História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo

1.044 visualizações

Publicada em

História da Arte: Arte Moderna - do Impressionismo ao Surrealismo

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.044
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
93
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo

  1. 1. Tradição e Ruptura na Arte: A Passagem do Século XIX ao Século XX • O final do século XIX foi um marco na história da arte da Europa. Uma época de rompimento com a tradição clássica que já durava cinco séculos, representada pela arte acadêmica de forte inspiração neoclássica, que fez com que surgisse a Arte Moderna.
  2. 2. Não importa mais a materialidade das coisas que está sendo enfocada, e sim um fenômeno de ordem imaterial: a luminosidade e seu efeito na natureza. A ponte de Argenteuil Claude Monet, século xIX
  3. 3. As escarpas de Etretat Claude Monet, século XIX
  4. 4. Mulher com sombrinha Claude Monet, século XIX
  5. 5. Ninféias Claude Monet, século XIX
  6. 6. La grenouillère Renoir, século XIX
  7. 7. Le moulin de la galete Renoir, século XIX Cena do estudio de Renoir Renoir, século XIX
  8. 8. Primeira Bailarina Edgar Degas, 1876 As Bailarinas verdes Edgar Degas, século XIX
  9. 9. O ensaio Edgar Degas, século XIX
  10. 10. Os pintores franceses Georges Seurat e Paul Signac combinaram as idéias sobre contraste das cores e mistura ótica e criaram uma nova técnica de pintura chamada “Pontilhismo” ou “Divisionismo”. A novidade consistia em justapor pontos de cores brilhantes e contrastantes para que a forma fosse percebida sem que se usasse a linha para contorná-la. Outros artistas deste movimento artístico foram: Gauguin, Toulouse- Lautrec, Cézanne e Van Gogh.
  11. 11. O circo George Seraut, 1890/91 A expressão Pós- Impressionismo foi usada para designar a pintura que se desenvolveu de 1886, a partir da última exposição impressionista, até o surgimento do Cubismo.
  12. 12. Margens do Sena George Seraut, século XIX
  13. 13. Uma tarde de domingo na Grande Jatte George Seraut, 1884/85
  14. 14. Café noturno Paul Gauguin, 1888
  15. 15. Cristo amarelo Paul Gauguin, 1889
  16. 16. O trigal com corvos Vincent Van Gogh, 1890 Van Gogh tinha obsessão pelas cores. Usou-as de maneira exagerada e distorcida, assim como as linhas, com o intuito de expressar seus sentimentos, suas emoções.
  17. 17. O quarto Vincent Van Gogh, 1889
  18. 18. No umbral da eternidade Vincent Van Gogh, século XIX Bêbados Vincent Van Gogh, século XIX
  19. 19. Par de botas Vincent Van Gogh, 1887
  20. 20. Noite estrelada Vincent Van Gogh, 1889
  21. 21. Os girassóis Vincent Van Gogh, 1888
  22. 22. A montanha de Saint Victoire Paul Cezanne, século xix Cézanne tinha como foco principal em seus trabalhos o estudo da forma. Suas investigações o levaram a afirmação de que as formas geométricas são as estruturas básicas e permanentes de todas as formas que existem na natureza, o que mais tarde influenciou o nascimento do Cubismo.
  23. 23. O castelo Medan Paul Cezanne, século xix
  24. 24. A montanha de Saint Victoire Paul Cezanne, século xix A montanha de Saint Victoire Paul Cezanne, século xix
  25. 25. Características gerais da Arte moderna e de seus movimentos (os “ismos”) • Apesar de muito diferentes entre si, os movimentos modernistas apresentam algumas características gerais e marcantes. São elas: • • A liberdade de criação que fez surgir várias correntes artísticas; • • A nova concepção do espaço plástico que deixa de ser perspectivo e torna-se cada vez mais plano e pouca preocupação com a representação do mundo visível; • • O tema da obra perde a importância que tinha no passado e passa a ser um pretexto para a criação artística; • • A experimentação de novas técnicas e materiais provocou o surgimento de novas linguagens artísticas como a colagem e a assemblagem, por exemplo; • • A incorporação de referências artísticas de povos não europeus: a arte oriental, a arte africana, a arte indígena, entre outras. A dança – 1910 – Henri Matisse
  26. 26. O cubismo, uma das primeiras correntes artísticas da Arte Moderna do século XX, manifesta-se na França entre os anos 1908 e 1910. Os pintores e escultores deste movimento afirmavam que na natureza é possível reduzir todas as coisas a formas geométricas perfeitas, mediante as quais elas podem ser representadas. Essa síntese da realidade é fruto de uma busca dos elementos mais fundamentais e primários das artes plásticas, de suas próprias raízes. De fato, uma das características principais do cubismo é a revalorização das formas geométricas – triângulos, retângulos e cubos, além, é claro, da proposição da pintura e da escultura como formas de expressão. Quanto ao nome dado a esse novo movimento, ele não partiu dos próprios artistas, mas dos críticos de arte da época, totalmente desconcertados diante desse novo caminho de expressão artística.
  27. 27. Ao visitar as primeiras exposições e convencidos de que se tratava de uma arte experimental que nunca chegariam a entender, começaram a se referir às obras com o nome de cubos ou de raridades cúbicas. Essa nova corrente foi representada por dois grandes pintores e escultores: Pablo Picasso e Georges Braque, embora se possa dizer que foi o primeiro, com sua obra As Senhoritas de Avignon, que iniciou o cubismo propriamente dito. Porém, foi o pós-impressionista Cézanne e seu estudo das formas da natureza que contribuiu para o nascimento do cubismo. A montanha de Saint Victoire Paul Cezanne, século XIX
  28. 28. As senhoritas de Avignon Pablo Picasso, 1906/07
  29. 29. Cubismo Analítico (cubismo de facetas) Os volumes dos objetos vão sendo decompostos em diversas faces, as quais são focalizadas simultaneamente de vários ângulos e posições. Isto resulta em modificações radicais da estrutura espacial. A perspectiva desaparece. Observamos uma crescente fragmentação dos objetos; eles vão sendo partidos em segmentos cúbicos, e estes, em facetas cada vez menores, acentuadas ainda por contraste formais: claro/escuro, curvas/ângulos, horizontais/verticais. Paisagem de Ceret Pablo Picasso, século XX
  30. 30. Picasso - Moça com bandolim, 1910, MOMA George Braque - Castle at La Roche- Guyon, La Roche-Guyon, 1909 Stedelijk van Abbe Museum, Eindhoven
  31. 31. George Braque - Violin and Pitcher, Paris, 1910 Kunstmuseum Basel Picasso - Retrato de Daniel-Henry Kahnweiler 1910. Instituto de Artes de Chicago. Chicago.
  32. 32. George Braque - Man with a Guitar, Ceret, 1911 The Museum of Modern Art, New York Picasso - Tête d'homme moustachu ('Kou'), 1912 Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris
  33. 33. Cubismo Sintético (cubismo de colagem) Esta fase ainda preserva os princípios cubistas determinando a estrutura espacial das imagens, mas já os artistas retomam a figuração do motivo da imagem, as pessoas e os objetos representados sendo novamente caracterizados por certos aspectos da sua aparência física. Picasso – A mulher que chora, 1937 Tate Galery, Londres
  34. 34. Taça de fruta, violino e garrafa, 1914 Picasso O violino no centro desta natureza morta foi fragmentado. É impossível dizer onde é que ele “realmente” está em relação ao tampo da mesa: por baixo dela ou apoiado sobre qualquer coisa? Esta confusão é típica das obras cubistas. A cor também é usada de forma ambígua, pretende parecer uma colagem de pedaços de papel diferentes.
  35. 35. Os três músicos, 1921, MOMA Picasso
  36. 36. Les Homens dans le ville, 1919 Fernand Leger
  37. 37. Mulher com gato, 1921 Fernand Leger –
  38. 38. Picasso – Fernandez, 1909 Museu Moderno de Estocolmo Picasso - A guitarra, 1912 MOMA Raymond Duchamp-Villon – O cavalo, 1914 Museu Nacional de Arte Moderna - Paris
  39. 39. Auto retrato Pablo Picasso, século XX Guernica Pablo Picasso, 1937, Reina Sofia
  40. 40. Expressionismo O Expressionismo já indica, com seu próprio nome, a principal razão de sua existência: expressar os sentimentos e visões de mundo dos seus artistas. Representado principalmente por Munch, Kirchener, Dufy, Kokoschka, Egon Schiele, o Expressionismo já fora anunciado pelo pintor pós-impressionista Van Gogh, seu grande precursor. Os artistas expressionistas estavam inconformados com a aparência vulgar e convencional do mundo visível e com o modo descritivo com que a arte acadêmica representava este mundo. Passam então a distorcer as formas naturais para expressar suas emoções, seus sentimentos particulares e sua visão sobre o mundo. Para isso fazem uso de cores fortes, de traços e linhas marcados e vibrantes, que resultam em uma dramaticidade e expressividade extremas. Uma obra pictórica que é considerada um símbolo do Expressionismo é “O Grito”, do pintor alemão Edvard Munch.
  41. 41. Edward Munch Auto-retratofumando, Munch,1895
  42. 42. Ogrito,Munch, 1893
  43. 43. Ogrito,Munch, Litografia1895
  44. 44. Ansiedade, Munch,
  45. 45. Melancolia, Munch, 1896
  46. 46. Auto-retrato: entreo relógioe acama Munch, 1940/42
  47. 47. • De um modo amplo, a palavra “abstrato” pode ser aplicada a qualquer obra de arte que não faça uma representação imediata dos objetos. O artista abstracionista usa cores, linhas e manchas para criar formas indefinidas, não copiando mais a realidade. O pintor russo Vassily Kandinsky é considerado por muitos historiadores o iniciador da pintura abstrata no sistema de arte ocidental. Composição VIII, Kandisky, 1923
  48. 48. O abstracionismo dominou a pintura moderna e se diversificou em duas tendências principais: o abstracionismo informal (que não faz uso de formas geométricas) e o abstracionismo geométrico. O ABSTRACIONISMO INFORMAL, que tem em Kandinsky seu principal representante, expressa os sentimentos e idéias do artista que, com total liberdade de expressão, utiliza cores, linhas e formas de maneira espontânea. Diferentemente do informal, no ABSTRACIONISMO GEOMÉTRICO as formas e as cores são organizadas mais racionalmente e a base da composição é composta por linhas e figuras geométricas. O pintor e projetista russo Kazimir Malevich e o pintor holandês Piet Mondrian foram os pioneiros do abstracionismo geométrico.
  49. 49. Composição IV, Kandisky, 1911 ABSTRACIONISMO INFORMAL
  50. 50. Yellow, Red, Blue – Kandisky, 1925 Centre Georges Pompidou, Paris ABSTRACIONISMO INFORMAL
  51. 51. Cidade da igreja Paul Klee ABSTRACIONISMO INFORMAL
  52. 52. Composição 1 Mondrian ABSTRACIONISMO GEOMÉTRICO
  53. 53. Composição 2 Mondrian ABSTRACIONISMO GEOMÉTRICO
  54. 54. Composição suprematista Malevitch ABSTRACIONISMO GEOMÉTRICO
  55. 55. Composição suprematista Branco sobre Branco Malevitch ABSTRACIONISMO GEOMÉTRICO
  56. 56. Como representantes significativos do Surrealismo na pintura, podemos destacar, Salvador Dali e René Magritte. Com o passar do tempo muitos artistas juntaram-se ao grupo, entre eles o pintor e designer russo Marc Chagall e o pintor e artista gráfico espanhol Miró. Este último foi um pintor representativo da linha abstrata dentro do Surrealismo. Alguns pintores surrealistas, na sua forma de representação, estão muito vinculados ainda à arte acadêmica, apesar de trazerem uma postura moderna na liberdade de expressão e abordagem do real (Dali e Magritte). Já outros, se distanciam do naturalismo das formas, chegando até a abstração (Miró). Podemos dizer, porém, que as imagens do sonho e do subconsciente representam bem o universo surrealista, em ambos os casos.
  57. 57. Vertigem, Salvador Dali, 1930, coleção particular Persistência da memória, Salvador Dali, 1931, MOMA
  58. 58. Summer, Miró, 1918 Constelação: despertar da manhã Miró, 1953
  59. 59. A condição humana, Magritte, 1935 Isto não é um cachimbo, Magritte, 1926 Tentando o impossível, Magritte, 1928
  60. 60. A carruagem voadora, Chagall, 1913, Guggenheim Museum, New York Homenagem para Gogol Chagall, 1917, MOMA Aniversário, Chagall, 1915, MOMA
  61. 61.  GOMBRICH, E. H. A História da Arte. Rio de janeiro: Zahar editor.  HAUSER, A. História Social da Arte e da Literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1980-1982. vol. II.  JANSON, H. W. História Geral da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 1993.  PROENÇA, Graça. Descobrindo a História da Arte. São Paulo: Ática, 2005. Profº Raphael Lanzillotte Arte Moderna na Europa 9º ano – EF II

×