Bioética, aborto e eutanásia

1.289 visualizações

Publicada em

Associamos o aborto e a eutanásia com a bioética, espero que ajude , bjs !

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.289
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
250
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bioética, aborto e eutanásia

  1. 1. Componentes: Adalberto Júnior Ana Lúcia Sobrinho Ana Karolina Belfort Geicielly Lima Jaynara Lima Letícia Coutinho Raiane Lima Vallmylheya Maelly Walterney
  2. 2. Ética e Moral não se confundem . A Ética engloba a moral, e a moral é apenas um aspecto da ética. Ética vem do grego ETHOS, o modo de ser no mundo, a individualidade do ser humano. A moral do latim MORES, usos e costumes, modos de agir conforme o tempo e a cultura, a moral estabelecida em função do contexto histórico e da sociedade.
  3. 3. Para que uma atitude seja considerada ética é necessário que seja aceita como valor assumido de uma sociedade e ao mesmo tempo respeite a individualidade do sujeito, objeto de uma ação.
  4. 4. É a interrupção da gravidez com destruição do produto da concepção, o embrião(3 semanas a 3 meses) ou feto(após 3 meses), não sendo necessário sua expulsão para configurar o aborto. O produto da concepção pode ser dissolvido, reabsorvido pelo organismo da mulher, ou pode a gestante morrer antes de sua expulsão.
  5. 5. Seria ético o direito da mulher de decidir sobre seu próprio corpo? O que seria “moral” em termos de aborto para a nossa sociedade? Um aborto pode ser legal e até moral, mas nunca será ético.
  6. 6. Segundo a OMS, o aborto é classificado como a morte embrionária ou fetal, seja ele induzido ou espontâneo, antes de completar 20 semanas ou com peso fetal inferior a 500 g.
  7. 7. Aborto eugênico: É aquele praticado em função de malformação ou comprometimento fetal e incompatível com a vida. Aborto sentimental ou moral: É aquele que ocorre quando a gravidez é resultado de um estupro. Aborto terapêutico: É quando a mulher corre risco de vida.
  8. 8.  No Brasil, segundo o artigo 124 do Código Penal Brasileiro, é crime a prática de aborto em si mesma, ou consentir que outrem lhe provoque, levando a pena a detenção de um a três anos.  O código de ética dos profissionais de enfermagem garante ao profissional, o direito de recusar a sua participação nas práticas de aborto.(Art. 28 do parágrafo único).
  9. 9. É aquele que leva a expulsão do concepto de maneira intencional, seja por ingestão de medicamentos ou até mesmo pela introdução de objetos que facilitem a dilatação e esvaziamento da cavidade uterina. TIPOS: Aspiração,Curetagem,Químicos,Sufoca -mento,Envenenamento,etc.
  10. 10. Dado alarmante: 55% das mulheres são internadas logo após o aborto. Significa que essas mulheres não apenas precisaram ir a um hospital, mas que tiveram complicações de saúde.
  11. 11. Artigo 124 – Provocar aborto em si mesma ou consentir que outrem lho provoque. Pena: Detenção de 1 á 3 anos. Artigo 125 – Provocar aborto, sem o consentimento da gestante. Pena: Reclusão de 3 á 10 anos. Artigo 126 – Provocar o aborto, com o consentimento da gestante. Pena: Reclusão de 1 á 4 anos.
  12. 12. Artigo 127 – Forma qualificada; As penas cominadas nos dois artigos anteriores são aumentadas de um terço, se, em conseqüência do aborto ou dos meios empregados para provocá-lo, a gestação sofre lesão corporal de natureza grave; e são duplicadas, se, por qualquer dessas causas, lhe sobrevém a morte.
  13. 13. Artigo 128 - Não se pune o aborto praticado por um médico, sendo eles: *Aborto necessário (risco de vida da gestante) *Em caso de estupro. * Em caso de anencefalia.
  14. 14. Visto que qualquer que seja o motivo pelo qual a mãe decide realizar a interrupção voluntária da gravidez (violação,malformação ou escolha pessoal) trata-se da morte de um ser humano e como tal provido do direito à vida e à concretização de uma vivência futura plena de dignidade.
  15. 15. A palavra “Eutanásia” significa literalmente, “uma boa morte”. Na atualidade, entende-se geralmente que “eutanásia” significa provocar uma boa morte, em que uma pessoa acaba com a vida de outra pessoa para benefício desta. Pode ser dividida em: voluntária,involuntária e não-voluntária.
  16. 16. Consiste na facilitação ao suicídio do paciente, onde o agente, normalmente parente próximo, põem ao alcance do enfermo terminal alguma droga fatal ou outro meio congênere, em outros temos, quando uma pessoa ajuda outra a matar a si própria.
  17. 17. Supondo que a pessoa já não esteja em condições de afirmar o seu desejo de morrer quando a sua vida acabou a eutanásia pode ser voluntária, em situações que esteja sofrendo de um mal incurável e doloroso de doença ou acidente.
  18. 18. É quando a pessoa a quem se retira a vida não pode escolher entre a vida e a morte para si – porque é, por exemplo, um recém nascido irremediavelmente doente ou incapacitado, ou um acidente que deixo incapaz uma pessoa anteriormente capacitada(sem a pessoa ter indicado se queria ou não a prática de eutanásia).
  19. 19. É quando realizada numa pessoa que poderia ter consentido ou recusado a sua própria morte, mas não o fez – seja porque não lhe perguntaram, seja porque lhe perguntaram mas não deu consentimento, querendo continuar a viver.
  20. 20. Até agora definimos “eutanásia” de forma vaga. Há, contudo, duas formas diferentes de provocar a morte de outro; Pode se matar administrando, por exemplo uma injeção letal (EUTANÁSIA ATIVA) ou pode-se permitir a morte negando ou retirando tratamentos de suporte à vida(EUTANÁSIA PASSIVA).
  21. 21.  Não conseguir ou não querer ajudar a vítima (de um tiroteio,por exemplo) é uma omissão ou seja deixou o outro morrer. Porém nem todas as ações e omissões são de interesse central de debate da eutanásia, somente aquelas que são intencionais.  Por outro lado matar, se enquadra á situações em que o agente poderia ter agido de outra forma, mas se omitiu a prestar assistência.
  22. 22. É etimologicamente o contrário da eutanásia. Consiste em atrasar o mais possível o momento da morte usando todos os meios proporcionados, ainda que não haja esperança de cura. Atrasar, algumas horas ou até mesmo dias.
  23. 23. É o nome dado ao processo pelo qual se opta por não submeter um paciente terminal a procedimentos invasivos que adiam a sua morte, mas, ao mesmo tempo, comprometem sua qualidade de vida. Assim, a ortotanásia foca na adoção de procedimentos paliativos, buscando o controle da dor e de outros.
  24. 24. As pessoas admitem freqüentemente que não pode haver uma diferença moral entre eutanásia passiva, ativa entre meios normais ou extraordinários, e entre mortes que são diretamente desejadas e mortes que são apenas previstas.

×