Tendências e desafios atuais da web - IPV6 - Lucas Pinz

372 visualizações

Publicada em

Palestrante Tendências e desafios atuais da web - IPV6, palestrante Lucas Pinz. Apresentação feita durante o Rio Info 2014

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Cidades como Santander, Barcelona, Budapeste, Estocolomo, Cingapura, Taipei tem implementado sensores inteligentes para otimizar o estacionamento público nas ruas. É um problema evidente na Europa e cidades como São Paulo poderiam se beneficiar muito desse tipo de solução. Lembrando que os primeiros sensores de estacionamento foram implementados em Oklahoma em 1935. A diferenca é que agora eles se conectam via redes sem fio e as informações são acessíveis remotamente através de um smartphone. O tempo de vida util de um sensor desses é de mais de 10 anos de bateria e só são substituídos quando a prefeitura precisa refazer o asfalto.
    Sensors are installed in on-street parking spaces to help citizens find open spaces via a smartphone app. They communicate their status via the City WiFi network and datacenter to provide consumers with actionable information and provide the city with data on infra use and vehicle and commerce activity patterns
    Empresa StreetLine
  • Smart Street Lighting sensors in smart light poles can detect moving objects, including people and animals, in the street and adjust light levels accordingly. Lighting is managed via the city WiFi network, including the ability to issue alerts for bulb outages and other damage for more efficient maintenance
  • 99% das coisas não estão conectadas à internet hoje. A Cisco estima que nos próximos anos cerca de 50 bilhões de dispositivos estejam conectados à internet gerando um mercado de cerca de 15 trilhões de dolares.
  • E como as coisas estarão conectadas? Novos micro sensores e padrões de comunicação estão sendo criados e em breve qualquer objeto poderá estar conectado. Por exemplo:
    6LoWPAN (IPv6 over Low power Wireless Personal Area Networks.) : trata-se de um grupo de trabalho do IETF que desenvolve hardware capaz de habilitar a internet, atraves de IPv6, nos menores dispositivos, que além do baixo consumo de energia, tenham também limitações de processamento.
    DASH7: é um padrão RFID. padrão de comunicação sem fio que opera na faixa de 433MHz não licenciada. Uma das grandes vantagens é´que preserva bateria, tem sistemas criptografia e opera com taxa de até 200kbits de transferencia de dados. É uma alternativa ao ZigBee e Z-WAVE.
    ZIGBEE: baseado no padrão IEEE 802.15 é utilizado para redes sem fio que requerem uma baixa taxa de tx de dados, longa vida para a bateria e segurança.
    802.11ah: padrão WiFi de baixa velocidade de tx de dados e que pode operar em um range de 1Km.
    Z-WAVE: protocolo de comunicação sem fio desenvolvido para automação residencial.
  • Timeslotted Channel Hopping (TSCH) – draft do IETF (draft-watteyne-6tisch-tsch-00)
    http://tools.ietf.org/html/draft-watteyne-6tisch-tsch-00
  • Por onde começar?
    Existem algumas estratégias para isso.
    NÚCLEO-BORDA: é uma estratégia onde se inicia a implantação do IPv6 no núcleo da rede e aos poucos vai se implantando IPv6 até a borda. Normalmente, é mais fácil se implementar IPv6 nos roteadores de core, até porque se endereça mais facilmente questões relacionadas à segurança e gerenciamento. Neste cenário há uma ganho na experiencia operacional antes de ir para a borda. Mas esse approach é melhor aplicado para implementações de testes pois vai no contra fluxo do esgotamento do IPv4.
    EDGE-CORE: Uma outra estratégia é implementar IPv6 primeiro no edge da rede e depois (ou não) levar para o core. Essa estratégia é interessante quando o IPv6 precisa ser rapidamente implementado nos usuários.
    BORDA INTERNET – NÚCLEO: a conexão em IPv6 com a internet deve ser priorizada. Especialmente no Brasil, há operadoras já preparadas para entregar a conectividade em IPv6. É uma estratégia recomenda para, por exemplo, se disponibilizar conteúdo em IPv6. O core não necessariamente precisa ser IPv6. Pode-se tunelar o tráfego, por exemplo, entre um WEB server a o peering da rede. Minha recomendação é que se comece pelo Edge, seja no link WAN, seja na conectividade com a Internet. A medida que voce prepara seus equipamentos de borda, como firewall, CPEs, IPS/IDS, ficará mais fácil fazer uma amplo deployment de IPv6 até o nucleo da rede.
  • Por onde começar?
    Existem algumas estratégias para isso.
    NÚCLEO-BORDA: é uma estratégia onde se inicia a implantação do IPv6 no núcleo da rede e aos poucos vai se implantando IPv6 até a borda. Normalmente, é mais fácil se implementar IPv6 nos roteadores de core, até porque se endereça mais facilmente questões relacionadas à segurança e gerenciamento. Neste cenário há uma ganho na experiencia operacional antes de ir para a borda. Mas esse approach é melhor aplicado para implementações de testes pois vai no contra fluxo do esgotamento do IPv4.
    EDGE-CORE: Uma outra estratégia é implementar IPv6 primeiro no edge da rede e depois (ou não) levar para o core. Essa estratégia é interessante quando o IPv6 precisa ser rapidamente implementado nos usuários.
    BORDA INTERNET – NÚCLEO: a conexão em IPv6 com a internet deve ser priorizada. Especialmente no Brasil, há operadoras já preparadas para entregar a conectividade em IPv6. É uma estratégia recomenda para, por exemplo, se disponibilizar conteúdo em IPv6. O core não necessariamente precisa ser IPv6. Pode-se tunelar o tráfego, por exemplo, entre um WEB server a o peering da rede. Minha recomendação é que se comece pelo Edge, seja no link WAN, seja na conectividade com a Internet. A medida que voce prepara seus equipamentos de borda, como firewall, CPEs, IPS/IDS, ficará mais fácil fazer uma amplo deployment de IPv6 até o nucleo da rede.
  • Por onde começar?
    Existem algumas estratégias para isso.
    NÚCLEO-BORDA: é uma estratégia onde se inicia a implantação do IPv6 no núcleo da rede e aos poucos vai se implantando IPv6 até a borda. Normalmente, é mais fácil se implementar IPv6 nos roteadores de core, até porque se endereça mais facilmente questões relacionadas à segurança e gerenciamento. Neste cenário há uma ganho na experiencia operacional antes de ir para a borda. Mas esse approach é melhor aplicado para implementações de testes pois vai no contra fluxo do esgotamento do IPv4.
    EDGE-CORE: Uma outra estratégia é implementar IPv6 primeiro no edge da rede e depois (ou não) levar para o core. Essa estratégia é interessante quando o IPv6 precisa ser rapidamente implementado nos usuários.
    BORDA INTERNET – NÚCLEO: a conexão em IPv6 com a internet deve ser priorizada. Especialmente no Brasil, há operadoras já preparadas para entregar a conectividade em IPv6. É uma estratégia recomenda para, por exemplo, se disponibilizar conteúdo em IPv6. O core não necessariamente precisa ser IPv6. Pode-se tunelar o tráfego, por exemplo, entre um WEB server a o peering da rede. Minha recomendação é que se comece pelo Edge, seja no link WAN, seja na conectividade com a Internet. A medida que voce prepara seus equipamentos de borda, como firewall, CPEs, IPS/IDS, ficará mais fácil fazer uma amplo deployment de IPv6 até o nucleo da rede.
  • Constrained Application Protocol (CoAP) is a software protocol intended to be used in very simple electronics devices that allows them to communicate interactively over the Internet. It is particularly targeted for small low power sensors, switches, valves and similar components that need to be controlled or supervised remotely, through standard Internet networks. CoAP is an application layer protocol that is intended for use in resource-constrained internet devices, such as WSN nodes. CoAP is designed to easily translate to HTTP for simplified integration with the web, while also meeting specialized requirements such as multicast support, very low overhead, and simplicity.[1][2] Multicast, low overhead, and simplicity are extremely important for Internet of Things (IoT) and Machine-to-Machine (M2M) devices, which tend to be deeply embedded and have much less memory and power supply than traditional internet devices have. Therefore, efficiency is very important. CoAP can run on most devices that support UDP or a UDP analogue. When used with 6LoWPAN as defined in RFC 4944, messages SHOULD fit into a single IEEE 802.15.4 frame to minimize fragmentation.
  • Tendências e desafios atuais da web - IPV6 - Lucas Pinz

    1. 1. Tendências e desafios atuais da Web IPv6 Lucas Pinz Gerente Sênior de Tecnologia lucas.pinz@br.promonlogicalis.com lucas.pinz@sloan.mit.edu @lucaspinz Rio de Janeiro, 16 de Setembro de 2014 © Copyright 2014 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados.
    2. 2. 2| Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 Prof. David Gelernter “Este livro descreve um evento que ocorrerá em algum dia: em breve você olhará na tela de um computador e verá a realidade” (Prof. D.G - 1991) Fonte: amazon.com
    3. 3. 3| Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 ““A Internet ddaass CCooiissaass ttrraarráá aa rreeaalliiddaaddee ddoo mmuunnddoo ppaarraa oo ccoommppuuttaaddoorr qquuee ccaarrrreeggaammooss ttooddooss ooss ddiiaass”” Foto: Lucas Pinz
    4. 4. 4| Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 ““NNoossssoo SSMMAARRTTPPHHOONNEE éé oo eelleemmeennttoo bbáássiiccoo ddoo KKIITT ddee ccoonnssttrruuççããoo ddaa IInntteerrnneett ddaass CCooiissaass”” Foto: whisteout
    5. 5. ““AA iinntteerrcceessssããoo eennttrree CClloouudd ee ccoonneeccttiivviiddaaddee aajjuuddaarráá aa ccrriiaarr aa IInntteerrnneett ddaass CCooiissaass ”” Foto: xively todos os dias” 5| “A Internet das Coisas trará a realidade do mundo para o computador que carregamos Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    6. 6. ““SSeennssoorreess iinntteelliiggeenntteess ccoonneeccttaarrããoo oo qquuee aanntteess nnããoo eessttaavvaa ccoonneeccttaaddoo ”” Estacionamento Público ((rruuaa)) IInntteelliiggeennttee Foto: Lucas Pinz 6| Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    7. 7. Gerenciamento IInntteelliiggeennttee ddoo LLiixxoo Foto: LUCAS PINZ 7| Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    8. 8. Carregador Público Inteligente ddee CCaarrrrooss EEllééttrriiccooss Foto: LUCAS PINZ 8| Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    9. 9. Connected Bus Stop Foto: libelium Agricultura Conectada 9| Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    10. 10. Sensores Inteligentes de Meio-ambiente Foto: LUCAS PINZ 10 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    11. 11. Iluminação Pública Inteligente Foto: LUCAS PINZ 11 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    12. 12. Parada de Ônibus Conectada Foto: LUCAS PINZ 12 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    13. 13. Sincronismo de Semáforo Fonte: http://www.ctvnews.ca/autos/audi-wants-to-make-stopping-at-red-lights-a-thing-of-the-past-1.1723744 13 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    14. 14. A Internet das Coisas está no TOP10 das tendências tecnológicas estratégicas. A Internet das Coisas está no TOP10 das tendências tecnológicas estratégicas. O Gartner espera que mais de 30 bilhões de novos objetos serão conectados à Internet até 2020 O Gartner espera que mais de 30 bilhões de novos objetos serão conectados à Internet até 2020 A base instalada da Internet das Coisas será de aproximadamente 212 bilhões de elementos em 2020, o que inclui 30 bilhões de novas “coisas” conectadas nos próximos 6 anos. A base instalada da Internet das Coisas será de aproximadamente 212 bilhões de elementos em 2020, o que inclui 30 bilhões de novas “coisas” conectadas nos próximos 6 anos. “A oportunidade é gigante, uma vez que o número de unidades potencialmente alcança dezenas de bilhões. Similar a onda da internet móvel...” “A oportunidade é gigante, uma vez que o número de unidades potencialmente alcança dezenas de bilhões. Similar a onda da internet móvel...” 14 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    15. 15. ACgornicnuelcttuerda BCuosn eScttoapda 15 | São bilhões de sensores, objetos, pessoas, apps, conectados e que transformarão a sociedade e os negócios nos próximos anos. São bilhões de sensores, objetos, pessoas, apps, conectados e que transformarão a sociedade e os negócios nos próximos anos. Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    16. 16. 16 | Fase 3 Fase 2 EExxppeerriiêênncciiaa EE-BBuussiinneessss DDiiggiittaalliizzaannddoo ooss PPrroocceessssooss ddee NNeeggóócciiooss CONEXÕES IINNTTEELLIIGGEENNTTEESS Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 NEGÓCIOS/SOCIAL IMPACTO • EE--ccoommmmeerrccee • DDiiggiittaall SSuuppppllyy CChhaaiinn • CCoollaabboorraaççããoo IImmeerrssiivvaa DDiiggiittaalliizzaannddoo IInntteerraaççõõeess • SSoocciiaall • MMoobbiilliittyy • CClloouudd • VViiddeeoo Fase 4 IInntteerrnneett ddaass CCooiissaass DDiiggiittaalliizzaannddoo oo MMuunnddoo • PPeessssooaass • PPrroocceessssooss • DDaaddooss • CCooiissaass Evolução da Internet Fonte: Cisco
    17. 17. Usando micro sensores cada objeto pode se tornar conectado e inteligente 66LLooWWPPAANN DDAASSHH77 MM22MM RRFFIIDD BBlluueettooootthh44..00 ZZ--WWAAVVEE 880022..1111aahh WWiiFFii MMeesshh ZZiiggBBeeee .............. Fonte: iStockphoto/chris_lemmens; Gartner; PromonLogicalis 18 | ▪ Source: iStockphoto/chris_lemmens; Gartner; PromonLogicalis IIPPvv66 Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    18. 18. O IPv6 é o protocolo alicerce para a Internet das Coisas Connected Bus Stop 19 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    19. 19. A partir do IPv6 World Launch a adoção do IPv6 vem duplicando a cada 9 meses. Continuando assim, tráfego global IPv6 = tráfego global IPv4 em 5 anos. IPv4 IPv4+NAT IPv6 Launch IPv6 Computação Fixa Mobilidade Internet das Coisas Internet de Todas as Connected Bus Stop Fonte: Cisco IBSG, 2013 20 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 Coisas
    20. 20. Cenário Atual EEssggoottaammeennttoo ddoo IIPPvv44 Bloco IPv4 IANA esgotado em 2011 http://inetcore.com/project/ipv4ec/index_pt.html http://www.labs.lacnic.net/stats/reports/ 21 | Bloco IPv4 LACNIC já esgotado!! Disponíveis apenas blocos reservas IANA RIR Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 LACNIC
    21. 21. Cenário Atual No Brasil o tráfego IPv6 continua crescendo 22 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 http://sp.ptt.br/cgi-bin/agregado-ipv6 http://ipv6.br/estatisticas/#brsites
    22. 22. Cenário Atual 23 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 Alocações de blocos IPv6 http://www.ipv6actnow.org/info/statistics/#alloc
    23. 23. Exemplo: Smart Grid – Implementação no curto prazo Open Standard SmartGrid Open Standard SmartGrid Conexões M2M WW Conexões M2M WW Fonte: Analysys Mason 2013 24 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6
    24. 24. 26 | Uso público – I Rio Info 2014 – Tendências e Desafios Atuais da WEB – IPv6 INTERNET DAS COISAS Não é futuro. É realidade UM NOVO MERCADO US$19 trilhões em oportunidades IPv6 Alicerce que viabilizará a Internet das Coisas Conclusão Fonte: figura iot-online.com
    25. 25. © Copyright 2014 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados.

    ×