MTC_ProfLuciana

2.697 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.697
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MTC_ProfLuciana

  1. 1. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Ciência da Informação Introdução ao trabalho científico Profº Dra. Luciana de Souza Gracioso Metodologia do trabalho científico Alunos: Paulo Ap. Rodriguês da Silva RA:438499
  2. 2. Capítulo III - Teoria e prática científica. Introdução Nesse capítulo vamos fazer uma aproximação do significado da ciência como construção do conhecimento. Veremos também que a ciência precisa adotar práticas metodológicas e procedimentos técnicos, capazes de assegurar a apreensão objetiva dos fenômenos através dos quais a natureza se manifesta, e se baseando em fundamentos epistemológicos, realiza pela aplicação de uma metodologia sistemática e se operacionaliza mediante processos técnicos.
  3. 3. 3.1. O método como caminho científico Na prática científica nos vem a cabeça sempre laboratórios cheios de aparelhos tecnológicos e variados procedimentos de observação, levantamento de dados, e entre outros, mas para se se fazer uma pesquisa, para fazer com que sua pesquisa científica tenha efeito deve-se seguir um método. Criar um roteiro preciso, um plano de utilização. Não basta seguir um método e aplicar técnicas. O procedimento científico deve-se referir a um fundamento epistemológico, que sustente e justifique a própria metodolgia aplicada. A ciência é sempre um enlace da malha teórica com dados empíricos.
  4. 4. <ul><li>A ciência se faz quando o pesquisador aborda os fenômenos aplicando recursos técnicos, seguindo um método e apoiando-se em fundamentos epistemológicos </li></ul><ul><li>Ao se trabalhar com seu método a primeira atividade do cientísta é a observação dos fatos. Ao se observar, seja casual e espontânea, ou de uma gerada pelo indivíduo, deve ser formular uma hipótese, e propor uma explicação. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A percepção de uma situação problemática que envolve um objeto é o fator que desencadeia a indagação científica (Severino, 2007). </li></ul><ul><li>Hipótese : proposição explicativa provisória de relações entre fenômenos, a ser comprovada ou afirmada pela experimentação. E se confirmada, transforma-se em lei. </li></ul><ul><li> Formulada a hipótese, vai-se a campo e faz o teste experimental, assim que confirmada a hipótese tem-se a lei. </li></ul><ul><li>Lei científica : relação casual constante entre fenômenos ou elementos de um fenômeno. Relação constante entre variáveis. </li></ul>
  6. 6. Variável : é todo fato ou fenômeno que se encontra numa relação com outros fatos, enquanto submetido a processos de variação. Exemplo: o calor dilatando o metal. Assim pode ocorrer também que várias leis serem unificadas numa lei mais abrangente, a teoria. Várias teorias podem se unir e explicar uma única teoria/lei. Teorias : conjunto de leis organizadas sistematicamente, que se propõem a explicar um conjunto de fatos, fatos esses que foram explicados por leis, anteriormente.
  7. 7. <ul><li>O método científico é um método experimental/matemático, no momento experimental está em curso a fase indutiva do método, e no momento matemático, está em curso a fase dedutiva. </li></ul><ul><li>Indução : Generalização, estabele-se uma lei geral a partir de da regularidade constatada em vários casos particulares. Exemplo: Famosa frase, “ Me diga com quem andas, que te direi que és.” </li></ul><ul><li>Dedução : procedimento lógico, pelo qual utiliza-se toda a confrontação de duas proposições (generalizadora e particuladora) para extrair uma conclusão. Exmplo: Luciana é humana. Todo humano é mamífero, logo Luciana é mamífera. </li></ul>
  8. 8. 3.2 Os fundamentos teórico-metodológico da ciência. Com a ciência aplicando a metodologia experimentalista/matemática no mundo físico, a ciência se propôs a conhecer o mundo humano, criou-se então as ciências humanas. O homem passou a ser tratado/pesquisado como um objeto, afinal o homem é um ser natural como todos os demais (naturalismo), submisso as leis da regularidade (determinismo), acessível aos procedimentos de observação e de experimentação (experimentalismo).
  9. 9. A produção do conhecimento científico sobre o mundo natural, necessita, de fundamentos filosóficos, de cunho ontológico e epistemológico. Na ciência, para ter uma consistência, é necessário se basear-se sobre alguns pressupostos, ou as chamadas verdades universais. Nascem aí os paradigmas espistemológicos. O pressuposto epistemológico refere-se a forma pela qual é concebida a relação sujeito/objeto no processo do conhecimento. A tradição filosófica apropriou-se da expressão “positivo” de Comte, que designou o paradigma epistemológico com os pressupostos das ciências naturais como “positivismo”.
  10. 10. A ciência nasceu, no sentido que conhecemos hoje nasceu na modernidade, quando se fez uma crítica cerrada a metafísica que acreditava que a razão humana era possível chegar à essência das coisas. Mas não é possível, uma vez que a essência dos objetos é inacessível, e esta se revela as experiencias humanas apenas como fenômenos.
  11. 11. 3.3 A formação das ciências humanas e os novos paradigmas epistemológicos. Nos seus primórdios, as ciências humanas, procuraram praticar a metodologia experimental/matemática da ciência , assumindo os pressupostos ontológicos e epistemológicos do positivismo. Mas as peculiaridades do modo de ser humano foram mostrando a complexidade do fenômeno humano e a insuficiência da metodologia positivista, em sua apreensão e explicação. Mesmo sem abandonar a inspiração da tradição positivista, que foi aprimorada e enriquecida, foram assumidos outros paradigmas epistemológicos para fundamentar o conhecimento do homem.
  12. 12. <ul><li>Dessa forma, as ciências humanas passaram a se realizar sob: </li></ul><ul><li>Funcionalismo </li></ul><ul><li>Estruturialismo </li></ul><ul><li>Mas a epistemologia comteporânea tem também uma tradição subjetivista, que questiona o excesso de priorização do objeto na constituição do conhecimento verdadeiro. E propõe um outro modo de relação entre sujeito e objeto: </li></ul><ul><li>Fenomenologia, Hermenêutica e Arquegenealogia. </li></ul>
  13. 13. Uma terceira tradição filosófica é representada pela dialética. Que é uma epistemologia que se baseia em alguns pressupostos que são considerados pertinentes à condição humana e às condutas dos homens. 3.4 Modalidades e metodologias de pesquisa científica. A ciência se constitui se aplicando técnicas, seguindo métodos e apoiando-se em fundamentos epistemológicos. Assim várias são as modalidades de pesquisas que se podem praticar, o que implica coerência epistemológica, metodológica e técnica, para o seu adequando desenvolvimento.
  14. 14. 3.4.1 Pesquisa quantitativa, pesquisa qualitativa. São duas correntes paradigmáticas que tem influênciado o modo de se fazer pesquisa ao longo da história da pesquisa científica. Nas ciências humanas essas correntes se caracterizam por: visão realista/obejtivista (quantitativas) e visão idealista/subjetivista (qualitativa). 3.4.2 Pesquisa etnográfica Pesquisa que visa a investigação, a pesquisa, em um cotidiano, estudando os processos do dia a dia em diversas modalidades.
  15. 15. 3.4.3 Pesquisa participante Pesquisa onde o cientísta/pesquisador participa da vivência dos sujeitos pesquisados. Tendo assim uma melhor observação do fenômenos. 3.4.4 Pesquisa-ação Pesquisa que além de compreender, visa intervir na situação, afim de modifica-lá. 3.4.5 Estudo de caso Pesquisa que se concentra em um estudo particular, considerando ele representativo aos demais casos, e para tanto este deve ser apto a fundamentar uma generalização para situações análogas, autorizando inferências.
  16. 16. 3.4.6 Análise de conteúdo É uma metodologia de tratamento de análise de informações constantes de um documento, em forma de diferentes linguagens: escritos, orais, imagens e gestos. Trata-se de compreender criticamente o sentido manifesto ou oculto das comunicações. (SEVERINO, 2007) 3.4.7 Pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, pesquisa experimental e pesquisa de campo. Pesquisa bibliográfica é aquela que se realiza a partir do registro disponível, decorrente de pesquisas anteriores, utiliza-se de dados ou categorias utilizados anteriormente por outros pesquisadores e devidamente registrados.
  17. 17. Pesquisa documental é aquela que tem como fonte de documentos no sentido amplo ou seja, utilizando-se de várias fontes de tipos de documentos como: jornais, revistas, fotos, filmes, gravações etc. Pesquisa experimental utiliza o objeto como fonte e o coloca em condições técnicas de observação e manipulação experimental em bancadas e pranchetas de um laboratório, onde são criadas as condições adequandas para seu tratamento. Pesquisa de campo, o objeto/fonte é abordado em seu meio ambiente próprio. Observando as condições naturais em que os fenomênos ocorrem e assim é feita a coleta de dados.
  18. 18. 3.4.8 Pesquisa exploratória, pesquisa explicativa Pesquisa exploratória é aquela que busca apenas levantar apenas informações sobre um determinado objeto. Ela é uma preparação para a pesquisa explicativa. Pesquisa explicativa é aquela que registra, análisa e busca identificar as causas, dos fenomênos estudados. Seja por métodos experimenta/matemático, seja por atráves de interpretação possibilitada por métodos qualitativos.
  19. 19. 3.4.9 Técnicas de pesquisa São procedimentos operacionais que servem de mediação prática para a realização das pesquisas. Estas podem ser utilizadas em pesquisas conduzidas mediante diferentes metodologias e fundadas em diferentes epistemologias. São elas: Documentação, entrevistas, entrevistas não-diretas, entrevistas estruturadas, história de vida, observação e questionário.
  20. 20. Considerações finais... A construção de um conhecimento novo pela ciência, se dá mediante a uma atividade de pesquisa especializada, pesquisas com caráter epistemológico preciso e rigoroso, que exijam capacidade de domínio e de manuseio de um conjunto de métodos e técnicas específicas de cada ciência, adequados assim a cada objeto pesquisado.
  21. 21. Referências: SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico . 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

×