Saga

481 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
481
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saga

  1. 1. “Saga” É um texto narrativo de Sophiade Mello Breyner Andresen.
  2. 2.  Meu rosto se mistura com o diaNuvens telhados ramagens e DezembroApaixonada estou dentro do tempoQue me abriga com canto e com imagensTão abrigada estou dentro da horaQue nem lamento já a tarde antigaTudo se torna presente e se demoraSerá que o dia me pede que eu o diga?
  3. 3. A civilização em que estamos é tão errada queNela o pensamento se desligou da mãoUlisses rei da Ítaca carpinteirou seu barcoE gabava-se também de saber conduzirNum campo a direito o sulco do arado
  4. 4.  Vem do mar azul o marinheiroVem tranquilo ritmado inteiroPerfeito como um deus,Alheio às ruas
  5. 5.  Há um intenso orgulhoNa palavra AçorE em redor das ilhasO mar é maiorComo num convésRespiro amplidãoNo ar brilha a luzDa navegaçãoMas este convésÉ de terra escuraÉ de lés a lésPrado agriculturaÉ terra lavradaPor navegadoresE os que no marpescamSão agricultoresPor isso há nos homensAprumo de proaE não sei que sonhoEm cada pessoaAs casas são brancasEm luz de pintorQuem pintou as barrasAfinou a corAqui o antigoTem o limpo do novoÉ o mar que trazDo largo o renovoE como num convésDe intensa limpezaHá no ar um brilhoDe bruma e clarezaÉ convés lavradoEm plena amplidãoÉ o mar que trazAs ilhas na mãoBuscámos no mundoMar e maravilhasDeslumbradamenteSurgiram nove ilhasE foi na TerceiraCom o mar à proaQue nasceu a mãeDo poeta PessoaEm cujo poemaRespiro amplidãoE me cerca a luzDa navegaçãoEm cujo poemaComo num convésA limpeza extremaLuz de lés a lésPoema onde estáA palavra puraDe um povo cindidoPor tanta aventuraPoema onde estáA palavra extremaQue une ereconhecePois só no poemaUm povo amanhece

×