12647998 alzheimer

475 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
475
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • uma diminuição geral do tamanho do cérebro, em resultado da perda de neurónios do córtex cerebral. As circunvoluções tornam-se mais estreitas e os sulcos mais largos. Os ventrículos que contêm o líquido cefaloraquidiano estão visivelmente ampliados. (Ilustração 1)
  • reuniões, nomes dos colegas e familiares o que pode interferir com as actividades profissionais e sociais. Estas pessoas esquecem-se assim, mais frequentemente das coisas, não se lembrando delas mais tarde
  • D. Ling- nos quais as pessoas podem esquecer as palavras mais simples ou alterá-las por palavras desadequadas / mobili// - manifesta pelo decréscimo na capacidade em manipular objectos como: escova de dentes, pente e utensílios domésticos
  • Foram descritas várias mutações nessas famílias, em cromossomas 21, 14, 1 e provavelmente 12.
     
    Formas específicas do gene para a proteína apoliproteina E, localizado no cromossoma 19, a apoliproteina E, pode estar relacionada no transporte e na posição dos fragmentos amilóides. A presença de apoliproteina E4, representa um forte de risco
  • onde se localiza o gene para a proteína percursora do amilóide (PPA) e, portanto, possuem 50% de capacidade a mais de gerar a fonte da proteína ß- amilóide, constituinte primário das placas amilóides que se depositam no cérebro com doença de Alheies.
    porém não há evidências directas que liguem a exposição física a esses metais com a doença.
     
  • constituem um efeito protector pelo desenvolvimento de conexões neuronais em maior número, na medida em que há estimulação a nível cognitivo. Esta função permite atrasar o aparecimento dos sintomas através de processos de compensação.
    aines– células gliais activadas na periferia das placas – que ocorre ao nível das placas senis. Ainda não esta comprovado
  • Numa primeira análise, o gráfico 1 permite verificar o constante aumento ocorrido desde 1980, no ano em que não se registaram óbitos provocados pela doença de Alheies.
     
    De 1999 (496 óbitos) para 2000, registou-se um acréscimo superior a 24% a nível nacional.
    No ano 2000, verificam-se 616 óbitos por esta causa de morte, dos quais 349 foram do sexo feminino.
  •  
    Em 2000, mais de 69% dos óbitos pela doença de Alheies (426), ocorreram em indivíduos incluídos no grupo etário dos 70 aos 89 anos (cerca de 66%, em 1999).
     
    Neste grupo etário, verificou-se um aumento de óbitos por esta doença, superior a 29%, entre 1999 e 2000.
  • apolipoproteina aumentada, constitui um indicador que nos pode levar a suspeitar da doença. (exames laboratoriais)
  • O objectivo do tratamento, consiste em controlar os sintomas mais incómodos e estimular o treinamento familiar para se aprender a lidar com pessoa doente. Visitas regulares ao médico ajudarão a monitorizar condições do paciente, verificando se existem outros problemas de saúde que devam ser tratados
  • Como os portadores da doença de Alheies possuem níveis reduzidos de acetilcolina, um modo de controlar o problema é evitar que a pequena quantidade de acetilcolina produzida seja degradada pela enzima responsável pela sua destruição, impedindo a acção da enzima através dos seus inibidoresÉ um tratamento dos sintomas cognitivos e não cognitivos.
  • (agitação, ansiedade, depressão, alucinações, confusão e insónia)
    menor dose possível e pelo tempo estritamente necessário, pois muitos dos mediamentos para controlo da agitação e agressividade podem piorar a confusão mental ou deixar a pessoa rígida, trazendo dificuldades para a movimentação.
  • 12647998 alzheimer

    1. 1. 11 ALZHEIMERALZHEIMER
    2. 2. 2 Definição Fisiopatologia Fases e sinais de alerta Risco e Protecção Epidemiologia Prevenção de acidentes Diagnóstico Tratamento Estudo de caso
    3. 3. 3 DEFINIÇÃODEFINIÇÃO A doença de Alzheimer:A doença de Alzheimer:  Relacionada com a idade;  Forma mais frequente das demências degenerativas;  Etiologia desconhecida,  Instalação insidiosa;  Agravamento progressivo, lento e irreversível.
    4. 4. 4 Começa por aniquilar a memória e, subsequentemente, as outras funções mentais, determinando a completa ausência de autonomia. Os doentes tornam-se incapazes de realizar qualquer tarefa, perdem-se, deixam de reconhecer o rosto dos familiares, ficam incontinentes e quase sempre acabam acamados, sobrevivendo entre 2 a 15 anos.
    5. 5. 55 FISIOPATOLOGIAFISIOPATOLOGIA ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS
    6. 6. 6 Nas alterações estruturais pode mencionar-se um emaranhado neurofibrilar e placas senis. O emaranhado é constituído por neurónios anormais cujo citoplasma possui fragmentos de proteínas anormais - filamentos de hélice emparelhadas. A placa senil é um cacho de nervos terminais degenerativos cujo o axónio e os dendritos contêm proteína amilóide.
    7. 7. 7 Estas placas e o emaranhado encontram-se localizados em áreas de células que se perdem no cérebro da pessoa com esta patologia. Estas áreas não são mais do que a associação de áreas neocorticais e do hipocampo sendo responsáveis pelo declínio cognitivo.
    8. 8. 8 Cérebro (normal e com doença de Alzheimer)
    9. 9. 99 FISIOPATOLOGIAFISIOPATOLOGIA ALTERAÇÕES NEUROTRANSMISSORAS
    10. 10. 10 Correspondem a um declínio dos neurónios colinérgicos no núcleo basal, que conduz à perda da acetilcolina transferase no neocortex e hipocampo. São ainda afectados o “locus Cereleus” noradrenérgico e o serotonérgico dorsal na junção nuclear do tronco cerebral.
    11. 11. 11 FASES E SINAIS DE ALERTAFASES E SINAIS DE ALERTA Encontram-se divididos em três estágios: Estágio inicialEstágio inicial (período de 1 a 3 anos) A pessoa apresenta-se um pouco confusa e esquecida constituindo os distúrbios da memória, o primeiro sinal de aviso da doença.
    12. 12. 12 No esquecimento característico da doença de Alzheimer verifica-se: Dificuldades com o raciocínio; Dificuldades com a linguagem. O treino não leva a uma melhoria, havendo muitas vezes uma certa indiferença.
    13. 13. 13 Outras dificuldades:  Em executar as tarefas domésticas;  Em relação à sua higiene pessoal;  Orientação espacial é prejudicada fora do seu ambiente familiar;  Orientação temporal pode sofrer alterações.
    14. 14. 14 Segundo estágioSegundo estágio (período de 2 a 10 anos) Distúrbios da linguagem, o que origina um discurso de difícil compreensão; Distúrbio motor (apraxia) é também um sinal característico desta fase; Dificuldade na mobilidade física;
    15. 15. 15  Perambulação nocturna e inquietação motora com marcha frequente;  Agravamento do estado de confusão (com diminuição progressiva das relações sociais);  Pode ocorrer incontinência urinária e fecal.
    16. 16. 16 Terceiro estágio (período de 8 a 12 anos)  Agravamento dos sintomas que levam a uma incapacidade em se reconhecer a si próprio e aos familiares;  Dificuldade para cuidar de si, afasia, comportamento distraído, alheado e apático, variações do humor com alternância de estados de ansiedade e agitação e fases de depressão.
    17. 17. 17 O movimento voluntário é diminuto verificando-se rigidez dos membros com postura flectida; Perda total de independência.
    18. 18. 18 Alterações nos exames auxiliares de diagnóstico EEG TC/IRM TEP/TCEUF Est. 1 Normal Normal Hipometabolismo – parietal – posterior. Est. 2 Lentidão do ritmo Normal ou dilatação ventricular e ampliação de sulco; Hipometabolismo parietal bilateral e frontal/hiperfusão. Est. 3 Difusamente lento; Dilatação ventricular e aumento do sulco; Hipometabolismo parietal bilateral e frontal/hipoperfusão
    19. 19. 19 FACTORES DE RISCOFACTORES DE RISCO IdadeIdade Aumento exponencial de prevalência e incidência da doença com o avançar da idade; SexoSexo Prevalência é mais elevada no sexo feminino; Traumatismos cranianosTraumatismos cranianos
    20. 20. 20 Factores hereditários Quando um dos familiares em 1º grau teve uma demência o risco de desenvolver doença de Alzheimer é duas vezes maior; Idade materna Filhos de mães com mais de 40 anos, podem ter mais tendência a problemas demenciais na terceira idade;
    21. 21. 21 Factores genéticos Em cerca de 7% dos casos, a doença de Alzheimer é de família, com transmissão genética do autossómico dominante; Síndrome de Down Indivíduos com síndrome de Down têm cópia extra de cromossoma 21;
    22. 22. 22 Factores de risco vascular Risco acrescido de doença de Alzheimer; Metais O Al e o Zn têm sido associados às alterações do tecido cerebral;
    23. 23. 23 Outros factores Antecedentes psiquiátricos, os solventes orgânicos, o síndrome de apneia do sono, vírus do herpes, anestesia geral, tabaco...
    24. 24. 24 Factores de protecçãoFactores de protecção Altos níveis de instrução Nível académico e sócio-cultural Antioxidantes A ingestão regular de medicamentos com acção antioxidante (ex: vitamina E), podem retardar a progressão clínica da doença de Alzheimer, no 2º estágio da doença.
    25. 25. 25 AINE’s O seu consumo regular num período de mais de 2 anos, diminui a probabilidade de aparecimento da doença, através de um mecanismo inflamatório; Estrogénios As mulheres que usam estrogénio (reposição hormonal) podem apresentar menores taxas de doença de Alzheimer.
    26. 26. 26 EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA O envelhecimento da população, fenómeno observado em todos os países ocidentais, está na origem do acréscimo do n.º de indivíduos atingidos, tornando-se a doença de Alzheimer um dos grandes problemas de saúde pública.
    27. 27. 27 Óbitos por Doença de AlzheimerÓbitos por Doença de Alzheimer
    28. 28. 28 Óbitos por grupo etárioÓbitos por grupo etário
    29. 29. 29 PREVENÇÃO DE ACIDENTESPREVENÇÃO DE ACIDENTES Os portadores desta patologia necessitam de cuidados por parte da família ou pessoas significativas. Estes prestadores de cuidados devem tomar medidas preventivas que salvaguardem o mais possível a vida do doente.
    30. 30. 30 O prestador de cuidados deve assegurar-se que:  Os corredores, escadarias e área social se mantenham desimpedidas, no sentido de evitar quedas;  O fogão, aquecedores, microondas, ferro e outros equipamentos eléctricos devem permanecer desligados quando não estão a ser utilizados;
    31. 31. 31 A temperatura da água deve estar abaixo dos 38ºC, para evitar queimaduras; O acesso à banheira e à piscina deve ser fechado; As trancas e as chaves do lado de dentro da porta sejam removidas, para facilitar o acesso dos cuidadores aos cómodos;
    32. 32. 32  Os alimentos se encontram dentro do prazo de validade;  Bolsas, carteiras, chaves, dinheiro, talão de cheques e outros pertences importantes estão fora do alcance do doente.
    33. 33. 33 Outro aspecto relevante consiste em impedir o doente de conduzir, uma vez que pode tornar-se um perigo para si próprio e para os outros. Para isso deve-se: Pedir a alguém dotado de autoridade (médico), que comunique ao doente que este não pode conduzir; Esconder as chaves, trancar o carro e guardá-lo fora do alcance da visão do doente.
    34. 34. 34 As perambulações podem também constituir um factor de iminente perigo logo é necessário: Manter as luzes ligadas nos locais de passagem, à noite; Instalar trancas difíceis de abrir; Sensibilizar os vizinhos no sentido de estes informarem os cuidadores quando encontrarem o doente sozinho fora de casa;
    35. 35. 35 Acompanhar o doente quando este insiste em sair de casa; Adquirir um bracelete que permite identificar o doente; Contactar a Associação de Alzheimer mais próxima, com vista a informar-se sobre programas de ajuda em relação a este problema.
    36. 36. 36 DIAGNOSTICODIAGNOSTICO A certeza do diagnóstico só nos é dada após a morte da pessoa, sendo necessário proceder a duas fases distintas para que a doença seja controlada de modo a manter uma melhor qualidade de vida é necessário obter um diagnóstico o mais fiável possível, devendo proceder-se a duas fases distintas.
    37. 37. 37 Primeiramente, faz-se o diagnóstico de síndrome demencial e posteriormente o diagnóstico da doença. A primeira fase é efectuada tendo em conta a exclusão de diversas patologias que podem evoluir para um quadro de demências, como: traumatismos cranianos, tumores cerebrais, acidentes vasculares cerebrais,
    38. 38. 38 Arteriosclerose; Intoxicação por drogas e álcool; Depressão; Hidrocefalia; Hipovitaminose; Hipotiroidismo.
    39. 39. 39 Esta exclusão, só é permitida tendo por base um conjunto de critérios (DSM-IV) que fundamentam que na demência verifica-se a existência de um défice de memória, a curto e a longo prazo, e na identificação de pelo menos um dos sinais:
    40. 40. 40 Alteração do pensamento abstracto, Alteração da capacidade de avaliação, Afasia, Apraxia, Agnosia, Modificação da personalidade, que constituem o DSM-IV
    41. 41. 41 O diagnóstico da doença de Alzheimer é efectuado através: Exames cognitivos (testes neuropsicológicos); Exames laboratoriais; Rx, ECG e EEG, Punção lombar, TAC e RMN.
    42. 42. 42 Contudo, apesar deste número de exames apenas a biopsia ou necrópsia de tecido cerebral post-mortem permite o diagnóstico conclusivo, sem margem para dúvidas.
    43. 43. 4343 TRATAMENTOTRATAMENTO TRATAMENTO MEDICAMENTOSOTRATAMENTO MEDICAMENTOSO
    44. 44. 44 O médico encontra à sua disposição duas grandes categorias de medicamentos: EspecíficosEspecíficos: inibidores da acetilcolinesterase Tacrina Donepezil Rivastigmina Não específicosNão específicos: psicotrópicos.
    45. 45. 45 Factores desencadeadores dos sintomas: Mudança do ambiente: Novas doenças; Trocas de cuidador; Novos medicamentos. TRATAMENTO DOS SINTOMASTRATAMENTO DOS SINTOMAS DE COMPORTAMENTODE COMPORTAMENTO
    46. 46. 46 Agitação Antipilépticos Antidepressivos, Serotorinégicos, Ansiolípticos não benzodiazepínicos ß-bloqueante Ansiedade Ansiolíticos
    47. 47. 47 Depressão Devem-se optar por fármacos sem efeito sedativo acentuado e sem a acção anticolinérgica: Inibidores selectivos de recaptura da serotonina Antidepressivos Perturbações do sono Antidepressivos sedativos Hipnóticos não benzadiazepinicos
    48. 48. 48 TRATAMENTOS QUETRATAMENTOS QUE RETARDAM A EVOLUÇÃO DARETARDAM A EVOLUÇÃO DA DOENÇADOENÇA Os estrogénios e AINE’s apresentam um efeito protector, um papel anti-neurodegenerativo, sendo acompanhado na mesma função pela vitamina E e I- MAO B (selegilina).
    49. 49. 49 MEDICAMENTOS A EVITARMEDICAMENTOS A EVITAR  Antiparkinsónicos;  Alguns antidepressivos tríciclicos;  Medicamentos utilizados para tratamento de incontinência urinária;  Agonistas dopaminérgicos (numa fase aguda). Com os novos neurolípticos, a prescrição de psicotrópicos deve ser discutida.
    50. 50. 5050 TRATAMENTOTRATAMENTO NÃO MEDICAMENTOSONÃO MEDICAMENTOSO
    51. 51. 51 Os métodos não medicamentosos são múltiplos e podem-se agrupar de acordo com as necessidades da pessoa: Estimulação cognitiva global; Tratamentos psicoterapeuticos; Cuidados somáticos; Ajuda à família e centros de cuidados.
    52. 52. 52 ESTIMULAÇÃO COGNITIVA GLOBALESTIMULAÇÃO COGNITIVA GLOBAL As técnicas de estimulação cognitiva visam reforçar as capacidades cognitivas, afectivas e sociais do indivíduo, podendo ser aplicada terapia de aprendizagem. São assim estimuladas funções como a memória e o pensamento.
    53. 53. 53 TRATAMENTOS PSICOTERAPEUTICOSTRATAMENTOS PSICOTERAPEUTICOS São de grande utilidade para reforçar o eu da pessoa e permite a esta um jogo relacional não traumatizante A inspiração analítica fornece um reforço afectivo e narcísico, enquanto a cognitivo-comportamental reforça os comportamentos adaptados e inibe os comportamentos desajustados. As técnicas de relaxamento permitem diminuir significativamente a ansiedade e estimular o narcisismo da imagem corporal.
    54. 54. 54 CUIDADOS SOMÁTICOSCUIDADOS SOMÁTICOS Os doentes de Alzheimer interpretam, normalmente, de forma errada as perturbações somáticas e consequentemente queixam-se de forma desadequada. Outras vezes, não manifestam qualquer queixa, sendo o médico alertado por uma agitação, um síndrome confuncional, perturbação do ritmo vigília-sono.
    55. 55. 55 AJUDA À FAMÍLIAAJUDA À FAMÍLIA A família deve preparar-se para uma sobrecarga muito grande em termos emocionais, físicos e financeiros É essencial organizar um plano de cuidados que inclua supervisão sócio-familiar, cuidados gerais e visitas médicas. É indispensável um suporte psicológico ao principal elemento de ajuda de meio familiar, sendo muitas vezes considerado e vítima oculta da doença.
    56. 56. 56 CENTROS DE CUIDADOSCENTROS DE CUIDADOS Estruturas de acolhimento temporário, que permitem aliviar a família e principalmente o elemento cuidador, Associações que promovem o enquadramento da família com a doença.
    57. 57. 57 Em todas as estruturas organizadas, existem elementos intervenientes (quer sejam médicos, enfermeiros, membros de uma associação) que integram uma missão tripla: escutar, informar e aconselhar. É necessário fornecer ao doente referências espacio- temporais e permitir que este participe na vida familiar, tendo como principio “fazer com, mas não em vez de”.
    58. 58. 58 ESTUDO DE CASOESTUDO DE CASO Alberto de 87 anos, tornou-se cada vez mais esquecido nos últimos anos, porém foi capaz de dissimular isso bem. Mais recentemente ele falhou em reconhecer o seu neto mais novo, embora a sua memória para eventos antigos permaneça activa. Tem agido de modo socialmente inadequado, exibindo destemperos emocionais. A mulher refere que este não dorme à noite e frequentemente encontra-o a vaguear pela casa, parecendo mais confuso à noite que durante o dia. Os seus hábitos higiénicos e a sua aparência pessoal deterioraram-se de dia para dia. Teve também uma perda de apetite e começou a perder peso.
    59. 59. 5959 Plano de cuidadosPlano de cuidados
    60. 60. 60 1.Confusão Comunicar com frases curtas e simples; Explicar os procedimentos à pessoa; Providenciar ambiente tranquilo; Planear uma rotina diária de actividades para o paciente; Orientar a pessoa no tempo e no espaço; Vigiar acção da pessoa.
    61. 61. 61 2. Sono alterado  Posicionar confortavelmente a pessoa;  Executar técnicas de relaxamento;  Evitar a ingestão de bebidas estimulantes (café, chá, cola, etc);  Evitar que a pessoa durma durante o dia;  Evitar tratamentos dolorosos.
    62. 62. 62 3. Auto-cuidado higiene dependente, em grau moderado  Assistir a pessoa no banho;  Estimular a pessoa para o auto-cuidado;  Assistir a pessoa a escovar o cabelo e dentes;  Regular a temperatura da água;  Massajar toda a superfície corporal com creme hidratante.
    63. 63. 63 4. Auto-cuidado vestuário dependente, em grau moderado  Assistir a pessoa a vestir-se e despir-se;  Motivar a pessoa a participar no auto-cuidado vestuário.
    64. 64. 64 5. Ingestão nutricional diminuída  Providenciar dieta a gosto da pessoa;  Vigiar a refeição;  Evitar tratamentos dolorosos antes das refeições;  Permitir que familiares ou pessoas significativas tenham acesso ao serviço para alimentar a pessoa.
    65. 65. 65 6. Memória de curto prazo diminuida  Motivar a pessoa a relembrar as suas memórias;  Evitar interromper a pessoa deixando-a verbalizar as suas memórias;  Encorajar os familiares e pessoas significativas a visitar a pessoa;  Providenciar bracelete com nome.
    66. 66. 66 7. Agitação  Providenciar ambiente tranquilo;  Identificar os factores que desencadeiam a agitação;  Diminuir a quantidade e complexidade dos estímulos que provocam agitação;  Vigiar a acção do doente.
    67. 67. 67 8. Risco de queda  Vigiar a acção da pessoa;  Manter as grades da cama elevadas;
    68. 68. 68 9. Papel do prestador de cuidados não demonstrado  Ensinar medidas de prevenção de acidentes;  Orientar o planeamento de uma rotina diária de actividades domiciliarias para o paciente, incluindo as actividades a realizar durante o dia;  Explicar a importância da pessoa usar uma bracelete com nome, morada e número de telefone;  Informar sobre os recursos disponíveis na comunidade.
    69. 69. 69 OUTROS DIAGNÓSTICOS POSSÍVEISOUTROS DIAGNÓSTICOS POSSÍVEIS 1. Comunicação verbal deficiente (secundaria da apraxia, afasia e agnosia); 2. Incontinência urinaria/fecal (devido a défices cognitivos) ; 3. Isolamento social (como consequência das mudanças da personalidade, padrões de conduta alterada e/ou depressão);
    70. 70. 70 4. Mobilidade física diminuida (consequência das contraturas, debilidade muscular progressiva e incoordenação); 5. Risco de úlcera de pressão (devido à imobilidade); 6. Risco de agressividade (relacionada com as mudanças de comportamento e agitação)
    71. 71. 71 EM PORTUGAL....EM PORTUGAL.... Estima-se que existam mais de 56 mil doentes, dos quais 5 a 10 por cento têm mais de 65 anos, enquanto que 50 por cento tem mais de 85 anos. Em média o período que vai do diagnóstico até à morte é de oito anos, embora, em alguns casos, o doente possa sobreviver por mais tempo.
    72. 72. 72 “ Desculpa. Não compreendo nada do que me está a acontecer agora. Até tu. Quando te escuto a falar sinto que devia conhecer-te, mas não conheço. Nem sequer sei o meu nome. (…) ajuda-me a lembrar-me de quem sou. Ou pelo menos de quem era. Sinto-me tão perdido” Nicholas Sparks
    73. 73. 73 TRABALHO REALIZADO POR:TRABALHO REALIZADO POR: Ana Gaspar n.º 2239 António Miguel n.º 2244 Cecília Silva n.º 2248 Clara Pereira n.º 2249 Fátima Carneiro n.º 2252 Mónica Araújo n.º 2260 Zenaide Laranjeira n.º 2270

    ×