Fragmentos de Drummond
Poema de sete faces “Quando nasci, um anjo torto  desses que vivem na sombra  disse:  Vai, Carlos! ser gauche na vida...”
<ul><li>“ A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que nã...
<ul><li>DESEJOS Desejo a vocês... Fruto do mato Cheiro de jardim Namoro no portão Domingo sem chuva Segunda sem mau humor ...
<ul><li>“ Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar. Difícil é mentir para o nosso coração.” </li></ul>
<ul><li>Memória Amar o perdido deixa confundido este coração. Nada pode o olvido contra o sem sentido apelo do Não. As coi...
<ul><li>“ Quero que todos os dias do ano todos os dias da vida de meia em meia hora de 5 em 5 minutos me digas: Eu te amo....
<ul><li>Os ombros suportam o mundo Tempo de absoluta depuração. Tempo em que não se diz mais: meu amor. Porque o amor resu...
<ul><li>Não serei o poeta de um mundo caduco. Também não cantarei o mundo futuro. Estou preso à vida e olho meus companhei...
<ul><li>“ Ninguém é igual a ninguém.  </li></ul><ul><li>Todo ser humano é um estranho ímpar.” </li></ul>
<ul><li>“ Também temos saudade do que não existiu, e dói bastante.” </li></ul>
<ul><li>Além da Terra, além do Céu, no trampolim do sem-fim das estrelas, no rastro dos astros, na magnólia das nebulosas....
<ul><li>João amava Teresa que amava Raimundo  que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili  que não amava ninguém.  Jo...
<ul><li>“ Nossa dor não advém das coisas vividas,  mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.” </li></ul>
<ul><li>CONSOLO NA PRAIA Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. ...
<ul><li>“ Ah o amor ... que nasce não sei onde, vem não sei como e dói não sei porque...” </li></ul>
<ul><li>“ Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.” </li></ul>
<ul><li>O amor é grande e cabe nesta janela sobre o mar.  </li></ul><ul><li>O mar é grande e cabe na cama e no colchão de ...
<ul><li>“ Se você sabe explicar o que sente, não ama, pois o amor foge de todas as explicações possíveis.” </li></ul>
<ul><li>“  Há duas épocas na vida, infância e velhice, em que a felicidade está numa caixa de bombons.” </li></ul>
<ul><li>“ Penetra surdamente no reino das palavras.  Lá estão os poemas que esperam ser escritos.  (...) Chega mais perto ...
<ul><li>A morte emendou a gramática. Morreram Carlos Drummond. Não era um só. Eram tantos. Mas quem disse que Drummond mor...
<ul><li>Fim </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fragmentos

443 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
443
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fragmentos

  1. 1. Fragmentos de Drummond
  2. 2. Poema de sete faces “Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida...”
  3. 3. <ul><li>“ A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.” </li></ul>
  4. 4. <ul><li>DESEJOS Desejo a vocês... Fruto do mato Cheiro de jardim Namoro no portão Domingo sem chuva Segunda sem mau humor ... </li></ul><ul><li>Uma tarde amena Calçar um velho chinelo Sentar numa velha poltrona Tocar violão para alguém Ouvir a chuva no telhado Vinho branco Bolero de Ravel E muito carinho meu. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>“ Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar. Difícil é mentir para o nosso coração.” </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Memória Amar o perdido deixa confundido este coração. Nada pode o olvido contra o sem sentido apelo do Não. As coisas tangíveis tornam-se insensíveis à palma da mão Mas as coisas findas muito mais que lindas, essas ficarão. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>“ Quero que todos os dias do ano todos os dias da vida de meia em meia hora de 5 em 5 minutos me digas: Eu te amo. Ouvindo-te dizer: Eu te amo, creio, no momento, que sou amado. No momento anterior e no seguinte, como sabê-lo?” </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Os ombros suportam o mundo Tempo de absoluta depuração. Tempo em que não se diz mais: meu amor. Porque o amor resultou inútil. E os olhos não choram. E as mãos tecem apenas o rude trabalho. E o coração está seco... </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Não serei o poeta de um mundo caduco. Também não cantarei o mundo futuro. Estou preso à vida e olho meus companheiros. Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças. Entre eles, considero a enorme realidade. O presente é tão grande, não nos afastemos. Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas. Não serei o cantor de uma mulher, de uma história, não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela, não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida, não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins. O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>“ Ninguém é igual a ninguém. </li></ul><ul><li>Todo ser humano é um estranho ímpar.” </li></ul>
  11. 11. <ul><li>“ Também temos saudade do que não existiu, e dói bastante.” </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Além da Terra, além do Céu, no trampolim do sem-fim das estrelas, no rastro dos astros, na magnólia das nebulosas. Além, muito além do sistema solar, até onde alcançam o pensamento e o coração, vamos! vamos conjugar o verbo fundamental essencial, o verbo transcendente, acima das gramáticas e do medo e da moeda e da política, o verbo sempreamar, o verbo pluriamar, razão de ser e de viver. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história </li></ul>
  14. 14. <ul><li>“ Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.” </li></ul>
  15. 15. <ul><li>CONSOLO NA PRAIA Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o 'humour'? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te, de vez, nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>“ Ah o amor ... que nasce não sei onde, vem não sei como e dói não sei porque...” </li></ul>
  17. 17. <ul><li>“ Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.” </li></ul>
  18. 18. <ul><li>O amor é grande e cabe nesta janela sobre o mar. </li></ul><ul><li>O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar. </li></ul><ul><li>O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar . </li></ul>
  19. 19. <ul><li>“ Se você sabe explicar o que sente, não ama, pois o amor foge de todas as explicações possíveis.” </li></ul>
  20. 20. <ul><li>“ Há duas épocas na vida, infância e velhice, em que a felicidade está numa caixa de bombons.” </li></ul>
  21. 21. <ul><li>“ Penetra surdamente no reino das palavras. Lá estão os poemas que esperam ser escritos. (...) Chega mais perto e contempla as palavras. Cada uma tem mil faces secretas sob a face neutra e te pergunta, sem interesse pela resposta, pobre ou terrível, que lhe deres: &quot;Trouxeste a chave?&quot; </li></ul>
  22. 22. <ul><li>A morte emendou a gramática. Morreram Carlos Drummond. Não era um só. Eram tantos. Mas quem disse que Drummond morreu? E que ironia! Alguém tão cético provando que há vida após a morte! Mais do que qualquer outro gênio soube ser reconhecido enquanto vivo e não se deixar morrer mesmo negando os convites para se tornar imortal como membro da Academia Brasileira de Letras. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>Fim </li></ul>

×