O Carro dos Milagres
Benedicto Monteiro
Parte I
O autor
Nasceu em Alenquer
em 1 de março de 1924 —
faleceu em Belém, 15 de junho
de 2008. Foi um escritor,
jornalista, adv...
O autor
Cursou o científico no
Colégio
Rabelo,
iniciando
também os seus estudos de
Direito na Universidade do Brasil.
Dipl...
A obra
O Livro O Carro dos
Milagres, de Benedicto
Wilfred Monteiro (19242008) é uma coletânea
de narrativas publicada
em 1...
O conto
Premiada
pela
Academia
Paraense
de
Letras, a presente coletânea
contêm relatos de um
caboclo que vem “das
brenhas ...
O enredo
O Carro dos Milagres apresenta a
experiência de um caboclo (acredita-se ser
este Miguel dos Santos Prazeres, embo...
Primeiramente, nota-se o “diálogo” entre
dois caboclos (Personagem-narrador e o
Compadre) que vieram acompanhar o Círio,
s...
Foco-narrativo
• Narrador em primeira pessoa.
• A narrativa flui a partir de um
diálogo entre compadres, em que
o narrador...
Tempo
• · Tempo cronológico – dois dias seguidos, desde
a madrugada do Círio até à tarde do dia
seguinte: “três horas da t...
Lugar/Espaço
• · Espaço físico: Largo da Sé (atual praça Dom Frei
Caetano Brandão), catedral da Sé bairro da
Cidade Velha,...
Estrutura da Narrativa
• · Principais:
• Narrador (com o nome subentendido “Miguel dos Santos
Prazeres”);
• Compadre “de c...
Fragmento...
Olhe compadre, nem quero lhe contar
a triste sina deste meu barco-a-vela feito de
tala de miriti. Eu trouxe e...
Fragmento...
Tive que correr terra – o senhor pensa
– pra cumprir dita promessa. E trazer com
minhas próprias mãos, esta v...
Digressão
Uma digressão (do latim digressĭo, ōnis) é o efeito de romper a continuidade
de um discurso com uma mudança de t...
Exemplo...
Esse pano branco da rede da
minha velha mãe era um pedaço
da vela-mestra de uma canoa
naufragada que meu finado...
As descrições
O narrador-personagem descreve, de forma
maravilhosa, os detalhes da procissão que está
assistindo pela prim...
OBS:
• Ambientação
Contexto social, histórico, religioso, familiar.
• Enredo
Linear e a-linear (intercalado com memórias, ...
O personagem-narrador (Miguel) descreve,
de forma maravilhosa, os detalhes da
procissão que está assistindo pela primeira
...
Praça Dom Frei Caetano Brandão
Referências bibliográficas
• http://llfeioleituras.blogspot.com.br/2012/05/carro-dosmilagres-de-benedicto.html
• http://ww...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Carro dos Milagres

805 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
805
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Carro dos Milagres

  1. 1. O Carro dos Milagres Benedicto Monteiro Parte I
  2. 2. O autor Nasceu em Alenquer em 1 de março de 1924 — faleceu em Belém, 15 de junho de 2008. Foi um escritor, jornalista, advogado e político brasileiro. Filho de Ludgero Burlamaqui Monteiro e Heribertina Batista Monteiro, cursou o primário no grupo escolar de Alenquer e o curso de humanidades no Colégio Marista Nossa Senhora de Nazaré, em Belém.
  3. 3. O autor Cursou o científico no Colégio Rabelo, iniciando também os seus estudos de Direito na Universidade do Brasil. Diplomou-se bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Pará. Exerceu a magistratura e o Ministério Público. Foi eleito deputado estadual por duas legislaturas. Foi também secretário de Estado de Obras, Terras e Águas. Foi cassado durante o Golpe Militar de 1964.
  4. 4. A obra O Livro O Carro dos Milagres, de Benedicto Wilfred Monteiro (19242008) é uma coletânea de narrativas publicada em 1975, durante os Anos de chumbo (Ditadura Militar), de censura à cultura escrita.
  5. 5. O conto Premiada pela Academia Paraense de Letras, a presente coletânea contêm relatos de um caboclo que vem “das brenhas da mata amazônica” contar suas histórias, memórias, culturas e saberes. Das sete narrativas, é importante enfocar aquela que contém o mesmo título do livro: O Carro dos Milagres.
  6. 6. O enredo O Carro dos Milagres apresenta a experiência de um caboclo (acredita-se ser este Miguel dos Santos Prazeres, embora esse nome não apareça no texto em questão, pode-se dizer que ele é subentendido de acordo com o conjunto da coletânea) no Círio de Nazaré em Belém do Pará.
  7. 7. Primeiramente, nota-se o “diálogo” entre dois caboclos (Personagem-narrador e o Compadre) que vieram acompanhar o Círio, sendo que o primeiro tem o interesse de pagar uma promessa que sua mãe fez à Nossa Senhora de Nazaré do Retiro (ou do Desterro) quando o rapaz encontrava-se em situação de perigo com sua canoa nas águas do Marajó. A mãe velha prometera à Santa que se seu filho fosse resguardo do temporal ele haveria de levar um barco a vela, de miriti, durante a procissão.
  8. 8. Foco-narrativo • Narrador em primeira pessoa. • A narrativa flui a partir de um diálogo entre compadres, em que o narrador é um romeiro que veio ao Círio pagar uma promessa feita à Virgem em favor de seu barco que sofrera um naufrágio.
  9. 9. Tempo • · Tempo cronológico – dois dias seguidos, desde a madrugada do Círio até à tarde do dia seguinte: “três horas da tarde”; • · Tempo histórico – o milagre de Nossa Senhora de Nazaré a Dom Fuas Roupinho no século XII; • · Tempo psicológico – feed back: lembrança do naufrágio do barco, das sagas pelos igarapés como o compadre “de cachaça”.
  10. 10. Lugar/Espaço • · Espaço físico: Largo da Sé (atual praça Dom Frei Caetano Brandão), catedral da Sé bairro da Cidade Velha, ruas do cortejo do círio, Largo de Nazaré (atual Praça Santuário), Basílica-Santuário de Nazaré, sacristia e garagem da Basílica, cadeia. • · Espaço psicológico: Baía do Marajó, Igarapé das Matas do Catauari.
  11. 11. Estrutura da Narrativa • · Principais: • Narrador (com o nome subentendido “Miguel dos Santos Prazeres”); • Compadre “de cachaça”; • Compadre “que perdeu o filho. • · Secundários: • Mãe velha (genitora do narrador); • Beatas; • Comissário (policial); • Comadre (que perdeu o filho); • Filho (dos Compadres)
  12. 12. Fragmento... Olhe compadre, nem quero lhe contar a triste sina deste meu barco-a-vela feito de tala de miriti. Eu trouxe ele, mas, foi pra colocar no Carro dos Milagres... Promessa feita e jurada ao pé da imagem de Nossa Senhora do Retiro na noite de lua cheia, três noites depois de medonho temporal.
  13. 13. Fragmento... Tive que correr terra – o senhor pensa – pra cumprir dita promessa. E trazer com minhas próprias mãos, esta veleira copiada da finada canoa que o vento levou e a água reduziram a fanico na contra-costa da Baía de Marajó. Só este criado seu escapou são e salvo por obra e graça de Deus e Nossa Senhora de Nazaré. (...)
  14. 14. Digressão Uma digressão (do latim digressĭo, ōnis) é o efeito de romper a continuidade de um discurso com uma mudança de tema intencionada. Pode ser uma reflexão da volta do passado, um flashback refletivo, por exemplo. Um flashback é uma volta no tempo, e uma quebra cronológica temporal, uma vez que não obedece uma ordem lógico e sequencial.
  15. 15. Exemplo... Esse pano branco da rede da minha velha mãe era um pedaço da vela-mestra de uma canoa naufragada que meu finado irmão guardava num baú velho como lembrança de tanta luta pelo mar (...)
  16. 16. As descrições O narrador-personagem descreve, de forma maravilhosa, os detalhes da procissão que está assistindo pela primeira vez, volta-se ao passado de suas lembranças para contar suas sagas de canoeiro no Igarapé da Mata do Catauari com o “Compadre”, um amigo que o acompanha no Círio e numa beberagem com cachaça de Abaeté, enquanto aguardam no nascer do dia a saída do Círio no Largo da Sé (atual Praça Dom Frei Caetano Brandão).
  17. 17. OBS: • Ambientação Contexto social, histórico, religioso, familiar. • Enredo Linear e a-linear (intercalado com memórias, feed backs) • Foco-narrativo Narrador em primeira pessoa • Discurso Direto e indireto livre • Clímax Reencontro do filho (dos compadres) embriagado, o qual diziam que estava morto e o mesmo que soltou os balões coloridos que se engataram na promessa do Miguel.
  18. 18. O personagem-narrador (Miguel) descreve, de forma maravilhosa, os detalhes da procissão que está assistindo pela primeira vez, volta-se ao passado de suas lembranças para contar suas sagas de canoeiro no Igarapé da Mata do Catauari com o Compadre, um amigo que o acompanha no Círio e numa beberagem com cachaça de Abaeté, enquanto aguardam no nascer do dia a saída do Círio no Largo da Sé (atual Praça Dom Frei Caetano Brandão).
  19. 19. Praça Dom Frei Caetano Brandão
  20. 20. Referências bibliográficas • http://llfeioleituras.blogspot.com.br/2012/05/carro-dosmilagres-de-benedicto.html • http://www.skoob.com.br/livro/89968 • http://vestibularnopara.com.br/leituras-recomendadas-ocarro-de-milagres-de-benedicto-monteiro/

×