Portal de Telecomunicações, Internet e TICs
(http://www.telesintese.com.br/)
CIDADES INTELIGENTES: UMA
ABORDAGEM TECNOLÓGI...
Tal crescimento traz consigo diversos desafios, principalmente em locais onde ele é desordenado.
Estes desafios geralmente e...
Embora protocolos de roteamento convencionais já sejam conhecidos e introduzidos no mercado,
como o caso do “zigbee”, apre...
Referências
[1] Danish Smart Cities: Sustainable Living in an Urban World, Copenhagen Cleantech Cluster, 2012
[2] STEVENTO...
↑ Voltar ao topo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cidades inteligentes: uma abordagem tecnológica - TeleSíntese

79 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
79
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cidades inteligentes: uma abordagem tecnológica - TeleSíntese

  1. 1. Portal de Telecomunicações, Internet e TICs (http://www.telesintese.com.br/) CIDADES INTELIGENTES: UMA ABORDAGEM TECNOLÓGICA O uso correto das TICs é fundamental para que uma cidade fique "Smart". É importante também uma integração orquestrada entre os diferentes dispositivos, observa Ronald Eduardo Avelar. COLABORADOR (HTTP://WWW.TELESINTESE.COM.BR/AUTHOR/COLABORADOR/) — 1 DE NOVEMBRO DE 2013 (HTTP://WWW.TELESINTESE.COM.BR/O-QUE-SAO-AAS-CIDADES-INTELIGENTES-E-O-QUE-AS-TORNA-SMART-UMA-ABORDAGEM- TECNOLOGICA-DE-REDES-INTELIGENTES-DE-COMUNICACAO/) O conceito “Smart City”, ou Cidades Inteligentes, é a mais recente inovação tecnológica discutida nos mais diversos fóruns mundiais que abordam o tema da sustentabilidade para cidades do futuro. Mas o que são as Cidades Inteligentes e quais são os benefícios esperados por este conceito inovador? No século 20, o conceito de Cidades Inteligentes era decorrente de ficção cientifica, onde a utilização de tecnologias avançadas tornava a cidades otimizadas em benefício do ser humano. A partir do século 21, o avanço tecnológico tem sido revolucionário, onde as mais diversas inovações em diferentes setores têm culminado na evolução da eficiência no uso dos recursos, mobilidade e serviços. Porém, tal evolução ou revolução ainda se apresenta em estágio inicial de desenvolvimento, principalmente quando nos deparamos com os conceitos aceitos para Cidades inteligentes integradas por meio das Tecnologias de Informação e Comunicação (ou TCIs). Por que precisamos de Cidades inteligentes? Quando são analisados os dados de progresso da urbanização mundial, se observa que o aumento de indivíduos e famílias em cidades urbanas tem apresentado crescimento exponencial. Este crescimento é decorrente das oportunidades de trabalho, econômicas e serviços públicos oferecidos. No Brasil, tal característica de crescimento não é diferente, conforme é observado na figura 1. Figura 1: Brasil: Total de habitantes em área Rural e Urbana Fonte: World Urbanization Prospects 2011
  2. 2. Tal crescimento traz consigo diversos desafios, principalmente em locais onde ele é desordenado. Estes desafios geralmente estão relacionados ao fornecimento inteligente de serviços essenciais, como: energia, transporte público, saúde, água e educação, entre outros. O que são as Cidades Inteligentes e o que as torna “Smart”? Muitos são os conceitos dados para as Cidades Inteligentes e diversas são as características que os estudiosos entendem como necessários que tornam uma cidade “Smart”. A World Foundation for Smart Communities define que as Cidades Inteligentes devem ser baseadas em um crescimento inteligente e planejado, por meio das TICs. “Uma Comunidade Inteligente é uma comunidade que faz um esforço consciente para usar a tecnologia da Informação para transformar a vida e o trabalho dentro de seu território de uma forma significativa e fundamental, em vez de seguir uma forma incremental” [6]. Já Caragliu et al (2011), indica que uma Cidade Inteligente é o investimento em capital humano-social e incentiva a utilização de tecnologias avançadas de TIC como viabilizador para um crescimento econômico sustentável e uma melhora na qualidade de vida, uma boa gestão de recursos naturais e energéticos, com participação atuante do governo e estado. Cidade Inteligente pode ser considerado “um espaço inteligente, onde as TICs “desaparecem” e se tornam incorporados em objetos físicos, em locais em que vivemos e/ou trabalhamos. A perspectiva atual é que esta tecnologia embarcada nos fornece suporte inteligente e contextualmente relevante, aumentando a expectativa de vida e nossa experiência do mundo físico de uma forma benigna e não intrusiva” [2]. Neste contexto, as TICs tornam-se fundamentais para que as Cidades Inteligentes sejam realmente “Smart”. Porém, a integração orquestrada entre os mais diversos dispositivos tecnológicos existentes nestes meios urbanos, nas mais diferentes áreas (mobilidade, energética, telecomunicações, serviços públicos e tecnológicos) é extremamente importante para que a sociedade possa usufruir de seus benefícios e tenha um convívio e crescimento sustentável futuro. Protocolo de comunicação de nova geração: Quando as Cidades se tornam “Smart” A principal característica para Cidades Inteligentes pode ser definida como: Uma sociedade interligada por meio das Tecnologias da Informação e Comunicação. Para tanto, as redes Ad hoc, ou redes de comunicação através de equipamentos interconectados sem o uso de estações base, são atrativas, pois podem construir uma rede autônoma e distribuída sem necessidade de desenho detalhado de projeto. Para que estas redes sejam criadas, protocolos de roteamento são necessários.
  3. 3. Embora protocolos de roteamento convencionais já sejam conhecidos e introduzidos no mercado, como o caso do “zigbee”, apresentam limitações quando aplicados em soluções para Smart Cities [5]. Tais limitações referem-se à confiabilidade, escalabilidade, e custo operacional. Com o objetivo de solucionar as questões acima levantadas, foi desenvolvido um novo protocolo de roteamento avançado chamado WisReed, baseado em inteligência artificial. Este protocolo aprende os melhores caminhos para envio das informações à medida que esta grande rede de comunicação aumenta, garantindo uma alta escalabilidade e confiabilidade e baixo custo operacional. Ainda mais, segue padrões aceitos por fóruns internacionais: TCP/IP e para a camada física: IEEE 802.11 e 802.15.4, entre outros. Na figura 2 é feita uma comparação entre o protocolo de roteamento avançado WisReed e outros existentes. Figura 2 – Comparação entre WisReed e protocolos convencionais Fonte: Fujitsu[5] Em protocolos convencionais, o caminho do roteamento é definido logo antes do envio da informação, através de mensagens de broadcast por toda a rede até o nó ou end-point de destino, podendo causar sobrecarga. Por outro lado, através do protocolo avançado WisReed, o caminho é determinado à medida que a informação é transmitida (pois já conhece o caminho antecipadamente), evitando assim envio de pacotes de controle desnecessários. Esta metodologia é chamada de depth- first Search [5]. Desta forma, esta tecnologia, fundamentada nos conceitos aceitos de Cidades Inteligentes, visa alcançar uma sociedade inteligente e interligada, através de uma infraestrutura realmente avançada de telecomunicações. As Cidades do Futuro A infraestrutura é fundamental para a forma como uma cidade disponibiliza e opera os principais serviços para a sociedade, como o transporte de pessoas, energia, dinheiro, ideias, etc. [1]. Por outro lado, a infraestrutura digital muitas vezes tem recebido menos atenção e se torna um problema a ser resolvido pela sociedade moderna, pois pode oferecer uma gama de possibilidades para suportar uso racional dos recursos e promover a efetividade de execução de processos relevantes como a mobilidade. Para tanto, é necessário alto investimento em “estradas digitais”, também chamadas de backbone, e na comunicação de “última milha” ou sensoriamento. Diversos são os desafios para que as cidades inteligentes sejam uma realidade e muitos são os estudos atualmente em andamento em laboratórios “vivos”, a fim de avaliar as mais diversas tecnologias e estudar os resultados. A integração e planejamento conjunto de todos os atores envolvidos (setor público, privado, sociedade e instituições de pesquisa) será um diferencial para que todos nós possamos usufruir dos benefícios esperados e garantir um crescimento sustentável e inevitável dos grandes centros urbanos.
  4. 4. Referências [1] Danish Smart Cities: Sustainable Living in an Urban World, Copenhagen Cleantech Cluster, 2012 [2] STEVENTON, A.; WRIGHT, S,“Intelligent spaces: The application of pervasive ICT”. London, Springer, 2006. [3] CARAGLIU, A; DEL BO, C. & NIJKAMP, “Smart cities in Europe”. Journal of Urban Technology, 2011 [4] BATTY, M. et al, “Smart Cities of the Future”, 2012 [5] Takahashi, Y; Kawashima, K; Nakaya, Y; Ichikawa T. “Network Technology Supporting as Intelligent Society: WisReed” FUJITSU Sci. Tech J. Vol. 47, No 4 Oct 2011. [6] California Institute for Smart Communities, 2001, “Ten Steps to Becoming a Smart Community”, disponível em: http://www.smartcommunities.org/library_10steps.htm (http://www.smartcommunities.org/library_10steps.htm) Ronald Eduardo A. Avelar: Engenheiro eletricista formado pela Universidade Federal de Itajubá e com 10 anos de experiência no setor elétrico. Atua como especialista para Sistemas Inteligentes de Comunicação para Soluções Smart Grid na Fujitsu do Brasil. Related Curitiba fecha acordo de cooperação com Huawei para projeto de cidade inteligente (http://www.telesintese.com.… fecha-acordo-de-cooperacao- com-huawei-para-projeto-de- cidade-inteligente/) Finep estuda lançar edital de cidades inteligentes (http://www.telesintese.com.… planeja-edital-cidades- inteligentes/) Smart grid ainda depende de políticas públicas e de financiamento para avançar no Brasil, diz Abradee. (http://www.telesintese.com.… grid-ainda-depende-de- politicas-publicas-e-de- financiamento-para-avancar- no-brasil-diz-abradee/) Curitiba fecha acordo de cooperação com Huawei para projeto de cidade inteligente (http://www.telesintese.com.… fecha-acordo-de-cooperacao- com-huawei-para-projeto-de- cidade-inteligente/) Finep estuda lançar edital de cidades inteligentes (http://www.telesintese.com.… planeja-edital-cidades- inteligentes/) Smart grid ainda depende de políticas públicas e de financiamento para avançar no Brasil, diz Abradee. (http://www.telesintese.com.… grid-ainda-depende-de- politicas-publicas-e-de- financiamento-para-avancar- no-brasil-diz-abradee/) 28 de junho de 2016 In "Inovação nas empresas" 18 de novembro de 2015 In "Aplicações" 13 de novembro de 2013 In "Plantão" 28 de junho de 2016 In "Inovação nas empresas" 18 de novembro de 2015 In "Aplicações" 13 de novembro de 2013 In "Plantão" Copyright © 2014. Direitos reservados.
  5. 5. ↑ Voltar ao topo

×