Disturbios hipercineticos do movimento

11.092 visualizações

Publicada em

Apresentado dia

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.092
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
250
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Disturbios hipercineticos do movimento

  1. 1. TREMORES Arthur Ferreira
  2. 2. Distúrbios Hipercinéticos do Movimento. São movimentos involuntários e anormais que podem ser regulares ou irregulares.
  3. 3. Regulares. <ul><li>Tremor de Repouso. </li></ul><ul><li>Tremor Postural. </li></ul><ul><li>Tremor de Intenção. </li></ul>
  4. 4. Irregulares. <ul><li>Coréia </li></ul><ul><li>Mioclonia </li></ul><ul><li>Distonia </li></ul><ul><li>Atetose </li></ul><ul><li>Balismo </li></ul><ul><li>Tic </li></ul>
  5. 5. Regulares. <ul><li>Tremor de Repouso Frequência de 6-12Hz, início unilateral em extremidades. Atinge intensidade máxima quando o paciente está em repouso. </li></ul><ul><li>Comum no parkinson, associado a rigidez em roda dentada e bradicinesia. Quando aparece de forma rápida pode está associado com a exposição a toxinas ou por agentes bloqueadores de dopamina (fenotiazinicos). </li></ul>
  6. 6. Regulares. <ul><li>Tremor Postural ou Essencial </li></ul><ul><li>Máximo quando há esforço em posição contra a gravidade. </li></ul><ul><li>Provoca oscilação de flexão-extensão mas mãos ou movimentos de </li></ul><ul><li>adução-abdução nos dedos quando os braços estão </li></ul><ul><li>esticados.Também afeta a cabeça e a voz, o que o diferencia o tremor </li></ul><ul><li>do tremor de Parkinson. Existem formas focais e tarefas específicas </li></ul><ul><li>com escrever ou segurar um objeto em determinada posição. </li></ul><ul><li>É causado por fatores tóxicos, estresse ou metabólicos </li></ul><ul><li>(hipertireoidismo). </li></ul><ul><li>O uso de beta-bloqueadores, ex., propranolol, são eficaz no tratamento </li></ul><ul><li>desse tremor. </li></ul>
  7. 7. Regulares. <ul><li>Tremor de Intenção; </li></ul><ul><li>Marcante durante a realização de movimentos. </li></ul><ul><li>É um sinal de doença cerebelar ( doença desmielinizante): EM, </li></ul><ul><li>Polirradicoloneurite, SGB, Mielite transversa. </li></ul>
  8. 8. Irregulares. <ul><li>Coréias </li></ul><ul><li>Movimentos involuntários, de grande amplitude, dançante, arritímico, </li></ul><ul><li>pode ser generalizado, hemicoreico, anormais, caretas ou distal </li></ul><ul><li>presente geralmente nos pés e nas mãos. Comum na degeneração do </li></ul><ul><li>SNC. Estriado e caudado. </li></ul><ul><li>Sydehan; F ebre reumática (infecção estreptococo). </li></ul><ul><li>Huntington ; Doença autossômica dominante, caracterizada por </li></ul><ul><li>disfunção motora emocional e cognitiva progressiva.Inicia-se com </li></ul><ul><li>movimentos arrítmicos focais e segmentares (aumento do piscar, </li></ul><ul><li>caretas).Caracteriza-se por uma “dança” involuntária e irregular, </li></ul><ul><li>súbitas e breves. </li></ul><ul><li>Os antipsicóticos atípicos como clozapina e espiridona podem ser mais </li></ul><ul><li>eficazes do que os bloqueadores de dopamina. </li></ul>
  9. 9. Irregulares. <ul><li>Mioclonia. </li></ul><ul><li>Movimentos rápidos que aparecem e desaparecem como se fosse um </li></ul><ul><li>choque. Causados por distúrbios metabólicos como (IRC, </li></ul><ul><li>hipocalcemia, insuficiência cardíaca,insuficiência hepática e uremia). </li></ul><ul><li>Qualquer doença que cause hipóxia cerebral (ex; Síndrome de Lance </li></ul><ul><li>Adams) e afetam o núcleo subtalâmico de Levy. </li></ul><ul><li>Paciente pode dar um tapa no ar tão forte (expontâneo) que pode </li></ul><ul><li>acabar deslocanco o próprio ombro. </li></ul>
  10. 10. Irregulares. <ul><li>Asterixe: Flapping/Clônus </li></ul><ul><li>Inibição intermitente da contração muscular que ocorre na </li></ul><ul><li>encefalopatia metabólica. Causa flexão parcial transitória e repetitiva </li></ul><ul><li>dos pulsos, na tentativa de mantê-los estendidos(flapping). </li></ul>
  11. 11. Irregulares. <ul><li>Distonia. </li></ul><ul><li>Ocorre devido a irritação dos gânglios de base ocasionando uma </li></ul><ul><li>co-contração lenta e involuntária dos músculos agonistas e </li></ul><ul><li>antagonistas que tende a retornar a forma original da musculatura </li></ul><ul><li>(posição inicial). Está presente durante a tentativa de movimento </li></ul><ul><li>voluntário (chamada distonia de ação). Ocorre um padrão de </li></ul><ul><li>movimentos que a diferem da coréia. É exacerbada pelo </li></ul><ul><li>estresse e fadiga. Característica singular, o distúrbio pode ser </li></ul><ul><li>atenuado por estímulos sensorias no momento da manifestação </li></ul><ul><li>(truques sensorais). Foi descrito por Openheig como </li></ul><ul><li>hereditário/genético, medicamentoso (haloperidol e neurolépticos) </li></ul><ul><li>Exemplos: torcicolo, distonia facial e distonia generalizada. </li></ul>
  12. 12. Irregulares. <ul><li>Atetose </li></ul><ul><li>Forma lenta de coréia caracterizada por movimentos de torção e </li></ul><ul><li>contorção. Comum na paralisia cerebral, Kenicterus, prematuridade ou </li></ul><ul><li>após AVC. </li></ul>
  13. 13. Irregulares. <ul><li>Balismo </li></ul><ul><li>É uma forma de coréia grosseira, normalmente afeta apenas um lado </li></ul><ul><li>do corpo, daí o nome hemibalismo. Movimentos súbitos e violentos. </li></ul><ul><li>Ocorre lesão do núcleo subtalâmico contralateral com maior frequência </li></ul><ul><li>devido ao AVC, pode ocorrer também traumatismo, tumor cerebral, </li></ul><ul><li>mal-formação arteriovenosa e doença desmielinizantes. Deve-se tratar </li></ul><ul><li>a causa base e utilizar fármacos como propranolol, clonazepam e </li></ul><ul><li>fenitoina. </li></ul>
  14. 14. Irregulares. <ul><li>Tic </li></ul><ul><li>São movimentos voluntátios e/ou involuntários. Comum na infância e </li></ul><ul><li>estão relacionados com a Síndrome de Tourette. </li></ul><ul><li>O paciente pode inibir voluntariamente. </li></ul>
  15. 15. Bibliografia. <ul><li>Harrison; medicina interna, 16 ed.2006. </li></ul><ul><li>Machado Angelo;Neuroanotomia funcional, 2ed. 2002 </li></ul><ul><li>Cecil; Tratado de Medicina Interna - 22ª Ed. 2006. </li></ul><ul><li>www.youtube.com </li></ul>

×