UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI 
EDISLEY RODRIGUES DA COSTA 
GABRIEL D’ANGELO RESENDE 
PAULO SÉRGIO PEREIRA PESSI...
COORDENADOR: PAULO SÉRGIO PEREIRA PESSIM 
REAPROVEITAMENTO DE CALOR EM CHUVEIROS ELÉTRICOS 
Projeto de pesquisa realizado ...
LISTA DE ILUSTRAÇÕES. 
Figura 1 - Funcionamento de Chuveiro à Resistência. ............................... 11 
Figura 2 - ...
LISTA DE TABELAS 
Tabela 1 - Condutividade Térmica .................................................. 12 
Tabela 2 - Resul...
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS. 
ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas 
UFSJ – Universidade Federal de São João ...
Sumário 
1 INTRODUÇÃO. ................................................ 7 
1.1 Tema da pesquisa. ............................
5.3.6 Gestão da Comunicação do Projeto. .................................... 27 
5.3.7 Gestão dos Riscos do Projeto. ........
7 
1 INTRODUÇÃO. 
1.1 Tema da pesquisa. 
Muito se preocupa com sustentabilidade e na preservação do planeta, não se pode p...
8 
1.4 Justificativa da delimitação. 
O tema foi delimitado na utilização de um trocador calor visto que o mesmo não utili...
9 
de calor”. Podemos dizer, portanto que um objeto com maior temperatura tende a perdê-la para aquele com temperatura inf...
10 
Líquidos/Líquidos, mas também possuem uma ótima atuação na transferência de Gás/Gás; 
(c) Trocadores de Superfície Est...
11 
1.6.3 O Funcionamento de um Chuveiro Elétrico a Resistência 
Figura 1 - Funcionamento de Chuveiro à Resistência. 
O fu...
12 
1.6.4 O Trocador de Calor. 
Buscando um meio para diminuir a potência utilizada no aquecimento da água o trocador foi ...
13 
1.6.5 Princípios de Funcionamento. 
Figura 3- Funcionamento do Trocador.
14 
O funcionamento do trocador de calor é embasado nos princípios da transferência de calor. A água fria que vem da caixa...
15 
Onde: 
q = Calor transmitido por unidade de tempo, ao fluido, em kcal/h; 
m = Vazão em massa, Kg/h; 
cp = Calor especí...
16 
Foi observado que: 
Tabela 2 - Resultado dos testes [“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétri...
17 
Tabela 4 - Resultado dos testes 03 [“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”, GREEN – PUCM...
18 
2 PROPOSTAS DA PESQUISA 
2.1 Objetivo geral. 
Esta pesquisa visa demonstrar de forma teórica como se aumentar a eficiê...
19 
3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. 
Segundo Kern a ciência da termodinâmica trata das transições quantitativas e das transferên...
20 
exatamente os fenômenos físicos e, para exprimir um, problema na forma de equação para ser resolvida, são necessárias ...
21 
4 METODOLOGIA E PROCEDIMENTOS 
4.1 A natureza do objetivo da pesquisa. 
A natura do objetivo de pesquisa remonta a uns...
22 
que consequentemente garantirá uma maior economia de energia por parte da população. 
4.4 Fontes de dados e informaçõe...
23 
riscos, a qualidade, o fluxo de informações, os recursos humanos, aquisições, escopo etc. 
5.3 Fases de Gestão e Contr...
24 
5.3.1.2 Plano Para o Gerenciamento do Projeto 
Por ser um projeto de pesquisa voltado para referencial teórico o geren...
25 
5.3.2 Gestão do Escopo Projeto. 
5.3.2.1 Coleta de requisitos. 
O Presente Projeto visa o detalhamento dos princípios ...
26 
5.3.2.3 Gestão do Tempo do Projeto. 
Para gerir o tempo do grupo de pesquisa foi realizado um cronograma. Este cronogr...
27 
5.3.5 Gestão dos Recursos Humanos. 
A gestão dos recursos humanos foi desenvolvida buscando aproveitar as habilidades ...
28 
5.3.7 Gestão dos Riscos do Projeto. 
Riscos infelizmente estão presentes em todos os projetos desenvolvidos atualmente...
29 
6 CRONOGRAMA. 
Definição do Objeto da Pesquisa DE 01/08/2014 À 15/01/2014 Brainstorming DE 15/08/2014 À 25/08/2014 Rea...
30 
7 RECURSOS E ORÇAMENTOS. 
7.1 Recursos materiais. 
Os Recursos materiais gastos foram basicamente livros publicados so...
31 
8 REFERENCIAS. 
ROCHA, Júlia M. G.“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”, GREEN – PUCMG,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto de pesquisa aproveitamento energia térmica chuveiro

812 visualizações

Publicada em

Reaproveitamento térmico.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
812
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto de pesquisa aproveitamento energia térmica chuveiro

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI EDISLEY RODRIGUES DA COSTA GABRIEL D’ANGELO RESENDE PAULO SÉRGIO PEREIRA PESSIM VINICIUS GONÇALVES RIBEIRO DE ASSIS REAPROVEITAMENTO DE CALOR EM CHUVEIROS ELÉTRICOS SÃO JOÃO DEL REI – 2014
  2. 2. COORDENADOR: PAULO SÉRGIO PEREIRA PESSIM REAPROVEITAMENTO DE CALOR EM CHUVEIROS ELÉTRICOS Projeto de pesquisa realizado com o intuito adquirir créditos na disciplina de metodologia científica e tecnológica Professor: Rogério Picolli. SÃO JOÃO DEL REI – 2014
  3. 3. LISTA DE ILUSTRAÇÕES. Figura 1 - Funcionamento de Chuveiro à Resistência. ............................... 11 Figura 2 - O trocador de calor. ....................................... 12 Figura 3 - Funcionamento do Trocador. ........................................................ 13 Figura 4 - Fórmula temperatura do Fluido. ................................................... 14
  4. 4. LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Condutividade Térmica .................................................. 12 Tabela 2 - Resultado dos testes [“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”], GREEN – PUCMG, Brasil] ......................................... 16 Tabela 3 - [Resultado dos testes02 [“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”, GREEN – PUCMG, Brasil] .......................................... 16 Tabela 4 - Resultado dos testes 03 [“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”, GREEN – PUCMG, Brasil] .......................................... 17 Tabela 5 - Cronograma .................................... 29
  5. 5. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas UFSJ – Universidade Federal de São João Del Rei CSA – Campus Santo Antônio
  6. 6. Sumário 1 INTRODUÇÃO. ................................................ 7 1.1 Tema da pesquisa. ....................................... 7 1.2 Relevância do tema. .................................... 7 1.3 Delimitação do tema. ................................... 7 1.4 Justificativa da delimitação. ....................................................... 8 1.5 Formulação do problema. ........................................................... 8 1.6 Hipóteses. ..................................................... 8 1.6.1 Tipos de Transferência Energia. ......................................... 8 1.6.2 Principais tipos de Trocadores Calor................................. 9 1.6.3 O Funcionamento de um Chuveiro Elétrico a Resistência ................................. 11 1.6.4 O Trocador de Calor. .............................................................. 12 1.6.5 Princípios de Funcionamento. ............................................... 13 1.6.6 Comprovação da eficácia. ...................................................... 15 2 PROPOSTAS DA PESQUISA ........................................................ 18 2.1 Objetivo geral. ............................................ 18 2.2 Objetivos específicos. ............................................................... 18 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. ........................................................ 19 4 METODOLOGIA E PROCEDIMENTOS ......................................... 21 4.1 A natureza do objetivo da pesquisa. ........................................ 21 4.2 A forma de abordagem do projeto. ........................................... 21 4.3 Propósito ou finalidade da pesquisa. ...................................... 21 4.4 Fontes de dados e informações. .............................................. 22 4.5 Lugares de Pesquisa. ................................ 22 5 PLANEJAMENTOS ........................................ 22 5.1 Técnica ou Método de planejamento e controle. .................................................... 22 5.2 Processos de gestão e controle do projeto. ........................................................... 22 5.3 Fases de Gestão e Controle Projetos. ................................ 23 5.3.1 Gestão da integração do Projeto. .......................................... 23 5.3.2 Gestão do Escopo Projeto. ............................................... 25 5.3.3 Gestão dos Custos do Projeto............................................... 26 5.3.4 Gestão da Qualidade do Projeto. ........................................... 26 5.3.5 Gestão dos Recursos Humanos. ........................................... 27
  7. 7. 5.3.6 Gestão da Comunicação do Projeto. .................................... 27 5.3.7 Gestão dos Riscos do Projeto. .............................................. 28 5.3.8 Gestão das Aquisições do Projeto. ....................................... 28 6 CRONOGRAMA. ............................................ 29 7 RECURSOS E ORÇAMENTOS ..................................................... 30 7.1 Recursos materiais. ................................... 30 7.2 Recursos Humanos. .................................. 30 7.3 Recursos Tecnológicos. ............................................................ 30 8 REFERENCIAS. ............................................. 31
  8. 8. 7 1 INTRODUÇÃO. 1.1 Tema da pesquisa. Muito se preocupa com sustentabilidade e na preservação do planeta, não se pode pensar em tal fato sem preocupar com a questão energética já que maioria das fontes de energia são oriundas da natureza. No Brasil a maior parte energia consumida é proveniente das usinas hidroelétricas e devido a atual imprevisibilidade do clima não se pode garantir com abundância a disponibilidade deste recurso para todos. Sendo assim surgiu a necessidade da invenção de dispositivos que proporcionem um maior aproveitamento de energia como forma prevenir e diminuir a consequências uma possível catástrofe energética. Um dos maiores consumidores de energia dentro uma residência é o chuveiro elétrico diante desse fato foi imposto com tema a descrição do funcionamento de um aparelho que possui a função de aumentar eficiência energética um chuveiro resistência. 1.2 Relevância do tema. O tema é de suma importância para um desenvolvimento sustentável, não é mais admissível o desperdício de energia nos dias atuais uma vez que o planeta não apresenta condições de continuar suprindo está alta demanda que só cresce cada vez mais, devemos ter a consciência de que as próximas gerações também tem o direito de usufruir dos recursos naturais que antes eram abundantes na costa terrestre e tem seus contados se a atitude da população não mudar. 1.3 Delimitação do tema. Após a análise dos métodos existentes no mercado o tema foi delimitado na explicação da utilização de um trocador calor para aumentar a eficiência de um chuveiro elétrico visto que o mesmo pode ser muito eficiente e proporcionar uma ótima economia de energia.
  9. 9. 8 1.4 Justificativa da delimitação. O tema foi delimitado na utilização de um trocador calor visto que o mesmo não utiliza nenhum outro tipo de energia para seu funcionamento, ele reaproveita a energia que seria literalmente desperdiçada pelo ralo, sendo assim uma forma de economia energia muito eficiente vez que a água já chega preaquecida ao chuveiro. 1.5 Formulação do problema. Como aumentar a eficiência de chuveiro Elétrico resistência? sabemos este aparelho é dos maiores consumidores de energia em uma residência. Visando diminuir esta alta demanda de energia, foram confeccionados aparelhos que maximizam o aproveitamento da energia elétrica e também aqueles que reaproveitam a energia que seria desperdiçada. Outro problema causado é proveniente de fatores sociais, visto que muitas pessoas carentes não possuem condições de pagar pela energia elétrica que é bastante onerosa sendo essencial o desenvolvimento de tais métodos que minimizem o consumo de energia em tais residências. 1.6 Hipóteses. 1.6.1 Tipos de Transferência Energia. O trocador de calor atende muito bem a questão da melhoria eficiência de um chuveiro elétrico, uma vez que reaproveita a energia térmica seria escoada pelo ralo, proporcionando economia e desenvolvimento sustentável. A Energia Térmica pode ser transmitida de um corpo para outro quando existe uma diferença de temperatura entre eles, ou seja, um corpo quando é colocado em um ambiente com temperatura diferente da sua, ele pode perder ou ganhar calor. Essa energia térmica transmitida pode ser denominada “transferência
  10. 10. 9 de calor”. Podemos dizer, portanto que um objeto com maior temperatura tende a perdê-la para aquele com temperatura inferior. Os três mecanismos mais conhecidos de transferência calor são: Radiação, Condução, Convecção. A Radiação ocorre através de ondas eletromagnéticas viajando na velocidade da luz, sendo a única capaz de ocorrer em espaços vazios. A Condução ocorre entre substâncias que estão em contato físico direto já que a transferência ocorre através de colisões entre átomos e moléculas mesma vizinhança, este tipo de transmissão geralmente é observado em substâncias em repouso. Já a Convecção ocorre somente entre líquidos e gases onde o calor é transferido através dos movimentos próprios fluídos. Quando estes são realizados de forma natural a convecção é denominada Convecção Natural, se os movimentos forem auxiliados por uma força externa como, exemplo, ventiladores e compressores a convecção será denominada Convecção Forçada. Podemos dizer que o trocador de calor como meio aumentar a eficiência de um chuveiro elétrico à resistência utiliza as transferências de calor por Convecção. 1.6.2 Principais tipos de Trocadores Calor. Devida a intensa industrialização promovida pelo homem, à necessidade de novos equipamentos e produtos é cada vez maior, com os trocadores calor não é diferente, existem várias opções no mercado que diferem uma das outras devido suas características construtivas. Os Trocadores mais conhecidos são: (a) Trocadores de Calor do Tipo Placas: Constituído Basicamente de placas lisas ou com alguma forma ondulatória não sendo capaz de suportar pressões muito altas; (b) Trocadores Tubulares: Constituído de tubos circulares, são na maioria das vezes utilizados para realizar troca de calor entre
  11. 11. 10 Líquidos/Líquidos, mas também possuem uma ótima atuação na transferência de Gás/Gás; (c) Trocadores de Superfície Estendida: Parte do fato de que quando dispositivos metálicos são conectados a uma fonte de calor em comum, produzem uma extensão da área disponível para a transmissão de calor; (d) Trocador de Calor Regenerativo: O calor é transmitido entre dois fluidos por etapas. O Fluido de maior temperatura passa pelo trocador primeiro cedendo calor ao regenerador em seguida este é cedido ao fluido com menor temperatura transferindo assim o calor de um fluido para o outro; Os trocadores de calor também podem ser classificados quanto ao tipo processo envolvido durante a transferência. São eles: (a) Trocador de Calor com Contato Direto: Neste tipo de transferência como fica subtendido através do título, os fluídos são misturados entre si alcançando taxas de transferência calor bastante elevadas. Sua construção é barata, porém ele pouco difundido já que limita sua aplicação; (b) Trocador de Calor com Contato Indireto: Neste os fluídos permanecem separados e a troca é realizada através de uma parede. Pode ser subdividido em Recuperadores e Trocadores de Armazenamento, a única diferença entre eles que nos Trocadores de Armazenamento a estrutura de transferência calor geralmente denominada matriz armazena a energia térmica uma vez que os fluídos percorrem alternadamente as regiões de troca calor, nos recuperadores ambos os fluídos estão presentes nas regiões.
  12. 12. 11 1.6.3 O Funcionamento de um Chuveiro Elétrico a Resistência Figura 1 - Funcionamento de Chuveiro à Resistência. O funcionamento de um chuveiro elétrico a resistência é em suma bastante simples, quando se abre a torneira à água começa adentrar na caixa do chuveiro aumentando sua pressão interna. Como consequência o diafragma é suspenso acionando os contatos elétricos que estão conectados à rede elétrica levando assim energia a um resistor. Este resistor deve ser constituído por um material que apresenta alta condutibilidade de corrente elétrica não podendo conter em hipótese alguma uma resistência muito elevada característica de materiais isolantes. A oposição à passagem da corrente elétrica no resistor gera o efeito Joule. Quando os átomos recebem energia eles começam a vibrar com maior intensidade e como consequência a temperatura do condutor é aumentada gerando aquecimento. O resistor realiza a conversão da energia elétrica em térmica espalhando esta energia na forma de calor que é utilizado para aquecer a água deste modo sai aquecida do chuveiro, A Potência fornecida pela rede é consumida para que este fenômeno possa acontecer. A temperatura da água pode ser controlada alterando-se o resistor. Dessa maneira um chuveiro se tornaria inviável houvesse a necessidade de trocar o resistor sempre que a alteração da temperatura água fosse solicitada. Por este motivo o resistor que é instalado nos chuveiros fracionado a fim de permitir um maior controle da temperatura água do banho, podendo funcionar de forma que apenas uma fração de seu comprimento seja caminho para a corrente elétrica.
  13. 13. 12 1.6.4 O Trocador de Calor. Buscando um meio para diminuir a potência utilizada no aquecimento da água o trocador foi projetado para reaproveitar a energia disponível na quente. Ele consiste basicamente em tubos metálicos dispostos espiral sendo popularmente conhecido como serpentina. Figura 2 – O trocador de calor. O trocador é produzido a partir de alumínio com algumas variações que utilizam cobre como metal para a confecção dos tubos. O principal fator determinante para que um elemento seja considerado bom ou ruim condutor de calor é a quantidade elétrons externos fracamente ligados que permitem a condução térmica quando ocorre colisão entre estes elétrons que ficam livres, desta forma os metais são excelentes condutores de calor. Material Cobre Alumínio Água Ar seco Condutividade (J/s.m.K) 428 235 6.3 0,026 Tabela 1 - Condutividade Térmica
  14. 14. 13 1.6.5 Princípios de Funcionamento. Figura 3- Funcionamento do Trocador.
  15. 15. 14 O funcionamento do trocador de calor é embasado nos princípios da transferência de calor. A água fria que vem da caixa d’água não vai diretamente para o chuveiro ela é conduzida até aparelho percorrendo pelos tubos que são constituídos de material com ótima condutibilidade de calor. A água limpa nunca entra em contato com a suja que escoa sobre superfície dos tubos aquecendo os mesmos gradativamente. Aos poucos o trocador vai se aquecendo e consequentemente a água limpa que escoa seu interior vão recebendo calor. Esta troca de calor ocorre por convecção. Quando um líquido flui ao longo do eixo de tubo e absorve ou transmite calor sensível, a temperatura varia sobre toda extensão do tubo, se a temperatura da circunferência interna parede de um tubo for aproximadamente constante sobre toda sua extensão, como seria o caso que ocorre quando o fluído dentro do tubo é aquecido por vapor, existirão duas temperaturas distintas em cada extremidade: Uma entre a parede do tubo e o líquido que entra e uma na outra extremidade entre a parede do tubo e o líquido aquecido. (Processos de transmissão calor /Donald. Q. Kern; 1982). Na Transmissão de calor para ou um fluído escoando num conduto a temperatura do fluído não é uniforme, mas varia tanto na direção da direção de escoamento massa fluida como do fluxo calor. Para uma dada seção transversal do conduto a temperatura do centro poderia ser escolhida como a temperatura de referência. A diferença temperatura média entre as duas seções de um conduto é uma medida direta de calor transmitido por unidade tempo (Princípios da transmissão de calor Frank. Kreith 1922). Figura 4- Fórmula temperatura do Fluido.
  16. 16. 15 Onde: q = Calor transmitido por unidade de tempo, ao fluido, em kcal/h; m = Vazão em massa, Kg/h; cp = Calor específico a pressão constante, em kcal/kg°C, ∆Tb = diferença de temperatura entre as seções transversais em questão. 1.6.6 Comprovação da eficácia. Com a transferência de calor quantidade potência elétrica gasta para aquecer a água deverá ser menor. P=V.I. Onde: P = Potencia elétrica. V = Tensão. I = Corrente elétrica. O Laboratório de Ensaios Equipamentos Solares da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG) realizou um ensaio para medição das potências elétricas e Térmicas de um chuveiro que possui trocador calor acoplado.
  17. 17. 16 Foi observado que: Tabela 2 - Resultado dos testes [“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”], GREEN – PUCMG, Brasil] Tabela 3 - [Resultado dos testes02 [“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”, GREEN – PUCMG, Brasil]
  18. 18. 17 Tabela 4 - Resultado dos testes 03 [“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”, GREEN – PUCMG, Brasil] Cálculos realizados por alunos de engenharia mecânica da Universidade Federal do Rio Grande Do Sul comprovam ao aparelho a seguinte economia de energia de 45,66 kWh.
  19. 19. 18 2 PROPOSTAS DA PESQUISA 2.1 Objetivo geral. Esta pesquisa visa demonstrar de forma teórica como se aumentar a eficiência de um chuveiro elétrico à resistência utilizando como base o processo reaproveitamento de energia térmica que é proveniente da própria água aquecida pelo chuveiro e que é coletada por um trocador de calor que é instalado no piso do banheiro. 2.2 Objetivos específicos. Realizar uma pesquisa explicativa visando demostrar toda a explicação física por trás do funcionamento chuveiro bem como a melhor forma de se aproveitar sua energia além de descrever fisicamente como um trocador calor pode ser uma opção inteligente para o aumento da eficiência de tal aparelho.
  20. 20. 19 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Segundo Kern a ciência da termodinâmica trata das transições quantitativas e das transferências de calor nos sistemas materiais. A transição calor é a ciência que trata das taxas de troca entre um corpo quente denominado fonte e um corpo frio receptor. Quando uma libra de água é vaporizada ou condensada a variação de energia em qualquer um destes processos é idêntica. Contudo as taxas segundo quais cada processo se desenvolve independentemente numa fonte ou num receptor são inerentemente diferentes. A vaporização é geralmente um fenômeno mais rápido que a condensação. O estudo da transmissão de calor seria grandemente aprofundado através de uma compreensão significativa a natureza do calor. Contudo esta é vantagem que não está prontamente à disposição dos estudantes de transmissão calor ou de termodinâmica, por que existem muitas manifestações de calor descobertas para as quais nenhuma teoria simples pode explicá-las completamente. As leis que se podem aplicar às transições de massa não ser válidas para s transições atômicas ou moleculares e aquelas que s aplicam as baixas temperaturas podem não ser validas para as altas temperaturas. De acordo com Kreith, sempre que existir um gradiente de temperatura no interior de um sistema, ou que dois sistemas a diferentes temperaturas forem colocados em contato, haverá transmissão de calor. A Entidade em trânsito, chamada calor, não pode ser medida ou observada diretamente, mas os efeitos por ela produzidos são susceptíveis à observação e medida. O fluxo de calor com o desempenho de trabalho é um processo pela qual a energia interna de um sistema se modifica. Do ponto de vista da engenharia, a determinação quantidade calor transmitida na unidade de tempo para uma diferença temperatura especificada é o problema chave. Para estimar custo, a viabilidade, o tamanho do equipamento necessário para transmitir uma quantidade especificada de calor em um dado intervalo de tempo, deve ser feita uma análise detalhada do processo. Na transmissão de calor, como em outros ramos da engenharia, a solução com sucesso requer algumas premissas e idealizações. É quase impossível descrever
  21. 21. 20 exatamente os fenômenos físicos e, para exprimir um, problema na forma de equação para ser resolvida, são necessárias algumas aproximações. A literatura geralmente reconhece três métodos distintos de transmissão de calor: condução, radiação e convecção. Estritamente falando, apenas a condução e a radiação devem ser classificadas como processos de transmissão calor, pois somente esses dois mecanismos dependem, para sua operação, de mera diferença de temperatura. O aquecimento e o resfriamento de fluidos que escoam no interior condutos acham-se entre os processos mais importantes da engenharia. O projeto e a análise de todos os tipos trocadores calor exige o conhecimento do coeficiente de transmissão calor entre a parede do condutor e o fluido que escoa em seu interior.
  22. 22. 21 4 METODOLOGIA E PROCEDIMENTOS 4.1 A natureza do objetivo da pesquisa. A natura do objetivo de pesquisa remonta a uns referenciais teóricos onde todo o desenvolvimento do trabalho partirá de dados e métodos anteriormente realizados por uma pesquisa empírica. Visando um maior aproveitamento energético o trocador de calor foi projetado para pé aquecer a água que vai até o chuveiro aproveitando energia térmica que o mesmo realiza ao aquecer a água. Como a água já chega preaquecida ao chuveiro logicamente o consumo de energia elétrica necessária para mantê-la na temperatura desejada diminui drasticamente. Com base em tais conceitos procuraremos demonstrar que tal fato realmente é possível detalhando as explicações físicas que tornam o experimento viável para a população. 4.2 A forma de abordagem do projeto. O objeto de pesquisa será abordado forma quantitativa, ou seja, a pesquisa está voltada para a comprovação de dados utilizando as formulações matemáticas disponíveis que comprovam a eficiência do equipamento perante seu objetivo. Com partiremos de um referencial teórico os dados serão apenas analisados de modo a comprovar sua veracidade acordo com os conceitos da termodinâmica. 4.3 Propósito ou finalidade da pesquisa. A principal finalidade da pesquisa como certamente ficou subentendido nos itens anteriores é formular uma explicação teórica do funcionamento de um equipamento que visa aumentar à eficiência de um chuveiro elétrico a resistência
  23. 23. 22 que consequentemente garantirá uma maior economia de energia por parte da população. 4.4 Fontes de dados e informações. O desenvolvimento da pesquisa será realizado utilizando como referência livros que buscam explicar os conceitos de transferência calor, em com artigos já publicados com o mesmo assunto disponível na rede acompanhado de dados acadêmicos de outros centros universitários além guias conceituais metodologia. 4.5 Lugares de Pesquisa. Até então os lugares mais utilizados para a realização da pesquisa foram à rede mundial de computadores por onde além dados foram realizados debates entre os componentes do grupo, além da biblioteca CSA universidade federal de São João Del Rei onde foram realizados encontros presencias. 5 PLANEJAMENTOS 5.1 Técnica ou Método de planejamento e controle. Um projeto é uma atividade que já tem ponto inicial e final definido s visa sempre alcançar um resultado eficiente, através de uma meta utilizando série de fatores em um conjunto recursos pré-definidos. Para o gerenciamento desse projeto foi escolhida a técnica do Guia PMBOK. 5.2 Processos de gestão e controle do projeto. O gerenciamento do projeto é de suma importância, pois através dele que o projeto pode fluir normalmente. Em um gerenciamento devem-se levar em consideração diversos fatores, entre eles podemos citar os custos, o tempo,
  24. 24. 23 riscos, a qualidade, o fluxo de informações, os recursos humanos, aquisições, escopo etc. 5.3 Fases de Gestão e Controle Projetos. Para um bom gerenciamento de projetos as seguintes etapas são imprescindíveis, em nosso projeto elas foram realizadas da seguinte maneira. 5.3.1 Gestão da integração do Projeto. 5.3.1.1 Termo de Abertura. O presente projeto visa o modelamento físico do funcionamento de um trocador de calor como forma aumentar à eficiência energética um chuveiro elétrico a resistência, tal fato será realizado partir de pesquisas e dados que outrora já foram publicados por especialistas da área, para a realização desse não será necessário nenhum tipo de auxílio financeiro por parte da universidade, sendo assim o projeto não possui nenhum orçamento uma vez que os únicos gastos em vista serão os de impressão e encadernação onde não se pode fazer nenhuma previsão em termos quantitativos de recursos financeiros a serem gastos com tal fato. No que diz respeito ao cronograma a única exigência ser feita de princípio é que o projeto final fique pronto até dia 25/11/2014. O cargo de Gerente do Projeto ficou sob a responsabilidade Paulo Sérgio Pereira Pessim, sendo suas principais atribuições elaborar um cronograma para o desenvolvimento das atividades do grupo, Manter um meio de comunicação ativo entre todos os membros do grupo, além de cobrar resultados e comprometimento dos demais integrantes. São designados ao Gerente do Projeto os demais componentes do eu grupo, Edisley Rodrigues da Costa, Gabriel D’angelo Resende e Vinicius Gonçalves Ribeiro de Assis.
  25. 25. 24 5.3.1.2 Plano Para o Gerenciamento do Projeto Por ser um projeto de pesquisa voltado para referencial teórico o gerenciamento do projeto se dará de forma bem simples acordo com as seguintes etapas: (a) Pesquisa Teórica: O Gerenciamento da pesquisa teórica será realizado pela simples conferência da veracidade dos fatos apresentados pelos membros, qualquer pesquisa realizada membros do grupo deve ser encaminhada para o E-mail do Gerente do Grupo que tem como responsabilidade garantir esta informação circule pelo grupo de forma que seja transmitida aos demais; (b) Modelamento e Elaboração do Projeto de Pesquisa: Para evitar desavenças e controvérsias durante a Elaboração do Projeto de Pesquisa ao final de toda reunião o texto sempre deverá ser revisado para a confirmação de que todos estão acordo com o que foi redigido; (c) Manutenção da Qualidade: Toda e qualquer Informação a ser acrescentada ao Projeto deve ter o aval de Todos os Membros, além de ser uma fonte confiável e ter sua veracidade confirmada. Após o Gerente do Projeto Ainda deve fazer Mais uma Conferencia Garantindo assim uma maior qualidade nas informações que serão acrescentadas; (d) Revisão Ortográfica: Gramatical e Formatação: A Revisão final do Projeto deve ser realizada por todos os membros; (e) Ações Corretivas: Ficará sob a responsabilidade do gerente projeto apontar todas as falhas presentes e encontrar um meio de solucioná-las.
  26. 26. 25 5.3.2 Gestão do Escopo Projeto. 5.3.2.1 Coleta de requisitos. O Presente Projeto visa o detalhamento dos princípios físicos de um aparelho que aumente a eficiência de um chuveiro elétrico resistência sendo este o principal requisito das partes interessadas no desenvolvimento deste projeto que adquirir uma maior experiência no desenvolvimento de projetos pesquisa. É de interesse dos componentes do grupo execução projeto apresentar uma proposta sucinta e que atenda todas as exigências técnicas da elaboração de um projeto pesquisa, embasada em uma pesquisa qualidade realizada a partir de meios informação confiáveis. 5.3.2.2 Definição do Escopo Projeto. Para a realização de um projeto bem estruturado é extrema importância o total comprometimento de todos os membros na elaboração dos seguintes processos que visam garantir a excelência do será apresentado. As informações que irão compor o projeto devem ser de fonte totalmente confiável para garantir tal fato é necessário que o gerente (coordenador) do projeto inspecione a qualidade da pesquisa apresentada pelos componentes do grupo, se a inspeção não for realizada, informações equivocadas podem prejudicar as partes interessadas no desenvolvimento do projeto. Outro ponto que deve ser observado com atenção é a redação do projeto bem como a do relatório erros de concordância e grafia palavras devem ser inexistentes uma vez que dificulta a compreensão da pessoa estiver lendo o projeto além de resultar na perda pontos durante a avaliação do final. A formatação do texto deve estar de acordo com as normas padrões da ABNT. Para encerrar o projeto deve ser confeccionada uma apresentação para que as partes interessadas na execução do projeto possam contemplar de forma dinâmica os resultados da realização do projeto.
  27. 27. 26 5.3.2.3 Gestão do Tempo do Projeto. Para gerir o tempo do grupo de pesquisa foi realizado um cronograma. Este cronograma é imprescindível para a organização do projeto, pois é através dele que o gerente (coordenador) pode cobrar as atividades foram repassadas aos outros membros. Se o cronograma estabelecido não for cumprido à risca as chances de o projeto não ficar pronto dentro do prazo aumentam. É responsabilidade do coordenador garantir que o cronograma seja cumprido evitando erros e futuras preocupações no decorrer do projeto. 5.3.3 Gestão dos Custos do Projeto. No que diz respeito ao custo do projeto, ele não demandará nenhum tipo de investimento específico. Os únicos gastos que podem ser observados são os gastos com transporte e alimentação dos membros do grupo no período de realização de suas atividades. Tal gasto será responsabilidade individual dos participantes. 5.3.4 Gestão da Qualidade do Projeto. Para que um projeto tenha qualidade o papel do gerente é imprescindível, pois cabe a ele cobrar resultados e supervisionar os integrantes do grupo. A qualidade pode ser comparada com do nível de satisfação das partes interessadas na execução do projeto. Um trabalho bem realizado deixa todos satisfeitos, em nosso projeto os principais requisitos que determinam a qualidade do projeto é a formatação bem-feita totalmente adequada às regras da ABNT, uma pesquisa bem realizada com fatos de fontes confiáveis, e uma apresentação concisa que seja capaz de transmitir ao ouvinte os conceitos do tema abordado com totalidade.
  28. 28. 27 5.3.5 Gestão dos Recursos Humanos. A gestão dos recursos humanos foi desenvolvida buscando aproveitar as habilidades individuais dos integrantes do grupo. Aqueles que demonstraram maior desenvoltura para escrever ficaram encarregados de elaborar este projeto de pesquisa e o relatório. Os que detinham um maior conhecimento computacional dos recursos avançados da plataforma utilizada para a redação dos textos ficaram responsáveis por realizar a formatação de acordo com as normas da ABNT. Ficou decidido também que todos participariam da apresentação. O acompanhamento realização das atividades é de responsabilidade do gerente (coordenador) projeto. 5.3.6 Gestão da Comunicação do Projeto. Assim como na maioria dos projetos é muito difícil a adequação dos horários de todos os participantes, para se compensar tal fato a comunicação entre os componentes do grupo é de suma importância devendo ser o menos falha possível. A comunicação no decorrer do trabalho foi realizada principalmente por grupos montados em redes sociais que facilitaram muito a realização do projeto. Também foi confeccionada uma lista de e-mails para que o gerente do grupo tivesse contato individual com cada um dos membros caso existisse a necessidade da realização de alguma cobrança nos resultados evitando assim maiores constrangimentos e desentendimentos dentro da equipe.
  29. 29. 28 5.3.7 Gestão dos Riscos do Projeto. Riscos infelizmente estão presentes em todos os projetos desenvolvidos atualmente pela comunidade acadêmica no presente projeto sua gestão foi incrementada e desenvolvida com o planejamento estratégico realizado pelo gerente do projeto. O planejamento estratégico foi elaborado de forma a minimizar ou até mesmo exterminar os riscos do projeto sendo de total responsabilidade do gerente seguir o planejamento a fim e que os riscos sejam contornados no desenrolar do projeto. Caso durante a execução de alguma atividade algo saia errado o gerente do projeto deve ser contatado imediatamente, é sua função convocar uma reunião para a realização de um brainstorming que possa dar a solução para o risco eminente. 5.3.8 Gestão das Aquisições do Projeto. Como o principal objetivo do projeto é modelamento físico de um trocador de calor todo o referencial sua execução é puramente teórico não existindo a necessidade da aquisição de matérias para realização testes. As principais aquisições do projeto são os livros e artigos que serviram como base para a elaboração deste, sendo todos de empréstimo gratuito na biblioteca do CSA da Universidade Federal de São João Del Rei, além projetos e artigos publicados por outras universidades disponíveis gratuitamente pela rede mundial de computadores.
  30. 30. 29 6 CRONOGRAMA. Definição do Objeto da Pesquisa DE 01/08/2014 À 15/01/2014 Brainstorming DE 15/08/2014 À 25/08/2014 Realização de Pesquisas DE 25/08/2014 À 25/09/2014 Definição do Objeto da Pesquisa DE 25/09/2014 À 20/10/2014 Brainstorming sobre o andamento do Projeto DE 20/10/2014 À 01/10/2014 Termino Do Projeto de Pesquisa DE 01/11/2014 À 23/11/2014 Confecção de Slide/Estudo para Apresentação DE 23 /11/2014 À 27/11/2014 Apresentação Dia 28/11/2014 Finalização do Relatório DE 23/11/2014 À 28/11/2014 Revisão Ortográfica e Gramatical DE 29/11/2014 À 02/12/2014 Revisão da Formatação DE 02/12 /2014 À 04/11/2014 Entrega do Projeto Dia 05/12/2014 Tabela 5 - Cronograma
  31. 31. 30 7 RECURSOS E ORÇAMENTOS. 7.1 Recursos materiais. Os Recursos materiais gastos foram basicamente livros publicados sobre o assunto, cujo empréstimo foi realizado na Biblioteca do Campus Santo Antônio da UFSJ. 7.2 Recursos Humanos. Com quatro membros os recursos humanos foram divididos de acordo com a melhor habilidade de cada um. Foi necessária uma pessoa para redigir o Projeto de Pesquisa e outra para o relatório. Os demais ficaram responsáveis pela confecção de Slides para a Apresentação Final além da formatação necessária acordo com as normas ABNT. 7.3 Recursos Tecnológicos. Os recursos tecnológicos básicos utilizados na confecção do projeto foram os microcomputadores portáteis, devido sua fácil mobilidade. Além do acesso à rede mundial de computadores.
  32. 32. 31 8 REFERENCIAS. ROCHA, Júlia M. G.“Relatório de Ensaio Recuperador Calor Acoplado a Chuveiro Elétrico”, GREEN – PUCMG, Brasil SILVA; LOPES, Bruno; VINÍCIUS, Rafael Pavani.“Estudo De Um Recuperador Calor Para Chuveiro”,UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SUL. DONALD Q.KERN.“Processos de Transmissão De Calor”, Ed. Guanabara. KREITH, Frank.“Princípios da Transferência De calor”, 3.ed. Edgar Blutcher, 1977. Links Acessados: http://rewatt.com.br/empresa.html.(Acesso 05/10/2014). http://www.tecnicodepetroleo.ufpr.br/apostilas/engenheiro_do_petroleo/transferencia_calor.pdf.(Acesso 05/10/2014)

×