F.Pessoa

6.587 visualizações

Publicada em

Fernando Pessoa

Publicada em: Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.587
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
418
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
201
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

F.Pessoa

  1. 1. Fernando Pessoa
  2. 2. Introdução <ul><li>Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Língua Portuguesa e tem como tema Fernando Pessoa a sua vida, e o seu estilo de escrita que ele utilizava </li></ul><ul><li>Com a realização do trabalho pretende-se dar a conhecer um pouco mais sobre um dos melhores poetas portugueses de todos os tempos. </li></ul>
  3. 3. Os Heterónimos
  4. 4. <ul><li>Alberto Caeiro (15 de Abril de 1889 - 1915) é considerado o mestre dos heterónimos de Fernando Pessoa, apesar da sua pouca instrução </li></ul><ul><li>Proclama-se assim um anti metafísico. </li></ul><ul><li>É um poeta de simplicidade completa e dá especial importância ao acto de ver. Considera que a sensação é a única realidade para nós. Fernando Pessoa formulou 3 princípios do sensacionismo: </li></ul><ul><li>- Todo objecto é uma sensação nossa; </li></ul><ul><li>- Toda a arte é a convenção de uma sensação em objecto; </li></ul><ul><li>- Portanto, toda arte é a convenção de uma sensação numa outra sensação. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Ricardo Reis (1887 - 1935) é um dos três heterónimos mais conhecidos de Fernando Pessoa. Nascido na cidade do Porto. </li></ul><ul><li>Estudou num colégio de jesuítas, formou-se em medicina e, por ser monárquico, expatriou-se espontaneamente desde 1919, indo viver no Brasil. </li></ul><ul><li>Era latinista e semi-helenista. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Álvaro de Campos (1890 - 1935) é um dos heterónimos mais conhecidos de Fernando Pessoa. </li></ul><ul><li>Esse fez uma biografia para cada um dos seus heterónimos e declarou assim que Álvaro de Campos : «Nasceu em Tavira, teve uma educação vulgar de Liceu; </li></ul><ul><li>Depois foi mandado para a Escócia estudar engenharia, primeiro mecânica e depois naval. Numas férias fez a viagem ao Oriente de onde resultou o Opiário. </li></ul><ul><li>Entre todos os heterónimos, Campos foi o único a manifestar fases poéticas diferentes ao longo de sua obra. </li></ul><ul><li>Houve três fases distintas na sua obra. Começa sua trajectória como um decadentista (influenciado pelo Simbolismo), mas logo adere ao Futurismo: é a chamada Fase Sensacionalista </li></ul><ul><li>Após uma série de desilusões com a existência, assume uma veia niilista ou intimismo: é conhecida como Fase Abúlica </li></ul>
  7. 8. Cronologia <ul><ul><li>1888 </li></ul></ul><ul><ul><li>Nasce Fernando António Nogueira Pessoa, em 13 de Junho, no Largo de São Carlos, em Lisboa. </li></ul></ul><ul><ul><li>1893 </li></ul></ul><ul><ul><li>O pai morre de tuberculose. A família é obrigada a leiloar parte de seus bens . </li></ul></ul><ul><ul><li>1894 </li></ul></ul><ul><ul><li>Fernando Pessoa cria seu primeiro heterónimo, “Chevalier de Pas”. </li></ul></ul><ul><ul><li>1895 </li></ul></ul><ul><ul><li>Escreve o seu primeiro poema, intitulado À Minha Querida Mamã. A mãe casa por procuração com o comandante João Miguel Rosa, cônsul de Portugal em Durban. </li></ul></ul><ul><ul><li>1896 </li></ul></ul><ul><ul><li>Parte com a mãe e um tio-avô para Durban. 1897 </li></ul></ul><ul><ul><li>Faz o curso primário na escola de freiras irlandesas da West Street. No mesmo instituto, faz a primeira comunhão. </li></ul></ul><ul><ul><li>1899 </li></ul></ul><ul><ul><li>Ingressa na Durban High School, onde permanecerá durante três anos e será um dos primeiros alunos da turma. Cria o heterónimo “Alexander Search”. </li></ul></ul><ul><ul><li>1901 </li></ul></ul><ul><ul><li>É aprovado com distinção no seu primeiro exame. Escreve os primeiros poemas em inglês. Parte com a família para Portugal. </li></ul></ul><ul><ul><li>1902 </li></ul></ul><ul><ul><li>A família retorna a Lisboa em Junho. Em Setembro, Pessoa volta sozinho para a África do Sul. Tenta escrever romances em inglês. </li></ul></ul>
  8. 9. <ul><ul><li>1902 </li></ul></ul><ul><ul><li>A família retorna a Lisboa em Junho. Em Setembro, </li></ul></ul><ul><ul><li>Pessoa volta sozinho para a África do Sul. </li></ul></ul><ul><ul><li>Tenta escrever romances em inglês. </li></ul></ul><ul><ul><li>1903 </li></ul></ul><ul><ul><li>Submete-se ao exame de admissão à Universidade do Cabo da Boa Esperança. Não obtém uma boa classificação, mas tira a melhor nota entre os 899 candidatos no ensaio de estilo inglês. </li></ul></ul><ul><ul><li>1904 </li></ul></ul><ul><ul><li>Termina seus estudos na África do Sul. </li></ul></ul><ul><ul><li>1905 </li></ul></ul><ul><ul><li>Vai de vez para Lisboa, onde passa a viver com uma tia. Continua a escrever poemas em inglês. </li></ul></ul><ul><ul><li>1906 </li></ul></ul><ul><ul><li>Matricula-se no Curso Superior de Letras. A mãe e o padrasto retornam a Lisboa e Pessoa volta a morar com eles. </li></ul></ul><ul><ul><li>1907 </li></ul></ul><ul><ul><li>A família retorna mais uma vez a Durban. Pessoa passa a morar com a avó. Desiste do Curso de Letras. Em Agosto a avó morre e lhe deixa uma pequena herança. </li></ul></ul><ul><ul><li>1908 </li></ul></ul><ul><ul><li>Começa a trabalhar como correspondente estrangeiro em escritórios comerciais. </li></ul></ul><ul><ul><li>1910 </li></ul></ul><ul><ul><li>Escreve poesia e prosa em português, inglês e francês. </li></ul></ul><ul><ul><li>1912 </li></ul></ul><ul><ul><li>Pessoa estreia como crítico literário, provocando polémicas junto à intelectualidade portuguesa. </li></ul></ul>
  9. 10. <ul><ul><li>1913 </li></ul></ul><ul><ul><li>Intensa produção literária. Escreve O Marinheiro. </li></ul></ul><ul><ul><li>1914 </li></ul></ul><ul><ul><li>Cria os heterónimos Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro. </li></ul></ul><ul><ul><li>Escreve os poemas de O Guardador de Rebanhos e também O Livro do Desassossego. 1915 </li></ul></ul><ul><ul><li>Sai em Março o primeiro número de Orpheu . </li></ul></ul><ul><ul><li>1918 </li></ul></ul><ul><ul><li>Pessoa publica poemas em inglês, “Resenhados” com destaque no ``Times''. </li></ul></ul><ul><ul><li>1920 </li></ul></ul><ul><ul><li>Conhece Ophélia Queiroz. Sua mãe e seus irmãos voltam para Portugal. Em Outubro, atravessa uma grande depressão, que o leva a pensar em internar-se numa casa de saúde. Rompe com Ophélia. </li></ul></ul><ul><ul><li>1921 </li></ul></ul><ul><ul><li>Funda a editora Olisipo, onde publica poemas em inglês . </li></ul></ul><ul><ul><li>1925 </li></ul></ul><ul><ul><li>Morre em Lisboa a mãe do poeta, em 17 de Março. </li></ul></ul><ul><ul><li>1929 </li></ul></ul><ul><ul><li>Volta a se relacionar com Ophélia </li></ul></ul><ul><ul><li>1931 </li></ul></ul><ul><ul><li>Rompe novamente com Ophélia. </li></ul></ul><ul><ul><li>1934 </li></ul></ul><ul><ul><li>Publica Mensagem. </li></ul></ul><ul><ul><li>1935 </li></ul></ul><ul><ul><li>Em 29 de Novembro, é internado com o diagnóstico de cólica hepática. A sua última frase, escrita em inglês, diz: ``I know not what tomorrow will bring''. Morre no dia 30. </li></ul></ul>
  10. 13. O estilo de F. Pessoa <ul><li>Características Temáticas </li></ul><ul><li>Identidade perdida </li></ul><ul><li>Consciência do absurdo da existência </li></ul><ul><li>Tensão sinceridade/fingimento, consciência/inconsciência, sonho/realidade    </li></ul><ul><li>         </li></ul><ul><li>Oposição sentir/pensar, pensamento/vontade, esperança/desilusão </li></ul><ul><li>Anti-sentimentalismo: intelectualização da emoção </li></ul><ul><li>Estados negativos: solidão, cepticismo, tédio, angústia, cansaço, desespero, frustração. </li></ul><ul><li>Inquietação metafísica, dor de viver </li></ul><ul><li>Auto-análise </li></ul>
  11. 14. Características Estilísticas <ul><li>Musicalidade: aliterações, transportes, ritmo, rimas, tom nasal (que conotam o prolongamento da dor e do sofrimento) </li></ul><ul><li>Verso geralmente curto (2 a 7 sílabas métricas) </li></ul><ul><li>Predomínio da quadra e da quintinha (utilização de elementos formais tradicionais) </li></ul><ul><li>Adjectivação expressiva </li></ul><ul><li>Linguagem simples mas muito expressiva (cheia de significados escondidos) </li></ul><ul><li>Pontuação emotiva </li></ul><ul><li>Comparações, metáforas originais, oximoros (vários paradoxos – pôr lado a lado duas realidades completamente opostas) </li></ul><ul><li>Uso de símbolos (por vezes tradicionais, como o rio, a água, o mar, a brisa, a fonte, as rosas, o azul; ou modernos, como o andaime ou o cais) </li></ul><ul><li>É fiel à tradição poética “lusitana” e não longe, muitas vezes, da quadra popular. </li></ul><ul><li>Utilização de vários tempos verbais, cada um com o seu significado expressivo consoante a situação </li></ul>
  12. 15. Imagens Com +/- 6 anos
  13. 16. 1895
  14. 17. 1901
  15. 18. 1908
  16. 19. retrato
  17. 21. Conclusão <ul><li>Com a realização deste trabalho, conclui-se que Fernando Pessoa foi um grande poeta dos inícios do século XX. </li></ul><ul><li>Partiu para África do Sul muito cedo permitindo-lhe aprender e cultivar muito bem a língua inglesa. Trabalhou e colaborou em várias revistas. Delas são exemplo as revistas “Athena”, “Orpheu” e “Presença”. </li></ul><ul><li>Homem de grande pluralidade e densidade psicológica Pessoa era capaz de se “subdividir” em várias personalidades completamente diferentes da sua, os heterónimos. Deles destacam-se Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro (“O Mestre”). </li></ul>
  18. 22. Bibliografia <ul><li>http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portugues_trabalhos/fernpessoaorton.htm </li></ul><ul><li>http://faroldasletras.no.sapo.pt/fernando_pessoa.htm </li></ul><ul><li>http://www.ufp.pt/page.php?intPageObjId=10459 </li></ul><ul><li>Wikipedia.com </li></ul><ul><li>Jornaldepoesia.pt </li></ul>
  19. 23. Trabalho realizado por: <ul><li>Flávio Jorge nº10 </li></ul><ul><li>Luís Carlos nº11 </li></ul><ul><li>Nelson Filipe nº14 </li></ul><ul><li>Nuno Jorge nº16 </li></ul><ul><li>Pedro Renatonº18 </li></ul>

×