• Selvagem, pagão, bárbaro, inocente, canibal –
muitos foram os adjetivos utilizados pelos
primeiros cronistas europeus pa...
• Os textos do Quinhentismo não tem valor
literário, mas sim valor histórico como
documentos que fornecem dados importante...
• Relatos de viagem – textos informativos
• Descreveram as condições da nova terra
encontrada.
• Relatos de viagem, crônic...
CAP. 18 - Como fui capturado pelos
selvagens
• Quando eu estava andando na floresta, eclodiram
grandes gritos dos dois lad...
CAP. 21. Como os selvagens se
comportaram comigo no primeiro dia
de sua aldeia.
• ... Desembarcamos. Nesse momento, todos,...
CAP.06. Como Deus todo poderoso fez
um milagre.
• Eu tinha feito uma cruz com dois troncos grossos e a ergui
frente a caba...
A figura do indígena
na literatura
• A figura do índio, mais
tarde no projeto do
romantismo servirá como
inspiração para o...
Sebastião
Salgado -
Gênesis
• Pero Vaz escrivão da nau portuguesa que veio
ao Brasil.
• Ele era o responsável por redigiras
informações sobre a viagem...
• Senhor,
posto que o Capitão-mor desta Vossa frota, e
assim os outros capitães escrevam a Vossa
Alteza a notícia do acham...
Sobre os índios
• Pardos, nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse
suas vergonhas. Traziam arcos nas mãos, e suas
setas. Vi...
O primeiro contato
• Acenderam-se tochas. E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia
fizeram, nem de falar ao Capitão; nem...
• E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de
falar ao Capitão; nem a alguém. Todavia um deles fitou o
cola...
• Deram-lhes ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos,
fartéis, mel, figos passados. Não quiseram comer daquilo
quase n...
TEXTOS
INFORMATIVOS
A carta
TEXTOS
CATEQUÉTICOS
Pe. José de Anchieta
QUINHENTISMO
1500
Para acompanhar na apostila
• Leitura do módulo 3 P.7
• LITERATURA SOBRE O BRASIL
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Quinhentismo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Quinhentismo

276 visualizações

Publicada em

LITERATURA

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
276
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quinhentismo

  1. 1. • Selvagem, pagão, bárbaro, inocente, canibal – muitos foram os adjetivos utilizados pelos primeiros cronistas europeus para caracterizar o nativo que encontraram na Velha-nova- terra. • Convertê-lo ao catolicismo foi a maneira que a igreja encontrou de se relacionar com o indígena.
  2. 2. • Os textos do Quinhentismo não tem valor literário, mas sim valor histórico como documentos que fornecem dados importantes sobre a nossa identidade e a formação do povo brasileiro.
  3. 3. • Relatos de viagem – textos informativos • Descreveram as condições da nova terra encontrada. • Relatos de viagem, crônicas e cartas • Descriçãod e Hans Sterden (1525? -1579)
  4. 4. CAP. 18 - Como fui capturado pelos selvagens • Quando eu estava andando na floresta, eclodiram grandes gritos dos dois lados da trilha, como é comum entre os selvagens. Os homens vieram na minha direção e eu reconheci que se tratavam de selvagens. Eles me cercaram, dirigiram arcos e flechas contra mim e atiraram. Então gritei: “Que Deus ajude minha alma!” Nem tinha terminado estas palavras, eles me bateram e empurraram para o chão, atiraram e desferiram golpes de lança sobre mim. Feriram-me – Deus seja louvado – apenas uma perna, mas me arrancaram a roupa do corpo, um deles o casaco, o outro, o chapéu, o terceiro, a camisa e assim por diante...
  5. 5. CAP. 21. Como os selvagens se comportaram comigo no primeiro dia de sua aldeia. • ... Desembarcamos. Nesse momento, todos, jovens e velhos, saíram de suas cabanas, que ficavam num morro, e queriam me ver. Os homens foram com seus arcos e flechas para suas cabanas e entregaram-me às mulheres, que ficaram comigo. Algumas andavam à minha frente, outras atrás de mim, e enquanto isso dançavam e cantavam uma canção, o que, segundo seus hábitos, fazem perante o prisioneiro que querem comer...
  6. 6. CAP.06. Como Deus todo poderoso fez um milagre. • Eu tinha feito uma cruz com dois troncos grossos e a ergui frente a cabana onde eu vivia. Lá orava frequentemente ao Senhor. (...) Uma vez que eu saí com eles para pescar, uma mulher arrancou a cruz e deu-a a seu marido. Ele devia usar a cruz para esmigalhar as conchas dos caracóis do mar, com a qual faziam uma espécie de rosário. Isso me causou enorme desgosto. Pouco depois começou a chover, e choveu durante dias. Vieram, então a minha cabana e exigiram que eu tratasse com meu Deus para que a chuva parasse. Pois, a época do plantio tinha começado, e, se não parasse de chover, eles não poderiam plantar. Respondi que a culpa era deles, Eles tinham irritado o meu Deus, ao arrancarem a madeira que eu usava para falar com ele
  7. 7. A figura do indígena na literatura • A figura do índio, mais tarde no projeto do romantismo servirá como inspiração para o projeto literário que pretendeu dar bases a nossa formação cultural. Romantismo utilizou a figura do índio como o herói da nação brasileira.
  8. 8. Sebastião Salgado - Gênesis
  9. 9. • Pero Vaz escrivão da nau portuguesa que veio ao Brasil. • Ele era o responsável por redigiras informações sobre a viagem • Escreveu uma carta ao rei D. Manoel contando sobre as terras brasileiras. É o documento mais importante deste período
  10. 10. • Senhor, posto que o Capitão-mor desta Vossa frota, e assim os outros capitães escrevam a Vossa Alteza a notícia do achamento desta Vossa terra nova, que se agora nesta navegação achou, não deixarei de também dar disso minha conta a Vossa Alteza, assim como eu melhor puder, ainda que -- para o bem contar e falar -- o saiba pior que todos fazer!
  11. 11. Sobre os índios • Pardos, nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. Traziam arcos nas mãos, e suas setas. Vinham todos rijamente em direção ao batel. E Nicolau Coelho lhes fez sinal que pousassem os arcos. E eles os depuseram. Mas não pôde deles haver fala nem entendimento que aproveitasse, por o mar quebrar na costa. Somente arremessou-lhe um barrete vermelho e uma carapuça de linho que levava na cabeça, e um sombreiro preto.
  12. 12. O primeiro contato • Acenderam-se tochas. E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de falar ao Capitão; nem a alguém. Todavia um deles fitou o colar do Capitão, e começou a fazer acenos com a mão em direção à terra, e depois para o colar, como se quisesse dizer-nos que havia ouro na terra. E também olhou para um castiçal de prata e assim mesmo acenava para a terra e novamente para o castiçal, como se lá também houvesse prata! Mostraram-lhes um papagaio pardo que o Capitão traz consigo; tomaram-no logo na mão e acenaram para a terra, como se os houvesse ali. Mostraram-lhes um carneiro; não fizeram caso dele. Mostraram-lhes uma galinha; quase tiveram medo dela, e não lhe queriam pôr a mão. Depois lhe pegaram, mas como espantados.
  13. 13. • E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de falar ao Capitão; nem a alguém. Todavia um deles fitou o colar do Capitão, e começou a fazer acenos com a mão em direção à terra, e depois para o colar, como se quisesse dizer-nos que havia ouro na terra. E também olhou para um castiçal de prata e assim mesmo acenava para a terra e novamente para o castiçal, como se lá também houvesse prata! Mostraram-lhes um papagaio pardo que o Capitão traz consigo; tomaram-no logo na mão e acenaram para a terra, como se os houvesse ali. Mostraram-lhes um carneiro; não fizeram caso dele. Mostraram-lhes uma galinha; quase tiveram medo dela, e não lhe queriam pôr a mão. Depois lhe pegaram, mas como espantados.
  14. 14. • Deram-lhes ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos, fartéis, mel, figos passados. Não quiseram comer daquilo quase nada; e se provavam alguma coisa, logo a lançavam fora. Trouxeram-lhes vinho em uma taça; mal lhe puseram a boca; não gostaram dele nada, nem quiseram mais. Trouxeram-lhes água em uma albarrada, provaram cada um o seu bochecho, mas não beberam; apenas lavaram as bocas e lançaram-na fora. Viu um deles umas contas de rosário, brancas; fez sinal que lhas dessem, e folgou muito com elas, e lançou-as ao pescoço; e depois tirou-as e meteu-as em volta do braço, e acenava para a terra e novamente para as contas e para o colar do Capitão, como se dariam ouro por aquilo.
  15. 15. TEXTOS INFORMATIVOS A carta TEXTOS CATEQUÉTICOS Pe. José de Anchieta QUINHENTISMO 1500
  16. 16. Para acompanhar na apostila • Leitura do módulo 3 P.7 • LITERATURA SOBRE O BRASIL

×