Transtornos Conversivos

10.093 visualizações

Publicada em

Aula sobre Transtornos Conversivos ministrada pelo médico neurologista, Dr. Rafael Higashi, no Instituto de Neurologia Deolindo Couta - UFRJ (2005).
www.estimulacaoneurologica.com.br

Transtornos Conversivos

  1. 1. HISTERIA Dr. Rafael Higashi Médico neurologista www.estimulacaoneurologica.com.br
  2. 2. <ul><li>His.te.ria sf (hístero +ia ) 1 med Psiconeurose que se observa principalmente nas mulheres e se caracteriza por falta de controle dos atos e emoções e por grande variedade de outros sintomas que muitas vezes simulam doenças orgânicas ( supunham que tinha origem no útero ) 2 Índole caprichosa ou desequilibrada . Var: histerismo </li></ul><ul><li>DMichaelis 2000 Dicionário da Língua Portuguesa </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Neu.ro.se sf (neuro+ose) Med : designação geral dada a qualquer doença nervosa, em especial àquelas em que não se encontra qualquer lesão orgânica, e que se caracterizam por dificuldades de ajustamento social, embora mantidas as capacidades de inteligência. </li></ul><ul><li> DMichaelis 2000 Dicionário da Língua Portuguesa </li></ul>
  4. 4. Histórico da Histeria : <ul><li>“ ... também nas mulheres e pelas mesmas razões , a chamada matriz ou útero é um animal que vivem dentro delas com o desejo de fazer filhos. Quando fica muito tempo estéril, após o período de puberdade têm dificuldade de suportá-lo, indigna-se e erra por todo o corpo, bloqueia os condutos dos hálito, impede a respiração, causa mal estar extremo e ocasiona doença de qualquer espécie . ’’ </li></ul><ul><li>Platão ( 400 a C ) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Fisiopatologia </li></ul><ul><li>Se a mulher não mantinha relações sexuais o útero não gravídico sofria deslocamento devido ao ressecamento e a leveza causado pela ausência de coito . </li></ul><ul><li>Tratamento agudo e crônico </li></ul><ul><li>O tratamento agudo consistiam em remédios que eram inalados e preenchimento vaginal com pressário ( consolo ) embebido com substâncias perfumadas até o utero retornar ao lugar </li></ul><ul><li>Tratamento preventivo : casamento para as jovens solteiras e coito para as casadas. </li></ul>Histórico da Histeria : Fisiopatologia e tratamento de Hipocrátes
  6. 6. Histeria e Demônios :
  7. 7. Jean-Martin Charcot 1825 - 1893 He is called by some the founder of modern neurology. He would hypnotize patients for groups of students and others, gaining the nickname &quot;the Napoleon of the neuroses.&quot;
  8. 8. Jean-Martin Charcot demonstrando paciente com histeria em Salpêtrière (pintado por Pierre-André Brouillet (c 1887)
  9. 9. Sigmund Freud 1856 - 1939 He tried hypnotism with his hysteric and neurotic patients, but gradually discarded the practice. He found he could get patients to talk just by putting them in a relaxing position (the couch) and encouraging them to say whatever came into their heads (free association). He could then analyze what they had remembered or expressed and determine what traumatic events in their past had caused their current suffering. In 1900, Freud published The Interpretation of Dreams , and introduced the wider public to the notion of the unconscious mind.
  10. 10. Prevalência da histeria : <ul><li>Prevalência de 5 % na prática médica geral </li></ul><ul><li>Na Inglaterra em clínicas especializadas em neurologia a incidência média foi de 4 % de todos os pacientes atendidos nos ambulatórios ( estudo com 7936 pacientes) . </li></ul><ul><li>Hospitais neurológicos com centros de epilepsia prevalência média de 20 % dos pacientes são histéricos. </li></ul>
  11. 11. Personalidade histérica : <ul><li>O traço prevalente e mais unanimemente reconhecido entre diversos investigadores é o “histrionismo” ( palavra, que significa teatralidade, surge na Roma antiga para designar como histrião o comediante que representava papeis ). </li></ul>
  12. 12. Características clínicas da Histeria: <ul><ul><li>Manifesta-se por sintomas variados, incomuns, bizarros e, muitas vezes, transitórios. </li></ul></ul><ul><ul><li>Dificuldade e relutância em reconhecer a participação do componente emocional no processo de seu adoecimento. </li></ul></ul><ul><ul><li>Mitomania ( ficções criadas pelos histéricos ). </li></ul></ul><ul><ul><li>A personalidade histérica ameaça e provoca e não se pode confiar, pois mente e frustra as expectativas dos médicos, do cônjuge e etc. </li></ul></ul>
  13. 13. Características clínicas da Histeria: <ul><li>Lucro Emocional ( ex: fuga) </li></ul><ul><li>Dependência Emocional e centro das atenções. </li></ul><ul><li>Sugestionabilidade é um dos traços mais marcantes da personalidade histérica. </li></ul><ul><li>La belle indiference é o nome que se d á quando o paciente não demonstra preocupa ç ão com o que parece ser um preju í zo maior. </li></ul>
  14. 14. Classificação das Histerias de acordo com o DSM 4: 1 - Transtornos Somatoformes 1.1 - Transtorno de Conversivo 1.2 - Transtorno Somatização 1.3 - Transtorno Doloroso e Hipocondríaco 1.4 - Transtorno Neurovegetativo 1.5 - Transtorno Dismórfico Corporal 2 - Transtornos Dissociativos 2.1 - Amnésia Dissociativa 2.2 - Fuga Dissociativa 2.3 - Transtornos dissociativos do movimento 2.4 - Convulsões dissociativas 2.5 - Anestesia e perda sensorial dissociativas 2.6 - Transtorno Dissociativo de Identidade (Personalidade Múltipla) 2.7 - Estupor dissociativo 2.8 - Estados de transe e de possessão 2.9 - Transtorno de Despersonalização 2.10 - Síndrome de Ganser  
  15. 15. 1 - Transtornos Somatoformes 1.1 - Transtorno de Conversivo 1.2 - Transtorno Somatização 1.3 - Transtorno Doloroso e Hipocondríaco 1.4 - Transtorno Neurovegetativo 1.5 - Transtorno Dismórfico Corporal
  16. 16. Definição de Transtorno Conversivo : Pacientes que apresentam sintomas ou déficits afetando a função motora ou sensorial a qual o início ou exacerbação do quadro é precedido por fatores psicológicos como conflitos ou outros estressores. A condição não é explicado por efeito médica ou medicamentoso e não é intencionalmente produzido ou simulado, causando sofrimento clinicamente significativo. <ul><li>Com Sintoma ou Déficit Motor </li></ul><ul><li>Com Sintoma ou Déficit Sensorial </li></ul><ul><li>Com Ataques ou Convulsões </li></ul><ul><li>Com Apresentação Mista </li></ul>Tipos de sintomas ou déficits:
  17. 17. Paciente de 48 anos, há quatro dias com queixa de fraqueza dimidiada e dificuldades na marcha. No hospital, apresentou abalos tônico-clônicos generalizados, com duração de dez minutos, respondendo a algumas solicitações verbais, com MMII fletidos. Ao exame neurológico sem alterações e TC de crânio sem alteração. H.D.: Crise convulsiva não-epilética, transtorno conversivo.
  18. 18. Paciente com 45 anos de idade relata episódio de AVC há 6 meses e episódios de “crise” . Durante a consulta, no ambulatório, após ser inquerido de sua relação, matrimonial, apresentou episódio súbito de movimentos clônicos em MSE associado a ruídos orais. Exame neurológico e TC de crânio normais . HD: transtorno conversivo
  19. 19. Sinal de Hoover’s ( reflexo extensor cruzado)
  20. 20. Transtorno de somatização <ul><li>Pacientes com múltiplas reclamações , a qual não podem ser explicadas por conhecimento médico , efeito do álcool , drogas ou medicamentos. Critério diagnóstico : 1) 4 sintomas dolorosos; 2) 2 sintomas gastrintestinais; 3) 1 sintoma sexual e ou reprodutivo; 4) 1 sintoma pseudoneurológico </li></ul>
  21. 21. Transtorno Doloroso <ul><li>Pacientes com queixas dolorosas inconsistentes e de difícil entendimento médico, relacionadas a estados emocionais. De fato, é como se fosse uma somatização mais específica. </li></ul>
  22. 22. Transtorno Hipocondríaco <ul><li>Aqui existe uma preocupação, medo ou crença persistente de estar com algum transtorno somático grave e progressivo. De modo geral a atenção do paciente se concentra em um ou dois órgãos ou sistemas. </li></ul>
  23. 23. No Transtorno Neurovegetativo o paciente atribui seus sintomas a um transtorno somático de um órgão ou sistema controlado pelo Sistema Nervoso Autônomo (ou neurovegetativo).Existem alterações funcionais sem lesão ou alteração morfológica, como ocorre no Transtorno Psicossomático. Transtorno Neurovegetativo
  24. 24. <ul><li>É definido como uma preocupação com algum defeito imaginário na aparência física numa pessoa com aparência normal , se houver uma ligeira anomalia física de fato. Pode ocorrer Vigorexia </li></ul>Transtorno Dismórfico Corporal
  25. 25. 2 - Transtornos Dissociativos 2.1 - Amnésia Dissociativa 2.2 - Fuga Dissociativa 2.3 - Transtorno Dissociativo de Identidade (Personalidade Múltipla) 2.4 - Transtorno de Despersonalização 2.5 - Síndrome de Ganser  
  26. 26. Súbita incapacidade para lembrar informações pessoais importantes e anteriormente armazenadas na memória. Trata-se de algo muito mais profundo que um esquecimento simples e, para que possamos dar esse diagnóstico, deve ocorrer na ausência de outro transtorno cerebral concomitante, como por exemplo, traumatismos cranianos, estados pós-conlvulsivos, etc. Amnésia Psicogênica ou Dissociativa
  27. 27. Neste tipo de alteração o distúrbio predominante consiste num afastamento súbito e inesperado de casa ou do local de trabalho e a incapacidade de se recordar de seu passado, portanto, é um sintoma superposto à Amnésia Psicogênica. Normalmente é acompanhada por confusão acerca da identidade pessoal ou mesmo adoção de uma nova identidade. Fuga Psicogênica
  28. 28. Esse quadro se caracteriza pela existência de duas ou mais personalidades distintas e separadas numa mesma pessoa, e cada uma delas determinando comportamentos, atitudes e sentimentos próprios. Kaplan refere estudos que apontam uma incidência em 80% de em vítimas de abusos sexuais na infância. Síndrome de Personalidade Múltipla
  29. 29. Caracterizada por alteração persistente ou recorrente na percepção de si mesmo, como a experiência de sentir-se separado do próprio corpo, de agir mecanicamente ou de estar num sonho. Pacientes mantêm um bom juízo de realidade. Transtorno de Despersonalização e Desrealização
  30. 30. A Síndrome de Ganser pode ser considerada a apoteose das histerias manifesta por respostas incoerentes e discurso despropositado, cujo objetivo é convencer solidamente o observador de que o paciente, de fato, está louco. Perguntando-se à essas pessoas quanto é dois mais um, costumam responder quatro .São elementos da realidade intelectual e sensoperceptiva que não se alteram em nenhuma espécie de loucura. Caso esse paciente estivesse desorientado de fato, diria não sei para as duas perguntas. Síndrome de Ganser
  31. 31. IMPORTANTE DIFERÊNCIAR: <ul><li>Psicossomática </li></ul><ul><li>Malingering(simulador) </li></ul><ul><li>Factitious disorder (síndrome de Munchausen) </li></ul>
  32. 32. Obrigado a todos pela atenção ! www.estimulacaoneurologica.com.br

×