CENTRAL DE MISTURASCENTRAL DE MISTURAS
INTRAVENOSASINTRAVENOSAS
O QUE FAZ?O QUE FAZ?
PREPARO DA DOSE UNITPREPARO DA DOSE UNITÁÁRIA DERIA DE
INJETINJETÁÁVEISVEIS
QUIMIOTERAPIAQUIMIOTERAPI...
QUIMIOTERAPIAQUIMIOTERAPIA
•NOVA ÁREA DE ATUAÇÃO;
•REQUER PROFUNDO CONHECIMENTO DE FARMACOLOGIA DE
ANTINEOPLÁSICOS;
•REQUER CONHECIMENTO SOBRE TÉCNIC...
QUIMIOTERÁPICOS VESICANTES
• Dacarbazina Mecloretamina
• Dactinomicina Mitomicina
• Daunorrubicina Peptichemio
• Doxorrubi...
Fonte: Aula de QT – Dr Flávio Alcântara e Dra Alexsandra Pinheiro
Peculiaridades das Drogas
•Etoposido:↑concentração ↓ estabilidade;
•Metotrexate: ↑ concentração ↓ estabilidade;
•Ciclofosf...
Peculiaridades das Drogas
•L-asparaginase: manipulação lenta;
•Carmustina: reconstituição hidro-alcoólica;
•Antibióticos a...
Fonte: Aula de QT – Dr Flávio Alcântara e Dra Alexsandra Pinheiro
NUTRINUTRIÇÇÃO PARENTERAL EÃO PARENTERAL E
OUTRAS MISTURASOUTRAS MISTURAS
INTRAVENOSASINTRAVENOSAS
• “Solução ou emulsão, composta
basicamente de carboidratos,
aminoácidos, lipídios, vitaminas, estéril e
apirogênica, acon...
ACOMPANHAMENTO
CLÍNICO
Fonte: www.drien.com.br
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Central de misturas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Central de misturas

346 visualizações

Publicada em

Implantação de Central de Injetáveis Hospitalar.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
346
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Central de misturas

  1. 1. CENTRAL DE MISTURASCENTRAL DE MISTURAS INTRAVENOSASINTRAVENOSAS
  2. 2. O QUE FAZ?O QUE FAZ? PREPARO DA DOSE UNITPREPARO DA DOSE UNITÁÁRIA DERIA DE INJETINJETÁÁVEISVEIS QUIMIOTERAPIAQUIMIOTERAPIA NUTRINUTRIÇÇÃO PARENTERALÃO PARENTERAL OUTRAS MISTURAS INTRAVENOSASOUTRAS MISTURAS INTRAVENOSAS
  3. 3. QUIMIOTERAPIAQUIMIOTERAPIA
  4. 4. •NOVA ÁREA DE ATUAÇÃO; •REQUER PROFUNDO CONHECIMENTO DE FARMACOLOGIA DE ANTINEOPLÁSICOS; •REQUER CONHECIMENTO SOBRE TÉCNICA DE MANIPULAÇÃO DE PRODUTOS ESTÉREIS; •REQUER CONHECIMENTO SOBRE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS; •REQUER CONHECIMENTO SOBRE AS DROGAS ANTINEOPLÁSICAS – CARACTERÍSTICAS E PECULIARIDADES; •REQUER CONHECIMENTO DE DOSES DIÁRIAS MÁXIMAS E DOSES CUMULATIVAS MÁXIMAS; •INTERAÇÃO DIRETA COM PRESCRITOR, ENFERMEIROS, AUXILIARES E PACIENTES; •REALIZA TREINAMENTOS PARA PRESCRITORES; •REALIZA ANÁLISE DE PRESCRIÇÕES, IDENTIFICAÇÃO DE ERROS E INTERVENÇÕES; MANIPULAMANIPULAMANIPULAMANIPULAÇÇÇÇÃO DE ANTINEOPLÃO DE ANTINEOPLÃO DE ANTINEOPLÃO DE ANTINEOPLÁÁÁÁSICOSSICOSSICOSSICOS
  5. 5. QUIMIOTERÁPICOS VESICANTES • Dacarbazina Mecloretamina • Dactinomicina Mitomicina • Daunorrubicina Peptichemio • Doxorrubicina Vimblastina • Epirrubicina Vincristina QUIMIOTERÁPICOS IRRITANTES Carmustina Etoposide Teniposide Peculiaridades das Drogas Fonte: Aula de QT – Dr Flávio Alcântara e Dra Alexsandra Pinheiro
  6. 6. Fonte: Aula de QT – Dr Flávio Alcântara e Dra Alexsandra Pinheiro
  7. 7. Peculiaridades das Drogas •Etoposido:↑concentração ↓ estabilidade; •Metotrexate: ↑ concentração ↓ estabilidade; •Ciclofosfamida: difícil reconstituição; •Citarabina: não usar diluente próprio; •Cisplatina:estabilidade dependente de íons Cl, incompatível com SG 5%; Fonte: Aula de QT – Dr Flávio Alcântara e Dra Alexsandra Pinheiro
  8. 8. Peculiaridades das Drogas •L-asparaginase: manipulação lenta; •Carmustina: reconstituição hidro-alcoólica; •Antibióticos antitumorais: cardiotoxicidade; •Reações anafiláticas ( L-Asparaginase 20- 35% pac., Bleomicina 1-6% pac.); Fonte: Aula de QT – Dr Flávio Alcântara e Dra Alexsandra Pinheiro
  9. 9. Fonte: Aula de QT – Dr Flávio Alcântara e Dra Alexsandra Pinheiro
  10. 10. NUTRINUTRIÇÇÃO PARENTERAL EÃO PARENTERAL E OUTRAS MISTURASOUTRAS MISTURAS INTRAVENOSASINTRAVENOSAS
  11. 11. • “Solução ou emulsão, composta basicamente de carboidratos, aminoácidos, lipídios, vitaminas, estéril e apirogênica, acondicionada em recipiente de vidro ou plástico, destinada à administração intravenosa em pacientes desnutridos ou não, em regime hospitalar, ambulatorial ou domiciliar, visando a síntese ou manutenção dos tecidos, orgãos ou sistemas” Portaria Nº 272,1998 NUTRINUTRINUTRINUTRIÇÇÇÇÃO PARENTERALÃO PARENTERALÃO PARENTERALÃO PARENTERAL Fonte: Aula de NPT – Dr Paulo Pacelli
  12. 12. ACOMPANHAMENTO CLÍNICO Fonte: www.drien.com.br

×