Poda praça cap josé moreira de souza [1]

203 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
203
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poda praça cap josé moreira de souza [1]

  1. 1. Praça Cap. José Moreira de Souza – Observa-se a poda de levantamento excessiva, com perda acima de 50% de volume de copa nos exemplares demonstrados com setas e círculo na imagem à esquerda e no exemplar de ipê roxo (T avellanedae) à direita. Esta prática configura-se em poda drástica por remover mais de 1/3 do volume das copas. As árvores ficaram com área reduzida de fotossíntese e fragilizadas pela operação tecnicamente inadequada.
  2. 2. Exemplares que não necessitavam de poda e mesmo assim sofreram a prática, deixando suas copas extremamente elevadas e apresentando-se os mesmos problemas destacados nas imagens anteriores. As árvores não causavam qualquer interferência e com a poda perderam sua função ornamental, além de agora, comporem risco de quebra em uma ventania.
  3. 3. Limpeza excessiva e desnecessária de palmeiras. Ocorreu a desconfiguração do seu aspecto natural retirando-se exageradamente suas folhas.
  4. 4. Poda desnecessária em ramos grossos muito elevados de Tipuana tipu na Praça Cap. José M de Souza. Não causavam qualquer inconveniente, já estavam excessivamente elevados, após outra poda exagerada ocorrida no ano de 2009.
  5. 5. Praça José M de Souza. Podas desnecessárias em ramos grossos com mais de 20 cm de diâmetro, inseridos no tronco a mais de 4 metros de altura do solo. Tecnicamente não há justificativas ou embasamento para as podas. Houve desrespeito à Lei de Arborização Municipal 11.571/03. A poda lascou os ramos de maneira fora da boa técnica e dificultando o processo de cicatrização. Compõe-se locais de entrada de pragas, doenças e de facilitação de apodrecimentos, prejudicando os vegetais.
  6. 6. Aspecto final da paisagem local após a poda, perda da função ambiental e ornamental das árvores. Árvores excessivamente altas, perda de sombreamento, fragilização e composição de risco pela remoção da copa, que amorteceria o impacto do vento distribuindo sua força pela área total dos indivíduos. Ocorreu o esqueletamento dos indivíduos e o vento terá efeito direto sobre o restante da copa, podendo quebrar o tronco ou ramos.
  7. 7. Diferenças entre locais que atenderam à recomendações técnicas à esquerda e com podas desconfiguradoras à direita. Diferenças entre o aspecto agradável à esquerda e o aspecto desnecessário de destruição à direita. Largo Santa Cruz conduzido adequadamente (ramos em altura compatível ao local, sombreamento e aspecto natural das árvores preservado). Praça Cap. José M de Souza – poda desnecessária que desconfigurou: Ipês Amarelos, ipês roxo, Tipuana sp e jacarandás

×