História da Arte: Arte Medieval

678 visualizações

Publicada em

História da Arte: Arte Medieval

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
678
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da Arte: Arte Medieval

  1. 1. Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam seu estilo por toda a Europa e parte da Ásia, os cristãos (aqueles que seguiam os ensinamentos de Jesus Cristo) começaram a criar uma arte simples e simbólica executada por pessoas que não eram grandes artistas. Surge a arte cristã primitiva.
  2. 2. Os romanos testemunharam o nascimento de Jesus Cristo, o qual marcou uma nova era e uma nova filosofia. Com o surgimento de um "novo reino" espiritual, o poder romano viu-se extremamente abalado e teve início um período de perseguição não só a Jesus, mas também a todos aqueles que aceitaram sua condição de profeta e acreditaram nos seus princípios. A Arte cristã-primitiva (paleo-cristã) se dividiu em duas fases: 1ª) Fase catacumbária: recebe este nome devido às catacumbas, cemitérios subterrâneos em Roma, onde os primeiros cristãos secretamente celebravam seus cultos. Nesses locais, a pintura é simbólica. 2ª) Fase basilical: o imperador Constantino legaliza o cristianismo. Tanto os gregos como os romanos, adotavam um modelo de edifício denominado "Basílica" (origem do nome: Basileu = Juíz), lugar civil destinado ao comércio e assuntos judiciais. Com o fim da perseguição aos cristãos, os romanos cederam algumas basílicas para eles pudessem usar como local para as suas celebrações.
  3. 3. Jesus Cristo poderia estar simbolizado por um círculo ou por um peixe. Outra forma de simbolizá-lo é o desenho do pastor com ovelhas "Jesus Cristo é o Bom Pastor" e também, o cordeiro. Passagens da Bíblia também eram ali simbolizadas Pinturas paleocristãs das catacumbas - "O Peixe", simbolo do nome de Cristo e "O Cristo Bom Pastor", respectivamente
  4. 4. "Maria amamentando o Menino Jesus", pintura do séc. II, Catacumba de Priscila, Roma
  5. 5. "O Bom Pastor", mausoléu de Galla Placidia, Ravena, Itália, séc. V
  6. 6. Basílica de Santo Apolinário, Ravena – 530 d.C. Paleocristã
  7. 7. Durante a Idade Média (século V ao XV), a arte européia foi marcada por uma forte influência da Igreja Católica. Esta atuava nos aspectos sociais, econômicos, políticos, religiosos e culturais da sociedade. Logo, a arte medieval teve uma forte marca temática: a religião. Pinturas, esculturas, livros, construções e outras manifestações artísticas eram influenciados e supervisionados pela Igreja. A arte Medieval se divide em: Arte Bizantina, Arte Românica e Arte Gótica.
  8. 8. Basílica de San Vitale de Ravena
  9. 9. O cristianismo não foi a única preocupação para o Império Romano nos primeiros séculos de nossa era. Por volta do século IV, começou a invasão dos povos bárbaros e que levou Constantino a transferir a capital do Império para Bizâncio, cidade grega, depois batizada por Constantinopla. Esta mudança da capital possibilitou o aparecimento do primeiro estilo de arte cristã - Arte Bizantina. A temática da arte Bizantina, de uma forma geral, é religiosa: eventos bíblicos, a vida dos santos. Era função do artista representar as crenças em Deus. . O regime era teocrático (Teocentrismo: Deus no centro de tudo. Deus com caráter primário e o homem com caráter secundário) e o imperador possuía poderes administrativos e espirituais; Mesmo quando a arte destinava-se a prestar homenagem a ele, podia ser observado um fundo religioso, uma vez que, seguindo a tradição oriental, o Imperador era considerado como a representação de Deus na Terra.
  10. 10. Igreja de Santa Sofia de Constantinopla (note-se que os quatro minaretes que circundam a Igreja não pertencem à construção primitiva) A igreja de Santa Sofia foi um dos maiores triunfos da nova técnica bizantina, ela possui uma cúpula de 55 metros apoiada em quatro arcos plenos (arco de volta perfeita). Tal método tornou a cúpula extremamente elevada, sugerindo, por associação à abóbada celeste, sentimentos de universalidade e poder absoluto. Apresenta pinturas nas paredes, colunas com capitel ricamente decorado com mosaicos e o chão de mármore polido.
  11. 11. Os mosaicos talvez sejam os mais famosos trabalhos em arte do Império Bizantino. Entretanto, também havia a arte realizada em pequenos objetos, como trabalhos têxteis, jóias, trabalhos em metais e principalmente a iluminação de manuscritos (iluminuras).
  12. 12. Cristo como Soberano do Universo – Mosaico, Catedral de Monreale, Sicília
  13. 13. As iluminuras eram intervenções artísticas feita à mão no início de cada capítulo da bíblia. Os temas usados nas iluminuras eram de personagens bíblicos.
  14. 14. Não se pode falar de Arte Bizantina sem falar dos ícones (palavra que vem do Grego e quer dizer imagem). Eram pequenos painéis de madeira com imagens pintadas, supostamente com poderes mágicos e sobrenaturais. As imagens de santos e seres sagrados são rígidas, em pose frontal, geralmente com halo e olhar fixo. Acreditava-se que os ícones tinham propriedades milagrosas. Cristo (basílica de Santa Sofia – Constantinopla) Cristo Cura dois Homens Cegos (Arte Bizantina – Séc VI) Maria – (Arte Bizantina)
  15. 15. A Arte Românica, cuja representação típica são os mosteiros, castelos e as basílicas de pedra, estendeu-se do séc. XI à primeira metade do séc. XIII na Europa. Na arquitetura, prevaleceu o uso dos arcos de volta perfeita e abóbadas (influências da arte romana). As paredes eram grossas e existiam poucas e pequenas janelas. Os prédios passavam uma ideia de construções “pesadas”, voltadas para a defesa. Em geral,a arquitetura românica tem como características principais paredes sólidas, fachada formada por um corpo cúbico central e duas torres
  16. 16. Abadia de Murbach
  17. 17. Igreja de Saint-Trophime Arles, França
  18. 18. O estilo gótico predominou na Europa no período da Baixa Idade Média (final do século XIII ao XV). As construções (igrejas, mosteiros, castelos e catedrais) seguiram, no geral, algumas características em comum. O formato horizontal foi substituído pelo vertical, opção que fazia com que a construção estivesse mais próxima do céu. Os detalhes e elementos decorativos também foram muitos usados. Catedral de Notre-Dame – Paris
  19. 19. Catedral de Notre-Dame – Paris
  20. 20. Catedral de Amiens
  21. 21. Catedral de Chartres
  22. 22. As paredes passaram a ser mais finas e de aspecto leve. As janelas apareciam em grande quantidade. As torres eram em formato de pirâmides. Os arcos de volta-quebrada e ogivas foram também recursos arquitetônicos utilizados. Interior da Catedral de Sainte-Chapelle
  23. 23. Com relação às esculturas góticas, o realismo prevaleceu. Os escultores buscavam dar um aspecto real e humano às figuras retratadas (anjos, santos e personagens bíblicos). Esculturas do pórtico de entrada da Catedral de Estrasburgo Ekkehart e Uta – da série “fundadores” na Catedral de Naumburg
  24. 24. Na pintura, podemos destacar as iluminuras, os vitrais, painéis e afrescos. Embora a temática religiosa ainda prevalecesse, observa-se, no século XV, algumas características do Renascimento: busca do realismo, expressões emotivas e diversidade de cores.
  25. 25. Vitral é um desenho elaborado com pedaços pequenos de vidro ou algum outro material semelhante (plástico, acrílico). Uma das características mais importantes dos vitrais é a variedade de cores. Os vitrais podem ser encontrados em grande parte das igrejas católicas, principalmente nas catedrais góticas. Retratam cenas religiosas, principalmente, passagens da Bíblia Sagrada. Atualmente este tipo de arte ainda é muito valorizada, principalmente pelos artesãos que a utilizam para dar beleza às suas obras de arte.Rosáceas de catedrais góticas
  26. 26. Vitral – Catedral Gótica
  27. 27. A Lamentação de Cristo Afresco: Capela dell’Arena, Pádua Giotto di Bondone Detalhe de um afresco Capela dell’Arena, Pádua Giotto di Bondone
  28. 28. Arquitetura Neogótica no Brasil Catedral São Pedro de Alcântara Petrópolis Edificações góticas autênticas não existem no Brasil, mas o revivalismo neogótico popularizou-se perto do final do reinado de D. Pedro II, especialmente a partir da década de 1880. Uma igreja neogótica pioneira é a Catedral de Petrópolis, começada em 1884 mas só concluída cerca de 1925, que abriga os túmulos do Imperador e sua família.
  29. 29. Arquitetura Neogótica no Brasil No Rio de Janeiro, então capital, foram construídos muitos edifícios neste estilo a partir da década de 1880, como o pitoresco Palácio da Ilha Fiscal, construído sobre uma ilha na Baía da Guanabara entre 1881 e 1889, Palácio da Ilha Fiscal Baía da Guanabara, RJ
  30. 30. •GOMBRICH, Ernest Hans. A História da Arte. 16 ed. Rio de Janeiro: LTC. 1999. •PROENÇA, Graça. História da Arte. São Paulo: Ática, 2005. •PROENÇA, Graça. Descobrindo a História da Arte. São Paulo: Ática, 2005. •http://www.rainhadapaz.com.br/projetos/artes/quatrofases/icon es.htm •http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/arte_medieval.htm •www.brasilescola.com/historiag/arte-gotica2.htm •http://umolharsobreomundodasartes.blogspot.com/2009/04/art e-medieval-arte-paleocrista-e.html Fontes de consulta:

×