Dow.com 
Aminas em Household 
Aspectos regulatórios e novas oportunidades 
Ricardo Luiz: Aminas e Quelantes TS&D América L...
AGENDA 
2 
•Sobre a Dow 
•Portfólio de Aminas Dow 
•Aminas em Produtos de Limpeza 
•Aspectos Regulatórios LAA 
•Formulaçõe...
Sobre a Dow 
3 
Oferece uma variedade de soluções em tecnologia para clientes em aproximadamente 180 países 
Cadeia de val...
Performance Materials 
4 
Principais Propulsores do Mercado 
• 
Eletrônicos 
• 
Produtos Farmacêuticos 
• 
Suprimentos de ...
O foco da Dow em sustentabilidade está em tudo que fazemos – nossas operações, estratégia, inovações e ações diárias. As n...
Dow.com 
PORTFÓLIO DE AMINAS DOW
AMINAS 
7 
•Composto orgânico derivado da amônia e obtido através da substituição de seus hidrogênios por radicais aquila ...
8 
Etanolaminas Isopropanolaminas Etilenoaminas Alquil Alcanolaminas Otras. 
MEA 
MIPA 
DEA 
TEA 
DIPA 
TIPA 
EDA 
H2NHN N...
9
10 
AMINAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA 
• 
Controle de pH. 
• 
Baixa irritação à pele em comparação ao NaOH. 
• 
Excelente form...
11 
AMINAS EM SURFACTANTES ANIÔNICOS 
OHO+ R1 HN R2OOR1H2NR2R1HNR2 
 
Monoetanolamina 
 
Dietanolamina 
 
Trietanolamin...
 
Monoetanolamina 
 
Dietanolamina 
 
Monoisopropanolamina 
 
Diisopropanolamina Melhor estabilidade frente a presença...
13 
AMINAS EM SURFACTANTES ANFOTÉRICOS
14 
AMINAS EM AMACIANTES 
 
Trietanolamina (TEA) 
 
N-metil-dietanolamina (MDEA) 
 
Dietilenotriamina (DETA) 
Promove e...
Dow.com 
ASPECTOS REGULATÓRIOS LAA
16 
TODAS AS AMINAS PODEM SER UTILIZADAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA? 
Lei n 6360, 1976 – Dispõe sobre a vigilância sanitária q...
17 
TODAS AS AMINAS PODEM SER UTILIZADAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA? 
RDC nº 46/2002 - Aprovar o Regulamento Técnico para o ál...
18 
TODAS AS AMINAS PODEM SER UTILIZADAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA? 
Resolução n 16 – Dispõe sobre os Critérios para Peticion...
19 
TODAS AS AMINAS PODEM SER UTILIZADAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA? 
• 
A seguinte informação faz referência aos critérios qu...
20 
• 
O produto não deverá conter nenhum ingrediente classificado com qualquer frase de risco de acordo com a Diretiva Eu...
21 
IARC
22 
Prop 65
23 
Mudanças na FISPQ
Dow.com 
FORMULAÇÕES
25 
Exemplos de Formulação
26 
Exemplos de Formulação
27 
Exemplos de Formulação
28 
Exemplos de Formulação 
Trietanolamina 85% 85% de Trietanolamina 15% de Dietanolamina 
• 
Aumentar a alcalinidade; 
• ...
Dow.com 
OPORTUNIDADES
30 
Etanolaminas de maior pureza 
Produto 
Componentes 
Ponto de congelamento 
Ponto de ebulição 1 atm 
Viscosidade (mPa.s...
31 
Isopropanolaminas 
Produto 
Componentes 
Ponto de congelamento 
Ponto de ebulição 1 atm 
Viscosidade (mPa.s) 20°C 
Mon...
32 
Etanolaminas Isopropanolaminas 
MEA 
MIPA 
TEA 
TIPA 
Isopropanolaminas versus Etanolaminas 
918 mg KOH/g 
376 mg KOH/...
33 
Cocamida MIPA versus Cocamida DEA 
 
Sólido 
 
99% pureza 
 
DEA free 
 
Líquido 
 
90% pureza 
 
1 – 5% DEA 
Fo...
34 
Cocamida MIPA versus Cocamida DEA 
Cocamida DEA 
Cocamida MIPA 
12% lauril éter sulfato de sódio 1% Cocamidas DEA e MI...
35 
Cocamida MIPA versus Cocamida DEA 
Fonte: Science Direct 
Cocamida DEA 
Cocamida MIPA
Aminas: http://www.dow.com/amines Ricardo Luiz- Amines and Chelants TS&D Latin America - rvluiz@dow.com 
CONTATO
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Luiz – Dow Brasil
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Luiz – Dow Brasil

738 visualizações

Publicada em

Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Luiz – Dow Brasil

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
738
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Luiz – Dow Brasil

  1. 1. Dow.com Aminas em Household Aspectos regulatórios e novas oportunidades Ricardo Luiz: Aminas e Quelantes TS&D América Latina
  2. 2. AGENDA 2 •Sobre a Dow •Portfólio de Aminas Dow •Aminas em Produtos de Limpeza •Aspectos Regulatórios LAA •Formulações •Oportunidades •Perguntas
  3. 3. Sobre a Dow 3 Oferece uma variedade de soluções em tecnologia para clientes em aproximadamente 180 países Cadeia de valor integrada alinhada a setores de alto crescimento, como de embalagens, eletrônicos, água, revestimentos e agricultura Vendas anuais de US$ 57 bilhões em 2013 Aproximadamente 53.000 funcionários em todo o mundo 6.000 produtos em 201 unidades fabris presentes em 36 países ao redor do mundo
  4. 4. Performance Materials 4 Principais Propulsores do Mercado • Eletrônicos • Produtos Farmacêuticos • Suprimentos de Limpeza • Refino e processamento de gás • Transporte Família da Marca BETAMATE™ de Próxima Geração NEPTUNE™ Isolamento de Garantia de Fluxo Soluções de Espumas Viscoelásticas de Próxima Geração Epóxi PROLOGIC™ Série HS 8000 PASCAL™ Tecnologia para Eletrodomésticos UCON™ Soluções PAG Solúveis em Óleo UCARSOL™ Xisto H para Tratamento de Gás Principais Inovações • Lubrificantes industriais • Energia solar concentrada • Móveis e roupas de cama • Bens duráveis de consumo ®™ Marca Registrada da The Dow Chemical Company (“Dow”) ou de uma de suas companhias afiliadas. BETAFOAM™ Renue Em Performance Materials, nossas ações de disciplina de custo impulsionam eficiências operacionais, ao mesmo tempo que nossos investimentos em desidrogenação de propano (PDH) e no Sadara posicionam bem este segmento para a expansão das margens no curto prazo. Total das Vendas US$13.415 (dólares em milhões) Aminas Orgânicos Clorados Epóxi Solventes Oxigenados Poliuretanos Óxido de Propileno/ Propileno Glicol Poliglicóis, Surfactantes e Fluídos
  5. 5. O foco da Dow em sustentabilidade está em tudo que fazemos – nossas operações, estratégia, inovações e ações diárias. As nossas Metas de Sustentabilidade para 2015 refletem o nosso compromisso com o uso da ciência e da tecnologia para tratar dos desafios sociais e ambientais, além de reduzir nossa pegada global, à medida que crescemos de modo lucrativo. • Química Sustentável • Tratar das Mudanças Climáticas • Grandes Avanços para os Desafios Mundiais • Proteção Local da Saúde Humana • Contribuir para o Sucesso da Comunidade • Liderança em Segurança do Produto • Eficiência e Conservação de Energia 5 • Recebeu o nono U.S. Presidential Green Chemistry Challenge Award da EPA – mais que o dobro que qualquer outra companhia – pela Tecnologia de Polímeros Pré-Compósitos EVOQUE™ • Indicada ao Índice Mundial de Sustentabilidade Dow Jones pela13ª vez • Recebeu a sexta avaliação A+ consecutiva da Global Reporting Initiative (GRI) e reconhecimento do Pacto Global da ONU pelas nossas Comunicações sobre Progresso em nosso Relatório Anual de Sustentabilidade de 2012 Sustentabilidade Mais detalhes sobre as práticas de sustentabilidade da Dow, incluindo as atualizações completas das Metas de Sustentabilidade para 2015, podem ser encontradas em www.dow.com/sustainability Metas Reconhecimentos Recentes
  6. 6. Dow.com PORTFÓLIO DE AMINAS DOW
  7. 7. AMINAS 7 •Composto orgânico derivado da amônia e obtido através da substituição de seus hidrogênios por radicais aquila e/ou arila; •Utilizado principalmente como alcalinizante em diversas aplicações; •Sua classificação depende do tipo e número de grupos R unidos ao átomo de nitrogênio; •Sua alcalinidade e solubilidade diminuem com o aumento dos grupos R. •O que é uma amina?
  8. 8. 8 Etanolaminas Isopropanolaminas Etilenoaminas Alquil Alcanolaminas Otras. MEA MIPA DEA TEA DIPA TIPA EDA H2NHN NH2H2NHN NH NH2 DETA TETA H2NNH2 MDEA AMINAS
  9. 9. 9
  10. 10. 10 AMINAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA • Controle de pH. • Baixa irritação à pele em comparação ao NaOH. • Excelente formação e controle de espuma. Estearato de TEA Surfactante aniônico
  11. 11. 11 AMINAS EM SURFACTANTES ANIÔNICOS OHO+ R1 HN R2OOR1H2NR2R1HNR2  Monoetanolamina  Dietanolamina  Trietanolamina  N-metil-dietanolamina  Monoisopropanolamina  Diisopropanolamina  Triisopropanolamina Melhor formação e controle de espuma frente aos neutralizados por NaOH. Melhor estabilidade frente a presença de Ca2+/Mg2+.
  12. 12.  Monoetanolamina  Dietanolamina  Monoisopropanolamina  Diisopropanolamina Melhor estabilidade frente a presença de Ca2+/Mg2+ em comparação aos surfactantes aniônicos. 12 AMINAS EM SURFACTANTES NÃO IÔNICOS R1HNR2OHO+ R1HN R2NOR1R2+ H2O
  13. 13. 13 AMINAS EM SURFACTANTES ANFOTÉRICOS
  14. 14. 14 AMINAS EM AMACIANTES  Trietanolamina (TEA)  N-metil-dietanolamina (MDEA)  Dietilenotriamina (DETA) Promove excelente maciez sem sensação de engorduramento e possui boa propriedade antiestática.
  15. 15. Dow.com ASPECTOS REGULATÓRIOS LAA
  16. 16. 16 TODAS AS AMINAS PODEM SER UTILIZADAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA? Lei n 6360, 1976 – Dispõe sobre a vigilância sanitária que ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes, e outros produtos. RDC nº 55/2012 - Dispõe sobre os detergentes enzimáticos de uso restrito em estabelecimentos de assistência à saúde com indicação para limpeza de dispositivos médicos e dá outras providências. RDC nº 55/2009 - Dispõe sobre Regulamento Técnico para Produtos Saneantes Categorizados como Água Sanitária e Alvejantes à Base de Hipoclorito de Sódio ou Hipoclorito de Cálcio e dá outras providências. RDC nº 14/2007 - Aprova o Regulamento Técnico para Produtos Saneantes com Ação Antimicrobiana harmonizado no âmbito do Mercosul através da Resolução GMC nº 50/06. RDC nº 208/2003 - Regulamento técnico para Neutralizador de Odores. RDC nº 179/2006 - Aprova o Regulamento técnico para Produtos Saneantes à Base de Bactérias harmonizado no âmbito do Mercosul através da Resolução GMC nº 25/06.
  17. 17. 17 TODAS AS AMINAS PODEM SER UTILIZADAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA? RDC nº 46/2002 - Aprovar o Regulamento Técnico para o álcool etílico hidratado em todas as graduações e álcool etílico anidro, comercializado por atacadistas e varejistas. RDC nº 163/2001 - Aprova o Registro Técnico para produtos saneantes fortemente ácidos e fortemente alcalinos. RDC nº 240/2004 - Altera o Anexo da RDC 163 de 11/09/2001. RDC n° 40/2008 - Produtos de Limpeza e Afins. RDC nº 42/2009 - Notificação de Produtos Saneantes de Risco I. RDC nº 34/2010 - Regulamento Técnico para produtos saneantes desinfetantes. RDC nº 35/2010 - Regulamento Técnico para produtos com ação antimicrobiana utilizado sem artigos críticos e semicríticos. RDC nº 59/2010 - Procedimentos e requisitos técnicos para a notificação e o registro de produtos saneantes. RDC nº 30/2011 - Lista de substâncias de ação conservante permitidas para produtos saneantes.
  18. 18. 18 TODAS AS AMINAS PODEM SER UTILIZADAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA? Resolução n 16 – Dispõe sobre os Critérios para Peticionamento da Autorização de Funcionamento (AFE) e Autorização Especial (AE) de Empresas. Resolução n 47 – Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Produtos Saneantes, e dá outras providências. Resolução n 161, 2004 – Estabelece a proibição, a partir de 1 de Dezembro de 2004, da instalação de novas máquinas de lavar roupa que operem com “percloroetileno”, que não possuam sistema de absorção de gases capaz de esgotar o produto do tambor de lavagem. Decreto 85526, 1980 – Prorroga prazo previsto no artigo 68 do Decreto 79094 de 1977, relativo à fabricação, comercialização ou importação de saneantes de qualquer natureza, contendo tensoativo aniônico, não aniônico, não biodegradável. Produtos Saneantes.
  19. 19. 19 TODAS AS AMINAS PODEM SER UTILIZADAS EM PRODUTOS DE LIMPEZA? • A seguinte informação faz referência aos critérios que devem ser utilizados na formulação de produtos de limpeza institucional, industrial e de uso doméstico, tais como sabões e detergentes em qualquer apresentação (barra, pó, líquido, entre outros); de acordo com a Norma Técnica Colombiana NTC 5131 e as Diretivas Européias Anexo VII 648/2004 e Anexo I 67/548/EEC.
  20. 20. 20 • O produto não deverá conter nenhum ingrediente classificado com qualquer frase de risco de acordo com a Diretiva Européia Anexo I 67/548/EEC ou suas posteriores revisões. • Frases de risco: R45, R46, R50-53, R60, R61 ou qualquer combinação. R 45: Pode causar cancêr. R 46: Pode causar dano genético hereditário. R 50-53: Muito tóxico a organismos aquáticos. R 60: Pode causar infertilidade. R 61: Pode causar danos a crianças em gestação. NORMA TÉCNICA COLOMBIANA NTC 5131
  21. 21. 21 IARC
  22. 22. 22 Prop 65
  23. 23. 23 Mudanças na FISPQ
  24. 24. Dow.com FORMULAÇÕES
  25. 25. 25 Exemplos de Formulação
  26. 26. 26 Exemplos de Formulação
  27. 27. 27 Exemplos de Formulação
  28. 28. 28 Exemplos de Formulação Trietanolamina 85% 85% de Trietanolamina 15% de Dietanolamina • Aumentar a alcalinidade; • Diminuir o ponto de congelamento da TEA (22oC –> 16oC). Cocamide DEA • Possui DEA livre (1-5%).
  29. 29. Dow.com OPORTUNIDADES
  30. 30. 30 Etanolaminas de maior pureza Produto Componentes Ponto de congelamento Ponto de ebulição 1 atm Viscosidade (mPa.s) 20°C Monoetanolamina MEA 99% MEA > 99.0% DEA < 0.2% 10.5°C 170.3°C 24.1 Trietanolamina TEA 99% TEA > 99.0% DEA < 0.5% 20.5°C 336.1°C 93.4 Trietanolamina 99% LFG TEA 99 84-86% DEA < 0.43% Agua 14-16% -5.0°C 119.1°C 40.0
  31. 31. 31 Isopropanolaminas Produto Componentes Ponto de congelamento Ponto de ebulição 1 atm Viscosidade (mPa.s) 20°C Monoisopropanolamina MIPA 99% MIPA > 99.0% 3.0°C 159.0°C 23.0 Diisopropanolamina DIPA > 99,0% 44,5oC 248.0oC 86 Triisopropanolamina TIPA 99% TIPA > 99.5% 44.0°C 306.0°C 100.0 Triisopropanolamina TIPA 99% LFG85 TIPA 99 > 85% Água < 15% 5.0°C 760.0°C 240.0
  32. 32. 32 Etanolaminas Isopropanolaminas MEA MIPA TEA TIPA Isopropanolaminas versus Etanolaminas 918 mg KOH/g 376 mg KOH/g 747 mg KOH/g 293 mg KOH/g Desvantagem: menor alcalinidade. Vantagens: baixo odor de amônia, livre de dietanolamina, menor irritação dérmica, maior hidrofobicidade, não são controlados (não necessita de licença do exército), são utilizados na produção de surfactantes aniônicos (melhor formação e controle de espuma) e amidas DEA free.
  33. 33. 33 Cocamida MIPA versus Cocamida DEA  Sólido  99% pureza  DEA free  Líquido  90% pureza  1 – 5% DEA Fonte: Science Direct
  34. 34. 34 Cocamida MIPA versus Cocamida DEA Cocamida DEA Cocamida MIPA 12% lauril éter sulfato de sódio 1% Cocamidas DEA e MIPA Vantagens Formação de espuma Espuma cremosa Desengordurante Menor irritação aos olhos e pele Viscosidade Fonte: Science Direct
  35. 35. 35 Cocamida MIPA versus Cocamida DEA Fonte: Science Direct Cocamida DEA Cocamida MIPA
  36. 36. Aminas: http://www.dow.com/amines Ricardo Luiz- Amines and Chelants TS&D Latin America - rvluiz@dow.com CONTATO

×