MicroEconomia

17.572 visualizações

Publicada em

3 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.572
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
473
Comentários
3
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MicroEconomia

  1. 1. Aula 02 -O Mercado :Demanda Oferta e Elasticidade. Mankiw, cap. 4 e 5
  2. 2. A Curva de DemandaA demanda está associada ao comportamento do consumidor. A curva de demanda relaciona a D quantidade que poderia ser adquirida P1 a um determinado nível de preço do bem. P2A demanda é uma relação que mostra as D diferentes quantidades consumidas a Q1 Q2 vários níveis de preços, ceteris Quantidade paribus. Preço Quantidade 10 30Lei da Demanda A quantidade que se deseja comprar é 30 15 menor para maiores níveis de preços e 40 10 maior para níveis de preços menos elevados, ceteris paribus. 60 5
  3. 3. VARIÁVEIS QUE AFETAM A DEMANDA Qid f ( P , Ps , Pc , R, G) i dOnde: Qi = quantidade,demandada do bem i no período t; f (Pi , Ps , Pc R, G) Pi = preço do bem i no período t; Ps = preço dos bens substitutos no período t; = preço dos bens complementares no período t; Pc R = renda do consumidor no período t; G = gostos, hábitos e preferências do consumidor no período t. Porém para simplificarmos o estudo: Qd = f(Pi,Ps, Pc,R, G ) ou seja, Qd = f(p) ceteris paribus
  4. 4. A Curva de OfertaA Oferta está associada ao comportamento do produtor. A curva de oferta relaciona a quantidade que S poderia ser oferecida a um P2 determinado nível de preço do bem. A oferta é uma relação que mostra as P1 diferentes quantidades produzidas a S vários níveis de preços, ceteris Q1 Q2 paribus. Quantidade Preço QuantidadeLei da Oferta 10 5O produtor ofertará quantidades maiores para maiores níveis de preços e, para 30 10 níveis menores de preços ofertará quantidades menores. 40 15 60 30
  5. 5. VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA s Q i f (P , i m , Pn , T )Onde: Qis = quantidade ofertada do bem i/t; Pi = preço do bem i/t; m = preço dos fatores e insumos de produção (mão-de-obra, matérias-primas, impostos); Pn = preço dos bens relacionados, substitutos ou complementares T = avanços tecnológicos. Porém para simplificarmos o estudo: Qs = f(Pi, m, Pn,T), ou seja, Qs = f(p) ceteris paribus
  6. 6. Deslocamentos a. Ao longo da curva de oferta (motivo preço) b. Da curva de oferta (outros motivos) EquilíbrioPonto de equilíbrioÉ aquele que relaciona preço de equilíbrio a quantidade de equilíbrio. É o ponto em que “(...) a quantidade do bem que os compradores desejam e podem comprar é exatamente igual à quantidade que os vendedores desejam e podem vender.” (Mankiw, p.80)
  7. 7. MUDANÇAS NO PONTO DE EQUILÍBRIO DEVIDOA DESLOCAMENTOS DA OFERTA E DA DEMANDAExistem vários fatores que podem provocar deslocamentodas curvas de oferta e demanda, que conseqüentementeprovocarão mudanças do ponto de equilíbrio.Exemplos: renda: P e Q Pmatéria-prima: P e Q Px S0 Px S0 S1 D1 D0 D0 Qx Qx
  8. 8. TENDÊNCIA AO NÍVEL DE EQUILÍBRIO S Px Excesso de P1 oferta P0 E (Q0 , P ) 0 P2 D d s s d Excesso de Q Q 1 2 Q 1 Q2 Qx demanda Q0 d s Q 1 Q 0 1 Excesso de oferta (excedente) d Q2 Q2s 0 Excesso de demanda (escassez)Em mercados concorrências “(...) o preço de qualquer bemse ajusta de forma a equilibrar a oferta e a demanda dessebem.” (Mankiw, p.82)
  9. 9. ElasticidadeMudanças nos preços dos bens, PX S S´ ceteris paribus, provocam P0 mudanças nas quantidades procuradas. P1 D Q0 Q1 QXA elasticidade é uma medida de PX S S´ sensibilidade que mede a P0 variação percentual numa P1 variável (A), em relação a uma D variação percentual em outra Q0 Q1 QX variável (B), ceteris paribus.
  10. 10. Elasticidade-preço da demanda ( pd) A elasticidade - preço da demanda mede a relação entre a variação proporcional na quantidade demandada e a variação proporcional no preço. Q (%Q ) Q P Q P (%P ) P Q P P pd é geralmente um n° negativo. Quando o preço de uma mercadoria aumenta sua quantidade demandada em geral cai e, dessa forma, ( Q/ P) é negativa.
  11. 11. PX 1 A elasticidade varia conforme o ponto que se 0 tome. QX CASOS EXTREMOSA) Demanda totalmente Inelástica ( pd = 0 )  significa que qualquer variação nos preços não provocará variação na quantidade procurada;B) Demanda totalmente Elástica ( pd = )  significa que a quantidade procurada pode variar sem que haja modificação no preço. P PX X D D QX QX
  12. 12. ELASTICIDADE-PREÇO CRUZADA DA DEMANDAVariação percentual da quantidade demandada do vem x, dada umavariação percentual no preço do bem y, ceteris paribus. xy Py Qx PD Qx Py xySe: PD 0 Os bens x e y são complementares (quando Py  Qx ) xy PD 0 Os bens x e y são substitutos (quando Py  Qx )
  13. 13. ELASTICIDADE-RENDA DA DEMANDA ( R)É a variação percentual da quantidade demandada, dada uma variaçãopercentual da renda do consumidor,ceteris paribus. R Q R Q R Se: Bem superior (ou bem de luxo) – dada R 1 uma da renda, o consumo varia mais que proporcionalmente. 0 Bem normal – o consumo aumenta R quando a renda aumenta. Bem inferior – a demanda cai quando a R 0 renda aumenta Bem de consumo saciado - Variações na R 0 renda não alteram o consumo do bem
  14. 14. ELASTICIDADE-PREÇO DA OFERTAMede a variação percentual da quantidade ofertada, dada umavariação percentual no preço do bem, ceteris paribus. P Qs PS Qs PSe: PS 1 PX 1 Bem de oferta elástica PS 1 PS 1 PS 1 Bem de oferta inelástica PS 1 Elasticidade-preço daPS QX oferta unitária
  15. 15. FATORES QUE AFETAM A ELASTICIDADE-PREÇO DA OFERTA• Disponibilidade de bens substitutosQuanto mais substitutos mais elástica a ofertaSe não existe substitutos oferta inelástica• Horizonte TemporalQuanto mais tempo (L.P) mais elástica a ofertaQuanto menos tempo (C.P) mais inelástica a oferta• Custos de EstocagemO produtor é muito afetado pelos custos de estocagemAlto custo de Estocagem mais elástica a ofertaBaixo custo de Estocagem mais inelástica a oferta
  16. 16. Aumento dos Custos de ProduçãoParte dos efeitos causados por um S’ aumento do custo de produção podem ser repassado ao S consumidor.A relação entre a elasticidade da curva de demanda e da curva de oferta, vai determinar quem D arcará com a maior parte dos custos.• Se a demanda for mais inelástica que a oferta o consumidor paga mais.• Se a oferta for mais inelástica que a demanda o produtor paga mais.
  17. 17. Questões para revisão:As curvas de demanda e oferta de mercado de um bem são: Qs = -500+500p Qd = 4000-400pCalcule:a) O preço e a quantidade de equilíbrio;b) Dada a alíquota de um imposto específico T= 0,9 centavos por produto, determine o novo preço e a quantidade de equilíbrio;c) Qual o preço pago pelo consumidor? Qual o preço recebido pelo vendedor?d) Qual o valor da arrecadação do governo nesse mercado?e) Qual a parcela da arrecadação paga pelo comprador? E pelo vendedor?f) Calcule a elasticidade da curva de demanda e da nova curva de oferta.g) Ilustre graficamente
  18. 18. Aula 08 - Estruturas deMercado - Concorrência Perfeita. Mankiw, cap. 14
  19. 19. ESTRUTURAS DE MERCADOAs estruturas de mercado são modelos que captam aspectosinerentes de como os mercados estão organizados.As diferentes estruturas de mercado, estão condicionadas por trêsvariáveis principais:  número de firmas produtoras no mercado;  diferenciação do produto;  existência de barreiras à entrada de novas empresas.
  20. 20. No mercado de bens e serviços, as formas de mercado, segundoessas três características são: concorrência perfeita monopólio concorrência monopolista (ou imperfeita) oligopólioNo mercado de fatores de produção, as formas de mercado,segundo essas três características são: concorrência perfeita monopsônio oligopsônioCaso especial  monopólio bilateral
  21. 21. ESTRUTURAS DE MERCADO DE BENS E SERVIÇOS1. Concorrência PerfeitaAs hipóteses deste modelo são: Existe um grande número de compradores e vendedores (o preço é dado para as firmas e para os produtores)- Atomização; Os produtos são homogêneos; Existe completa informação e conhecimento sobre o preço do produto; A entrada a saída de firmas no mercado são livres - Não existem barreiras.A empresa no regime de concorrência perfeita só fixa a quantidade a ser vendida, pois o preço está fixado pelo mercado.
  22. 22. A curva de demanda do mercado possui inclinação negativa, porque descreve a procura total do produto, dado seus diferentes níveis de preços. A curva de demanda da firma é uma linha horizontal, porque ela reflete a procura do seu produto. Como a firma é incapaz de alterar o preço corrente do mercado, a demanda de seu produto é perfeitamente elástica. p p S D D q qa de demanda do mercado Curva de demanda da firma
  23. 23. A empresa para maximizar lucro, precisa satisfazer conjuntamente as condições de que:a) O preço do produto seja igual ou superior ao Custo Variável Médio ( P >=CVMe ).***Se os custos variáveis forem superiores aos preços, a firma se torna inviável a longo prazo, mas mesmo a curto prazo ainda pode incorrer em prejuízos para pagar parte dos custos fixos e tentar manter-se no mercado.b) O Custo Marginal seja igual à Receita Marginal (CMg = RMg), sendo o custo marginal crescente.
  24. 24. Maximização em Concorrência Perfeita p CMg D RMg P qO ramo ascendente da curva de Custo Marginal, acima dacurva de Custo Variável Médio, constitui-se na Curva deOferta da firma, operando no regime de concorrênciaperfeita.A curva de oferta do setor como um todo será a soma da curvade oferta de todas as firmas no setor.As firmas com custos variáveis médios acima do preço terãode abandonar o setor a longo prazo, deforma que as maiseficientes permanecem.
  25. 25. Oferta do Mercado em Concorrência PerfeitaA mobilidade e inexistência de barreiras garantem que novasempresas entrem no setor, se há lucros maiores que em outrossetores. Com as novas empresas, há um deslocamento da curvade oferta do setor para a direita, e, conseqüentemente, preçosmenores.O preço de equilíbrio diminui, e só as firmas que produzem comcustos médios abaixo do preço podem continuar produzindo alongo prazo.A longo prazo, em concorrência perfeita, as empresas auferemapenas lucros normais.
  26. 26. pp d RMgp d RMg Oferta da Firma qp s spp Oferta de Mercado d q q q
  27. 27. Aula 09 - Estruturas deMercado (cont.) - Monopólio. Mankiw, cap. 15
  28. 28. MonopólioAs hipóteses deste modelo são: O setor é constituído de uma única firma; A firma produz um produto para o qual não existe substituto próximo; Existe concorrência entre os consumidores; A curva de receita média é a curva de demanda do mercado.No monopólio, o setor é a própria firma, porque existe um único produtor que realiza toda a produção.  A oferta da firma é a oferta do setor;  A demanda da firma é a demanda do setor.
  29. 29. Demanda do MonopólioA curva de receita média (RMe)da firma monopolista é a curvade demanda do mercado, e indica os diferentes preços porunidade que serão recebidos quando o monopolista decidirvender quantidades diferentes do produto. p RMe d RMg q
  30. 30. Receita Total do Monopólio RTRMg Pto. de Lucromáximo Pto. de RTmáximo RMg 0 QA receita total atinge o máximo no ponto em que a receita marginalé zero.A receita marginal representa os acréscimos à receita total: enquantoa RMg é positiva, a cada diminuição do preço há um aumento naquantidade superior proporcionalmente à queda de preços. Issoimplica em uma receita de vendas maiores.A partir do ponto em que a RMg é zero, a perda de receita peladiminuição de preço é maior que o ganho obtido pelo aumento daquantidade vendida.
  31. 31. Equilíbrio do Monopólio P D CmgO poder de mercado ou o “grau de monopólio” de CMe uma firma é definido Pm. como a capacidade da mesma em fixar um custo preço para o seu produto que seja maior D do que o custo marginal de produção; sendo medido, portanto, pela margem de lucro ou pela Rmg Q relação preço/custo Qm marginal.
  32. 32. Poder de Mercado A taxa de mark-up daqp(q) q p(q) firma monopolista será p(q) q tão maior quanto menor q q q for a elasticidade preço p de demanda . RMg p q q Logo, quanto maior for a q p elasticidade preço de RMg p 1 p q demanda menor será o “poder de mercado” ou 1 ou “poder de RMg p 1 monopólio” da firma.
  33. 33. Poder de Mercado / Mark -up 1 RMg p 1• Se <1(inelástica) RMg < 0• Se =1 (unitária) RMg = 0• Se >1 (elástica) RMg > 0 O monopolista nunca opera na área inelástica.
  34. 34. Eficiência no Sentido de ParetoNão é possível melhorar a P situação de nenhum agente sem piorar a Cmg situação de, pelo menos, outro. (Vasconcellos)Pm 1 P’ 2A concorrência perfeita é Pc 3 ESP. P = RmeO monopólio é ineficiente (peso-morto do Rmg monopólio). Qm Q’ Qc Q
  35. 35. Combate à Ineficiência – Regulamentação e Discriminador de preçosRegulamentaçãoEm função da ineficiência alocativa do monopólio, a intervenção governamental pode aumentar a eficiência da alocação de recursos. Suponhamos que o governo introduza uma lei de regulação de preços em todos os setores nos quais as firmas possuam poder de mercado.Discriminação de Preços1º grau: Limite do EC2º grau: O Preço é determinado pela quantidade3º grau: Preços especiais para grupos especiais

×