oleos essenciais

1.707 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.707
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

oleos essenciais

  1. 1. Priscila Raijche de Oliveira
  2. 2. Na pecuária antibióticos são costumeiramente usados para prevenir doenças e distúrbios metabólicos e para melhorar a conversão alimentar; Uso de antibióticos tem aumentado devido ao surgimento de bactérias resistentes que podem representar um risco para a saúde humana; Busca-se o desenvolvimento de alternativas a antibióticos. Os extratos de plantas oferecem uma oportunidade única neste sentido; Metabolitos secundários possuem propriedades antimicrobianas. Estes compostos têm sido estudados para modular a fermentação no rúmen e melhorar a utilização de nutrientes .
  3. 3. Contrariamente ao seu nome, óleos essenciais não são óleos verdadeiros (lípidos) e são comumente derivados dos componentes responsáveis ​​pela fragrância, ou essência das plantas; São considerados seguros para consumo humano e animal; - Não deixam resíduos Propriedades antimicrobianas do óleos essênciais foram demonstradas contra diversos microorganismos, incluindo bactérias, protozoários, fungos.
  4. 4. A revisão discute a evolução da utilização de óleos essenciais como benefício na produção de ruminantes: Mecanismos de ação; Efeitos sobre a microbiota ruminal; Fermentação ruminal; Desempenho animal; Controle de patógenos;
  5. 5. Óleos essenciais ocorrem em plantas comestíveis, medicinais e em ervas aromáticas; Compostos aromáticos, em grande parte volátil geralmente extraído por destilação a vapor ou extração com solvente; Os óleos podem ser extraídos a partir de muitas partes de uma planta, incluindo as folhas, flores, caules, sementes, raízes e cascas; A composição pode variar entre as diferentes partes da mesma planta / Entre plantas de mesma espécie dependendo da idade e local de desenvolvimento.
  6. 6. São misturas variáveis ​ principalmente ​de terpenóides: monoterpenos e sesquiterpenos, diterpenos e uma variedade de hidrocarbonetos alifáticos de baixo peso molecular, ácidos, álcoois, aldeídos, ésteres acíclicos, lactonas cumarinas e homólogos de fenilpropanóides.
  7. 7. Exemplos de óleos essenciais, localização e componentes.
  8. 8. Metabólitos secundários de plantas têm sido explorados pela sua essência, sabor, propriedades anti-sépticas e conservantes; Uso de extratos de plantas na Mesopotâmia aproximadamente 2600 a.C; O aparecimento de bactérias resistentes, e o risco que representa para saúde humana, renovou o interesse em extratos vegetais; Actividades antimicrobianas de óleos essenciais foram demonstradas contra diversos microorganismos, incluindo bactérias Gram-positivas e Gram-negativas.
  9. 9. AÇÃO: Atribui-se principalmente ao número/ proporção/ interação de compostos terpenóides e fenólicos presentes. Elevado número de componentes = Elevado número de mecanismos de ação = Maior gama de alvos na célula bacteriana (transporte de elétrons, gradientes de íons, translocação de proteína, fosforilação, e outras enzimas,etc)
  10. 10. Ao avaliar a concentração mínima inibitória do óleo bruto de orégano e os seus dois componentes principais (timol e carvacrol) contra Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa, Lambert et al. (2001) observaram que a combinação de timol e carvacrol apresentaram maior atividade antibacteriana do que qualquer um dos compostos sozinhos e que o efeito inibitório do óleo essencial de orégano é principalmente devido à interação destes dois compostos.
  11. 11. Óleos essenciais: Caráter lipofílico Elevada afinidade para lipídeos das membranas celulares bacterianas e suas propriedades antibacterianas são, evidentemente, associado com a seu caráter lipofílico – Capacidade de passar pela bicamada lipídica! Bactérias Gram-positivas (1 só camada): mais susceptíveis às propriedades antibacterianas do que bactérias Gram-negativas; Helander et al. (1998) relataram que o timol e caravacrol (fenólicos) também inibiram o crescimento de bactérias Gram-negativas por perturbar a membrana celular exterior. Parece que o pequeno peso molecular do óleo lhes permite penetrar na membrana interna de bactérias Gram-negativas.
  12. 12. Trombetta et al. (2005) relatou que monoterpenos, mentol e timol foram ativos contra bactérias Gram-positivas Staphylococcus, Staphlococcus e Gram-negativas Escherichia coli, e sugeriu que o efeito antimicrobiano destes monoterpenos é devido à ruptura da membrana do plasma de bactérias, interferindo assim na permeabilidade da membrana causando vazamento intracelular.
  13. 13. Inicialmente, os nutricionistas de ruminantes estavam interessados ​​em EO principalmente por causa do seu papel na redução da palatabilidade de algumas espécies de plantas. - Defesa Com o tempo, testes foram indicando que determinados tipos de óleos essenciais inibiam bactérias ruminais. Atualmente tem-se centrado sobre o seu potencial para melhorar o aproveitamento do nitrogênio ruminal e utilização da energia.
  14. 14. Resultados inconsistentes – Diversidade de compostos nos óleos/ modos de ação; Maioria das pesquisas in vitro;
  15. 15. Foram testados: Óleos puros / Misturas de óleos / Compostos isolados; Concentrações diferentes; In vitru, in situ, in vivo (Animais diferentes); Tempos de exposição variados; Acúmulo de aminoácidos/ Menor concentração de amônia devido a redução na desaminação de aminoácidos por bactérias ruminais.
  16. 16. Foi testada também a ação inibitória dos óleos essenciais em protozoários ciliados do rúmen: diversidade de resultados
  17. 17. Estudos variados; A suplementação com óleos essenciais ou seus compostos aumentou a concentração total de AGV ruminal = Digestão de alimentos melhorada, em um número limitado de estudos; Doses elevadas de óleos essenciais/ compostos = Ação antimicrobiana elevada = Redução na produção de AGV.
  18. 18. Estudos mostram que certos óleos essencias e seus componentes tem ação de uma maneira semelhante à de monensina: Diminuição de acetato e aumentou proporções de propionato (McGuffey et al, 2001) Estudos mostraram a redução de propionato / não alteração
  19. 19. É possível que efeitos da mistura de óleos essenciais sobre a concentração total de AGV possa depender da composição da dieta: Benchaar et al. (2007) relataram que MEO (750 mg / dia) tendeu a aumentar a concentração total de AGV no rúmen de vacas em lactação quando a dieta continha silagem de alfafa, mas tendiam para diminuir a concentração total de AGV quando a dieta continha silagem de milho.
  20. 20. Desafio: Identificar as doses de óleos essenciais/ componentes que podem alterar favoravelmente aspectos do metabolismo do rúmen, sem reduzir as concentrações totais de AGV. Entretanto.. Estudos mostram que as populações microbianas são capazes de se adaptar aos óleos essenciais ao longo do tempo, apresentando um desafio para a aplicação comercial deste aditivo.
  21. 21. Inibir a metanogênese no rúmen: Identificar os óleos essenciais, que reduzem a produção de metano, sem uma redução concomitante na digestão de alimentos. Interesse mundial: Redução do metano na pecuária (Efeito estufa: aquecimento global)
  22. 22. Busquet et al. Observaram que o óleo de alho e dialil dissulfureto (300 mg/ L de fluído ruminal) reduziram a produção de metano em 74 e 69%, respectivamente, sem alterar a digestibilidade. Monensina não reduziu a produção de metano para a mesma extensão; Inibição da produção de metano por estes compostos deveu-se à inibição direta da rúmen arqueas metanogênicas. Faltam estudos in vivo para concretizar resultados!
  23. 23. Estudos in vitru outros tipos de óleos/ compostos também demonstraram redução na produção de metano; Não existem estudos que avaliaram efeitos a longo prazo dos óleos essenciais e seus componentes sobre a produção de metano. Há potencial para selecionar compostos de óleos essenciais que reduzem o metano, quando utilizados em níveis que não reduzam a digestibilidade - Novas pesquisas são necessárias para avaliar estes compostos in vivo.
  24. 24. Poucos estudos – Vacas leiteras / bovinos de corte; Maioria dos estudos citados = Não houve mudança;
  25. 25. Benchaar et al. (2007) relataram que não houve mudança no perfil de ácidos graxos do leite quando as vacas foram suplementadas diariamente com 750 mg de Mistura de óleos essenciais. No entanto, completando a mesma mistura em uma concentração mais elevada (2 g / dia) aumentou a concentração de ácido linoleico conjugado (CLA) = Promoção da saúde de ácidos graxos, na gordura do leite.
  26. 26. Benchaar et al. Avaliaram a performance de crescimento de bovinos de corte alimentados com silagem suplementada com 2 ou 4 g/ dia de uma mistura comercial de compostos de óleos essenciais; Os resultados mostraram que o consumo de MS e o ganho médio diário não foram afetados; Além desta mistura compostos óleos essenciais. No entanto, a conversão dessa MS melhorou 4x com a dose de 2 g/ dia de alimentação = Melhoria na eficiência alimentar.
  27. 27. Estudos comprovam a eficácia de óleos essenciais no combate de Escherichia. coli, Staphylococcus aureus, Listeria monocytogenes e Salmonella; É possível que óleos essenciais/ componentes também têm atividade contra outros parasitas que residem no intestino tal como Cryptosporidium, coccídios e nematódeos; Óleo essencial a partir de hortelã-pimenta inibiu a atividade da Giardia (Vidal et al., 2007) um protozoário parasita altamente prevalente em bovinos.
  28. 28. Efeitos dos óleos essenciais sobre parasitas no trato digestivo inferior é dependente da capacidade dos componentes antimicrobianos de permanecerem ativos após a passagem através no rúmen. A extensão em que óleos essencias passam pelo rúmen e seu fluxo para a parte inferior trato digestivo não foi examinado.
  29. 29. Óleos essenciais derivados de plantas podem ser úteis na melhoria da eficiencia alimentar de ruminantes, além de reduzir o impacto ambiental de sua produção; Apesar da maioria dos estudos serem in vitro e com pouco tempo de exposição indicaram que os óleos essenciais e seus componentes podem ter ação favorável na fermentação ruminanal, inibindo a desaminação de aminoácidos e reduzindo a produção de metano Estudos in vitro e in vivo com maior tempo de exposição demonstraram que espécies de microrganismos podem se adaptar a ação de óleos essenciais;
  30. 30. Diferentes variedades, composições, atividades dos óleos essenciais dificultam a obtenção de resultados consistentes da sua ação sobre a produção de ruminantes.

×