Lição 03 - A queda da raça humana

178 visualizações

Publicada em

Que este material possa ser útil na ministração da escola bíblica.
Deus abençoe !!!

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
178
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 03 - A queda da raça humana

  1. 1. Texto Áureo "No princípio, criou Deus os céus e a terra." (Gn 1.1) “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a mor te, assim também a mor te passou a todos os homens, por isso que todos pecaram.” (Rm 5.12)
  2. 2. Verdade Prática Sem o livro de Gênesis, as grandes perguntas da vida ainda estariam sem resposta. O pecado de Adão trouxe-nos a morte, mas a morte de Jesus Cristo garante-nos a vida eterna e plena comunhão com Deus.
  3. 3. 12 - Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram. 13 - Porque até à lei estava o pecado no mundo, mas o pecado não é imputado não havendo lei. 14 - No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir. 15 - Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa; porque, se, pela ofensa de um, morreram muitos, muito mais a graça de Deus e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos. LEITURA BÍBLICA Romanos 5.12-19
  4. 4. 16 - E não foi assim o dom como a ofensa, por um só que pecou; porque o juízo veio de uma só ofensa, na verdade, para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação. 17 - Porque, se, pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça e do dom da justiça reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. 18 - Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida. 19 - Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim, pela obediência de um, muitos serão feitos justos. LEITURA BÍBLICA Romanos 5.12-19
  5. 5. Objetivo Geral Compreender que o pecado de Adão trouxe a morte, mas a morte de Jesus trouxe a vida.
  6. 6. Objetivos Específicos I. Explicar que o Éden foi local criado por Deus para ser habitat do homem; II. Conhecer como se deu a tentação de Adão e Eva; III. Compreender o juízo de Deus sobre o pecado.
  7. 7. INTRODUÇÃO
  8. 8. INTRODUÇÃO • Por algum t empo, A dã o e E va vi ver am a mais completa vent ura . A quela harmonia, porém, estava pa ra ser quebrada por uma personagem sinistra e inimiga de todo o bem. • N o ent ant o, s e o D ia bo supôs que a obra di vina ac ha va- s e arruinada para sempre, enganou -s e , porque D eus, e m s e u inf init o amor, já havia elaborado, desde a fundação do mundo, o Plano de Sa l va ç ã o para resgat ar - nos do pecado . • A Queda de A dão haveria de s e r revert ida por Jesus Cristo através de sua morte na cruz .
  9. 9. PONTO CENTRAL O homem pecou desobedecendo a Deus, porém o Senhor já havia providenciado um Redentor.
  10. 10. I. O PARAÍSO NO ÉDEN
  11. 11. I. O PARAÍSO NO ÉDEN Ap ó s h a v e r p l a n t a d o u m j a r d i m , n o É d e n , n e l e o S e n h o r c o l o c o u o h o m e m q u e c r i a r a ( G n 2 . 8 ) . D a l i , c a b e r i a a Ad ã o g o ve r n a r o m u n d o c o m o o r e p r e s e n t a n t e d e D e u s n a Te r r a . E l e t i n h a c o m o t a r e f a s c u l t i va r a Te r r a e g u a r d a r o j a r d i m . 1 . C U LT I VAR A T E R R A. Ad ã o d e ve r i a f a z e r a c u l t u r a d a Te r r a ( G n 2 . 1 5 ) . E l e n ã o s o m e n t e a c u l t i v a r i a , c o m o d e l a h a v e r i a d e c r i a r i n ve n ç õ e s , u t i l i d a d e s , c i ê n c i a s e a r t e s . O b s e r ve m o s q u e o É d e n l o c a l i z a v a - s e n u m a r e g i ã o a b u n d a n t e e m o u r o ( G n 2 . 11 , 1 2 ) . A o c r i a r Ad ã o , D e u s o d o t o u d e m u i t a s h a b i l i d a d e s .
  12. 12. I. O PARAÍSO NO ÉDEN 2. GUARDAR O ÉDEN. Não podemos confundir a inocência de Adão com incapacidade intelectual. Santo no corpo e na alma, nosso pai era sábio e perfeitamente capaz de discernir entre o bem e o mal. Aliás, era mais inteligente que nós. Por isso mesmo, Deus o incumbiu de guardar o Éden, pois teria de enfrentar um inimigo mui astuto e sagaz.
  13. 13. SINOPSE DO TÓPICO I
  14. 14. II. A TENTAÇÃO NO PARAÍSO
  15. 15. II. A TENTAÇÃO NO PARAÍSO O último dia da criação foi pleno de atividades: a criação do homem, o estabelecimento de suas tarefas, a nomeação dos animais, a feitura da mulher e, finalmente, a instituição do casamento.
  16. 16. II. A TENTAÇÃO NO PARAÍSO 1.O AGENTE ATIVO DA TENTAÇÃO. A fim de induzir a raça humana ao pecado, Satanás instrumenta um animal astuto e sagaz, a serpente (Gn 3.1). E, por seu intermédio, dialoga com Eva levando -a à apostasia. Não podemos travar diálogos com o nosso Inimigo, independente do meio que ele usar para nos convencer, pois pecaremos contra Deus.
  17. 17. II. A TENTAÇÃO NO PARAÍSO 2. O AGENTE PASSIVO DA TENTAÇÃO. A d ã o e r a o g u a r d i ã o d o É d e n . To d a v i a , n ã o s o u b e c o m o r e s g u a r d a r a e s p o s a , q u e a c a b o u s e n d o s e d u z i d a p e l o D i a b o . I l u d i d a , E va p e c o u : " E , ve n d o a m u l h e r q u e a q u e l a á r v o r e e r a b o a p a r a s e c o m e r, e a g r a d á ve l a o s o l h o s , e á r vo r e d e s e j á ve l p a r a d a r e n t e n d i m e n t o , t o m o u d o s e u f r u t o , e c o m e u , e d e u t a m b é m a s e u m a r i d o , e e l e c o m e u c o m e l a " ( G n 3 . 6 ) . A d ã o e E v a d e i x a r a m - s e l e va r p e l a c o n c u p i s c ê n c i a d a c a r n e , p e l a c o n c u p i s c ê n c i a d o s o l h o s e p e l a s o b e r b a d a vi d a ( 1 J o 3 . 1 6 ) . Ad ã o e E va p e c a r a m d e f o r m a vo l u n t á r i a e c ô n s c i a . B i b l i c a m e n t e , s ã o o s r e s p o n s á v e i s p e l a i n t r o d u ç ã o d o p e c a d o n o m u n d o ( R m 5 . 1 2 ) .
  18. 18. SINOPSE DO TÓPICO II
  19. 19. III. O JUÍZO DE DEUS
  20. 20. III. O JUÍZO DE DEUS Satanás enganou, mentiu e prometeu o que nem ele mesmo possuía. O juízo de Deus, portanto, não tardaria a vir sobre a serpente, sobre a mulher e sobre o homem.
  21. 21. III. O JUÍZO DE DEUS 1 . SOB R E A SER PEN TE D e vi d o à s u a n a t u r e z a , a s e r p e n t e é u m t i p o p e r f e i t o d e S a t a n á s : e s p e r t a , s a g a z e o p o r t u n i s t a ( E f 6 . 11 ) . Ag o r a , e l a s e r i a o b r i g a d a a c o m e r p ó ( G n 3 . 1 4 ) . M e s m o n o M i l ê n i o , q u a n d o a n a t u r e z a d o s a n i m a i s f o r r e s t a u r a d a , e l a n ã o s e r á r e d i m i d a d e s u a d e g r a d a ç ã o ( I s 6 5 . 2 5 ) . E m s e g u i d a , D e u s d e c r e t a a i n i m i z a d e e n t r e a s e r p e n t e e a m u l h e r, c o m o t a m b é m a p r o m e s s a d a r e d e n ç ã o : " E p o r e i i n i m i z a d e e n t r e t i e a m u l h e r e e n t r e a t u a s e m e n t e e a s u a s e m e n t e ; e s t a t e f e r i r á a c a b e ç a , e t u l h e f e r i r á s o c a l c a n h a r " ( G n 3 . 1 5 ) . Ap e s a r d a Q u e d a , E v a s e r i a a u x i l i a r d e D e u s . Ve j a s u a s d e c l a r a ç õ e s a o d a r à l u z C a i m e S e t e ( G n 4 . 1 , 2 5 ) . S é c u l o s m a i s t a r d e , M a r i a h a v e r i a d e e n a l t e c e r o E t e r n o d e I s r a e l p o r t e r s i d o e s c o l h i d a c o m o a m ã e d o S a l va d o r d o m u n d o ( L c 1 . 4 6 - 5 6 ) .
  22. 22. III. O JUÍZO DE DEUS 2. SOBRE A MULHER A f i m d e p u n i r a d e s o b e d i ê n c i a d e E v a , o S e n h o r t o r n a - l h e a m a t e r n i d a d e e s t r e s s a n t e e m u i d o l o r o s a . N ã o b a s t a s s e , s u j e i t a a m u l h e r a o g o ve r n o d o h o m e m : " M u l t i p l i c a r e i g r a n d e m e n t e a t u a d o r e a t u a c o n c e i ç ã o ; c o m d o r t e r á s f i l h o s ; e o t e u d e s e j o s e r á p a r a o t e u m a r i d o , e e l e t e d o m i n a r á " ( G n 3 . 1 6 ; E f 5 . 2 2 , 2 3 ) . Ap e s a r d a Q u e d a , n ã o s ã o p o u c a s a s f i l h a s d e E v a e l o g i a d a s p o r s u a i n c o m u m vi r t u d e e c o o p e r a ç ã o n o R e i n o d e D e u s ( P v 3 1 . 1 0 - 3 0 ; 2 J o 1 - 1 3 ) . S a r a , D é b o r a , E s t e r, M a r i a e P r i s c i l a s ã o a p e n a s a l g u n s d e s s e s b e l o s e x e m p l o s .
  23. 23. III. O JUÍZO DE DEUS 3 . SOB R E O H OMEM D e u s d e n u n c i a Ad ã o c o m o o r e s p o n s á ve l p e l a Q u e d a d a h u m a n i d a d e . C o n f o r m e e s c r e ve o a p ó s t o l o P a u l o , o p e c a d o e n t r o u n o m u n d o n ã o p o r u m a m u l h e r, n e m p e l o D i a b o , m a s p o r i n t e r m é d i o d e u m h o m e m ( R m 5 . 1 2 ) . P o r i s s o , o j u í z o d i vi n o r e c a i c o m m a i s d u r e z a s o b r e o n o s s o p r i m e i r o g e n i t o r. E , p o r c a u s a d e l e , a Te r r a f a z - s e m a l d i t a . P o r c a u s a d e s u a d e s o b e d i ê n c i a a D e u s , o s d i a s d e Ad ã o e d e s e u s d e s c e n d e n t e s s e r i a m m a i s t r a b a l h o s o s . S e u s u s t e n t o s e r i a o b t i d o c o m u m t r a b a l h o m a i s á r d u o , e t e r i a d e c o n vi ve r c o m a d ve r s i d a d e s , e c o m o f i m d e s u a p r ó p r i a e x i s t ê n c i a : " N o s u o r d o t e u r o s t o , c o m e r á s o t e u p ã o , a t é q u e t e t o r n e s à t e r r a ; p o r q u e d e l a f o s t e t o m a d o , p o r q u a n t o é s p ó e e m p ó t e t o r n a r á s " ( G n 3 . 1 9 ) . Ad ã o v i u , a d u r a s p e n a s , o p r e ç o d e s e d e s o b e d e c e r a D e u s e à s u a P a l a vr a .
  24. 24. SINOPSE DO TÓPICO III
  25. 25. Nossos primeiros pais, de fato, pecaram, mas Deus prometeu redimir toda a humanidade pelo sangue de Cristo, pois Jesus morreu por todos.
  26. 26. CONCLUSÃO Deus não foi apanhado de surpresa pela Queda de Adão, pois o Cordeiro, em sua presciência, já havia sido morto desde a fundação do mundo (Ap 13.8). Nossos primeiros pais, de fato, pecaram, mas Deus prometeu redimir toda a humanidade pelo sangue de Cristo, pois Jesus morreu por todos (Jo 1.29). Na genealogia de Jesus, registrada por Lucas, Adão é chamado de filho de Deus (Lc 3.38). Maravilhosa graça! Portanto, apesar da aparente vitória do pecado, o Senhor Jesus, o segundo Adão, veio para resgatar-nos das mãos de Satanás: "Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo" (1 Co 15.22). Somente Jesus Cristo pode-nos resgatar do pecado.
  27. 27. PARA REFLETIR 1) A Queda foi um fato histórico e real? Sim. Podemos ter tal certeza porque a Bíblia nos garante 2) A serpente realmente falou? Sim. Não se trata de uma parábola, mas de um fato histórico. 3) Que juízo recaiu sobre o homem e sobre a mulher? Sobre a mulher: ela teria a sua dor na hora do parto multiplicada. Também teria que se sujeitar ao governo do homem. Sobre o homem: O trabalho de Adão seria misturado com a dor. A respeito do Livro de Gênesis:
  28. 28. PARA REFLETIR 4) Por que Adão foi responsabilizado por Deus como o principal responsável pela Queda da humanidade? Porque ele havia recebido a ordem diretamente de Deus. 5) Deus foi surpreendido pelo pecado do homem? Explique. Deus não foi apanhado de surpresa pela queda de Adão, pois o Cordeiro, em sua presciência, já havia sido morto desde a fundação do mundo (Ap 13.8). Nossos primeiros pais, de fato, pecaram, mas foram prontamente redimidos pelo sangue de Cristo, pois Jesus morreu por toda a humanidade (Jo 1.29). A respeito do Livro de Gênesis:

×