Departamento de Controladoria
Objetivos Específicos
 Introduzir a abrangência da contabilidade nas
diversas áreas da empresa;
 Demonstrar aspectos imp...
BALANÇO
PATRIMONIAL
 Exigido pela Lei 6.404/76 e 10.406/02;
 Mais importante relatório contábil;
 Evidencia de forma qu...
Ativo
 Bens e direitos da entidade;
 Geram caixa para a empresa (dinheiro);
 As contas são dispostas em ordem
decrescen...
Imobilizado
 Todo ativo de natureza relativamente
permanente;
 Dever ter, excepcionalmente, capacidade
de gerar ganhos f...
Conforme IAS 16 (imobilizado), deve
compreender o valor a ser agregado no ativo
imobilizado:
(a) seu preço de compra, tari...
 Perante a legislação do Imposto de Renda pode
ser lançado como custo ou despesa operacional
o valor de aquisição de bens...
Exemplo de Ativo x Despesa
Passivo
 Deveres e obrigações;
 Estão evidenciadas as obrigações exigíveis da
entidade, ou seja, são os compromissos que...
DRE
 Instituído pelo art. 187, § 1º da Lei 6.404/76;
 O DRE tem como objetivo principal apresentar de
forma vertical res...
QUADRO DE
OBRIGATORIEDADES
Escrituração Contábil Completa
Balanço Patrimonial
Demonstração do Resultado do Exercício
Demon...
CURTO E LONGO
PRAZO
 Curto Prazo: período que vai até o último dia
do próximo exercício social, dessa forma, todas
as con...
CLASSIFICAÇÃO
SOCIETÁRIA DAS
SOCIEDADES ANÔNIMAS
 S/A Capital Aberto: é aquela cujos valores
mobiliários de sua emissão (...
FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DE
EMPREAS
 Lucro Real: o imposto de renda e a contribuição
social são determinados com base no lucr...
ELISÃO X EVASÃO
FISCAL
 Elisão Fiscal: é a forma lícita de reduzir a
carga tributária, através de análise e
interpretação...
II
IE
IR
UNIÃO IPI
IOF
ITR
IGF
IMPOSTOS ICMS
ESTADOS ITCMD
IPVA
ISS
MUNICÍPIOS IPTU
ITBI
CONTRIBUIÇÕES
TRIBUTOS TAXAS
TRIB...
CONTABILIDADE FISCAL X
GERENCIAL
 Contabilidade Fiscal: Atender ao
fisco, este é o paradigma principal
da contabilidade;
...
CUSTOS X DESPESAS
 Custo: é o que se gasta na fábrica, no processo
de produção, e que vai para o estoque. (matéria-
prima...
ORÇAMENTO
 Planejamento e controle;
 Não cria-se otimismo e nem pessimismo;
 Uso mais racional dos recursos;
 Moderaçã...
OBRIGAÇÃO PRINCIPAL X
ACESSÓRIA
 Obrigação Acessória: Deveres
instrumentais exigidos pelo sujeito ativo
(fisco), com intu...
CONTABILIDADE INTERNACIONAL
(IFRS)
 Teve início em 1929, após a crise da bolsa de
Nova Iorque;
 Regulamenta os relatório...
 Da Legislação: Instituído pelo decreto nº
6.022/07 e demais portarias e normas;
 Iniciou com quem? Iniciou com o govern...
BENEFÍCIOS
Para o Contribuinte
Melhoria da
Qualidade
da
Informação
Eliminação
do Papel
Redução do
Custo Brasil
Redução de
...
Como Entender o SPED?
Inicialmente é importante lembrar que nada
mudou!
As obrigações de cunho fiscal, contábil e
comercia...
“Essencialmente, mudou somente a
forma de fazer”
No entanto....
Tudo o que conhecíamos fisicamente passou a ser,
“intangív...
PERGUNTAS?
Apresentação
Apresentação
Apresentação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação

121 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
121
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação

  1. 1. Departamento de Controladoria
  2. 2. Objetivos Específicos  Introduzir a abrangência da contabilidade nas diversas áreas da empresa;  Demonstrar aspectos importantes das práticas contábeis de forma em que auxilie o trabalho no dia- a-dia;  Promover a integração da contabilidade com as áreas afins;  Transmitir o conhecimento adquirido para os colegas da empresa;  Interagir com as teorias contábeis, demonstrando a sua aplicabilidade na prática diária das atividades exercidas pela empresa;  Discutir aspectos relevantes a atualizados na prática contábil, comentando algumas atualidades empregadas pelo fisco aos contribuintes.
  3. 3. BALANÇO PATRIMONIAL  Exigido pela Lei 6.404/76 e 10.406/02;  Mais importante relatório contábil;  Evidencia de forma quantitativa e qualitativa, a situação patrimonial e financeira da empresa;
  4. 4. Ativo  Bens e direitos da entidade;  Geram caixa para a empresa (dinheiro);  As contas são dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez. (art. 178 § 1º Lei 6.404/76);  Composto dos seguintes grupos: Ativo Circulante (incluído pela Lei 11.941/09) e Ativo não Circulante;  Exemplos: AC: caixa, bancos, duplicatas a receber. ANC: veículos, máquinas, imóveis etc.
  5. 5. Imobilizado  Todo ativo de natureza relativamente permanente;  Dever ter, excepcionalmente, capacidade de gerar ganhos futuros;  Características: Natureza relativamente permanente; ser utilizado na operação dos negócios e não se destinar à venda.  Bens Tangíveis;  Bens Intangíveis;
  6. 6. Conforme IAS 16 (imobilizado), deve compreender o valor a ser agregado no ativo imobilizado: (a) seu preço de compra, tarifas de importação e impostos não recuperáveis; (b) quaisquer custos diretamente atribuíveis para colocar o ativo no local; (c) custos de desmontagem e retirado do item e restauração do local.
  7. 7.  Perante a legislação do Imposto de Renda pode ser lançado como custo ou despesa operacional o valor de aquisição de bens para o Ativo Permanente, cujo prazo de vida útil não ultrapasse um ano ou o valor unitário seja inferior a R$ 326,61. (art. 301 do RIR/99 e art. 30 da Lei nº 9.249/95).  Conserto: é a substituição de partes ou peças em razão de quebra, desgaste, avaria, ou imperícia, não aumenta o prazo de vida útil (despesa).  Reforma: é o reparo total de um bem, devendo aumentar a vida útil deste equipamento (imobilizado).
  8. 8. Exemplo de Ativo x Despesa
  9. 9. Passivo  Deveres e obrigações;  Estão evidenciadas as obrigações exigíveis da entidade, ou seja, são os compromissos que a empresa tem com terceiros;  As contas são dispostas em ordem de exigibilidade;  Composto dos seguintes grupos: Passivo Circulante; Passivo não Circulante (incluídos pela Lei nº 11.941/09) e Patrimônio Líquido, dividido em capital social, reservas de capital, reservas de lucros etc.  Exemplos: PC: Salários à pagar, Fornecedores. PNC: Empréstimos, financiamentos. PL: Capital Social, Reservas de Lucros etc.
  10. 10. DRE  Instituído pelo art. 187, § 1º da Lei 6.404/76;  O DRE tem como objetivo principal apresentar de forma vertical resumida o resultado apurado em relação ao conjunto de operações realizadas num determinado período;  Ainda de acordo com a Lei das Sociedades por Ações, no DRE serão computados: (a) As receitas e os rendimentos ganhos no período; (b) Os custos, despesas, encargos e perdas pagos ou incorridos, correspondentes a essas receitas e rendimentos.
  11. 11. QUADRO DE OBRIGATORIEDADES Escrituração Contábil Completa Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Abrangente Demonstração do Valor Agregado Não Obrigatórias Balanço Social Orçamentos Obrigatórias Relatórios Contábeis ou Demonstrações Contábeis
  12. 12. CURTO E LONGO PRAZO  Curto Prazo: período que vai até o último dia do próximo exercício social, dessa forma, todas as contas a pagar ou a receber com data de vencimento limitada ao último dia do próximo exercício social serão classificadas dentro de curto prazo ou circulante;  Longo Prazo: são as contas a pagar ou a receber que tenham o vencimento em data posterior ao último dia do próximo exercício social.
  13. 13. CLASSIFICAÇÃO SOCIETÁRIA DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS  S/A Capital Aberto: é aquela cujos valores mobiliários de sua emissão (ações e debêntures) são negociados no mercado;  S/A Capital Fechado (GP): Ativo total superior a R$ 240.000.000,00 ou receita bruta anual superior a R$ 300.000.000,00;  S/A Capital Fechado com PL Reduzido (PL-R): PL inferior a R$ 2.000.000,00;  S/A Capital Fechado com PL Elevado (PL-E): PL igual ou superior a R$ 2.000.000,00. (arts. 1º, 4º, 176 § 6º e 294 da Lei nº 6.404/76 e arts. 1º e 3º da Lei 11.638/07).
  14. 14. FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DE EMPREAS  Lucro Real: o imposto de renda e a contribuição social são determinados com base no lucro real;  Lucro Presumido: é a forma simplificada para determinação da base de cálculo do IRPJ e da CSLL (a base para cálculo é a Receita Bruta);  Simples Nacional: Tratamento tributário diferenciado e favorecido a ser dispensado às microempresas e empresas de pequeno porte.
  15. 15. ELISÃO X EVASÃO FISCAL  Elisão Fiscal: é a forma lícita de reduzir a carga tributária, através de análise e interpretação da legislação;  Evasão Fiscal: é a forma ilícita, infringindo a legislação, para obter redução do ônus tributário.
  16. 16. II IE IR UNIÃO IPI IOF ITR IGF IMPOSTOS ICMS ESTADOS ITCMD IPVA ISS MUNICÍPIOS IPTU ITBI CONTRIBUIÇÕES TRIBUTOS TAXAS TRIBUTOS No período de 01/01/2013 à 01/08/2013 o Brasil já arrecadou aproximadamente R$ 923 Bilhões em tributos!
  17. 17. CONTABILIDADE FISCAL X GERENCIAL  Contabilidade Fiscal: Atender ao fisco, este é o paradigma principal da contabilidade;  Contabilidade Gerencial: Atender as necessidades de informações da entidade, sem deixar de cumprir as obrigatoriedades legais.
  18. 18. CUSTOS X DESPESAS  Custo: é o que se gasta na fábrica, no processo de produção, e que vai para o estoque. (matéria- prima, mão-de-obra direta etc);  Custos Diretos: são os que podemos identificar como pertencendo a determinado produto;  Custos Indiretos: são os que para serem apropriados necessitam de algum critério de rateio;  Despesa: é o sacrifício feito para se obter receitas, e que vai diretamente para o resultado.
  19. 19. ORÇAMENTO  Planejamento e controle;  Não cria-se otimismo e nem pessimismo;  Uso mais racional dos recursos;  Moderação nos planos e despesas;  Coordenação entre todos os setores;  Estabelecimento de metas a serem atingidas;  Plano do custo fabril;  Condição primordial do próprio processo de trabalho etc.
  20. 20. OBRIGAÇÃO PRINCIPAL X ACESSÓRIA  Obrigação Acessória: Deveres instrumentais exigidos pelo sujeito ativo (fisco), com intuito de assegurar o interesse da arrecadação dos tributos;  Obrigação Principal: é a entrega de dinheiro ao sujeito ativo (Estado), proveniente do pagamento de tributo ou de penalidade pecuniária.
  21. 21. CONTABILIDADE INTERNACIONAL (IFRS)  Teve início em 1929, após a crise da bolsa de Nova Iorque;  Regulamenta os relatórios contábeis internacionalmente;  No início de 2010, cerca de 150 países ao redor do mundo exigem ou aceitam normas IFRS;  No Brasil, a alteração radical adveio com as Leis 11.638/07 e 11.941/09 e dos pronunciamentos do CPC.
  22. 22.  Da Legislação: Instituído pelo decreto nº 6.022/07 e demais portarias e normas;  Iniciou com quem? Iniciou com o governo do Fernando Henrique com a lei 9.989/00 – Plano plurianual que contemplava o programa de modernização das administrações tributárias e aduaneiras;  Investimentos: o governo já liberou cerca de R$ 300 milhões para que os estados se modernizem, além de adquirir o supercomputador apelidado de Trex no valor de US$ 100 milhões.
  23. 23. BENEFÍCIOS Para o Contribuinte Melhoria da Qualidade da Informação Eliminação do Papel Redução do Custo Brasil Redução de Obrigações Acessórias Para o Fisco
  24. 24. Como Entender o SPED? Inicialmente é importante lembrar que nada mudou! As obrigações de cunho fiscal, contábil e comercial continuam as mesmas. Então, qual é a novidade?
  25. 25. “Essencialmente, mudou somente a forma de fazer” No entanto.... Tudo o que conhecíamos fisicamente passou a ser, “intangível”, e a propagação das informações, conhecidas na velocidade do pensamento. A máxima de que “nada mudou”, nos força a rever velhos conceitos, porque a partir da NF-e, as informações são conhecidas em tempo real pelo fisco, de qualquer ponto do país.
  26. 26. PERGUNTAS?

×