MOLDAGEM E ENSAIOS EM LABORATÓRIO DE BLOCOS PARA       ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM MATERIAL RECICLADO       Maria Pessoa BARR...
1.      INTRODUÇÃOA Construção Civil é reconhecida como uma das mais importantes atividades para o desenvolvimentoeconômic...
Redução no consumo de recursos naturais não – renováveis, quando substituídos por resíduos reciclados     (JONH, 2000).   ...
Em seguida com a ajuda de uma pá foi colocado o concreto na forma, o adensamento utilizado foi o manual,o processo de cura...
Figura –7 Planta baixa e vista frontal da CASA 1.0 da ABCP.Considerando um 1 (um) bloco com dimensões de 10x20x40 foram ne...
5.       CONCLUSÃOTendo em vista a fase inicial dos estudos relacionados ao tema os resultados são animadores no tocante a...
SARMENTO, A. S. M.; BARROS, M. P.; NÓBREGA, L. O. Estudos iniciais sobre a confecção de concretocom material reciclado – D...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Art moldagem e ensaios em laboratório de blocos para alvenaria de vedação barros, nóbrega e cunha (2009)

639 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
639
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Art moldagem e ensaios em laboratório de blocos para alvenaria de vedação barros, nóbrega e cunha (2009)

  1. 1. MOLDAGEM E ENSAIOS EM LABORATÓRIO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO COM MATERIAL RECICLADO Maria Pessoa BARROS (1); Luciano de Oliveira NÓBREGA (2); Alexandre Machado CUNHA (3) (1) IFAL – Campus Palmeira dos Índios, Av. Alagoas S/N Palmeira dos Fora CEP 57608-180 Palmeira dos Índios/AL, (82) 3421-3282, e-mail: mariapessoabarros@hotmail.com (2) IFAL – Campus Palmeira dos Índios, e-mail: elonluciano@hotmail.com (3) CEFET/AL – UNED Palmeira dos Índios, e-mail: acmachado@gmail.comRESUMOA Indústria da Construção Civil ainda é uma grande geradora de impactos ambientais durante o processo defabricação de alguns de seus insumos ou mesmo em etapas construtivas que geram desperdícios e grandemonta de entulhos. Especificamente, na produção de blocos cerâmicos para alvenaria de vedação, há uma umimpacto direto à natureza, por seguir processos produtivos de materiais baseados na produção de dióxido decarbono, através da queima de madeira nativa ou mesmo de combustíveis fosseis. Alem disso, nos processosconstrutivos convencionais há uma grande produção de entulhos em razão de quebra de blocos e inexistênciade cuidados relacionados à modulação dos elementos. A reciclagem dos resíduos gerados pela construçãocivil se apresenta como perfeitamente viável uma vez que é possível triturar mais de 90% do entulho(argamassas e componentes de vedação), para ser utilizado como agregado, na produção de argamassas ecomponentes de construção. A partir de estudos realizados em pesquisas correlatas para a caracterização dosresíduos de construção de empresas do agreste alagoano, desenvolvido pelo grupo de pesquisa de SistemasConstrutivos com Tecnologia Sustentável observou-se a aplicabilidade de agregados reciclados para diversasaplicações de argamassas e concretos. O trabalho aqui descrito mostra a utilização de material provenientedos resíduos da construção civil para a produção de blocos de concreto para alvenaria de vedação. Os blocosforam confeccionados com dimensões 10x20x40 com o traço definido a partir de estudos anteriores baseadosno método de dosagem da ABCP. O procedimento de moldagem dos blocos seguiu a metodologia deempresas locais com moldagem e adensamento manual. Apresentam-se aqui alguns resultados preliminaresde ensaios realizados em laboratório.Palavras-chave: Reciclagem, Argamassa e Concreto, Blocos de Vedação.
  2. 2. 1. INTRODUÇÃOA Construção Civil é reconhecida como uma das mais importantes atividades para o desenvolvimentoeconômico e social, e, por outro lado, comporta-se, ainda, como grande geradora de impactos ambientais,quer seja pelo consumo de recursos naturais, pela modificação da paisagem ou pela geração de resíduosPINTO, 1999). Esses resíduos são formados pelo desperdício de materiais da construção, por usar processosconstrutivos obsoletos e não racionalizados, provocando quebra de elementos construtivos e retrabalhos paraa instalação de subsistemas. Citemos aqui o exemplo de alvenaria de blocos cerâmicos vazados que durante oprocesso de execução de alvenaria usa o meio bloco oriundo da quebra de unidades inteiras, alem disso, apósa sua execução quase sempre são feitos rasgos para embutimento das instalações elétricas e hidráulicasgerando grande volume de resíduos.Em reformas a situação se repete gerando resíduos e materiais que são lançados indevidamente em locaissem nenhum tipo de controle ambiental. Uma maneira de minimizar os problemas causados por essasquestões é a reciclagem do entulho na produção de elementos construtivos que substituam os blocos decerâmica convencionais.A reciclagem de resíduos e demolição (RCD) como material de construção civil iniciou na Europa após asegunda guerra mundial, encontra-se no Brasil muito atrasada, apesar da escassez de agregados e área deaterros nas grandes regiões metropolitanas, especialmente se comparada com países europeus, onde a fraçãoreciclada pode atingir cerca de 90% recentemente, como é o caso da Holanda (DORSTHORST;HENDRIKS, 2000).O projeto de pesquisa proposto aqui trata da utilização de material reciclado, proveniente dos resíduos daconstrução civil, na confecção de blocos de concreto para alvenaria de vedação com dimensões de 10x20x40a serem usados na execução de alvenaria de vedação. Foram seguidas as etapas de coleta, trituração,separação e confecção de argamassa com resíduos de empresas da região, descritos em trabalhos correlatos(SARMENTO et. al., 2008)2. IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEMA reciclagem de resíduos e demolição (RCD) para argamassas e concretos já foi estudada e tem se mostradoviável em estudos brasileiros do ponto de vista tecnológico e econômico. Entretanto, a avaliação do riscoambiental não foi avaliada (LEVY, 1997; MIRANDA, 2000; HAMASSAKI et al. 1997; ZORDAN, 1997;BARRA, 1996; MORALES, ANGULO, 2000).Segundo Carneiro et. al. 2001, os agregados obtidos na reciclagem do entulho são mais porosos que osnaturais, o que implica uma absorção de água elevada. Por outro lado, os resíduos de construção recicladosapresentam componentes com algumas propriedades relevantes para o desempenho de materiais deconstrução com partículas não – inertizadas, que ainda irão reagir com partículas de cal que estarãodisponíveis para novas reações.3. BENEFÍCIOS AMBIENTAISCom a intensa industrialização, aparecimento de novas tecnologias, crescimento populacional e aumento depessoas em centros urbanos e diversificação do consumo de bens e serviços, os resíduos se transformaramem graves problemas urbanos com um gerenciamento oneroso e complexo considerando-se volume e massaacumulado. O problema se caracteriza por escassez de área de deposição de resíduos causada pela ocupaçãoe valorização de áreas urbanas, alto custos sociais no gerenciamento de resíduos, problemas de saneamentopublico e contaminação ambiental (JONH, 1999; JOHN, 2000; BRITO, 1999; GUNTHER, 2000;PINTO,1999).Desta forma, a reciclagem na construção civil pode gerar inúmeros benefícios ambientais citados abaixo:
  3. 3. Redução no consumo de recursos naturais não – renováveis, quando substituídos por resíduos reciclados (JONH, 2000). Redução de áreas necessárias para aterro, pela minimização do volume de resíduos pela reciclagem. Destaca-se aqui a necessidade da própria reciclagem dos resíduos de construção e demolição, que representam mais de 50% da massa dos resíduos sólidos urbanos (PINTO, 1999). A diminuição e a prevenção de riscos na saúde pública.4. PRODUÇÃO DOS BLOCOSPara a produção dos blocos foi realizada a coleta do entulho em conjunto com alunos de projetos de pesquisadesenvolvidos na mesma área com o objetivo de utilizá-lo para a confecção de blocos de vedação, emseguida foi feita a tritura manual desses entulhos e a separação granulométrica usando as peneiras de 4,8mm; 9,0 mm e 19 mm, obtendo-se assim areia fina, brita 0 e brita 1 que será utilizada para a moldagem dosblocos, como mostra a figura 1 abaixo: Figura – 1- Agregados reciclados produzidos através do peneiramento e trituração manual.Em parceria com a bolsista do projeto de pesquisa Confecção de Concreto com Material Reciclado, foi feitoo estudo de dosagem de acordo com o método da ABCP para definir o traço. Logo após foi realizado oensaio abatimento do tronco de cone e moldagem dos corpos de prova para avaliar a resistência do concreto.Os blocos foram confeccionados numa empresa da região, primeiro foi feito o concreto manualmente comomostra a figura 2 abaixo: Figura – 2- Mistura do material
  4. 4. Em seguida com a ajuda de uma pá foi colocado o concreto na forma, o adensamento utilizado foi o manual,o processo de cura dos blocos deu-se de acordo com os costumes da empresa onde foram confeccionados,depois de moldados, os blocos permaneceram por 48 horas no local da moldagem, sendo que de três em trêshoras eles eram molhados, passando esse período os blocos foram colocados ao relento para completar oprocesso de cura. (ver figuras 3 e 4).Figura – 3- Colocação do concreto na fôrma. Figura – 4- Adensamento manual.Após este processo os blocos foram conduzidos para o laboratório de solos e materiais de construção doIFAL Campus Palmeira dos Índios, onde foram pesados e colocados em um tanque de cura com água atécerta altura simulando a condição real, após 15 dias submersos em água realizou-se a pesagem dos blocospara encontrar a quantidade de absorção de água. (ver figuras 5 e 6).Figura – 5- Blocos submersos em água. Figura – 6- Peso úmido do bloco.Com o intuído de avaliar o beneficio ambiental gerado pela reciclagem de entulhos, fez-se um estudo sobre aquantidade de material retirado dos meios comuns para reaproveitamento na confecção de blocos. Para tanto,tomou-se como base o projeto de edificação popular conhecido como CASA 1.0, difundido pela ABCP. Afigura 7 mostra a planta baixa e a fachada frontal do projeto no qual se observou a utilização de 1560 blocospara a sua execução.
  5. 5. Figura –7 Planta baixa e vista frontal da CASA 1.0 da ABCP.Considerando um 1 (um) bloco com dimensões de 10x20x40 foram necessários os seguintes materiais comomostra a tabela 1abaixo: Tabela 1 – Volume e quantidade de material para confeccionar o bloco. Bloco com material reciclado Volume do 0,0928 cm³ bloco Volume do bloco Volume total Quantidades 1560 de blocos Cimento: 1,2Kg Cimento: 1872 Kg Volume Areia: 2,65Kg Areia: 4134 Kg 144,76 cm³ total Brita: 3,10Kg Brita: 4836 Kg
  6. 6. 5. CONCLUSÃOTendo em vista a fase inicial dos estudos relacionados ao tema os resultados são animadores no tocante aprodução de blocos com o material reciclado. Observa-se que para uma simples edificação de pequeno porte,evita-se a disposição de cerca de 4130 kg de areia e 4836 kg de brita em locais inadequados permitindo oreaproveitamento de materiais e economia de recursos naturais. Desta forma os estudos aqui apresentadosdemonstram a aplicabilidade da reciclagem de entulho na produção de blocos para alvenaria de vedação.Estudos relativos à realização de ensaios de resistência dos blocos serão realizados em pesquisas futuras oque de certa forma irão fomentar produção de blocos em quantidade suficiente para incentivar o seu uso emedificações reais na região de Palmeira dos Índios/AL.REFERÊNCIASBRITO, J.A. Cidade versus entulho. In: SEMINARIO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ARECICLAGEM NA CONSTRUÇÃO CIVIL, 2. São Paulo, 1999. Anais. São Paulo, Comitê Técnico CT206Meio Ambiente (IBRACON), 1999.DORSTHORST, B. J. H.; HENDRIKS, Ch. F. Re- use of construction and demolition waste in the EU. In:CIB Symposium: Construction and Environment- theory into practice, São Paulo, 2000. Proceedings. SãoPaulo, EPUSP, 2000.GUNTHER, W. M. R. Minimização de resíduos e educação ambiental. In: SEMINÁRIO NACIONAL DERESIDUOS SOLIDOS E LIMPEZA PUBLICA, 7. Curitiba, 2000. Anais. Curitiba, 2000.HAMASSAKI, L. T. et al. Uso do entulho como agregado para argamassas de alvenaria. In: RECICLAGEMNA CONSTRUÇAO CIVIL, ALTERNATIVA ECONOMICA PARA PROTEÇAO AMBIENTAL. SãoPaulo, 1997. Anais. São Paulo (EPUSP), 1997.JONH, V. M. J. Panorama sobre a reciclagem de resíduos na construção civil. In: SEMINARIODESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL E A RECICLAGEM NA CONSTRUÇAO CIVIL, 2., São Paulo,1999. Anais. São Paulo, IBRACON, 1999.JONH, V. M. Reciclagem de resíduos na construção civil – contribuição à metodologia de pesquisa edesenvolvimento. São Paulo, 2000. 102p. Tese (livre docência) – Escola Politécnica, Universidade de SãoPaulo.LEVI, S. M. Reciclagem do entulho da construção civil, para utilização com agregados para argamassas econcretos. São Paulo, 1997. 147p. Dissertação (Mestrado) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.MIRANDA, L. F. R. Estudo de fatores que influem na fissuração de revestimentos de argamassa comentulho reciclado. São Paulo, 2000. 172p. Dissertação (Mestrado) – Escola Politécnica, Universidade de SãoPaulo.MORELES, G.; ÂNGULO, S.C. Produção de concreto de cimento portland utilizando entulho de obrareciclado. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUIDO, 7.Salvador, 2000. Anais. Salvador, ANTAC, 2000.PINTO, T. P. Metodologia para a gestão diferenciada de resíduos sólidos da construção urbana. São Paulo,1999. 189p. Tese (Doutorado) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.
  7. 7. SARMENTO, A. S. M.; BARROS, M. P.; NÓBREGA, L. O. Estudos iniciais sobre a confecção de concretocom material reciclado – Dosagem e ensaios em laboratório. IFAL Campus Palmeira dos índios - Alagoas,2008.ZORDAN, S. E. A Utilização do Entulho como Agregado na Confecção do Concreto. Campinas:Departamento de Saneamento e Meio Ambiente da Faculdade de Engenharia Civil, Universidade Estadual deCampinas. Dissertação (Mestrado), 1997. 140p.

×