Sem título 1

257 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
257
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sem título 1

  1. 1. 1. DESCRIÇÃO DO PROJETO"Análise cinesiológica de atividade laboral ou desportiva"PÚBLICO-ALVOAlunos do curso de Licenciatura em Educação Física na modalidadeEAD.OBJETIVOS• Auxiliar o processo de análise crítico-reflexiva das práticasescolares.• Auxiliar o processo de proposição e de adequação deatividades relacionado aos componentes curriculares daEducação Física.METODOLOGIAFase 1: análise de movimentos durante a atividade desportiva erecreativa na escolaInicialmente, você deverá selecionar a imagem de uma atividadedesportiva ou recreativa, que poderá ser retirada de livros,sites ou, até mesmo, de pessoas conhecidas praticando atividadese descrever os movimentos realizados pelos membros superiorese inferiores atentando-se para cada eixo, plano e movimento realizado,vistos na Unidade 1.Fase 2: Análise cinesiológica dos movimentos selecionadosApós a descrição dos movimentos de cada articulação dosmembros, você deverá selecionar duas dessas articulações, analisare descrever cada músculo envolvido no gesto. Para facilitar oseu entendimento, utilize a Unidade 2.Selecione, ainda, um dos músculos envolvidos no gesto e indique,na imagem, a força gerada pelo músculo, a localização, adireção e o sentido desta. Veja, na Unidade 1, o sistema de descriçãode vetores de força para sua melhor compreensão.Fase 3: Análise fisiológica dos movimentos selecionadosApós descrever os movimentos e os músculos envolvidos,faça uma análise fisiológicautilizando os conceitos desenvolvidosna Unidade 3 e classifique, fisiologicamente, as unidades motorase os músculos, atentando-se para o tipo de unidade motora ecorrelacionando-as com o tipo de fibra muscular envolvida na açãodo músculo em atividade.Não se esqueça de que, no decorrer das atividades, devehaver a participação e a cooperação de todos, e que essa Práticadeverá ser analisada pelo próprio grupo no sentido de desenvolver
  2. 2. o senso de coletividade.RemoNa POSIÇÃO INICIAL há uma ISOMETRIA,Lado Esquerdo e direito:Ombro esquerdo:extensão no plano sagital,eixo latero-lateralOmbro Direito-extensão em plano sagital,eixo latero-lateral.Cotovelo Direito –Flexão em Plano sagital, eixo latero-lateralCotovelo esquerdo—Flexão em Plano sagital, eixo latero-lateralQuadril -Flexão em Plano sagital, eixo latero-lateralJoelho Direito e esquerdo= FLEXÃO em plano sagital, eixo latero - lateralJoelho esquerdo= FLEXÃO em plano sagital, eixo latero - lateralFASE 2Cotovelo esquerdo- É uma articulação fundamental para complementar a mobilidade do membrosuperior. -Movimentos de flexão ,extensão,pronação e supinaçãoBiceps---É um músculo cilíndrico, fusiforme e relativamente grosso. É formado por duascabeças. Uma longa que se origina no tubérculo supraglenoidal da escápula e possui um tendão deorigem maior e mais fino. Outra curta que se origina do processo coracóide da escápula e se localizamedialmentea cabeça longa. As duas cabeças se unem em um único tendão de inserção . Ação: flexão,extensão,pronação e supinação Inserção: Tuberosidade do rádio .Sua força é isotônica concêntrica-Ocorreu um movimento articular pela contração muscular,omúsculo se encurtou e houve aproximação da origem da sua inserção.Posição inicial, realizando movimento em torno do eixo lateral, flexão.Joelho esquerdo- Todos os ligamentos do joelho estão tensos em extensão completa, fazendo desta a
  3. 3. posição mais estável do joelho. A articulação do joelho é classificada como sendo uma articulçãosinovial complexa e, é considerada uma das articulações mais acometidas por lesões,principalmente no meio desportivo.Joelho encontra-se flexionado, realizando movimento no plano mediano em torno do eixo lateral.Temos uma flexão.Bíceps femoral- Flexiona e roda, lateralmente a tíbia/ A força de compressão é conhecida comoforça de Reação da articulação patelo femoral (RAPF). Portanto, a RAPF é influenciada pelo graude flexão do joelho e pela quantidade de força produzida pela contração do quadríceps.Força isotônico concêntricaFASE 3JoelhoBiceps Femoral-Músculos motores dos joelhos dividem-se em grupo muscular anterior da coxa (flexores), alémdos músculos das pernas que são bioarticulares.fibra rápida, tipo Iib-Unidade motora RRF-CotoveloFibra Rápida , Tipo IibUnidade motora RRFReferências:http://www.scielo.br/pdf/rbme/v13n5/06.pdfBERNASCONI,Maurizio; TENUCCI, Marco.Extreme Rafting: history, techniques, runs.Italy: UniversePublishing,1998.Enciclopedia Completa de Los Deportes: Guia autorizada, puesta al dia e ilustrada,de las normas y regulamentos oficiales, historia y objetivos de todos los deportes/1983.DiagramGroup EDAF, Ediciones e Distribuciones, S.A, 1984.GRAY, Henry.Anatomia.Tradutores: Antonio Gomes Correa de Pinho et al. Rio de Janeiro :Guanabara, c1988.HAMILL, Joseph e KNUTZEN, Kathleen M.Bases biomecânicas do movimento humano.TraduçãoLilia Breternitz Ribeiro. São Paulo: Manole, 1999.MENDES, René.Patologia do Trabalho.Rio de Janeiro: Atheneu, 1995.MIRANDA, Edalton.Bases de Anatomia e Cinesiologia.2ª edição - Rio de Janeiro: Sprint,2000.Rafting: Fique por dentro.Aventura automóvel, Barueri, Ano II, nº 25, dez. 2001. p. 68-69.
  4. 4. RASCH, Philip J.Cinesiologia e anatomia aplicada.Tradutor Márcio Moacyr de Vasconcelos. Rio deJaneiro: Guanabara Koogan, 1991.SCHIMIDT, Richard A. e WRISBERG, Craig.A aprendizagem e performance motora: Umaabordagem da aprendizagem baseada no problema.2ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.THOMAS, Jerry R. e NELSON, Jack K.Métodos de Pesquisa em Atividade Física.Trad. RicardoPetersen et. Al. Porto Alegre: Artmed, 2002KENDALL, F.P. e CREARY, E.K. Força Muscular em Relação à Postura. In: Músculos, provas efunções, 4. ed., SP. Ed. Manole, 1995.KENDALL, F.P. e CREARY, E.K. Movimentos das Articulações. In: Músculos, provas e funções, 3.ed., SP. Ed. Manole, 1987.

×