O Líder Diante da Chegada da Morte - Lição 10 - 3º Trimestre de 2015

622 visualizações

Publicada em

A morte do crente não é o fim, mas a passagem para a glória eterna, na presença de Deus.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
622
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Líder Diante da Chegada da Morte - Lição 10 - 3º Trimestre de 2015

  1. 1. Pr. Andre Luiz Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. (2 Tm 4.7)
  2. 2. Quatro pecados mencionados estão relacionados à relação do ser humano consigo mesmo.1. Os homens serão egoístas. A palavra grega filautós, traduzida por egoístas, significa literalmente “amantes de si mesmos”. As pessoas são narcisistas: amam a si mesmas e só se importam com o próprio bem-estar. São como o “ouriço”: têm veludo por dentro e espinhos por fora. Essa tendência à idolatria do eu tem arrebentado com os relacionamentos na família, na igreja e na sociedade. Concordo com Barclay quando ele diz que o egoísmo é o pecado básico do qual provém os demais pecados. No momento em que a pessoa torna sua vontade e seu desejo o centro de sua vida, destrói as relações com DEUS e com o próximo. Uma vez que a pessoa se erige como DEUS, a obediência a DEUS e o amor ao próximo se tornam impossíveis. A essência do cristianismo não é o egoísmo, mas o amor ao próximo.2. Os homens serão jactanciosos. A palavra grega alazon significa “fanfarrões, gabolas”. Refere-se às pessoas que tocam trombeta proclamando virtudes que não têm que se apresentam mais fortes, mais sábias, mais ricas do que na verdade são. São como o albatroz, que têm o papo muito grande. São como restolho que, embora chocho, jamais se curva. Plutarco usou esse termo grego para descrever o médico charlatão. Aristóteles o utilizou para a pessoa que se apresenta como melhor do que na
  3. 3. Conforme percebemos do txto de 1Timóteo 1,18-19, fica claro que o combate de Paulo não é literalmente uma batalha, uma guerra, mas uma imagem que descreve a vida do cristão, o seu comportamento sobretudo em relação ao perseverar na fé. A vida do cristão é feita de escolhas e a liberdade que nos foi dada faz com que cada vez tenhamos que decidir qual estrada tomar; o bom cristão deve seguir fiel ao ensinamento divino. Esse processo é chamado por Paulo de "combate". O êxito final vai defini-lo como "bom" ou "mau". Sem determinação torna-se impossível para o atleta completar a prova. A mesma regra pode ser aplicada em nossas vidas. Isto é, sem perseverarmos nos é impossível transformar sonhos em realidade. ACABEI A CARREIRA, esta é a declaração de profunda alegria de um perseverante no bem. Ele diz que “Terminei minha missão”, “Fiz o que estava em minha alçada” (At 20. 27), “Não me embaracei com os negócios desta vida” (2Tm 2. 4), e “Imitei meu salvador que disse: “Está consumado” (Jo 19. 30). Esta é a consciência de não se ter deixado corromper. Ao afirmar “Guardei a fé”, Paulo quer dizer que “Não negociei a graça de Deus”, “Resisti às tentações” (1Co 9. 27), “Permaneci em comunhão” (1Co 4. 1-5), e “Meu depósito foi guardado para mim por meu Senhor” (2Tm 1. 12). O Apóstolo Paulo convoca Timóteo a combater o bom combate da fé, o que significa nesse contexto específico, resistir ao materialismo, à avareza e as deturpações que levam a conclusão erronea de que "piedade é fonte de lucro". Combater o bom combate, significa também, seguir com firmeza as virtudes distintamente cristãs -Justiça, piedade, fé, amor, constancia e mansidão (v.11). É ainda, viver intensamente o ministério recebido do Senhor.
  4. 4. O apóstolo Paulo,nesse contexto,pedia para que Timóteo estivesse com ele. O homem de Deus estava só. Um dos seus principais colaboradores,Demas,o havia abandonado. Demas é citado por Paulo em Cl 4.14 e Fm 24. Pelo texto de Filemon (v. 24) vemos que Demas começou muito bem, é citado como “colaborador”. Não se sabe a princípio o porquê, mas talvez o desinteresse, a frieza, a indiferença de Demas foram crescendo até ele chegar a esta situação, ao limite perigosíssimo da apostasia. A história de Demas é a história de todos os que não sabem ou não podem perseverar até o fim que é a condição para se obter a coroa da vida! A Bíblia conta maravilhosas histórias de amizade, e aquim o Novo Testamento nos apresenta uma destas histórias, Lucas e Paulo, Por intermédio de Paulo, sabemos que Lucas era médico (Cl 4.14). Parece que o primeiro encontro entre os dois ocorreu em Trôade (At 16.6-10), onde juntos partiram para a Macedônia. A primeira cidade Macedônia em que eles pregaram o Evangelho foi Filipos. Há historiadores cristãos que concordam que Lucas pastoreou aquela igreja por seis anos (51-57 d.C.). É na última prisão de Paulo que a amizade foi realmente provada. “Só Lucas está comigo”, disse Paulo para seu discípulo Timóteo. Neste período, Paulo está esperando sua execução, que aconteceu, provavelmente, no ano de 68 d.C.,
  5. 5. por decapitação, por ordem de Nero. Todos os demais companheiros de Paulo o tinham deixado. Lucas, um médico, homem que provou ser culto pela qualidade das obras que escreveu, abriu mão de vários anos de sua vida para acompanhar o apóstolo enquanto estava preso. Num desses períodos, na primeira prisão em Roma (At 28.16), Lucas redige sua obra: o evangelho de Lucas e Atos. Lembrando que estes dois livros também mostram a dedicação de Lucas a outro amigo, a saber, Teófilo (Lc 1.3; At 1.1). A dedicação às pessoas é fruto do amor que transforma vidas. Nós temos uma fé que não pode ser vivida para nós mesmos, mas nossa fé deve se abrir para os outros. Nosso alvo é servir o nosso próximo (Tg 2.14-26). Deus nos escolheu para sermos um povo de boas obras (Ef 2.10; Tt 2.14).
  6. 6. No mesmo contexto, alguns versículos antes em II Timóteo 4:6-8, Paulo afirma que encerrou sua carreira, e que está prestes a morrer. Mesmo assim, no versículo 13 ele ainda pede que sejam trazidos seus livros. Aprendemos então que Paulo continua tendo interesse em ler, escrever e aprender, mesmo estando prestes a morrer. Uma vez que a Bíblia não afirma expressamente, não podemos afirmar nada com certeza sobre isso. Podemos, entretanto, examinar as Escrituras e ter a melhor compreensão possível e tirar todo aprendizado possível sobre o assunto. Se examinarmos o livro de Atos, perceberemos informações importantes, que possivelmente demonstram como foi que Paulo acabou deixando essas coisas todas em Trôade, na casa de Carpo (Atos 16:8-12).
  7. 7. Em algumas outras versões da Bíblia este mesmo Alexandre é chamado de ferreiro! Possivelmente este Alexandre fazia utensílios domésticos de metais, ferramentas, escudos, facas, espadas, lanças, etc. Alexandre, o latoeiro, foi pior que Demas! Apesar de também ter saído da Obra, ele passou a perseguir o Apóstolo Paulo, chegando a ponto de interferir na sua sentença em Roma, causando-lhe muitos males (2Tm 4.14). Mesmo assim, Paulo orou por ele e entregou o caso nas Mãos de Deus, pedindo justiça. Segundo alguns estudiosos da Bíblia, há muitas chances deste Alexandre ter sido o mesmo que foi citado na Primeira Carta de Paulo a Timóteo no “Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé. 20 - E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar” (1Tm 1.19).
  8. 8. Embora os homens tenham abandonado Paulo em sua primeira audiência no tribunal, o Senhor não o fez. Paulo pode usar aquela ocasião para pregar o evangelho. Como cidadão romano, Paulo não poderia ser jogado aos leões no teatro público. Diz a tradição que, como resultado de haver apelado para César, após dois julgamentos no ano 68 d.C., Paulo foi executado. Relata-se que Nero saiu de viagem enquanto Paulo estava em Roma; entrementes, uma de suas concumbinas foi ganha para o Senhor por intermédio do apóstolo. Quando Nero voltou para casa, ela havia se juntado a um grupo cristão, abandonando o imperador. Nero ficou tão furioso que descarregou sua ira sobre Paulo, que foi levado para a Via Óstia onde o executaram.
  9. 9. Viver e morrer para o crente significa aceitar a passagem pascal, onde a doação a Cristo e aos irmãos não se realiza sem dificuldades e desilusões, sem passar pelas inúmeras mortes cotidianas até a morte física, etapa obrigatória criada pelo ato redentor de suprema doação de Cristo que morre por amor e ressuscita para que nós possamos ressuscitar com Ele. Agora vivemos uma vida nova, porque aquele que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos, dará a vida também aos nossos corpos mortais (Rm 8.11). Livre da boca do leão, essa era uma forma figurada de dizer que os esforços de Satanás em causar a morte prematura de Paulo tinham sido desviados, impedidos até o presente.
  10. 10. Paulo não expressa imunidade à doença fisica. Pelo contrário, ele espera a morte, mas nenhum ataque a ele poderia prejudicá-lo. Sua morte traria a libertação do sofrimento e a entrada no céu.

×