Avl22 140221085311-phpapp01

3.047 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.047
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
78
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
263
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avl22 140221085311-phpapp01

  1. 1. Conceição Dinis Fátima Lima abc d Conceição Dinis Fátima Lima A Aventura das Letras 2 Língua Portuguesa 2.o ano Ensino Básico P
  2. 2. I S B N 9 7 2 - 0 - 1 1 2 5 2 - 2
  3. 3. A Aventura das Letras 2 compõe-se de um Livro de Leitura e de um Livro de Fichas. Pretendem ser instrumentos de trabalho para uma abordagem eficaz ao programa de Língua Portuguesa. Sendo a Língua Materna, de acordo com os Princípios Orientadores do Programa, “o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos rodeia”, importa que os alunos criem competências lin-guísticas que lhes facultem a expressão e a comunicação. Foram seleccionados cuidadosamente os textos literá-rios e tradicionais, tendo em vista o despertar do sentido estético e o prazer da leitura e escrita. Propomos um trabalho de enriquecimento do vocabu-lário, assim como de reflexão sobre a estrutura da frase e funcionamento da língua, motivando também para a criação de textos próprios. As autoras Aos educadores
  4. 4. 4 Índice Texto Tema do programa Ortografia Pág. Setembro À descoberta de si mesmo A aventura das letras Praticar a oralidade o alfabeto 6-7 Era uma vez… Interpretar um texto com lacunas s, z 8-9 Voltar à escola Conhecer a frase e o parágrafo ss 10-11 Havia na minha escola… Compor e decompor palavras em sílabas 12-13 Brincar toda a semana Construir frases a partir de palavras mb, mp 14-15 A paz é linda Conhecer as regras da frase escrita rr 16-17 Outubro Cuidar da saúde Foi o Outono Escrever um diálogo ci, ce, ça 18-19 As uvas e o vinho Construir frases a partir de grupos tr, gr, dr, 20-21 Quadras populares do Douro Separar os grupos da frase az, ez, iz, as, es, is 22-23 O guarda-chuva cor-de-rosa Completar os grupos da frase há, à 24-25 Os olhos falam Separar palavras por famílias an, en, …, am, em 26-27 Nina e o Pintarroxo Descobrir as perguntas dadas as respostas acento gráfico 28-29 As diferenças Conhecer a frase afirmativa e a frase negativa lh, nh 30-31 Os cereais Relacionar o texto com as vivências ge, gi, gue, gui 32-33 Teatrinho Recolher textos do património oral ch 34-35 Queres saber quem sou? Descobrir palavras que rimam ar, er, ir 36-37 Novembro Viver em segurança O céu estava cinzento Interpretar um texto por esquema gráfico ch, x 38-39 Quentes e boas! Construir frases segundo um modelo qua, que, qui 40-41 Os sinais Conhecer frases correctas sem sentido r, rr 42-43 Como atravessar a rua Descrever situações da vida real ss, rr, qu 44-45 Bom dia! Identificar as personagens do texto al, el, il, ol, ul 46-47 Por coisa de nada… Descobrir a frase fora do texto ch, lh, nh 48-49 O trabalho do meu pai Comutar letras para formar novas palavras acento gráfico 50-51 O trigo Formar o plural dos nomes ão/ãos, ães, ões 52-53 O vendedor ambulante Recontar o texto lido em resumo ai, ei, ui, ão 54-55 A casa de modas da floresta Descrever desenhos e figuras fl, cl, pl 56-57 Dezembro Conhecer Instituições e Serviços O pinheiro de Natal Conhecer os graus dos nomes nh 58-59 Uma boa acção Completar rimas fr, tr 60-61 A carta Completar palavras com vogais acento gráfico 62-63 A visita de estudo Descrever situações vividas ci, ça 64-65 A borracha foi ao médico Construir palavras a partir de sílabas oso, osa 66-67 Janeiro Descobrir o ambiente Chegou o Inverno Dramatizar o texto lido dr, fr 68-69 Alecrim Escrever palavras da mesma família ch, lh 70-71 Cantilena das notas de música Decompor palavras em sílabas nh 72-73 O abraço – teatro Ordenar os acontecimentos no tempo ss, ch, fl 74-75 O pisco de peito-ruivo Explicar expressões por outras palavras as, es, is, os, us 76-77 O ratinho envergonhado Imaginar a continuação de uma história 78-79 O pato marreco Escolher um título para o texto rr 80-81 Curiosidades Escrever frases segundo um modelo acento gráfico 82-83
  5. 5. 5 Texto Tema do programa Ortografia Pág. Identificar aspectos físicos do meio Fevereiro Era Carnaval Aliar os nomes às qualidades az, ez, iz 84-85 A risada de Biriba Relacionar as palavras quanto ao sentido ço, ça, ci 86-87 Que bichinho seria? Ilustrar um texto dado esa, eza 88-89 Perguntas e respostas Organizar um texto com frases em desordem qu 90-91 Como vai estar o tempo? Escrever palavras com elementos comuns gi, gui, ga 92-93 Fim de Fevereiro Completar palavras a que faltam letras ss, s 94-95 Descobrir inter-relações entre espaços Março Vem aí a Primavera Recriar o texto noutra linguagem mp, mb 96-97 Depois da grande viagem Responder a questionário sobre o texto oi, ou, ei 98-99 O ratinho e o comboio Fazer exercícios de ortografia sinho, zinho 100-101 O passeio da Engrácia Inventar rimas acento gráfico 102-103 Andar na rua Conhecer diferentes pontuações nós/noz, vós/voz 104-105 O jornal da escola Riscar a palavra que não pertence ao conjunto cl, fl, pl 106-107 Conhecer materiais e objectos Abril A Ressurreição Reconhecer o uso da maiúscula maiúsculas 108-109 Os manos caracóis Escrever nomes por ordem alfabética nh, lh, mb 110-111 O menino pintor Consultar o dicionário vêm, vêem 112-113 A porta Separar as palavras em sílabas 114-115 A toalhinha Ilustrar a partir de legendas ci, ce, ça 116-117 O prato chinês Completar frases com circunstância de tempo 118-119 Descobertas e experiências com o ar Maio O vendedor de balões Identificar perguntas e respostas 120-121 Teresa e as bolas de sabão Conhecer o plural dos nomes ão, ãos 122-123 O Vaga-lume-faceiro Relacionar palavras quanto ao sentido 124-125 O raio de Sol Reconhecer na frase o nome e a acção qu 126-127 O que é a mãe? Produzir textos em prosa ou verso nh, lh 128-129 Saber utilizar objectos Junho Decl. dos Direitos da Criança Participar num texto colectivo eu, oi, ou 130-131 Respeitar a Natureza Assinalar o sentido da palavra no texto ss 132-133 Numa tarde de Verão Escrever frases a partir de grupos 134-135 A história da Carochinha Relacionar as ideias do texto 136-137 Beijinhos para aqui… Descrever situações imaginadas 138-139 Do tronco ao barco Memorizar um texto para recitar tr 140-141 As férias Relatar desejos e projectos mp 142 Canção da grande alegria Descrever imagens 143
  6. 6. À descoberta de si mesmo Setembro A aventura das letras 6 As letras brincavam às escondidas. – A E I O U, canta o João. Onde estão escondidas, vocês? Mas o João é esperto e descobre onde se escondem. Sobe à Árvore e apanha o A. Apanha a Erva e lá está o E. Nada até à Ilha e encontra o I muito esticadinho a tomar banhos de sol. Chega-se ao senhor Manuel e tira-lhe os Ós dos Óculos. Por fim pega num belo cacho de Uvas e com elas o U todo lambuzado de sumo. – Ah! Vogais marotas, que vos apanhei! E mete-as entre as folhas de um livro. Maria Luísa Ducla Soares
  7. 7. À descoberta de si mesmo LER E COMPREENDER 1 – Lê o texto em voz alta e reconta a história oralmente. A E I O U AS PALAVRAS 4 – Copia do texto: a primeira frase a última frase 7 2 – Assinala correctamente de acordo com o texto. o João. na Ilha. As letras brincavam com O João viu o I o José. na Igreja. numa casa. na Erva. O João meteu as letras O A estava num livro. na Árvore. 3 – Liga segundo o texto. • • • • • • • • • • Ilha Óculos Árvore Erva Uvas O ALFABETO é o conjunto das letras – vogais e consoantes – com que se escrevem as palavras da Língua Portuguesa. Minúsculas a b c d e f g h i j l m n o p q r s t u v x z Maiúsculas A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V X Z A FRASE E O TEXTO
  8. 8. Setembro Era uma vez… 8 Era uma vez um livro guardado numa estante da biblioteca. Juntinhos a ele havia outros, muitos outros livros. LER E COMPREENDER De vez em quando limpa-vam- lhes o pó mas ninguém os abria. Mas um dia os meninos da casa aprenderam a ler. Leram os livros muitas e muitas vezes. E os livros ficaram felizes. Pedro de Carvalho Às vezes, à noitinha, os livros conversavam baixinho. – Para que servem tantas histórias escritas nas nossas páginas? 1 – Completa com palavras do texto. Era uma vez um guardado numa de uma biblioteca. Havia ali muitos outros . Ninguém lia os livros e estavam tristes. Por vezes, à , os livros conversavam. – Para que servem tantas histórias ? Mas um dia os aprenderam a ler. Leram os muitas vezes e eles ficaram felizes.
  9. 9. AS PALAVRAS Os meninos da casa. Entre vogais o s lê-se z. A FRASE E O TEXTO À descoberta de si mesmo 2 – Escreve os nomes ou faz os desenhos. peso casa vaso O livro Livro Uma escola um amigo para levar para falar comigo debaixo do braço. um navio Livro para viajar um abraço um jardim para além do tempo para brincar. e do espaço. Maria Luísa Ducla Soares 4 – Conta o número de versos da poesia O livro. versos 5 – Escreve, no teu caderno, um texto com algumas frases sobre os teus livros. 9 3 – Escreve agora as palavras por ordem alfabética. c m p r v Este texto é uma poesia, está escrito em verso. Cada linha é um verso. Por vezes os versos rimam: amigo/comigo braço/espaço
  10. 10. Setembro Voltar à escola 10 É uma alegria quando volta-mos para a escola. Pelo caminho quase só encon-tramos caras conhecidas que já não víamos há muitas semanas. Contam-se histórias das férias, passeios que se deram, coisas que se viram e aprende-ram. Provérbio Setembro ou leva as pontes ou seca as fontes. LER E COMPREENDER O Manel foi para a praia; a Isabel foi para o campo; a Maria João ficou na cidade, mas brin-cou muito nos parques e jardins. Os meninos que vivem nas aldeias têm espaços enormes para correr, nas matas e nos campos. É muito bom. Alice Gomes 1 – Assinala V (verdadeiro) ou F (falso), segundo o texto. V F É triste voltar à escola. Encontram-se caras conhecidas. Contam-se histórias de férias. Os meninos das aldeias correm nas matas. 2 – Completa para construíres frases de acordo com o texto. O Manel foi . A Isabel foi . A Maria João ficou .
  11. 11. AS PALAVRAS c a r s p r a e s c l a l g r i A FRASE E O TEXTO À descoberta de si mesmo 3 – Completa com ss. pá aro a ado pa ada pê ego 4 – Completa as palavras, retiradas do texto da página 10, com as vogais que faltam. 5 – Escreve os nomes dos meninos da história. 6 – Completa e escreve. O texto tem parágrafos. O primeiro parágrafo O segundo parágrafo 7 – Escreve, no teu caderno, um pequeno texto sobre as férias, respeitando as regras dos parágrafos. 11 passeio Para se ler s entre vogais escreve-se ss. O nome das pessoas inicia-se com letra maiúscula. O texto Voltar à escola está escrito em prosa e encontra-se dividido em frases e parágrafos. Cada novo parágrafo inicia-se numa nova linha, um pouco mais à direita.
  12. 12. Setembro Havia na minha escola… 12 Lembro-me que havia na minha escola dois pinheiros. Eram pinheiros pequenos e não davam pinhas. Nem pinhas nem pinhões. Eram pinheiros de nome. Pinheiros de nome e de carne, osso, calções, camisola e sapatões de ir à escola. Na copa, isto é, na cabeça, um usava uma boina, o outro um boné. Quando calhava! Ali, na mesma escola, na mesma aula, dois pinheiros juntos não chegavam para fazer um pinhal. Mas davam para brincar às escondidas. – Anda cá, Pinheiro… – Quem? Eu? – Eu? – Ouve lá, Pinheiro… – Qual? Eu? – Eu? LER E COMPREENDER António Torrado copa – conjunto dos ramos e das folhas da árvore. 1 – Liga de acordo com o texto. Naquela escola • •chamavam-se Pinheiro. Aqueles meninos • •formam um pinhal. Os colegas de turma • •havia dois meninos com o mesmo nome. Muitos pinheiros juntos • •brincavam com eles. 2 – Assinala outro título que ficaria bem no texto. Brincar com os nomes Os dois Pinheiros Os meninos
  13. 13. AS PALAVRAS escola es-co-la boina calções sapatões boné camisola 4 – Escreve a lista das peças de vestuário por ordem alfabética. A FRASE E O TEXTO À descoberta de si mesmo Quando pronunciamos uma palavra dizemos um pedacito, uma sílaba, de cada vez. 3 – Completa, separando as sílabas. 5 – Ordena as sílabas e escreve as palavras. nhei ro pi pi nhões nha Qual é a casinha? Qual é a casinha que tem inquilino de camisa fina e sobretudo duro? Mora num outeiro com outras casinhas e todas irmãs. pi pi Tombou do outeiro bateu com a pinha no chão. Já disse a adivinha: a casa é a o outeiro é o inquilino é 13 Maria Alzira P. Machado 6 – Lê o texto e completa a adivinha. 7 – Completa o texto. nhal Este texto é uma porque está escrito em . O título é , e a autora chama-se .
  14. 14. Setembro Brincar toda a semana 14 Vou passar na brincadeira a segunda-feira. E vou divertir-me à farta na terça e quarta. Quinta e sexta vou gozar sem mais parar. Para acabar com esta festa, só o sábado me resta. Quantas horas de alegria em cada dia! LER E COMPREENDER Segunda, brinco sozinho. Terça-feira, acompanhado. Quarta, com o meu vizinho. Quinta, contigo a meu lado. Sexta, convido outro amigo que logo brinca comigo e no sábado também. Domingo, dá-me a preguiça, depois da missa, e não brinco com ninguém. Deixa-me, enfim, descansar! Estarei pronto a brincar para a semana que vem. António M. Couto Viana 1 – Liga correctamente, de acordo com o texto. Segunda-feira• •brinco acompanhado. Terça-feira• •brinco sozinho. Quarta-feira• •convido outro amigo. Quinta-feira• •brinco com o vizinho. Sexta-feira• •brinco contigo.
  15. 15. AS PALAVRAS Antes de p ou b e no fim da palavra escreve-se m em vez de n. A FRASE E O TEXTO À descoberta de si mesmo 2 – Escreve as palavras sublinhadas no texto. 3 – Escreve os outros nomes. tampa Eu brinco toda a semana 4 – Ordena as palavras e escreve as frases. semana dias a tem sete brincam os meninos muito 5 – Escreve algumas frases sobre as tuas brincadeiras favoritas. 15 Trinta dias tem Novembro Abril, Junho e Setembro Mês de vinte e oito dias só há um Todos os outros têm trinta e um. Popular frase – Eu brinco toda a semana. As palavras são o material das frases.
  16. 16. Setembro A paz é linda 16 Menino amigo, irás para a escola com outros meninos, brincar, estudar, jogar às casinhas, ao pião, à macaca. Mas às guerras não! Às guerras nem a brincar. Vês o que elas fazem? Fome, frio, doença… Às guerras não! A paz é linda. É como pomba branca voando devagarinho… LER E COMPREENDER Maria Isabel César Anjo 1 – Assinala as brincadeiras referidas no texto. 2 – Completa as frases com palavras do texto. Os meninos não devem brincar às , porque elas fazem fome, , . A paz é . É como uma voando devagarinho.
  17. 17. À descoberta de si mesmo AS PALAVRAS 3 – Completa, dividindo em sílabas. menino amigo escola jogar pião me ni no guerra O grupo rr só se escreve entre vogais. a 4 – Completa com rr. A paz é o oposto de guerra é o sol, são as madrugadas. E todas as crianças da Terra de mãos dadas, de mãos dadas, de mãos dadas… Sidónio Muralha 5 – Lê o poema. As crianças dão as mãos. A frase escrita inicia-se com letra maiúscula e termina com sinal de pontuação: ponto final ( . ), ponto de interrogação ( ? ) ou ponto de exclamação ( ! ). 6 – Ordena as palavras e forma frases com os sinais de pontuação indicados. 17 se ote to e ca o bu o A FRASE E O TEXTO é a uma paz pomba branca (!) meninos outros com brincas tu os (?) estudar escola à vamos brincar e (.) AVL2-2 rr o e i u
  18. 18. Cuidar da saúde Outubro 18 Foi o Outono Certa manhã Joana Amor deitou a cabecita de fora da casca onde havia uma manchinha em forma de coração e estremeceu: – Brrr!! Que frio! Atchim! – Santinha! – disse o mano João. – Mano João! Oh, mano João! – O que é, mana Joana? – Veja só o que aconteceu à nossa árvore! Ainda ontem estava toda tão verdinha, olhe para isto! – Já vou saber o que se passa! E deslizou um bocadinho. – Senhora árvore! Senhora árvore, pode explicar-me o que aconteceu? Quem pintou de dourado o nosso sítio sem ao menos nos consultar? A árvore estava vestida de castanho-escuro, bordado a musgo e grossas gotas de chuva – seriam lágrimas – corriam-lhe pelos olhos. E respondeu cheia de tristeza: – Foi o Outono. Maria Rosa Colaço consultar – pedir conselho, pedir opinião. Provérbio Logo que Outubro venha, procura lenha. 1 – Desenha as personagens que falam nesta história. 2 – Assinala de acordo com o texto. A Joana Amor deitou da casca. o pai. a cabeça de fora da varanda. Ela chamou o irmão. da tenda. o primo. LER E COMPREENDER
  19. 19. AS PALAVRAS Descobrir inter-relações entre espaços ça ce ci ço çu Certa manhã ela deitou a cabecita de fora da casca, que tinha um coração. O c tem valor de s junto das vogais e e i. Antes de a, o, u precisa de cedilha para se ler s. 3 – Lê e completa as adivinhas. 4 – Sublinha, nas adivinhas do exercício anterior, os grupos ça e ço. A FRASE E O TEXTO – Mano João! Oh, mano João! – O que é, mana Joana? 5 – Copia do texto as primeiras falas das personagens. Joana Amor – . Mano João – . 6 – Copia frases do texto que terminam com o sinal indicado. ? ponto de interrogação. ! ponto de exclamação. . ponto final. 7 – Escreve um pequeno diálogo entre dois animais. 19 Sou quadradinho Salto com desembaraço Trabalho e não penso. Pareço de borracha e aço. Limpo o narizinho Faço grande estardalhaço Sou um . Sou um . Gosto de ti em criança Mas depois, quando cresço, Só me serves de lembrança. És o meu . O texto apresenta uma conversa, um diálogo. No início de cada fala, escreve-se um travessão ( – ). Cada fala é um parágrafo.
  20. 20. Outubro As uvas e o vinho 20 O rapaz chegou à praia, sen-tou- se ao lado da Menina do Mar e disse: – Hoje trago-te uma coisa da terra que é bonita e tem lá dentro a alegria. Na terra há uma planta que se chama videira. No Inverno, parece morta e seca. Mas, na Primavera, enche-se de folhas e no Verão de frutos que se chamam uvas e crescem em cachos. No Outono, os homens colhem os cachos de uvas e põem-nos em grandes tanques de pedra, onde os pisam até que o seu sumo escorra. É a esse sumo dos frutos da videira que chamamos vinho, mas o seu sabor não o sei contar. Sophia de Mello Breyner Andresen LER E COMPREENDER 1 – Assinala correctamente, de acordo com o texto: V (verdadeiro), F (falso), T (talvez). V F T O rapaz conversava com a menina do mar. A videira no Inverno está seca. O sumo das uvas dá vinho branco. Os cachos colhem-se na Primavera. 2 – Completa segundo o texto. A videira no Inverno A videira na Primavera No Verão No Outono
  21. 21. AS PALAVRAS praia trago Primavera frutos grandes A FRASE E O TEXTO Cuidar da saúde 3 – Separa as sílabas das palavras do texto. 4 – Completa com os grupos que faltam. pe a evo ade qua ado 5 – Copia do texto os nomes iniciados com letra maiúscula. 6 – Forma frases com estes grupos, segundo o texto. Os homens O rapaz trouxe um presente à menina. colhem os cachos de uvas. 7 – Escreve um texto sobre as vindimas na tua região. 21 Hoje trago-te uma coisa da terra que é bonita e tem lá dentro a alegria. Os grupos de duas consoantes (tr, gr, dr, pr, ...) pertencem à mesma sílaba. As frases dividem-se em grupos que concordam entre si.
  22. 22. Outubro Quadras populares do Douro 22 I III Fui ao Douro à vindima Lá no rancho da vindima Ganhei a quatro vinténs. Muito cantei e dancei. Dei um cruzado ao barqueiro Assim te lembres de mim Só me sobraram dez réis. Como de ti me lembrei. II Nas margens do rio Douro Que passa aos pés do Marão Fui na roga da vindima Vindimar teu coração. cruzado, vintém, réis – moedas antigas. roga – grupo de pessoas contratadas para trabalhos agrícolas. LER E COMPREENDER 1 – Completa com palavras do texto. Junto ao rio que passa perto da serra do há muitas vinhas. No tempo das as pessoas andam alegres, cantam e .
  23. 23. AS PALAVRAS 2 – Escreve o nome ou desenha. A FRASE E O TEXTO Cuidar da saúde Tenho saudades do sol dos dias quentes de Verão. O céu tornou-se cinzento e as férias já lá vão. Mas quando atravesso o largo vejo uma árvore escarlate. Parece a árvore das fadas quando acaso a luz lhe bate! O vendedor de castanhas parou com o carrito: as castanhas cheiram bem… Acho o Outono bonito! 365 Histórias de Encantar Outono bonito! 4 – Separa os grupos das frases, como no exemplo. A árvore / é bonita. As castanhas cheiram bem. A árvore está no largo. O vendedor traz o carrito. 5 – Memoriza o texto para o recitar aos teus companheiros. 23 dez, pés, … Muitas palavras teminam em az, ez, iz, oz, uz. Os grupos as, es, is, os, us aparecem no meio ou no fim das frases. cabaz luz 3 – Completa com palavras do texto. co ra ção funis
  24. 24. Outubro O guarda-chuva cor-de-rosa 24 Estava a chover quando saí um dia da escola, sem abrigo nem nada. Fiquei à porta a ver a água cor-rendo por todos os lados. Então uma menina parou à minha beira, de guarda-chuva cor-de-rosa aberto e convidou-me para ir com ela para casa. Era a Olga, a minha nova vizi-nha. Assim nos conhecemos. Naquele dia regressei a casa com um braço por cima do ombro de uma nova amizade. O seu guarda-chuva era uma nuvem cor-de-rosa que servia para três: ela, eu e a sua boneca. Desde então ficamos amigos. Arsénio Mota regressar – voltar ao lugar de onde partiu. LER E COMPREENDER 1 – Enumera os acontecimentos de acordo com o texto. A menina do guarda-chuva parou junto do colega. Ele ficou à porta a ver a água correr. A Olga convidou o vizinho para ir para casa. Estava a chover quando o menino saiu da escola. 2 – Responde às questões, por escrito. Como estava o tempo naquele dia? Quem era a Olga? Que fazia lembrar o guarda-chuva?
  25. 25. AS PALAVRAS Cuidar da saúde Que há de mais lindo Sobre a Terra? – O campo O sol A serra Os rios a cantar O imenso azul Do mar. imenso – muito grande. palpitar – bater, pulsar. 3 – Liga as palavras que rimam no texto. E um coração A palpitar. Vivo tesouro Com trigo de ouro Para dar… Terra tesouro mar • • • • • • ouro cantar serra 4 – Escreve palavras do texto com os grupos. 5 – Completa com há ou à. Maria Alzira Machado Na Terra coisas muito belas. Gosto de ir beira-mar ver o azul das ondas. Nas águas do mar muito peixe e tarde vê-se o pôr-do-Sol. 6 – Completa as frases de acordo com o texto. O é imenso e azul. Os correm a cantar. O é um tesouro vivo. 7 – Escreve um texto sobre os teus amigos. 25 br mp rr tr ça A FRASE E O TEXTO
  26. 26. Outubro Os olhos falam 26 Quatro olhos se encontraram os grandes eram os meus os pequenos já falavam pequenos eram os teus. Mas os olhos não têm boca não têm som não têm sorriso não dizem coisa com coisa como pode lá ser isso? Pode, pode, os olhos falam fazem comunicação do que está dentro de nós cá dentro do coração. Eram o Abel e a Mãe. Havia tanta alegria no ar que as janelas, que eram os olhos das casas, brilhavam de felicidade. José Vaz LER E COMPREENDER 1 – Liga, o que se relaciona, de acordo com o poema. Os olhos grandes eram da • •boca. Os olhos pequenos eram do • •Mãe. Os olhos não têm • •coração. Os olhos falam do que está no • •filho. 2 – Escolhe outro título para o poema. A Mãe e o filho O coração e os olhos Quatro olhos
  27. 27. AS PALAVRAS Os olhos não têm som. No meio das palavras escreve-se quase sempre: an, en, in, on, un. No fim, usamos: am, em, im, om, um. A FRASE E O TEXTO Cuidar da saúde encontram grandes dizem com dentro 5 – Completa as frases com as formas verbais – as acções – indicadas. O novelo no ar. O novelozinho para cá e para lá. A criança o novelo de linha. O novelozinho . 6 – Faz um concurso de quadras sobre a vida das crianças. – Ilustra-as e expõe-nas num painel. – Escolhe, por voto, as que ficam em 1.º, 2.º e 3.º lugar. 27 3 – Sublinha estes grupos nas palavras retiradas do texto. 4 – Separa as palavras por famílias. bocejo olhito boquita olhadela olheira bocado As palavras formam-se a partir de outras e agrupam-se em famílias de palavras. Vem e vai Para cá, para lá… – Psiu… Um novelozinho de linha… Para cá, para lá… Para cá, para lá… Para cá e… Oscila no ar pela mão de uma criança – O novelozinho caiu. (vem e vai…) Que delicadamente e quase a adormecer o balança. Manuel Bandeira (poeta brasileiro) olho vai oscila caiu balança boca
  28. 28. Outubro Nina e o Pintarroxo 28 Pintarroxo mesmo crescido era igual a um novelo. Um novelo com patas. O ruído das patas era música. Pum! Pum! Pum! Que patinhas malucas. Nina passava-lhe a mão pelo pêlo de seda. – Pintarroxo és lindo! Matilde Rosa Araújo LER E COMPREENDER 1 – Assinala correctamente. um pássaro. uma bola. O Pintarroxo era um gato. Ele parecia um cão. um novelo. música. áspero. O som das suas patas era O pêlo era ruído. macio. 2 – Escreve as perguntas. P.: R.: O gato chamava-se Pintarroxo. P.: R.: O pêlo era muito macio. P.: R.: Parecia um novelo com patas.
  29. 29. AS PALAVRAS ruído, pêlo Há palavras que se escrevem com acento gráfico: A FRASE E O TEXTO Cuidar da saúde agudo ( ´ ) , grave ( ` ) , circunflexo ( ^ ) 3 – Copia do texto todas as palavras que se escrevem com acento gráfico. 6 – Completa as frases. O texto está escrito em . O seu autor é . O texto tem parágrafos. O primeiro parágrafo tem frases. 7 – Completa as frases de acordo com o exemplo. A menina dá milho às galinhas. As meninas dão milho às galinhas. A galinha dá bicadas. O pintainho pia muito. 8 – Escreve um texto sobre um animal que tenhas em casa. 29 4 – Escreve outras palavras da mesma família. pata / patada 5 – Explica por outras palavras o significado de: a) pêlo de seda – b) gato crescido – Clarissa vai dar de comer às galinhas. Com a mão direita lança ao ar punhados de milho. As galinhas vêm a correr sacudindo as asas e começam a dar bicadas, disputando os grãos. No meio delas os pintainhos piam, perdidos entre bicos e patas. – Não se apressem – grita Clarissa. – Chega para todos! Clarissa, de Erico Veríssimo (escritor brasileiro)
  30. 30. Outubro As diferenças 30 Era uma vez uma rapariga tão gorda, tão gorda, tão gorda que, às vezes, lhe chovia sobre o braço direito, enquanto o esquerdo apanhava sol. A rapariga gorda nos dias de Verão ia à praia refrescar-se. Mal entrava dentro da água, subia o mar até à estrada. Maria Luísa Ducla Soares 1 – Liga os grupos de acordo com o texto. O rapaz magro • A rapariga gorda • • ia à praia refrescar-se. • passava por entre as gotas da chuva. • tomava banho nos carris. • fazia o mar subir. Era uma vez um rapaz tão magro, tão magro, que passava, sem se molhar, entre as gotas de chuva. O rapaz magro nos dias de Verão punha-se à espera que regassem a rua. Então, muito satisfeito, ia tomar banho nos carris dos eléctricos. LER E COMPREENDER
  31. 31. AS PALAVRAS molhar, banho Muitas palavras escrevem-se com os grupos nh e lh. lh nh Sou bonitão! Eu lavo-me com água e sabão para ser limpo e bonitão. A escova é minha amiga para os meus dentes escovar; a toalha é necessária para o meu corpo enxugar. 2 – Procura no poema as palavras escritas com os grupos: nh lh A FRASE E O TEXTO Cuidar da saúde Coso a roupa • •Sou a Nasço no pinheiro • •Sou a Cubro a casa • •Sou a Ardo na lareira • •Sou a Todos os dias me lavo com sabonete e sabão. Os meus cabelos penteio por isso sou bonitão. Maria Brás 3 – Completa e liga correctamente. 4 – Continua, completando de acordo com o exemplo apresentado. 31 Eu penteio os cabelos. Eu não penteio os cabelos. A primeira frase afirma uma ideia. A segunda frase nega essa ideia. A escova é minha amiga. . O sabonete não cheira bem. Os dentes devem ser lavados.
  32. 32. Outubro Os cereais 32 Às vezes lê-se nos jornais que se devem comer cereais. O Sebastião foi dos que leu e nunca mais se esqueceu. – Gosto de seis cereais o trigo, o milho, o arroz, a cevada, o centeio e a aveia. São tão bons para comer e para nos fortalecer! 1 – Responde às perguntas. Que leu o Sebastião nos jornais? Quais são os cereais de que ele gosta? Por que razão se deve comer cereais? 2 – Assinala correctamente. engordar força fortalecer energia tornar forte tristeza 3 – Dá outro título ao texto. São, são, amigo Sebastião! Dão energia para brincar… e também para trabalhar. André Joanny LER E COMPREENDER
  33. 33. AS PALAVRAS Cuidar da saúde 4 – Sublinha o grupo ge. 5 – Liga correctamente. • • • • 6 – Escreve, por ordem alfabética, os nomes dos frutos iniciados por m. 7 – Completa as frases com as palavras Hoje, Ontem, Amanhã. comi frutos maduros. comprarás morangos no mercado. descasco uma laranja. 8 – Escreve um texto sobre os teus frutos preferidos. 33 Os cereais dão energia. Junto das vogais e, i o g lê-se como j. Para se ler g escreve-se u antes de e, i. • • • • girafa fogueira gelado guitarra AVL2-3 Deixai-me agora falar do fruto que me fascina pelo sabor, pela cor pelo aroma das sílabas tangerina, tangerina. Eugénio de Andrade A tangerina Pêssegos, pêras, laranjas morangos, cerejas, figos maçãs, melão, melancia ó música dos meus sentidos pura delícia da língua. A FRASE E O TEXTO
  34. 34. Outubro Saber comer é saber viver 34 Narrador: O João que é glutão foi à festa de aniversário de um amigo. Mas depois… que confusão. Grita o dente, muito doente: – Ai que dor! Leva-me já ao doutor. Tanto bolo e chocolate acabou em disparate. Fala o estômago, pesado e muito zangado: – Também estou a passar mal. Doces, bebidas e um gelado que me deixou paralisado… quero ir ao hospital! Diz por fim o intestino daquele menino: – Toma juízo, João! Não sejas tão glutão. E depois, repara bem, o teu corpo não é nenhum armazém. Narrador: O João começa já a aprender: Saber comer é saber viver. Adélia Grande Teatrinho LER E COMPREENDER 1 – Faz a leitura dramatizada do texto. 2 – Reconta o texto em banda desenhada, numa folha grande. 3 – Debate na turma como deve ser a nossa alimentação. Regista a tua opinião e a dos teus colegas.
  35. 35. AS PALAVRAS ch A FRASE E O TEXTO Cuidar da saúde chocolate As duas consoantes têm o mesmo som e pertencem à mesma sílaba. chaminé chinelo concha cacho chave chuva Adivinha Havia uma pereira que tinha peras. Foram lá cima, e nem comeram peras, nem deixaram peras… Como pode ser isto? 6 – Separar os grupos das frases como no exemplo. A pereira tinha duas peras. O rapaz subiu à árvore. Ele comeu uma pêra. A outra pêra ficou lá. 7 – Procura outra adivinha para a dizeres aos teus amigos. Escreve-a e ilustra-a. 35 4 – Completa com as palavras dadas. 5 – Ordena as palavras da mesma família. chuvada chaveiro chuvisco chuvinha chuveiro chavinha chaveta A pereira tinha duas peras.
  36. 36. Outubro 36 Queres saber quem eu sou? Queres saber quem eu sou? Um feiticeiro capaz de transformar o mundo inteiro! Varinha de condão? Não tenho, nem preciso! O meu feitiço está nas mãos, no olhar e no sorriso. Tenho tesouros como um rei, coisas que eu faço, coisas que eu sei! Mas o segredo não é meu! Queres ver? Tu podes ser como eu… Faço crescer as roseiras, faço correr as torneiras. Ilumino a escuridão… Basta só estender a mão! Posso ser carro e guiá-lo. Ser cavaleiro e cavalo. E como eu, tu verás de quantas coisas és capaz! Primeira Aventura no Mundo das Aventuras Quotidianas feiticeiro – o que faz feitiços, mágico. varinha de condão – vara mágica para fazer encantos. LER E COMPREENDER 1 – Responde no teu caderno. Que coisas sabe o menino fazer? Que faz para iluminar a escuridão? Como consegue fazer correr a água? Por que razão ele se acha um rei? Também fazes coisas maravilhosas? Conta lá… 2 – Procura na biblioteca da escola o livro de onde foi retirado o texto e lê outros textos.
  37. 37. AS PALAVRAS Queres saber quem eu sou? Muitas palavras escrevem-se com os grupos ar, er, ir, or, ur. transformar olhar ver ser correr estender 4 – Escreve as palavras no lugar certo: rir, saltar, ler, pôr. 5 – Completa as rimas de acordo com o texto. A FRASE E O TEXTO Cuidar da saúde 3 – Sublinha os grupos ar e er nas palavras retiradas do texto. Anedota Um rapazito, filho de um empregado dos comboios, vai pela primeira vez à escola. Ao entrar na sala fica a olhar as mesas e as cadeiras. Depois pergunta: – Então aqui na primeira classe os bancos são de pau? 6 – Completa as frases com as formas verbais indicadas. O rapazito à escola pela primeira vez. Ele na sala de aula. O rapaz as mesas e as cadeiras. Aquele aluno uma pergunta engraçada. 37 preciso rei meu roseiras verás sorriso entrou fez foi viu
  38. 38. Viver em segurança Novembro 38 O céu estava cinzento O céu estava todo cinzento e quase nunca aparecia o Sol, mas enquanto não chovia os meninos iam brincar para o jardim. Uns andavam nos baloiços e nos escorregas, outros deitavam pão aos patos do lago, outros meni-nos metiam os pés por entre as folhas secas e faziam-nas estalar – crac, crac – debaixo das botas, outros corriam de braços abertos atrás dos pombos, que se levan-tavam e fugiam, também de asas abertas. Maria Isabel M. Soares LER E COMPREENDER 1 – Descreve a figura que acompanha o texto. 2 – Completa as frases de acordo com o texto. iam jardim. corriam pombos. Os meninos… deitavam lago. andavam nos e nos . metiam os secas.
  39. 39. Viver em segurança AS PALAVRAS 3 – Sublinha no texto, a cores diferentes, x e ch. A água da chuva Chuvinha caindo lá no meu quintal tem um som tão lindo são gotas de cristal. Mata a sede às flores e aos passarinhos. 5 – Escreve as palavras do texto em prosa com acento agudo ( ´ ). 6 – Escreve frases com estes grupos. 39 chuva, baixinho Em muitas palavras o mesmo som escreve-se com letras diferentes. ma ado li o amei a inesa mata a sede às flores. A chuva faz um regatinho. As rãs gostam da chuva. Os passarinhos Chuva sem parar correndo pelo chão faz um regatinho. Vem a rã a saltar dizendo baixinho: – Que água tão boa! Vou beber à toa vou até nadar… Raquel Delgado 4 – Completa com x ou ch. A FRASE E O TEXTO
  40. 40. Novembro 40 Quentes e boas! Quentes e boas!… Quem quer?!… A escaldar, a escaldar!… Pela tardinha, a chover – (uma chuva miudinha) –, o pregão sobe no ar: – Quentes e boas! Estão a escaldar, a escaldar! Na grande cesta vindima, por entre serapilheira, deixando sair, por cima, novelos de fumaceira, a bela castanha assada, é a maior tentação da garotada que, ouvindo o lindo pregão subindo, pela tardinha a chover, acorre, logo, a comprar… – Três tostões! Quem mais quer?! – Quentes e boas! Estão a escaldar, a escaldar! Augusto de Santa-Rita pregão – anúncio público feito em voz alta. serapilheira – tecido grosseiro. tostão – moeda antiga que é a décima parte do escudo. LER E COMPREENDER 1 – Completa segundo o texto. À tardinha ouve-se o no ar: – Quentes e boas!… As castanhas estão numa por entre deixando sair . As acorrem a as assadas, pela a chover. 2 – Reconta o texto em prosa.
  41. 41. AS PALAVRAS – Quentes e boas!… Quem quer?!… Nos grupos qua, que, qui e quo não se lê o u em muitas palavras. 3 – Lê as palavras e liga correctamente. A FRASE E O TEXTO Viver em segurança • • • • • • • • leque esquina quadro quota 4 – Explica por outras palavras. 5 – Escreve as frases no plural, de acordo com o exemplo. O pregão é bonito. Os pregões são bonitos. Ele gosta de castanhas? A cesta grande está cheia. Os fumos sobem no ar! 41 a escaldar a garotada 6 – Copia do texto as frases que são perguntas. 7 – Escreve um texto que comece assim: Num dia de chuva miudinha…
  42. 42. Novembro Os sinais 42 Estes sinais Sabem falar. Foram para a rua Sinalizar. O círculo É obrigação. E pode ser Proibição. O triângulo É sinal de perigo. «Toma cuidado Sou teu amigo!» E o quadrado Não quer brincar. Está sempre pronto A informar. Maria Helena Araújo Pista obrigatória para velocípedes Trânsito proibido a peões, a animais e a veículos que não sejam automóveis ou motociclos LER E COMPREENDER 1 – Explica, com palavras do texto, o que significam os sinais. Sentido proibido Este texto está escrito em e a sua autora é . 2 – Completa. Pista obrigatória para peões Passagem de nível sem guarda Passagem de peões Passagem para peões Hospital
  43. 43. Viver em segurança É um perigo brincar na rua. O r tem som fraco entre vogais – perigo. Tem som forte no início das palavras AS PALAVRAS – rua, depois de consoante – melro e quando escrevemos rr. 3 – Sublinha as palavras onde o r tem som forte. 4 – Sublinha nas frases as palavras que têm significados diferentes dos que têm na quadra. A roda rola no eixo. O papagaio sobe no ar. 5 – Copia do poema da página 42 as palavras com acento: agudo, circunflexo. Era meia-noite… Era meia-noite em ponto menos dez de um claro dia. Um velho jovem de pé, sen-tado num banco de pau de pedra, muito calado, dizia: – Mais vale caminhar do que andar a pé. 6 – Liga os elementos e escreve frases com sentido. O Rui come • •o sumo A Lili bebe • •o bolo Tradicional 7 – Corrige as frases para que tenham sentido. O sapateiro conserta o pão. O calçado é feito nas padarias. Um velho jovem calado dizia. Há frases correctas mas que não têm sentido. 8 – Escreve um texto com frases sem sentido e lê-o para os teus companheiros. 43 Palram a pega e papagaio e cacareja a galinha. Os ternos pombos arrulham geme a rola inocentinha. A FRASE E O TEXTO
  44. 44. Novembro Como atravessar a rua 44 Todo o menino sabido Que gosta de se cuidar Tem sempre muito cuidado Na rua ao atravessar. Olha para todos os lados Vê se carro não vem. Atravessa logo depressa sem fazer nenhum vaivém. Nos postes lá das esquinas Há três luzes diferentes. Uma é o vermelho que diz: – Pare! Outra é o verde: siga em frente. Mas a do meio, meninos, Amarelo cor de açafrão É a luz que pede a todos Esperem,… muita atenção. Comemorações na Escola vaivém – movimento de ir e vir. açafrão – planta que dá corante amarelo, usada em culinária. LER E COMPREENDER 1 – Lê cada quadra, com os colegas, em grupos alternados. 2 – Explica como o texto ensina a atravessar a rua. 3 – Indica, segundo o texto, os significados das luzes do semáforo. vermelho verde amarelo 4 – Relaciona o texto com a tua vivência dos problemas do trânsito.
  45. 45. Viver em segurança 45 AS PALAVRAS 5 – Sublinha as palavras que, apesar de se escreverem da mesma maneira, têm signi-ficado diferente nas frases. A árvore está no canto da praça. Aquele rapaz não fala, é mudo. Ouço o canto de um passarinho. Eu mudo os livros para a estante. A palavra só tem significado na frase. Mudo, pode ser aquele que não fala ou pode ser o verbo mudar. 6 – Indica as palavras de onde nasceram as outras. passarada, passarito, passarão arvoredo, arvorezinha, arborizar 7 – Copia do texto palavras escritas com: A FRASE E O TEXTO ss rr qu lh ça 8 – Escreve as frases de acordo com o exemplo. O menino tem cuidado ao atravessar. – O menino não tem cuidado ao atravessar. O semáforo dá sinais de luz. – Há uma passadeira na rua. – – Os carros não respeitam os sinais. 9 – Escreve um texto sobre o trânsito que encontras no teu caminho para a escola.
  46. 46. Novembro Bom dia! 46 Era uma mãe que todas as manhãs dizia ao seu menino: – Bom dia, quando ia acordá-lo com um beijo. Era um menino que pela mão da mãe seguia na rua, a caminho da escola, para o primeiro dia de aulas. – Bom dia – disse ele ao sapateiro, ao padeiro, ao homem da fruta. – Bom dia – disse a professora ao menino que entrava nessa manhã para a sua escola. Bom dia é o primeiro canto da manhã e uma maneira alegre de dizermos aos outros que todos somos amigos! Maria Cecília Correia 1 – Completa de acordo com o texto. cumprimentava o fruta. seguia a mãe. O menino… levava o escola. acordava beijo. A mãe… recebeu escola. disse: menino. A professora… LER E COMPREENDER
  47. 47. AS PALAVRAS alguém desculpa Os grupos al, el, il, ol, ul aparecem no princípio, no meio ou no fim das palavras. A FRASE E O TEXTO Viver em segurança 2 – Lê. 4 – Copia o primeiro parágrafo do texto da página anterior. 5 – Faz o ditado do último parágrafo do texto da página 46. 6 – Risca a palavra que não pertence à frase. A mãe dizia bom dia ao seu dia filho. Era o primeiro manhã dia de aulas. O menino mão seguia pela rua com a mãe. A professora recebeu entrou o menino na escola. 47 Menino educado É tão bonito encontrar um menino bem educado. Sabe sorrir, cumprimentar Dizer: – Bem haja! Obrigado! Se magoa alguém no recreio a brincar ou a correr diz sorrindo, com bons modos: – Desculpa, sim! Foi sem querer. 3 – Liga correctamente os grupos nas palavras. ol • •funil al • •relva il • •alvo el • •vulcão ul • •girassol
  48. 48. Novembro Por coisa de nada… 48 Está a capoeira Toda alvoroçada Franga poedeira de crista encarnada achou uma espiga de milho dourada. 1 3 5 Logo corre o galo a franga pintada o peru, o pato toda a bicharada. Có-có-ró-có-có Cá-cá-rá-cá-cá! Um grãozinho só venha para cá. Qui-qui-ri-qui-qui Qui-qui-ri-qui-qui Essa espiga toda venha para aqui. Tudo salta e pia Ninguém come nada. Põe-se a capoeira Toda alvoroçada. E assim se começa a guerra por coisa de nada. Tradicional alvoroçada – sobressaltada. franga poedeira – galinha nova que põe muitos ovos. LER E COMPREENDER 1 – Responde. Quem achou uma espiga de milho? Quais os animais que correm para lha tirar? Por que razão ninguém pode comer os grãos? Como se poderia resolver a questão? 2 – Dá a tua opinião sobre a resolução de problemas em grupo. Faz um texto colectivo sobre o tema. 2 4 6
  49. 49. AS PALAVRAS Viver em segurança 3 – Procura no texto as palavras que rimam. capoeira encarnada qui-qui-ri-qui nada 4 – Completa as palavras do texto com as consoantes que faltam. cr• •ninguém fr• •crista gu• •franga ch• •venha lh• •bicharada nh• •milho 5 – Liga correctamente. 49 6 – Completa com o número de sílabas como no exemplo. ga / lo 2 sílabas capoeira sílabas começa sílabas pintada sílabas assim sílabas coisa sílabas 7 – Lê o texto que se segue e risca a frase que não lhe pertence. Na capoeira Aquela galinha encontrou uma espiga. Os automóveis têm rodas. O galo, o pato e o peru queriam a espiga. A capoeira ficou toda alvoroçada. Nenhum dos animais comeu o grão da espiga. AVL2-4 E S I A F A A C A O E I A A FRASE E O TEXTO
  50. 50. Novembro O trabalho do meu pai 50 Dantes, o meu pai fazia bilhas, alguidares, tigelas e galos de Barcelos. Era oleiro. Deixava-me amassar o barro e fazer pintinhas coloridas que enfeitavam os galos. No Verão, os forasteiros acorriam de todos os lados para admirar os nos-sos trabalhos. De longe a longe, lá iam comprando uma recordação. Agora, o meu pai trabalha numa fábrica de pregos e parafusos. Nin-guém vem de fora para o admirar. Ninguém repara nos pregos e parafu-sos que o meu pai faz. Mas, os pregos e os parafusos tam-bém são precisos, não acham? LER E COMPREENDER Maria Luísa Ducla Soares forasteiros – pessoas de fora da terra. 1 – Lê o texto com atenção e completa. título parágrafos prosa verso 2 – Reconta o texto em poucas palavras. Dantes Agora 3 – Responde à pergunta final.
  51. 51. AS PALAVRAS Viver em segurança 4 – Memoriza o texto para o recitares, acompanhado com gestos. voa carro céu vento coa A FRASE E O TEXTO 8 – Liga para formares frases e escreve-as. 51 Tudo gira em toda a parte Roda que roda a roda do carro. Voa que voa uma andorinha. Nada que nada o peixe na água. Foge que foge a nuvem no céu. Brincam que brincam cabelos ao vento. Sempre tudo em movimento. Fernando Miguel Bernardes 5 – Sublinha no texto as palavras com mais de duas sílabas. 6 – Muda uma letra para formar novas palavras. 7 – Copia do texto O trabalho do meu pai as palavras com acento agudo ( ´ ). O oleiro • •com a madeira. O carpinteiro • • trabalha • • com os metais. O metalúrgico • •com os alimentos. O cozinheiro • •com o barro. 9 – Descreve: Agora (o teu trabalho como criança) Depois (o trabalho que gostarias de ter)
  52. 52. Novembro O trigo 52 Lavrador que a terra lavras o que vais depois fazer? – Vou aqui semear trigo no Verão se há-de colher. Ceifeiro que o trigo ceifas tu depois que vais fazer? – Enfeixá-lo, debulhá-lho alguém o há-de moer. Moleiro que o trigo móis qual a sua serventia? – Vou fazer dele farinha já a esperam na padaria… Padeiro enfarinhado do trigo vais fazer pão! Ao povo que assim trabalha agradeço o meu quinhão! Um conjunto de quatro versos é uma quadra. Este texto tem quatro quadras. enfeixar – fazer feixes com a palha. debulhar – malhar o cereal para tirar o grão. quinhão – parte da herança que toca a cada pessoa. LER E COMPREENDER 1 – Responde às questões. Quem lavra a terra e semeia o trigo? Quem faz o pão? Que faz o ceifeiro? Onde se mói o grão? O que agradece o autor? 2 – Escreve estes versos em forma de quadra: Ó que lindos olhos tem, a filha da moleirinha. Tão mal empregada ela, andar ao pó da farinha. Miguel Bernardes
  53. 53. Viver em segurança 3 – Copia a última quadra do texto. Sublinha as palavras com ão. pão – pães quinhão – quinhões mão – mãos Os nomes terminados em ão fazem o plural de formas diferentes. 4 – Completa. cão – cães portão – irmão – capitão – balão – cristão – capelão – limão – mão – 5 – Liga correctamente. lavrador • •ceifeira pintor • •costureira ceifeiro • •lavradeira costureiro • •médica moleiro • •moleira médico • •pintora A FRASE E O TEXTO 6 – Escreve nos lugares certos: agora, antes, depois. O lavrador semeou o trigo. Ele colhe o cereal. o grão irá para o moinho. 7 – Completa segundo o modelo. 53 Eu gosto muito de pão. Nós . Tu Eles . AS PALAVRAS ão-ães ão-ões ão-ãos
  54. 54. Novembro O vendedor ambulante 54 O senhor Fortes era um homem forte. Era tão forte que com uma só mão agarrava numa mala castanha, bem grande, bem pesada. Uma mala bem forte. O senhor Fortes vendia coisas finas, delicadas. À beira do passeio e dentro da mala forte havia chávenas, pratos, canecas, copos, cinzeiros, bonecos de barro, fras-cos com perfume, cordões, espelhos, lenços e mais coisas finas, muitas coisas finas, delicadas. O senhor Fortes vivia numa grande cidade, com muitas casas, muitas ruas, muitas fábricas, muitos automóveis, muita gritaria, muito ruído, muito fumo, muito fumo. LER E COMPREENDER António Mota delicado – frágil, feito com esmero. 1 – Completa segundo o texto. agarrava . era . O senhor Fortes… vivia . trazia na mala . vendia .
  55. 55. AS PALAVRAS ei ão ui ai ou Os grupos de duas vogais que pertencem à mesma sílaba são ditongos: A FRASE E O TEXTO Viver em segurança 2 – Copia do texto palavras com estes grupos: ai , ui , ei , ou , ão , õe era muito forte. O Senhor Fortes vendia coisas delicadas. morava na cidade. 5 – Escreve frases com estes grupos: 6 – Escreve outras frases, como no exemplo. Eu vi a mala do vendedor. Eu vi a mala do vendedor no passeio. Eu vi a mala do vendedor no passeio, cheia de coisas. O senhor Fortes vendia coisas. 7 – Reconta o texto em poucas palavras. 55 A feira Fui à feira de Baião comprar uma cantarinha uma saia, um casacão um tambor, uma bolsinha. Comprei também uma bola que salta que é um regalo. Eu vou levá-la para a escola, e jogar no intervalo. António Mota 3 – Sublinha no texto as palavras com os grupos mp e mb. 4 – Completa com os acentos as palavras do texto em prosa. chavena so cordoes fabricas automoveis
  56. 56. Novembro A casa de modas da floresta 56 A formiga ladina era uma grande costureira de alta costura muito conhecida na floresta. A sua casa era uma grande fábrica com muitos trabalhadores. Com ela colaboravam a aranha tecedeira, a joaninha bordadeira, a formiga tintureira e o besouro cortador. E tudo estava tão lindo… Tão arranjado… Parecia o palácio das fadas boas… A aranha tecia, o formigão tingia, o besouro cortava, a joaninha bordava e a formiga cosia. Que lindo trabalho aquele!… Era uma roda viva. Saíam coisas maravilhosas da fábrica da formiga ladina: vestidos compridos e curtos, camisolas, calças, eu sei lá… um mundo de vestidos e rendas. LER E COMPREENDER Luzia Monteiro 1 – Descobre as perguntas. P.: . R.: Era uma grande costureira. P.: . R.: Trabalhavam a aranha, a joaninha, a formiga tintureira e o besouro. P.: . R.: Faziam vestidos, camisolas, calças, bordados e rendas. 2 – Descreve a figura do texto.
  57. 57. Viver em segurança floresta Os grupos de duas consoantes: fl, cl, pl, gl, tl,… pertencem à mesma sílaba. AS PALAVRAS 3 – Liga cada palavra e cada grupo à imagem certa. 5 – Faz o ditado do último parágrafo do texto. 57 blusa • • • • flauta • • • • atleta • • • • clarim • • • • 4 – Escreve de acordo com a figura: formiga, formiguinha, formigão. 6 – Completa segundo o modelo. Os animais fazem lindas roupas. Tu Eu e tu Vós 7 – Escreve um texto sobre as tuas roupas preferidas. bl fl tl cl A FRASE E O TEXTO
  58. 58. Conhecer Instituições e Serviços Dezembro O pinheiro de Natal 58 oliveira, uma palmeira e um pinheiro. Todas quiseram dar também alguma coisa ao menino. A oliveira deu as azei-tonas para com o seu óleo amaciar os pezinhos. – Eu vou dar a minha palma mais bela para abanar docemente o bebé – disse a palmeira. – E eu, que poderei dar? – perguntou o pinheiro. – Você não tem nada para dar! As suas folhas aguçadas poderiam picar o Menino Jesus. O pobre pinheirinho sentiu-se muito infeliz. Um anjo que estava ali perto ouviu a conversa e teve pena do pinheiro, tão humilde e tão triste. Lá no céu começaram a brilhar as estrelinhas. O lindo anjinho olhou para o alto e chamou-as. No mesmo instante elas desceram e foram colocar-se sobre o ramo do pinheirinho que ficou todo iluminado! Lá do bercinho os olhos do menino brilharam ao ver aquela árvore tão linda! É por isso que as pessoas enfeitam de luzes o pinheiro na véspera de Natal. Corina Peixoto (escritora brasileira) LER E COMPREENDER Quando o Menino Jesus nasceu todas as pes-soas ficaram alegres. Crian-ças, homens e mulheres vinham vê-lo, trazendo presentes pobres ou ricos. Perto do estábulo onde o menino dor-mia no berço de palha havia três árvores – uma 1 – Reconta a história em banda desenhada numa folha grande. 2 – Escreve os nomes das personagens do texto.
  59. 59. Conhecer Instituições e Serviços AS PALAVRAS 3 – Sublinha no texto as palavras com o grupo nh. 4 – Faz os desenhos de acordo com as palavras. 6 – Completa as frases com os nomes do texto. A era pobre. Os eram pobres. A era muita. O era o grande presente. 7 – Escreve uma frase com estas palavras – casa, alegria, Natal. 8 – Escreve um texto sobre as tradições do Natal na tua família. 59 O presente era Amor Era bem pobre a casinha. Pobres os presentinhos… Como então tanta alegria? Tanto sorriso e calor em volta do pinheirinho? Naquela pobre casinha. O grande presente era AMOR… Sempre acontece Natal onde se vive o Amor! Edições Paulistas pinheiro pinheirinho presente presentinho 5 – Escreve nos lugares certos: casa, casinha, casarão. A FRASE E O TEXTO
  60. 60. Dezembro Uma boa acção 60 Há quantos dias e noites Esperamos nós o Natal! É a festa de Jesus Uma festa sem igual. Porque o Menino Jesus Que faz anos nesse dia Troca o lindo céu azul Pela nossa companhia. E é Ele, o festejado Que em lugar de receber Vai de menino em menino Seus pedidos atender. Jesus, eu quero também Dar-te uma recordação. Que há-de ser?… Ah, já sei! Por dia uma boa acção. LER E COMPREENDER Patrícia Joyce 1 – Completa. O texto está escrito em . Tem quadras. A autora chama-se . 2 – Responde às questões. Quem faz anos no Natal? O Menino costuma dar-te presentes? Que presente Lhe podemos dar nós?
  61. 61. AS PALAVRAS A FRASE E O TEXTO Conhecer Instituições e Serviços Quando vier o Natal Hei-de oferecer-te um presente Sei que tu vais gostar E eu também fico . O menino espera o Natal. Os meninos esperam o Natal. A criança recebe um presente. Os presentes são bonitos! 7 – Completa segundo o exemplo. 8 – Escreve um texto em verso, por exemplo uma quadra, sobre o Natal. Lê-o aos teus companheiros e faz um painel. 61 Provérbios Ande o frio por onde andar há-de vir pelo Natal. Mal vai Portugal se não há três cheias antes do Natal. Dos Santos ao Natal vai um salto de pardal. 3 – Copia os nomes que se iniciam com letra maiúscula. 4 – Sublinha as palavras que se escrevem com os grupos fr, tr, ch, ei, ai. 5 – Escreve as palavras do texto que terminam em al. 6 – Descobre palavras que rimem nas quadras. Muitos doces, alegria e risos da pequenada. Está a família reunida na noite da .
  62. 62. Dezembro 62 A carta Q@uæe¢r@i@d@o£ß A‰v£ó£ß E@u@ ¢j@á@ æe¤s@t@o£u@ n@o£ 2.° a‰n@o£ d@a@ æe¤s@c@o£l@a@ æe@ c@o£m@o£ vÆêæe¤m@ ¢j@á@ ¤sæe@i@ æe‰s@c‰ræe‰vÆe‰r@. E¢s@t@a@ c@a¤r@t@a@ æé@ ¢p@a¤r@a@ o£s c©on‰v£i@d@a¤r@ æe¤s@tæe@ a‰n@o£ a@ flp@a¤s¤s@a¤r@ o£ N@a@t@a¤l@ c@on‰n@o£s@c@o£, a@q@u@i@ n@a@ c@i@d@a@dæe@. N@ó£s c@o£s@t@u‰m@a‰m@o£s @i¤r@ a@í@ à@ @tæe¤r¤r@a@, æe@ g@o£s@t@a‰m@o£s m@u@i@t@o£ dæe@ æe¤s@t@a‰r@ æe‰m@ v£o£s¤s@a@ c@a¤s@a@, m@a¤s æe¤s@tæe@ a‰n@o£ v£a@i@ ¤sæe¤r@ d@i¤fÆe‰ræe‰n@tæe@. O flp@a@i@ v£a@i@ flb£u¤s@c@á@-fll@o£s @u‰n¤s d@i@a¤s a‰n@tæe¤s. A¤s¤s@i‰m@ a@ A¤v£ó£ R@i@t@a@ ¢j@á@ flp@o£dæe@ a¤j@u@d@a‰r@ a@ Mãæe@ a@ flf£a¤zæe¤r@ o£s d@o£cæe¤s d@a@ C@on¤s@o£a@d@a@. V@a‰m@os flp@a¤s¤s@a¢r@ @u‰m@ Na@t@a¤l@ c¤hæe@i@o£ dæe@ a¤læe@g‰r@i@a@. U‰m@ flbÆe@i‰j@i‰n¤h@o£ d@o£ næe@t@o£ LER E COMPREENDER L@u@í¤ß 1 – Responde às questões. Em que ano está o Luís, na escola? Para que escreveu a carta aos avós? Quem vai buscar os avós antes do Natal? Que vai a avó ajudar a fazer?
  63. 63. AS PALAVRAS A FRASE E O TEXTO Conhecer Instituições e Serviços 2 – Separa as sílabas das palavras como no exemplo. O Rui escreveu uma carta. Quem escreveu? O quê? A Avó prepara os doces. Quem prepara? O quê? 6 – Responde segundo o texto. 7 – Escreve uma carta a um familiar ou amigo sobre um assunto a teu gosto e envia-a pelo correio. 63 car / ta escola escrever Natal cidade 3 – Copia do texto palavras com os acentos indicados. ( ` ) grave ( ´ ) agudo ( ^ ) circunflexo ( ~ ) til 4 – Forma outras palavras novas com as letras das palavras. NATAL CONSOADA lata sono 5 – Completar as palavras do texto com as vogais que faltam. C D D N A L T E R R R T A C S A
  64. 64. Dezembro A visita de estudo (Texto colectivo) 64 Ontem fomos visitar a sede da Junta da nossa freguesia. Conhecemos quais os serviços que lá funcionam. O edifício da Junta de Freguesia fica no centro da vila e é muito antigo. Tirámos uma fotografia. Entrevistámos as pessoas que se dirigiam à Junta para obter atestados de residência, cartões de eleitor e outros documentos. Trouxemos alguns impressos para aprendermos na escola a preenchê-los. LER E COMPREENDER Trabalho de grupo: João, Susana, Marco e Teresa Maria 1 – Completa. Na visita de estudo os meninos foram da sua terra. O da Junta de Freguesia é e fica da vila. As crianças fizeram entrevistas às que iam tratar de . 2 – Descreve a última visita de estudo em que participaste.
  65. 65. AS PALAVRAS A FRASE E O TEXTO Conhecer Instituições e Serviços graça aldeia céu nariz comer fizemos uma visita de estudo. escrevemos um texto sobre a visita. colocaremos os nossos textos no painel da turma. 7 – Completa segundo o texto. Os meninos visitaram a Junta de Freguesia. Quem visitou? O quê? 8 – Escreve um texto sobre a tua terra, procurando documentação na Autarquia. 65 A terra onde eu nasci de pequenina tem graça. Tem um chafariz no meio dá de beber a quem passa. O lugar de Vila Nova Não é vila nem aldeia É uma linda cidade onde o meu amor passeia. 3 – Sublinha nas quadras os grupos: rr, ss, ci e ça. 4 – Escreve as palavras do texto que podem rimar com estas. 5 – Liga as palvras que se relacionam. pequena• •baixa nova• •triste linda• •grande alegre• •fria alta• •feia quente• •velha 6 – Completa as frases com Ontem, Amanhã, Hoje. AVL2-5
  66. 66. Dezembro A borracha foi ao médico 66 Era uma vez uma borracha que quase deixou, por assim dizer, de apagar. Ela que dantes apagava tão bem! Risco de lápis, risco de tinta, nada lhe escapava. E agora aquele cansaço, sem saber porquê. De que seria? A borracha foi ao médico. […] – Mas a senhora apagou imenso, ao que sei – disse-lhe o médico. – Uma vida inteira a apagar esgota qualquer um. – Não aprendi a fazer outra coisa… – respondeu-lhe muito queixosa a borracha. – Pois agora descanse que está com um esgotamento. Precisa de férias – recomendou-lhe o médico. – A senhora está num risco muito grande. […] – Resguarde-se. É um aviso. Senão, apaga-se de vez. Que horror! Para que tal não aconteça a borracha repousa agora na minha secretária, a ver os riscos que eu vou traçando no papel. E, para não perder o treino, lá lhe consinto que apague um pontinho aqui, um pontinho ali, por des-fastio. Vão ver que qualquer dia já está boa outra vez. LER E COMPREENDER António Torrado 1 – Numera pela ordem dos acontecimentos. A borracha foi ao médico. Ela repousa na secretária do autor. A borracha não apagava bem. O médico recomendou-lhe descanso. 2 – Reconta a história em poucas palavras.
  67. 67. AS PALAVRAS A FRASE E O TEXTO Conhecer Instituições e Serviços 3 – Completa. ponto pontinho papel risquinho borrachinha 7 – Copia do texto A borracha foi ao médico frases que terminam ? . ! com os sinais de pontuação indicados. 8 – Escreve um texto para continuar a história da borracha, contando o que lhe aconteceu depois. 67 4 – Escreve palavras do texto com as sílabas indicadas. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 coi pre ci a vi xo so quei sa 1 , 9 2 , 3 , 7 4 , 5 , 7 8 , 6 , 9 5 – Separa as palavras por famílias. médico remédio remediar medicar medicina remedeio medicinal 6 – Diz os trava-línguas muito depressa, sem trocar as letras. Que bela tarde a tarde de ontem à tarde. Tarde virá uma tarde como a tarde de ontem à tarde. Os Bombeiros Voluntários de Braga botaram umas boas biqueiras nas botas novas.
  68. 68. Descobrir o ambiente Janeiro 68 Chegou o Inverno O Vento Norte acordou, olhou para o calendário pendurado numa estrela e ordenou à Brisa, sua mulher: – Prepara-me um bom farnel. Chega hoje o meu amigo Inverno e tenho que o ajudar. O Outono dei-xou tudo muito atrasado. – Ainda ontem – disse a Brisa – vi muitas folhas verdes. – Vou arrancá-las todas – disse o Vento Norte. Eu e o Inverno vamos pôr tudo cor de frio, da chuva e do nevoeiro. – Ai que mau que és! – suspirou a Brisa – Ai de mim com tal marido! Sem querer ouvir mais o Vento Norte pegou na cesta do farnel, na saca das rajadas e gritou: – Ú-ú-ú, chegou o Inverno! Ú-ú-ú… Patrícia Joyce Provérbio O sol em Janeiro nasce tarde, põe-se cedo e anda sempre atrás do outeiro. farnel – comida que se leva para uma viagem ou trabalho. rajada – ventania forte. LER E COMPREENDER 1 – Faz a leitura dramatizada do texto. 2 – Escreve o nome das personagens do diálogo. : – Prepara-me um bom farnel. : – Ainda ontem vi muitas folhas verdes. 3 – Completa as falas. Vento Norte: – Vou arrancá-las Brisa: – Ai que mau
  69. 69. Descobrir o ambiente AS PALAVRAS 4 – Copia palavras do primeiro parágrafo com: 5 – Sublinha no poema as palavras com os grupos dr , fr , rr. O Inverno As águas gelaram nas fontes, no rio de pedra ficaram que frio, que frio! 7 – Copia o 2.º parágrafo do texto em prosa. 8 – Completa. As águas corriam corriam contentes nos beirais pararam formaram pingentes. Alice Gomes O texto é um entre o Vento Norte e a . O texto tem parágrafos. O seu título é . O autor chama-se . 9 – Dramatiza o texto – Narrador, Vento Norte, Brisa. Podes elaborar um cartaz para cada personagem e fazer um teatrinho. 69 uma sílaba duas sílabas três sílabas mais de três sílabas 6 – Completa com as palavras que signifiquem o contrário, como no exemplo. áspero frio contentes doce cheio macio A FRASE E O TEXTO
  70. 70. Janeiro Alecrim – canção popular 70 Alecrim, alecrim dourado que nasce no monte sem ser semeado. Ó ai meu bem quem te disse a ti que a flor do monte era o alecrim? Alecrim, alecrim aos molhos por causa de ti choram os meus olhos… Alecrim, alecrim em flor por causa de ti chora o meu amor… Tradicional LER E COMPREENDER 1 – Canta a canção em coro com a música apropriada. 2 – Completa. O é uma planta que nasce no sem ser . Por causa do choram os meus olhos e chora o meu . 3 – Recolhe uma canção popular junto das pessoas mais velhas. Canta-a com os teus companheiros.
  71. 71. AS PALAVRAS monte A FRASE E O TEXTO Descobrir o ambiente 4 – Escreve palavras da mesma família. ch lh Os meninos cantam uma canção. Quem canta? O que cantam os meninos? flor 8 – Responde de acordo com o texto. 71 5 – Completa as rimas do texto. dourado olhos flor 6 – Escreve palavras do texto com os grupos. 7 – Completa a quadra popular com as seguintes rimas: metais, mais. Alecrim é rei das ervas. O ouro rei dos . O leão é rei das selvas. O homem de tudo .
  72. 72. Janeiro Cantilena das notas de música 72 Dó o Tó. Dó ré é o mano do Zé. Dó ré mi ri-se para ti. Dó ré mi fá chama o papá. Dó ré mi fá sol tem um caracol. Dó ré mi fá sol lá diz olé, olá! Dó ré mi fá sol lá si bate palmas e ri. Dó ré mi fá sol lá si dó e depois faz ó-ó. LER E COMPREENDER Popular 1 – Completa segundo o texto. chama tem . é irmão . O menino Tó… bate e depois . diz . ri-se .

×