Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade

398 visualizações

Publicada em

Sequência desenvolvida e aplicada pelo Projeto Cultura, Literatura e Criatividade: do erudito ao popular - CLIC, integrante do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID/Letras/UEPB.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
398
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sequência 16 as fases da vida - relação entre família e sociedade

  1. 1. 1 PROJETO: Cultura, Literatura e Criatividade: Do erudito ao popular – CLIC COORDENADORA DA ÁREA DE LETRAS: Magliana Rodrigues da Silva ESCOLA PARTICIPANTE: E.E.E. Fundamental e Médio Professor Raul Córdula SUPERVISORA DA ESCOLA: Diana Nunes Ramalho LICENCIANDOS EM LETRAS: Eloiza de Oliveira Chaves Fabiana Maria dos Santos Souza Jhonathan Antonny de S. S. Machado Lígia Albuquerque Queiroz Monalisa Barboza Santos PROGRAMA DE ATIVIDADES TEMÁTICA PRINCIPAL:  As fases da vida: Uma relação entre família e sociedade GÊNEROS:  Contos, crônicas, charges, músicas, poema. CONTEÚDO:  Discussão das diferentes fases da vida, como: Infância, adolescência, velhice;  Reflexões sobre questões sociais importantes como a figura da mulher, a questão da violência doméstica e da adoção;  Análise das diferentes configurações familiares através da história. OBJETIVO GERAL:  Abordar questões sociais atreladas às diversas fases de nossa vida, envolvendo família e sociedade a partir de gêneros textuais diversos.
  2. 2. 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS:  Desenvolver o senso crítico e reflexivo dos alunos;  Aperfeiçoar a competência de leitura e interpretação de textos literários e não literários;  Reconhecer as características estruturais dos gêneros: crônica, conto e poema. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: 1º ENCONTRO: INTRODUÇÃO À TEMÁTICA  Recepcionaremos os alunos com a sala toda decorada, com cartazes contendo frases que remetam à questão das fases da vida;  Elemento motivador: Em seguida, os professores farão uma dramatização, intitulada “Como vejo a vida...”. Cada professor irá se caracterizar de um personagem representando cada fase da vida, a saber: uma criança, um adolescente, um adulto e um idoso e irá encenar como a vida é vista nestes diferentes momentos;  Depois, realizaremos uma dinâmica intitulada “Algum lugar da vida”, que funciona da seguinte forma: serão colocados nas quatro partes da sala quatro grandes corações com cores diferentes. Em seguida, iremos solicitar que os alunos, em pé, possam formar um círculo e ficarem de costas para o meio. Então, iremos colar pequenos corações correspondentes às cores dos corações maiores, então pediremos que os alunos “chutem” a cor de seu coração e possam se dirigir a eles, sem se comunicar com os outros, ao fundo tocaremos uma música animada. O objetivo dessa dinâmica será a reflexão feita posteriormente, ao final leremos a reflexão a respeito dos nossos lugares na vida e a relação com família;  Terminada a dinâmica, leremos o poema “Quatro fases da vida”, de Pompeu Lustosa de Aquino Cantarelli, que faz um comparativo entre a vida e as estações da natureza. Esta leitura tem por objetivo, além do contato com o gênero poema, também promover a reflexão sobre as fases da vida;  Logo após, realizaremos a leitura da crônica “Toda vida”, de Luís Fernando Veríssimo, que traz uma reflexão sobre as fases da vida, afim de entrar em contato com o gênero e poder aprofundar ainda mais a temática sob uma perspectiva diferente.
  3. 3. 3 2º ENCONTRO: A INFÂNCIA  A sala estará ornamentada com coisas que remetem à infância. Balões, brinquedos, etc.  Elemento motivador: Os professores trarão fotos de sua infância, relembrando momentos especiais que marcaram esse momento, a fim de envolver os alunos em relação a temática. Em seguida, realizaremos a dinâmica “Recordações da infância”. Cujo objetivo será proporcionar o conhecimento recíproco da infância de cada participante. Utilizaremos perguntas preparadas anteriormente. Cada participante recebe aleatoriamente uma pergunta e lê em voz alta para os demais, respondendo-a em seguida;  Logo depois, leremos o artigo “Cadê a infância que estava aqui? O gato comeu”, de Ângela Maria Costa. Esse texto discute essas questões e a formação do ser humano a partir da infância e como essa fase é importante para o amadurecimento da pessoa, além disso, discutiremos juntamente com os alunos as questões que envolvem essa fase;  Em seguida, executaremos a música “Pedofilia”, dos Titãs. A fim de abordar o lado negro presente na infância de muitas crianças: a pedofilia. Então a partir disso, questionaremos os alunos sobre esse abuso e o que leva uma pessoa a cometer esse tipo de crime;  Em complemento à música, traremos a charge de Diego Novaes, que trata sobre a questão da consciência dos pais diante da pedofilia. O intuito é refletir sobre a temática e ainda discutir sobre a linguagem verbal e não-verbal e a função do gênero na sociedade;  Por fim, exibiremos o vídeo “Um teste preocupante”, que irá trazer à tona a discussã sobre como os pais conscientizam as crianças a não falarem com estranhos e de como as crianças são facilmente enganadas por pessoas que elas nem conhecem. O objetivo é alertarmos os alunos sobre os perigos que rodeiam as crianças. 3º ENCONTRO: A ADOLESCÊNCIA  Iniciaremos esse encontro com a leitura do artigo: “O adolescente no mundo atual”, de Maria Elisabeth Jereissati, a fim de definir de uma forma geral o que ocorre nessa fase, bem como, suas dificuldades e descobertas.
  4. 4. 4  Em seguida, assistiremos ao filme “Confissões de Adolescente” e solicitaremos aos alunos que produzam uma sinopse, que aborde as questões vistas sobre esta fase. 4º ENCONTRO: A ADOLESCÊNCIA  Iniciaremos o encontro discutindo as sinopses solicitadas na aula anterior. Dessa forma, retomaremos as questões vistas no filme, versando sobre o namoro, primeiro beijo, as descobertas feitas nessa fase, gravidez na adolescência, etc.  Em seguida, iremos tratar a questão da sexualidade. O objetivo é conscientizar os alunos sobre o que é, de fato, a sexualidade e o que ela abrange, para isso, serão utilizados slides que trarão o conceito da palavra, além de informações necessárias para sua compreensão;  Posteriormente, realizaremos a dinâmica “O semáforo”. O objetivo dessa dinâmica é identificar temas de maior interesse em relação à sexualidade, iremos distribuir papéis para os alunos, cada um deles irá escrever em uma parte do papel um tema ou pergunta sobre sexualidade. No meio da sala, teremos um semáforo, ou seja, três círculos: um verde, amarelo e vermelho. Cada participante distribuirá suas fichas pelo semáforo, dependendo do grau de dificuldade que sentir ao debater sobre os temas. Logo depois, solicitaremos que os alunos leiam os papéis. Realizaremos uma reflexão sobre esses assuntos que são importantes para os alunos e como é difícil falar sobre sexualidade.  Logo depois, iremos ler e discutir o artigo “Mídia x Sexualidade”, de Jaqueline Magalhães e Cristiane Rosa, que trata sobre as influências da mídia e como o que você assiste e vê interfere no nosso modo de pensar e agir, nesse caso no âmbito da sexualidade na adolescência. O objetivo, além de trabalhar o gênero é também desvelar questões que, por vezes, passam desapercebidas, principalmente pelos jovens, sobre a influência midiática no nosso jeito de pensar e agir, como esse controle se dá de forma sutil, inclusive, em algo tão pessoal quanto a sexualidade;  Em seguida, realizaremos a leitura do artigo “Gravidez na adolescência”, de Jefferson Ferreira. Com o objetivo de discutir com os discentes as questões que envolvam a sexualidade e a gravidez precoce.
  5. 5. 5 5º ENCONTRO: CASAMENTO  A sala estará ornamentada com uma atmosfera que remeta ao casamento;  Elemento motivador: Para envolver os educandos na subtemática será exibido o clipe da música “Pra sonhar”, de Marcelo Jeneci, com o objetivo de descontrair o ambiente;  Em seguida, discutiremos como o casamento se consolidou em nossa sociedade através da contextualização histórica, afim de trazer o esclarecimento aos alunos das diferentes configurações que esta instituição social teve ao longo da história;  Depois, leremos a crônica “Casar-se de novo”, de Arnaldo Jabor, objetivando refletir acerca da reafirmação dos votos feitos pelos casais, que, ao invés de se separarem, escolhem casar-se de novo com a mesma pessoa;  Leitura e discussão do “Soneto de separação”, Vinícius de Moraes, que terá por objetivo introduzir a questão da separação. Esse momento de rompimento, dor e o que levaria a tal situação.  Ainda discutindo sobre separação, mas lançando o olhar agora para os filhos, iremos discutir a questão da alienação parental e suas consequências a partir da matéria “Alienação parental”, do Fantástico.  Encerrado este momento, faremos a leitura da crônica “Amor depois do divórcio” de Fabrício Carpinejar, com o objetivo de mostrar como casais, muitas vezes, se reinventam após um momento de separação. 6º ENCONTRO: A FIGURA DA MULHER  A sala estará ornamentada com objetos que relembrem o universo feminino, fotos de mulheres nas mais diversas atividades: trabalhando, estudando, cuidando da casa, etc.  Elemento motivador: Para motivarmos os alunos, realizaremos uma dramatização simulando uma entrevista com três tipos de mulheres. Mulheres estas baseadas nos contos de Lispector e o eu lírico presente na música: Desconstruindo a Amélia, da cantora Pitty. Serão apresentados três tipos de mulheres: a primeira é uma mulher que está entediada com os afazeres de casa, porém a partir de reflexões compreende que sente-se feliz na sua condição de esposa e mãe. A segunda será uma dona de casa que cuida do marido e filhos, porém não é feliz. A terceira será o contrário da
  6. 6. 6 Amélia, uma mulher bem resolvida, mãe, esposa, profissional e crítica diante das situações presentes na sociedade. O intuito é criarmos personagens que podem ser encontradas na sociedade e que possuem pontos de vistas diferentes que serão apresentados a partir da “entrevista”.  Em seguida, leremos a crônica “Mulher boazinha”, de Martha Medeiros. Cujo conteúdo demonstra a evolução da mulher diante do tempo. O intuito, além do trabalho com o gênero, é refletir sobre a questão dos adjetivos e do diminutivo “- inha” utilizado no texto;  Logo depois, realizaremos a leitura do conto “Amor”, de Clarice Lispector. A fim de apresentar a realidade de uma mulher chamada Ana, que tem uma vida aparentemente “perfeita”, cuidando da casa, dos filhos, porém em um momento de epifania a personagem percebe que não é feliz naquela vida. A leitura será feita de forma compartilhada, ou seja, cada aluno, juntamente com os professores, irão revezar na leitura dos parágrafos realizando pausas para observação dos fatos que estão ocorrendo, de forma que a leitura torne-se algo dinâmico e que os alunos possam compreender a escrita da autora, bem como as características presentes em seu conto.  Executaremos a música “Ai que Saudades da Amélia”, de Mário Lago. Questionaremos os alunos a respeito da letra dessa música, a fim de que os discentes compreendam o discurso machista existente.  Após a leitura do conto, discutiremos sobre as questões apontadas por Lispector, bem como os sentimentos que rodeiam a vida de Ana, a personagem, dando fechamento de tudo o que foi visto no encontro. A partir disso questionaremos os discentes se existe semelhanças entre a personagem do conto e a mulher retratada na música. 7º ENCONTRO: A FIGURA DA MULHER  Inicialmente realizaremos um momento de conversa relembrando tudo o que foi visto na aula anterior.  Em seguida, solicitaremos que os alunos se dividam em cinco grupos para a realização de uma atividade. Os alunos receberam todos os materiais para a confecção de cartazes, para servi-lhes de inspiração, cada grupo receberá uma música e deverão buscar passar o sentimento passado através da música para os cartazes, que
  7. 7. 7 terão como foco a exaltação da mulher nos dias atuais. Utilizaremos as seguintes faixas musicais: Pagu – Rita Lee, Garotos – Leoni, Desconstruindo a Amélia – Pitty e Run the world girls – Beyonce. O objetivo dessa produção é fazer com que os alunos reflitam criticamente sobre as letras das canções relacionando com as discussões realizadas sobre a temática. Após a produção, os alunos irão expor as ideias apresentadas e encontradas nos cartazes. 8º ENCONTRO: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA  Elemento motivador: Ouviremos a música “Um tapinha não dói”, de Bonde do tigrão, como ponto de partida para discussão da violência doméstica a partir da problematização: um tapinha não dói mesmo? A escolha da música objetiva uma inicial descontração para uma posterior explanação de um tema tão sério.  Depois exibiremos o vídeo “Violência gera violência” e elencaremos os tipos de violência existentes em nossa sociedade. O objetivo é fazer com que os discentes compreendam que não existe apenas violência física.  Terminada a discussão, assistiremos com os educandos um curta de animação que expõe de modo explícito a violência doméstica e suas consequências. Depois de debatido o vídeo adentraremos a questão da Lei Maria da Penha e exporemos um depoimento da mulher que inspirou e nomeou a lei. Neste momento abriremos espaço para que os alunos falem se já passaram por este tipo de experiência em casa ou conhecem alguém que já passou.  Depois analisaremos a charge “Violência domiciliar”, do site Humortadela, com o intuito de fazer os alunos observarem para a relação entre humor e imagem na construção de uma crítica social.  Em seguida, debateremos o artigo de opinião “Um conto de violência doméstica, de João M. Pereirinha, que trata da violência domiciliar, suas possíveis causas e discute sobre as supostas justificativas para esse crime. O objetivo é levar ao conhecimento dos alunos o que leva uma mulher a suportar a violência calada;  Por fim, ouviremos a música “Cansada”, da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) e enfatizaremos a importância de se denunciar questões de violência contra a mulher. O intuito é entrar em contato com a perspectiva da mulher que sofre violência e informar aos alunos meios de denunciar esse tipo de crime.
  8. 8. 8 9º ENCONTRO: TIPOS DE FAMÍLIA  Elemento motivador: Iniciaremos o encontro com a dinâmica “Família idealizada”, que tem por objetivo perceber as semelhanças e diferenças entre a família real e a desejada. Para a realização da dinâmica utilizaremos papel ofício e lápis e, desenvolveremos a atividade da seguinte forma: organizaremos o grupo em círculo, sentado e distribuiremos a cada participante uma folha de papel e lápis. Solicitaremos que façam um traço no meio da folha, escrevendo de um lado 'A família que tenho' e, do outro, 'A família que gostaria de ter'. Em seguida, pediremos que descrevam, individualmente, sua família real e a desejada, nos locais correspondentes. Depois, formaremos subgrupos para discussão dos seguintes pontos: - Que pontos em comum eu encontro entre a família que tenho e a que gostaria de ter? - O que há de semelhante entre a família que tenho e as dos demais componentes do subgrupo? - O que há de semelhante entre a família que eu e os meus companheiros gostaríamos de ter? - O que é possível fazer para aproximar a família real da família ideal?  Depois de realizarmos a dinâmica, traremos o vídeo “Coca- cola Família”, para dar continuidade à temática adentrando a questão dos tipos de família. O objetivo é expor configurações de famílias existentes na sociedade atual;  Após a execução e discussão do vídeo, exporemos através de slides as diversas configurações familiares do passado à atualidade, com intuito de esclarecer os discentes de que a família nem sempre foi nos moldes atuais;  Em seguida, faremos a leitura compartilhada do artigo “A nova cara da família brasileira”, de Vinícius Boreki. Com o objetivo de, como o próprio nome sugere, adentrar a questão da família na sociedade atual. 10º ENCONTRO: A FAMÍLIA QUE A GENTE ESCOLHE  Elemento motivador: Inicialmente, iremos reproduzir o vídeo “Reúna suas famílias”, da Vitarella, para que os educandos reflitam sobre as várias famílias que construirmos ao longo da vida e como essas relações nos influenciam.
  9. 9. 9  Logo após, escutaremos a música “Valeu amigo”, de MC Pikeno e Menor, que trata da questão da amizade como um laço familiar. O intuito é refletir sobre a os laços de amizade como familiar;  Dando continuidade, leremos o artigo “Amigos: família do coração”, de Juliana Garcia, a fim de discutir sobre a amizade que se converte em núcleo familiar;  Para encerrar o encontro, realizaremos uma oficina de confecção de cartões, com o intuito de trabalhar as habilidades manuais dos alunos, assim como, permitir que estes aprendam a fazer algo de forma artesanal para presentear um amigo. 11º ENCONTRO: ADOÇÃO  Elemento motivador: Para iniciarmos o nosso encontro, realizaremos a dinâmica ADOTAR É AMAR, para que os alunos possam descobrir a temática. Funciona assim: Serão colocados no centro da sala diversos balões cheios d'água, cada balão representará uma criança na fila de adoção. Após um sorteio cada aluno escolherá determinado balão, durante todo o encontro eles deverão permanecer com o balãozinho nos braços, cuidando e evitando que ele fosse estourado. Porém, alguns balões tinham irmãos que só poderiam ser adotados juntos, refletiremos sobre os critérios de escolha de cada um e assim adentraremos ao subtema: ADOÇÃO.  Depois, assistiremos ao vídeo “Coca - cola Adoção Linda Propaganda Adotar Alimenta a Felicidade”, com o intuito de que os alunos descubram a temática que será trabalhada na aula;  Logo após, será hora dos educandos analisarem a charge “Dia Nacional da adoção”, de Amarildo. Com a finalidade de discutir a questão da existência de várias famílias em listas de espera para adotarem uma criança, enquanto milhares de inocentes estão desabrigados no Brasil.  Em seguida, mostraremos um vídeo “Realidade dos abrigos e das crianças para adoção”, que trata da questão dos abrigos que acolhem as crianças que não possuem família. Depois disso, mostraremos quais os requisitos necessários para se poder adotar uma criança. E então, exibiremos um vídeo que mostra a questão da adoção tardia e desmistificaremos certos preconceitos que há com relação a esse assunto, assim como a questão da adoção de irmãos e de crianças com doenças crônicas ou deficiência.
  10. 10. 10  Leremos, para finalizar o encontro, a crônica “Parente e família”, de Fabrício Carpinejar, com o intuito de discutir os verdadeiros laços que unem as pessoas, como também, trazer a diferença entre estes dois termos “parente” e família”. 12º ENCONTRO: PALESTRA SOBRE ADOÇÃO  Em seguida, haverá um momento de conversa com a professora convidada Valdecy Margarida da Silva, que irá relatar sua experiência pessoal com a adoção. Esse momento tem por objetivo propiciar ao aluno a reflexão acerca do processo de adoção, principalmente, no que se refere a adoção tardia e a adoção de parentes, que é bem difícil de ser alcançada. Geralmente, as pessoas adotam bebês e irmãos são separados no processo adotivo. 13º ENCONTRO: O VERDADEIRO “MAL” DA VELHICE: A INDIFERENÇA  Elemento motivador: Iniciaremos a aula com a dinâmica “Daqui a cinquenta anos...”, que funcionará da seguinte forma: serão entregues aos alunos folhas para que eles escrevam as respostas para as perguntas realizadas na dinâmica, o objetivo é que os alunos reflitam sobre como estarão daqui a cinquenta anos, onde estarão morando, se já terão filhos e netos, quais pessoas irão conviver com eles, etc.  Em seguida, leremos o conto “Feliz aniversário”, de Clarice Lispector, com o objetivo de observar as relações familiares a partir da visão da idosa de 89 anos. A leitura será feita de modo compartilhada entre alunos e professores;  A partir disso, questionaremos os discentes a respeito da figura do idoso em nossa sociedade atual e para fundamentar nossa discussão, além do conto, leremos também o poema “Como se morre de velhice”, de Cecília Meireles, com o propósito de ponderar sobre a questão do abandono e indiferença para com o idoso;  Por fim, abordaremos as questões apontadas no artigo “O idoso merece nossa atenção”, de Getúlio Oliveira. Um dos pontos que iremos destacar é como podemos perceber, nos dias atuais, o desrespeito com os idosos, os maus-tratos, o abandono e a falta de educação em simples gestos do dia a dia, além de chamar a atenção para a necessidade de termos um olhar mais terno para aqueles que foram alicerces do que se vê hoje na sociedade;
  11. 11. 11  A partir dessas discussões esclareceremos para os discentes sobre a visita ao São Vicente de Paulo, explicaremos o intuito da visita e, se possível, realizaremos uma campanha para arrecadar materiais que o asilo necessita para continuar funcionando. O objetivo dessa visita é fazer com que os alunos possam ter contato com a situação dos idosos, levando um pouco de carinho para aquelas pessoas. 14º ENCONTRO: FAZENDO A DIFERENÇA  Encontro referente à visita ao asilo São Vicente de Paulo, localizado no município de Campina Grande. O objetivo é levar os discentes a conhecer a realidade de um lar de idosos, além de promover a interação entre as diferentes gerações, troca de experiências e permitir que seja levado a esses idosos um pouco de carinho e atenção e uma pequena ajuda material, já que, como se sabe, há carências com relação a esses aspectos neste tipo de instituição, pois, na velhice, é comum haver o abandono. 15º ENCONTRO: RELEMBRANDO • Os educandos serão dispostos em um círculo e balões de diversas cores serão colocados no quadro, estes balões terão em seu interior questões relacionadas a todos os encontros da sequência. O intuito é promover um momento de interação e que, ao mesmo tempo, possibilite aos discentes rever os conteúdos da sequência, o que os preparará para atividade final. • Concluído este momento, os alunos serão orientados sobre a atividade final: uma gincana e já terão em mãos algumas atividades para realizarem antecipadamente. 16º ENCONTRO: GINCANA “DIVERCLIC” Neste encontro realizaremos uma gincana que contará com atividades como:  Depoimentos de pessoas mais velhas sobre sua infância, que serão solicitados na aula anterior e serão gravados pelos alunos. Esta atividade consistirá na gravação de um idoso contando alguma história da sua vida. O propósito é que os alunos troquem experiências de vida com alguém mais velho e, assim, possam perceber o quanto podem aprender com outra geração;
  12. 12. 12  Dramatizações que serão solicitadas na hora e feitas a partir de um tema que foi trabalhado na sequência e será sorteado na hora. Os discentes terão um limite de tempo para pensar e organizar sua apresentação;  Paródias, estas também serão solicitadas na aula anterior, na qual sortearemos um tema comum que será usado para se fazer as paródias musicais. O ritmo e música parodiados ficarão por conta dos educandos;  Soletrando, serão escolhidas palavras em diferentes níveis de dificuldade para soletração que estarão correlacionadas com todas as temáticas trabalhadas nas aulas. O objetivo é mesclar o conhecimento da temática e também de língua portuguesa;  Passa ou repassa, essa atividade consistirá em um jogo de perguntas e respostas, no qual, de cada vez, um integrante de cada grupo ficará com uma torta e quem primeiro tocar a mão do professor e responder de forma correta se livrará de uma tortada na cara. A finalidade é perceber o quão internalizado foi o conteúdo trabalhado nos encontros;  Mímica, esta atividade consistirá em gesticular palavras, também relacionadas ao conteúdo, com o objetivo de promover a interação e recreação, a partir do conhecimento adquirido nas aulas. O objetivo, além de promover uma atividade recreativa, é pôr os conhecimentos dos alunos, literalmente, a prova e de forma divertida. • Ao final, realizaremos nossa confraternização. Um momento para avaliar todo o trabalho realizado e ter o feed back por parte dos alunos; Também é um momento de despedida das atividades do projeto no ano de 2015.
  13. 13. 13 REFERÊNCIAS ADOLESCÊNCIA. Tipos de violências. Disponível em: http://www.adolescencia.org.br/site- pt-br/tipos-de-violencias. Acesso em: Set. 2015. ALIENAÇÃO PARENTAL. Disponível em: http://www.alienacaoparental.com.br/. Acesso em: Set. 2015. AMARILDO. Dia nacional da adoção. Disponível em: amarildo.com.br. Acesso em: Set. 2015. BEYONCE. Who run the world? Girls! Trad. Comandam o Mundo (Garotas). Disponível em: http://letras.mus.br/beyonce/1870591/traducao.html. Acesso em: Set. 2015. BONDE DO TIGRÃO. Só um tapinha. Disponível em: http://www.vagalume.com.br/bonde- do-tigrao/so-um-tapinha.html. Acesso em: Set. 2015. BOREKI, Vinícius. A nova cara da família brasileira. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/a-nova-cara-da-familia-brasileira- 0jkvbd0x965zv14ldufuq1bny Acesso em: Set. 2015. CANTARELLI, Pompeu Lustosa de Aquino. As quatro fases da vida. Disponível em: http://gotasdeorvalhoarmindalopes.blogspot.com.br/2010/01/as-quatro-fases-da-vida.html. Acesso em: Set. 2015. CARPINEJAR, Fabrício. Amor depois do divórcio. Jornal Zero Hora. Coluna semanal, Revista Donna, p. 6. Porto Alegre (RS), Edição N° 17374, 2013. CARPINEJAR, Fabricio. Parente e família. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticia/2015/09/carpinejar-parente-e-familia-4842961.html. Acesso em: Set. 2015. CARVALHO, Rodrigo Guedes de. Cansada. Disponível em: http://www.apav.pt/cansada/index.php/features. Acesso em: Set. 2015. CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Lei Maria da Penha. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/programas-e-acoes/lei-maria-da-penha/sobre-a-lei-maria-da-penha. Acesso em: Set. 2015. COSTA, Ângela Maria. Cadê a infância que estava aqui? O gato comeu! Disponível em: https://www.docelimao.com.br/site/especial-kids/educacao/683-cade-a-infancia-que-estava- aqui.html. Acesso em: Set. 2015. FERREIRA, Jefferson. Gravidez na adolescência. Por exemplo, Campina Grande, PB, ano V, n. 7, p. 31, mar. 2010.
  14. 14. 14 GARCIA, Juliana. Amigos - família do coração. Disponível em: http://www.personare.com.br/amigos-familia-do-coracao-m482 Acesso em: Set. 2015. HUMORTADELA. Violência domiciliar. Disponível em: http://www.apav.pt/cansada/index.php/features. Acesso em: Set. 2015. JABOR, Arnaldo. Casar-se de novo. Disponível em: http://pensador.uol.com.br/frase/MTI5NzEzNw/. Acesso em: Set. 2015. JENECI, Marcelo. Pra sonhar. Disponível em: http://letras.mus.br/marcelo-jeneci/1545067/. Acesso em: Set. 2015. LAGO, Mário. Ai que saudade da Amélia. Disponível em: http://www.vagalume.com.br/mario-lago/ai-que-saudades-da- amelia.html#ixzz3lrY67NnA. Acesso em: Set. 2015. LEE, Rita. Pagu. Disponível em: http://letras.mus.br/rita-lee/81651/. Acesso em: Set. 2015. LEONI. Garotos. Disponível em: www. letras.mus.br/leoni/47015/. Acesso em 15/09/2015 ás 23h17min. LISPECTOR, Clarice. Amor. Disponível em: http://www.releituras.com/clispector_amor.asp. Acesso em: Set. 2015. LISPECTOR, Clarice. Feliz aniversário. Disponível em: http://www.escoladacrianca.com.br/sites/default/files/Feliz%20Anivers%C3%A1rio%20- %20Clarice%20Lispector.pdf. Acesso em: Set. 2015. MAGALHÃES, Jaqueline e ROSA, Cristiane. Mídia X Sexualidade: o que você assiste, ouve e lê também interfere no seu jeito de agir e pensar. Disponível em: http://www.agenciajovem.org/wp/?p=15379. Acesso em: Set. 2015. MATA, Vanessa da. Minha herança: uma flor. Disponível em: http://letras.mus.br/vanessa- da-mata/1003517/. Acesso em: Set. 2015. MC PIKENO E MENOR. Valeu amigo. Disponível em: http://www.vagalume.com.br/pikeno-e-menor/valeu-amigo.html Acesso em: Set. 2015. MEDEIROS, Martha. Mulher boazinha. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/1728951. Acesso em: Set. 2015. MEIRELES, Cecília. Como se morre de velhice. Disponível em: http://www.citador.pt/poemas/como-se-morre-de-velhice-cecilia-meireles. Acesso em: Set. 2015. MORAES, Vinícius de. Soneto de separação. Disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/poesias-avulsas/soneto-de-separacao. Acesso em: Set. 2015.
  15. 15. 15 NOVAES, Diego. Ainda bem que só acontece com os outros. Disponível em: http://www.africaeafricanidades.com.br/edicao7.html. Acesso em: Set. 2015. OLIVEIRA, Getúlio. O idoso merece nossa atenção, nosso respeito e carinho. Disponível em: http://www.vittabella.com.br/noticias. Acesso em: Set. 2015. PITTY. Desconstruindo a Amélia. Disponível em: http://www.vagalume.com.br/pitty/desconstruindo-amelia.html. Acesso em: Set. 2015. PORTAL ADOÇÃO. Requisitos para se adotar uma criança. Disponível em: http://www.portaladocao.com.br/. Acesso em: Set. 2015. ROUCHE, Michel. Casamento, uma invenção cristã. Trad. Marly N. Peres. Disponível em: http://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagens/casamento_uma_invencao_crista.html. Acesso em: Set. 2015. TITÃS. Pedofilia. Disponível em: http://www.vagalume.com.br/titas/pedofilia.html#ixzz3kgSMruPD. Acesso em: Set. 2015. VERÍSSIMO, Luís Fernando. Toda a vida. Disponível em: http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=Revista&id=680. Acesso em: Set. 2015.

×