Colóquio «Arquivos de família, sécs. XIII-XIX: que presente, que futuro?»                                   29-30 outubro ...
O projeto relacionado com os Arquivos de Família e Pessoais insere-se nesta vertente deação cultural, estrategicamente ass...
das entidades produtoras, já que essas razões apenas se tornam ponderosas na hora doenquadramento técnico documental.     ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila Real

588 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
588
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila Real

  1. 1. Colóquio «Arquivos de família, sécs. XIII-XIX: que presente, que futuro?» 29-30 outubro de 2010 AN/TT e FCSH A METODOLOGIA DE TRATAMENTO DOS ARQUIVOS DE FAMÍLIA NO ARQUIVO MUNICIPAL DE VILA REAL Palavras-chave Metodologia arquivística/Arquivos de Família/Arquivos Municipais Pedro de Abreu Peixoto* Arquivo Municipal de Vila Real Rua Augusto Rua, nº 3-5 5000-575 VILA REAL PORTUGAL Tel: 259309620 E-MAIL: ppeixoto@cm-vilareal.pt Resumo Todo o trabalho no Arquivo Municipal de Vila Real (ArqMVR) é visto numa perspetivaintegradora. Se por um lado a sua missão é a gestão da informação documental do Município, naqual assume uma ação eminentemente técnica e administrativa, compete-lhe também atuardiretamente enquanto agente cultural. No papel de agente cultural, a ação do arquivo promove uma atividade que, de acordo comas estratégias do município, procura proporcionar aos cidadãos melhores conhecimentos para sesituarem de forma consciente no contexto social que lhes é próprio, com o intuito de contribuirpara a sua evolução. A ação cultural dos Arquivos Municipais deve, assim, transmitir o valor do nossopatrimónio documental, como parte fundamental da herança cultural do município, e converter-senum centro de ação cultural, que possa oferecer aos cidadãos elementos úteis para a valorização eanálise da sociedade atual e das suas possibilidades futuras.
  2. 2. O projeto relacionado com os Arquivos de Família e Pessoais insere-se nesta vertente deação cultural, estrategicamente assumido no decorrer da missão da instituição, bem como de apoioaos munícipes, na salvaguarda e valorização do património cultural em espaço privado. Partindo das premissas do apoio à preservação e divulgação do património documental e doapoio à investigação e divulgação da história local, chegamos à constatação do grande número defundos de família e pessoais que, por razões de vária índole, se encontram inacessíveis e/ou emrisco. Considerando o diálogo entre o interesse público e o interesse demonstrado pelosproprietários dos fundos documentais, o ArqMVR desenvolve um projeto, baseado em quatropremissas fundamentais: Privilégio à preservação e divulgação do património documental em detrimento das considerações geográficas. Manutenção física da documentação na posse da família. Retorno do investimento público através da valorização da disponibilização integral da informação e da preservação do património documental. Ligação estreita com a universidade. No que concerne ao privilégio à preservação e divulgação do património documental, emdetrimento das considerações geográficas, a existência de um determinado conjunto documental,relacionado com um Arquivo de Família, no espaço de influência geográfica do ArqMVR, ou naposse de um dos seus munícipes é, perante o estado avassalador de recuperação patrimonial que háa realizar, suficiente para exigir a intervenção do Arquivo Municipal, na sua qualidade de agentecultural, com evidentes responsabilidades na preservação e divulgação do património culturalnacional. O ArqMVR atenta assim a que, mais do que as considerações geográficas nas ligaçõesfamiliares dos fundos documentais, que se lhe apresentam para tratamento, preservação edivulgação, vale a responsabilidade que lhe assiste na preservação da memória coletiva de umpovo. É bom assim que se entenda, logo à partida, que as razões que levam um ArquivoMunicipal a tratar um Arquivo de Família, não devem fundar-se em razões de origem geográfica
  3. 3. das entidades produtoras, já que essas razões apenas se tornam ponderosas na hora doenquadramento técnico documental. A questão da manutenção física da documentação na posse da família, filia-se no destaquee valor que o município dá à informação e à sua divulgação e comunicação, libertando-se dacomponente patrimonial e dos aportes mais ou menos subjetivos que transporta, reservando aosproprietários o direito, que lhes é inalienável, a ficar de posse da documentação, sendo que osmesmos devem assegurar as condições físicas para a sua salvaguarda e comunicação dos originais. Assim, num encontro de interesses público/privado, o ArqMVR disponibiliza o tratamentotécnico dos fundos documentais, enquanto os proprietários asseguram a disponibilização integralda informação contida na documentação e a liberdade de divulgação e comunicação da mesma, porparte desta instituição, tudo consubstanciado num protocolo assinado entre as partes. O retorno do investimento público, cuja afetação de recursos-humanos e meios materiaisdo ArqMVR, aos projetos de tratamento dos Arquivos de Família gera, é efetuado através dadivulgação da informação produzida no espaço privado –permitindo a exceção à divulgação dedocumentos de excecional conteúdo privado - , que concorrerá para o conhecimento mais efetivoda memória coletiva, bem como pela preservação e divulgação do património documentalnacional. A perspetiva integradora é, também, motivadora da forma como o ArqMVR procura, nasinstituições de ensino superior, as parcerias que possam dar a dimensão científica necessária, paraa compreensão da complexidade sociológica e histórica imanente aos Arquivos de Família. Para além do conhecimento absorvido da própria família e da história local, as instituiçõesde ensino superior permitem, tanto no apoio ao processo de tratamento documental, como àinterpretação, divulgação e animação dos fundos documentais, um maior entendimento dosprocessos intrínsecos e extrínsecos de formação e evolução do contexto familiar, que permitirãonão só uma melhor organização documental, mas, o que é determinante, partir para o patamar dahistória da família, a qual já não está no horizonte da missão do Arquivo Municipal._____________* Arquivista e diretor do Arquivo Municipal de Vila Real.

×