Modelo artigo para Maratona Científica

748 visualizações

Publicada em

Modelo de preenchimento de Artigo com formatação para a Maratona Científica Grupo Quarks

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
748
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelo artigo para Maratona Científica

  1. 1. p.1 Vol. 1 | Nº. 1 | Ano 2014 autor1 afiliação institucional autor emailautor@dominio autor2 afiliação institucional autor emailautor@dominio autor3 afiliação institucional autor emailautor@dominio TÍTULO DO TRABALHO TODAS EM MAIÚSCULAS Aqui pode ser colocadoum Subtítuloqueé opcional _____________________________________ RESUMO O resumo deve constituir-se num texto redigido de forma cursiva (sem parágrafos e com no mínimo 100 e no máximo 150 palavras), conciso e objetivo, respeitando a estruturado originale reproduzindo apenas as informações mais significativas, como: objetivos, metodologia de pesquisa, descobertas, e conclusões. Limita-sea um parágrafo, devendo incluir palavras representativas do assunto (palavras-chave). Deve-se evitar, no resumo: abreviaturas,símbolos, fórmulas, diagramas e notas de rodapé que não sejam absolutamente necessários à sua compreensão, bem como comentários,críticas e julgamento pessoal; palavras e/ou expressões supérfluas. Palavras-chave: Lista de palavras-chave. Separadas por ponto. Letra inicial maiúscula. De três a cinco palavras-chave. _____________________________________ ABSTRACT The abstract shouldbe written in just one paragraph (usually between 100 and 150 words) using an objective and concise discourse with respect to the original article’s content and structure. It is relevant condensed peace of information that reflects the article’s significant information, i.e., research goals, methodology, tests and results, insights and conclusions. The abstract paragraph mustshowa direct association with the article keywords. It should not be confused with the introduction and must not contain abbreviations, symbols, formulas, diagrams, footnotes, references to literature or figures. Besides, the description of e personal criticism orpoints of viewis not acceptable. Keywords: Keyword list. Separated by semicolons. Initial capital letter. From three to five keywords.Correspondência/Contato (EXEMPLO) Grupo Quarks Departamentode Planejamento,Projetos e Pesquisas Educacionais Rua XXXX número XXX CEP 17014-500 Fone ((71)13131313 xxx@xxxx.com.br www.portinari-ba.com.br Editores responsáveis Grupo Quarks Facebook.com/rodriguinhoquimica Grupo Quarks Facebook.com/rodriguinhoquimica
  2. 2. Nome da Revista | Vol.1 | Nº. 1 | Ano 2009 | p. 2 1 INTRODUÇÃO A Introdução é a parte do texto onde é apresentado um panorama geral do artigo, de todos os seus pontos principais, constituindo-se numa ampliação do resumo. Dessa forma, entende-se que não cabe realizar citações na introdução. A introdução deve criar uma expectativa positiva e o interesse do leitor. Ela precisa apresentar o assunto e delimitar o tema, os objetivos, a justificativa, analisando a problemática que será investigada, definindo conceitos e especificando os termos adotados a fim de esclarecer o assunto. 2 DESENVOLVIMENTO O título dessa seção, quando for utilizado, não deve estampar a palavra “desenvolvimento” nem “corpo do trabalho”, sendo escolhido um título geral que englobe todo o tema abordado na seção, e subdividido conforme a necessidade. O desenvolvimento deve apresentar a fundamentação teórica, também chamada de revisão de literatura ou referencial teórico. Ela é um texto em que o pesquisador deve articular ideias e contribuições de outros autores com reflexões e discussões de sua própria autoria, com finalidade de constituir a base teórica de sua pesquisa. Tem o objetivo de desenvolver o tema principal, ressaltando os aspectos mais importantes, de modo a discutir, analisar e interpretar o assunto em foco delimitado pelo título, devendo o autor ser objetivo, conciso e claro. É nessa parte onde, com base no tema, levantam-se hipóteses e realiza-se o raciocínio jusfilosófico, no intuito de se pensar soluções, alternativas, ou mesmo contemplar o tema com olhar pragmático (suscetibilidade à aplicações práticas, voltado para a ação). 2.1 Subdivisão do texto O indicativo de seção secundária é constituído pelo indicativo da seção primária a que pertence, seguido de ponto e do número que lhe for atribuído na sequência do assunto, mas sem ponto entre a numeração. Ao decidir por criar seção secundária, o autor deverá observar as diretrizes que são listadas abaixo:
  3. 3. Nome do autor1; Nome do autor 2 Nome da Revista | Vol.1 | Nº. 1 | Ano 2009 | p. 3 a) a seção secundária não poderá ser criada logo após o título da seção primária, sendo necessário haver desenvolvimento de texto entre seus títulos, e que pode consistir de alguns parágrafos; b) é desaconselhado criar seção secundária com quantidade ínfima de texto; c) a criação da primeira seção secundária leva à necessidade de uma segunda seção secundária. 2.2 Subdivisão do texto A criação da primeira seção secundária enseja a necessidade de uma segunda seção secundária. E isto se deve a que, logicamente, a subdivisão de um conteúdo gera, pelo menos, duas partes desse mesmo conteúdo. Sobre as citações com mais de três linhas – chamadas de citações diretas longas – temos o seguinte: As citações com mais de três linhas devem apresentar fonte tamanho 10 e recuo esquerdo de 4cm, além de não possuírem aspas ou recuo de primeira linha. ANTES E APÓS CADA CITAÇÃO DIRETA LONGA HAVERÁ 1 LINHA (com tamanho da fonte 12, embora que elas sejam linhas em branco, sem texto). Lembre-se que da seção secundária para a seção primária seguinte há 2 linhas 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Poderá ser intitulado também de considerações finais ou outro nome. Nesta seção, apresentam-se as conclusões sobre o tema delimitado pelo título e analisado ao longo do trabalho, tendo sempre por parâmetros o problema proposto, as hipóteses levantadas e os resultados obtidos. De tal forma, é essencial que as conclusões sejam objetivas e claras, e que mantenham relação de pertinência lógico-racional com o tema desenvolvido. Adiante temos a seção das REFERÊNCIAS. Nessa parte, temos de observar o seguinte: a) o título será REFERÊNCIAS em negrito e caixa-alta; b) após cada referência haverá 1 linha; c) o alinhamento será esquerdo; e, d) as referências estarão em ordem alfabética, e SÓ PODERÁ CONTAR REFERÊNCIAS EFETIVAMENTE CITADAS NO CORPO DO TRABALHO. É VEDADO LISTAR REFERÊNCIA QUE NÃO SEJA VINCULADA A CITAÇÃO – DIRETA OU INDIRETA – NO CORPO DO TEXTO. Das CONCLUSÕES para o título REFERÊNCIAS há 2 linhas.
  4. 4. Nome da Revista | Vol.1 | Nº. 1 | Ano 2009 | p. 4 As notas de rodapé utilizadas na seção das REFERÊNCIAS servem, unicamente, para fins didáticos, devendo serem excluídas. Para gerar as referências utilize o www.more.ufsc.br No mín, deverão ser utilizadas 3 referências. REFERÊNCIAS (EXEMPLO) BRASIL. Medida provisória nº. 1.569-9, de 11 de dezembro de 1997. Estabelece uma multa em operações de importação, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 dez. 1997. Seção 1, p. 29514. ______. Superior Tribunal de Justiça. Habeas-corpus nº. 181.636-1, da 6ª. Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Brasília, DF, 6 de dezembro de 1994. Lex: jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais, São Paulo, v. 10, n. 103, p. 236-240, mar. 1998. COSTA, V. R. À margem da lei: o Programa Comunidade Solidária. Em Pauta: revista da Faculdade de Serviço Social da UERJ, Rio de Janeiro, n. 12, p. 131-148, 1998. GOMES, L. G. F. F. Novela e sociedade no Brasil. Niterói: EdUFF, 1998. PUCCI, B.; OLIVEIRA, N. R.; SGUISSARDI, V. O ensino noturno e os trabalhadores. 2. ed. São Carlos: EdUFSCar, 1995. 148 p. REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. Rio de Janeiro: IBGE, 1939- . Trimestral. SÃO PAULO (Estado). Decreto nº. 42.822, de 20 de janeiro de 1998. Lex: coletânea de legislação e jurisprudência, São Paulo, v. 62, n. 3, p. 217-220, 1998. SILVA, M. M. L. Crimes da era digital. .Net, Rio de Janeiro, nov. 1998. Seção Ponto de Vista. Disponível em: <http://www.brazilnet.com.br/contexts/brasilrevistas.htm>. Acesso em: 28 nov. 1998.

×