UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS<br />PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO<br />FACULDADE DE EDUCAÇÃO<br />Positiv...
Biografia de Auguste Comte<br /><ul><li>1798: Isidore Auguste Marie Xavier Comte nasce em Montpellier no sul da França;
1806: aos 9 anos é internado no Liceu de Montpellier;
1812: se prepara ao concurso da Escola Politécnica de Paris;
1814: aos 16 anos ingressa na Escola Politécnica de Paris;
1817: conhece Saint-Simon;
1824: rompe com Saint-Simon;
1825: casa-se com Caroline Massin; </li></li></ul><li>Biografia de Auguste Comte<br /><ul><li>1826: inauguração do Curso d...
1827: Comte tenta o suicídio, no Sena;
1829: retoma o curso de Filosofia Positiva;
1830: começa escrever Cours de Philosofie Positive;
1842: separa-se de Caroline Massine termina de escrever Cours de PhilosofiePositive;
1844: publica o “Discurso sobre o Espírito Positivo” e conhece sua musa inspiradora Clotilde de Vaux; </li></li></ul><li>B...
1846: morre Clotilde e Comte a transforma no gênio inspirador de uma nova religião;
1847: Comte proclama a Religião da Humanidade;
1851/1854: publica “Política Positiva” e o “Catecismo Positivista”;
1857: 5 de setembro, morre em Paris Augusto Comte;</li></li></ul><li>Contextualização Histórica<br /><ul><li>Comte viveu n...
 A maior parte das idéias de Comte veio à luz durante a Restauração, período histórico politicamente conservador e reacion...
A corrente de pensamento positivista surge no século XIX das crises sociais e moral do final da Idade Média e do princípio...
Suas raízes enraigam do empirismo do filósofo inglês David Hume (morto em 1776), que inculcou nos seus seguidores uma pode...
Dessa forma, o positivismo tornou-se a expressão renovada do agnosticismo (indiferença à existência de Deus) e do ateísmo;...
O positivismo caracteriza-se por um tom geral de confiança nos benefícios da industrialização bem como por um otimismo em ...
O funcionamento da sociedade obedeceria a diretrizes predeterminadas para promover o bem-estar do maior número possível de...
Construiu templos positivistas, onde a humanidade e não a divindade, seria venerada. Comte via a humanidade como uma entid...
Essa reforma da sociedade se daria da seguinte forma: reorganização intelectual, depois moral e por fim, política, pois se...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sobre Positivismo - Auguste Comte

33.276 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
33.276
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.026
Comentários
0
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sobre Positivismo - Auguste Comte

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS<br />PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO<br />FACULDADE DE EDUCAÇÃO<br />Positivismo Auguste Comte<br />®Mestrandas: Ana Paula Moreira de Sousa<br />Emiliana Cristina Rodrigues Nunes<br /> Geiliane Salles Teixeira<br />DOURADOS-MS<br />2011<br />
  2. 2. Biografia de Auguste Comte<br /><ul><li>1798: Isidore Auguste Marie Xavier Comte nasce em Montpellier no sul da França;
  3. 3. 1806: aos 9 anos é internado no Liceu de Montpellier;
  4. 4. 1812: se prepara ao concurso da Escola Politécnica de Paris;
  5. 5. 1814: aos 16 anos ingressa na Escola Politécnica de Paris;
  6. 6. 1817: conhece Saint-Simon;
  7. 7. 1824: rompe com Saint-Simon;
  8. 8. 1825: casa-se com Caroline Massin; </li></li></ul><li>Biografia de Auguste Comte<br /><ul><li>1826: inauguração do Curso de Filosofia Positiva;
  9. 9. 1827: Comte tenta o suicídio, no Sena;
  10. 10. 1829: retoma o curso de Filosofia Positiva;
  11. 11. 1830: começa escrever Cours de Philosofie Positive;
  12. 12. 1842: separa-se de Caroline Massine termina de escrever Cours de PhilosofiePositive;
  13. 13. 1844: publica o “Discurso sobre o Espírito Positivo” e conhece sua musa inspiradora Clotilde de Vaux; </li></li></ul><li>Biografia de Auguste Comte<br /><ul><li>1845: Comte é sustentado por amigos como Stuart Mill;
  14. 14. 1846: morre Clotilde e Comte a transforma no gênio inspirador de uma nova religião;
  15. 15. 1847: Comte proclama a Religião da Humanidade;
  16. 16. 1851/1854: publica “Política Positiva” e o “Catecismo Positivista”;
  17. 17. 1857: 5 de setembro, morre em Paris Augusto Comte;</li></li></ul><li>Contextualização Histórica<br /><ul><li>Comte viveu num período (século XIX) da história francesa em que se alternava regimes despóticos e revoluções. Acontecia nesse momento o processo da Revolução Francesa (1789-1799);
  18. 18. A maior parte das idéias de Comte veio à luz durante a Restauração, período histórico politicamente conservador e reacionário, compreendido entre os anos de 1815 a 1848 (do Congresso de Viena até as revoluções de 1848), quando os princípios liberais e democráticos da Revolução Francesa entraram em refluxo, sofrendo perseguições por parte dos conservadores e dos contra-revolucionários;</li></li></ul><li><ul><li>Inspirado, num primeiro momento por Saint-Simon, seu mestre, um dos mentores do socialismo utópico, para quem trabalhou como secretário de 1819 a 1824, Comte vislumbrou o surgimento de uma nova era, de uma Nova Ordem que superaria tanto o liberalismo-democrático como o reacionarismo: a Era Científica ou Positiva;
  19. 19. A corrente de pensamento positivista surge no século XIX das crises sociais e moral do final da Idade Média e do princípio da Revolução Industrial e em meio a uma tensão do Liberalismo, quando os pensadores que defendiam esta corrente começaram a discordar acerca da tentativa de conciliar a estrutura racional liberal com o empirismo.</li></li></ul><li><ul><li>O Positivismo foi uma das primeiras doutrinas filosóficas do século XIX e uma das mais influentes do seu tempo.
  20. 20. Suas raízes enraigam do empirismo do filósofo inglês David Hume (morto em 1776), que inculcou nos seus seguidores uma poderosa vocação em procurar entender as coisas do mundo com olhos científicos, afastando-se de tudo o que não fosse exato, factual, comprovável;
  21. 21. Dessa forma, o positivismo tornou-se a expressão renovada do agnosticismo (indiferença à existência de Deus) e do ateísmo;</li></li></ul><li><ul><li>O positivismo a partir da segunda metade do século XIX refletiu o entusiasmo burguês pelo progresso trazido com o desenvolvimento técnico-industrial capitalista;
  22. 22. O positivismo caracteriza-se por um tom geral de confiança nos benefícios da industrialização bem como por um otimismo em relação ao progresso capitalista, guiado pela técnica e pela ciência;
  23. 23. O funcionamento da sociedade obedeceria a diretrizes predeterminadas para promover o bem-estar do maior número possível de indivíduos;</li></li></ul><li><ul><li>Projetou uma ordem espiritual – inspirada na hierarquia e na disciplina da Igreja Católica que considerava muitos eficientes, e essa nova doutrina se dissociava totalmente da teologia cristã, pois, esta se baseava no sobrenatural e não no materialismo científico;
  24. 24. Construiu templos positivistas, onde a humanidade e não a divindade, seria venerada. Comte via a humanidade como uma entidade uma, que nomeou de Grande Ser;</li></li></ul><li><ul><li>Comte levou em consideração a questão social em suas reflexões. Ele defende a necessidade de uma reorganização completa da sociedade e essa reconstrução da sociedade consistia na regeneração das opiniões e dos costumes humanos. Logo, era necessária uma reestruturação intelectual dos indivíduos e não de uma revolução das instituições sociais, como propunham Saint-Simon, Fourier e Proudhon;
  25. 25. Essa reforma da sociedade se daria da seguinte forma: reorganização intelectual, depois moral e por fim, política, pois segundo ele, a Revolução Francesa destruiu uma série de valores importantes da sociedade tradicional, não sendo capaz, entretanto, de impor novos e permanentes valores para a emergente sociedade burguesa;</li></li></ul><li><ul><li>Na relação aos conflitos entre proletários e capitalistas, Comte assumiu uma posição considerada conservadora, defendendo a legitimidade da exploração industrial, concordava com a divisão das classes sociais e considerava indispensável a existência dos empreendedores capitalistas e dos operadores diretos, o proletariado.
  26. 26. A tarefa a ser desempenhada pela filosofia positiva era restabelecer a ordem na sociedade capitalista industrial;
  27. 27. As transformações impulsionadas pelas ciências visavam o progresso, este, porém, deve estar subordinada à ordem;</li></li></ul><li><ul><li>O pensamento positivista propõe um novo método e técnica, defende a ideia de existência humana conduzida apenas por valores completamente humanos, separando radicalmente a teologia e a metafísica, associando a uma diferente interpretação das ciências e uma classificação do conhecimento ligada à ética humana radical;
  28. 28. Preocupa-se apenas com questões que estavam ligadas ao humano e não a questões que se referiam ao plano externo, ao inventivo. </li></ul> <br />
  29. 29. Características do pensamento de Comte<br /><ul><li>Classificação das Ciências por Comte: </li></ul>● Ciências Abtratas● Ciências Concretas <br />
  30. 30. O que é positivo para Comte<br /><ul><li> real
  31. 31. útil
  32. 32. certo
  33. 33. preciso
  34. 34. relativo
  35. 35. orgânico
  36. 36. simpático</li></li></ul><li>A Lei dos Três Estados<br /><ul><li>Teológicoou fictício: explicação baseada na fé, Deus é a única verdade, predomina a imaginação.</li></li></ul><li>A Lei dos Três Estados<br /><ul><li>Metafísico ou abstrato: O homem deixa de crer plenamente em Deus e deixa de responsabilizá-lo por todos os fenômenos, predomina a argumentação;
  37. 37. Positivoou científico: O homem procura as respostas para todos os fenômenos na ciência, predomina a observação;</li></li></ul><li>O Positivismo na Educação<br /><ul><li>O objetivo educacional positivista é modificar o mundo para adaptá-lo às necessidades humanas e aperfeiçoar o homem, utilizando-se da inteligência;
  38. 38. A partir da inteligência, o homem poderia prever os acontecimentos e as modificações que devem ser neles introduzidos para que sejam obtidos determinados efeitos, ou seja, saber para prever a fim de prover;</li></li></ul><li><ul><li>A evolução do indivíduo segue um trajeto semelhante à evolução das sociedades. Sendo assim, na infância passa-se por uma espécie de estágio teológico, quando a criança tende a atribuir a forças sobrenaturais o que aconteceu a seu redor. A maturidade do espírito seria encontrada na ciência;
  39. 39. Na escola de inspiração positivista, os estudos científicos prevalecem sobre os literários;
  40. 40. A educação deveria assumir a responsabilidade de desenvolver nos jovens o altruísmo em detrimento do egoísmo, mostrando a eles que o objetivo existencial mais nobre é dedicar às outras pessoas (Toda educação humana deve preparar cada um a viver para os outros);</li></li></ul><li><ul><li> A educação positivista visa a informar o aluno sobre a ordem – isto é, como o mundo funciona e formar seu caráter, tornando-o mais bondoso. Era fundamental que os membros de uma sociedade aprendessem desde pequenos a importância da obediência e da hierarquia;
  41. 41. Na educação (pelo fato do positivismo levar em conta apenas os fenômenos observáveis e considerar anticientíficos os estudos dos processos mentais do observador) acarretou ênfase na aferição da eficiência dos métodos de ensino e do desempenho do aluno;</li></li></ul><li><ul><li> Comte acreditava que a ciência positiva seria o fundamento da fraternidade entre os homens, mas a responsabilidade por conduzir o aperfeiçoamento das instituições estaria restrita a uma elite de cientistas;
  42. 42. Acreditava que a solidariedade era um impulso natural do ser humano e que a escola é um dos órgãos sociais responsáveis por promovê-la;
  43. 43. Comte divide a educação positivista em duas, sendo elas: espontânea e sistemática;</li></li></ul><li><ul><li>Na espontânea, o sistema educacional, seria a primeira fase, que se estende do nascimento à puberdade, que deve ser ministrada apenas pela mãe, que deve dirigi-la de modo inteiramente espontâneo, ao mesmo tempo, física, intelectual e moral;
  44. 44. Na sistemática, considera que a inteligência é, sobretudo moral, sendo que cada ciência deve ser estudada no grau necessário para se chegar a seguinte, até se atingir a moral, que é a principal. Nesta se passa naturalmente da teoria para a práxis, quando, depois de estudar a natureza humana, na moral teórica, estabelece-se o seu aperfeiçoamento, na moral prática, elaborando-se um sistema geral de educação;</li></li></ul><li><ul><li>O ensino científico positivista deve, em suma, facultar ao aluno familiarizar-se com as teorias gerais e os métodos peculiares a cada ciência, refazendo, por assim dizer, a evolução intelectual da Humanidade;
  45. 45. Desse modo, a educação vai dos fenômenos mais simples aos mais complexos, e se ela que não chegar à moral, não é educação, pois seu objetivo é completar a ordem interior, que o desenvolvimento afetivo e a cultura estética estabeleceram, pelo conhecimento da ordem exterior, que a domina;
  46. 46. Embora o positivismo seja bastante criticado no plano teórico, trata-se de uma doutrina muito influente no plano prático;</li></ul> <br />
  47. 47. Principais obras de Auguste Comte<br /><ul><li>Curso de filosofia positiva(1830-1842) em 6 volumes;
  48. 48. Opúsculos de Filosofia Social (1816-1828);
  49. 49. Sistema de política positiva, em 4 volumes (1851-1854);
  50. 50. Discurso sobre o conjunto do Positivismo (1848);
  51. 51. Catecismo positivista (1852);
  52. 52. Apelo aos conservadores (1855);
  53. 53. Síntese subjetiva (1856) e Correspondência, em 8 volumes (1816-1857). </li></li></ul><li>Premissas Positivistas<br /><ul><li>“Tudo é relativo, e isso é a única coisa absoluta.”
  54. 54. “O amor por princípio, a ordem por base, o progresso por fim.”
  55. 55. “ Induzir para deduzir a fim de construir.”
  56. 56. “O homem resume em si todas as leis do mundo”</li></li></ul><li>“O amor vem por princípio, a ordem por base<br /> O progresso é que deve vir por fim<br /> Desprezaste esta lei de Auguste Comte<br /> E foste sem feliz longe de mim” <br />Noel Rosa (1933)<br />

×