História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7

3.578 visualizações

Publicada em

Mini curso ministrado em julho de 2013, por Marcos Calil, no Planetário e Teatro Digital Johannes Kepler, localizado em Santo André (SP)

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.578
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7

  1. 1. EGÍPCIOS
  2. 2. 2 EGÍPCIOS - CALENDÁRIO Calendário – “Simples” e sofisticado (comparado com babilônico e grego) Calendário lunar: - ciclo de 12 meses de 30 dias e 5 adicionais; - relacionado com as cheias anuais do rio Nilo;
  3. 3. O ciclo do rio Nilo: Dividido em 3 partes, sendo: 1a - transbordamento do seu leito cobrindo grande parte do vale; 2a - volta ao leito normal = matéria fértil para plantio do trigo; 3a - período de amadurecimento e colheita do trigo. Assim... EGÍPCIOS - CALENDÁRIO
  4. 4. DIVISÃO DO ANO EM TRÊS ESTAÇÕES 1a – inundação (Akket); (julho a novembro) 2a – abaixamento das água = semeadas (Pert); (novembro a março) 3a – colheita do trigo (Shemu). (março a julho) Porém... EGÍPCIOS - CALENDÁRIO
  5. 5. Acerto necessário: Mês sinódico (intervalo de tempo entre duas luas cheias) ~29,5 dias x 12 , temos ~ 354 dias Defasagem entre ano de 12 meses lunares e as épocas das cheias Solução??? EGÍPCIOS - CALENDÁRIO
  6. 6. Uma das três estações receberia um quinto do mês lunar Uma nova proposta: Ano de 365 dias Sendo: 12 meses com 30 dias cada e mais 5 dias suplementares no final do ano Mas... algum tempo depois... EGÍPCIOS - CALENDÁRIO
  7. 7. Atraso de: 1 dia a cada 4 anos e ~1 mês de 30 dias a cada 120 anos CALENDÁRIO “VAGO” EGÍPCIOS - CALENDÁRIO
  8. 8. E por que não... As estrelas??? Nascer helíaco de Sírius = início do ano Cheias do Nilo = 1a – inundação EGÍPCIOS - CALENDÁRIO
  9. 9. O acerto? Se cada 4 anos deve-se somar um dia para 365 dias Então: 365 dias + ¼ dia = 365,25 dias Próximo acerto só daqui há... 1.461 “anos vagos” EGÍPCIOS - CALENDÁRIO
  10. 10. GRÉCIA
  11. 11. GRÉCIA
  12. 12. PENSAMENTO ANTES DOS FILÓSOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS Testemunhos mais antigos: Homero (sec. IX ou VIII a.e.c.) e Hesíodo (sec. VIII a.e.c.) Concepção de mundo: Feche os olhos e imagine... GRÉCIA
  13. 13. A Terra era um disco achatada cercado pelo rio Okeanos, que nascia ao norte das colunas de Hércules e girava no sentido horário em torno da Terra. O céu (Ouranos) era uma cúpula sólida cobrindo a Terra e o Okeanos. Os astros se movem abaixo do céu, na região do éter, acima da atmosfera. Abaixo da Terra há o Tártaro, que é também circundado por uma casca sólida e metálica. GRÉCIA
  14. 14. A Aurora nasce de Okeanos, e o Sol nasce do “lago do Sol”, a leste. A região abaixo da Terra (Tártaro) nunca é iluminada pelo Sol, e portanto não parecia existir a ideia de que o Sol se move sob a Terra, durante a noite. O Sol, depois de sumir no horizonte, navegava em uma tigela dourada, ao longo de Okeanos, retornando ao oriente. GRÉCIA
  15. 15. GRÉCIA Abra os olhos... Você imaginou isso?
  16. 16. Além disso, existem menções em poemas sobre: - ursa maior e a estrela polaris (por conta das navegações); - as estrelas arcturus e sírius; - estrela matutina e vespertina (sem saber que era um único planeta, Vênus); - relação de fenômenos celestes com terrestres (agricultura); - Plêiades; GRÉCIA
  17. 17. OS FILÓSOFOS GREGOS ANTIGOS Deixaram de associar o “Mundo Mágico” e interpretaram os fenômenos como Ciência. Mas ainda mantinham uma tradição sobre os movimentos perfeitos. Órbitas Circulares GRÉCIA
  18. 18. OS FILÓSOFOS GREGOS ANTIGOS GRÉCIA > 600 a.e.c. PRÉ-SOCRÁTICOS SOCRÁTICOS PÓS-SOCRÁTICOS
  19. 19. Os Períodos Principais do Pensamento Grego I. Período pré-socrático - Problemas cosmológicos. Período Naturalista: pré- socrático, em que o interesse filosófico é voltado para o mundo da natureza; GRÉCIA > 600 a.e.c.
  20. 20. II. Período socrático - Problemas metafísicos. Período Sistemático ou Antropológico: o período mais importante da história do pensamento grego (Sócrates, Platão, Aristóteles), em que o interesse pela natureza é integrado com o interesse pelo espírito e são construídos os maiores sistemas filosóficos, culminando com Aristóteles; GRÉCIA > 600 a.e.c.
  21. 21. III. Período pós-socrático ou Helenismo - Problemas morais. Período ético em que o interesse filosófico é voltado para os problemas morais, decaindo entretanto a metafísica; IV. Período Religioso - assim chamado pela importância dada à religião, para resolver o problema da vida, que a razão não resolve integralmente. GRÉCIA > 600 a.e.c.
  22. 22. OS FILÓSOFOS GREGOS PRÉ-SOCRÁTICOS Escola Jônica GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS
  23. 23. OS FILÓSOFOS GREGOS PRÉ-SOCRÁTICOS GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS Escola Eleática
  24. 24. OS FILÓSOFOS GREGOS PRÉ-SOCRÁTICOS Escola Pitagórica GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS
  25. 25. Thales (c. 624 – c. 546 a.e.c.) – A Terra era plana e flutuava na água sob a imensa abóbada celeste. Realizou a previsão de um eclipse solar de 18 de maio de 584 a.e.c. GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS ESCOLA JÔNICA
  26. 26. Anaximandro de Mileto (c. 610 – c. 545 a.e.c.) A Terra é cilíndrica e a sua profundidade é um terço de sua largura. Os homens vivem sobre uma das superfícies planas desse cilindro. O Universo ilimitado e infinito. A Terra está no centro do Universo e não se move para nenhuma direção. GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS ESCOLA JÔNICA
  27. 27. Anaxímenes de Mileto (c. 585 – c. 525 a.e.c.) O Universo é formado de ar. A Terra é achatada e fina e não cai, pois é sustentada pelo ar. O Sol, a Lua e outros corpos são feitos de fogo e também seriam achatados, logo não caem. As estrelas estão implantadas num único hemisfério e se movem em torno da Terra, onde o Sol fica oculto pelas partes mais elevadas da Terra, na direção norte. GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS ESCOLA JÔNICA
  28. 28. Anaxágoras de Atenas (c. 500 – c. 428 a.e.c.) A Terra é achatada sustentada pelo ar. O Sol e a Lua eram como pedras carregadas pelo éter em torno da Terra. Lua seria feita de Terra, teria partes planas e acidentadas e iluminada pelo Sol. Concepções atuais dos Eclipses Lunares e Solares. GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS ESCOLA JÔNICA
  29. 29. GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS Parmênides (~ 500 a.e.c.) A Terra e o Universo eram esféricos. A Terra permanece imóvel no centro por ser equidistante ficando em equilíbrio. Definiu que Vênus é o mesmo astro que aparece hora no amanhecer outrora no anoitecer. A Lua é iluminada pelo Sol. A partir dele os gregos tomaram a ideia de que os astros giram em torno da Terra. ESCOLA ELEÁTICA
  30. 30. Xenófanes de Colofon (c. 570 – c. 475 a.e.c.) A Terra é achatada na parte superior onde na parte inferior teria uma profundidade infinita, não existindo céu e ar abaixo dela. O Sol e demais astros se extinguem a cada noite e nascem a cada dia a partir do fogo. Os astros possuem movimento retilíneo e a aparência circular é apenas ilusão de óptica. Os eclipses ocorrem por causa da extinção dos seus fogos. GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS ESCOLA ELEÁTICA
  31. 31. GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS Pitágoras (c. 580 – c. 500 a.e.c.) A Terra e o Universo eram esféricos e estava em rotação em torno de um fogo central, circundada por cinco zonas, associadas a outras tantas zonas celestes contendo as estrela e os planetas. Descreveu os movimentos regulares das estrelas e irregulares dos planetas. A Terra estava parada no centro do Universo. ESCOLA PITAGÓRICA
  32. 32. GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS ESCOLA PITAGÓRICA
  33. 33. Sistema de Empédocles (495/490 - 435/430 a.e.c.) GRÉCIA - PRÉ-SOCRÁTICOS ESCOLA ATOMISTA
  34. 34. Sócrates (469 - 399 a.e.c.) Sócrates, de certa forma, irá dar continuidade a muitas das ideias da Escola Pitagórica, buscando provas da existência de um plano inteligente que existiria na construção do Universo. Entretanto, dirigia a sua atenção mais para o mundo das ideias do que para o mundo dos fenômenos naturais. Para Sócrates, o verdadeiro conhecimento humano é essencialmente a herança de uma vida anterior num mundo imaterial. GRÉCIA - SOCRÁTICOS
  35. 35. Platão (427 - 348 a.e.c.) Num dos seus diálogos, intitulado Timeu, na segunda seção, encontramos a visão cosmológica de Platão. Timeu é um dos intervenientes, o mais sábio de todos em Astronomia. De acordo com o Timeu, o universo teria sido criado por um deus que “Isento de inveja, ele quis que todas as coisas fossem, na medida do possível, semelhantes a si mesmo”. GRÉCIA - SOCRÁTICOS
  36. 36. Essa identidade entre o criador e sua criação tem um paralelo no Gênesis judaico-cristão, em que o Homem teria sido feito à imagem e semelhança do criador. Segundo o Timeu, o Universo teria sido criado como “…um animal, verdadeiramente dotado de uma alma e de inteligência, …” GRÉCIA - SOCRÁTICOS
  37. 37. Aristóteles (384 - 322 a.e.c.) Discípulo de Platão, sistematizou um universo que criou raízes no mundo ocidental. Materializou o sistema de Platão estudado de forma geométrica por Cláudio Ptolomeu no século II. No sistema de universo de Aristóteles existiriam cinco elementos fundamentais; quatro terrestres, a terra, o ar, a água e o fogo, e mais um elemento divino, o éter, elemento perfeito que comporia os céus, onde dominaria a perfeição. GRÉCIA - SOCRÁTICOS
  38. 38. O universo para Aristóteles é finito, esférico e limitado pela esfera das estrelas fixas, fora da qual nada existia, nem mesmo tempo e espaço. A ordem de colocação dos planetas toma em consideração que a sua distância à Terra era tanto maior quanto mais lento fosse o movimento desse planeta entre as estrelas GRÉCIA - SOCRÁTICOS
  39. 39. GRÉCIA - SOCRÁTICOS
  40. 40. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS Aristarco de Samos (280 a.e.c.) – Propôs a ideia “ousada” de um Universo centrado no Sol e não na Terra; esta visão heliocêntrica foi somente adotada a 1800 anos mais tarde. Fases da Lua descrito por Aristarco (conforme relatado por Vitruvius, numa visão topocêntrica, em 48 a.e.c, no livro IX, capítulo 2, versos 3 e 4).
  41. 41. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS
  42. 42. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS
  43. 43. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS Como seria isso, na visão do universo da época?
  44. 44. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS Lua na fase nova Iluminada Não iluminada Observador Terra Lua Sol
  45. 45. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS Lua na fase quarto crescente Terra Lua Sol
  46. 46. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS Terra Lua Sol Lua na fase cheia
  47. 47. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS Lua na fase quarto minguante Terra Lua Sol
  48. 48. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS Eratóstenes (250 a.e.c.) – Determinou o raio da Terra, com o valor de r = 6.400 km. (erro menor que 1% do valor aceito atualmente)
  49. 49. GRÉCIA PÓS-SOCRÁTICOS Apolônio (~ 200 a.e.c.) – Empregou círculos cujo centro não coincidia com a Terra, mas estavam ligeiramente afastados dela – isto é, círculos excêntricos. Hiparco de Nicéia (c. 190 – c. 120 a.e.c.) – Preparou o primeiro catálogo de estrelas, estudou as estações do ano e calculou a distância da Terra a Lua.
  50. 50. TEORIA x OBSERVAÇÃO Além das estrelas fixas existiam sete objetos celestes (Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno) que fugiam completamente da regra do “movimento perfeito”. Para explicar estes movimentos, eles criaram cada vez mais órbitas circulares... SISTEMAS DE MUNDOS
  51. 51. ... surge então o Sistema Híbrido. SISTEMAS DE MUNDOS
  52. 52. Modelo geométrico do círculo excêntrico Planeta Terra SISTEMAS DE MUNDOS
  53. 53. MODELO DE CÍRCULO EXCÊNTRICO Nessa proposta, supondo que o astro se move uniformemente nesse círculo, seu movimento visto da Terra, mostraria: 1- variações no brilho (porque sua distância varia); 2- variações de velocidade angular. A velocidade seria maior quando o astro estivesse mais próximo, e menor quando estivesse mais distante. SISTEMAS DE MUNDOS
  54. 54. Mas isso não explicaria a retrogradação dos planetas. Assim... Que tal utilizar dois círculos no lugar de um único? SISTEMAS DE MUNDOS
  55. 55. MODELO DE DEFERENTE E EPICICLO Este modelo emprega um círculo R, concêntrico com a Terra, chamado de deferente (que significa “transportador”) e outro círculo de raio menor r chamado epiciclo (ou ciclo externo) que juntos permitiam simular o movimento retrógrado dos planetas, além de introduzir as variações de distância e velocidade aparente. SISTEMAS DE MUNDOS
  56. 56. Modelo deferente e epiciclo Terra r R Planeta SISTEMAS DE MUNDOS
  57. 57. APOLÔNIO E A EQUIVALÊNCIA ENTRE EXCÊNTRICOS E DEFERENTES COM EPICICLOS Apolônio demonstrou que é possível representar exatamente o mesmo movimento produzido por um círculo excêntrico, através de outro recurso completamente diferente: um epiciclo se movendo sobre um deferente SISTEMAS DE MUNDOS
  58. 58. Excêntricos e deferentes com epiciclos r R Planeta Terra SISTEMAS DE MUNDOS
  59. 59. TUDO RESOLVIDO??? NÃO!!! Com observações cada vez mais sistemáticas percebeu-se que o sistema de Apolônio ainda falhava quando tratado da retrogradação dos planetas. O que fazer então??? SISTEMAS DE MUNDOS
  60. 60. Sistema complexo de epiciclos Terra Deferente Epiciclo Planeta SISTEMAS DE MUNDOS
  61. 61. Geocêntrismo com epiciclos Lua Mer Mar Vên Júp Sat Céu Ter SISTEMAS DE MUNDOS
  62. 62. CONFUSÃO COMPLETA!!! SISTEMAS DE MUNDOS
  63. 63. Recordando SISTEMAS DE MUNDOS Deferente Terra Excêntrico r R Planeta Epiciclo Planeta Sistema complexo de epiciclos

×