Invader B

318 visualizações

Publicada em

.PPT usado na aula de Introdução aos Problemas Ambientais (LTGA, ESAC) para apresentação do projecto de investigação INVADER - B.

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
318
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Procurar foto linda de dunas
  • Procurar foto linda de dunas
  • Procurar foto linda de dunas
  • Procurar foto linda de dunas
  • Procurar foto linda de dunas
  • Procurar foto linda de dunas
  • Procurar foto linda de dunas
  • Procurar foto linda de dunas
  • Invader B

    1. 1. INVADER-B - INVAsive plant species management in Portugal: from early DEtection to Remote sensing and Biocontrol of Acacia longifolia Centro de Ecologia Funcional/ Universidade de Coimbra Escola Superior Agrária/ Instituto Politécnico de Coimbra ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 1/40
    2. 2. Acacia longifolia - o problema (1) Invasão por Acacia longifolia - Árvore exótica, vinda da Austrália - Introduzida no início séc. XX (finais XIX) para estabilização de dunas - Actualmente: invade áreas extensas de dunas costeiras e outros habitats em Portugal e outros EM: Espanha, França, Itália ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 2/40
    3. 3. ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 3/40
    4. 4. Acacia longifolia - o problema (1) Invasão por Acacia longifolia - Árvore exótica, vinda da Austrália - Introduzida no início séc. XX (finais XIX) para estabilização de dunas - Actualmente: invade áreas extensas de dunas costeiras e outros habitats em Portugal e outros EM: Espanha, França, Itália - Ponto-chave: produção massiva de sementes – banco de sementes muito numeroso, com grande longevidade  potential de re-invasão rápida ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 4/40
    5. 5. ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 5/40
    6. 6. Acacia longifolia - o problema (1) ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 6/40
    7. 7. ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 7/40
    8. 8. ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 8/40
    9. 9. Acacia longifolia - o problema (1) ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 9/40
    10. 10. Acacia longifolia - o problema Principais impactes: - Diminuição da biodiversidades; ameaça a espécies e habitats protegidos, e.g., sítios Natura 2000 and Áreas Protegidas1 - Alterações na microbiologia e química do solo2 1(Marchante et al., 2003, Marchante, 2001, 2011, Rascher et al., 2011, Hellmann et al., 2011) 2(Marchante et al., 2008a,b, Marchante 2008, Rodríguez-Echeverría, 2010): ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 10/40
    11. 11. Acacia longifolia - o problema Principais impactes: - Diminuição da biodiversidades; ameaça a espécies e habitats protegidos, e.g., sítios Natura 2000 and Áreas Protegidas1 - Alterações na microbiologia e química do solo2 - Diminuição da productividade florestal - Alteração das condições de fogo  Impactes económicos: >> 1M€ + dados não disponíveis 1(Marchante et al., 2003, Marchante, 2001, 2011, Rascher et al., 2011, Hellmann et al., 2011) 2(Marchante et al., 2008a,b, Marchante 2008, Rodríguez-Echeverría, 2010): ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 11/40
    12. 12. Acacia longifolia - o problema ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 12/40
    13. 13. Acacia longifolia - o problema ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 13/40
    14. 14. Acacia longifolia - o problema Principais impactes: - Diminuição da biodiversidades; ameaça a espécies e habitats protegidos, e.g., sítios Natura 2000 and Áreas Protegidas1 - Alterações na microbiologia e química do solo2 - Diminuição da productividade florestal 1(Marchante et al., 2003, Marchante, 2001, 2011, Rascher et al., 2011, Hellmann et al., 2011) 2(Marchante et al., 2008a,b, Marchante 2008, Rodríguez-Echeverría, 2010): ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 14/40
    15. 15. Acacia longifolia - o problema ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 15/40
    16. 16. Acacia longifolia - o problema Principais impactes: - Diminuição da biodiversidades; ameaça a espécies e habitats protegidos, e.g., sítios Natura 2000 and Áreas Protegidas1 - Alterações na microbiologia e química do solo2 - Diminuição da productividade florestal - Alteração das condições de fogo  Impactes económicos: >> 1M€ + dados não disponíveis 1(Marchante et al., 2003, Marchante, 2001, 2011, Rascher et al., 2011, Hellmann et al., 2011) 2(Marchante et al., 2008a,b, Marchante 2008, Rodríguez-Echeverría, 2010): ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 16/40
    17. 17. Acacia longifolia - o problema Principais impactes: - Diminuição da biodiversidades; ameaça a espécies e habitats protegidos, e.g., sítios Natura 2000 and Áreas Protegidas1 - Alterações na microbiologia e química do solo2 - Diminuição da productividade florestal - Alteração das condições de fogo  Impactes económicos: >> 1M€ + dados não disponíveis 1(Marchante et al., 2003, Marchante, 2001, 2011, Rascher et al., 2011, Hellmann et al., 2011) 2(Marchante et al., 2008a,b, Marchante 2008, Rodríguez-Echeverría, 2010): ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 17/40
    18. 18. Solução? Controlo mecânico e químico disponíveis ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 18/40
    19. 19. Solução? Controlo mecânico e químico disponíveis • Demasiado dispendioso • Sucesso baixo devido ao banco-de-sementes Alternativas sustentáveis são necessárias Controlo biológico? ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 19/40
    20. 20. Solução? Controlo mecânico e químico disponíveis • Demasiado dispendioso ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 20/40
    21. 21. Solução? ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 21/40
    22. 22. Solução? Controlo mecânico e químico disponíveis • Demasiado dispendioso • Sucesso baixo devido ao banco-de-sementes ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 22/40
    23. 23. Solução? ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 23/40
    24. 24. Solução? Controlo mecânico e químico disponíveis • Demasiado dispendioso • Sucesso baixo devido ao banco-de-sementes Alternativas sustentáveis são necessárias Controlo biológico? ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 24/40
    25. 25. Controlo biológico – no mundo A nível mundial (e.g., Austrália, África-do-Sul, EUA): – Desde finais de 1800, > 400 agentes contra ca. 150 PLANTAS-alvo/ infestantes – Muitas delas, significativa ou permanentemente controladas Algumas dessas plantas são invasoras em Portugal (agentes libertados >> África-do-Sul): – A. longifolia: Trichilogaster acaciaelongifoliae e Melanterius ventralis – Acacia melanoxylon: Melanterius acaciae – Acacia dealbata: Melanterius maculatus – Hakea sericea: Carposina autologa… – Eichhornia crassipes: Neochetina eichhorniae … ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 25/40
    26. 26. Controlo biológico – na Europa > 300 libertações de 176 predadores/ parasitoides contra INSECTOS; e.g., Anaphes inexpectatus contra Gonipterus platensis (Eucalyptus globulus) em Portugal Libertados (2010 e 2014) APENAS 2 agentes, no Reino Unido contra 2 PLANTAS: Aphalara itadori para controlo de Fallopia japonica; fungo para Impatiens glandulifera http://news.bbc.co.uk/2/hi/8555378.stm Portugal: nenhum agente de controlo biológico para plantas invasoras  em análise o pedido de libertação de agente para A. longifolia ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 26/40
    27. 27. Trichilogaster acaciaelongifoliae ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 27/40
    28. 28. Trichilogaster acaciaelongifoliae • Hymenoptera: Pteromalidae • Vespa formadora de galhas; de dimensões reduzidas ca. 3mm 1mm ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 28/40
    29. 29. Trichilogaster acaciaelongifoliae • Hymenoptera: Pteromalidae • Vespa formadora de galhas; de dimensões reduzidas ca. 3mm • ♀: partenogénica • ♀: oviposição em gemas florais (e vegetativas) • ciclo de vida anual - 362 dias dentro das galhas • ♀ emergem, procuram gemas florais, põem ovos e morrem  as galhas começam a desenvolver-se depois da oviposição, inibindo a formação de flores e consequentemente de frutos e sementes ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 29/40
    30. 30. Trichilogaster acaciaelongifoliae • Hymenoptera: Pteromalidae • Vespa formadora de galhas; de dimensões reduzidas ca. 3mm • ♀: partenogénica • ♀: oviposição em gemas florais (e vegetativas) • ciclo de vida anual - 362 dias dentro das galhas • ♀ emergem, procuram gemas florais, põem ovos e morrem ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 30/40
    31. 31. Trichilogaster acaciaelongifoliae Curto prazo: Reduz produção sementes e taxa dispersão – Diminui/ pára adição de sementes ao banco-de-sementes Longo prazo: Reduz germinação (pós-fogo / outra perturbação) - galhas nas gemas vegetativas  redução da folhada; planta fica mais susceptível/ debilitada condições de stress – podem morrer ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 31/40
    32. 32. ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 32/40
    33. 33. T. acaciaelongifoliae – “cv” agente c.b. • Espécies-alvo: A. longifolia subsp. longifolia e A. longifolia subsp. sophorae e A. floribunda • libertado: 1982, África do Sul • reduziu produção de sementes - 85-100% • reduziu biomassa induzindo a abscisão folhear • eficácia limitada em climas com temperaturas muito baixas não afeta plantas não-alvo, exceto colonização temporária e negligenciável de A. melanoxylon e Albizzia lophanta (ambas próximas e invasoras) - populações muito elevadas » parasitado por parasitóides nativos » muito eficaz  exemplo de sucesso de C.B. ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 33/40
    34. 34. INVADER – B Objectivos principais: 1) avaliar os impactes de Acacia longifolia a nível das redes-de-interação plantas-galhas e comunidades associadas; 2) analisar as redes-de-interação de forma a avaliar os 1) efeitos indiretos do agente de controlo biológico,Trichilogaster acaciaelongifoliae, quer antes (como uma ferramenta preditiva) quer após (como avaliação) a sua libertação; 2) prever eficácia do agente controlo biológico; t0 pré introdução ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 34/40
    35. 35. redes-de-interação plantas-galhas e comunidades associadas ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 35/40
    36. 36. Objectivos principais: 1) avaliar os impactes de Acacia longifolia a nível das redes-de-interação plantas-galhas e comunidades associadas; 2) analisar as redes-de-interação de forma a avaliar os 1) efeitos indiretos do agente de controlo biológico,Trichilogaster acaciaelongifoliae, quer antes (como uma ferramenta preditiva) quer após (como avaliação) a sua libertação; 2) prever eficácia do agente controlo biológico; t0 pré introdução 3) mapear a distribuição de A. longifolia, em áreas selecionadas, através de deteção remota criando uma ferramenta útil para a gestão desta espécie 4) avaliar a possibilidade de usar deteção remota (espectroscopia) para monitorizar os efeitos de T. acaciaelongifoliae; ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 36/40
    37. 37. Detecção remota de A. longifolia ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 37/40
    38. 38. Objectivos principais: 1) avaliar os impactes de Acacia longifolia a nível das redes-de-interação plantas-galhas e comunidades associadas; 2) analisar as redes-de-interação de forma a avaliar os 1) efeitos indiretos do agente de controlo biológico,Trichilogaster acaciaelongifoliae, quer antes (como uma ferramenta preditiva) quer após (como avaliação) a sua libertação; 2) prever eficácia do agente controlo biológico; t0 pré introdução 3) mapear a distribuição de A. longifolia, em áreas selecionadas, através de deteção remota criando uma ferramenta útil para a gestão desta espécie 4) avaliar a possibilidade de usar deteção remota (espectroscopia) para monitorizar os efeitos de T. acaciaelongifoliae; 5) (avaliar o estabelecimento de T. acaciaelongifoliae e a sua eficácia no controlo de A. longifolia) 6) Implementar um programa piloto de deteção precoce de espécies invasoras ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 38/40
    39. 39. Detecção precoce e ciência participativa Mapa de avistamentos online http://invasoras.pt/mapa-de-avistamentos - site - app - guia, etc - workshops para dinamizar, etc ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 39/40
    40. 40. Detecção precoce e ciência participativa Mapa de avistamentos online - site - app - guia, etc - workshops para dinamizar, etc Pode solicitar-se o guia em: http://invasoras.pt/quem-quer-o-guia-de- identificacao-de-plantas-invasoras/ ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 40/40
    41. 41. Detecção precoce e ciência participativa ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 41/40
    42. 42. Mais informação: www.invasoras.pt invader@uc.pt https://www.facebook.com/InvasorasPt PARTICIPEM no mapeamento! ESAC| IPAmb. | Coimbra, 18 Novembro 2014 | INVADER-B | 42/40

    ×