alemão que também se constitui em um dos principais suportes para o trabalho no inte- rior das Ciências Sociais e da Sociologia mais especificamente. Max Weber nasceu no interior de uma família de protestantes, na Alemanha, no dia 21 de abril de 1864. Faleceu com 56 anos, em 1920. Assim como Karl Marx e Émile Durkheim, Weber teve uma formação acadêmica muito sólida. Este autor tornou-se um dos mais importan- tes pensadores do século XX. Com um interesse por diferentes temas sociais, como o Direito, a Economia, a Música, além da Sociologia, Weber trará para o interior dessa ciência essa diversidade de abordagens. Da mesma maneira que Durkheim procurou dar à Sociologia as bases para sua formação como uma ciência, Weber também trabalhou nesse sentido. Uma das princi- pais maneiras adotadas por ele para perseguir esse objetivo foi criar uma diferenciação muito precisa entre a política e a ciência. Para esse autor, jamais poderiam ser confun- didas essas duas formas de ação. A primeira delas estava calcada sobre juízos de valor próprios a cada indivíduo. Esses juízos serviriam para orientar as escolhas de atuação de todos. O próprioWeber teve, ao longo de sua vida, uma intensa intervenção política. Portanto, o cientista pode e inclusive deve se posicionar em relação à política, mas en- quanto cidadão e não enquanto cientista, pois, caso contrário, contaminaria a ambas. No que diz respeito à ciência, o procedimento do autor era no sentido de tratar de compreender os fenômenos sociais por meio de uma metodologia de pesquisa extre- mamente rigorosa e detalhada. No que diz respeito à Sociologia, ele adere de maneira mais intensa a ela já no final de sua carreira. Afirma, como uma espécie de definição, que essa ciência deve se voltar para a compreensão interpretativa da ação social. Além disso, deve também fornecer uma explicação a partir das causas dessa ação e, por fim, os efeitos prováveis que ela produzirá. Weber insistia sempre que o cientista deveria tratar com frieza, sem ira e nem paixão, os fenômenos por ele analisados. Além disso, as conclusões a que o cientista chegava serviriam para orientar o político. Este sim, um indivíduo de ação que se move também com o combustível da paixão. Nesse sentido, os produtos do conhe- cimento da ciência poderiam ser tratados como mercadorias que não possuem pre- ferências, juízos de valor ou cores políticas. Cada um de nós pode, segundo Weber, fazer o uso que julgar conveniente de um conhecimento científico. Dessa proposição é que vai surgir posteriormente, no interior da Sociologia, a ideia de que os mesmos procedimentos de pesquisa podem tanto ajudar a vender um sabonete quanto a eleger um presidente. As proposições feitas por Max Weber sempre produziram muita polêmica. Contu- do, por meio de sua extensa obra, ele consegue fundamentar suas proposições como AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores
  15. 15. 18 poucos o fizeram. Seus principais trabalhos no campo da Sociologia são os seguintes: Economia e Sociedade, A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo, Ciência e Política: duas vocações. MaxWeber e a ação individual A Sociologia weberiana é fortemente influenciada por pensadores alemães, tanto os contemporâneos a ele quanto outros que o precederam. Uma visão pessimista de seu mundo Weber toma emprestada de Nietzsche2 . A generalização para todos os indivíduos da capacidade de agir racionalmente origina-se de proposições de Kant3 . Além desses, Weber estabeleceu, pela sua obra, um intenso diálogo com Karl Marx. Boa parte dos escritos de Weber procura refutar ou verificar a eficiência dos conceitos presentes nos principais trabalhos daquele autor. Outros menos conhecidos por nós também deixaram sua cota de contribuição à Socio- logia weberiana, dentre os quais Georg Lukács4 e Georg Simmel5 . O tipo de Sociologia desenvolvida por Weber leva em conta, fundamentalmen- te, o indivíduo e sua ação. Nesse sentido, o autor se contrapõe a outros pensadores que procuram colocar no centro de suas atenções o coletivo, como faz Marx com as classes sociais, ou as instituições sociais como o Estado, as empresas, os partidos po- líticos. Weber destaca que o caminho principal do sociólogo para a compreensão dos fenômenos sociais passa pela compreensão das motivações que levam um indivíduo a praticar uma determinada ação. Para a perseguição desse objetivo, o autor define quatro tipos de ação com o intuito de construir um modelo teórico que auxilie o cientista em seu trabalho de compreensão. A primeira ação tratada por Weber é a ação racional com vistas a um determinado fim. Essa ação toma por base o pensamento racional que é utilizado para se atingir um determinado objetivo, seja ele profissional, pessoal, criativo etc. Como exemplo desse tipo de ação, temos o compositor que escreve uma música ou o médico que realiza uma cirurgia. 2 Friedrich Wilhelm Nietzsche nasceu em 15 de outubro de 1844, em Röcken, localidade próxima à Leipzig, e morreu em Weimar, em 25 de agosto de 1900. Foi um filósofo crítico do seu tempo, tido por alguns como autoritário e por outros como transformador. Sua obra vem ganhando importância nas últimas décadas. Assim Falou Zaratustra é um de seus trabalhos mais difundidos. As indicações de data e locais foram retiradas do site: <www.mundodosfilosofos. com.br/nietzsche.htm>, em 25 de agosto de 2008, por coincidência aniversário da morte do filósofo. 3 Immanuel Kant passou sua vida, trabalhou e produziu sua obra na cidade Koenigsberg, Alemanha. A segunda metade do século XVIII foi o período mais significativo na produção desse filósofo, que tem como obra mais conhecida A Crítica da Razão Pura. Informações disponíveis em: <www.mundodosfilosofos. com.br/kant.htm>. Acesso em: 25 ago. 2008. 4 Georg Lukács foi um filósofo húngaro, nascido em Budapeste no dia 13 de abril de 1885 e falecido na mesma cidade em 5 de junho de 1971. Teve uma trajetória intelectual muito intensa, iniciando seu trabalho a partir da obra de Kant e chegando, em sua última etapa, ao marxismo. História e Consciência de Classe, de 1923, é o trabalho que o coloca no campo da teoria marxista, sendo um dos mais conhecidos no Brasil. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/ Georg_Luk%C3%A1cs>. Acesso em: 25 ago. 2008. 5 Georg Simmel, nascido em Berlim, viveu de 1.º de março de 1858 a 28 de setembro de 1918. Foi um dos fundadores da sociologia alemã e um pensador muito eclético, abordando temas como dinheiro, moda, as grandes metrópoles etc. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Georg_Simmel>. Acesso em: 25 ago. 2008. SociologiaUrbana
  16. 16. 19 Um segundo tipo é a ação racional determinada por valores. Neste caso, o que de- termina o sentido da ação pensada e refletida racionalmente não é um determinado objetivo, mas sim um valor, que pode ser moral, político, dentre outros. Exemplificando, tomo o caso de um político que prefere perder uma eleição, seu objetivo, em nome das propostas políticas que defende. No exemplo, o que conta para a ação não é o objetivo racionalmente definido, ganhar a disputa, mas manter-se fiel, também racionalmente, a um determinado valor ou conjunto de valores. Outro tipo é a ação afetiva que, como o próprio nome revela, é toda ação execu- tada de maneira irracional, ou seja, afetiva. Este tipo de ação tem como determinante as emoções do indivíduo e não o cálculo frio e racional. No caso em que alguém deixe de assinar um contrato, por exemplo, por estar de mau humor, pode-se dizer que essa ação foi motivada pelo instinto, pela ausência da razão e pela prevalência da emoção. Por fim, a ação tradicional tem por motivação a predominância de valores incul- cados no indivíduo através da tradição. Com esse tipo de ação podemos compreender melhor como em espaços dominados pela tradição, por exemplo, as religiões, o que move as pessoas não é o cálculo nem o sentimento, mas um conjunto de normas pas- sado de um indivíduo para outro através da tradição, seja ela escrita, oral ou ritual. Weber, além de criar esses conceitos para analisar a ação dos indivíduos, também propõe outras formas de instrumentalizar o sociólogo para a análise e compreensão das ações individuais. O tipo ideal O conceito de tipo ideal criado por Weber articula-se ao papel dado por ele à ma- neira como o cientista deve proceder para realizar suas análises. No positivismo de Durkheim, em função da utilização de modelos das ciências naturais, o pesquisador ocupa muitas vezes o lugar de um mero fornecedor de informações. Os dados obje- tivos da realidade são coletados e inseridos em um questionário, por exemplo, e as respostas quase que aparecem automaticamente. Max Weber se opõe a essa metodo- logia, propondo outro tipo de lugar para o sociólogo, a saber, o de realizar um intenso esforço mental para tirar conclusões a respeito das ações individuais. Para tanto, ele necessita de instrumentos lógicos de análise e o tipo ideal vem cumprir esse papel. De forma resumida, podemos dizer que esse conceito é, antes de tudo, uma cons- trução mental, algo parecido com um modelo que deve auxiliar na compreensão do fenômeno estudado, não existindo de fato na realidade, mas apenas na cabeça do pes- quisador. Um exemplo utilizado pelo próprio Weber é a “ideia” de artesanato. A partir de um conjunto de observações a respeito desse fenômeno conhecido como artesa- nato, desenha-se um modelo que apresenta os elementos mais característicos desse AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores
  17. 17. 20 fenômeno. Uma vez construído o modelo, pela observação do fato a partir de diferen- tes pontos de vista, a análise torna-se mais eficiente. Vemos, ainda, outra marca da teoria weberiana que se expressa na crítica feita por Weber à tentativa de Marx de explicar o capitalismo apenas pela economia. Segundo Weber, os fenômenos sociais têm tal complexidade que não existe apenas uma explica- ção para eles. O papel do cientista é produzir o maior número possível de abordagens e somar a estas outras interpretações para compor um leque explicativo mais comple- to. No entanto, no campo das Ciências Sociais, a compreensão definitiva é apenas uma motivação para a continuidade do trabalho. TEXTO COMPLEMENTAR Opúsculos de Filosofia Social (COMTE, 1978) Entendo por FísicaSocial a ciência que tem por objeto próprio o estudo dos fenô- menos sociais, considerados com o mesmo espírito que os fenômenos astronômicos, físicos, químicos e fisiológicos, isto é, como submetidos a leis naturais invariáveis, cuja descoberta é o objetivo especial de suas pesquisas. Propõe-se, assim, a explicar dire- tamente, com a maior precisão possível, o grande fenômeno do desenvolvimento da espécie humana, considerado em todas as suas partes essenciais; isto é, a descobrir o encadeamento necessário de transformações sucessivas pelo qual o gênero humano, partindo de um estado apenas superior ao das sociedades dos grandes macacos, foi conduzido gradualmente ao ponto em que se encontra hoje na Europa civilizada. O espírito dessa ciência consiste sobretudo em ver, no estudo aprofundado do passado, a verdadeira explicação do presente e a manifestação geral do futuro. Considerando sempre os fatos sociais, não como objetos de admiração ou de crítica, mas como objetos de observação, ocupa-se ela unicamente em estabelecer suas relações mútuas e apreender a influência que cada um exerce sobre o conjunto de desenvolvimento humano. Em suas relações com a prática, afastando das diver- sas instituições qualquer ideia absoluta de bem ou de mal, encara-as como cons- tantemente relativas ao estado determinado da sociedade, e com ele variáveis, ao mesmo tempo que as concebe como podendo se estabelecer espontaneamente Selecionei aqui alguns trechos de obras dos principais autores que estiveram na origem do surgimento da Sociologia. Começamos com Augusto Comte tratando de alguns temas gerais dessa ciência. SociologiaUrbana
  18. 18. 21 pela única força dos antecedentes, independente de qualquer intervenção política direta. Reduzem-se, pois, suas pesquisas de aplicação a colocarem em evidência, segundo as leis naturais da civilização combinadas com a observação imediata, as diversas tendências próprias de cada época. Esses resultados gerais tornam-se, por sua vez, o ponto de partida positivo dos trabalhos do homem de Estado, que só tem, por assim dizer, como objetivo real, descobrir e instituir as formas práticas correspondentes a esses dados fundamen- tais, a fim de evitar, ou pelo menos mitigar, quanto possível, as crises mais ou menos graves que um movimento espontâneo determina, quando não foi previsto. Numa palavra, nesta, como em qualquer outra ordem de fenômenos, a ciência conduz à previdência, e a previdência permite regular a ação. (COMTE: sociologia, p. 53-54) As regras do método sociológico (DURKHEIM, 1987) Pouco se preocuparam até hoje os sociólogos em caracterizar e definir o método que aplicam ao estudo dos fatos sociais. É assim que, em toda a obra de Spencer, o problema metodológico não ocupa nenhum lugar; pois a Introduction à la Science Sociale, cujo título podia dar essa ilusão, está consagrada à demonstração das dificuldades e da possibilidade da sociologia, e não à exposição dos processos de que ela se deve servir. É verdade que Stuart Mill se ocupou com a questão de maneira assaz longa; mas não procurou senão passar no crivo de sua dialética o que Comte dissera a respeito dessa ciência, sem nada acrescentar de verdadeiramente pessoal. Um capítulo do Cours de Philosophie Positive, eis o único, ou quase o único, estudo original e importante que possuímos sobre a matéria. Esta aparente despreocupação nada tem, todavia, que nos surpreenda. Com efeito, os grandes sociólogos cujos nomes acabamos de lembrar não saíram das ge- neralidades sobre a natureza das sociedades, sobre as relações entre o reino social e o reino biológico, sobre a marcha geral do progresso; a própria sociologia de Spen- cer, tão desenvolvida, não tem outro objetivo senão mostrar como a lei da evolução Émile Durkheim, sociólogo responsável pela implantação da Sociologia como uma disciplina acadêmica no sistema educacional francês, apoiou-se muito sobre as ideias de Comte, dando a elas, contudo, um sentido mais prático. Temos, a seguir, alguns trechos de seu trabalho As Regras do Método Sociológico, publicado em Paris, no ano de 1895. Esse livro se constituiu em uma referência para a Sociologia. AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores
  19. 19. 22 universal se aplica às sociedades. Ora, para tratar dessas questões filosóficas não são necessários processos especiais e complexos. Era bastante então avaliar com- parativamente os méritos da dedução e da indução, fazendo um levantamento su- mário dos recursos mais gerais de que dispõe a investigação sociológica. Porém, as precauções a tomar com a observação dos fatos, a maneira pela qual os principais problemas devem ser colocados, o sentido em que se deve nortear as pesquisas, as práticas especiais que soem lhes permitir chegar ao fim, as regras que devem presi- dir a administração das provas permaneciam indeterminadas. Que é Fato Social? Antes de indagar qual o método que convém ao estudo dos fatos sociais, é necessário saber que fatos podem ser assim chamados. A questão é tanto mais necessária quanto esta qualificação é utilizada sem muita precisão. Empregam-na correntemente para designar quase todos os fenô- menos que se passam no interior da sociedade, por pouco que apresentem, além de certa generalidade, algum interesse social. Cada indivíduo bebe, dorme, come, raciocina e a sociedade tem todo o interesse em que estas funções se exerçam de modo regular. Porém, se todos esses fatos fossem sociais, a Sociologia não teria objeto próprio e seu domínio se confundiria com o da Biologia e da Psicologia. Na verdade, porém, há em toda sociedade um grupo determinado de fenô- menos com caracteres nítidos, que se distingue daqueles estudados pelas outras ciências da natureza. Quando desempenho meus deveres de irmão, de esposo ou de cidadão, quando me desincumbo de encargos que contraí, pratico deveres que estão defini- dos fora de mim e de meus atos, no direito e nos costumes. [...] Estamos, pois, diante de uma ordem de fatos que apresenta caracteres muito es- peciais: consistem em maneiras de agir, de pensar e de sentir exteriores ao indivíduo, dotadas de um poder de coerção em virtude do qual se lhe impõem. Por conseguinte, não poderiam se confundir com os fenômenos orgânicos, pois consistem em repre- sentações e em ações; nem com os fenômenos psíquicos, que não existem senão na consciência individual e por meio dela. Constituem, pois, uma espécie nova e é a eles que deve ser dada e reservada a qualificação de sociais. [...] Nossa definição compre- enderá, pois, todo o definido, se dissermos: É fato social toda maneira de agir fixa ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior; ou ainda, que é geral na extensão de uma sociedade dada, apresentando uma existência própria, independente das manifestações individuais que possa ter [...]. SociologiaUrbana
  20. 20. 23 O Manifesto do Partido Comunista (MARX; ENGELS, 1983) “Um espectro ronda a Europa – o espectro do comunismo. Todas as potências da velha Europa unem-se numa Santa Aliança para conjurá-lo: o papa e o czar, Met- ternich e Guizot, os radicais da França e os policiais da Alemanha. Que partido de oposição não foi acusado de comunista por seus adversários no poder? Que partido de oposição, por sua vez, não lançou a seus adversários de direita ou de esquerda a pecha de comunista? Duas conclusões decorrem desses fatos: o comunismo já é reconhecido como força por todas as potências da1. Europa; é tempo de os comunistas exporem, à face do mundo inteiro, seu modo de2. ver, seus fins e suas tendências, opondo um manifesto do próprio partido à lenda do espectro do comunismo. Com este fim, reuniram-se, em Londres, comunistas de várias nacionalidades e redigiram o manifesto seguinte, que será publicado em inglês, francês, alemão, italiano, flamengo e dinamarquês. I – Burgueses e proletários 1 Até hoje, a história de todas as sociedades que existiram até nossos dias [...] tem sido a história das lutas de classes. 1 Na edição inglesa de 1888, F. Engels escreve a seguinte nota, reproduzida aqui:“Por burguesia compreende-se a classe dos capitalistas modernos, pro- prietários dos meios de produção social, que empregam o trabalho assalariado. Por proletários compreende-se a classe dos trabalhadores assalariados modernos que, privados de meios de produção próprios, se veem obrigados a vender sua força de trabalho para poder existir.“ Afastar todas as pré-noções... Karl Marx, pensador que influenciou na construção de várias áreas do conheci- mento humano, desde a Filosofia, passando por Economia, Psicologia, Teoria Literária, Crítica de Arte, Ciência Política e, também, a Sociologia, é o autor que exporemos a seguir, com algumas passagens de um dos seus textos mais conhecidos, O Manifesto do Partido Comunista. Ele foi escrito por Marx e Engels entre dezembro de 1847 e janei- ro de 1848 e publicado pela primeira vez em Londres, em fevereiro de 1848, como uma espécie de panfleto ou manifesto, para os operários, com uma síntese das propostas dos comunistas da época. AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores
  21. 21. 24 Homem livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo, mestre de corporação e companheiro, numa palavra, opressores e oprimidos, em constante oposição, têm vivido uma guerra ininterrupta, ora franca, ora disfarçada; uma guerra que terminou sempre ou por uma transformação revolucionária da sociedade inteira, ou pela des- truição das suas classes em luta. Nas primeiras épocas históricas, verificamos, quase por toda parte, uma com- pleta divisão da sociedade em classes distintas, uma escala graduada de condições sociais. Na Roma antiga encontramos patrícios, cavaleiros, plebeus, escravos; na Idade Média, senhores, vassalos, mestres, companheiros, servos; e, em cada uma dessas classes, gradações especiais. A sociedade burguesa moderna, que brotou das ruínas da sociedade feudal, não aboliu os antagonismos de classes. Não fez senão substituir novas classes, novas condições de opressão, novas formas de luta às que existiram no passado. Entretanto, a nossa época, a época da burguesia, caracteriza-se por ter simpli- ficado os antagonismos de classes. A sociedade divide-se cada vez mais em dois vastos campos opostos, em duas grandes classes diametralmente opostas: a bur- guesia e o proletariado. Dos servos da Idade Média nasceram os burgueses livres das primeiras cidades; dessa população municipal, saíram os primeiros elementos da burguesia. A descoberta da América, a circunavegação da África ofereceram à burguesia em ascensão um novo campo de ação. Os mercados da Índia e da China, a coloniza- ção da América, o comércio colonial, o incremento dos meios de troca e, em geral, das mercadorias imprimiram um impulso, desconhecido até então, ao comércio, à indústria, à navegação, e, por conseguinte, desenvolveram rapidamente o elemento revolucionário da sociedade feudal em decomposição. A antiga organização feudal da indústria, em que esta era circunscrita às corpora- ções fechadas, já não podia satisfazer às necessidades que cresciam com a abertura de novos mercados. A manufatura a substituiu. A pequena burguesia industrial suplantou os mestres das corporações; a divisão do trabalho entre as diferentes corporações desa- pareceu diante da divisão do trabalho dentro da própria oficina. Todavia, os mercados ampliavam-se cada vez mais; a procura de mercadorias au- mentava sempre. A própria manufatura tornou-se insuficiente; e então o vapor e a ma- quinariarevolucionaramaproduçãoindustrial.Agrandeindústriamodernasuplantoua manufatura; a média burguesia manufatureira cedeu lugar aos milionários da indústria, aos chefes de verdadeiros exércitos industriais, aos burgueses modernos. [...] SociologiaUrbana
  22. 22. 25 Asarmasqueaburguesiautilizouparaabaterofeudalismovoltam-sehojecontra a burguesia. A burguesia, porém, não forjou somente as armas que lhe darão morte; pro- duziu também os homens que manejarão essas armas – os operários modernos, os proletários. Com o desenvolvimento da burguesia, isto é, do capital, desenvolve-se também o proletariado, a classe dos operários modernos que só podem viver se encontrarem trabalho, e que só encontram trabalho na medida em que este aumenta o capital. Esses operários, constrangidos a vender-se diariamente, são mercadoria, artigo de comércio como qualquer outro; em consequência, estão sujeitos a todas as vicissi- tudes da concorrência, a todas as flutuações do mercado. O crescente emprego de máquinas e a divisão do trabalho, despojando o tra- balho do operário de seu caráter autônomo, tiraram-lhe todo atrativo. O produtor passa a um simples apêndice da máquina e só se requer dele a operação mais sim- ples,maismonótona,maisfácildeaprender.Dessemodoocustodooperáriosereduz, quase exclusivamente aos meios de manutenção que lhe são necessários para viver e perpetuar sua existência. Ora, o preço do trabalho, [...] como de toda mercadoria, é igual ao custo de sua produção. Portanto, à medida que aumenta o caráter enfadonho do trabalho, decrescem os salários. Mais ainda, a quantidade de trabalho cresce com o desenvolvimento do maquinismo e da divisão do trabalho, quer pelo prolongamento das horas de labor, quer pelo aumento do trabalho exigido em um tempo determina- do, pela aceleração do movimento das máquinas etc. A indústria moderna transformou a pequena oficina do antigo mestre da cor- poração patriarcal na grande fábrica do industrial capitalista. Massas de operários, amontoados na fábrica, são organizados militarmente. Como soldados da indústria, estão sob a vigilância de uma hierarquia completa de oficiais e suboficiais. Não são somente escravos da classe burguesa, do Estado burguês, mas também diariamen- te, a cada hora, escravos da máquina, do contramestre e, sobretudo, do dono da fábrica. E esse despotismo é tanto mais mesquinho, odioso e exasperador quanto maior é a franqueza com que proclama ter no lucro seu objetivo exclusivo. Quanto menos o trabalho exige habilidade e força, isto é, quanto mais a indús- tria moderna progride, tanto mais o trabalho dos homens é suplantado pelo das mulheres e crianças. As diferenças de idade e de sexo não têm mais importância social para a classe operária. Não há senão instrumentos de trabalho, cujo preço varia segundo a idade e o sexo. AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores
  23. 23. 26 A“objetividade”do conhecimento nas Ciências Sociais (WEBER, 1989) Na medida em que a nossa ciência, pela regressão causal, atribui causas individu- ais – de caráter econômico ou não – a fenômenos culturais econômicos, ela busca um conhecimento “histórico”. Na medida em que persegue um elemento específico dos fenômenos culturais – neste caso o elemento econômico – através dos mais variados complexos culturais, no intuito de discernir o seu significado cultural, ele busca uma interpretação histórica sob um ponto de vista específico. Oferece assim uma imagem parcial, um trabalho preliminar, para o conhecimento histórico da cultura. [...] O domínio do trabalho científico não tem por base as conexões“objetivas”entre as “coisas”, mas as conexões conceituais entre os problemas. Só quando se estuda um novo problema com auxílio de um método novo e se descobrem verdades que abrem novas e importantes perspectivas é que nasce uma nova“ciência”. [...] Atualmente, a chamada “concepção materialista da História”, segundo, por exemplo, o antigo sentido genial-primitivo do Manifesto Comunista, talvez apenas subsista nas mentes de leigos ou diletantes. Entre estes, com efeito, encontra-se ainda muito difundido o singular fenômeno de que a sua necessidade de explicação causal de um fenômeno histórico não fica satisfeita, enquanto não se demonstre (mesmo que só na aparência) a intervenção de causas econômicas. [...] A “objetividade” do conhecimento no campo das ciências sociais depende antes do fato de o empiricamente dado estar constantemente orientado por ideias de valor que são as únicas a conferir-lhe valor de conhecimento, e ainda que a sig- nificação desta objetividade apenas se compreenda a partir de tais ideias de valor, não se trata de converter isso em pedestal de uma prova empiricamente impossível da sua validade. E a crença – que todos nós alimentamos sob uma forma ou outra – na validade supraempírica de ideias de valor últimas e supremas, em que funda- mentamos o sentido da nossa existência, não exclui, antes pelo contrário inclui, a variabilidade incessante dos pontos de vista concretos a partir dos quais a realidade Por último, mas não menos importante, temos trechos de um trabalho de Max Weber intitulado A “objetividade” do conhecimento nas Ciências Sociais, que, pelo fato de ser posterior aos trabalhos aqui apresentados de Durkheim e Marx, estabelece um diálogo com esses autores do ponto de vista metodológico. Por outro lado, esse traba- lho também é útil para percebermos como Weber trata de maneira particular o tema da metodologia nas Ciências Sociais e, dentro delas, da Sociologia. SociologiaUrbana
  24. 24. 27 empírica adquire significado. A realidade irracional da vida e o seu conteúdo de sig- nificações possíveissão inesgotáveis, e também a configuração concreta das relações valorativas mantém-se flutuante, submetida às variações do obscuro futuro da cul- tura humana. A luz propagada por essas ideias de valor supremas ilumina, de cada vez, uma parte finita e continuamente modificada do caótico curso de eventos que flui através do tempo. É preciso não darmos a tudo isso uma falsa interpretação no sentido de consi- derarmos que a autêntica tarefa das Ciências Sociais consiste numa perpétua caça a novos pontos de vista e construções conceituais. Pelo contrário, convém insistir mais do que nunca sobre o seguinte: servir o conhecimento da significação cultural de complexos históricos e concretos constitui o único fim último e exclusivo ao qual, juntamente com outros meios, está também dedicado o trabalho da construção e crítica de conceitos. ATIVIDADES Por que a Sociologia surge no século XIX?1. AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores
  25. 25. 28 Por que o teocentrismo foi uma barreira para o desenvolvimento das ciências?2. SociologiaUrbana
  26. 26. 29 Quais são os principais elementos constitutivos da teoria marxista?3. AsorigensdaSociologia:ospaisfundadores

×