Tempo Esse Desconhecido                             Tempo: Esse Desconhecido	        O tempo como tratado e explicado na l...
Petróleo e Ecologia: Uma Contestação à	Ciência	Ortodoxa	         Assim, em 1883, as zonas de tempo foram adotadas tanto no...
Tempo Esse Desconhecido	        As maiores ou menores velocidades que conhecemos são medidas em relação à velocidade daTer...
Petróleo e Ecologia: Uma Contestação à	Ciência	Ortodoxaminutos de oeste para leste para um raio de luz saído do Sol chegar...
Tempo Esse Desconhecido	        Dessa maneira, sendo onze as formações que formam o arcabouço do subcontinente sul-ameri-c...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tempo essedesconhecido

305 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
305
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tempo essedesconhecido

  1. 1. Tempo Esse Desconhecido Tempo: Esse Desconhecido O tempo como tratado e explicado na literatura parece misterioso. Em Geologia, seu estudo ésimples. O tempo resume-se aos dois principais movimentos da Terra no espaço. O movimento mais longoou de maior duração é o ano, marcado pela translação. O mais curto ou de menor duração é o dia, marcadopela rotação do planeta. O movimento marcado pela rotação é preciso. O marcado pela translação não épreciso, mas o erro é de fácil correção.Tempo é um conceito Geológico: corresponde à velocidade com a qual a Terra se move no espaço. Como todas as unidades dos sistemas de pesos e medidas, o tempo só existe neste planeta, e maisrestritamente só interessa ao gênero humano. Tais sistemas foram inventados para facilitar as relaçõescomerciais entre os homens, como parte do avanço técnico alcançado à medida que o aperfeiçoamento dasociedade o exigiu. O tempo, por estar ligado diretamente aos movimentos da Terra, é sinônimo de movimento. Tempo é então, uma proporcionalidade ou uma comparação que se faz entre o movimento dascoisas e dos objetos na Terra, e os movimentos da própria Terra. Dito acima, o tempo padrão é configurado nos dois principais movimentos da Terra: • O de rotação, que marca os intervalos menores de tempo (dias, horas, minutos e segundos) e tem precisão segura para servir de unidade-padrão. • O de translação, que mede os intervalos maiores (anos, décadas e séculos), que não tem preci- são devido ao movimento de precessão e a forma elíptica da translação. Unidade de Tempo: o Segundo O aumento da velocidade das locomotivas a vapor nas estradas de ferro dos EUA provocou anecessidade de organizar os horários dessa indústria de transportes. A idéia ocorreu a um professor emSaratoga Springs, New York, chamado Charles F. Dowd9 (1825-1904). Lá, em 1863, Dowd propôs a adoção de uma faixa da superfície dos EUA, onde a hora seria amesma para tudo e todos que estivessem dentro dela. Chamou-as de “zonas de tempo” e nisso foi apoiadopor um engenheiro canadense chamado Sir Sandford Fleming, que viu na idéia uma boa sugestão paraa sua organização comercial lá no Canadá. Em 1869, Dowd apresentou a idéia a um comitê de homensde negócio em transporte de estradas de ferro, e em 1870 ele escreveu um artigo chamado “A System ofNational Time for Railroads” onde propôs quatro zonas de tempo para os Estados Unidos, cada uma coma largura de 15º de longitude, que foram chamadas, no seu livro, de primeira, segunda, terceira e quartazonas, com o meridiano de Washington servindo como meridiano central da primeira zona. Em 1872, elemodificou a proposta inicial e colocou o meridiano central da primeira zona nos 75º W de Greenwich, eos outros aos 90º, 105º e 120º. 9
  2. 2. Petróleo e Ecologia: Uma Contestação à Ciência Ortodoxa Assim, em 1883, as zonas de tempo foram adotadas tanto nos EUA como no Canadá, e em outu-bro de 1884, em uma conferência internacional havida em Washington o sistema foi adotado no mundointeiro, elegendo-se o meridiano que passa no Observatório Real, em Greenwich, como o meridiano 0º, euma linha em zig-zag na longitude de 180º sobre o Oceano Pacífico como linha de mudança de data. Daí em diante, o globo ficou dividido em vinte e quatro zonas de tempo, cada zona com 15º delargura, que constituem os atuais fusos horários, ficando o globo dividido em 24hs. Os relógios passarama marcar 24hs, e cada hora foi dividida em 60 minutos e estes divididos em 60 segundos. Um dia da Terra passou a ter vinte e quatro horas, ou 1440 minutos, ou ainda 86.400 segundosmarcados nos relógios. Este é o ponto de conflito com a Geologia. Neste caso, a medida do equador da Terra, divididos por 86.400 segundos dos relógios vale463,82m no equador do planeta. Dessa forma a velocidade da Terra fica dependendo dos relógios, criandoproblemas.Esta unidade de tempo, medida nos relógios, gera confusão e teorias complicadas nas quais se misturamtempo com relógios. Geologicamente falando, o tempo básico é o número de segundos dos 360º existentes na circun-ferência do equador, e desse modo, os números são diferentes do dos relógios. O segundo geológico vale30,92m que se obtém dividindo a circunferência da Terra no equador (40.074.249m) por 1.296.000 se-gundos daquele círculo. Dessa forma, a unidade do tempo geológico é o segundo do círculo representadopelo equador da Terra, cujo centro é a projeção do eixo de rotação no plano do equador, correspondenteà abertura dos lados de um ângulo a uma distância de 6.378,188 Km, igual ao raio equatorial da Terra aonível do mar. Esta medida não é usada, mas só neste caso os relógios ficariam dependentes da velocidadeda Terra: 30,92 m/seg. Tempo geológico não é marcado por relógios. Estes são aparelhos com o auxílio dos quais o ho-mem tenta acompanhar o movimento de rotação da Terra, e de maneira geral são imprecisos por estaremestáticos sobre áreas da litosfera, que estão em movimento tanto vertical, como horizontalmente. Sem queesses movimentos sejam percebidos, diz-se que a Terra se atrasa ou se adianta se comparado aos relógios.As justificativas apresentadas para explicar a suposta variação da velocidade da Terra são despropositadas.Apela-se para a fricção das marés na superfície do planeta, um suposto movimento do núcleo da Terra noseu interior, como se o núcleo fosse um elemento independente dentro do globo, e até fenômenos mete-orológicos no exterior do globo (ventos, chuva, etc) fenômenos que contribuiriam para descompassar avelocidade do planeta. O movimento de rotação da Terra é uniforme para objetivos humanos. Se o movimento da Terraé o padrão, nada pode ser mais preciso que o próprio padrão. Por isso, nada e nenhum relógio, mesmo osatômicos (o de Césio, por exemplo) podem ser mais precisos do que a rotação da Terra. Os relógios, estessim, se atrasam ou se adiantam em relação a ela. O tempo humano é registrado pelas coisas físicas do dia-a-dia: nascimento das pessoas, formatu-ras, casamentos, morte ou eventos como eleições, inaugurações, descobrimentos, etc. O tempo geológico,depois da solidificação da litosfera, está registrado nas rochas que a formam e continua registrando-seatualmente, pela acumulação de detritos nas bacias marinhas. Dessa maneira dizemos que o tempo geo-lógico inteiro está registrado na espessura das formações geológicas, podendo assim ser recuperado e/ouestudado. Observar então, que a diferença entre tempo humano e tempo geológico, é apenas de escala. Naescala humana podemos medir séculos, décadas, anos, dias, horas, minutos, segundos e frações de segun-dos, conforme a necessidade de precisão. Na escala geológica essas medidas não tem cabimento. Conceito fundamental: os relógios são uma função dos movimentos da Terra ou da velocidadeque ela tem no espaço. Nunca ao contrário! 10
  3. 3. Tempo Esse Desconhecido As maiores ou menores velocidades que conhecemos são medidas em relação à velocidade daTerra, inclusive a velocidade da luz. Geologicamente falando o tempo é contínuo, cíclico e absoluto e só existe no planeta Terra. Asvelocidades dos objetos são variáveis relativas aos movimentos da Terra. Diz-se que o tempo: • É contínuo porque a Terra não pára nunca, e nunca parou desde os tempos mais remotos. • É cíclico porque se faz ao redor de eixos fixos. • É absoluto porque é o padrão ou a referência para todos os outros tempos. Esta é uma declaração contrária ao que pensam os cientistas não-Geólogos que julgam tempocomo se este dependesse de relógios, ou que seja um “fluido” solto no espaço... Tempo é o resultado daobservação dos movimentos que o planeta faz no espaço. Tempo dos outros planetas e astros são relativosao tempo da Terra.O tempo padrão ou geológico é representado: • Pelos movimentos da Terra no espaço e • Pelas formações geológicas que formam a litosfera terrestre. Tempo e Idade Por conceito, todos os objetos físicos da Terra estão em perpétuo movimento, porque a Terra estáem movimento. Nada está parado, e, por isso, todas as coisas ficam velhas ou aumentam de idade. A idadeentão é relativa a determinados pontos convencionados entre os humanos. Desse modo, algumas coisassão mais antigas ou mais jovens que outras. Observar a diferença geológica entre tempo e idade: enquantoo tempo é cíclico, contínuo e absoluto, a idade é descontínua e relativa entre fatos ou a pontos conven-cionais arbitrados. Como todos os objetos ficam situados sobre o mesmo globo, as idades relativas entre eles per-manecem para sempre. Alguma coisa que seja mais velha ou mais nova do que outra permanecerá nessasituação para sempre até desaparecer (Princípio Fundamental da Estratigrafia). Nem pessoas, nem objetospodem se tornar mais novas do que a si mesmos. Um acontecimento qualquer sobre o globo terrestre serámais velho ou mais antigo do que os que lhe sucedem, e mais novo dos que o antecedem. A compreensãodesses conceitos determina que: não existe nem tempo negativo nem paradoxos! De fato, a Terra girasempre no mesmo sentido, de oeste para leste, para todas as coisas que existem sobre ela. Tempo e velocidade tem o mesmo denominador comum chamado movimento. O espaço não. Eleé independente, e é o lugar onde se fazem ou se realizam os movimentos. O tempo pode ser representadopor um espaço, e o espaço pode ser representado pelo tempo de qualquer coisa em movimento, porém sãoentidades independentes e não se misturam. Na Terra, para que qualquer movimento aconteça se gastadeterminado tempo, que é comparado ao movimento da Terra como padrão. Por exemplo, a distânciaou o espaço entre duas cidades quaisquer é de 2.000km e um avião de carreira cobre-a em duas horas devôo à velocidade de 1.000 km/h. O espaço de 2.000 km é estático, e lê-se em um mapa em determinadaescala onde pode ser mostrado a qualquer pessoa. As duas horas indicam que: o avião para chegar à outracidade, a Terra girou 30 graus desde a saída do avião, até sua chegada, e este fato não pode ser mostradoa outrem, porque não se pode ver a Terra girando. Usa-se uma das medidas dependendo da conveniênciado comunicador. O mesmo se passa quando as medidas são muito grandes, havendo possibilidade de usar outraescala para distâncias astronômicas, as quais não interessam para fins práticos dentro da Geologia. Porexemplo, diz-se que a Terra está aproximadamente a oito minutos-luz do Sol ou a 150.000.000 km dedistância, admitindo a velocidade da luz em cerca de 300.000 km/s. Isto quer dizer que a Terra girou oito 11
  4. 4. Petróleo e Ecologia: Uma Contestação à Ciência Ortodoxaminutos de oeste para leste para um raio de luz saído do Sol chegar à Terra. A velocidade da Terra é umacoisa, e o espaço (distância Sol Terra) é outra. Elas não se misturam. Tempo Geológico Na escala geológica deixa-se essa terminologia e passa-se a usar palavras adequadas para repre-sentar maiores e/ou menores intervalos de tempo, que são chamados de períodos e eras, sem conotaçãocom número de anos. Assim entendido, o tempo não pode ser contraído, dilatado ou encurvado, pois não se pode con-trair, dilatar ou encurvar os movimentos de rotação e translação do globo terrestre. Dessa maneira, asidéias sobre hiper-tempo, quinta dimensão e tempo pluridimensional da mecânica quântica, constituemapenas violações da idéia do que é o tempo na Terra, violações estas que tornam difíceis a compreensãodos fenômenos naturais. Para essa classe de idéias, os cientistas não-Geólogos têm de arranjar uma novapalavra para funcionar com aquelas teorias. Levando em consideração que só recentemente o Reino Unido aceitou o sistema métrico decimal,que os calendários dependem de cada povo, de cada cultura e de todo o folclore religioso, natural que acompreensão do conceito de tempo geológico ainda custe um pouco para ser admitido entre os cientistas,daí porque as teorias complicadas que apareceram nos últimos anos sobre o tema. 10, 11 e 12 Há necessidade do conhecimento da evolução do globo terrestre para que tal conceito possa sercompreendido em toda a sua simplicidade. A complicação existente sobre o tema é a evidência de queexiste erro cometido na base do raciocínio das teorias em voga, como resultado do artificialismo dosconceitos. Na realidade, a confusão sobre o tema decorre apenas de ser um assunto puramente geológico,estudado por religiosos e cientistas estranhos à área (Físicos, Matemáticos, Paleontólogos e Geocronólo-gos), tentando soluções sem base estratigráfica. Os sistemas de pesos e medidas conhecidos (MKS, CGS, SI.) têm seu valor-padrão aqui na Terra.Se o padrão for o giro do globo, os relógios poderão ser acertados por ele e não ao contrário, como se pro-cede atualmente. O giro do globo ao redor do seu eixo tem precisão rigorosa para o funcionamento do diaa dia humano. Nunca poderemos construir um relógio mais preciso e perfeito que o movimento de rotaçãodo planeta. O grande mérito será o de facilitar todo o conhecimento da ciência e da previsão do futuro dahumanidade aqui na Terra. O tempo geológico (tempo natural) é diferente do tempo humano por ter uma abrangência muitomaior em todos os sentidos: é o tempo registrado na própria estrutura da Terra e é representado pela espes-sura das diversas formações geológicas que formam a litosfera. Ele pode ser redimensionado, sem depender de determinações paleontológicas ou geocronológi-cas, governado apenas pelos seus contatos na sucessão vertical, dentro da Segunda Lei da Sedimentação.Realmente, a confusão sobre o tempo geológico baseado na existência ou não de fósseis ou em número deanos, como faz a chamada geocronologia, denota apenas que é errado proceder dessa maneira, e por issoos métodos devem ser abandonados. Nem os fósseis, nem os minerais datam as rochas. Ao contrário: ambos são datados pelas rochas. O tempo geológico é marcado pela sucessão vertical das rochas que formam a litosfera ou crostaterrestre e não implica número de anos. A crosta é formada de onze camadas, correspondentes a períodosde tempo e estão distribuídos em duas eras: antes e depois da fragmentação continental (Fig. 1.1). Antes da fragmentação, ao tempo do continente original, sedimentaram cinco formações geológi-cas correspondentes a cinco períodos de tempo. Após o grande abalo sísmico na Terra, que fragmentou osupercontinente, surgiram mais seis formações que determinaram períodos de tempo correspondentes. Omecanismo de sedimentação de cada formação é explicado no capítulo “História Geológica”. 12
  5. 5. Tempo Esse Desconhecido Dessa maneira, sendo onze as formações que formam o arcabouço do subcontinente sul-ameri-cano, são onze também os períodos do tempo geológico. As eras, que são compostas de períodos, foramtrês. A primeira não foi registrada como rocha e por isso foi chamada de Prepangaeiânica, isto é, o tempoda Terra ainda em estado incandescente. A segunda era é aquela correspondente à existência do monocon-tinente e por isso chamada de Pangaeiânica, e corresponde ao tempo da existência de Pangaea como foibatizada por Alfred Wegener13 (1880-1930), a grande ilha original, em seu trabalho de 1912: “Die Ents-tehung der Kontinente und Ozeane”. Finalmente a terceira era foi chamada de Atlantiânica, levando emconta que foi nesse tempo que se realizaram os movimentos que determinaram o aparecimento do OceanoAtlântico, ou quando se fragmentou o supercontinente. Calendários Todos os calendários são baseados em festas religiosas e cada povo tem o seu. Entretanto é pos-sível conceber um calendário único baseado nos movimentos da Terra. O ano tropical é o ano natural marcado em dois pontos definidos na órbita da Terra: os equinóciosnos nós de subida e de descida verificados na translação. Escolhendo-se um deles, o nó de descida ou onó de subida para início e fim do ano. Qualquer programa de computador poderá dividir esse tempo emnúmero exato de dias, semanas e meses e uniformizar um calendário universal sem referências às festasde cada povo. Essas datas seriam recolocadas no novo calendário, sem quebrar qualquer tradição. Os calendários, por não serem um problema geológico, são aqui abandonados para serem estuda-do por outros cientistas. 13

×