Ásia e África Século XIX
<ul><li>Orientações Gerais: </li></ul><ul><li>Esse power point não substitui a leitura do capítulo 10 do seu livro didátic...
<ul><li>Excesso de capital existente na Europa : a busca por novas oportunidade de investimento nos territórios africano e...
<ul><li>Todas as explicações são parcialmente defensáveis e, apesar das divergências, participam de uma concordância básic...
<ul><li>Em oposição as explicações européias,  historiadores africanos  têm trabalhado para mudar o foco da análise e exam...
<ul><li>É importante salientar que a África existia com a História e uma dinâmica própria antes da chegada do europeu. </l...
<ul><li>Não havia uma identidade africana: </li></ul><ul><li>“  a ideia de uma clara identidade de africanos em oposição a...
<ul><li>A expansão tinha motivos econômicos, que  a lógica econômica sempre busca o equilíbrio entre o maior lucro e o men...
<ul><li>O componente bélico da expansão econômica do século XIX não nos parece algo que estava definido desde o início. </...
<ul><li>A resistência adquiriu várias formas: Ela foi da simples negativa diante de uma proposta de acordo diplomático e c...
<ul><li>Um tema obrigatório quando tratamos da divisão e ocupação do território africano pelos países europeus, é o Congre...
<ul><li>Essa imagem tem reforçado a FALSA ideia de que a conquista do continente e a divisão das colônias teria ocorrido n...
<ul><li>O início da corrida colonial ocorreu no período 1876-1880, anterior, portanto àquela reunião. </li></ul><ul><li>As...
<ul><li>Uma guerra entre países europeus, mesmo que por territórios tão longínquos, é uma perspectiva que vai contra os pl...
<ul><li>As resoluções do Congresso de Berlim podem ser descritas como um  “código de conduta”  para que o expansionismo e ...
<ul><li>Em 1899, os ingleses lutaram contra os boêres ou africâners (descendentes de holandeses) que tinham se fixado na a...
<ul><li>O oriente, em particular a Índia, já tinha atraído desde há muito tempo o interesse europeu pelas especiarias: por...
<ul><li>Conflitos:  </li></ul><ul><li>Revolta dos Cipaios (Índia) pág. 165 </li></ul><ul><li>Guerras do Ópio (China) pág. ...
<ul><li>ARNAULT. Luiz e LOPES. Ana Mônica.  História da África: uma introdução . Belo Horizonte: Crisálida, 2005. </li></u...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Imperialismo

1.866 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.866
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
168
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Imperialismo

  1. 1. Ásia e África Século XIX
  2. 2. <ul><li>Orientações Gerais: </li></ul><ul><li>Esse power point não substitui a leitura do capítulo 10 do seu livro didático; </li></ul><ul><li>Esse arquivo digital tem o objetivo de dar ênfase ao conteúdo do livro; </li></ul><ul><li>Consultar os exercícios referentes a este conteúdo presentes no livro e no caderno de exercícios; </li></ul><ul><li>Sempre que aparecer dúvidas procurar a professora. </li></ul><ul><li>Bons estudos! </li></ul><ul><li>Professora Cynthia </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Excesso de capital existente na Europa : a busca por novas oportunidade de investimento nos territórios africano e asiático acarretou a expansão do domínio dos países europeus sobre esses territórios. A superação da crise do final do século XIX só foi possível, então através do crescimento econômico e da expansão neocolonial; </li></ul><ul><li>Teorias psicológicas : Destaque para as teorias psicológicas do homem europeu, tais como o darwinismo social, os cristianismo evangélico, etnocentrismo e racismo. </li></ul><ul><li>Teoria diplomática : A busca por prestígio nacional, de equilíbrio de forças entre as potências européias a razão da ocupação do território africano. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Todas as explicações são parcialmente defensáveis e, apesar das divergências, participam de uma concordância básica: </li></ul><ul><li>Todas buscam na dinâmica européia a explicação para a partilha. </li></ul><ul><li>A África só aparece por se tratar do território que foi ocupado, mas não se constitui em parte da explicação, isto por que essas teorias buscam explicar a partilha na perspectiva da história européia. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Em oposição as explicações européias, historiadores africanos têm trabalhado para mudar o foco da análise e examinar o processo na perspectiva da história africana. </li></ul><ul><li>É importante levar em consideração o processo histórico pelo qual passavam os povos do continente quando da chegada dos europeus e a reação dos africanos, especialmente sua resistência, diante da intensificação da presença européia. </li></ul><ul><li>Essa teoria da dimensão africana “ admite que foram os motivos de ordem essencialmente econômica que animaram o europeus e que a resistência africana à invasão crescente da Europa precipitou a conquista efetiva ”. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>É importante salientar que a África existia com a História e uma dinâmica própria antes da chegada do europeu. </li></ul><ul><li>Povos africanos brigavam entre si (organizados em reinos ou não) por terras para a agricultura. Foi este quadro de conflito generalizado que os europeus encontraram. A imagem de uma África estável, unitária, marcada pela convivência pacífica entre os povos , maculada com a chegada dos europeus, não se sustenta. </li></ul><ul><li>O continente estava passando por um intenso processo de transformação quando da chegada dos europeus. Não foram estes que inauguraram a dinâmica, que trouxeram as mudanças, mas foram antecedidos por elas. </li></ul><ul><li>As mudanças e as disputas por terras já existiam. Podemos afirmar que os europeus se tornaram mais um dos grupos em conflitos. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Não havia uma identidade africana: </li></ul><ul><li>“ a ideia de uma clara identidade de africanos em oposição aos europeus no século XIX, embora tentadora, não nos parece plausível. O que havia, isto sim, era a clara identidade e sentimento de pertencer a este ou aquele reino ou sociedade em conflito com os demais grupos. Os europeus constituíam, em um primeiro momento, “mais um grupo ao qual me oponho”, e não no “grupo inimigo de todos nós africanos”. É possível supor que muitas vezes uma aliança com os europeus era desejável na luta contra este ou aquele reino (...) Se a aliança é uma possibilidade lógica, a resistência dos reinos e chefias africanas ao avanço europeu é uma certeza”. </li></ul><ul><li>ARNAULT. Luiz e LOPES. Ana Mônica. História da África: uma introdução . Belo Horizonte: Crisálida, 2005. pp. 62 e 63. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A expansão tinha motivos econômicos, que a lógica econômica sempre busca o equilíbrio entre o maior lucro e o menor custo, e que ela não tinha que ser necessariamente acompanhada de conquista militar. </li></ul><ul><li>A presença e a influência inglesa na América Latina ao longo do século XIX, nos parece um bom exemplo de como a economia funciona. Essa influência foi exercida sem o recurso constante à conquista e aos canhões. </li></ul><ul><li>Os recursos diplomáticos e comercias foram quase sempre suficientes para garantir uma atividade comercial que favorecesses os interesses ingleses. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>O componente bélico da expansão econômica do século XIX não nos parece algo que estava definido desde o início. </li></ul><ul><li>Esse componente só apareceu quando as vias diplomáticas e comerciais se mostraram insuficientes, quando os reis e chefes africanos passaram a representar empecilhos e a criar dificuldades às pretensões econômicas européias. Foi essa resistência que precipitou a conquista e ocupação efetiva do território. </li></ul><ul><li>Em que pese a pobreza da imagem, foi a resistência africana que provocou a substituição do mascate e sua mala pelo soldado e sua metralhadora . </li></ul>
  10. 10. <ul><li>A resistência adquiriu várias formas: Ela foi da simples negativa diante de uma proposta de acordo diplomático e comercial até um conflito militar propriamente dito. </li></ul><ul><li>Muitas vezes a diplomacia e a luta armada se alternavam em uma estratégia de ganhar tempo e acomodação ao novo quadro.Os reinos procuravam conter o avanço europeu dentro de limites aceitáveis através de tratados comerciais e de amizade. </li></ul><ul><li>A luta só ocorria quando a estratégia falhava. Como muitas vezes esta também falhava, recorria-se novamente aos tratados, como forma de permitir a sobrevivência do reino e de recompor as forças para o futuro. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Um tema obrigatório quando tratamos da divisão e ocupação do território africano pelos países europeus, é o Congresso de Berlim de 1884. A charge que representa esse congresso, na qual a África é literalmente dividida para representar o ocorrido. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Essa imagem tem reforçado a FALSA ideia de que a conquista do continente e a divisão das colônias teria ocorrido nas reuniões em Berlim entre dezembro de 1884 e fevereiro de 1885. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>O início da corrida colonial ocorreu no período 1876-1880, anterior, portanto àquela reunião. </li></ul><ul><li>As diferentes pretensões colonialistas do período entram em choque, provocando o aumento das tensões internacionais: o expansionismo francês, o projeto inglês de domínio de costa a costa, o idêntico projeto português e o interesse do rei Leopoldo (Bélgica) pelo continente entram choque. </li></ul><ul><li>A disputa em torno do controle da região central da África acirrou os ânimos, colocando no horizonte a possibilidade de um conflito militar. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Uma guerra entre países europeus, mesmo que por territórios tão longínquos, é uma perspectiva que vai contra os planos de Bismarck (1º ministro da Alemanha). Após as lutas pela construção do Império Alemão unificado, o chanceler entendia que só a paz e o isolamento francês garantiriam a sobrevivência alemã. </li></ul><ul><li>Com estes objetivos, transforma-se em estrategista diplomático, costurando tratados internacionais (públicos e secretos) com quase todos os países europeus. As tensões provocadas pela corrida colonial aparecem como uma ameaça a esta estratégia. </li></ul><ul><li>Acreditamos ser esta a razão que explica porque um chanceler de um país que ainda não possuía colônias promove um congresso para debater as zonas de influência da África. </li></ul><ul><li>FOI A CORRIDA COLONIAL, PORTANTO, QUE DEU ORIGEM AO CONGRESSO E NÃO O CONTRÁRIO . </li></ul>
  15. 15. <ul><li>As resoluções do Congresso de Berlim podem ser descritas como um “código de conduta” para que o expansionismo e as pretensões dos estados europeus na África não os levasse à guerra. Foi estabelecido: </li></ul><ul><li>Livre comércio nas bacias dos rios Congo e Niger; </li></ul><ul><li>Princípios para a ocupação do território; </li></ul><ul><li>A proteção dos povos indígenas, missionários e a viajantes e a supressão da escravidão; </li></ul><ul><li>Toda ocupação deveria ser comunicada aos demais países. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Em 1899, os ingleses lutaram contra os boêres ou africâners (descendentes de holandeses) que tinham se fixado na atual África do sul, a partir do século XVII. </li></ul><ul><li>A descoberta do ouro e do diamantes aumentou a cobiça inglesa , que iniciou uma guerra aberta na região. Em 1902, os bôeres foram derrotados depois uma longa luta – Guerra dos boêres (1899 – 1902). Os territórios anexados pela Grã-bretanha formaram em 1910 a União-Sul Africana. </li></ul><ul><li>Em 1911, os brancos na União Sul-Africana eram minoria absoluta diante da maioria da população negra. Para evitar conflitos os brancos fizeram um acordo com a implantação de leis segregacionistas contra a população negra. </li></ul><ul><li>A política de segregação racial foi oficializada em 1948 e a instalação da política Apartheid , que em africâner significa separação. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>O oriente, em particular a Índia, já tinha atraído desde há muito tempo o interesse europeu pelas especiarias: portugueses, espanhóis e holandeses. </li></ul><ul><li>A partir do século XVIII, a Inglaterra, por meio da Cia Inglesa das Índias Orientais já tinha grande influência no subcontinente indiano, onde atuava com suas regras e forças militares, dominando a população local e controlando as esferas administrativa e política do território. Os franceses dominaram a Indochina e a Alemanha a Nova Guiné. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Conflitos: </li></ul><ul><li>Revolta dos Cipaios (Índia) pág. 165 </li></ul><ul><li>Guerras do Ópio (China) pág. 165 e 166 </li></ul><ul><li>Ver Japão: pág 167 </li></ul>
  19. 19. <ul><li>ARNAULT. Luiz e LOPES. Ana Mônica. História da África: uma introdução . Belo Horizonte: Crisálida, 2005. </li></ul><ul><li>NETO. José Alves de Freitas e TASINAFO. Célio Ricardo. História geral e do Brasil . Editora Harbra. pp. 538 a 545. </li></ul>

×