Pr. Andre Luiz
The Amplified New Testament traz: “estavam atônitos e dominados de perplexa
admiração." Essas traduções são todas elas mui...
Jesus é o Mestre por excelência.
Jesus foi o maior especialista na arte de ensinar. Ele é O Mestre.
Ensinou com maestria invulgar. Sobrepujou os grandes de...
Ele os “ordenou” para duas finalidades. 1) Primeiramente, devem
estar junto dele. Devem perseverar com ele em suas tentaçõ...
Jesus chamou doze discípulos para estar com Ele.
Anthony Lee Ash em O Evangelho Segundo Lucas (Editora Vida
Cristã), escreve: “Quem se qualifica como discípulo?” (vs. 26,2...
O Comentário Bíblico de William Barclay esclarece: “Jesus estabelece
as condições do serviço daqueles que o seguem. (1) Ne...
Jesus escolheu seus discípulos e os treinou para todo trabalho na seara.
O Senhor aqui os adverte contra um outro ramo da avareza, ao
qual eles estão mais sujeitos à tentação, o de terem apenas u...
Jesus anunciou o Reino pregando a Palavra de Deus e curando
os enfermos. Se Ele tivesse se limitado a pregar, as pessoas p...
A missão dos discípulos era pregar o Evangelho do Reino a todos.
Russell Norman Champlin em O Novo Testamento Interpretado
versículo por versículo (Editora Candeias), escreve: «ELE MESMO ...
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015

550 visualizações

Publicada em

O chamado para a salvação é de graça, mas o discipulado tem custos.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
550
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015

  1. 1. Pr. Andre Luiz
  2. 2. The Amplified New Testament traz: “estavam atônitos e dominados de perplexa admiração." Essas traduções são todas elas muito úteis. O significado literal do original é “ficaram como que fora de si”. Tem-se sugerido “tirados de seus sentidos”. Compare-se também com o alemão “ser trazido para fora de si” (Lenski, op. cit., p.305) e o holandês “derrotados para fora do campo ”. O tempo do verbo mostra que esse estado de assombro não foi só uma experiência momentânea, mas que durou algum tempo. Poder-se-ia muito bem perguntar: Quais foram algumas das razões desse sentimento de admiração e assombro? Mt 13.54,55 poderia fornecer parte da resposta. Não obstante, com base no próprio sermão e em 7.28 (“não como os seus escribas”), os seguintes temas merecem consideração: a. Ele falava a verdade (Jo 14.6; 18.37). O arrazoado corrupto e evasivo caracterizava os sermões de muitos dos escribas (Mt 5.21 ss.). b. Ele apresentava assuntos de grande relevância, questões de vida, morte e eternidade. Eles com freqüência desperdiçavam seu tempo com trivialidades (Mt 23.23; Lc 11.42). c. Havia sistema na pregação de Jesus. Segundo o Talmude deles comprova, eles com freqüência divagavam sem parar. d. Ele excitava a curiosidade ao fazer uso generoso de ilustrações (5.13-16; 6.26-30; 7.24-27; etc.) e exemplos concretos (5.21—6.24; etc.), como o sermão o revela do princípio ao fim. Os discursos deles eram com freqüência áridos como o pó. e. Ele falava como aquele que amava os homens, como aquele que se preocupava com o bem- estar eterno de seus ouvintes e apontava para o Pai e seu amor (5.44-48). A falta de amor por parte deles é evidente com base em passagens tais como 23.4,13-15; Mc 12.40; etc. f. Finalmente, e este aspecto é o mais importante, pois ele é especificamente declarado aqui (v.28). Ele falava “com autoridade” (Mt 5.18,26; etc.), porque sua mensagem vinha diretamente do coração e mente do Pai (Jo 8.26), daí também vir do mais profundo de seu próprio ser e das Escrituras (5.17; 7.12; cf. 4.4,7,10).
  3. 3. Jesus é o Mestre por excelência.
  4. 4. Jesus foi o maior especialista na arte de ensinar. Ele é O Mestre. Ensinou com maestria invulgar. Sobrepujou os grandes deste mundo. Foi Mestre em grau superlativo. Dominou com capacidade inigualável todos os recursos pedagógicos. Variava de método de acordo com as circunstâncias e pessoas. Para cada caso, usava um método próprio e adequado. Assim o Comentário Esperança (Editora Evangélica Esperança) comenta Jo 13.15: “Porque eu vos dei um exemplo, para que vós façais como eu vos fiz. Representa uma distorção do evangelho se virmos em Jesus apenas um exemplo, ao qual queremos imitar com nossas próprias forças. Nessa leitura se ignoraria o que Jesus disse em Jo 3.1ss ao sério fariseu Nicodemos sobre a necessidade do novo nascimento. Por outro lado, também não podemos nem devemos negar que Jesus é exemplo. Em consonância, ele próprio está se colocando a seus discípulos como exemplo precisamente em sua função apostólica.
  5. 5. Ele os “ordenou” para duas finalidades. 1) Primeiramente, devem estar junto dele. Devem perseverar com ele em suas tentações até chegarem ao Getsêmani; afinal, devem tornar-se testemunhas dele até os confins do mundo (At 1.8). Precisavam conhecer suas “horas silenciosas”, conviver com ele no dia- a-dia, observar seu trabalho, obter uma visão dos mistérios de sua sabedoria de educador, e até mesmo familiarizar-se com os objetivos de sua ação. 2) O segundo aspecto é que eles partilharão de sua autoridade. Dessa maneira ele providencia, de certo modo, pernas e pés, línguas e lábios que levem adiante sua obra. Mateus relata a convocação e o credenciamento dos apóstolos em uma ocasião (Mt 10.1ss), e Lucas o faz em dois trechos, mais precisamente como segue: de acordo com Lucas, o primeiro passo de Jesus foi nomeá-los, provavelmente para que passassem a ser seus alunos de modo especial. Isso aconteceu aqui em Lc 6.12-16. A capacitação é relatada em Lc 9.1-6, onde Jesus lhes confere a autoridade para servir como apóstolos. O relato mais preciso indica que esse deve ter sido o processo. Mateus reúne em uma só ocasião as duas ações de Jesus. Isso tem a ver com sua característica de enfatizar tão- somente o aspecto doutrinário e fundamental. Dessa forma o Redentor obteve, portanto, um grupo de auxiliares para sua obra. Ele, o maravilhoso canal da poderosa benignidade de Deus, fora multiplicado por doze.
  6. 6. Jesus chamou doze discípulos para estar com Ele.
  7. 7. Anthony Lee Ash em O Evangelho Segundo Lucas (Editora Vida Cristã), escreve: “Quem se qualifica como discípulo?” (vs. 26,27,33). Essas palavras foram ditas em vista da paixão de JESUS que estava próxima e deveriam separar o verdadeiro discípulo dos seguidores indiferentes. O primeiro teste do discipulado se referia aos parentes mais próximos (cf. 18:29). Jesus apoiava o amor familiar, mas mesmo este precisa ser subordinado ao amor a Deus. Aborrecer é um termo duro, mas o paralelo em Mateus 10:37 indica que significa “amar menos” (também Gn 29:30; Dt 21:15). Além da família, a pessoa precisa amar a sua própria vida menos do que ama Jesus. Vida abrange todos os interesses mundanos, até mesmo o nosso próprio ser (cf. Jo 12:25). (27) A cruz, sugerindo um criminoso desprezado seguindo para a sua morte terrível, amplia a idéia de aborrecer a própria vida (veja 9:23). É preciso estar disposto, se necessário, a sofrer um destino assim horrível por causa de Jesus. Essas palavras teriam ainda maior significado para os cristãos depois da crucificação e ressurreição de Jesus (cf. G1 2:20; 6:14).
  8. 8. O Comentário Bíblico de William Barclay esclarece: “Jesus estabelece as condições do serviço daqueles que o seguem. (1) Negar-se a si mesmo. O que significa isto? Um grande erudito dá o significado seguinte: Pedro uma vez negou a seu Senhor. Disse: "Não conheço esse homem." Negar-nos a nós mesmos quer dizer: "Não me conheço a mim mesmo." É ignorar a existência de si mesmo. É tratar o eu como se não existisse. Quase sempre tratamos a nós mesmos como se nosso eu fora com muito o mais importante do mundo. Se queremos seguir ao Jesus devemos destruir o eu e nos esquecer de que existe. (2) Tomar sua cruz. O que significa isto? Jesus sabia muito bem o que significava a crucificação. Quando era menino de uns onze anos, Judas o Galileo tinha encabeçado uma rebelião contra Roma. Tinha atacado ao exército real em Séforis (capital da Galiléia), que estava a uns seis quilômetros de Nazaré. A vingança dos romanos foi rápida e repentina. Queimaram a cidade integralmente; seus habitantes foram vendidos como escravos; e dois mil rebeldes foram crucificados com o passar do caminho para que fossem uma terrível advertência para outros que queriam fazer o mesmo. Tomar nossa cruz significa estar preparados para enfrentar coisas como esta por nossa fidelidade a Deus; significa estar dispostos a suportar o pior que um homem nos possa fazer pela graça de ser fiéis para com Deus.
  9. 9. Jesus escolheu seus discípulos e os treinou para todo trabalho na seara.
  10. 10. O Senhor aqui os adverte contra um outro ramo da avareza, ao qual eles estão mais sujeitos à tentação, o de terem apenas um pouco neste mundo (que, na melhor hipótese, era o caso dos discípulos, muito mais agora que haviam deixado tudo para seguir a Cristo), sentindo uma ansiosa solicitude pelas coisas que são necessárias para a manutenção da vida: “Não estejais apreensivos pela vossa vida, seja pela preservação dela, se estiver em perigo, ou pela provisão que deve ser feita para ela, seja de comida ou de roupas, o que comereis ou o que vestireis” . Esta é a advertência que o Senhor havia enfatizado, Mateus 6.25 e versículos seguintes. E os argumentos usados aqui são em boa parte os mesmos, tendo como propósito o nosso encorajamento para lançarmos todo o nosso cuidado sobre Deus, que é o modo correto de nos tranquilizarmos. Uma busca excessiva e ansiosa das coisas deste mundo, mesmo das coisas necessárias, não é algo que convenha aos discípulos de Cristo (w. 29,30): “A despeito daquilo que outros façam, não pergunteis o que haveis de comer ou o que haveis de beber. Não andeis inquietos com preocupações confusas, nem vos canseis com trabalhos constantes. Não vos apresseis em perguntar o que haveis de comer ou beber como os inimigos de Davi que vagueavam buscando o que comer (SI 59.15) ou como a águia que, de longe, descobre a sua presa, Jó 39.29. Que os discípulos de Cristo, portanto, não apenas trabalhem pelo alimento, mas peçam-no a Deus todos os dias.
  11. 11. Jesus anunciou o Reino pregando a Palavra de Deus e curando os enfermos. Se Ele tivesse se limitado a pregar, as pessoas poderiam imaginar o seu Reino com um caráter apenas espiritual. Por outro lado, se tivesse curado sem pregar, talvez elas não percebessem a importância espiritual da missão de Jesus. A maioria dos ouvintes esperava um Messias que traria riqueza e poder à nação judaica; o povo preferia os benefícios materiais ao discernimento espiritual. A verdade sobre Jesus é que Ele é o Deus encarnado, tem duas naturezas: uma divina e outra humana; possui espírito, alma e corpo; a salvação que Ele oferece é tanto para a alma quanto para o corpo. Qualquer ensino que enfatize a salvação da alma à custa do corpo ou o contrário distorce as Boas Novas de Jesus Cristo. Russell Norman Champlin escreve em sua Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia (Vol. 5) (Editora Hagnos): “A grande abundância de referências ao ensino e à pregação demonstra o papel primordial dessas funções, no Novo Testamento.
  12. 12. A missão dos discípulos era pregar o Evangelho do Reino a todos.
  13. 13. Russell Norman Champlin em O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo (Editora Candeias), escreve: «ELE MESMO tomou as nossas enfermidades e carregou com as nossas doenças». Profecia messiânica, que se acha em Is. 53:4. A citação foi tirada do hebraico, porque a LXX interpreta essa profecia como referência ao pecado. No grego a expressão é enfática. O Messias, Cristo Jesus, veio com a finalidade de aliviar (ευκολία - Lê- se - ef̱kolíá) o sofrimento humano. Esse versículo tem recebido diversas interpretações: 1. Refere-se ao ministério espiritual do Messias, ao levar o pecado do mundo. O texto de Isaías aborda exatamente isso, e a LXX reflete isso na tradução. 2. Segundo o uso de Mateus, indica apenas as doenças físicas. A profecia, pois, expõe outro aspecto do ministério de Cristo; sem mencionar aqui a expiação pelo pecado. 3. Refere-se a ambas as coisas — o pecado e as enfermidades e doenças —, provavelmente considerando as doenças como resultantes do pecado, ou então com ligação direta ao pecado; o Messias veio para tratar da enfermidade espiritual e física da natureza humana.

×