Texto Áureo
"No princípio, criou Deus os céus
e a terra."
(Gn 1.1)
"E viu o Senhor que a maldade do
homem se multiplicara ...
Verdade Prática
Sem o livro de Gênesis, as
grandes perguntas da vida ainda
estariam sem resposta.
O mundo de Lameque em na...
1 - E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a
face da terra, e lhes nasceram filhas,
2 - viram os...
5 - E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a
terra e que toda imaginação dos pensamentos de seu coraç...
Objetivo Geral
Compreender que o mundo de Lameque em
nada difere do nosso, resistindo à graça de Deus.
Objetivos Específicos
I. Explicar a maravilha que era o mundo enquanto o pecado
ainda não havia degenerado as pessoas;
II....
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
O e x e m p l o d e C a i m n ã o d e m o r o u a g e n e r a l i z a r - s e . S e
p o r u m l a d o , s u a d...
INTRODUÇÃO
(co nt.)
Vi vemos dias semelhantes . A devassidão e a
violência nunca f oram t ão exalt adas . Est a
geração ex...
PONTO CENTRAL
Deus julga a maldade do mundo de
Lameque.
I. UM MUNDO AINDA
MARAVILHOSO
I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO
Ap e s a r d a Q u e d a , o m u n d o a n t e d i l u vi a n o e r a f a r t o e
p r ó d i ...
I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO
2 . S AÚ D E P E R F E I TA
Ta i s f a c i l i d a d e s p r o p i c i a r a m a o s a n t e...
I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO
3 . B E L E Z A P E R F E I TA
S e a s a ú d e e r a p e r f e i t a , a b e l e z a d a q u...
I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO
4 . T E C N O L O G I A AVAN Ç A D A
O m u n d o d e L a m e q u e p o d i a o s t e n t a r...
SINOPSE DO TÓPICO I
II. UM MUNDO
TOTALMENTE
DEPRAVADO
II. UM MUNDO TOTALMENTE
DEPRAVADO
O mundo de Lameque era ingrato e cruel.
Voltando -se contra o Senhor, seus
descendentes ...
II. UM MUNDO TOTALMENTE
DEPRAVADO1 . D E VAS S I D Ã O S E X U AL
O e x e m p l o d e L a m e q u e l o g o v i r i a a r ...
II. UM MUNDO TOTALMENTE
DEPRAVADO2 . V I O L Ê N C I A S E M L I M I T E S
O s e x c e s s o s d a q u e l a g e n t e r e...
Mesmo hoje, há crentes que reagem
contrariamente à graça divina (Hb
3.15). Sim, apesar de saber que o juízo
divino é certo.
II. UM MUNDO TOTALMENTE
DEPRAVADO
3. RESISTÊNCIA À GRAÇA DIVINA
Por muito t empo, o Espírito de D eus inst ou junt o
àquel...
II. UM MUNDO TOTALMENTE
DEPRAVADO
3. RESISTÊNCIA À GRAÇA DIVINA(cont.)
A graça de D eus, ainda q u e perfeit a e inf alíve...
SINOPSE DO TÓPICO II
III. UM MUNDO
CONDENADO À
DESTRUIÇÃO
III. UM MUNDO CONDENADO À
DESTRUIÇÃO
Noé pregou aos seus contemporâneos
durante muito tempo. Mesmo assim, a sua
geração nã...
III. UM MUNDO CONDENADO À
DESTRUIÇÃO
1 . A PR EGA Ç Ã O D E N OÉ
A p r e s e n t a d o c o m o p r e g a d o r d a j u s t...
Apesar da pregação do Evangelho, a
iniquidade multiplica-se de tal modo
que chega a contaminar, inclusive, o
amor dos fiéi...
III. UM MUNDO CONDENADO À
DESTRUIÇÃO
2 . U MA GER A Ç Ã O C OR R OMPID A
Ap e s a r d a s i n s t â n c i a s d e N o é , ...
SINOPSE DO TÓPICO III
CONCLUSÃO
À semelhança de Noé, proclamemos a Palavra de Deus a
tempo e a fora de tempo; esta é a nossa missão. Se nos
conf...
PARA REFLETIR
1) O que caracterizava o mundo de Lameque?
Violência sem limites, devassidão sexual e resistência à
graça di...
Lição 06 - O impiedoso mundo de lameque
Lição 06 - O impiedoso mundo de lameque
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lição 06 - O impiedoso mundo de lameque

434 visualizações

Publicada em

Que este material possa ser útil na ministração da escola bíblica.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
434
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 06 - O impiedoso mundo de lameque

  1. 1. Texto Áureo "No princípio, criou Deus os céus e a terra." (Gn 1.1) "E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente." (Gn 6.5)
  2. 2. Verdade Prática Sem o livro de Gênesis, as grandes perguntas da vida ainda estariam sem resposta. O mundo de Lameque em nada diferia do nosso; resistindo à graça de Deus, entregaram-se à devassidão, à violência e à resistência ao Espírito Santo.
  3. 3. 1 - E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas, 2 - viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. 3 - Então, disse o Senhor: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem, porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. 4 - Havia, naqueles dias, gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os varões de fama. LEITURA BÍBLICA Gênesis 6.1-8
  4. 4. 5 - E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. 6 - Então, arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra, e pesou-lhe em seu coração. 7 - E disse o Senhor: Destruirei, de sobre a face da terra, o homem que criei, desde o homem até ao animal, até ao réptil e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito. 8 - Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor. LEITURA BÍBLICA Gênesis 6.1-8
  5. 5. Objetivo Geral Compreender que o mundo de Lameque em nada difere do nosso, resistindo à graça de Deus.
  6. 6. Objetivos Específicos I. Explicar a maravilha que era o mundo enquanto o pecado ainda não havia degenerado as pessoas; II. Compreender como o pecado se espalhou pela raça humana produzindo um mundo depravado; III. Explicar que o mundo depravado estava condenado à destruição.
  7. 7. INTRODUÇÃO
  8. 8. INTRODUÇÃO O e x e m p l o d e C a i m n ã o d e m o r o u a g e n e r a l i z a r - s e . S e p o r u m l a d o , s u a d e s c e n d ê n c i a d e s t a c a - s e p o r e m p r e e n d e d o r e s c o m o J a b a l e J u b a l , p o r o u t r o , é c o r r o m p i d a p o r h o m e n s d e v a s s o s e v i o l e n t o s c o m o L a m e q u e . P r i m e i r o b í g a m o d a h i s t ó r i a , e s t e vi r i a a s e n o t a b i l i z a r t a m b é m p o r h a ve r a s s a s s i n a d o f u t i l m e n t e d u a s p e s s o a s . E , p a r a c o m e m o r a r o f e i t o , c o m p ô s u m p o e m a . O s p e c a d o s d e C a i m e L a m e q u e a l a s t r a r a m - s e d e t a l m a n e i r a q u e vi r i a m a d e p r a v a r, i n c l u s i ve , a l i n h a g e m p i e d o s a d e S e t e .
  9. 9. INTRODUÇÃO (co nt.) Vi vemos dias semelhantes . A devassidão e a violência nunca f oram t ão exalt adas . Est a geração exist e como s e não houvesse D eus . Ent ret anto, pert o está o dia do juízo sobre os prat icant es da iniquidade . Lameque é o mais perfeito símbolo da depravação t ot al daquele período .
  10. 10. PONTO CENTRAL Deus julga a maldade do mundo de Lameque.
  11. 11. I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO
  12. 12. I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO Ap e s a r d a Q u e d a , o m u n d o a n t e d i l u vi a n o e r a f a r t o e p r ó d i g o . S u a e c o l o g i a e r a p e r f e i t a ; s u a t e c n o l o g i a , c o n s i d e r á ve l . 1 . FAR T U R A D E P Ã O . E m b o r a a m a l d i ç o a d a , e r a f é r t i l e n a d a r e t i n h a à p r i m e i r a c i vi l i z a ç ã o . To d o s c o m i a m e b e b i a m à vo n t a d e ( M t 2 4 . 3 8 , 3 9 ) . O p ã o n ã o p r e c i s a v a s e r r a c i o n a d o , o a z e i t e e r a a b u n d a n t e e o v i n h o e s c o r r i a d o s l a g a r e s . Te m - s e a i m p r e s s ã o d e q u e a s p e s s o a s d a q u e l a é p o c a vi vi a m e m p e r m a n e n t e f e s t a n ç a . N i n g u é m e r a c a p a z d e r e c o n h e c e r q u e d o S e n h o r é a Te r r a e a s u a p l e n i t u d e ( S l 2 4 . 1 ) .
  13. 13. I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO 2 . S AÚ D E P E R F E I TA Ta i s f a c i l i d a d e s p r o p i c i a r a m a o s a n t e d i l u vi a n o s u m a s a ú d e p e r f e i t a . N ã o e r a i n c o m u m e n c o n t r a r p e s s o a s d e q u a s e m i l a n o s ( G n 5 . 2 7 ) . N a g e n e a l o g i a d e Ad ã o , d e p a r a m o - n o s c o m h o m e n s m a i s ve l h o s q u e m u i t o s d o s p a í s e s d o m u n d o . I m a g i n e m o s a f o l h a c o r r i d a d e u m p e c a d o r d e 9 0 0 a n o s . N o ve s é c u l o s d e c o m p l e t a d e p r a va ç ã o . Q u a n t o s r o u b o s , a s s a s s i n a t o s , a d u l t é r i o s , m e n t i r a s e i n t o l e r â n c i a s . Ao s o l h o s d o s a n t o D e u s , e r a a l g o a b o m i n á ve l .
  14. 14. I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO 3 . B E L E Z A P E R F E I TA S e a s a ú d e e r a p e r f e i t a , a b e l e z a d a q u e l a g e r a ç ã o e r a s i n g u l a r, h a j a vi s t a a f o r m o s u r a d a s f i l h a s d e L a m e q u e . N ã o d e m o r o u p a r a q u e vi e s s e m a e n c a n t a r o s f i l h o s d e S e t e ( G n 6 . 1 , 2 ) . I m i t a n d o a b i g a m i a d e L a m e q u e , e s t e s h o m e n s , o u t r o r a t ã o p i e d o s o s , t o r n a r a m - s e p o l í g a m o s i n c o r r i g í ve i s . C o m t a n t a c o m i d a e b e b i d a , p o r q u e n ã o vi ve r e m p r a z e r e s ? J á q u e a vi d a e r a c o n t a d a e m s é c u l o s , n i n g u é m h a ve r i a d e m o r r e r a m a n h ã . S u a f i l o s o f i a n ã o e r a a p e n a s a b u s c a p e l o p r a z e r, m a s t a m b é m d i a b o l i c a m e n t e l i b e r t i n a . Aq u e l a g e r a ç ã o n ã o p o s s u í a q u a l q u e r r e f e r ê n c i a m o r a l o u é t i c a .
  15. 15. I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO 4 . T E C N O L O G I A AVAN Ç A D A O m u n d o d e L a m e q u e p o d i a o s t e n t a r u m s u r p r e e n d e n t e a va n ç o t e c n o l ó g i c o . Ad ã o a i n d a vi vi a q u a n d o Tu b a l c a i m c o m e ç o u a d e d i c a r - s e à m e t a l u r g i a . E s t e f o i u m h o m e m , f i l h o d e L a m e q u e e d e Z i l á , s e t o r n o u c o n h e c i d o p e l a s u a h a b i l i d a d e e m l i d a r c o m o c o b r e e o f e r r o ( G n 4 . 2 2 ) Al é m d a m e t a l u r g i a , a q u e l a g e r a ç ã o s a b i a c o m o t r a b a l h a r a m a d e i r a e a c e r â m i c a . O p r ó p r i o N o é , a l i á s , n ã o t e ve d i f i c u l d a d e s t é c n i c a s e m c o n s t r u i r a Ar c a , n e m o s s e u s d e s c e n d e n t e s , a p ó s o D i l ú vi o , vi r a m - s e i m p e d i d o s d e e r g u e r a To r r e d e B a b e l .
  16. 16. SINOPSE DO TÓPICO I
  17. 17. II. UM MUNDO TOTALMENTE DEPRAVADO
  18. 18. II. UM MUNDO TOTALMENTE DEPRAVADO O mundo de Lameque era ingrato e cruel. Voltando -se contra o Senhor, seus descendentes cometeram os pecados mais hediondos e abomináveis.
  19. 19. II. UM MUNDO TOTALMENTE DEPRAVADO1 . D E VAS S I D Ã O S E X U AL O e x e m p l o d e L a m e q u e l o g o v i r i a a r e p l i c a r - s e p o r t o d a a d e s c e n d ê n c i a d e A d ã o . A f a m í l i a t r a d i c i o n a l f o i s e d e g e n e r a n d o . O s p e c a d o s s e x u a i s , a g o r a , e r a m c o m e t i d o s c o m o s e n a d a f o s s e p r o i b i d o ; n ã o h a v i a l i m i t e s à f o r n i c a ç ã o n e m a o a d u l t é r i o . A t é o s m e s m o s d e s c e n d e n t e s d e S e t e p o r t a r a m - s e l e v i a n a m e n t e e m m e i o à q u e l a i m o r a l i d a d e c r a s s a e g r i t a n t e ; c o r r o m p e r a m - s e a t é o i n f e r n o . R e l a t a o a u t o r s a g r a d o : " V i r a m o s f i l h o s d e D e u s q u e a s f i l h a s d o s h o m e n s e r a m f o r m o s a s ; e t o m a r a m p a r a s i m u l h e r e s d e t o d a s a s q u e e s c o l h e r a m " ( G n 6 . 2 ) .
  20. 20. II. UM MUNDO TOTALMENTE DEPRAVADO2 . V I O L Ê N C I A S E M L I M I T E S O s e x c e s s o s d a q u e l a g e n t e r e d u n d a r a m n u m a g e r a ç ã o t r u c u l e n t a e i m p l a c á v e l . O s a s s a s s i n o s e r a m c u l t u a d o s c o m o h e r ó i s : " H a v i a , n a q u e l e s d i a s , g i g a n t e s n a t e r r a ; e t a m b é m d e p o i s , q u a n d o o s f i l h o s d e D e u s e n t r a r a m à s f i l h a s d o s h o m e n s e d e l a s g e r a r a m f i l h o s ; e s t e s e r a m o s v a l e n t e s q u e h o u v e n a a n t i g u i d a d e , o s v a r õ e s d e f a m a " ( G n 6 . 4 ) . O q u e d i z e r d o n o s s o t e m p o ? E m b o r a n ã o s e j a m o s t ã o f o r t e s , n e m t ã o l o n g e v o s , e m n a d a d i f e r e n ç a m o - n o s d o s f i l h o s d e L a m e q u e . N u n c a o h o m e m f e z - s e t ã o i m o r a l q u a n t o h o j e .
  21. 21. Mesmo hoje, há crentes que reagem contrariamente à graça divina (Hb 3.15). Sim, apesar de saber que o juízo divino é certo.
  22. 22. II. UM MUNDO TOTALMENTE DEPRAVADO 3. RESISTÊNCIA À GRAÇA DIVINA Por muito t empo, o Espírito de D eus inst ou junt o àquela geração para que s e c on ve rte s s e e deixasse s e us maus caminhos . C hegou, porém, o dia e m que D eus deu um basta e m t udo aquilo . D eclarou o Senhor : "Não cont enderá o meu Espírito para sempre com o homem, porque ele t ambém é c a rne; porém os seus dias serão cent o e vint e anos" ( Gn 6 .3 ) .
  23. 23. II. UM MUNDO TOTALMENTE DEPRAVADO 3. RESISTÊNCIA À GRAÇA DIVINA(cont.) A graça de D eus, ainda q u e perfeit a e inf alível, p o d e s e r resist ida, haja vista a geração que saíra d o Egit o rumo a Canaã . Não obst ante o s milagres q u e presenciara, endureceu o s e u coração de tal f orma, que veio a ser rejeitada pelo Senhor ( H b 3 .8) . Isso significa que, mesmo hoje, h á crent es que reagem contrariamente à graça divina ( H b 3 .1 5) . Sim, apesar de saber que o juíz o divino é cert o .
  24. 24. SINOPSE DO TÓPICO II
  25. 25. III. UM MUNDO CONDENADO À DESTRUIÇÃO
  26. 26. III. UM MUNDO CONDENADO À DESTRUIÇÃO Noé pregou aos seus contemporâneos durante muito tempo. Mesmo assim, a sua geração não se curvou aos apelos divinos. Que diferença dos ninivitas, que deram ouvidos à pregação de Jonas (Jn 3.10).
  27. 27. III. UM MUNDO CONDENADO À DESTRUIÇÃO 1 . A PR EGA Ç Ã O D E N OÉ A p r e s e n t a d o c o m o p r e g a d o r d a j u s t i ç a , N o é c u m p r i u u m l o n g o e p e n o s o m i n i s t é r i o ( 2 P e 2 . 5 ) . E n q u a n t o s e d a v a à c o n s t r u ç ã o d a a r c a , c o n c l a m a v a s e u s c o n t e m p o r â n e o s a o a r r e p e n d i m e n t o ( 1 P e 3 . 2 0 ) . S e l e v a r m o s e m c o n t a G ê n e s i s 6 . 3 , c o n c l u i r e m o s q u e o s e u o f í c i o d e p r e g o e i r o t e v e a d u r a ç ã o d e 1 2 0 a n o s . S e m d ú v i d a , f o i o m a i s l o n g o m i n i s t é r i o p r o f é t i c o d a B í b l i a . E l e p r e g a v a c o m a v o z e c o m a s o b r a s . A c o n s t r u ç ã o d a a r c a , e m s i , j á e r a u m a p r e g a ç ã o c a r r e g a d a d e e l o q u ê n c i a .
  28. 28. Apesar da pregação do Evangelho, a iniquidade multiplica-se de tal modo que chega a contaminar, inclusive, o amor dos fiéis.
  29. 29. III. UM MUNDO CONDENADO À DESTRUIÇÃO 2 . U MA GER A Ç Ã O C OR R OMPID A Ap e s a r d a s i n s t â n c i a s d e N o é , s e u s c o n t e m p o r â n e o s c o r r o m p i a m - s e d e t a l f o r m a , q u e s e t o r n a r a m t o t a l m e n t e d e p r a v a d o s . Ao S e n h o r, p o r t a n t o , n ã o r e s t a va o u t r a a l t e r n a t i va a n ã o s e r d e s t r u i r t o d a a q u e l a c i vi l i z a ç ã o : " O f i m d e t o d a c a r n e é vi n d o p e r a n t e a m i n h a f a c e ; p o r q u e a t e r r a e s t á c h e i a d e vi o l ê n c i a ; e e i s q u e o s d e s f a r e i c o m a t e r r a " ( G n 6 . 1 3 ) . A g e r a ç ã o a t u a l a s s e m e l h a - s e à d e N o é . Ap e s a r d a p r e g a ç ã o d o E va n g e l h o , a i n i q u i d a d e m u l t i p l i c a - s e d e t a l m o d o q u e c h e g a a c o n t a m i n a r, i n c l u s i ve , o a m o r d o s f i é i s ( M t 2 4 . 1 2 ) . C o m e m , b e b e m e e n t r e g a m - s e à s e n s u a l i d a d e , c o m o s e n ã o h o u ve s s e D e u s .
  30. 30. SINOPSE DO TÓPICO III
  31. 31. CONCLUSÃO À semelhança de Noé, proclamemos a Palavra de Deus a tempo e a fora de tempo; esta é a nossa missão. Se nos conformarmos com o mundo, que esperança haverá aos que ainda anseiam pelo Evangelho? Levantemo-nos como pregoeiros da justiça. Ainda que soframos zombarias e escárnios, nossa missão não ficará inacabada.
  32. 32. PARA REFLETIR 1) O que caracterizava o mundo de Lameque? Violência sem limites, devassidão sexual e resistência à graça divina. 2) Qual o ofício de Tubalcaim? Metalurgia, fabricação de instrumentos cortantes. 3) Que pecados caracterizavam os contemporâneos de Noé? Era uma geração corrompida pelo pecado e caracterizada pela depravação moral. 4) É possível resistir a graça divina? A graça de Deus, ainda que perfeita e infalível, pode ser resistida. A respeito do Livro de Gênesis:

×