Literatura brasileira no século XXI

483 visualizações

Publicada em

Slides explicativos sobre a literatura moderna: a poesia concreta e visual;

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
483
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Literatura brasileira no século XXI

  1. 1. Literatura brasileira no século XXI: a poesia visual Jaqueline Salles MARECHAL CÂNDIDO RONDON, 2014
  2. 2. A Literatura Brasileira sofreu uma série de mudanças ao longo dos anos. Desde as primeiras manifestações contra o modelo de literatura “cópia”de Portugal até a independência dos dias de hoje. “A literatura, como as demais atividades do espírito, impõe-se, de tempos em tempos, um balanço. A retrospectiva varia segundo o critério: ora se opera um crivo geracional, ora se opta pelo recorte das décadas, ora prefere-se a divisão mais tradicional em correntes ou estilos literários.” HOLLANDA, Bernardo.
  3. 3. Dentre de muitas outras novidades trazidas pela literatura em meados do século XXI, a Poesia concreta é uma delas.  A Poesia concreta já seria uma “ramificação” da ideia de poesia visual da época.
  4. 4.  A poesia concreta surgiu com o Concretismo, fase literária voltada para a valorização e incorporação dos aspectos geométricos à arte (música, poesia, artes pláticas). Em 1952, a poesia concreta tem seu marco inicial através da publicação da revista “Noigrandes”, fundada por três poetas: Décio Pignatari, Haroldo de Campos e Augusto de Campos. Contudo, é em 1956, com a Exposição Nacional de Arte Concreta em São Paulo, que a poesia concreta se consolida como uma nova e inusitada vertente da literatura brasileira. O poema do Concretismo tem como característica primordial o uso das disponibilidades gráficas que as palavras possuem sem preocupações com a estética tradicional de começo, meio e fim e, por este motivo, é chamado de poema-objeto.
  5. 5. Por exemplo:
  6. 6. Sabendo disso… Podemos dizer que a ousadia do experimentalismo poético não estacionou no Concretismo. As experiências prosseguiram e continuam até os nossos dias com resultados surpreendentes. A partir da década de 70, no Brasil, os poetas visuais surgem timidamente, promovendo as suas primeiras exposições e publicações alternativas. Com o passar do tempo, inúmeros adeptos se integram ao movimento do poema visual e cada um manifesta a sua arte utilizando-se dos recursos mais variados: xerografia, computador, holografia, vídeo, cartazes impressos, laser, cartões postais, selos, etc. A temática explorada, em sentido universal, é o homem e seu estar-no-mundo. Em caráter particular, o Brasil, exploram-se a incompetência da política nacional, a miséria, a dívida externa, a ilusão da loteria, o dilema humano da energia atômica, o conflito psicológico do ser e os temas eróticos. O poema visual caracteriza-se por valorizar a imagem como entidade universal. A palavra, no caso, é um apêndice muito bem explorado e colocado, compondo um todo harmônico capaz de permitir ao "vleitor" - aquele que lê e vê ou só vê - uma infinidade de leituras, de acordo com o nível do seu conhecimento, experiência, cultura e escolaridade.
  7. 7.  Na prática da poesia visual há que se levar em consideração o relacionamento interdisciplinar com as outras formas de articulação da palavra e da imagem. Melo e Castro refere uma “rede intersemiótica [entre a produção verbal e não-verbal], como se de uma intrincada rede de traduções e equivalências se tratasse.”
  8. 8. Um esquema sintetiza esta ideia: ORALIDADE Valores: sonoros , temporarais e rítmicos Música VISUALIDADE Valores: Visuais, espaciais Artes Plásticas
  9. 9.  A poesia visual “diz” muito por meio das imagens, mostrando que é possível “sentir” o que vemos, e como não podia deixar se ser, como tudo na literatura, fará muito mais sentido se se encaixar em algo que vivênciamos, que signifique algo para nós…
  10. 10. Exemplos:
  11. 11.  A poesia visual está na arte de transformar as imagens em palavras
  12. 12. Qual a diferença entre poesia visual e poesia concreta? A diferença é grande. Talvez o caráter imagético da poesia concreta seja o mote dessa confusão. A poesia visual é a mensagem passada pela imagem, quase sempre sem o recurso da palavra.
  13. 13. ATENÇÃO!  A Poesia Concreta é também chamada de “Poesia Visual”, segundo Philadelpho Menezes (1998) chega a ser discordante, delimitar onde começa e termina uma e outra, mas é importante ressaltar que a Poesia Concreta é uma das ramificações da Poesia Visual, e nasceu num dado período histórico, como visto anteriormente na década de 50 e possui características bem definidas.  Já o termo “Poesia Visual” se refere a toda espécie de poesia ou texto que utilize elementos gráficos para se somar às palavras, em qualquer época da história em qualquer lugar. Ou seja, a grosso modo, pode se dizer que toda Poesia Concreta é poesia visual mas nem toda poesia visual é uma Poesia Concreta.
  14. 14.  Tanto em uma quanto em outra, a imagem prevalece. O objetivo é transmitir uma mensagem por meio de uma imagem, seja ela constituída de palavras ou não.
  15. 15. REFERÊNCIAS A POESIA CONCRETA. Mundo da Educação; Disponível em: <http://www.mundoeducacao.com/literatura/poesia-concreta.htm> Acesso em: 18 nov. 2014 POESIA CONCRETA. Carpe Diem Blog; Disponível em: <http://meucarpediem.blogspot.com.br/2014/10/poesia-concreta.html> Acesso em: 18 nov. 2014 PONTES, Hugo. O Poema Visual. Poema visual. Disponível em:  <http://www.poemavisual.com.br/html/info.php>  Acesso em: 19 nov. 2014
  16. 16.  POESIA VISUAL. Tcc – blogspot; Disponível em: http://tcc-poesiavisual. blogspot.com.br/2011/09/poesia-visual.html>  Acesso em: 19 nov. 2014  MIRANDA, Antonio. Poesia Virtual de Paulo Leminski. Disponível em: <http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_visual/paulo_leminski.html>  Acesso em 18 nov. 2014  BACELAR, Jorge. Poesia Visual. BOCC- UBI. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/bacelar-jorge-poesia-visual.pdf> Acesso em: 19 nov. 2014 MIRANDA, Antonio. Poesia Visual Brasileira. Ensaios. Disponível em: <http://www.antoniomiranda.com.br/ensaios/poesia_visual_brasileira.html> Acesso em: 19 nov. 2014
  17. 17. OBRIGADA !

×