Módulo 16 as fases da vida: relação entre família e sociedade

1.106 visualizações

Publicada em

Módulo utilizado no segundo semestre de 2015 pelo projeto CLIC.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.106
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Módulo 16 as fases da vida: relação entre família e sociedade

  1. 1. Eloíza oliveira chaves Fabiana Maria dos santos Souza Jhonathan Antonny de S. S. Machado Lígia Albuquerque Queiroz Monalisa Barboza Santos ALUNO(A):________________________________________________ www.clicletras.blogspot.com
  2. 2. 3 Texto 01 POEMA: AS QUATRO FASES DA VIDA Pompeu Lustosa de Aquino Cantarelli Todos nós passamos pelas quatro estações do ano: primavera, verão, outono e inverno. Na primavera, que é encantadora quadro das flores, vemos extasiados o desabrochar da natureza; ai temos o período da infância com a sua inocência, graça e beleza. No verão, a temperatura é quente e suave para que as criaturas sintam o calor e a alegria de viver; nessa fase temos a mocidade exuberante, explodindo de entusiasmo pela vida. No outono, época das colheitas, o ser humano entra na plenitude da sua maturidade, quando busca a experiência e a sabedoria, com equilíbrio e bom senso. O inverno, tempo da neve e do frio, podemos compara-lo a velhice, derradeira quadra da existência humana, acaso da vida a sucumbir nas fimbrias do horizonte... E na velhice que a criatura, após ter passado pelos outros quartéis da vida, vai perdendo o vigor físico, entrando para a senilidade, até o instante da sua desencarnação, quando o espírito se liberta das peias da matéria e, se esclarecido, parte imediatamente para o seu mundo de luz. Disponível em: http://gotasdeorvalhoarmindalopes.blogspot.com.br/2010/01/as-quatro-fases-da-vida.html. Acesso em: Set. 2015.
  3. 3. 4 Texto 02 CRÔNICA: TODA A VIDA Luís Fernando Veríssimo Disse o homem: “Fiquei velho na época errada. Toda a minha vida foi assim. Cheguei às diferentes fases da vida quando elas já tinham perdido suas vantagens. Ou antes de adquirirem vantagens novas. Passei minha vida com aquela impressão de quem entrou na festa quando ela já tinha acabado ou saiu quando ela ia ficar boa. “Veja você: a infância. Houve um tempo em que crianças, assim, da minha classe eram tratadas como príncipes e princesas. Está certo, elas também apanhavam muito. Mas havia as compensações. Geralmente uma avó morava junto ou morava perto e as consolava com colo e doces. E as mães não trabalhavam fora nem faziam academia ou tsao-tse-qualquer coisa. Ficavam em casa, inventando maneiras de estragar os filhos. “Você alguma vez teve roupa de veludo? Nem eu. Sou da geração pós-veludo e pré-jeans. Às vezes olho fotografias daquelas crianças antigas com roupas ridículas, golas rendadas e babados, e me dá uma inveja... Aquilo sim era maneira de tratar criança. Acho que minha geração deu no que deu porque nunca usou roupa de veludo. Ou cacho nos cabelos. “Outra coisa: psicologia. Fui da primeira geração criada com psicologia. Nada de castigo – conversa. Ele rabiscou toda a parede? Está tentando expressar alguma coisa. E usou o batom da mãe? Ih, cuidado, uma surra agora pode deflagrar um processo de introjeção edipiana e traumatizá-lo para sempre. Também fui da primeira geração que, com a invenção da calculadora de bolso, não precisou decorar a tabuada. Resultado: cresci sem a noção de duas coisas importantíssimas: pecado e matemática. “Cheguei tarde à infância e muito cedo à adolescência. A revolução sexual começou exatamente um dia depois que eu casei com a minha mulher porque era a única maneira de poder dormir com ela. Nos casamos num sábado e a revolução sexual começou no domingo. Ainda tentei desfazer o casamento, já que não precisava mais, mas não deu, estava feito. “Minha adolescência foi um martírio. Me lembro dela como uma única e interminável tentativa de desengatar sutiãs. Os sutiãs eram presos atrás de mil maneiras. Ganchos, presilhas, botões, solda. Você precisava de um curso de engenharia para desengatá-los. Uma namorada minha usava um sutiã com uma fechadura atrás. Com combinação, como um cofre, juro. Dezessete para a esquerda, cinco para a direita, rápido que a mãe vem vindo! Você, garoto, nem deve saber o que é sutiã. “Eu pensava ser um jovem adulto sério, engajado nas melhores causas, talvez até um ativista político, um guerrilheiro. Quando cheguei à idade, os jovens adultos estavam cuidando das suas carreiras e das suas carteiras de ações. Fui da primeira geração que quando falava em ir para as montanhas queria dizer para o fim de semana. E a última que ainda usou a palavra ‘alienação’, mas já sem saber bem o que queria dizer. “Tudo bem, pensei. Vou me preparar para a velhice e os seus privilégios, com minha pensão e meus netos. Mas a Previdência está quase quebrando e minha aposentadoria é uma piada, e meus netos, quando me olham, parecem estar me medindo para um asilo geriátrico. E há meia hora que eu estou aqui chateando você com toda essa conversa e você ainda não se levantou para me dar o seu lugar.” E disse o garoto: “Pô, qual é, coroa? Esse negócio de dar lugar pra velho já era.” E suspirou o homem: “Eu não disse? Também cheguei tarde à velhice.” Disponível em: http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=Revista&id=680. Acesso em: Set. 2015.
  4. 4. 5 Texto 03 ARTIGO: CADÊ A INFÂNCIA QUE ESTAVA AQUI? O GATO COMEU! Ângela Maria Costa O ser humano não nasce pronto para a vida natural. Por isso é considerado, ao nascer, o animal mais imaturo e dependente dentre todos os animais. Apesar de nascer com pés e mãos e com todos os seus sentidos (visão, audição e tato), tal como outros animais, necessita de pelo menos oito anos de cuidados e atenção da mãe, da família ou de substitutos, para poder sobreviver, em seu meio natural. Precisará, portanto, passar por um 2º nascimento, emergindo da vida natural para imergir no mundo da cultura recebido como herança do grupo do qual faz parte. Estudos também revelam que ser criança não significa, necessariamente, ter infância. O historiador francês, Philippe Àries, revelou em seu estudo – História Social da Criança e da Família - que o conceito de criança não está relacionado com o de infância, porque, enquanto a criança existe desde o nascimento do primeiro ser humano, a infância é uma construção social que só passou a existir nos séculos XVII e XVIII. Considerada uma das grandes idéias da Renascença. Na Idade Média as crianças tinham um papel social mínimo e eram geralmente representadas como “pequenos homens”, tanto na vestimenta quanto na participação na vida social. Tiveram que se adaptar e viver em um mundo que não era seu, nem fora feito para o seu tamanho. A própria permissão de compartilhar o mundo adulto representava, de fato, a própria ausência de direitos da criança. A partir desses estudos, pode-se afirmar que o conceito de infância altera-se, historicamente, em função de determinantes sociais, culturais, políticos e econômicos. O seu entendimento dependerá sempre do contexto em que estiver inserido. O que significa, então, ser criança nos dias de hoje - século XXI? Como situar a infância nesse contexto? Nossa sociedade tem uma visão adultocêntrica da criança, isto é, uma visão redutora da criança, a criança como um – vir a ser – um ser inacabado e incompleto que precisa amadurecer e evoluir. Que precisa se educar segundo nossos próprios modelos. Foi assim que fomos apagando a infância de nossas crianças e caindo nas armadilhas culturais de nosso tempo. Hoje o que se vê são crianças sobrecarregadas de atividades, aulas de balé, inglês, natação, futebol, computação; sem tempo para brincarem; vestindo roupas; cantando e dançando músicas de adultos (erotizadas), jogando jogos de adultos pelo prazer da competição. Estão cada vez mais cedo em contato direto com a mídia, videogames e com o computador. Será que esses fatos não nos levam ao questionamento: não estaríamos voltando à Idade Média? Sim! Acabamos com a infância e por conta disso podemos perceber nos comportamentos das crianças os resultados: crianças hiperativas (déficit de atenção); agressivas; estressadas; com depressão; tristes e apáticas. Onde está a infância em nossa sociedade? E nas escolas? Quem é essa criança? O que é educação? A antecipação da idade para as crianças entrarem no Ensino fundamental (5 anos), com a priorização da leitura e da escrita desde o maternal com crianças de 2 anos, demonstram também a cumplicidade da escola com o fim da infância .
  5. 5. 6 É triste constatar que ser criança hoje não significa ter infância e que estar em uma instituição de educação infantil não significa ter infância! Permitir que uma criança seja infantil é a melhor pré-condição para que ela se torne realmente um indivíduo pleno, e não somente parte de uma sociedade organizada. Proteger a infância, lutar pelos direitos da criança, pelo direito de ser criança, pode nos ajudar a descobrir novamente, dentro de nós, as qualidades infantis (honestidade, confiança, compaixão) trazendo-as para o mundo adulto, a fim de humanizar nossa cultura. Em tempo, dia 31 de maio é comemorado o Dia Internacional do Brincar. De quê nossos filhos brincam hoje? Em nossa infância brincamos muito, de roda, de pique, amarelinha, cabra-cega, e todas essas brincadeiras foram repassadas oralmente, para nós, de geração em geração. E Nós?! Quando o mundo inteiro comemora o Dia do Brincar, importante e necessário fazer essa reflexão. Disponível em: https://www.docelimao.com.br/site/especial-kids/educacao/683-cade-a-infancia-que-estava-aqui.html. Acesso em: Set. 2015. Texto 04 MÚSICA: PEDOFILIA Titãs ar legenda Ele disse: 'eu tenho um brinquedo Vem aqui, vou mostrar pra você' Ele disse: 'esse é o nosso segredo E ninguém mais precisa saber' 'Eu não vou te fazer nenhum mal', ele disse E então me pegou pela mão Ele disse que era normal que pedisse E eu não tinha por que dizer não Não sou eu mais em mim Não sou eu mais Sou só nojo de mim Só nojo, por dentro Não sou eu mais em mim Não sou eu mais Sou só nojo de mim Só esquecimento Ele disse: 'eu tenho um presente Vem comigo que eu vou te mostrar' Ele disse: 'isso é só entre a gente E não é pra ninguém escutar' 'Eu não vou fazer nada de errado, eu te juro Vem aqui, vamos nos conhecer' 'Vem aqui, fica aqui do meu lado, no escuro Eu prometo cuidar de você' Não sou eu mais em mim Não sou eu mais Sou só nojo de mim Só nojo, por dentro Não sou eu mais em mim Não sou eu mais Sou só nojo de mim Só esquecimento Não, não, não Disponível em: http://www.vagalume.com.br/titas/pedofilia.html#ixzz3kgSMruPD. Acesso em: Set. 2015.
  6. 6. 7 Texto 05 CHARGE Disponível em: http://www.africaeafricanidades.com.br/edicao7.html. Acesso em: Set. 2015. ANOTAÇÕES _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________
  7. 7. 8 TEXTO 06 ARTIGO: O ADOLESCENTE NO MUNDO ATUAL... Maria Elizabeth Jereissati A adolescência é um processo, crítico e turbulento, de transformações e mudanças, pelas quais o ser humano passa, até atingir a vida adulta. O corpo do adolescente, agora capaz de uma sexualidade procriativa, interage com uma mente, onde o cenário é dor e angústia, sonhos e esperanças. Os apelos de seus impulsos sexuais emergentes, a constatação que é um indivíduo separado dos pais, a superação do sentimento de dependência e desamparo são fenômenos, com os quais, o jovem vai ter que lidar, em favor de seu desenvolvimento. Agora, ele vai procurar descobrir quem ele é, este ser em potencial, com todas as dificuldades, satisfações e inquietudes que esta busca determina. Vai à procura de uma identidade própria, do sentido da vida e de sua própria existência, vivenciando seus potenciais e suas limitações. Embora ele tema abandonar o casulo seguro e protetor do meio familiar, o mundo se apresenta como um desafio e uma atração irresistível. A dependência começa a se romper e o jovem passa a se rebelar contra dois pólos: o ser criança e o ser adulto. O adolescente, ávido de novos referenciais, tem necessidade de se voltar para os pares e para os grupos. Como vão ser supridas suas necessidades grupais, vai depender dos tipos de grupo que estão à sua disposição. Essa experiência de socialização pode ser construtiva, ajudando o jovem a realizar seus anseios, suas aspirações e a expressar sua criatividade, ou, ao contrário, pode ser destrutiva, na medida em que for um espaço, em que, amparado pelo grupo, incentive sua agressividade e violência. No mundo atual, a sociedade e a cultura encontram-se sem recursos necessários para dar conta do conjunto de transformações e necessidades, impostos pelos atuais processos de desenvolvimento. As mudanças rápidas e constantes na sociedade, geradas pelos avanços tecnológicos, ameaçam a estabilidade necessária, para que haja uma convivência social harmônica, solidária, segura e coesa. O sentimento de continuidade se encontra ameaçado. O que tem valor é o “momento”. A cultura do consumo, leviano e irresponsável, a banalização do sexo, das relações afetivas, da vida e da agressividade, veiculadas através da mídia e sustentadas por poderosos interesses de mercado, estimula a conquista do prazer imediato e de um falso estado de plenitude e independência. Existe uma grande falta de compromisso, quanto ao impacto psicossocial, que toda essa situação acarreta. Os atos de vandalismo, as gangues, as pichações, os rachas, o uso de drogas são expressões da realidade social em que o adolescente se encontra. Os jovens desnorteados vivem a filosofia do “vale tudo”, num estado confuso, em que não sabe mais o que deve ou não fazer, como fazer, e, ainda, não consegue diferenciar o bom do mau, o certo do errado, o construtivo do destrutivo. E o pior, é que eles não têm a quem recorrer, pois a sociedade se encontra como ele, confusa, perdida, desnorteada… É preciso estar alerta para isso, para que o jovem adolescente não seja uma vítima de nosso tempo. Se faz necessário recuperar nossa capacidade de “pensar” e se “questionar” frente aos “verdadeiros e profundos” valores da vida. O amor, a solidariedade, a moral e a ética necessitam ser resgatados, para que o adolescente, em sua vulnerabilidade, possa adquirir modelos de identificação, que o leve a um processo de experiências, que possam prepará-los para uma sobrevivência sadia e para propagação da sua espécie. Disponível em: http://www.anitamulher.com.br/anita/o-adolescente-no-mundo-atual/. Acesso em: Set. 2015.
  8. 8. 9 Texto 07 ARTIGO: Mídia X Sexualidade: o que você assiste, ouve e lê também interfere no seu jeito de agir e pensar Jaqueline Magalhães e Cristiane Rosa TV, rádio, revistas, jornais, celulares e internet. Quase todos nós acabamos passando algumas horas envolvidos com alguma dessas mídias, seja em busca de informações sobre o mundo, algum tema de interesse específico, diversão, bate-papo ou um simples passa tempo. Não há como negar a importância dos meios de comunicação em nossas vidas nos tempos atuais, nem a facilidade que eles muitas vezes trazem ao nosso dia a dia, além de permitirem trocas cada vez mais rápidas de informações e ideias, que influenciam comportamentos pelo mundo. E é nesse ponto que estamos pensando aqui: a influência da mídia, em seus diversos formatos, no comportamento dos adolescentes, principalmente no que se refere à sexualidade. Por exemplo: formas de se relacionar, de se vestir, de dançar, namoros, traições, primeira transa, primeiro beijo, diversidade, entre outros, são temas frequentes em novelas, filmes, seriados, programas voltados para jovens, blogs e sites. Cada um desses meios apresenta ideias, conceitos, valores sobre como “se deve” ou “não se deve” viver a própria sexualidade, sobre o que está na moda, e o que é um mico total, sobre como ser popular etc. É como se houvesse um único “certo ou errado”, e quem estivesse fora do modelo, teria um valor menor. Percebe a influência? Esta pergunta é essencial, porque, se é verdade que a mídia está aí nos influenciando o tempo todo, é super importante que a gente possa perceber esta influência, para poder refletir sobre o que assistimos, ouvimos e lemos, antes de tomar tudo como verdade e único modelo a seguir. Você já parou pra refletir sobre como o que você assiste, ouve e lê interfere no seu jeito de agir e pensar? No “Manual de Atenção à Saúde do Adolescente”, feito pela Coordenação de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde de São Paulo em 2006, um trecho diz o seguinte: “Os jovens têm recebido um alto conteúdo sexual nas programações e propagandas veiculadas pela TV, através de mensagens que valorizam o sensacionalismo, a erotização, as relações casuais [...]. Nas novelas e seriados, a maioria dos atores são jovens e belos, mudam constantemente de parceiros, não usam métodos contraceptivos nem de proteção contra DST e, mesmo assim, não se contaminam, não engravidam e os finais são sempre felizes”. A gente acaba assistindo a tudo isso e acreditando que tem que ser assim pra ser legal. Questões de gênero, que falam sobre os comportamentos esperados para homens e mulheres, também são marcantes nas propagandas e novelas, mas muitas vezes passam despercebidas, afinal estamos acostumados com mulheres e seus produtos de limpeza, homens e seus carros de luxo, cervejas e mulheres com corpos esculturais ao redor. Parece tudo muito natural, mas não é. São ideias que se criam ao longo da história, e que se transformam com a história também. Como já ressaltamos lá no início, a mídia também tem grande importância na atualidade, quando trata de temas polêmicos e essenciais ao debate e desenvolvimento social, como a diversidade sexual, o enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes, a prevenção às DST/aids, entre outros. Embora isso aconteça às vezes ainda de um jeito muito estereotipado – forçado, sensacionalista – ou superficial, acaba nos ajudando a refletir sobre estas questões. Refletir, pensar, discutir, questionar, ou seja, nunca aceitar simplesmente a informação como ela vem, “mastigadinha”, pronta. Isso é ser influenciado apenas, sem perceber a influência, que pode não ser muito legal. Por exemplo, as revistas que são direcionadas aos adolescentes, muito mais voltadas às meninas, quando tratam de sexualidade falam sobre prevenção de doenças, sobre como agradar o parceiro, sobre a importância de um corpo perfeito etc. Mas, pouco se fala de prazer, planejamento, questões de gênero e diversidade sexual, menos ainda sobre direitos sexuais. Você já se perguntou porque estes temas não são
  9. 9. 10 abordados? Ou já questionou os modelos de comportamento apresentados por estas revistas como sendo os únicos que “valem”? Muitas músicas seguem no mesmo caminho. Têm um forte apelo sexual, falam da mulher como um objeto para satisfação do homem, de homens que exibem dinheiro e esbanjam prazer, banalizando a sexualidade. E são um sucesso. A mídia está aí, com um potencial enorme para trazer informações e influenciar crianças, jovens e adultos, seja de forma positiva, com debates, reflexões, programações que promovam discussões em casa, na escola ou na roda de amigos, ou seja de forma negativa. Seja qual for sua mídia favorita – o que importa é fazer escolhas conscientes e questionar sobre o que assistimos, ouvimos ou lemos, antes de simplesmente “ir na onda” do senso comum. Disponível em: http://www.agenciajovem.org/wp/?p=15379. Acesso em: Set. 2015. Texto 08 Gravidez na adolescência Jefferson Ferreira Cada vez mais adolescentes se tornam mães no nosso país e as soluções para este problema estão longe de serem alcançadas. Basta dizer que denomina-se gravidez na adolescência a gestação ocorrida em jovens de até 201 anos. Esta gravidez, em geral, não é planejada, tampouco desejada e acontece quase sempre em meio a relacionamentos sem estabilidade. Para Danielle Apolinário, que engravidou aos 19 anos de idade, sem ter programado, o momento mais dificultoso foi no período em que se manteve grávida. “para mi, o estresse foi nos cuidados com a gravidez. Alem de eu ser mãe de primeira viagem, eu era muito jovem e tinha de conciliar os estudos com o trabalho doméstico. Fazer tudo isso grávida era muito complicado. Os homens podem achar que não, mais a barriga pesa”, diz ela com sorrisos, aos 23 anos e já com seu segundo filho. Para ela, o apoio da sua família foi fundamental, ajudando-a a levar adiante a gravidez, uma vez que naquela situação até pensou em aborto. “se eu não os tivesse por perto não sei o que teria acontecido”, comenta. Cabe destacar que a gravidez precoce não é um problema exclusivo das meninas. Não se pode esquecer que,embora os rapazes não possuam as condições biológicas necessárias ara engravidar, um filho não é concebido por uma única pessoa. E se a menina que cabe a difícil missão de “carregar” o filho no ventre durante toda a gestação, enfrentando as dificuldades e as dores no parto, sem falar da
  10. 10. 11 amamentação da criança após o nascimento, o rapaz não pode se eximir de sua parcela de responsabilidade. Por isso, quando uma adolescente engravida não é apenas a sua vida que sofre mudanças. O parceiro, assim como as famílias de ambos, também passa pelo difícil processo de adaptação a uma situação imprevista. Para o psicólogo clinico do hospital universitário Alcides carneiro (HUAC), Eugenio Felipe (35), a fase da adolescência é um período extremamente complicado para jovens,isto porque o corpo esta passando por profundas transformações , assim como a mente, e está em transição para a fase adulta. “as vezes, a jovem não quer engravidar. No entanto, inconscientemente, é possível que este desejo esteja tão palpitante que a leve a se tornar mãe antes do tempo”, completa o psicólogo. Eugênio atenta para a hipótese de uma adolescente que viva em um lar desestruturado,onde acontecem diversas brigas, os pais são muito severos ou tem algum histórico de alcoolismo. Então, inconscientemente, ela se entrega demais a um determinado relacionamento para se livrar de um problema grave, mas, de certa forma, estará criando um problema ainda maior. Atualmente, falar sobre sexo deixou de ser um tabu.a informação hoje é uma arma poderosa para mudar esse quadro de adolescentes grávidas no país. Mas, essa é uma via de duas mãos. o excesso de informações e liberdade recebida por esses jovens os levam a banalização de assuntos como o sexo,acompanhada a falta delimite e de responsabilidade é um dos motivos que favorece a incidência de gravidez na adolescência. A consciência deve partir de cada um e os jovens dêem se prevenir para pode lidar coma sexualidade na adolescência, principalmente as meninas,uma vez que elas são as mais responsabilizadas pelas conseqüências. É difícil torna-se mãe quando ainda se está vivendo a condição de filha. FERREIRA JEFFERSON. Gravidez na adolescência. Por exemplo, Campina Grande, PB, ano V, n. 7, p. 31, mar. 2010. ANOTAÇÕES _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________
  11. 11. 12 Texto 09 MÚSICA: PRA SONHAR Marcelo Jeneci Quando te vi passar fiquei paralisado Tremi até o chão como um terremoto no Japão Um vento, um tufão Uma batedeira sem botão Foi assim, viu Me vi na sua mão Perdi a hora de voltar para o trabalho Voltei pra casa e disse adeus pra tudo que eu conquistei Mil coisas eu deixei Só pra te falar Largo tudo Se a gente se casar domingo Na praia, no sol, no mar Ou num navio a navegar Num avião a decolar Indo sem data pra voltar Toda de branco no altar Quem vai sorrir? Quem vai chorar? Ave Maria, sei que há Uma história pra sonhar Pra sonhar O que era sonho se tornou realidade De pouco em pouco a gente foi erguendo o nosso próprio trem Nossa Jerusalém Nosso mundo, nosso carrossel Vai e vem vai E não para nunca mais De tanto não parar a gente chegou lá Do outro lado da montanha onde tudo começou Quando sua voz falou Pra onde você quiser eu vou Largo tudo Se a gente se casar domingo Na praia, no sol, no mar Ou num navio a navegar Num avião a decolar Indo sem data pra voltar Toda de branco no altar Quem vai sorrir? Quem vai chorar? Ave Maria, sei que há Uma história pra contar Domingo Na praia, no sol, no mar Ou num navio a navegar Num avião a decolar Indo sem data pra voltar Toda de branco no altar Quem vai sorrir? Quem vai chorar? Ave Maria, sei que há Uma história pra contar Pra contar Disponível em: http://letras.mus.br/marcelo-jeneci/1545067/. Acesso em Set. 2015.
  12. 12. 13 Texto 10 REPORTAGEM: CASAMENTO, UMA INVENÇÃO CRISTÃ Michel Rouche (Tradução: Marly N. Peres) A união indissolúvel, celebrada por um sacramento, substituiu antigos costumes de poligamia, provocando grande mudança nos hábitos europeus. Casamento de Felipe da Macedônia com Olimpia. Miniatura do séc. XV Em 392, o cristianismo foi proclamado religião oficial. Entre 965 e 1008 eram batizados os reis da Dinamarca, Polônia, Hungria, Rússia, Noruega e Suécia. Desses dois fatos resultou o formato do casamento, em princípios do ano 1000, com uma face totalmente nova. Durante o Sacro Império Romano Germânico - que sucedeu ao desaparecido Império Romano -, dirigido por Oto III de 998 a 1002, houve uma fabulosa transformação das sociedades urbanas romanas e das sociedades rurais germânicas e eslavas. As uniões entre homens e mulheres eram, então, o resultado complexo de renitências pagãs, de interesses políticos e de uma poderosa evangelização. "Amor: desejo que tudo tenta monopolizar; caridade: terna unidade; ódio: desprezo pelas vaidades deste mundo." Esse breve exercício escolar, escrito no dorso de um manuscrito do início do século XI, exprime bem o conflito entre as concepções pagã e cristã do casamento. Para os pagãos, fossem eles germânicos, eslavos ou ainda mais recentemente vikings instalados na Normandia desde 911, o amor era visto como subversivo, como destruidor da sociedade. Para os cristãos, como o bispo e escritor Jonas de Orléans, o termo caridade exprimia, com o qualificativo "conjugal", um amor privilegiado e de ternura no interior da célula conjugal. Esse otimismo aparecia em determinados decretos pontificais, por meio de termos como afeto marital (maritalis affectio) ou amor conjugal (dilectio conjugalis). Evidentemente, o ideal cristão era abrir mão dos bens deste mundo desprezando-os, o que constituía um convite ao celibato convencional. A Europa pagã, mal batizada no ano 1000, apresentava portanto uma concepção do casamento totalmente contrária à dos cristãos. O exemplo da Normandia é ainda mais revelador, por ser muito semelhante ao da Suécia ou da Boêmia. Os vikings praticavam um casamento poligâmico, com uma esposa de primeiro escalão que tinha todos os direitos, e com esposas ou concubinas de segundo escalão, cujos filhos não tinham nenhum direito, a menos que a oficial fosse estéril, ou tivesse sido repudiada. As cerimônias de noivado organizavam a transmissão de bens, mas não havia casamento verdadeiro a não ser que tivesse havido união carnal. Na manhã da noite de núpcias, o esposo oferecia à mulher um conjunto muitas vezes bastante significativo de bens móveis. Ele era chamado de presente matinal (Morgengabe), que os juristas romanos batizaram de dote. Portanto, o papel da esposa oficial era bem importante, sobretudo se ela tivesse muitos filhos, já que o objetivo principal era a procriação. Essas uniões eram essencialmente políticas e sociais, decididas pelos pais. Tratava-se de constituir unidades familiares amplas, no interior das quais reinasse a paz. Por isso, as concubinas de segundo escalão eram chamadas de Friedlehen ou Frilla, ou seja, "cauções de paz". Na verdade, elas vinham de famílias hostis de longa data. A partir do momento em que o sangue de ambas as famílias se misturava, a guerra já não era mais possível. Assim, as mães escolhiam as esposas dos filhos, ou os maridos, das filhas, sempre nos mesmos grupos clássicos, a fim de salvaguardar essa paz. Se uma esposa morresse, o viúvo se casaria com a irmã dela. Dessa forma, pouco a pouco as grandes famílias tornavam-se cada vez mais chegadas por laços de sangue (consangüinidade), pela aliança (afinidade) e, finalmente, completamente incestuosas. Acrescentemos a esse quadro as ligações entre os homens, a adoção pelas armas, o juramento de fidelidade e outras ligações feudais que triunfaram no século X como um verdadeiro "parentesco
  13. 13. 14 suplementar", segundo a expressão de Marc Bloch, e teremos a prova de que esses casamentos pagãos não deixavam nenhum espaço livre para o sentimento. Amor subversivo Assim, quando o amor se manifestava, ele só podia ser adúltero, ou assumir a forma de um estupro, maneira de tornar o casamento irreversível, ou de um rapto mais ou menos combinado entre o raptor e a "raptada", a fim de ludibriar a vontade dos pais. Nesses casos o amor era efetivamente subversivo, uma vez que destruía a ordem estabelecida. Ele se tornava sinônimo de morte e de ruína política, como prova o romance, de fundo histórico verdadeiro, Tristão e Isolda, transmitido oralmente pelo mundo europeu de então - celta, franco e germânico. Tristão, sobrinho do rei e seu vassalo, cometeu ao mesmo tempo incesto, adultério e traição para com o rei Marco, o marido de Isolda. Aliás, ele mesmo diz, após seu primeiro encontro: "Que venha a morte". Nas sociedades antigas, obcecadas pela sobrevida, a vontade de potência, de poder, era mais importante do que a vontade de prazer, pois aquelas tribos de imensas famílias não conheciam nenhuma limitação administrativa ou externa. Esse quadro deve ter sido abrandado pelo fato de eles terem estado em contato com países cristãos, ou povos de regiões mergulhadas no cristianismo, como por exemplo os normandos batizados do século X. Em decorrência, duas estruturas coexistiam, mais ou menos confundidas. Por volta do ano 1000, o bispo da Islândia teve muita dificuldade para separar um chefe de tribo, já casado, de sua concubina, especialmente porque ela era sua própria irmã - fato que sustentava a opinião de que seu irmão, o bispo, não passava de um tirano. Nos séculos X e XI, os duques da Normandia tinham dois tipos de união, regularmente: uma esposa oficial, franca e batizada, e uma ou várias concubinas. Guilherme, o Conquistador, que tomou a Inglaterra em 1066, tinha o codinome de bastardo, por ter nascido de uma união desse tipo. À entrada de Falésia, seu pai, Roberto, o Demônio, teve a atenção chamada por uma jovem que, no lavadouro da cidade, calcava a roupa com os pés, nua como suas companheiras de tarefa, para melhor sovar a roupa. Naquela mesma noite, com a autorização de seu pai, Arlette, a jovem, se viu no quarto do duque, usando uma camisola aberta na frente, "a fim de que", nos diz o monge Wace, que contou a história, "aquilo que varre o chão não possa estar à altura do rosto de seu príncipe". Esses amores "à dinamarquesa" demonstram que as mulheres eram livres, com a condição de aceitar uma posição secundária. Essa duplicidade de situação num mundo ocidental oficialmente cristão, mas ainda pagão, complicou-se quando as mulheres conquistaram poder, algo facilitado pela matrilinearidade das origens germânicas. Algumas incentivavam os maridos a se proclamarem reis, por serem elas de origem imperial carolíngia. Castelãs, senhoras de grandes propriedades, ou mulheres de alta nobreza, elas utilizavam o casamento como trampolim para sua ambição. Em Roma, Marozia (ou Mariuccia) foi mãe do papa João XI, filho de sua ligação com o também papa Sérgio III. Viúva do primeiro marido, Guido da Toscana, meio-irmão do rei da Itália, Hugo, ela convidou este a se casar com ela. Mas Alberico II, seu filho do primeiro casamento, expulsou do castelo de Santo Ângelo onde foram celebradas as núpcias, aquele intruso manipulado por sua mãe. Punição para a libido Aos olhos de inúmeros escritores eclesiásticos, como o bispo Ratherius de Verona, a libido feminina era perigosa e devia ser reprimida severamente. O fato de que velhos países como a Espanha, a Itália e o reino dos Francos, embora cristãos havia já cinco séculos, não tivessem ainda integrado a doutrina do casamento - a ponto, por exemplo, de o rei Hugo ter tido duas esposas oficiais e três concubinas - prova o quanto essa doutrina estava na contramão de seu tempo. E contudo ela fora claramente afirmada e repetida desde que Ambrósio declarara em 390 que "o consentimento faz as bodas". A isso, o Concílio de Ver acrescentara, em 755: "Que todas as bodas sejam públicas" e "Uma única lei para os homens e mulheres". Reclamar a liberdade do consentimento dos esposos e a condição de igualdade do homem e da mulher era utópico, sobretudo numa sociedade romana patriarcal. Todavia, progressos importantes ocorreram no século X, graças à repetição da apologia do casamento, símbolo da união indissolúvel entre Cristo e a Igreja. Após a atitude irredutível do arcebispo Hincmar e do papa Nicolau I, o divórcio de Lotário II por repúdio a sua esposa Teutberga - devido a sua esterilidade - tornou-se impossível após 869, ano de sua morte. Incompreensível para os contemporâneos, o casamento não se baseava somente na procriação. A aliança era mais importante do que um filho. Mais do que ninguém, longe dos discursos
  14. 14. 15 sobre a superioridade da virgindade, Hincmar havia demonstrado que um consentimento livre sem união carnal consecutiva não era um casamento. Ele prefigurava assim a noção de nulidade instituída pelo decreto de Graciano, em 1145. Em decorrência, os rituais, como escreveu Burchard de Worms por volta do ano 1000, traduziam no nível da disciplina do casamento a doutrina otimista dos moralistas carolíngios. A união carnal, consequência do consentimento entre um homem e uma mulher (e não várias), é o espaço de santificação dos esposos. O ideal de monogamia, de fidelidade e de indissolubilidade tornou-se tanto mais possível porque no final do século X desapareceu a escravidão de tipo antigo, nos países mediterrâneos. Um novo espaço se abria para o casamento cristão, graças ao surgimento do concubinato com as escravas, que não tinham nenhuma liberdade. Essa foi também a época em que as determinações dos concílios tornaram obrigatória a validade do casamento dos não libertos. Mas um outro combate chegava a seu ponto culminante no ano 1000: a proibição do incesto. Iniciada a partir do século VI e quase bem-sucedida na Itália, na Espanha e na França, essa interdição enfrentou contudo forte oposição na Germânia, na Boêmia e na Polônia. Proibidos em princípio até o quarto grau entre primos irmãos, os casamentos de consanguinidade e de afinidade foram punidos, e os culpados separados. Mais tarde, a partir de Gregório II (715-735), a proibição foi estendida ao sétimo grau (sobrinhos à moda da Bretanha), assim como aos parentes espirituais (padrinho e madrinha): não haveria mais aliança a não ser com estranhos, com quem fosse outro (Deus ou o próximo de sexo diferente), mas de modo algum com aquele ou aquela com quem já existisse um tipo de ligação. As consequências sociais de tal doutrina foram incalculáveis. Ela obrigou cada um a procurar um cônjuge longe de sua aldeia e de seu castelo. Acabou por destruir as grandes famílias, de dezenas de pessoas, que viviam sob o mesmo teto, e por favorecer a formação de um grupo nuclear, do tipo conjugal. Ela suprimiu, assim, as sucessões matrilineares e a escolha dos esposos pelas mulheres. A exogamia tornou- se obrigatória. A Europa se abriria para o exterior. Elogio da virgindade Na Alemanha, desde os concílios de Mogúncia, em 813, e de Worms, em 868, os casos de casamentos incestuosos mantidos pela obstinação das mulheres eram numerosos. Na Boêmia, o segundo bispo de Praga, Adalberto, grande amigo do imperador Oto III, havia conseguido, em 992, um edito público que o autorizava a julgar e separar os casais incestuosos. Foi um insucesso tão retumbante que ele se desgostou para sempre de sua tarefa episcopal. Preferiu ir evangelizar os prussianos, que o martirizaram em 23 de abril de 997. A dinastia dos Oto, que havia restaurado o império em 962 na Alemanha e na Itália, nem por isso deixou de apoiar a Igreja em sua empresa de transformação e cristianização. E suas esposas deram o exemplo, já que Edite (946), Matilde (968) e Adelaide (999) foram consideradas santas. Os clérigos que relataram suas vidas, em particular a de Matilde, insistem não na viuvez ou nos atos de fundação de mosteiros, mas sim no papel de esposa e mãe. Sua santidade provinha essencialmente do casamento e do papel de conselheira, junto a seu imperial esposo. A leitura dos ofícios de passagens da vida de santa Matilde não teve uma influência desprezível sobre as audiências populares. Se a Alemanha foi então uma frente pioneira na cristianização do casamento, não foi bem esse o caso do reino dos francos. Ema, esposa traída do duque da Aquitânia, Guilherme V, vingou-se de sua rival mandando que ela fosse violada por toda sua guarda pessoal. Berta, filha do rei da Borgonha, mal tendo enviuvado, pousou seu olhar sobre o jovem Roberto, filho de Hugo Capeto, para fazer um casamento hipergâmico. Esse exemplo é revelador. A legislação da Igreja acerca do casamento cristão ia de encontro à mentalidade da época. E no entanto o amor conjugal de caridade (dilectio caritatis) começava a sobressair ao amor de posse (libido dominandi). Por volta do ano 1000, a expansão urbana e o início do desbravamento e da cultura dos campos permitiram que a família nuclear monogâmica se multiplicasse. As células rurais foram destruídas pela necessidade de ir buscar um cônjuge mais longe. Somente a nobreza e as famílias reinantes mais antigas resistiram, fechadas em suas relações feudais, ao contrário dos recém-chegados ao poder, os Oto, que acolheram e adotaram a doutrina cristã como uma
  15. 15. 16 liberação e se lançaram com ousadia na direção do leste, para além do rio Elba, a nova fronteira da expansão europeia. Dessa forma, da concepção do amor como subversivo e criador de morte passamos à de um amor construtivo, promotor de vida. O desejo foi integrado no casamento com a união carnal, espaço de gozo mútuo. A procriação tornou-se um bem do casamento, entre outros. A poligamia desapareceu. A publicidade do casamento se instalou. As proibições de incesto permitiram que se descobrisse a necessidade de alteridade e a afirmação da diferença sexual como força de construção. Esse momento de otimismo e de vitória sobre o amor de morte pagão, à moda de Tristão, explica o elã prodigioso da Europa no início do ano 1000. Mas ele não iria além do final do século XI. Também por volta do ano 1000, as diatribes de São Pedro Damião e Ratherius de Verona contra o casamento dos padres anunciavam um outro combate que terminaria na reforma gregoriana e no triunfo do celibato convencional. Em consequência, o elogio da virgindade passou a ser mais e mais preponderante, a ponto de fazer triunfar uma visão pessimista do casamento. Tanto isso é verdade que a história do casamento cristão é feita de alternâncias entre sucessos e crises. Disponível em: http://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagens/casamento_uma_invencao_crista.html. Acesso em: Set. 2015. ANOTAÇÕES _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________
  16. 16. 17 Texto 11 CRÔNICA: CASAR-SE DE NOVO Arnaldo Jabor Meus amigos separados não cansam de perguntar como consegui ficar casado 30 anos com a mesma mulher. As mulheres sempre mais maldosas que os homens, não perguntam a minha esposa como ela consegue ficar casada com o mesmo homem, mas como ela consegue ficar casada comigo. Os jovens é que fazem as perguntas certas, ou seja, querem conhecer o segredo para manter um casamento por tanto tempo. Ninguém ensina isso nas escolas, pelo contrário. Não sou um especialista do ramo, como todos sabem, mas dito isso, minha resposta é mais ou menos a que segue: Hoje em dia o divórcio é inevitável, não dá para escapar. Ninguém aguenta conviver com a mesma pessoa por uma eternidade. Eu, na realidade já estou em meu terceiro casamento – a única diferença é que casei três vezes com a mesma mulher. Minha esposa, se não me engano está em seu quinto, porque ela pensou em pegar as malas mais vezes que eu. O segredo do casamento não é a harmonia eterna. Depois dos inevitáveis arranca-rabos, a solução é ponderar, se acalmar e partir de novo com a mesma mulher. O segredo no fundo é renovar o casamento e não procurar um casamento novo. Isso exige alguns cuidados e preocupações que são esquecidos no dia-a-dia do casal. De tempos em tempos, é preciso renovar a relação. De tempos em tempos é preciso voltar a namorar, voltar a cortejar, seduzir e ser seduzido. Há quanto tempo vocês não saem para dançar? Há quanto tempo você não tenta conquistá-la ou conquistá-lo como se seu par fosse um pretendente em potencial? Há quanto tempo não fazem uma lua-de-mel, sem os filhos eternamente brigando para ter a sua irrestrita atenção? Sem falar dos inúmeros quilos que se acrescentaram a você depois do casamento. Mulher e marido que se separam perdem 10 kg em um único mês, por que vocês não podem conseguir o mesmo? Faça de conta que você está de caso novo. Se fosse um casamento novo, você certamente passaria a frequentar lugares novos e desconhecidos, mudaria de casa ou apartamento, trocaria seu guarda-roupa, os discos, o corte de cabelo, a maquiagem. Mas tudo isso pode ser feito sem que você se separe de seu cônjuge. Vamos ser honestos: ninguém aguenta a mesma mulher ou o mesmo marido por trinta anos com a mesma roupa, o mesmo batom, com os mesmos amigos, com as mesmas piadas. Muitas vezes não é a sua esposa que está ficando chata e mofada, é você, são seus próprios móveis com a mesma desbotada decoração. Se você se divorciasse, certamente trocaria tudo, que é justamente um dos prazeres da separação. Quem se separa se encanta com a nova vida, a nova casa, um novo bairro, um novo circuito de amigos. Não é preciso um divórcio litigioso para ter tudo isso. Basta mudar de lugares e interesses e não se deixar acomodar. Isso obviamente custa caro e muitas uniões se esfacelam porque o casal se recusa a pagar esses pequenos custos necessários para renovar um casamento. Mas se você se separar, sua nova esposa vai querer novos filhos, novos móveis, novas roupas e você ainda terá a pensão dos filhos do casamento anterior. Não existe essa tal “estabilidade do casamento” nem ela deveria ser almejada. O mundo muda, e você também, seu marido, sua esposa, seu bairro e seus amigos. A melhor estratégia para salvar um casamento não é manter uma “relação estável”, mas saber mudar junto. Todo cônjuge precisa evoluir, estudar, aprimorar-se, interessar-se por coisas que jamais teria pensado em fazer no início do casamento. Você faz isso constantemente no trabalho, porque não fazer na própria família?
  17. 17. 18 É o que seus filhos fazem desde que vieram ao mundo. Portanto descubra a nova mulher ou o novo homem que vive ao seu lado, em vez de sair por aí tentando descobrir um novo interessante par. Tenho certeza que seus filhos os respeitarão pela decisão de se manterem juntos e aprenderão a importante lição de como crescer e evoluir unidos apesar das desavenças. Brigas e arranca-rabos sempre ocorrerão: por isso de vez em quando é necessário se casar de novo, mas tente fazê-lo sempre com o mesmo par. Como vê, NÃO EXISTE MÁGICA – EXISTE COMPROMISSO, COMPROMETIMENTO E TRABALHO – é isso que salva casamentos e famílias”. O casamento une duas pessoas e os dois precisam manter seus corações unidos pelos laços não só do amor, mas, do carinho, do afeto, do afago, do namoro, das brincadeiras e dos pequenos gestos que segurem a relação. Disponível em: http://pensador.uol.com.br/frase/MTI5NzEzNw/. Acesso em: Set. 2015. Texto 12 POEMA: SONETO DE SEPARAÇÃO Vinícius de Moraes De repente do riso fez-se o pranto Silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fez-se a espuma E das mãos espalmadas fez-se o espanto. De repente da calma fez-se o vento Que dos olhos desfez a última chama E da paixão fez-se o pressentimento E do momento imóvel fez-se o drama. De repente, não mais que de repente Fez-se de triste o que se fez amante E de sozinho o que se fez contente. Fez-se do amigo próximo o distante Fez-se da vida uma aventura errante De repente, não mais que de repente. Disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/poesias-avulsas/soneto-de-separacao. Acesso em: Set. 2015. ALIENAÇÃO PARENTAL O que é a Síndrome de Alienação Parental (SAP)? É termo proposto por Richard Gardner, em 1985, para a situação em que a mãe ou o pai de uma criança a treina para romper os laços afetivos com o outro cônjuge, criando fortes sentimentos de ansiedade e temor em relação ao outro genitor. Lei da Alienação Parental: A lei prevê medidas que vão desde o acompanhamento psicológico até a aplicação de multa, ou mesmo a perda da guarda da criança a pais que estiverem alienando os filhos. A Lei da Alienação Parental, 12.318 foi sancionada no dia 26 de agosto de 2010. Disponível em: http://www.alienacaoparental.com.br/. Acesso em: Set. 2015.
  18. 18. 19 Texto 13 AMOR DEPOIS DO DIVÓRCIO Fabrício Carpinejar Os promotores de justiça sabem. Os juízes sabem. Os terapeutas sabem. Os massoterapeutas sabem. As faxineiras sabem. Nunca houve tanta reconciliação. Mais do que casamento e divórcio. A reconciliação é o amor autêntico. O amor bandido que se converteu à lei. O amor bêbado que largou o álcool. O amor drogado que fugiu dos vícios. A reconciliação é o amor depois das férias, recuperado da perseguição dos defeitos e da distorção das conversas. É o amor depois da mentira, depois do tribunal, depois da maldade da sinceridade, depois da carência. Casais que se prometeram o inferno, que disputaram a guarda na Justiça, que enlouqueceram os filhos com suas conspirações, decidem voltar a morar junto, para temor dos vizinhos, para o susto da parentada. A reconciliação é uma moda entre os divorciados. Mal se acostumam com o nome de solteiro e se envolvem com os mesmos parceiros. Mas os mesmos parceiros são outros. Outros novos. A distância elimina a culpa. A falta filtra a cobrança. Eles experimentaram um tempo sozinhos para descobrir que se matavam por uma idealização. Enfrentaram relacionamentos diferentes, exageros e excessos, contemporizaram os medos e as rejeições, provaram de frustrações amorosas. Viram que o príncipe se vestia mal, e o sapo coaxava bonito. Viram que não existe demônio ou santo no amor. Não existe certo ou errado, existe o amor e ponto. Este amor provisório, inconstante, inacabado e vivo. Este amor pano de prato, não toalha de mesa, mas que serve para secar a louça e as lágrimas. Quem era ciumento retorna equilibrado, quem era indiferente regressa atento. A trégua salva e refina o comportamento. O casal passa a adotar no dia-a-dia aquilo que não admitia fazer e que o outro recomendava. O que soava como crítica antigamente passa a ser conselho. Gordos emagrecem com exercícios físicos, brabos examinam seus ataques de fúria. A saudade era um recalque e se transforma em sabedoria. O par percebe que é melhor ser inexato do que inexistente. Durante a separação, ninguém aceita ressalva e exame de consciência. A separação é soberba, escandalosa, arrogante. Todos gritam e espalham os motivos da discórdia. Já a reconciliação é humilde, ouvinte, discreta. Os amantes cochicham juras e esquecem as falhas. Baixam as exigências para aperfeiçoar o entendimento. A reconciliação é o amor maduro, o amor que ressuscitou, o amor que desistiu de brigar por besteiras e intrigas. O amor que é mão dada entre o erro e o perdão. Mas que agora pretende envelhecer de mãos dadas para sempre. CARPINEJAR, Fabrício. Amor depois do divórcio. Jornal Zero Hora. Coluna semanal, Revista Donna, p. 6. Porto Alegre (RS), Edição N° 17374, 2013.
  19. 19. 20 Texto 14 CRÔNICA: MULHER BOAZINHA Martha Medeiros Qual o elogio que uma mulher adora receber? Bom, se você está com tempo, pode-se listar aqui uns setecentos: mulher adora que verbalizem seus atributos, sejam eles físicos ou morais. Diga que ela é uma mulher inteligente, e ela irá com a sua cara. Diga que ela tem um ótimo caráter e um corpo que é uma provocação, e ela decorará o seu número. Fale do seu olhar, da sua pele, do seu sorriso, da sua presença de espírito, da sua aura de mistério, de como ela tem classe: ela achará você muito observador e lhe dará uma cópia da chave de casa. Mas não pense que o jogo está ganho: manter o cargo vai depender da sua perspicácia para encontrar novas qualidades nessa mulher poderosa, absoluta. Diga que ela cozinha melhor que a sua mãe, que ela tem uma voz que faz você pensar obscenidades, que ela é um avião no mundo dos negócios. Fale sobre sua competência, seu senso de oportunidade, seu bom gosto musical. Agora quer ver o mundo cair? Diga que ela é muito boazinha. Descreva aí uma mulher boazinha. Voz fina, roupas pastel, calçados rente ao chão. Aceita encomendas de doces, contribui para a igreja, cuida dos sobrinhos nos finais de semana. Disponível, serena, previsível, nunca foi vista negando um favor. Nunca teve um chilique. Nunca colocou os pés num show de rock. É queridinha. Pequeninha. Educadinha. Enfim, uma mulher boazinha. Fomos boazinhas por séculos. Engolíamos tudo e fingíamos não ver nada, ceguinhas. Vivíamos no nosso mundinho, rodeadas de panelinhas e nenezinhos. A vida feminina era esse frege: bordados, paredes brancas, crucifixo em cima da cama, tudo certinho. Passamos um tempão assim, comportadinhas, enquanto íamos alimentando um desejo incontrolável de virar a mesa. Quietinhas, mas inquietas. Até que chegou o dia em que deixamos de ser as coitadinhas. Ninguém mais fala em namoradinhas do Brasil: somos atrizes, estrelas, profissionais. Adolescentes não são mais brotinhos: são garotas da geração teen. Ser chamada de patricinha é ofensa mortal. Pitchulinha é coisa de retardada. Quem gosta de diminutivos, definha. Ser boazinha não tem nada a ver com ser generosa. Ser boa é bom, ser boazinha é péssimo. As boazinhas não têm defeitos. Não têm atitude.
  20. 20. 21 Conformam-se com a coadjuvância. PH neutro. Ser chamada de boazinha, mesmo com a melhor das intenções, é o pior dos desaforos. Mulheres bacanas, complicadas, batalhadoras, persistentes, ciumentas, apressadas, é isso que somos hoje. Merecemos adjetivos velozes, produtivos, enigmáticos. As “inhas” não moram mais aqui. Foram para o espaço, sozinhas. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/1728951. Acesso em: Set. 2015. Texto 15 CONTO: AMOR Clarice Lispector Um pouco cansada, com as compras deformando o novo saco de tricô, Ana subiu no bonde. Depositou o volume no colo e o bonde começou a andar. Recostou-se então no banco procurando conforto, num suspiro de meia satisfação. Os filhos de Ana eram bons, uma coisa verdadeira e sumarenta. Cresciam, tomavam banho, exigiam para si, malcriados, instantes cada vez mais completos. A cozinha era enfim espaçosa, o fogão enguiçado dava estouros. O calor era forte no apartamento que estavam aos poucos pagando. Mas o vento batendo nas cortinas que ela mesma cortara lembrava-lhe que se quisesse podia parar e enxugar a testa, olhando o calmo horizonte. Como um lavrador. Ela plantara as sementes que tinha na mão, não outras, mas essas apenas. E cresciam árvores. Crescia sua rápida conversa com o cobrador de luz, crescia a água enchendo o tanque, cresciam seus filhos, crescia a mesa com comidas, o marido chegando com os jornais e sorrindo de fome, o canto importuno das empregadas do edifício. Ana dava a tudo, tranqüilamente, sua mão pequena e forte, sua corrente de vida. Certa hora da tarde era mais perigosa. Certa hora da tarde as árvores que plantara riam dela. Quando nada mais precisava de sua força, inquietava-se. No entanto sentia-se mais sólida do que nunca, seu corpo engrossara um pouco e era de se ver o modo como cortava blusas para os meninos, a grande tesoura dando estalidos na fazenda. Todo o seu desejo vagamente artístico encaminhara-se há muito no sentido de tornar os dias realizados e belos; com o tempo, seu gosto pelo decorativo se desenvolvera e suplantara a íntima desordem. Parecia ter descoberto que tudo era passível de aperfeiçoamento, a cada coisa se emprestaria uma aparência harmoniosa; a vida podia ser feita pela mão do homem. No fundo, Ana sempre tivera necessidade de sentir a raiz firme das coisas. E isso um lar perplexamente lhe dera. Por caminhos tortos, viera a cair num destino de mulher, com a surpresa de
  21. 21. 22 nele caber como se o tivesse inventado. O homem com quem casara era um homem verdadeiro, os filhos que tivera eram filhos verdadeiros. Sua juventude anterior parecia-lhe estranha como uma doença de vida. Dela havia aos poucos emergido para descobrir que também sem a felicidade se vivia: abolindo-a, encontrara uma legião de pessoas, antes invisíveis, que viviam como quem trabalha — com persistência, continuidade, alegria. O que sucedera a Ana antes de ter o lar estava para sempre fora de seu alcance: uma exaltação perturbada que tantas vezes se confundira com felicidade insuportável. Criara em troca algo enfim compreensível, uma vida de adulto. Assim ela o quisera e o escolhera. Sua precaução reduzia-se a tomar cuidado na hora perigosa da tarde, quando a casa estava vazia sem precisar mais dela, o sol alto, cada membro da família distribuído nas suas funções. Olhando os móveis limpos, seu coração se apertava um pouco em espanto. Mas na sua vida não havia lugar para que sentisse ternura pelo seu espanto — ela o abafava com a mesma habilidade que as lides em casa lhe haviam transmitido. Saía então para fazer compras ou levar objetos para consertar, cuidando do lar e da família à revelia deles. Quando voltasse era o fim da tarde e as crianças vindas do colégio exigiam-na. Assim chegaria a noite, com sua tranqüila vibração. De manhã acordaria aureolada pelos calmos deveres. Encontrava os móveis de novo empoeirados e sujos, como se voltassem arrependidos. Quanto a ela mesma, fazia obscuramente parte das raízes negras e suaves do mundo. E alimentava anonimamente a vida. Estava bom assim. Assim ela o quisera e escolhera. O bonde vacilava nos trilhos, entrava em ruas largas. Logo um vento mais úmido soprava anunciando, mais que o fim da tarde, o fim da hora instável. Ana respirou profundamente e uma grande aceitação deu a seu rosto um ar de mulher. O bonde se arrastava, em seguida estacava. Até Humaitá tinha tempo de descansar. Foi então que olhou para o homem parado no ponto. A diferença entre ele e os outros é que ele estava realmente parado. De pé, suas mãos se mantinham avançadas. Era um cego. O que havia mais que fizesse Ana se aprumar em desconfiança? Alguma coisa intranqüila estava sucedendo. Então ela viu: o cego mascava chicles... Um homem cego mascava chicles. Ana ainda teve tempo de pensar por um segundo que os irmãos viriam jantar — o coração batia-lhe violento, espaçado. Inclinada, olhava o cego profundamente, como se olha o que não nos vê. Ele mascava goma na escuridão. Sem sofrimento, com os olhos abertos. O movimento da mastigação fazia-o parecer sorrir e de repente deixar de sorrir, sorrir e deixar de sorrir — como se ele a tivesse insultado, Ana olhava-o. E quem a visse teria a impressão de uma mulher com ódio. Mas continuava a olhá-lo, cada vez mais inclinada — o bonde deu uma arrancada súbita jogando-a desprevenida para trás, o pesado saco de tricô despencou-se do colo, ruiu no chão — Ana deu um grito, o condutor deu ordem de parada antes de saber do que se tratava — o bonde estacou, os passageiros olharam assustados. Incapaz de se mover para apanhar suas compras, Ana se aprumava pálida. Uma expressão de rosto, há muito não usada, ressurgia-lhe com dificuldade, ainda incerta, incompreensível. O moleque dos jornais ria entregando-lhe o volume. Mas os ovos se haviam quebrado no embrulho de jornal. Gemas amarelas e viscosas pingavam entre os fios da rede. O cego interrompera a mastigação e avançava as mãos inseguras, tentando inutilmente pegar o que acontecia. O embrulho dos ovos foi jogado fora da rede e, entre os sorrisos dos passageiros e o sinal do condutor, o bonde deu a nova arrancada de partida. Poucos instantes depois já não a olhavam mais. O bonde se sacudia nos trilhos e o cego mascando goma ficara atrás para sempre. Mas o mal estava feito. A rede de tricô era áspera entre os dedos, não íntima como quando a tricotara. A rede perdera o sentido e estar num bonde era um fio partido; não sabia o que fazer com as compras no colo. E como uma estranha música, o mundo recomeçava ao redor. O mal estava feito. Por quê? Teria esquecido de que havia cegos? A piedade a sufocava, Ana respirava pesadamente. Mesmo as coisas
  22. 22. 23 que existiam antes do acontecimento estavam agora de sobreaviso, tinham um ar mais hostil, perecível... O mundo se tornara de novo um mal-estar. Vários anos ruíam, as gemas amarelas escorriam. Expulsa de seus próprios dias, parecia-lhe que as pessoas da rua eram periclitantes, que se mantinham por um mínimo equilíbrio à tona da escuridão — e por um momento a falta de sentido deixava-as tão livres que elas não sabiam para onde ir. Perceber uma ausência de lei foi tão súbito que Ana se agarrou ao banco da frente, como se pudesse cair do bonde, como se as coisas pudessem ser revertidas com a mesma calma com que não o eram. O que chamava de crise viera afinal. E sua marca era o prazer intenso com que olhava agora as coisas, sofrendo espantada. O calor se tornara mais abafado, tudo tinha ganho uma força e vozes mais altas. Na Rua Voluntários da Pátria parecia prestes a rebentar uma revolução, as grades dos esgotos estavam secas, o ar empoeirado. Um cego mascando chicles mergulhara o mundo em escura sofreguidão. Em cada pessoa forte havia a ausência de piedade pelo cego e as pessoas assustavam- na com o vigor que possuíam. Junto dela havia uma senhora de azul, com um rosto. Desviou o olhar, depressa. Na calçada, uma mulher deu um empurrão no filho! Dois namorados entrelaçavam os dedos sorrindo... E o cego? Ana caíra numa bondade extremamente dolorosa. Ela apaziguara tão bem a vida, cuidara tanto para que esta não explodisse. Mantinha tudo em serena compreensão, separava uma pessoa das outras, as roupas eram claramente feitas para serem usadas e podia-se escolher pelo jornal o filme da noite - tudo feito de modo a que um dia se seguisse ao outro. E um cego mascando goma despedaçava tudo isso. E através da piedade aparecia a Ana uma vida cheia de náusea doce, até a boca. Só então percebeu que há muito passara do seu ponto de descida. Na fraqueza em que estava, tudo a atingia com um susto; desceu do bonde com pernas débeis, olhou em torno de si, segurando a rede suja de ovo. Por um momento não conseguia orientar-se. Parecia ter saltado no meio da noite. Era uma rua comprida, com muros altos, amarelos. Seu coração batia de medo, ela procurava inutilmente reconhecer os arredores, enquanto a vida que descobrira continuava a pulsar e um vento mais morno e mais misterioso rodeava-lhe o rosto. Ficou parada olhando o muro. Enfim pôde localizar-se. Andando um pouco mais ao longo de uma sebe, atravessou os portões do Jardim Botânico. Andava pesadamente pela alameda central, entre os coqueiros. Não havia ninguém no Jardim. Depositou os embrulhos na terra, sentou-se no banco de um atalho e ali ficou muito tempo. A vastidão parecia acalmá-la, o silêncio regulava sua respiração. Ela adormecia dentro de si. De longe via a aléia onde a tarde era clara e redonda. Mas a penumbra dos ramos cobria o atalho. Ao seu redor havia ruídos serenos, cheiro de árvores, pequenas surpresas entre os cipós. Todo o Jardim triturado pelos instantes já mais apressados da tarde. De onde vinha o meio sonho pelo qual estava rodeada? Como por um zunido de abelhas e aves. Tudo era estranho, suave demais, grande demais. Um movimento leve e íntimo a sobressaltou — voltou-se rápida. Nada parecia se ter movido. Mas na aléia central estava imóvel um poderoso gato. Seus pêlos eram macios. Em novo andar silencioso, desapareceu. Inquieta, olhou em torno. Os ramos se balançavam, as sombras vacilavam no chão. Um pardal ciscava na terra. E de repente, com mal-estar, pareceu-lhe ter caído numa emboscada. Fazia- se no Jardim um trabalho secreto do qual ela começava a se aperceber. Nas árvores as frutas eram pretas, doces como mel. Havia no chão caroços secos cheios de circunvoluções, como pequenos cérebros apodrecidos. O banco estava manchado de sucos roxos. Com suavidade intensa rumorejavam as águas. No tronco da árvore pregavam-se as luxuosas patas de uma aranha. A crueza do mundo era tranqüila. O assassinato era profundo. E a morte não era o que pensávamos. Ao mesmo tempo que imaginário — era um mundo de se comer com os dentes, um mundo de volumosas dálias e tulipas. Os troncos eram percorridos por parasitas folhudas, o abraço era
  23. 23. 24 macio, colado. Como a repulsa que precedesse uma entrega — era fascinante, a mulher tinha nojo, e era fascinante. As árvores estavam carregadas, o mundo era tão rico que apodrecia. Quando Ana pensou que havia crianças e homens grandes com fome, a náusea subiu-lhe à garganta, como se ela estivesse grávida e abandonada. A moral do Jardim era outra. Agora que o cego a guiara até ele, estremecia nos primeiros passos de um mundo faiscante, sombrio, onde vitórias-régias boiavam monstruosas. As pequenas flores espalhadas na relva não lhe pareciam amarelas ou rosadas, mas cor de mau ouro e escarlates. A decomposição era profunda, perfumada... Mas todas as pesadas coisas, ela via com a cabeça rodeada por um enxame de insetos enviados pela vida mais fina do mundo. A brisa se insinuava entre as flores. Ana mais adivinhava que sentia o seu cheiro adocicado... O Jardim era tão bonito que ela teve medo do Inferno. Era quase noite agora e tudo parecia cheio, pesado, um esquilo voou na sombra. Sob os pés a terra estava fofa, Ana aspirava-a com delícia. Era fascinante, e ela sentia nojo. Mas quando se lembrou das crianças, diante das quais se tornara culpada, ergueu-se com uma exclamação de dor. Agarrou o embrulho, avançou pelo atalho obscuro, atingiu a alameda. Quase corria — e via o Jardim em torno de si, com sua impersonalidade soberba. Sacudiu os portões fechados, sacudia-os segurando a madeira áspera. O vigia apareceu espantado de não a ter visto. Enquanto não chegou à porta do edifício, parecia à beira de um desastre. Correu com a rede até o elevador, sua alma batia-lhe no peito — o que sucedia? A piedade pelo cego era tão violenta como uma ânsia, mas o mundo lhe parecia seu, sujo, perecível, seu. Abriu a porta de casa. A sala era grande, quadrada, as maçanetas brilhavam limpas, os vidros da janela brilhavam, a lâmpada brilhava — que nova terra era essa? E por um instante a vida sadia que levara até agora pareceu-lhe um modo moralmente louco de viver. O menino que se aproximou correndo era um ser de pernas compridas e rosto igual ao seu, que corria e a abraçava. Apertou-o com força, com espanto. Protegia-se tremula. Porque a vida era periclitante. Ela amava o mundo, amava o que fora criado — amava com nojo. Do mesmo modo como sempre fora fascinada pelas ostras, com aquele vago sentimento de asco que a aproximação da verdade lhe provocava, avisando-a. Abraçou o filho, quase a ponto de machucá-lo. Como se soubesse de um mal — o cego ou o belo Jardim Botânico? — agarrava-se a ele, a quem queria acima de tudo. Fora atingida pelo demônio da fé. A vida é horrível, disse-lhe baixo, faminta. O que faria se seguisse o chamado do cego? Iria sozinha... Havia lugares pobres e ricos que precisavam dela. Ela precisava deles... Tenho medo, disse. Sentia as costelas delicadas da criança entre os braços, ouviu o seu choro assustado. Mamãe, chamou o menino. Afastou-o, olhou aquele rosto, seu coração crispou-se. Não deixe mamãe te esquecer, disse-lhe. A criança mal sentiu o abraço se afrouxar, escapou e correu até a porta do quarto, de onde olhou-a mais segura. Era o pior olhar que jamais recebera. Q sangue subiu-lhe ao rosto, esquentando-o. Deixou-se cair numa cadeira com os dedos ainda presos na rede. De que tinha vergonha? Não havia como fugir. Os dias que ela forjara haviam-se rompido na crosta e a água escapava. Estava diante da ostra. E não havia como não olhá-la. De que tinha vergonha? É que já não era mais piedade, não era só piedade: seu coração se enchera com a pior vontade de viver. Já não sabia se estava do lado do cego ou das espessas plantas. O homem pouco a pouco se distanciara e em tortura ela parecia ter passado para o lados que lhe haviam ferido os olhos. O Jardim Botânico, tranqüilo e alto, lhe revelava. Com horror descobria que pertencia à parte forte do mundo — e que nome se deveria dar a sua misericórdia violenta? Seria obrigada a beijar um leproso, pois nunca seria apenas sua irmã. Um cego me levou ao pior de mim mesma, pensou espantada. Sentia-se banida porque nenhum pobre beberia água nas suas mãos ardentes. Ah! era mais fácil ser um santo que uma pessoa! Por Deus, pois não fora verdadeira a piedade que sondara no seu coração as águas mais profundas? Mas era uma piedade de leão. Humilhada, sabia que o cego preferiria um amor mais pobre. E, estremecendo, também sabia por quê. A vida do Jardim Botânico chamava-a como um lobisomem é chamado pelo luar. Oh! mas
  24. 24. 25 ela amava o cego! pensou com os olhos molhados. No entanto não era com este sentimento que se iria a uma igreja. Estou com medo, disse sozinha na sala. Levantou-se e foi para a cozinha ajudar a empregada a preparar o jantar. Mas a vida arrepiava-a, como um frio. Ouvia o sino da escola, longe e constante. O pequeno horror da poeira ligando em fios a parte inferior do fogão, onde descobriu a pequena aranha. Carregando a jarra para mudar a água - havia o horror da flor se entregando lânguida e asquerosa às suas mãos. O mesmo trabalho secreto se fazia ali na cozinha. Perto da lata de lixo, esmagou com o pé a formiga. O pequeno assassinato da formiga. O mínimo corpo tremia. As gotas d'água caíam na água parada do tanque. Os besouros de verão. O horror dos besouros inexpressivos. Ao redor havia uma vida silenciosa, lenta, insistente. Horror, horror. Andava de um lado para outro na cozinha, cortando os bifes, mexendo o creme. Em torno da cabeça, em ronda, em torno da luz, os mosquitos de uma noite cálida. Uma noite em que a piedade era tão crua como o amor ruim. Entre os dois seios escorria o suor. A fé a quebrantava, o calor do forno ardia nos seus olhos. Depois o marido veio, vieram os irmãos e suas mulheres, vieram os filhos dos irmãos. Jantaram com as janelas todas abertas, no nono andar. Um avião estremecia, ameaçando no calor do céu. Apesar de ter usado poucos ovos, o jantar estava bom. Também suas crianças ficaram acordadas, brincando no tapete com as outras. Era verão, seria inútil obrigá-las a dormir. Ana estava um pouco pálida e ria suavemente com os outros. Depois do jantar, enfim, a primeira brisa mais fresca entrou pelas janelas. Eles rodeavam a mesa, a família. Cansados do dia, felizes em não discordar, tão dispostos a não ver defeitos. Riam-se de tudo, com o coração bom e humano. As crianças cresciam admiravelmente em torno deles. E como a uma borboleta, Ana prendeu o instante entre os dedos antes que ele nunca mais fosse seu. Depois, quando todos foram embora e as crianças já estavam deitadas, ela era uma mulher bruta que olhava pela janela. A cidade estava adormecida e quente. O que o cego desencadeara caberia nos seus dias? Quantos anos levaria até envelhecer de novo? Qualquer movimento seu e pisaria numa das crianças. Mas com uma maldade de amante, parecia aceitar que da flor saísse o mosquito, que as vitórias-régias boiassem no escuro do lago. O cego pendia entre os frutos do Jardim Botânico. Se fora um estouro do fogão, o fogo já teria pegado em toda a casa! pensou correndo para a cozinha e deparando com o seu marido diante do café derramado. — O que foi?! gritou vibrando toda. Ele se assustou com o medo da mulher. E de repente riu entendendo: — Não foi nada, disse, sou um desajeitado. Ele parecia cansado, com olheiras. Mas diante do estranho rosto de Ana, espiou-a com maior atenção. Depois atraiu-a a si, em rápido afago. — Não quero que lhe aconteça nada, nunca! disse ela. — Deixe que pelo menos me aconteça o fogão dar um estouro, respondeu ele sorrindo. Ela continuou sem força nos seus braços. Hoje de tarde alguma coisa tranqüila se rebentara, e na casa toda havia um tom humorístico, triste. É hora de dormir, disse ele, é tarde. Num gesto que não era seu, mas que pareceu natural, segurou a mão da mulher, levando-a consigo sem olhar para trás, afastando-a do perigo de viver. Acabara-se a vertigem de bondade. E, se atravessara o amor e o seu inferno, penteava-se agora diante do espelho, por um instante sem nenhum mundo no coração. Antes de se deitar, como se apagasse uma vela, soprou a pequena flama do dia... Disponível em: http://www.releituras.com/clispector_amor.asp. Acesso em: Set. 2015.
  25. 25. 26 Texto 16 MÚSICA: AI QUE SAUDADE DA AMÉLIA Mário Lago Nunca vi fazer tanta exigência Nem fazer o que você me faz Você não sabe o que é consciência Não vê que eu sou um pobre rapaz Você só pensa em luxo e riqueza Tudo o que você vê, você quer Ai meu Deus que saudade da Amélia Aquilo sim que era mulher As vezes passava fome ao meu lado E achava bonito não ter o que comer E quando me via contrariado dizia Meu filho o que se há de fazer Amélia não tinha a menor vaidade Amélia que era a mulher de verdade Disponível em: http://www.vagalume.com.br/mario-lago/ai-que-saudades-da-amelia.html#ixzz3lrY67NnA. Acesso em: Set. 2015. ANOTAÇÕES _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _______________________________________________________________
  26. 26. 27 Texto 17 MÚSICA: PAGU Rita Lee Mexo, remexo na inquisição Só quem já morreu na fogueira Sabe o que é ser carvão Hum! Hum! Eu sou pau pra toda obra Deus dá asas à minha cobra Hum! Hum! Hum! Hum! Minha força não é bruta Não sou freira, nem sou puta Porque nem toda feiticeira é corcunda Nem toda brasileira é bunda Meu peito não é de silicone Sou mais macho que muito homem Nem toda feiticeira é corcunda Nem toda brasileira é bunda Meu peito não é de silicone Sou mais macho que muito homem Ratatá! Ratatá! Ratatá! Taratá! Taratá! Sou rainha do meu tanque Sou Pagu indignada no palanque Hanhan! Ah! Hanran! Fama de porra louca, tudo bem! Minha mãe é Maria Ninguém Hanhan! Ah! Hanran! Não sou atriz, modelo, dançarina Meu buraco é mais em cima Porque nem toda feiticeira é corcunda Nem toda brasileira é bunda Meu peito não é de silicone Sou mais macho que muito homem Nem toda feiticeira é corcunda Nem toda brasileira é bunda Meu peito não é de silicone Sou mais macho que muito homem (2x) Disponível em: http://letras.mus.br/rita-lee/81651/. Acesso em 15/09/2015 ás 23h07min. ______________________________ Texto 18 MÚSICA: GAROTOS Leoni Seus olhos e seus olhares Milhares de tentações Meninas são tão mulheres Seus truques e confusões Se espalham pelos pelos Boca e cabelo Peitos e poses e apelos Me agarram pelas pernas Certas mulheres como você Me levam sempre onde querem Garotos não resistem Aos seus mistérios Garotos nunca dizem não Garotos como eu Sempre tão espertos Perto de uma mulher São só garotos Seus dentes e seus sorrisos Mastigam meu corpo e juízo Devoram os meus sentidos Eu já não me importo comigo
  27. 27. 28 Então são mãos e braços Beijos e abraços Pele, barriga e seus laços São armadilhas E eu não sei o que faço Aqui de palhaço Seguindo seus passos (Refrão) Se espalham pelos pelos Boca e cabelo Peitos e poses e apelos Me agarram pelas pernas Certas mulheres como você Me levam sempre onde querem (Refrão 3x) Disponível em: www. letras.mus.br/leoni/47015/. Acesso em 15/09/2015 ás 23h17min. ______________________________________ Texto 19 MÚSICA: DESCONSTRUINDO A AMÉLIA PITTY Já é tarde, tudo está certo Cada coisa posta em seu lugar Filho dorme, ela arruma o uniforme Tudo pronto pra quando despertar O ensejo a fez tão prendada Ela foi educada pra cuidar e servir De costume esquecia-se dela Sempre a última a sair Disfarça e segue em frente Todo dia, até cansar E eis que de repente ela resolve então mudar Vira a mesa, Assume o jogo Faz questão de se cuidar Nem serva, nem objeto já não quer ser o outro hoje ela é um também A despeito de tanto mestrado Ganha menos que o namorado E não entende o porquê Tem talento de equilibrista ela é muitas, se você quer saber Hoje aos trinta é melhor que aos dezoito Nem Balzac poderia prever Depois do lar, do trabalho e dos filhos Ainda vai pra night ferver Disfarça e segue em frente Todo dia, até cansar E eis que de repente ela resolve então mudar Vira a mesa, Assume o jogo Faz questão de se cuidar Nem serva, nem objeto já não quer ser o outro hoje ela é um também Disponível em: http://www.vagalume.com.br/pitty/desconstruindo- amelia.html. Acesso em 15/09/2015 ás 23h24min.
  28. 28. 29 Texto 20 MÚSICA: Who run the world? Girls! TRADUÇÃO: Comandam o Mundo (Garotas) Beyonce Garotas,nós comandamos ! Garotas,nós comandamos! Garotas,nós comandamos! Garotas,nós comandamos! Garotas! Quem comanda o mundo? Garotas! Quem comanda o mundo? Garotas! Quem comanda o mundo? Garotas! Quem comanda o mundo? Garotas! (3x) Alguns homens pensam que detonam nisso Como nós fazemos Mas não, eles não detonam Joguem seu dinheiro na cara deles Nos desrespeitar? Não, eles não irão Garoto, nem mesmo tente tocar nisso Garoto, essa batida é louca É assim que me criaram Em Houston, Texas, querido Essa vai para todas as minhas garotas Que estão na boate curtindo as novidades Que pagam suas compras E ganham mais dinheiro depois Eu acho que vou tirar umas férias Nenhum desses caras conseguem me derrotar Eu sou tão boa nisso Vou te lembrar como sou esperta Garoto, estou só brincando Vem aqui, querido Espero que ainda goste de mim Caso você me pague Minha persuasão Pode construir uma nação Poder infinito Com nosso amor podemos devorar Você vai fazer qualquer coisa por mim (Refrão 3x) O clima está fervendo aqui DJ Não tenha medo de mandar essa,mandar essa de novo Eu estou representando as garotas Que estão dominando o mundo Deixe-me fazer um brinde Às graduadas Amigo, uma rodada E eu te deixo saber que horas são Você não pode me segurar Trabalhei o dia todo, melhor ir pegar meu cheque Essa vai para todas as mulheres Que estão vencendo E alcançando seus objetivos Para todos os homens que respeitam O que eu faço Por favor, aceitem meu brilho Garoto, você sabe que ama O quanto somos espertas o suficiente para fazer milhões Fortes o suficiente para ter filhos E depois voltar aos negócios Veja, é melhor não brincar comigo Oh,vem aqui, querido Espero que ainda goste de mim Caso você me pague Minha persuasão Pode construir uma nação Poder infinito Com nosso amor podemos devorar Você vai fazer qualquer coisa por mim (Refrão 3x) Disponível em: http://letras.mus.br/beyonce/1870591/traducao.html. Acesso em 15/09/2015 ás 23h38min.
  29. 29. 30 Texto 21 MÚSICA: SÓ UM TAPINHA Bonde do Tigrão Vai vamos lá Cruza os braços no ombrinho Lança eles pra frente e desce bem devagarinho Dá, dá, dá uma quebradinha e sobe devagar Se te bota maluquinha Um tapinha eu vou te dar porque Dói, um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói, só um tapinha Dói, um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói, só um tapinha Vai vamos lá Cruza os braços no ombrinho Lança eles pra frente e desce bem devagarinho Dá, dá, dá uma quebradinha e sobe devagar Se te bota maluquinha Um tapinha eu vou te dar porque Dói, um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói, só um tapinha Dói, um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói, só um tapinha Em seu cabelo vou tocar Sua boca vou beijar Vou visando tua bundinha Maluquinho pra apertar Vai vamos lá Cruza os braços no ombrinho Lança eles pra frente e desce bem devagarinho Dá, dá, dá uma quebradinha e sobe devagar Se te bota maluquinha Um tapinha eu vou te dar porque Dói, um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói, só um tapinha Dói, um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói Um tapinha não dói Vai vamos lá Cruza os braços no ombrinho Vai, vai glamurosa Cruza os braços no ombrinho Vai glamurosa Cruza os braços no ombrinho Lança eles pra frente e desce bem devagarinho Dá, dá, dá uma quebradinha Dá, dá, dá uma quebradinha e sobe devagar Se te bota maluquinha Um tapinha eu vou te dar porque Só um tapinha Disponível em: Disponível em: http://www.vagalume.com.br/bonde-do-tigrao/so-um- tapinha.html. Acesso em: Set. 2015.
  30. 30. 31 TEXTO 22 TEXTO INFORMATIVO: TIPOS DE VIOLÊNCIAS  O que é violência? No mundo existem várias formas de violência, por exemplo: o preconceito, as agressões físicas e verbais, o bullying, a homofobia e a violência contra a mulher, entre outras. Elas acontecem quando alguém ou um grupo de pessoas utiliza intencionalmente a força física ou o poder para ameaçar, agredir e submeter outras pessoas, privando as de liberdade, causando algum dano psicológico, emocional, deficiência de desenvolvimento, lesão física ou até a morte. Vamos conhecer algumas formas de violência: Violência física- Ação ou omissão que coloque em risco ou cause danos à integridade física de uma pessoa. Violência institucional- tipo de violência motivada por desigualdades (de gênero, étnico-raciais, econômicas etc.) Predominantes em diferentes sociedades. Essas desigualdades se formalizam e institucionalizam nas diferentes organizações privadas e aparelhos estatais, como também nos diferentes grupos que constituem essas sociedades. Violência intrafamiliar- acontece dentro de casa ou unidade doméstica e geralmente é praticada por um membro da família que viva com a vítima. As agressões domésticas incluem: abuso físico, sexual e psicológico, a negligência e o abandono. Violência moral- ação destinada a caluniar, difamar ou injuriar a honra ou a reputação da mulher. Violência patrimonial- ato de violência que implique dano, perda, subtração, destruição ou retenção de objetos, documentos pessoais, bens e valores. Violência psicológica- ação ou omissão destinada a degradar ou controlar as ações, comportamentos, crenças e decisões de outra pessoa por meio de intimidação, manipulação, ameaça direta ou indireta, humilhação, isolamento ou qualquer outra conduta que implique prejuízo à saúde psicológica, à autodeterminação ou ao desenvolvimento pessoal. Violência sexual- ação que obriga uma pessoa a manter contato sexual, físico ou verbal, ou a participar de outras relações sexuais com uso da força, intimidação, coerção, chantagem, suborno, manipulação, ameaça ou qualquer outro mecanismo que anule ou limite a vontade pessoal. Considera- se como violência sexual também o fato de o agressor obrigar a vítima a realizar alguns desses atos com terceiros. Não pense duas vezes, se você está sendo vítima de uma violência ou conhece alguém que está, DENUNCIE - LIGUE 180 Disponível em: Disponível em: http://www.adolescencia.org.br/site-pt-br/tipos-de-violencias. Acesso em: Set. 2015.
  31. 31. 32 Texto 23 TEXTO INFORMATIVO: LEI MARIA DA PENHA A Lei Maria da Penha estabelece que todo o caso de violência doméstica e intrafamiliar é crime, deve ser apurado através de inquérito policial e ser remetido ao Ministério Público. Esses crimes são julgados nos Juizados Especializados de Violência Doméstica contra a Mulher, criados a partir dessa legislação, ou, nas cidades em que ainda não existem, nas Varas Criminais. A lei também tipifica as situações de violência doméstica, proíbe a aplicação de penas pecuniárias aos agressores, amplia a pena de um para até três anos de prisão e determina o encaminhamento das mulheres em situação de violência, assim como de seus dependentes, a programas e serviços de proteção e de assistência social. A Lei n. 11.340, sancionada em 7 de agosto de 2006, passou a ser chamada Lei Maria da Penha em homenagem à mulher cujo marido tentou matá-la duas vezes e que desde então se dedica à causa do combate à violência contra as mulheres. O texto legal foi resultado de um longo processo de discussão a partir de proposta elaborada por um conjunto de ONGs (Advocacy, Agende, Cepia, Cfemea, Claden/IPÊ e Themis). Esta proposta foi discutida e reformulada por um grupo de trabalho interministerial, coordenado pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), e enviada pelo Governo Federal ao Congresso Nacional. Foram realizadas audiências públicas em assembleias legislativas das cinco regiões do país, ao longo de 2005, que contaram com participação de entidades da sociedade civil, parlamentares e SPM. A partir desses debates, novas sugestões foram incluídas em um substitutivo. O resultado dessa discussão democrática foi a aprovação por unanimidade no Congresso Nacional. Em vigor desde o dia 22 de setembro de 2006, a Lei Maria da Penha dá cumprimento à Convenção para Prevenir, Punir, e Erradicar a Violência contra a Mulher, a Convenção de Belém do Pará, da Organização dos Estados Americanos (OEA), ratificada pelo Brasil em 1994, e à Convenção para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (Cedaw), da Organização das Nações Unidas (ONU). Para garantir a efetividade da Lei Maria da Penha, o CNJ trabalha para divulgar e difundir a legislação entre a população e facilitar o acesso à justiça à mulher que sofre com a violência. Para isso, realiza esta campanha contra a violência doméstica, que focam a importância da mudança cultural para a erradicação da violência contra as mulheres. Entre outras iniciativas do Conselho Nacional de Justiça com a parceria de diferentes órgãos e entidades, destacam-se a criação do manual de rotinas e estruturação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, as Jornadas da Lei Maria da Penha e o Fórum Nacional de Juízes de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (Fonavid).  Principais inovações da Lei Maria da Penha  Os mecanismos da Lei: • Tipifica e define a violência doméstica e familiar contra a mulher. • Estabelece as formas da violência doméstica contra a mulher como física, psicológica, sexual, patrimonial e moral. • Determina que a violência doméstica contra a mulher independe de sua orientação sexual.
  32. 32. 33 • Determina que a mulher somente poderá renunciar à denúncia perante o juiz. • Ficam proibidas as penas pecuniárias (pagamento de multas ou cestas básicas). • Retira dos juizados especiais criminais (Lei n. 9.099/95) a competência para julgar os crimes de violência doméstica contra a mulher. • Altera o Código de Processo Penal para possibilitar ao juiz a decretação da prisão preventiva quando houver riscos à integridade física ou psicológica da mulher. • Altera a lei de execuções penais para permitir ao juiz que determine o comparecimento obrigatório do agressor a programas de recuperação e reeducação. • Determina a criação de juizados especiais de violência doméstica e familiar contra a mulher com competência cível e criminal para abranger as questões de família decorrentes da violência contra a mulher. • Caso a violência doméstica seja cometida contra mulher com deficiência, a pena será aumentada em um terço.  A autoridade policial: • A lei prevê um capítulo específico para o atendimento pela autoridade policial para os casos de violência doméstica contra a mulher. • Permite prender o agressor em flagrante sempre que houver qualquer das formas de violência doméstica contra a mulher. • À autoridade policial compete registrar o boletim de ocorrência e instaurar o inquérito policial (composto pelos depoimentos da vítima, do agressor, das testemunhas e de provas documentais e periciais), bem como remeter o inquérito policial ao Ministério Público. • Pode requerer ao juiz, em quarenta e oito horas, que sejam concedidas diversas medidas protetivas de urgência para a mulher em situação de violência. • Solicita ao juiz a decretação da prisão preventiva.  O processo judicial: • O juiz poderá conceder, no prazo de quarenta e oito horas, medidas protetivas de urgência (suspensão do porte de armas do agressor, afastamento do agressor do lar, distanciamento da vítima, dentre outras), dependendo da situação. • O juiz do juizado de violência doméstica e familiar contra a mulher terá competência para apreciar o crime e os casos que envolverem questões de família (pensão, separação, guarda de filhos etc.). • O Ministério Público apresentará denúncia ao juiz e poderá propor penas de três meses a três anos de detenção, cabendo ao juiz a decisão e a sentença final. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/programas-e-acoes/lei- maria-da-penha/sobre-a-lei-maria-da-penha. Acesso em: Set. 2015. Texto 24 CHARGE: VIOLÊNCIA DOMICILIAR Humortadela Disponível em: http://www.apav.pt/cansada/index.php/features. Acesso em: Set. 2015
  33. 33. 34 Texto 25 MÚSICA: CANSADA Rodrigo Guedes de Carvalho Estou cansada - ainda agora chorei tanto Outra noite - o terror andou à solta Vai e volta e promete que não volta Vai e volta e promete que não volta Estou cansada - chorei tanto outra vez Outra vez a pensar que hoje talvez Haja paz - que o terror só vai não volta Que a tua mão não se fecha contra mim Estou cansada - não há fim nesta demência Ou ciência que preveja que me mates E quem bate depois chora e promete Que não mais a mão se levanta fechada Estou cansada - acho que não quero nada Que não seja uma noite descansada Sem ter medo ou chorar na almofada Sem pensar no amor como uma espada Tão cansada de remar contra a maré O amor não é andar a pé na noite escura Sempre segura que a tortura me espera Insegura tão desfeita humilhada Tão cansada de não dar luta à matança À dança negra que me dizes que é amor Que não concebes a tua vida sem mim E que isto assim é normal numa paixão E eu cansada nem sequer digo que não Já não consigo que uma palavra te trave Não tenho nada que não seja só pavor Talvez o amor me espere noutra estrada Mas tão cansada não consigo procurá-la Já tão sem força de tentar não ser escrava Já sei que hoje fico suspensa outra vez Outra vez a pensar que hoje talvez… Disponível em: http://www.apav.pt/cansada/index.php/features. Acesso em: Set. 2015. ANOTAÇÕES _______________________________ _______________________________ _______________________________ _______________________________ _______________________________ _______________________________ ______________________________
  34. 34. 35 Texto 26 ARTIGO: A NOVA CARA DA FAMÍLIA BRASILEIRA Vinicius Boreki Em 15 anos, número de casais com filhos caiu 11,2% no país. Relatório mostra que outros arranjos familiares vêm ganhando força As famílias brasileiras estão se transformando. Em 15 anos, entre 1992 e 2007, o número de casais com filhos, o estereótipo da família tradicional, caiu 11,2%. A queda foi compensada pelo aumento dos novos arranjos familiares: casais sem filhos, mulheres solteiras, mães com filhos, homens solteiros e pais com filhos. Os dados fazem parte do Relatório de Desenvolvimento Humano 2010, divulgado na terça-feira pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). A nova organização familiar, contudo, não se relaciona com o fato de 23% dos brasileiros temerem a violência dentro de casa. As famílias são apontadas pelos brasileiros como principais responsáveis por ensinar os valores. A passagem desses conceitos, contudo, independe das diversas e dinâmicas estruturas familiares, pois o afeto é um ponto nevrálgico. “O ponto central é a carga de afetividade gerada pela família, que permite aos pais influência, pelo menos inicial, na formação dos valores dos filhos”, diz o estudo. Segundo Flavio Comim, coordenador do relatório, as famílias reconstituídas vivem, em geral, com pressões adicionais. “Existem novas dificuldades a ser superadas em cada caso, como por exemplo a gravidez precoce”, afirma. No entanto, o fato de uma criança ser criada sem a presença dos pais não implica em dificuldade para transmissão dos valores. “Nossa definição de família é de uma rede de cuidados e de afeto. Se não houver isso, não adianta ser criado por pai e mãe ao lado dos irmãos”, diz. Para a mestre em Psicologia da Infância e da Adolescência Vera Regina Miranda, outra palavra-chave determina a passagem de valores: limite. “São dois pontos importantes para o desenvolvimento e a estruturação da personalidade. O limite auxilia na socialização, e o afeto dá estrutura”, comenta. Conciliar esses aspectos é fundamental, independentemente do tipo de família. O psicanalista e professor de Psicologia Leonardo Ferrari afirma que, embora seja positivo receber afeto, não se pode generalizar. “Quando se analisa o ser humano, vê-se mais de perto as particularidades de cada um”, diz. “Funda-mental é saber como cada um vai transformar o afeto que recebe.” A auxiliar de serviços gerais Marisa Cosmo do Nascimento, 33 anos, cria sozinha as duas filhas, de 7 e 10 anos, desde o nascimento da caçula. “Ele disse que não teria condições de criar outra filha. Tive de escolher entre meu casamento e as minhas filhas”, conta. “Conheço famílias com pai e mãe que não são estruturadas como a minha.” Para isso, ela tem o apoio de outros membros da família. “Minhas filhas são muito apegadas ao meu irmão e ao padrinho. Buscam uma figura masculina, que corresponde ao amor delas”, diz. As novas famílias integram a realidade brasileira de tal modo que a nova Lei de Adoção já valoriza o conceito de família estendida. A criação por avós maternos e paternos, tios e tias ou duplas de homossexuais já é aceita. “O mais importante é valorizar quem dá carinho”, diz Ariel de Castro Alves, membro do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/a-nova-cara-da-familia-brasileira-0jkvbd0x965zv14ldufuq1bny Acesso em: Set. 2015.
  35. 35. 36 Texto 27 MÚSICA: VALEU AMIGO Pikeno e Menor Eu ouvi palavras ditas com carinho De que na vida ninguém é feliz sozinho E você é um alguém que sempre me fez bem Me protegeu e me tirou de todo perigo E quando eu precisei você chorou comigo Valeu por você existir, é tão bom te ter aqui Eu rezo e peço pra Deus cuidar A sua vida abençoar Vou correr por você até o fim Me quis tirar do mal, eu percebi Disse verdades que eu mereci Então pra sempre amigos, sim Se Deus quiser Vou ter você guardado no meu coração Até nos seus conselhos de irmão E é pra você que eu dedico essa canção Eu rezo e peço pra Deus cuidar, cuidar A sua vida abençoar, abençoar Vou correr Por você até o fim Assim eu sei que pra você também Sou alguém que te faz tão bem Mais que amigo e irmão meu, valeu Eu rezo e peço pra Deus cuidar, cuidar A sua vida abençoar, abençoar Vou correr com você até o fim Assim eu sei que pra você também Sou alguém que te faz tão bem Mais que amigo e irmão meu, valeu Quando todos se forem, eu vou estar lá com você, Amigos até depois do fim! Valeu amigo. Disponível em: http://www.vagalume.com.br/pikeno-e-menor/valeu-amigo.html Acesso em: Set. 2015.
  36. 36. 37 ANOTAÇÕES _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________
  37. 37. 38 Texto28 ARTIGO : AMIGOS - FAMÍLIA DO CORAÇÃO Juliana Garcia Amizade é uma forma de amor tão genuína quanto os laços de sangue Alguns amigos são tão íntimos, que fazem parte de nosso cotidiano de forma tão natural e parecem membros da nossa família. Mesmo que não sejam "sangue do nosso sangue", certas pessoas nos parecem conhecidas de longa data, uma simpatia gratuita brota e se instala. O amigo está ao nosso lado para compartilhar momentos únicos e transformá-los em inesquecíveis. Afinal, não é muito melhor presenciar um lindo pôr-do-sol tendo alguém especial ao lado para compartilhar aquela visão? Em certos momentos o amigo se converte um pouco em pai e mãe, dá conselhos, puxa a orelha, cuida da gente. Em outros, estamos mais de igual para igual e temos uma relação de quase irmãos: conversamos, sonhamos, brigamos, nos abrimos para pensar e solucionar, curtimos, corremos atrás, compartilhamos. PARTE DA FAMÍLIA Essas pessoas especiais não substituem seus familiares, mas sim se tornam uma extensão de seus laços de amor, ampliam sua noção de família e de fraternidade. Por vezes, acabam fazendo parte mesmo da família. É aquele amigo-irmão que ganha espaço no colo de uma segunda mãe e tem cadeira cativa nos eventos familiares. Amigo-irmão que já não sente vergonha de abrir a geladeira de sua casa se for preciso, sabe as datas de aniversário dos seus familiares, conhece o humor das pessoas da casa. De certo, acompanhará de perto as novas situações e estará por perto quando for preciso. Está presente para as conquistas e também nos momentos de dificuldade. Está junto para o silêncio e também para longas conversas. Podemos até dizer que o amigo é um irmão que a vida nos dá a chance de escolher. Pensando por outro lado, a amizade, por ser uma forma de amor, não é bem escolha. Acontece e reconhecemos, À

×