Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação

5.032 visualizações

Publicada em

Aula sobre Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação ministrada pelo médico neurologista Dr. Rafael Higashi, no Hospital Pan Americano no Rio de Janeiro.
www.estimulacaoneurologica.com.br

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.032
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
367
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação

  1. 1. ECOCOLORDOPPLER TRANSCRANIANO<br />Dr Rafael Higashi<br />médico neurologista<br />www.estimulacaoneurologica.com.br<br />
  2. 2. Histórico_________________<br />1965 - Miyazaki e Kato desenvolvem a avaliação do ecodoppler das artérias extracranianas<br />1966 a 1982 – paradigma (crânio impenetrável) <br />1982 – Aslid, Markwalder e Nornes desenvolvem doppler transcraniano pulsado com 2 MHz<br />2007 – Demonstra exame extremamente útil na prática neuro-vascular<br />
  3. 3. Técnica de exame_________<br />Pré-requisito: Status das artérias extracranianas e posição do paciente estável (pressão de C02 estável)<br />Acústicas do crânio: A diploe têm efeito na atenuação da penetração do doppler <br />Janelas acústicas: Transtemporal, transforaminal, transorbitária e submandibular <br />
  4. 4. Janela transtemporal_________ <br />Artéria cerebral média<br />Artéria carótida interna<br />Artéria cerebral anterior<br />Artéria cerebral posterior<br />Janela submandibular_________ <br /><ul><li>Artéria carótida interna</li></li></ul><li>
  5. 5.
  6. 6.
  7. 7. Janela transorbitária________<br />Artéria oftálmica<br />Sifão carotídeo<br />Janela subocciptal__________<br /><ul><li>Artéria vertebral
  8. 8. Artéria basilar</li></li></ul><li>
  9. 9.
  10. 10.
  11. 11. Avaliação primária na identificação dos vasos intracranianos________<br />Profundidade de insonação<br />Direção de fluxo no doppler<br />Velocidade de fluxos<br />Posição do probe<br />Direção do fluxo no color<br />Imagem dos vasos<br />
  12. 12. Parâmetros diagnóstico_______ <br />Mapeamento em cores do fluxo das artérias intracranianas<br />Padrão da onda do doppler espectral (alargamento espectral, direção de fluxo, aceleração sistólica e diastólica)<br />Índices ( IP, IR) e velocidades ( Pico sistólico, pico diastólico, VM)<br />Testes funcionais<br />Padrão de sonorização<br />
  13. 13. Índices____________________<br />Velocidade média(MV=VPS +2VDF/3)<br />Índice de pulsatilidade(IP=VPS-VDF)/VM)<br />Índice de transmissão de pulsatilidade(ITP= IP do vaso estudado/ IP do vaso de referência x 100%)<br />Índice de resistência(IR=PVS –VDF/PVS)<br />Aceleração de fluxo( AF=PVS-VDF/ tempo diferencial)<br />ACM delta(ACMD = PV ACM ipsilateral a estenose da ACI - PV ACM contralateral a estenose da ACI)<br />Índice Hemisférico ou Lindegaard(IH= VACM / VACI)<br />Taxa de Velocidade arterial(TVA = VACM/VACA)<br />
  14. 14. Determinantes fisiológicos da velocidade de fluxo sanguíneo e índices___________<br />Idade<br />Sexo<br />Diâmetro do vaso<br />Pressão arterial<br />Fisiologia cardíaca (exercício moderado x intenso)<br />Volume sanguíneo cerebral ( MAVs)<br />Hematócrito (inverso ao VFSC)<br />Fibrinogênio (inverso ao VFSC)<br />Dióxido de carbono (PCO2 aumentado, aumenta a vasodilatação dos vasos de resistência e resulta em aumento VFSC) <br />Drogas(ex: nimodipina) e hormônios(ex: estrogênio)<br />
  15. 15. Fontes de erros diagnósticos__<br />Anatômico (variações anatômicas, atresias )<br />Técnico ( janela temporal ausente )<br />Aparelho ( controle do ganho incompleto, PRF)<br />Erros de interpretação (colaterais, processos expansivos, hiperemia )<br />
  16. 16. Pontos importantes na indicação clínica de doppler transcraniano____<br />Técnica não invasiva<br />Doenças vasculares primárias ou secundária<br />Neurointensiva x ambulatorial<br />Operação e intepretação dependente<br />Vantagens : realizado na beira do leito, repetição, monitorização, menor custo, sem contraste, hemodinâmica cerebral<br />Desvantagens : ausência de janela, não visualização da parede arterial ( também ocorre na angio RNM, arteriografia e etc) <br />
  17. 17. INDICAÇÃO AMBULATORIAL<br />
  18. 18. Extenose da ACI extracraniano<br />Avalia a hemodinâmica cerebral<br />Direção reversa da oftálmica e ACA<br />Aceleração de fluxo diminuída <br />Colaterais<br />Fluxo sifão carotídeo e oftálmica <br />Redução da VM da ACM<br />Diminuição do IP<br />Sinais de micro-êmbolos <br />Testes de reatividade vasomotora<br />
  19. 19. Anemia Falciforme_________<br />5 a10 % de prevalência de AVC<br />Principal complicação neurológica<br />VM > 200 cm/s risco importante de AVC<br />TTO para Hg S < 30%<br />Indicação entre 2 a 16 anos.<br />Redução de risco < 92%<br />
  20. 20. Hospital do Hemorio no Rio de Janeiro: Dra. Ana Cláudia é neurologista referência em dopplertranscraniano em pacientes com anemia falciforme.<br />
  21. 21. MAV____________________<br />Útil para médio a grande tamanho<br />Diminuição do IP<br />Aumento de VM na artéria nutridora<br />Diferencia causa de hemorragia não relacionado ao MAV <br />
  22. 22. Shunt cardíaco______________<br />FOP fator de risco para AVC<br />Concordância de 100 % com o ET<br />Não avalia anatomia<br />Sensibiliza com manobra de valsalva<br />10 ml de solução salina agitada<br />AVC em migrânea com aura<br />
  23. 23. Estenose intracraniana______<br />Responsável por 10 % de TIA e AVC<br />Aterosclerótico x vasculite<br />Risco de AVC de 3-15%<br />Screening antes da arteriografia<br />Stenting/angioplastia opção de tratamento<br />Insuficiência vertebro-basilar<br />
  24. 24. Migrânea_________________<br />Envolvimento vascular secundário<br />Assimetria do IP<br />Aumento de infarto silencioso<br />A assimetria avalia o prognóstico<br />Diagnóstico diferencial outras cefaléias <br />
  25. 25. INDICAÇÃO NEUROINTENSIVA<br />
  26. 26. Lesão cerebral traumática___<br />Medida indireta da PIC e PPC<br />Método não invasivo x invasivo<br />Diminuição da VD e aumento do IP<br />
  27. 27. Infarto cerebral agudo_______<br />sensibilidade > 90 % com a angiografia<br />Avalia prognostico de gravidade<br />Avalia risco de sangramento<br />Útil screening para angiografia<br />Diagnóstico precoce <br />Papel na trombólise (recanalização x prognóstico)<br />
  28. 28. Morte cerebral____________<br />Padrão característico no doppler <br />Exame complementar útil<br />Sensibilidade de 97 a 100%<br />Exame prático a beira do leito<br />
  29. 29. Hemorragia subaracnóide_____<br />vasoespasmo em 30 % no 3o ao 4o dia<br />Espontâneo x traumático<br />Iniciar com exame base<br />Medição seriada ( 2 ou 3 dias)<br />Critério de vasoespasmo : VM > 25% por dia, aumento > 50 cm/s / 24h, VACM = 120 cm/s, lindegaard >3<br />
  30. 30. Monitorização perioperatória de endarterectomia carotídea e cirurgia coronariana___________________<br />Associado a risco de AVC <br />Queda da VM indica AVC <br />Sinais de micro êmbolos x AVC x cognição<br />A monitorização pode reduzir risco de AVC<br />
  31. 31. Obrigado aos amigos Orlando Veloso e Ana Cláudia.<br />www.estimulacaoneurologica.com.br<br />

×