Conferência1

247 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
247
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conferência1

  1. 1. História e cultura: formação do leitor proficienteCom base na atividade das BE’s do Agrupamento de Escolas doTeixoso. Autores: Dr.ª Maria da Graça Sardinha Dr. João Carlos Camurça Dr. Paulo Serra Cáceres 2011
  2. 2. Diz-nos Patrício (1990: 92) que “a escola tem de tornar-setemplo e tempo de cultura. Esta deve estar ali sob asformas mais importantes: a ciência, a arte, a técnica, afilosofia, o mito, a religião, o jogo. Se a escola se tornaristo torna-se lugar e tempo de qualidade de vida infantil ejuvenil”, mas enquanto lugar de cultura, como pode edeve a biblioteca escolar desenvolver essa cultura?
  3. 3. O Programa Rede de Bibliotecas Escolares (PRBE) foi lançado em1996, pelos Ministérios da Educação e da Cultura, com o objetivode instalar e desenvolver bibliotecas em escolas públicas de todosos níveis de ensino, disponibilizando aos utilizadores os recursosnecessários à leitura, ao acesso, uso e produção da informação emsuporte analógico, eletrónico e digital Rede de Bibliotecas Escolares Rede Interconcelhia das Bibliotecas Escolares Bibliotecas Escolares
  4. 4. Plano Nacional de Leitura Tem como objetivo central elevar os níveis de literacia dos portugueses e colocar o país a par dos nossos parceiros europeus.Plano Nacional de Leitura é uma iniciativa do Governo, daresponsabilidade do Ministério da Educação, em articulação com oMinistério da Cultura e o Gabinete do Ministro dos Assuntos Parlamentares.
  5. 5. O plano nacional de leitura foi lançado para um período de dezanos, divididos em duas fases, com cinco anos cada:Primeira fase (de 2007 a 2011): concentra a sua ação nas crianças daeducação pré-escolar e nos alunos do ensino básico, especialmentedos primeiro e segundo ciclos, uma vez que esses níveis de educação eensino são considerados decisivos para a aquisição precoce decompetências de leitura, necessárias para futuras aprendizagens.Segunda fase (2012 a 2016): após a avaliação da primeirafase, serão definidos novos programas, metas e estudos, a serdesenvolvidos nesta fase.
  6. 6. História das Bibliotecas Escolares do TeixosoA Escola Básica do 2º e 3º ciclos do Teixoso teve o seu início hámais de 40 anos.Já em 1968, nas actuais instalações da Fundação Pina Calado, ondeagora funcionam as atividades de tempos livres, e na entãochamada “Escola dos Passarinhos”, funcionava uma secção daEscola Preparatória Pêro da Covilhã.Em 10 de dezembro de 1999 é formulado o pedido à DirecçãoRegional de Educação do Centro para que a BE seja integrada noPrograma Rede de Bibliotecas Escolares, Candidatura Concelhia/2000.
  7. 7. A Biblioteca Escolar “Lucinda Pires”, nomeatribuído em homenagem à colega que fez parteda primeira equipa fundadora da mesma,entretanto falecida, faz parte da Rede deBibliotecas Escolares desde 2000. A Biblioteca Escolar EB1 do Teixoso foi inaugurada em 25 de Abril 2008, passando a integrar a Rede de Bibliotecas Escolares desde o primeiro momento.
  8. 8. Espaço físico
  9. 9. Área de intervenção Todas as localidades distam entre 15 a 25 km da Covilhã e são predominantemente rurais na sua geografia, atividade económica, cultura e tradições.
  10. 10. Área de intervenção Localidades situadas numa zona de transição entre as Beiras Alta e Baixa. Pertencem geograficamente à região da Serra da Estrela, entre a encosta e a Cova da Beira.
  11. 11. Área de intervenção Teixoso (sede) Verdelhos Aldeia de Souto Vale Formoso Orjais Borralheira Gibaltar Terlamonte Sarzedo
  12. 12. Estabelecimentos de ensino 4 jardins de infância 4 escolas do 1º ciclo 1 escola do 2º e 3º ciclos
  13. 13. Espaço físico
  14. 14. Alunos
  15. 15. Professores Pré Escolar; 6 1º Ciclo; 192º e 3º Ciclos; 39
  16. 16. Assistentes operacionais 12 9 0 2 1 3 C T Q Pré Escolar E 1º Ciclo 2º e 3º Ciclos
  17. 17. O professor bibliotecárioA figura de professor bibliotecário surge com a publicação daportaria nº 756/ 2009 de 14 de Julho.As competências do professor bibliotecário definidas pelaportaria são:  Assegurar serviço de biblioteca;  Promover a articulação das atividades da biblioteca;  Assegurar a gestão dos recursos humanos afetos à(s) biblioteca(s);  Garantir a organização do espaço ;
  18. 18. Definir e operacionalizar uma política de gestão dos recursosde informação;Apoiar as atividades curriculares ;Apoiar atividades livres, extracurriculares e de enriquecimento curricular; Favorecer o desenvolvimento dos hábitos e competências de leitura; Estabelecer redes de trabalho cooperativo; Implementar processos de avaliação dos serviços ; Representar a biblioteca escolar no conselho pedagógico.
  19. 19. Modelo de avaliação das Bibliotecas EscolaresO presente modelo para a avaliação das BE, é relevante como formade objectivar e de concretizar como o trabalho destas está a serdesenvolvido, tendo como pano de fundo essencial o seu contributopara as aprendizagens, para o sucesso educativo e para a promoçãoda aprendizagem ao longo da vida. Neste sentido, é importante quecada escola conheça o impacto que as atividades realizadas pela ecom a BE vão tendo no processo de ensino e na aprendizagem, bemcomo o grau de eficiência e de eficácia dos serviços prestados e desatisfação dos utilizadores.
  20. 20. O modelo de avaliação construído resultou de uma análise efectuada sobre outros modelos já existentes e sobre a realidade da escola portuguesa Descrição do modelo Domínio A - Apoio ao desenvolvimento curricular; Domínio B - Leitura e literacia; Domínio C - Projectos, parcerias e actividades livres e deabertura à comunidade; Domínio D - Gestão da biblioteca escolar.
  21. 21. Resultados Exames nacionais 20 pontosLíngua Portuguesa 77% acima da média nacional 18 pontosMatemática 60% acima da média nacional
  22. 22. Resultados Provas de aferição 22 pontosLíngua Portuguesa 87% acima da média nacional 11 pontosMatemática 69% acima da média nacional
  23. 23. Resultados Testes intermédios Média Interna Média Nacional Teste 1 Teste 2 Teste 1 Teste 2 Matemática 9º Ano 47 48 40 44 Média Interna Média Nacional Matemática 8º Ano 65 50 História 9º Ano 42 42 Inglês 9º Ano 65 64 Ciências Naturais 9º Ano 60 56 Geografia 9º Ano 64 54 Físico Química 9º Ano 61 61Língua Portuguesa 9º Ano 60 55
  24. 24. Resultados Ranking de escolas (fonte: Público) Ano Posição 2007 330 2008 253 2009 636 2010 250 2011 186
  25. 25. Exposição do “Dia do Livro e dos Direitos deAutor”
  26. 26. Exposição comemorativa dos 512 anos dachegada de Vasco da Gama à Índia.
  27. 27. Exposição Dia Mundial Exposição do Dia de Sãoda Música Martinho
  28. 28. Prémio Nobel da Literatura
  29. 29. Exposiçãocomemorativa dos 200anos do nascimento de Darwin
  30. 30. Exposição comemorativado Dia da ImaculadaConceição.
  31. 31. Encontro com a escritora Olinda Beja
  32. 32. Encontro com a escritora Teresa Reis
  33. 33. Encontro com o escritor ilustrador PedroSeromenho
  34. 34. Encontro com a escritora Maria Dinis Mineiro
  35. 35. Ação de formação, dinamizada pela Prof. Dr.ªGraça Capinha, sobre escrita criativa
  36. 36. Ação de formação dinamizada pela Dr.ª AnaCabral.
  37. 37. Parlamento dos Jovens dinamizado pela deputadaHortense Martins, subordinado ao tema “Bullingem meio escolar”
  38. 38. Parlamento dos Jovens dinamizado pelodeputado Jorge Seguro Sanches, subordinado aotema “Educar para os afetos”.
  39. 39. “Relembrar Florbela Espanca”
  40. 40. Concurso de Flauta
  41. 41. Exposição e concurso do “Dia dos Namorados”
  42. 42. Concurso Nacional de Leitura 2010, fase de escola.
  43. 43. Atividades sobre a “Menina do Mar”, deSophia de Mello Breyner Andersen
  44. 44. Representação do “Autoda Barca do Inferno” deGil Vicente
  45. 45. Feira do Livro
  46. 46. Atividade Experimental “Química Divertida”
  47. 47. Estas atividades tiveram e continuam ter em vista o desenvolvimentode competências para fazer dos nossos alunos leitoresproficientes, que sejam capazes de:Desfrutar com a própria atividade de recepção;Emitir hipóteses sobre o tipo de texto, identificar indícios textuaise, especialmente conhecer e empregar as estratégias úteis e capazespara dar seguimento ao processo leitor;Inferir valores semânticos, semióticos e estéticos;Possuir um bom domínio dos códigos linguístico, literário e semiótico;Conhecer e ativar referências de códigos culturais.
  48. 48. BibliografiaCONDE, Elsa; MARTINS, Rosa; BASTOS; Glória, Modelo de Avaliação da Biblioteca Escolar,Rede de Bibliotecas Escolares, Lisboa, 2011.MENDONZA FILLOLA, Antonio (1999), “Función de la literatura infantil y juvenil en laformación de la competencia literaria”, in Pedro Cerrillo y Jaime Padrino(coord.), Literatura infantil e su didáctica, Cuenca, Ediciones de la Universidad de Castilla-La Mancha, pp 11-53.
  49. 49. Webgrafia:http://osonho-condeourem.blogspot.com/2009/06/forum-rbe.html, acedido em 11 deoutubro de 2011http://rbe.min-edu.pt/np4/programa.html, acedido em 11 de outubro de 2011http://rbe.min-edu.pt/np4/np4/?newsId=33&fileName=portaria756.pdf, acedido em12 de outubro de 2011 http://www.planonacionaldeleitura.gov.pt/pnltv/apresentacao.php?idDoc=1, acedido em 17 de outubro de 2011.http://www.min-edu.pt/index.php?s=white&pid=698, acedido em 17 de outubro de 2011

×