Secreções digestivas

17.297 visualizações

Publicada em

Enzimas da disgetão

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
117
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Falar que o valor é variável
  • Secreções digestivas

    1. 1. SECREÇÕES DIGESTIVAS SALIVAR GÁSTRICA PANCREÁTICA BILIAR INTESTINAL DELGADO INTESTINAL CÓLON
    2. 2. SECREÇÕES DIGESTIVAS SALIVAR GÁSTRICA PANCREÁTICA BILIAR INTESTINAL DELGADO INTESTINAL CÓLON
    3. 3. EXÓCRINA (mucosa, serosa e/ou hidroeleletrolítica) Tipos de secreções do TGI ENDÓCRINA (hormônios) NEURÓCRINA (neurotransmissores e/ou neuromoduladores)
    4. 4. There are several pairs of salivary glands in different locations: a major pair in front of the ears (parotid glands); two major pair on the floor of the mouth (sublingual and submaxillary glands); and several minor pairs within the lips, cheeks, and tongue. http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/imagepages/9654.htm As glândulas salivares
    5. 5. Veja mais em: http://mcb.berkeley.edu/courses/mcb136/topic/Gastrointestinal/Secretion_in_GI-Tract/
    6. 6. A secreção salivar
    7. 7. Enzima ou muco A secreção salivar
    8. 8. A secreção serosa salivar: alfa-amilase ( ptialina ) Amilopectina (amido) de batata
    9. 9. Produção e secreção de saliva 24 horas/dia Tônus PS
    10. 10. PS: Sistema Nervoso Parassimpático; SP: Sistema Nervoso Simpático; GCS: gânglio cervival superior. (+) ou ( - )
    11. 11. Regulação da secreção salivar (PS e SP)
    12. 13. SECREÇÕES DIGESTIVAS SALIVAR GÁSTRICA PANCREÁTICA BILIAR INTESTINAL DELGADO INTESTINAL CÓLON
    13. 14. A secreção gástrica Vander, Sherman & Luciano, 1997
    14. 17. Células “G” secretoras de GASTRINA http://calloso.med.mun.ca/~tscott/digest/digtut.htm
    15. 18. http://anatomy.iupui.edu/courses/histo_D502/D502f03/f03_labs/Lab11/Lab11f03.html células mucosas células principais células parietais muco e HCO 3 - pepsinogênio HCl e Fator Intrínseco SECREÇÕES EXÓCRINAS
    16. 21. Veja mais em: http://mcb.berkeley.edu/courses/mcb136/topic/Gastrointestinal/Secretion_in_GI-Tract/
    17. 22. Veja mais em: http://mcb.berkeley.edu/courses/mcb136/topic/Gastrointestinal/Secretion_in_GI-Tract/
    18. 23. Resumo das secreções gástricas Vander, Sherman & Luciano, 1997
    19. 24. célula parietal absorção da Vitamina B 12                                                <> http://www.uq.edu.au/vdu/HDUAnaemiaMegaloblastic.htm e http://www.animatedmedical.com/Pernanem/pernanem.html e http://www-ermm.cbcu.cam.ac.uk/03006434h.htm Fator Intrínseco e a absorção da Vit. B 12
    20. 25. Vander, Sherman & Luciano, 1997 Mecanismos intracelulares de secreção ácida gástrica (célula parietal)
    21. 26. Figure 1 Model for the regulation of gastric acid secretion. Shown are a parietal cell, an ECL cell, a D cell, and many of the important regulators of acid secretion. Parietal cells are stimulated by three main agonists: gastrin, histamine, and ACh. Gastrin binds to CCK B (gastrin/cholecystokinin-B)receptors on the parietal cell to evoke an increase in intracellular calcium; histamine binds to H 2 receptors, which primarily signal through increased cAMP; ACh binds to M 3 receptors to stimulate an increase in intracellular calcium. Parietal cell stimulation results in movement of H + /K + -ATPase pumps to the apical membrane to secrete acid. Histamine is released from ECL cells in response to gastrin stimulation as well as neuronal stimulation via PACAP ( pituitary adenylate cyclase-activating polypeptide ). Somatostatin (Sst) released from D cells inhibits acid secretion by reducing ECL cell histamine release, blocking gastrin release, and directly inhibiting parietal cell acid secretion. Annual Review of Physiology March 2003 , Vol. 65, pp. 383-400 Samuelson and Hinkle, 2003 Regulação da secreção ácida gástrica
    22. 27. Olbe, Carlsson & Lindberg, 2003. Nature Reviews Drug Discovery 2, 132-139 (2003) http://www.nature.com/cgi-taf/DynaPage.taf?file=/nrd/journal/v2/n2/full/nrd1010_r.html Regulação da secreção ácida gástrica e ações de drogas anti-ácidas:
    23. 28. Regulação da secreção ácida gástrica na fase cefálica
    24. 30. Regulação da secreção ácida gástrica na fase gástrica
    25. 32. veja mais em: http://courses.washington.edu/conj/bess/acid/acidreg.html SECREÇÃO ÁCIDA GÁSTRICA NOS PERÍODOS INTERDIGESTIVOS TÔNUS PARASSIMPÁTICO (+) PS
    26. 33. Regulação da secreção ácida gástrica na fase intestinal
    27. 34. SECREÇÕES DIGESTIVAS SALIVAR GÁSTRICA PANCREÁTICA BILIAR INTESTINAL DELGADO INTESTINAL CÓLON
    28. 35. SECREÇÕES EXÓCRINAS PANCREÁTICA E HEPÁTICA
    29. 36. Pancreas <ul><li>Exocrine: </li></ul><ul><ul><li>Acini: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Secrete pancreatic juice. </li></ul></ul></ul><ul><li>Endocrine: </li></ul><ul><ul><li>Islets of Langerhans: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Secrete insulin and glucagon. </li></ul></ul></ul>Insert fig. 18.26
    30. 37. Bile is a digestive fluid secreted by the liver and stored in the gallbladder which normally is released into the duodenum portion of the small intestine through the sphincter of Oddi. Bile, released after a meal containing fats, aids in absorption and digestion of the fat. A secreção exócrina hepática: a bile
    31. 38. Vander, Sherman & Luciano, 1997
    32. 39. Exocrine function of the pancreas is served by the acinar cells , centroacinar cells , and intercalated ducts . The acinar cells secrete digestive enzymes and the duct cells supply an alkaline buffer solution. The endocrine portion is composed of the islets of Langerhans , richely vascularized spherical aggregates of cells encased by reticular fibers. The islets are composed of five types of cells, which can be differentiated from each other only with special stains. http://www.mayo.edu/research/giresearch/topic_258.html
    33. 40. CARBOHIDRATOS Dieta – polissacarídeos: amido (amilopectina e amilose) Glicogênio Dissacarídeos: sacarose, lactose e maltose Monossacarídeos: glicose, galactose e frutose. ENZIMAS Alfa-amilase salivar Alfa-amilase pancreática Oligossacaridases (na borda em escova): alfa- dextrinases, glicoamilase, lactase e sucrase  
    34. 41. PROTEÍNAS Porque da necessidade de digestão de proteínas: proteína estranha; perfil enzimático individual. ENZIMAS Estômago: pepsinas (I, II e III); gelatinase e renina. Pâncreas: tripsina; quimiotripsina; carboxipeptidase A e B; elastase. Intestino: enteroquinase, aminopeptidases; dipeptidases.   GORDURAS Triglicerídeos e fosfolipídeos (lecitina) Ação emulsificante dos sais biliares Lipase pancreática Fosfolipase pancreática (lecitina) Lipase intestinal (monoglicerídeos)   ÁCIDOS NUCLEICOS Pâncreas: Ribonuclease e Desoxirribonuclease
    35. 42. AS SECREÇÕES EXÓCRINAS PANCREÁTICAS
    36. 43. Regulação das secreção exócrina pancéática (ductos e ácinos) pelos hormônios intestinais
    37. 44. Lipase pancreática A secreção serosa pancreática: lipase pancreática
    38. 45. A secreção serosa pancreática: alfa-amilase Amilopectina (amido) da batata OBS: você reparou que é a mesma ação da alfa-amilase salivar?
    39. 46. A secreção serosa pancreática: a ativação das pró-proteases pancreáticas no intestino delgado pela enteroquinase (da borda-em-escova)
    40. 47. A secreção serosa pancreática: a ativação das pró-proteases pancreáticas no intestino delgado pela enteroquinase (da borda-em-escova)
    41. 48. SECREÇÕES DIGESTIVAS SALIVAR GÁSTRICA PANCREÁTICA BILIAR INTESTINAL DELGADO INTESTINAL CÓLON
    42. 49. A secreção exócrina hepática
    43. 50. Bile is a digestive fluid secreted by the liver and stored in the gallbladder which normally is released into the duodenum portion of the small intestine through the sphincter of Oddi. Bile, released after a meal containing fats, aids in absorption and digestion of the fat. A secreção exócrina hepática: a bile
    44. 52. A secreção exócrina hepática: a bile
    45. 53. Veja mais em: http://mcb.berkeley.edu/courses/mcb136/topic/Gastrointestinal/Secretion_in_GI-Tract/
    46. 54. Função digestiva da bile: sais biliares
    47. 55. Sais biliares e a emulsificação das gorduras Vander, Sherman & Luciano, 1997; http://people.bu.edu/fgarcia/lectures/gi/index.htm
    48. 56. Sais biliares e a emulsificação das gorduras: a formação das micelas para a digestão pela lipase pancreática Vander, Sherman & Luciano, 1997 MICELA
    49. 57. Resumo da emulsificação, digestão e absorção de gordura Vander, Sherman & Luciano, 1997
    50. 58. A circulação êntero-hepática dos sais biliares Vander, Sherman & Luciano, 1997
    51. 59. REGULAÇÃO DA SECREÇÃO BILIAR Produção de bile+circulação êntero-hepática dos sais biliares e esvaziamento da vesícula biliar e relaxamento de Oddi pela CCK ? ?
    52. 60. ICTERÍCIAS
    53. 62. Concentração de Bilirrubina Normal Hiperbilirrubinemia 0,3 mg/dl 1,0 mg/dl 2,25 mg/dl Icterícia Valor variável
    54. 65. Metabolismo da Bilirrubina <ul><li>1- PRODUÇÃO E CAPTAÇÃO </li></ul><ul><li>2- CONJUGAÇÃO </li></ul><ul><li>3- EXCREÇÃO </li></ul>
    55. 66. Tipos de Bilirrubina Não-conjugada / indirecta Conjugada / directa Lipofílica Hidrofílica Circula no plasma ligada à albumina (ligação reversível e não-covalente) Resulta da glicuronoconjugação da bilirrubina não-conjugada Passa a BHE Não é captada pelo rim Não passa a BHE Captada pelo rim (encontrada na urina em situações patológicas)
    56. 67. Icterícia pré-hepática ou hemolítica Predomina bilirrubina não-conjugada Icterícia hepática ou por lesão hepatocelular Predomina bilirrubina conjugada Icterícia pós-hepática ou colestática
    57. 68. As Icterícias são classificadas em:  hemolíticas, parenquimatosas e obstrutivas. Aquelas denominadas hemolíticas  são conseqüentes à superprodução secundária à hemólise. Nestas, os pacientes geralmente apresentam icterícia leve às custas de hiperbilirrubinemia indireta, sem colúria ou acolia fecal.  As icterícias por  hiperbilirrubinemia indireta  podem também ser classificadas em:  hemolíticas  (superprodução),  hereditárias  (defeitos enzimáticos hereditários), metabólicas ou decorrentes da reducão no transporte de bilirrubinas (ICC, hipoxia, choque) (Quadro 1). Já as parenquimatosas  resultam da lesão do hepatócito seja por vírus, drogas, podendo ser tóxicas ou auto-imunes. Apresentam aumento da bilirrubina direta e nas formas mais graves podem apresentar colúria e acolia fecal. As Icterícias obstrutivas  ou colestáticas decorrem, como o próprio nome menciona, de obstrução mecânica na via biliar extra-hepática. 
    58. 70. SECREÇÕES DIGESTIVAS SALIVAR GÁSTRICA PANCREÁTICA BILIAR INTESTINAL- DELGADO INTESTINAL- CÓLON
    59. 71. A secreção exócrina intestinal: mucosa e hidroeletrolítica
    60. 72. Secreções do Intestino Delgado Duodeno: Muco Glândulas de Brünner- secreção alcalina Jejuno-Íleo: Muco Enteroquinase Secreções do Intestino Grosso Muco- alcalino (neutraliza pH fecal)
    61. 73. Enzimas do intestino delgado: enzimas da borda-em-escova (constitucionais) para a digestão final de proteínas e carbohidratos
    62. 74. Enzimas do intestino delgado: enzimas da borda-em-escova (constitucionais) para a digestão final de proteínas e carbohidratos
    63. 75. A secreção exócrina intestinal: mucosa e hidroeletrolítica LARGE INTESTINE
    64. 76. Secreções do Intestino Delgado Duodeno: Muco Glândulas de Brünner- secreção alcalina Jejuno-Íleo: Muco Enteroquinase Secreções do Intestino Grosso Muco- alcalino (neutraliza pH fecal)

    ×