Distribuição de matéria

989 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
989
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Distribuição de matéria

  1. 1. Tema 3 O Transporte nas Plantas O Transporte nos Animais José Carlos Morais
  2. 2. Tema 3 Qualquer que seja a forma como os seres vivos obtêm a matéria, necessitam de a distribuir pelas células para garantir a sobrevivência do organismo. Seres Autotróficos Ingestão, Absorção Matéria Orgânica Fotossíntese Seres Unicelulares ou Pluricelulares simples Seres Heterotróficos Seres Multicelulares complexos José Carlos Morais
  3. 3. Tema 3 Transporte nas Plantas Sistemas de Transporte Xilema Tecidos Condutores das plantas vasculares Transporta água e iões minerais (seiva bruta ou xilémica) absorvidos na raiz até aos locais onde se realiza a fotossíntese (essencialmente folhas) Floema Distribui água e compostos orgânicos (seiva elaborada ou floémica) produzidos na fotossíntese por todas as células da planta. José Carlos Morais
  4. 4. Tema 3 Transporte nas Plantas Sistemas de Transporte Células dos Tecidos Condutores das plantas vasculares Xilema Floema Traqueídeos Tubos crivosos Elementos de vasos Células de companhia Sistema de suporte Fibras lenhosas Fibras Sistema de reserva Parênquima lenhoso Parênquima Sistema de transporte Células vivas Células mortas José Carlos Morais
  5. 5. Tema 3 Transporte nas Plantas Sistemas de Transporte Células dos Tecidos Condutores das plantas vasculares Xilema Floema José Carlos Morais
  6. 6. Tema 3 Transporte nas Plantas Sistemas de Transporte Xilema Epiderme Parênquima Periciclo Endoderme Xilema Floema Floema José Carlos Morais
  7. 7. Transporte nas Plantas Tema 3 Sistemas de Transporte Esclerênquima Ar Epiderme Vasos do Xilema Parênquima Feixe Vascular Duplo Caule de uma Monocotiledónea Tubos Crivosos Células de Companhia Células do Floema José Carlos Morais
  8. 8. Tema 3 Transporte nas Plantas Monocotiledónea Sistemas de Transporte José Carlos Morais
  9. 9. Transporte nas Plantas Tema 3 Sistemas de Transporte Cortex Epiderme Vasos do Xilema Câmbio Vascular Medula Feixe Vascular Duplo Medula Cortex Caule de uma Dicotiledónea Tubos Crivosos e Células de Companhia Fibras Células do Floema José Carlos Morais
  10. 10. Tema 3 Transporte nas Plantas Dicotiledónea Sistemas de Transporte José Carlos Morais
  11. 11. Transporte nas Plantas Tema 3 Sistemas de Transporte Cutícula Epiderme Superior Tecido Dérmico Parênquima Paliçada Dicotiledónea Parênquima Lacunar Feixe Vascular Xilema Floema Células Guarda Estoma Epiderme Inferior Cutícula José Carlos Morais
  12. 12. Tema 3 Transporte nas Plantas Absorção da água e solutos Iões entram por difusão ou transporte activo (dependendo da sua concentração no solo) Água entra por osmose (o solo é um meio hipotónico) José Carlos Morais
  13. 13. Transporte nas Plantas Tema 3 Transporte no Xilema Acumulação de iões nas células da raiz Entrada de água por osmose Pressão de turgescência (maior potencial hídrico) força subida da água pelos vasos xilémicos Gutação A pressão radicular não é suficiente para explicar a subida da água até ao cimo da planta. José Carlos Morais
  14. 14. Tema 3 Transporte nas Plantas Transporte no Xilema Evaporação pelos estomas das folhas Tensão Fluxo da Água Capilaridade Locais com maior concentração de solutos têm uma maior pressão osmótica e um menor potencial hídrico (ou osmótico) Potencial Hídrico Baixo Coesão entre moléculas de água (pontes H) Adesão da água à paredes de celulose Entrada de água pela raíz Potencial Hídrico Alto José Carlos Morais
  15. 15. Tema 3 Transporte nas Plantas Controlo da Transpiração Luz, pH, CO2, e iões regulam a turgescência e abertura dos estomas (ver apresentação específica sobre a importância da luz na abertura dos estomas) José Carlos Morais
  16. 16. Tema 3 Transporte nas Plantas Transporte no Floema No século XVII, o italiano Marcelo Malpighi retirou um anel de casca a uma planta, assegurando que todos os tecidos exteriores ao xilema, incluindo o floema, fossem extraídos. Teve ainda o cuidado de retirar todas as folhas da zona inferior ao anel. Passados alguns dias, pôde observar que todas as folhas e ramos situados acima do anel se encontravam viçosos, e que o rebordo superior do anel se encontrava dilatado e cicatrizado, o que não acontecia com o rebordo inferior. Experiência de Münch José Carlos Morais
  17. 17. Transporte nas Plantas Tema 3 Transporte no Floema Experiência de Münch Transporte do açúcar no Floema Pouco açúcar Muito açúcar Regresso da água ao Xilema José Carlos Morais
  18. 18. Tema 3 Transporte nas Plantas Transporte no Floema Células de companhia promovem transporte activo da sacarose para o interior dos tubos crivosos Elevada concentração de sacarose nos tubos crivosos Aumento da pressão osmótica Entrada de água do xilema para o floema Solução aquosa de sacarose desloca-se a favor do gradiente Células de companhia promovem a saída da sacarose para as células de destino Redução da pressão osmótica Saída de água para o xilema José Carlos Morais
  19. 19. Tema 3 Transporte nas Plantas Transporte no Floema José Carlos Morais
  20. 20. Transporte nas Plantas Tema 3 Transporte no Floema Entrada de Sacarose Movimento da água por osmose Células receptoras Tubos Crivosos ao longo do caule da planta Células de Companhia Células “fonte” nas folhas Saída de Sacarose Saída da água por osmose José Carlos Morais

×