Apresentação manuela

733 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
733
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação manuela

  1. 1. GEOGRAFIA EM FOCOMinistrantes: Manuela Ribeiro; Patrícia Barros
  2. 2. Desigualdade social na concepção de Rousseau “Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens”. DESIGUALDADE FÍSICA OU MORAL OU NATURAL POLÍTICAJean Jacques Rousseau (1712 – 1778)
  3. 3. Desigualdade social na concepção de Rousseau Desigualdade física ou natural; Estabelecida pela natureza.
  4. 4. Desigualdade social na concepção de Rousseau Desigualdade moral ou política.
  5. 5. Desigualdade social na concepção de Marx •Divisão de classes; • Classes dominantes x Classes dominadas; • Burguesia x Proletariado; • Criticava o liberalismo. Karl Marx(1818 – 1883)
  6. 6.  Relações Comerciais; Consolidação do capitalismo = desigualdade mais evidente; Liberalismo (Igualdade perante as leis, comércio liberal e propriedade privada).
  7. 7.  Propriedade privada.
  8. 8.  Transformação da antiga sociedade medieval; Modificação das relações: senhores e vassalos/ monarquia e plebe/ patrão e empregado; Capitalismo = acúmulo de capital; Desigualdade social gerada pela diferenciação econômica.
  9. 9.  Atual desigualdade possui um contexto histórico; Escravidão.
  10. 10. Processo histórico da desigualdade no Brasil A desigualdade no Brasil se dava desde os tempos da colônia (senhores x escravos); 2º Cana-de-açúcar Regime escravocrata agroexportador. Era do café
  11. 11. Processo histórico da desigualdade no Brasil Fim da escravatura; Economia girava em torno da produção agrícola; Produção agrícola elevada permitiu o desenvolvimento de infraestrutura; Implantação da indústria no Brasil (1930); Sistema de capitalismo mais claro.
  12. 12. Processo histórico da desigualdade no Brasil Resultado da expansão econômica do Brasil:  Crescimento empresarial;  Evolução tecnológica nas indústrias e segmentos comerciais;  Aumento das riquezas geradas pelo país;  Disparidade entre ricos e pobres  Crescimento da economia e da desigualdade social; Um País rico, porém, com muitas pessoas pobres.
  13. 13. O Brasil e os extremosBrasil é apontado com umdos o piores índice de O Brasil possui a 8ªdesigualdade no mundo. economia mundial.
  14. 14. “Metade da humanidade não come e a outra metade não dorme commedo da que não come”. (Josué de Castro )
  15. 15.  País rico em recursos naturais; PIB entre os 10 maiores do mundo; País extremamente injusto na distribuição de seus recursos;
  16. 16. Consequência da forma de distribuição de riquezas e benefícios sociais. > violência e criminalidade, desemprego, desigualdade racial, educação precária, diferenciação de tratamento entre ricos e pobres, entre outros.- Distribuição de renda;- Saúde de qualidade;- Educação de qualidade;- Alimentação adequada;- Transportes;- Empregos- Saneamento básico;
  17. 17.  É a condição de vida na qual os indivíduos estão incapacitados de suprir as necessidades mínimas indispensáveis para seu desenvolvimento normal, tanto como ser biológico como cidadão. Região mais pobre – raízes na economia colonial ( maior parte da população rural ficou marginalizada do mercado consumidor).
  18. 18.  É o nome dado à sensação fisiológica, sentida pelo corpo, de ingerir alimentos para manter as suas funções necessárias para a vida, quando esse corpo se encontra privado de alimentos.
  19. 19. Possíveis Causas?!1.O mundo não pode produzir alimentos suficientes?2.A fome é devida ao fato de que somos “demais?.3.No mundo há poucas terras cultiváveis?
  20. 20.  As monoculturas: Sem produções alternativas, a economia desses países depende muito do preço do produto, que é fixado em outros lugares. Diferentes condições de troca entre os vários países: Alguns países, estão precisando cada vez mais de produtos manufaturados e de alta tecnologia, que eles não produzem e cujo preço é fixado pelos países que exportam. Multinacionais: Querem conquistar mercados, investindo capitais privados e deslocando a produção onde os custos de trabalho, energia e matéria-prima são mais baixos e os direitos dos trabalhadores, limitados.
  21. 21.  Dívida externa: A dívida está paralisando a possibilidade de países menos avançados de importar os alimentos dos quais precisam ou de dar à própria produção agrícola o necessário desenvolvimento.Conflitos armados: O dinheiro necessário para providenciar alimento, água, educação, saúde e habitação de maneira suficiente para todos, durante um ano, corresponde a quanto o mundo inteiro gasta em menos de um mês na compra de armas. Desigualdades sociais: Geralmente os que produzem alimento são os primeiros a sofrer por sua falta. Na maioria dos países, é muito mais fácil encontrar pessoas que passam fome em contextos rurais do que em contextos urbanos.
  22. 22.  As causas naturais: clima; seca; inundações; terremotos; as pragas de insetos e as enfermidades das plantas. Causas humanas: instabilidade política; ineficácia e má administração dos recursos naturais; a guerra; os conflitos civis; o difícil acesso aos meios de produção pelos trabalhadores rurais, pelos sem-terras ou pela população em geral; o deficiente planejamento agrícola; a injusta e antidemocrática estrutura fundiária; o contraste na concentração da renda e da terra num mundo subdesenvolvido; a influência das transnacionais de alimentos na produção agrícola e nos hábitos alimentares das populações de Terceiro Mundo; e a relação entre cultura e alimentação.
  23. 23.  Países subdesenvolvidos; A economia não cresce em proporção ao crescimento demográfico da população;
  24. 24. Principais causas do desemprego: - Baixa qualificação do trabalhador; - Substituição de mão de obra por máquinas; - Crise econômica; Custo elevado (impostos e outros encargos) para as empresas contratarem com carteira assinada; Fatores Climáticos.
  25. 25.  Medidas de combate : Facilitação do consumo e do crédito, incentivo ao investimento privado, implementação de políticas fiscais e monetárias adequadas,aumento das despesa pública, flexibilização do mercado de trabalho, redução da jornada de trabalho, trabalho de tempo parcial, licenças remuneradas, restrição às horas extras, trabalho compartilhado, treinamento e requalificação de recursos humanos, além de outras possibilidades.
  26. 26.  Segundo dados os negros vivem menos, morrem por causas violentas, estudam menos, tem mais dificuldade de ingressar em faculdades e se manter no mercado de trabalho, ocupando assim cargos menos valorizados, ganhando salários baixos e sendo a maior parcela de população carente.
  27. 27. Dados importantes: 44,5% das mulheres negras nunca fizeram exame clínico de mama, contra 27,3% no caso de mulheres brancas; A média de estudo entre brasileiros negros é de 5,8 anos, enquanto entre brancos é de 7,7 anos; 16% dos negros maiores de 15 anos são analfabetos, já entre os brancos a taxa de analfabetismo nesta faixa etária é de 7%; Entre os 10% mais pobres da população, 71% são negros; Entre os 1% mais ricos da população, apenas 11,3% são negros; Entre os brancos, 77% dos domicílios não têm computador, 82% não têm acesso à Internet e 44% a telefone celular. Entre os domicílios de famílias chefiadas por negros, estes números crescem para, respectivamente, 92%, 95% e 62%
  28. 28.  Violência e criminalidade são fenômenos que costumam precederem-se entre si e que, na maioria dos casos, pode ser explicado como consequência da desigualdade social.
  29. 29.  Má gestão pública de recursos financeiros, falta de interesse da população em se buscar um ensino de qualidade, uma vez que, diante da pobreza, a sociedade atingida pela desigualdade vê-se em uma escolha entre sobreviver ou aprender, e o fenômeno da evasão escolar que cresce em escalas altíssimas.
  30. 30.  O adolescente só pode trabalhar a partir dos 16 anos com carteira assinada, desde que não seja um trabalho que coloque em risco sua integridade física e o seu desenvolvimento. A partir dos 14 anos, só é permitido o trabalho na condição de aprendiz.
  31. 31.  No Brasil, pelo menos 860 mil crianças estão envolvidas com trabalho penoso, perigoso e absolutamente prejudicial a seu desenvolvimento físico, psicológico e intelectual. Compromete o desenvolvimento físico, psicológico e social; Nordeste;
  32. 32.  O Brasil está entre os países com altos índices de trabalho infantil. Calcula-se que o número de crianças trabalhando entre 05 e 14 anos nos países de desenvolvimento chega a 250 milhões em todo o mundo. Pelo menos 120 milhões destas estão trabalhando em tempo integral e entre 50 milhões e 60 milhões, com idade entre 5 e 11 anos, trabalham em circunstâncias arriscadas.
  33. 33.  As grandes cidades dos países subdesenvolvidos não tem capacidades de acomodar a quantidade de migrantes da zona rural. A carência de habitações seguras e confortáveis é um grave problema.
  34. 34.  Acesso precário à habitação e aos serviços públicos, devido a barreira constituída pelo mercado imobiliário. Essa população é levada a integrar-se ao espaço urbano através de um mercado clandestino de terras e casas que envolve loteamentos clandestinos na periferia, cortiços e favelas.
  35. 35.  Quanto maiores as diferenças entre grupos e classes sociais, maiores são as desigualdades de moradia de acesso aos serviços públicos e de qualidade de vida. Segregaçãoespacial – Condomínios fechados;
  36. 36.  Os 10% mais ricos da população brasileira ganharam, em 2010, 44,5% do total de rendimentos,enquanto os 10% mais pobres ficaram com 1,1%
  37. 37. O resultado que deixa esta condição mais clara é a comparação entre a renda dos 10% mais ricos e a renda dos 10% por mais pobres. O primeiro grupo ganha 39 vezes mais que o segundo.
  38. 38. IPH – Índice de Pobreza Humana > A Longevidade; > O Conhecimento; > A Provisão; > A Inclusão Social.
  39. 39. • Curta duração da vida (calculada comopossibilidade de se viver menos de 40 anos)• Falta de educação elementar (calculada pela taxa deanalfabetismo de adultos)• Falta de acesso a recursos públicos e privados(calculada pela porcentagem de pessoas sem acesso aserviço de água potável e pela porcentagem de criançascom peso inferior ao recomendado).
  40. 40. Índice de Desenvolvimento HumanoPNUD – Década de 90; Referência para o estudoscomparativos das condições devida das populações Através de comparação,estabelece o grau dedesenvolvimento humano decada país, fazendo a separaçãoentre os mais desenvolvidos, ospaíses em desenvolvimento e ossubdesenvolvidos .
  41. 41.  Condições sanitárias; Condições de alimentação; Taxa de mortalidade infantil
  42. 42.  Taxa de alfabetização, o grau de qualificação da força de trabalho e por meio da taxa de escolarização; O grau de exclusão social
  43. 43.  Principal indicador do tamanho da economia de um país; Representa uma média – parcela ideal da renda nacional apropriada por cada habitante;
  44. 44. Questões de vestibular e ENEM
  45. 45. (ENEM/2011) Questão o1. Subindo morros, margeando córregos ou penduradasem palafitas, as favelas fazem parte da paisagem de um terço dos municípios dopaís, abrigando mais de 10 milhões de pessoas, segundo dados do InstitutoBrasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).A situação das favelas no país reporta a graves problemas de desordenamentoterritorial. Nesse sentido, uma característica comum a esses espaços tem sido:A) o planejamento para a implantação de infraestruturas urbanas necessárias paraatender as necessidades básicas dos moradores.B) a organização de associações de moradores interessadas na melhoria do espaçourbano e financiadas pelo poder público.C) a presença de ações referentes à educação ambiental com consequentepreservação dos espaços naturais circundantes.D) a ocupação de áreas de risco suscetíveis a enchentes ou desmoronamentoscom consequentes perdas materiais e humanas.E) o isolamento socioeconômico dos moradores ocupantes desses espaços com aresultante multiplicação de políticas que tentam reverter esse quadro.
  46. 46. (ENEM/98) Questão 02. O Brasil, por suas características de crescimentoeconômico, e apesar da crise e do retrocesso das últimas décadas, é classificadocomo um país moderno. Tal conceito pode ser, na verdade, questionado selevarmos em conta os indicadores sociais: o grande número de desempregados, oíndice de analfabetismo, o déficit de moradia, o sucateamento saúde, enfim, aavalanche de brasileiros envolvidos e tragados num processo de repetidasmigrações (...)Analisando os indicadores citados no texto, pode-se afirmar que:A) o grande número de desempregados no Brasil está exclusivamente ligado aogrande aumento da população.B) existe uma "exclusão social" que é resultado da grande concorrência existenteentre a mão-de-obra qualificada.C) o déficit da moradia está intimamente ligado à falta de espaços nas cidadesgrandes.D) os trabalhadores brasileiros não-qualificados engrossam as fileiras dos"excluídos".E) por conta do crescimento econômico do país, os trabalhadores pertencem àcategoria de mão-de-obra qualificada.
  47. 47. (UEG/2007) Questão 03. As desigualdades sociais materializam-se na paisagemurbana. Quanto maiores forem as disparidades entre os diferentes grupos e as classessociais, maiores serão as disparidades de moradia, acesso aos serviços públicos equalidade de vida. Um bairro habitado por população pobre pode ofereceroportunidades de melhoria da qualidade de vida caso os serviços públicos de educação,saúde, transporte coletivo, entre outros, funcionem de forma adequada. De acordo como texto e com os seus conhecimentos, julgue as afirmações a seguir:I. A sociedade precisa organizar-se para melhorar o seu cotidiano e reivindicar os seusdireitos, visando diminuir as desigualdades sociais e a exclusão social.II. Para a melhoria do cotidiano, a sociedade deve organizar-se com vistas àtransformação da cidade em um condomínio fechado, com infra-estrutura desegurança, lazer e saúde.III. As políticas públicas ligadas a construção de moradias populares nem sempre sepreocupam com a implantação da rede de infraestrutura e serviços.Marque a alternativa CORRETA:a) Apenas a afirmação I é verdadeira.b) Apenas as afirmações II e III são verdadeiras.c) Apenas as afirmações I e II são verdadeiras.d) Apenas as afirmações I e III são verdadeiras.e) As afirmações I, II e III são verdadeiras.
  48. 48. (
  49. 49. (
  50. 50. (ENEM/2009) Questão 07. O movimento migratório no Brasil é significativo, principalmente emfunção do volume de pessoas que saem de uma região com destino a outras regiões. Um dessesmovimentos ficou famoso nos anos 80, quando muitos nordestinos deixaram a região Nordeste emdireção ao Sudeste do Brasil. Segundo os dados do IBGE de 2000, este processo continuou crescenteno período seguinte, os anos 90, com um acréscimo de 7,6% nas migrações deste mesmo fluxo. APesquisa de Padrão de Vida, feita pelo IBGE, em 1996, aponta que, entre os nordestinos que chegamao Sudeste, 48,6% exercem trabalhos manuais não qualificados, 18,5% são trabalhadores manuaisqualificados, enquanto 13,5%, embora não sejam trabalhadores manuais, se encontram em áreas quenão exigem formação profissional. O mesmo estudo indica também que esses migrantes possuem,em média, condição de vida e nível educacional acima dos de seus conterrâneos e abaixo dos decidadãos estáveis do Sudeste. Com base nas informações contidas no texto, depreende-se que:a) o processo migratório foi desencadeado por ações de governo para viabilizar a produção industrialno Sudeste.b) os governos estaduais do Sudeste priorizaram a qualificação da mão-de-obra migrante.c) o processo de migração para o Sudeste contribui para o fenômeno conhecido como inchaçourbano.d) as migrações para o sudeste desencadearam a valorização do trabalho manual, sobretudo nadécada de 80.e) a falta de especialização dos migrantes é positiva para os empregadores, pois significa maiorversatilidade profissional.
  51. 51. A novidade A novidade veio dar à praia Na qualidade rara de sereia Metade o busto duma deusa Maia Metade um grande rabo de baleia... A novidade era o máximo Do paradoxo estendido na areia Alguns a desejar seus beijos de deusa Outros a desejar seu rabo pra ceia... Oh! Mundo tão desigual Tudo é tão desigual Oh! De um lado esse carnaval De outro a fome total E a novidade que seria um sonho O milagre risonho da sereia Virava um pesadelo tão medonho Ali naquela praia, ali na areia... A novidade era a guerra Entre o feliz poeta e o esfomeado Estraçalhando uma sereia bonita Despedaçando o sonho pra cada lado.... Oh! Mundo tão desigual Tudo é tão desigual Oh! De um lado esse carnaval De outro a fome totalJoão Barone, Herbert Viana e Gilberto Gil (1994)
  52. 52. Questão 8: É possível estabelecer um paralelo entre a figura da sereia e um aspecto dasociedade brasileira. Que aspecto seria esse?a) Miséria.b) Violência.c) Contradição.d) Alegria.e) Fome.Questão 9: Qual dos fragmentos abaixo melhor representa o tema da desigualdade socialapresentado na canção?a) "Metade o busto duma deusa Maia / Metade um grande rabo de baleia...".b) "Alguns a desejar seus beijos de deusa / Outros a desejar seu rabo pra ceia...".c) "Estraçalhando uma sereia bonita / Despedaçando o sonho pra cada lado....".d) "O milagre risonho da sereia / Virava um pesadelo tão medonho".e) "A novidade era o máximo / Do paradoxo estendido na areia".Questão 10: No quarto trecho da canção, diz-se que a novidade, que deveria ser um sonho, viraum pesadelo medonho. Pode-se dizer que isso ocorre em virtude:a) do desejo do esfomeado.b) do absurdo da imagem da sereia.c) da guerra do feliz poeta.d) da desordem do carnaval.e) do acontecimento de um milagre
  53. 53. Problema Social Se eu pudesse eu dava um toque em meu destino Não seria um peregrino nesse imenso mundo cão Nem o bom menino que vendeu limão Trabalhou na feira pra comprar seu pão Não aprendia as maldades que essa vida tem mataria A minha fome sem ter que roubar ninguém Juro que nem conhecia a famosa FUNABEM Onde foi a minha morada desde os tempos de neném É ruim acordar de madrugada pra vender bala no trem Se eu pudesse eu tocava em meu destino Hoje eu seria alguém Seria um intelectualMas como não tive chance de ter estudado em colégio legal Muitos me chama de pivete Mas poucos me deram um apoio moral Se eu pudesse eu não seria um problema social Ana Carolina & Seu Jorge (2006)

×