5 fungi

802 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
802
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
208
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

5 fungi

  1. 1. Reino Fungi
  2. 2. <ul><li>Os Fungos constituem um grupo de organismos muito importantes, diversificado e curioso. </li></ul><ul><li>Conhecem-se mais de 60000 espécies, a maioria das quais terrestres. </li></ul><ul><li>A origem dos fungos não é bem conhecida. Provavelmente descende de ancestrais protistas. </li></ul>
  3. 3. Em que diferem os Fungos dos outros organismos? Como se reproduzem?
  4. 4.
  5. 5.
  6. 6.
  7. 7. Características gerais dos Fungos <ul><li>Os fungos seres eucariontes, podem ser unicelulares, como as leveduras, mas a maioria é multicelular. </li></ul><ul><li>Muitas vezes as células dos fungos possuem uma parede celular, pelo menos em alguns estádios do seu ciclo de vida. </li></ul><ul><li>No entanto, essa parede tem composição química diferente da constituição da parede celular das plantas. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A parede celular dos fungos, quando existe, é formada por quitina, um polissacarídeo que se encontra também na carapaça de muitos animais como, por exemplo, nos insectos. </li></ul><ul><li>Contrariamente às plantas, os Fungos não possuem pigmentos fotossintéticos nem cloroplastos. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Numa classificação em dois reinos os Fungos são incluídos no Reino das Plantas, mas actualmente constituem um reino próprio, pois diferem das Plantas não só pela organização estrutural como pelo tipo de nutrição e reprodução . </li></ul>
  10. 10. Organização Estrutural <ul><li>Os fungos multicelulares são constituídos por uma rede de filamentos ramificados chamados hifas . Estas contêm citoplasma e núcleo que podem apresentar diferentes formas. </li></ul>
  11. 11. HIFAS Podem ser Hifas septadas Hifas não septadas Monocarióticas (com um só núcleo) Dicarióticas (com dois núcleos) são Cenocíticas (muitos núcleos)
  12. 12. Núcleo Septo
  13. 13. <ul><li>As hifas dos fungos iniciam-se como formações tubulares a partir de esporos, ramificando-se repetidamente. </li></ul><ul><li>Constituem assim uma rede mais ou menos densa de filamentos que formam o micélio . </li></ul>
  14. 14.
  15. 15. Micélio com hifas septadas
  16. 16. Micélio com hifas não septadas
  17. 17. <ul><li>Em muitos fungos as hifas possuem septos que delimitam compartimentos correspondentes a células. </li></ul><ul><li>Nestas hifas septadas o citoplasma das diferentes células comunica entre si através de poros, por vezes largos, existentes nos septos. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Quando nas hifas septadas existe apenas um núcleo em cada célula, as hifas dizem-se monorióticas , designando-se por dicarióticas se existem dois núcleos em cada compartimento. </li></ul><ul><li>Se não existem septos – hifas asseptadas -, o citoplasma é contínuo ao longo do micélio, com centenas ou milhares de núcleos dispersos. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Por este motivo estas hifas designam-se por hifas cenocíticas , que são multinucleadas. </li></ul><ul><li>A estrutura cenocítica resulta da divisão repetida do núcleo sem ocorrer a divisão do citoplasma. </li></ul><ul><li>O aspecto filamentoso do micélio confere-lhe uma grande superfície, através da qual se realiza a absorção dos nutrientes. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Além disso, o micélio estende-se rapidamente em todas as direcções através da fonte de alimento. </li></ul><ul><li>Por vezes as hifas organizam-se formando corpos compactos como, por exemplo, os cogumelos. </li></ul>
  21. 21. Nutrição dos fungos <ul><li>Os Fungos são seres heterotróficos que obtêm o alimento por absorção. </li></ul><ul><li>Os diferentes processos de obtenção dos compostos orgânicos permitem considerar diferentes tipos de fungos. </li></ul>
  22. 22. Fungos saprófitos <ul><li>Muitos fungos vivem sobre matéria orgânica, onde parte do micélio cresce por cima da fonte de alimento, originando estruturas reprodutoras. O resto do micélio desenvolve-se no interior do substrato, provocando a sua decomposição. </li></ul><ul><li>As hifas segregam enzimas hidrolíticas que lançam sobre o alimento, ocorrendo uma digestão extracorporal, em que as moléculas complexas são decompostas em moléculas simples que, posteriormente são absorvidas. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>Após a absorção os nutrientes passam através das hifas para todo o organismo. </li></ul><ul><li>Estes fungos, sendo decompositores, são muito úteis, uma vez que, nos ecossistemas, decompõem cadáveres e os resíduos orgânicos dos seres vivos. </li></ul><ul><li>Tornam-se, porém, prejudiciais quando atacam alimentos úteis para o Homem, como frutos, pão queijo, etc. </li></ul>
  24. 24. Fungos simbiontes <ul><li>Muitos fungos estabelecem uma relação de simbiose com outros organismos. </li></ul><ul><li>Recebem o alimento desses organismos, podendo haver benefício recíproco, tendo o organismo com que se associam qualquer vantagem na associação. </li></ul>
  25. 25. Fungos parasitas <ul><li>Existem ainda fungos parasitas, que recebem o alimento do corpo do hospedeiro, prejudicando-os e causando-lhes, por vezes doenças. </li></ul>
  26. 26. Reprodução dos fungos <ul><li>Grande parte dos fungos apresenta dois tipos de reprodução: </li></ul><ul><li>- reprodução assexuada </li></ul><ul><li>- reprodução sexuada </li></ul>
  27. 27. Reprodução assexuada <ul><li>Fragmentação – o micélio pode dividir-se, originando cada fragmento em novo fungo. </li></ul><ul><li>Gemiparidade – verifica-se em fungos unicelulares como as leveduras. Após a divisão do núcleo por mitoses, forma-se uma pequena gema onde se localiza um dos núcleos. Separam-se depois duas células de dimensões diferentes: uma muito pequena e outra englobando a maior parte do citoplasma. </li></ul>
  28. 28. <ul><li>Esporulação – na formação assexuada de esporos os núcleos são produzidos mitoticamente. Podendo formar-se a partir de células chamadas esporângeos ou a partir de hifas especializadas. </li></ul>
  29. 29. Importância ecológica e económica dos Fungos <ul><li>Os Fungos podem estabelecer diferentes relações ecológicas, desempenham um papel primordial no funcionamento dos ecossistemas. </li></ul><ul><li>Como já vimos, muitos são decompositores indispensáveis, outros estabelecem relações simbióticas com diferentes organismos, havendo muitos fungos parasitas que causam doenças variadas em plantas e animais. </li></ul>
  30. 30. <ul><li>Muitos fungos têm um valor económico considerável, sendo utilizados não só na alimentação como também em diferentes indústrias. </li></ul>
  31. 31. Fungos saprófitos <ul><li>Os ecossistemas terrestres teriam colapsado sem a presença de fungos e bactérias. Estes organismos decompõem os cadáveres, as folhas mortas, as fezes e outros materiais orgânicos, reciclando assim elementos químicos vitais como o carbono, o azoto e o fósforo sob a forma de compostos minerais que podem ser utilizados por outros organismos. </li></ul>
  32. 32. <ul><li>Muitos fungos saprófitos decompõem materiais orgânicos importantes para o Homem, causado, por isso, prejuízos consideráveis. </li></ul><ul><li>Algumas espécies atacam o pão, os frutos e outros alimentos, decompõem o papel, estruturas de madeira, tecidos, etc. </li></ul>
  33. 33. <ul><li>Há uma diversidade de fungos saprófitos que são comestíveis, constituindo uma iguaria muito apreciada. É de salientar, porém, que muitas espécies de fungos são altamente venenosas, podendo causar a morte. </li></ul>
  34. 34. <ul><li>Não é fácil nem existem regras válidas para distinguir espécies comestíveis de espécies venenosas, que, por vezes, são muito semelhantes no aspecto. Só um conhecimento aprofundado dos fungos permite fazer a sua identificação. </li></ul><ul><li>Por segurança, devem consumir-se apenas fungos produzidos em culturas. </li></ul>
  35. 35. <ul><li>Muitos fungos têm larga aplicação industrial. </li></ul><ul><li>Basta citar a importância das leveduras – Saccharomyces cervisiae , por exemplo – na produção de cerveja, do vinho, do fabrico do pão, etc. Estas leveduras são anaeróbicas facultativas. Na ausência do oxigénio provocam a fermentação alcoólica, transformando a glicose em álcool e libertando o dióxido de carbono. </li></ul>
  36. 36. <ul><li>Quando se mistura fermento (leveduras) à massa para fabricar o pão, o metabolismo dessas leveduras provoca a libertação de dióxido de carbono que faz a massa levedar, tornando o pão mais fofo e agradável. O álcool formado nessa fermentação também se liberta durante a cozedura. </li></ul>
  37. 37. <ul><li>O sabor único de queijos célebres como o Roquefort e o Camenbert é produzido por acção de fungos especializados. </li></ul><ul><li>A indústria farmacêutica usa fungos para produzir antibióticos. </li></ul><ul><li>Em 1928 Alexander Fleming, um bacteriologista inglês, acidentalmente descobriu que um fungo do género Penicillium produz um antibiótico que, por isso, foi chamado penicilina. </li></ul>
  38. 38. Fungos simbiontes <ul><li>Estes fungos estabelecem relações com organismos produtores, permitindo que estes possam colonizar habitats que, isoladamente, não podiam ocupar, ou tornando-os mais eficientes em locais com condições para a sobrevivência. </li></ul><ul><li>Nos fungos simbiontes destacaremos os líquenes e micorrizos. </li></ul>
  39. 39. <ul><li>- Líquenes – A grande variedade de líquenes, cerca de 20000 espécies, é constituída pela associação de cianobactérias ou de clorófitas com um entrelaçado de hifas de um fungo. </li></ul><ul><li>Algumas hifas especializadas penetram nas células da alga ou da cianobactéria, captando nutrientes. As células fotossintéticas produzem compostos orgânicos que o fungo não pode produzir. </li></ul>
  40. 40. <ul><li>Ignora-se se a alga recebe algum benefício recíproco. </li></ul><ul><li>Geralmente os líquenes são muitos sensíveis à poluição do ar, não sendo comuns nas zonas industrializadas. Por isso, são bons indicadores biológicos da poluição atmosférica. </li></ul>
  41. 41.
  42. 42. <ul><li>Micorrizos – são associações simbióticas de fungos com as raízes de plantas. Cerca de 90% das grandes árvores têm micorrizos, bem como a maioria das plantas vasculares mais pequenas. </li></ul><ul><li>Em algumas destas associações certas hifas do fungo penetram nas células das raízes mais delicadas, ficando o resto do micélio no solo circundante. </li></ul>
  43. 43. <ul><li>Os micorrizos são associações altamente benéficas para ambas as partes. </li></ul><ul><li>O fungo capta do solo materiais como fósforo, cobre, zinco, água e outros nutrientes. Além disso, a massa de hifas funciona como esponja, mantendo abundante humidade em torno da raiz. </li></ul>
  44. 44. <ul><li>A planta fornece ao fungo compostos orgânicos, como por exemplo, açucares e aminoácidos. </li></ul><ul><li>As plantas com micorrizos parecem ser mais resistentes que as outras à seca, à falta de nutrientes, ao frio e possivelmente aos efeitos das chuvas ácidas. </li></ul>
  45. 45. <ul><li>Os micorrizos têm sido encontrados em fósseis das plantas mais antigas com raiz, o que leva a especular que eles poderão ter auxiliado as plantas vasculares na colonização dos solos inorgânicos. </li></ul>
  46. 46.
  47. 47.
  48. 48.
  49. 49. Fungos parasitas <ul><li>Existem muitos fungos parasitas do Homem e de outros animais, sendo a causa mais importante de doenças nas plantas. </li></ul><ul><li>Todas as plantas são aparentemente susceptíveis de alguma infecção causada por um fungo. </li></ul><ul><li>Por vezes a doença localiza-se em alguns tecidos ou órgãos, outras vezes afecta a planta inteira, podendo mesmo provocar a sua morte. </li></ul>

×