COMO ALIMENTAR O
CÉREBRO

Ana Martins Silva
Neurologista
Hospital de Santo António

7 de Dezembro 2013
COMO ALIMENTAR/ TREINAR O
SEU CÉREBRO
- Compreender como o cérebro funciona e
o impacto para atividades diárias e profissi...
COMO ALIMENTAR/ TREINAR O
SEU CÉREBRO
1. Compreender como o cérebro funciona e o
impacto para atividades diárias e profissionais

• Função: processar as informa...
O Sistema nervoso – função integradora
1. Compreender como o cérebro funciona e o impacto
para atividades diárias e profissionais
Cognição
ou
funções
neurológica...
Esclerose Múltipla (EM)
Doença que atinge
predominantemente a
substância branca
do cérebro

As vias neuronais formam uma
a...
EM
Sintomas comuns
-Sintomas motores (hemiparésia,

paraparésia);
-Sintomas sensitivos;
-Diminuição da visão;
-Diplopia;
-...
*Demência de Alzheimer
Doença que atinge a substância cinzenta

*DEMÊNCIA: termo utilizado para descrever os sintomas de u...
ESCLEROSE MULTIPLA
A

demência é rara
(ocorre em <20% dos
doentes);

Uma parte dos doentes têm

défices em 1 ou 2 domíni...
Disfunção cognitiva na Esclerose
Múltipla
Podem ser atingidas na
evolução da doença

Funções cognitivas
preservadas

• Ate...
Disfunção cognitiva
• Importância na qualidade de vida da doença;
• Impacto nas atividades profissionais e sociais;
• Alte...
Relação
entre
disfunção
cognitiva
características demográficas e clínicas

e

A disfunção cognitiva na EM:
 Pode ocorrer ...
 As características métricas de patologia explicam apenas 30 a 50% da
heterogeneidade da disfunção cognitiva na EM (seja ...
Disfunção cognitiva na EM
Fatores de risco

Fatores
“protetores”/modificadores

- Idade;
- Incapacidade

física (EDSS);
-
...
Reserva cerebral na EM

Neurology 2013;80:1728–1733

Neurology 2013;80:2186–2193
Factores protectores – reserva cerebral
“A reserva cognitiva pode ser entendida como o conjunto de circuitos

alternativos...
Factores protectores – reserva cerebral
Fatores estruturais:
Genes (ex. APOEɛ 4);
Número de
neurónios;
Perímetro cefáli...
Indicadores que quantificam /traduzem
reserva cognitiva
Perímetro craniano;
Nível de inteligência;
Marcadores imagiológ...
Reserva cerebral na EM

Sumowski, 2013
Identificação precoce e intervenção
Anamnese (questionar):
 Dificuldades em recordar as atividades realizadas e

planeada...
Identificação precoce e intervenção
Questionários:
 Queixas subjetivas de dificuldades de memória, atenção,

……………
 Fadi...
Identificação precoce e intervenção
Testes de rastreio cognitivo – ex.: SDMT
Intervenção
Preservar/manter a RESERVA
Hábitos de vida saudável
1. Alimentação;
2. Manter atividades mentais e lúdicas;
3....
Intervenção
1. Alimentação
DIETA MEDITERRANICA COMO PATRIMÓNIO DA
HUMANIDADE
Intervenção
2. Manter actividades mentais e lúdicas
Ler livros, revistas e jornais;
Produzir arte (ex: pintura, poesia, ...
Intervenção
3. Exercício Físico

Na EM o exercício físico é benéfico, mesmo antes dos
sintomas se instalarem:
• É importan...
Intervenção
3. Exercício Físico
Vários estudos têm demonstrado o benefício de um programa de
exercício:

Diminuição de si...
Intervenção
3. Exercício Físico
Exercício físico bem programado de acordo com cada caso
na EM;

Seguro;
Eficiente;
Trat...
Exercício e plasticidade cerebral
ESTIMULAR / TREINAR A
FUNÇÃO

Quando uma função nervosa está afectada o cérebro tenta re...
Intervenção
4. Sono reparador
1.

Restauração do cérebro e corpo > secreção de hormonas
anabólicas

2.

Conservação de ene...
34

Intervenção
4. Gerir o stress
IMPACTO DO STRESS NA ESCLEROSE
MÚLTIPLA

Adesão
terapeutica
Pior
Qualidade
de Vida
Menor...
35

ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO STRESS
36

ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO STRESS


ESTRATÉGIAS DE COPING;



EXERCÍCIO FÍSICO;



TÉCNICAS DE RELAXAMENTO:
• Respira...
Intervenção

% de doentes não aderentes

5. Adesão aos medicamentos modificadores de
doença
100
80%

80
60
40

35%

40%

4...
Intervenção
5. Adesão aos medicamentos modificadores de doença

Incapacidade

O tratamento precoce atrasa a progressão da ...
Intervenção

5. Adesão aos medicamentos modificadores de
doença
Intervenção
Razões que levam ao não cumprimento da terapêutica
instituída:
Negação da doença;

Problemas de comunicação;
P...
Intervenção
Adesão aos tratamentos modificadores da doença

Estratégias para melhorar a adesão
É importante que o doente c...
Intervenção Barreiras
adesão
“Cansaço”
tratamento

Adesão aos tratamentos modificadores da doença

Potenciais soluções
 C...
Intervenção
6. Reabilitação Cognitiva


Uso da restauração/treino ou técnicas de compensação;

 Os programas de reabilit...
Intervenção
6. Reabilitação Cognitiva
 Mais eficaz em doentes com disfunção cognitiva leve;

 Funções cognitivas em que ...
COMO ALIMENTAR/ TREINAR O
SEU CÉREBRO
COMO ALIMENTAR O
CÉREBRO

7 de Dezembro 2013
AGRADECIMENTOS

Grupo de Neuroimunologia
Dra Ernestina Santos
Dra Ana Trepa (fisiatria)
Dr Mario João (Urologia)
Dra Alice...
Como alimentar o cérebro? - 1ª Parte: Apresentação Neurologista Drª Ana Martins da Silva - X Congresso Nacional da SPEM ::...
Como alimentar o cérebro? - 1ª Parte: Apresentação Neurologista Drª Ana Martins da Silva - X Congresso Nacional da SPEM ::...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Como alimentar o cérebro? - 1ª Parte: Apresentação Neurologista Drª Ana Martins da Silva - X Congresso Nacional da SPEM :: 7 Dezembro 2013

1.882 visualizações

Publicada em

Como alimentar o cérebro? - 1ª Parte
Drª Ana Martins da Silva (Neurologista, Hospital Santo António)

X Congresso Nacional da SPEM
7 Dezembro 2013
Auditório da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.882
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
51
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  •  
     
     
     
     
    TRATOGRAFIA
     
    (Akers D, Sherbondy A, Mackenzie R, Doougherty R, Wandell B – Stanford University - Exploration of the Brain´s White Matter Pathways with Dynamic Query)
     
    As vias neuronais formam uma ampla rede de conexões que compõem a substância branca cerebral. Um único neurônio pode realizar de 1000 a 10000 conexões cerebrais. Atualmente neurocientistas desenvolveram métodos para mensurar e delimitar vias cerebrais presentes na substância branca que interconectam os corpos celulares de neurônios da substância cinzenta com outros neurônios presentes em núcleos subcorticais, núcleos talâmicos, do tronco encefálico, da própria medula espinhal, etc.
    O estudo destas vias nervosas presentes na substância branca são essenciais para o diagnóstico e o entendimento de patologias como por exemplo: distúrbios da linguagem, do aprendizado, da fala. Recentemente uma técnica de estudo destas vias, não invasiva tem motivado neurologistas, neurocirurgiões e neurocientistas que almejam um maior entendimento do funcionamento cerebral, trata-se da imagem por tensão difusional ou DTI (diffusion tensor imaging). Esta técnica é baseada no estudo por ressonância nuclear magnética onde a difusão da água percorre as fibras nervosas por seus limites como que marcando as fibras nervosas. A técnica de tratografia por ressonância magnética avalia as fibras nervosas através dos traços da difusão da água revelada por um tensor, conectando pontos e formando a imagem de uma via nervosa.
    Claramente, a técnica de tratografia por RM não nos mostra fibra a fibra mas sim um conjunto delas, indicando possíveis rotas nervosas pela substância branca. Os neurocientistas imaginam existir dezenas de milhares de conexões através da substância branca, sendo identificadas apenas centenas delas através da tratografia por RM. Esta moderna técnica não invasiva mostra-se muito relevante no estudo da neuroanatomia, nos esclarecendo diversas interconexões cerebrais até então desconhecidas.
    A partir do DTI realiza-se o STT (streamline tracking) para o desenho das vias nervosas presentes na substância branca de acordo com o fluxo de água (difusão). Diversas outras técnicas para obtenção mais fidedigna destas vias vem sendo propostas como por exemplo, o FACT (uma variação do STT) e o TEND (tensor-deflection algorithm) promovendo maior precisão na definição anatômica das vias.
     
    As vias neuronais formam uma ampla rede de conexões que compõem a substância branca cerebral. Um único neurônio pode realizar de 1000 a 10000 conexões cerebrais. Atualmente neurocientistas desenvolveram métodos para mensurar e delimitar vias cerebrais presentes na substância branca que interconectam os corpos celulares de neurônios da substância cinzenta com outros neurônios presentes em núcleos subcorticais, núcleos talâmicos, do tronco encefálico, da própria medula espinhal, etc.
    O estudo destas vias nervosas presentes na substância branca são essenciais para o diagnóstico e o entendimento de patologias como por exemplo: distúrbios da linguagem, do aprendizado, da fala. Recentemente uma técnica de estudo destas vias, não invasiva tem motivado neurologistas, neurocirurgiões e neurocientistas que almejam um maior entendimento do funcionamento cerebral, trata-se da imagem por tensão difusional ou DTI (diffusion tensor imaging). Esta técnica é baseada no estudo por ressonância nuclear magnética onde a difusão da água percorre as fibras nervosas por seus limites como que marcando as fibras nervosas. A técnica de tratografia por ressonância magnética avalia as fibras nervosas através dos traços da difusão da água revelada por um tensor, conectando pontos e formando a imagem de uma via nervosa.
    Claramente, a técnica de tratografia por RM não nos mostra fibra a fibra mas sim um conjunto delas, indicando possíveis rotas nervosas pela substância branca. Os neurocientistas imaginam existir dezenas de milhares de conexões através da substância branca, sendo identificadas apenas centenas delas através da tratografia por RM. Esta moderna técnica não invasiva mostra-se muito relevante no estudo da neuroanatomia, nos esclarecendo diversas interconexões cerebrais até então desconhecidas.
    A partir do DTI realiza-se o STT (streamline tracking) para o desenho das vias nervosas presentes na substância branca de acordo com o fluxo de água (difusão). Diversas outras técnicas para obtenção mais fidedigna destas vias vem sendo propostas como por exemplo, o FACT (uma variação do STT) e o TEND (tensor-deflection algorithm) promovendo maior precisão na definição anatômica das vias.
  •  
     
     
     
     
    TRATOGRAFIA
     
    (Akers D, Sherbondy A, Mackenzie R, Doougherty R, Wandell B – Stanford University - Exploration of the Brain´s White Matter Pathways with Dynamic Query)
     
    As vias neuronais formam uma ampla rede de conexões que compõem a substância branca cerebral. Um único neurônio pode realizar de 1000 a 10000 conexões cerebrais. Atualmente neurocientistas desenvolveram métodos para mensurar e delimitar vias cerebrais presentes na substância branca que interconectam os corpos celulares de neurônios da substância cinzenta com outros neurônios presentes em núcleos subcorticais, núcleos talâmicos, do tronco encefálico, da própria medula espinhal, etc.
    O estudo destas vias nervosas presentes na substância branca são essenciais para o diagnóstico e o entendimento de patologias como por exemplo: distúrbios da linguagem, do aprendizado, da fala. Recentemente uma técnica de estudo destas vias, não invasiva tem motivado neurologistas, neurocirurgiões e neurocientistas que almejam um maior entendimento do funcionamento cerebral, trata-se da imagem por tensão difusional ou DTI (diffusion tensor imaging). Esta técnica é baseada no estudo por ressonância nuclear magnética onde a difusão da água percorre as fibras nervosas por seus limites como que marcando as fibras nervosas. A técnica de tratografia por ressonância magnética avalia as fibras nervosas através dos traços da difusão da água revelada por um tensor, conectando pontos e formando a imagem de uma via nervosa.
    Claramente, a técnica de tratografia por RM não nos mostra fibra a fibra mas sim um conjunto delas, indicando possíveis rotas nervosas pela substância branca. Os neurocientistas imaginam existir dezenas de milhares de conexões através da substância branca, sendo identificadas apenas centenas delas através da tratografia por RM. Esta moderna técnica não invasiva mostra-se muito relevante no estudo da neuroanatomia, nos esclarecendo diversas interconexões cerebrais até então desconhecidas.
    A partir do DTI realiza-se o STT (streamline tracking) para o desenho das vias nervosas presentes na substância branca de acordo com o fluxo de água (difusão). Diversas outras técnicas para obtenção mais fidedigna destas vias vem sendo propostas como por exemplo, o FACT (uma variação do STT) e o TEND (tensor-deflection algorithm) promovendo maior precisão na definição anatômica das vias.
     
    As vias neuronais formam uma ampla rede de conexões que compõem a substância branca cerebral. Um único neurônio pode realizar de 1000 a 10000 conexões cerebrais. Atualmente neurocientistas desenvolveram métodos para mensurar e delimitar vias cerebrais presentes na substância branca que interconectam os corpos celulares de neurônios da substância cinzenta com outros neurônios presentes em núcleos subcorticais, núcleos talâmicos, do tronco encefálico, da própria medula espinhal, etc.
    O estudo destas vias nervosas presentes na substância branca são essenciais para o diagnóstico e o entendimento de patologias como por exemplo: distúrbios da linguagem, do aprendizado, da fala. Recentemente uma técnica de estudo destas vias, não invasiva tem motivado neurologistas, neurocirurgiões e neurocientistas que almejam um maior entendimento do funcionamento cerebral, trata-se da imagem por tensão difusional ou DTI (diffusion tensor imaging). Esta técnica é baseada no estudo por ressonância nuclear magnética onde a difusão da água percorre as fibras nervosas por seus limites como que marcando as fibras nervosas. A técnica de tratografia por ressonância magnética avalia as fibras nervosas através dos traços da difusão da água revelada por um tensor, conectando pontos e formando a imagem de uma via nervosa.
    Claramente, a técnica de tratografia por RM não nos mostra fibra a fibra mas sim um conjunto delas, indicando possíveis rotas nervosas pela substância branca. Os neurocientistas imaginam existir dezenas de milhares de conexões através da substância branca, sendo identificadas apenas centenas delas através da tratografia por RM. Esta moderna técnica não invasiva mostra-se muito relevante no estudo da neuroanatomia, nos esclarecendo diversas interconexões cerebrais até então desconhecidas.
    A partir do DTI realiza-se o STT (streamline tracking) para o desenho das vias nervosas presentes na substância branca de acordo com o fluxo de água (difusão). Diversas outras técnicas para obtenção mais fidedigna destas vias vem sendo propostas como por exemplo, o FACT (uma variação do STT) e o TEND (tensor-deflection algorithm) promovendo maior precisão na definição anatômica das vias.
  • Doente com avaliação N mesmo após muitos anos de doença
  • “A reserva cognitiva pode ser entendida como o conjunto de circuitos alternativos do cérebro que, na falta súbita de algum circuito, permite que outros sejam recrutados para dar conta do recado. Isso explica, por exemplo, por que algumas pessoas permanecem em forma e pensando com clareza ao longo de toda a vida enquanto outras pessoas não”, afirma Ricardo Marchesan, sócio-fundador do Cérebro Melhor.
    Ainda recentemente, um estudo publicado por uma equipe do Instituto Duke para Ciências do Cérebro, em Durham (EUA), apontou que é a falta de reservas cognitivas, e não simplesmente a idade, que contribui para o declínio das habilidades de tomada de decisão financeiras. Ou seja, exemplificando, a pesquisa sugere que pode ser que um idoso seja na realidade melhor do que um jovem quando se trata de tomar decisões financeiras prudentes, desde que este idoso tenha formado reservas cognitivas.
    Outro estudo, desta vez feito na Universidade de Rush, em Chicago (EUA), concluiu que a reserva cognitiva obtida através de um estilo de vida rico em estímulos cognitivos ajudam as pessoas a compensar as perdas cognitivas nos estágios iniciais da Doença de Alzheimer, permitindo-as, desta forma, desfrutar de uma vida normal por um período maior de tempo.
    “Essas novas descobertas lançam mais luz na importância da reserva cognitiva para manter nossos cérebros saudáveis em qualquer idade. À medida que envelhecemos, aumenta nosso risco de declínio cognitivo, ou seja, a velocidade de raciocínio e memória devem naturalmente diminuir na maioria de nós. Então, é importante e até imprescindível mantermos um estilo de vida saudável e o cérebro constantemente estimulado, como por exemplo, através de um treinamento sistematizado, para desenvolvermos nossas reservas cognitivas. Esse é o melhor remédio, e que não tem contra-indicação, para garantir a qualidade de vida ao longo dos anos.”, finaliza Marchesan.
    As reservas mentais, portanto, precisam, podem, e devem ser mantidas ao longo da vida, já que esses circuitos têm o poder de serem desfeitos, refeitos e fortalecidos o tempo todo de acordo com o uso ou a falta dele. Por isso, nunca é tarde para investir em formar reservas cerebrais.
  • “A reserva cognitiva pode ser entendida como o conjunto de circuitos alternativos do cérebro que, na falta súbita de algum circuito, permite que outros sejam recrutados para dar conta do recado. Isso explica, por exemplo, por que algumas pessoas permanecem em forma e pensando com clareza ao longo de toda a vida enquanto outras pessoas não”, afirma Ricardo Marchesan, sócio-fundador do Cérebro Melhor.
    Ainda recentemente, um estudo publicado por uma equipe do Instituto Duke para Ciências do Cérebro, em Durham (EUA), apontou que é a falta de reservas cognitivas, e não simplesmente a idade, que contribui para o declínio das habilidades de tomada de decisão financeiras. Ou seja, exemplificando, a pesquisa sugere que pode ser que um idoso seja na realidade melhor do que um jovem quando se trata de tomar decisões financeiras prudentes, desde que este idoso tenha formado reservas cognitivas.
    Outro estudo, desta vez feito na Universidade de Rush, em Chicago (EUA), concluiu que a reserva cognitiva obtida através de um estilo de vida rico em estímulos cognitivos ajudam as pessoas a compensar as perdas cognitivas nos estágios iniciais da Doença de Alzheimer, permitindo-as, desta forma, desfrutar de uma vida normal por um período maior de tempo.
    “Essas novas descobertas lançam mais luz na importância da reserva cognitiva para manter nossos cérebros saudáveis em qualquer idade. À medida que envelhecemos, aumenta nosso risco de declínio cognitivo, ou seja, a velocidade de raciocínio e memória devem naturalmente diminuir na maioria de nós. Então, é importante e até imprescindível mantermos um estilo de vida saudável e o cérebro constantemente estimulado, como por exemplo, através de um treinamento sistematizado, para desenvolvermos nossas reservas cognitivas. Esse é o melhor remédio, e que não tem contra-indicação, para garantir a qualidade de vida ao longo dos anos.”, finaliza Marchesan.
    As reservas mentais, portanto, precisam, podem, e devem ser mantidas ao longo da vida, já que esses circuitos têm o poder de serem desfeitos, refeitos e fortalecidos o tempo todo de acordo com o uso ou a falta dele. Por isso, nunca é tarde para investir em formar reservas cerebrais.
  • “A reserva cognitiva pode ser entendida como o conjunto de circuitos alternativos do cérebro que, na falta súbita de algum circuito, permite que outros sejam recrutados para dar conta do recado. Isso explica, por exemplo, por que algumas pessoas permanecem em forma e pensando com clareza ao longo de toda a vida enquanto outras pessoas não”, afirma Ricardo Marchesan, sócio-fundador do Cérebro Melhor.
    Ainda recentemente, um estudo publicado por uma equipe do Instituto Duke para Ciências do Cérebro, em Durham (EUA), apontou que é a falta de reservas cognitivas, e não simplesmente a idade, que contribui para o declínio das habilidades de tomada de decisão financeiras. Ou seja, exemplificando, a pesquisa sugere que pode ser que um idoso seja na realidade melhor do que um jovem quando se trata de tomar decisões financeiras prudentes, desde que este idoso tenha formado reservas cognitivas.
    Outro estudo, desta vez feito na Universidade de Rush, em Chicago (EUA), concluiu que a reserva cognitiva obtida através de um estilo de vida rico em estímulos cognitivos ajudam as pessoas a compensar as perdas cognitivas nos estágios iniciais da Doença de Alzheimer, permitindo-as, desta forma, desfrutar de uma vida normal por um período maior de tempo.
    “Essas novas descobertas lançam mais luz na importância da reserva cognitiva para manter nossos cérebros saudáveis em qualquer idade. À medida que envelhecemos, aumenta nosso risco de declínio cognitivo, ou seja, a velocidade de raciocínio e memória devem naturalmente diminuir na maioria de nós. Então, é importante e até imprescindível mantermos um estilo de vida saudável e o cérebro constantemente estimulado, como por exemplo, através de um treinamento sistematizado, para desenvolvermos nossas reservas cognitivas. Esse é o melhor remédio, e que não tem contra-indicação, para garantir a qualidade de vida ao longo dos anos.”, finaliza Marchesan.
    As reservas mentais, portanto, precisam, podem, e devem ser mantidas ao longo da vida, já que esses circuitos têm o poder de serem desfeitos, refeitos e fortalecidos o tempo todo de acordo com o uso ou a falta dele. Por isso, nunca é tarde para investir em formar reservas cerebrais.
  • 1º estudo: doentes com EDSS entre 2 e 8
  • Questionários que avaliam a frequencia semanal, mensal, annual que realizam as diferentes actividades
  • 1º estudo: doentes com EDSS entre 2 e 8
  • Questionários que avaliam a frequencia semanal, mensal, annual que realizam as diferentes actividades
  • Como alimentar o cérebro? - 1ª Parte: Apresentação Neurologista Drª Ana Martins da Silva - X Congresso Nacional da SPEM :: 7 Dezembro 2013

    1. 1. COMO ALIMENTAR O CÉREBRO Ana Martins Silva Neurologista Hospital de Santo António 7 de Dezembro 2013
    2. 2. COMO ALIMENTAR/ TREINAR O SEU CÉREBRO - Compreender como o cérebro funciona e o impacto para atividades diárias e profissionais - Funções Básicas - Como treinar Nutrição; Exercício físico; Condicionamento; Gerir o stress. “Biofeedback”;  Exercício mental;  Estimulação cognitiva - Avaliação do “treino”_auto-avaliador. Definir metas e objetivos a cumprir; Planear o treino e avaliação final.
    3. 3. COMO ALIMENTAR/ TREINAR O SEU CÉREBRO
    4. 4. 1. Compreender como o cérebro funciona e o impacto para atividades diárias e profissionais • Função: processar as informações sensoriais para que ocorram respostas motoras e comportamentais adequadas • Nem todas as informações sensoriais implicam uma resposta motora – função integradora do SNC
    5. 5. O Sistema nervoso – função integradora
    6. 6. 1. Compreender como o cérebro funciona e o impacto para atividades diárias e profissionais Cognição ou funções neurológicas superiores • Atenção focalizada e global; • Aprendizagem; • Memória; • Organização e planeamento de • • • • tarefas; Capacidade de resolução de problemas; Linguagem; Cálculo Orientação no tempo e espaço.
    7. 7. Esclerose Múltipla (EM) Doença que atinge predominantemente a substância branca do cérebro As vias neuronais formam uma ampla rede de conexões que compõem a substância branca cerebral. Um único neurónio pode realizar de 1000 a 10000 conexões cerebrais
    8. 8. EM Sintomas comuns -Sintomas motores (hemiparésia, paraparésia); -Sintomas sensitivos; -Diminuição da visão; -Diplopia; -Vertigem; -Ataxia ; -Tremor; -Disfunção vesical e sexual; -Fadiga ; -Défice cognitivo ligeiro
    9. 9. *Demência de Alzheimer Doença que atinge a substância cinzenta *DEMÊNCIA: termo utilizado para descrever os sintomas de um grupo de doenças que causam declínio progressivo do funcionamento da pessoa. É um termo abrangente que descreve a perda de memória, capacidade intelectual, raciocínio, competências sociais e alterações das reações emocionais normais.
    10. 10. ESCLEROSE MULTIPLA A demência é rara (ocorre em <20% dos doentes); Uma parte dos doentes têm défices em 1 ou 2 domínios cognitivos – sem repercussão nas AVD; (Défice Cognitivo Ligeiro); Na maioria dos doentes não é um processo progressivo; DOENÇA ALZHEIMER 100% dos doentes têm demência – significa que têm dependência para maioria das atividades da vida diária; É um processo progressivo e que leva à perda de todas as funções cognitivas.
    11. 11. Disfunção cognitiva na Esclerose Múltipla Podem ser atingidas na evolução da doença Funções cognitivas preservadas • Atenção (especialmente focalizada); • Processamento da informação (visual, auditiva, ……); • Funções executivas ( planear determinadas tarefas); • Funções visuoespaciais (perceção visual e habilidades construtivas); • Fluência verbal. • Inteligência; • Memória a longo prazo; • Capacidade de comunicação; • Linguagem - leitura
    12. 12. Disfunção cognitiva • Importância na qualidade de vida da doença; • Impacto nas atividades profissionais e sociais; • Altera a adesão aos tratamentos.
    13. 13. Relação entre disfunção cognitiva características demográficas e clínicas e A disfunção cognitiva na EM:  Pode ocorrer em qualquer fase da doença mas é rara nos primeiros anos  A frequência da disfunção cognitiva aumenta com duração da doença;  É mais comum nas formas secundariamente progressivas  A evolução da disfunção cognitiva é heterógena  Associa-se a lesões em determinados locais (ex.corticais)
    14. 14.  As características métricas de patologia explicam apenas 30 a 50% da heterogeneidade da disfunção cognitiva na EM (seja pela severidade ou pelo padrão).  A hipótese do efeito protetor de reserva cerebral e cognitiva na EM tem sido uma das hipóteses mais investigadas como implicados no funcionamento cognitivo da EM
    15. 15. Disfunção cognitiva na EM Fatores de risco Fatores “protetores”/modificadores - Idade; - Incapacidade física (EDSS); - Lesões cerebrais em determinadas localizações; - Tabaco? - Depressão? - Reserva cognitiva; - Exercício físico; - Fármacos imunomodeladores; - Dieta………..
    16. 16. Reserva cerebral na EM Neurology 2013;80:1728–1733 Neurology 2013;80:2186–2193
    17. 17. Factores protectores – reserva cerebral “A reserva cognitiva pode ser entendida como o conjunto de circuitos alternativos do cérebro que, na falta súbita de algum circuito, permite que outros sejam recrutados para dar conta do recado” Conceito Reserva Reserva cerebral Reserva cognitiva (diferenças estruturais) (diferenças funcionais)
    18. 18. Factores protectores – reserva cerebral Fatores estruturais: Genes (ex. APOEɛ 4); Número de neurónios; Perímetro cefálico. Factores “funcionais”:  Nº de sinapses;  Nº de terminações dendríticas;  Promover neuronógenese;  Recrutamento de novas áreas para realizar uma determinada tarefa.
    19. 19. Indicadores que quantificam /traduzem reserva cognitiva Perímetro craniano; Nível de inteligência; Marcadores imagiológicos ( fluxo sanguíneo cerebral, …….); Escolaridade; Riqueza de vocabulário; Tipo de ocupação; Actividades mentais e lúdicas (leitura,…..) Atividade física
    20. 20. Reserva cerebral na EM Sumowski, 2013
    21. 21. Identificação precoce e intervenção Anamnese (questionar):  Dificuldades em recordar as atividades realizadas e planeadas;  Dificuldades em tomar algumas decisões;  Lentificação das tarefas – “falta de tempo para completar”. Despiste de fatores que podem comprometer f. cognitivas (memória e atenção):  Surtos;  Tratamentos farmacológicos (ex.: para dor neuropática);  Co-morbilidades (Fadiga, Depressão, Infecções).
    22. 22. Identificação precoce e intervenção Questionários:  Queixas subjetivas de dificuldades de memória, atenção, ……………  Fadiga;  Depressão Testes de rastreio cognitivo – (ex.: SDMT) As Baterias Neuropsicológicas apenas devem ser utilizadas em doentes com queixas ou alterações importantes na vida e alterações testes de rastreio mostrarem alterações.
    23. 23. Identificação precoce e intervenção Testes de rastreio cognitivo – ex.: SDMT
    24. 24. Intervenção Preservar/manter a RESERVA Hábitos de vida saudável 1. Alimentação; 2. Manter atividades mentais e lúdicas; 3. Exercício físico; 4. Sono reparador e gestão do stress; 5. Adesão aos tratamentos modificadores de doença.
    25. 25. Intervenção 1. Alimentação DIETA MEDITERRANICA COMO PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE
    26. 26. Intervenção 2. Manter actividades mentais e lúdicas Ler livros, revistas e jornais; Produzir arte (ex: pintura, poesia, escultura, escrever músicas, ballet….); Produzir textos (e.g. diário, escrita de artigos, blogs….); Tocar instrumento musical; Jogar jogos (ex: cartas, puzzles, palavras-cruzadas, sudoku….); Participar hobbies (ex: jardinagem, modelismo,...);
    27. 27. Intervenção 3. Exercício Físico Na EM o exercício físico é benéfico, mesmo antes dos sintomas se instalarem: • É importante encorajar os doentes com EM a iniciar um programa de exercício regular logo no início da doença. Williams K et al. MS Australia. 2009
    28. 28. Intervenção 3. Exercício Físico Vários estudos têm demonstrado o benefício de um programa de exercício: Diminuição de sintomas (espasticidade, fadiga); Equilíbrio e marcha; Funcionalidade; Qualidade de vida.     Tarakci E, Yeldan I, et al. Group exercise training for balance, functional status, spasticity, fatigue and quality of life in multiple sclerosis: a randomized controlled trial. Clin Rehabil 2013; 1-10 Collett J, Dawes H, Meaney A, et al. Exercise for multiple sclerosis: a single-blind randomized trial comparing three exercise intensities. Multiple Sclerosis Journal 2011; 17: 594-603 Sabapathy NM, Minahan CL, et al. Comparing endurance- and resistance-exercise training in people with multiple sclerosis: a randomized pilot study. Clinical Rehabilitation 2011; 25: 14–24 Snook EM., Molt RW. Effect of exercise training on walking mobility in Multiple Sclerosis: a meta- analysis. Neurorehabilitation and Neural Repair 2009; 23: 108-116
    29. 29. Intervenção 3. Exercício Físico Exercício físico bem programado de acordo com cada caso na EM; Seguro; Eficiente; Trata sintomas; Previne complicações; Maximiza as capacidades funcionais;  Sendo agradável e sustentado melhora a qualidade de vida.
    30. 30. Exercício e plasticidade cerebral ESTIMULAR / TREINAR A FUNÇÃO Quando uma função nervosa está afectada o cérebro tenta reorganizar-se procurando conexões nervosas alternativas. É a chamada plasticidade cerebral; - Devemos treinar e estimular as funções afetadas sobretudo numa fase precoce; - Desenvolver na área da investigação, métodos de reabilitação cada vez mais específicos para potenciar a reorganização cortical.
    31. 31. Intervenção 4. Sono reparador 1. Restauração do cérebro e corpo > secreção de hormonas anabólicas 2. Conservação de energia 3. Adaptação - Funciona como um instinto necessário à sobrevivência 4. Melhoria e consolidação da memória - ocorre no REM 5. Manutenção da integridade da rede neuronal sináptica - a estimulação intermitente da rede neuronal é necessária para preservar a função do SNC 6. Função termoreguladora - os individuos privados de sono tem alt termoreguladoras importantes
    32. 32. 34 Intervenção 4. Gerir o stress IMPACTO DO STRESS NA ESCLEROSE MÚLTIPLA Adesão terapeutica Pior Qualidade de Vida Menor capacidade funcional
    33. 33. 35 ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO STRESS
    34. 34. 36 ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO STRESS  ESTRATÉGIAS DE COPING;  EXERCÍCIO FÍSICO;  TÉCNICAS DE RELAXAMENTO: • Respiração Abdominal • Relaxamento muscular progressivo • “Imagem de Paz”
    35. 35. Intervenção % de doentes não aderentes 5. Adesão aos medicamentos modificadores de doença 100 80% 80 60 40 35% 40% 40% 45% 55% 20 0 Artrite Epilepsia HTA EM Diabetes Asma “Drugs don’t work in patients who don’t take them.” C. Everett Koop, MD, US Surgeon General, 1981-1989
    36. 36. Intervenção 5. Adesão aos medicamentos modificadores de doença Incapacidade O tratamento precoce atrasa a progressão da EM Tratamento tardio Curso natural da doença Intervenção tardia Tratamento no diagnóstico Intervenção na altura do diagnóstico Tempo Início Adapted from Trapp et al. Curr Opin Neurol. 1999;12:295; Trapp et al. Neuroscientist. 1999;5:48; Trapp et al. N Engl J Med. 1998;338:278; Jeffery. J Neurol Sci. 2002;197:1; Cohen et al. J Neuroimmunol. 1999;98:29. 38
    37. 37. Intervenção 5. Adesão aos medicamentos modificadores de doença
    38. 38. Intervenção Razões que levam ao não cumprimento da terapêutica instituída: Negação da doença; Problemas de comunicação; Perceção de estar bem; Stress emocional; Desmotivação; Terapia injetável; Posologia; Má “praxis”; Efeitos secundários; Efeito terapêutico não imediato; Mudança de terapêutica.
    39. 39. Intervenção Adesão aos tratamentos modificadores da doença Estratégias para melhorar a adesão É importante que o doente consiga: →Identificar quais os motivos do não cumprimento do tratamento; →Perceber as consequências da não adesão; →Utilizar estratégias para ultrapassar as barreiras de adesão; →Recorrer à equipa de saúde sempre que tenha alguma dificuldade.
    40. 40. Intervenção Barreiras adesão “Cansaço” tratamento Adesão aos tratamentos modificadores da doença Potenciais soluções  Consciencialização das consequências da não adesão  Participar em reuniões de discussão Ter expectativas realistas  Alterar estilo vida SOLUÇÕES…. SOLUÇÕES… Efeitos secundários  Cumprir rigorosamente a técnica da injeção  Utilizar corretamente o dispositivo individual  Perceber a importância da rotatividade dos locais de administração  Aplicação de gelo no local para controlo sintomas Alterações cognitivas  Lembretes recordatórios  Envolver a família/cuidador no processo de tratamento
    41. 41. Intervenção 6. Reabilitação Cognitiva  Uso da restauração/treino ou técnicas de compensação;  Os programas de reabilitação cognitiva devem ter objetivos definidos de acordo com: As necessidades do doentes; Co-morbilidades clínicas; Características demográficas. Usar protocolos já existentes e replicar intervenções que tenham sido eficazes em outras populações (ex.: AVC, TCE).
    42. 42. Intervenção 6. Reabilitação Cognitiva  Mais eficaz em doentes com disfunção cognitiva leve;  Funções cognitivas em que existe mais beneficio;  Atenção e Memória:  estratégias compensatórias como uso de agendas, computadores, lembretes;  Ser mais organizado; Avaliar o impacto da reabilitação na qualidade de vida pessoal, social, familiar e profissional do doente.
    43. 43. COMO ALIMENTAR/ TREINAR O SEU CÉREBRO
    44. 44. COMO ALIMENTAR O CÉREBRO 7 de Dezembro 2013
    45. 45. AGRADECIMENTOS Grupo de Neuroimunologia Dra Ernestina Santos Dra Ana Trepa (fisiatria) Dr Mario João (Urologia) Dra Alice Lopes (Psiquiatria de Ligação) Dra Claudia Pereira (NR) Internos de Neurologia Enfermeira Catarina Teixeira ICBAS – Universidade do Porto – Laboratorio de Imunogenética Dina Lopes Andreia Bettencourt Lab de Neurobiologia do Comportamento Prof Sara Cavaco Dr Inês Moreira Dra Claudia Milheiro Dra Alexandra

    ×